Duff

Duff Kody Keplinger




Resenhas - Duff


101 encontrados | exibindo 76 a 91
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


spoiler visualizar
comentários(0)comente



Tati Vidal 30/08/2019

Livro pra ler de uma vez
Peguei esse livro 7 da manhã, não esperava muita coisa, mas em uma sentada terminei de ler.

Gostosinho. Interessante.

Nada muito diferente de amor de adolescente. Gostei. Recomendo
comentários(0)comente



Fernanda 25/07/2016

Duff
Resenha no blog:

site: http://www.segredosemlivros.com/2016/07/resenha-duff-kody-keplinger-globolivros.html
comentários(0)comente



May vieira 28/10/2016

Bem diferente do filme. Gostei mais do livro, o filme faz ela parecer idiota.
comentários(0)comente



Lethy 12/02/2019

OS CLICHÊS NÃO-CLICHÊS
"Nunca foi o meu papel julgar"

Considerando o quanto eu amei DUFF, é estranha a dificuldade que sinto ao tentar expor em palavras tudo o que eu senti durante a leitura agora que ela está terminada. Isso talvez tenha muito a ver com a intensidade com a qual a história me toca toda vez que a leio (e essa já é, atenção, a terceira vez). Existem livros que despem a alma a tal ponto que nos sentimos nus depois de fechar as suas páginas. Após isso, recolocar as roupas é difícil – e a escrita, para mim, é justamente esse processo de se revestir.

Bianca Piper é uma adolescente como qualquer outra, ela tem duas melhores amigas maravilhosas, um pai incrível e um futuro inteiro pela frente. É claro que nem tudo são flores. Jess e Casey, as amigas em questão, adoram festas, o que ela odeia, e a obrigam a passar um tempo maior do que o desejado no Nest, um clube noturno para adolescentes, cujos maiores atrativos para Bianca são as cocas light e a amizade de Joe, o bartender. Sua mãe não volta para casa há meses, usando a desculpa de estar em turnês para divulgar o seu livro, embora seja óbvio que esse não é o verdadeiro motivo. O divórcio de seus pais é iminente, eles só não o botaram em palavras – ou papéis – ainda.

Não bastando tudo isso, agora Wesley tinha feito o favor de abrir sua boca grande, que, infelizmente, fazia mais do que beijar bem – não que ela pensasse nele nesses termos. Ainda. Acontece que, numa noite no Nest, ele a chama de Duff. Designated Ugly Fat Friend (em tradução livre: amigo – ou amiga – feio e gordo da vez) é uma sigla usada para designar a pessoa menos atraente em um grupo de amigos. Ou seja, resumindo, Wesley diz que, comparada a Jess e Casey, Bianca certamente não é a primeira opção de nenhum cara. Agora, ela não sabe o que odeia mais: ele, por ter dito tamanha idiotice; ou ela mesma, por se importar.

Wesley Rush representa tudo que Bianca odeia e, ao mesmo tempo, tudo de que ela precisa no momento. Ele é um rico pegador mimado? Certamente. Foi ele que a chamou de Duff pela primeira vez? Correto. Ela o detesta por tudo isso? Sem sombra de dúvidas. Mas, depois de uma noite conturbada que a levou a tomar uma decisão estúpida, Wesley também mostra ser o único capaz de calar seus pensamentos incessantes e suas preocupações com um beijo.

É justamente por isso que ela embarca em um relacionamento secreto e aparentemente sem futuro, apenas para ter alguns momentos de paz em meio ao inferno para o qual está caminhando sua vida: Wesley se torna sua fuga.

Mas até onde consegue ir uma pessoa que foge de seus próprios sentimentos?

DUFF é o tipo de livro que parte de uma premissa, à primeira vista, simples, porém acaba enveredando por assuntos bastante complicados. A mocinha certinha e o galinha é, com certeza, um dos maiores clichês românticos. Contudo, Bianca e Wesley não são clichês porque eles vão para além do que pressupõem seus estereótipos. A forma com que eles lidam com sexo, beleza, rótulos, expectativas sociais e, principalmente, um com o outro é simplesmente cativante. Eles evoluem juntos e é apaixonante acompanhar esse processo. Faz com que nos sintamos parte de algo importante demais.

[...]

CONTINUA NO SITE

site: https://grupocanetatinteiro.com.br/resenha-47-os-cliches-nao-cliches/
comentários(0)comente



Nanda 15/01/2018

Filme adolescente americano
Bianca Piper é uma garota que está no último ano do ensino médio. Ela é inteligente, cínica, sarcástica e leal. Tem duas amigas loucas e na qual ela confia muito. Em uma noite, em um clube noturno para adolescentes, Bianca descobre que é uma DUFF. Quem a contou? Wesley Rush o popular, pegador e riquinho do colégio.

De início Bianca não entende o que significa, mas após olhar para suas amigas e olhar para si, ela percebe que ela é a amiga feia e gorda do grupo. Apesar de Bianca sempre se sentir confiante acaba que depois que descobre que é uma DUFF, começa se sentir inferior.

Em meio a iminente separação dos pais, Bianca se sente perdida, não quer preocupar suas amigas. Em um momento de loucura e a procura de distração de seus problemas, ela acaba beijando Wesley Rush. Se não bastasse isso, ela acaba mantendo em segredo um relacionamento com ele.

Bianca vai ter que lidar com a separação dos pais, ser uma DUFF e seu relacionamento secreto com Wesley.

Eu não sei se o problema foi comigo mas eu não gostei tanto do livro, quanto achei que gostaria. Não que eu não goste de livro clichê, mas gosto dos clichês que mostre algo novo e aqui não teve isso. Eu passei a leitura toda já sabendo o que ia acontecer e acaba que não surpreende em nada.

Apesar disso, gostei da forma como foi abordado o preconceito que as mulheres fazem com outras mulheres, seja sobre a aparência ou estilo de vida.
Indico para quem quer uma leitura leve ou começou no mundo da leitura agora, ou até mesmo para você que gosta de histórias bem clichês.

site: https://www.instagram.com/minhadesordemperfeita/
comentários(0)comente



Maníaca Literária 14/01/2017

Duff
Eu era uma Duff . Duffs não tem encontros . Não os verdadeiros . Pág 236

Bianca Piper não é a garota mais bonita dá escola , mas tem um grupo leal de amigas é inteligente e não se importa com o que os outros pensam dela . Ou é o que procura acreditar.
Bianca está no último ano do ensino médio, tem duas melhores amigas Jéssica e Casey . É mais apegada com Casey que a conhece dês de pequena e primeiro que Jes e por outros fatos que B não queria que Jes soubesse para não maguala e o mundo dela é bem diferente .
Como sempre B ia com suas amigas no Nes um lugar onde ela não gosta mais ia para agradar suas amigas que se acabavam de dançar na pista de dança , até que numa noite Wesley Rush lhe chamou de DUFF , ela chocada saiu do lugar deixando Wes insopado de coca .
Outro dia elas voltam ao Nes e Wes se aproxima de Bianca de novo com o intuito de passar a noite com uma de suas amigas mais Bianca sufocada com o que estava acontecendo com seu pai um ex alcoólatra que voltou a beber depois do pedido de divórcio da sua mãe uma palestrante, e chocada com o fato do cara que ela é apaixonado Tobey Toker ter namorada e o nome DUFF que não sai dá sua mente,com isso ela não pensa duas vezes e acaba beijando Wes como uma distração e Wes não a empurra como ela pensaria que seria.
O irmão de Jes estava de volta e abalou muito Bianca por ele ter sido a sua primeira decepção amorosa e seu primeiro cara , tentando evitar tudo B começa a usar o sexo com Wes como uma distração . Wes é de família rica e muito bonito e popular fazendo as garotas se jogarem nele, e ela o odiava por ser esse galinha pensando que ele tinha a vida perfeita.


Bianca ficou com ele como uma válvula de escape para os seus problemas mais acabou descobrindo que ela e Wes tinha muita coisa em comum e fica confusa com seus sentimentos e acaba tudo com ele .
Mais acaba se envolvendo com Tobey que recentemente está solteiro .
B fica confusa diante dos atos de Wes e confusa será que está fazendo o certo será Tobey o cara errado .
Diferente do filme Bianca no livro não quis mudar por ser chamada de DUFF quis ser ela mesma Bianca Piper e no filme ela pede ajuda de Wes para não ser uma DUFF.
O filme e o livro são completamente diferente o livro passa muito na dificuldade que os adolescentes passam no período do ensino médio , as paixões, a realidade dos pais que se divorciam e o nome dado para que se faça bulling com as pessoas .
Bianca sempre na defesa , sempre com o escudo erguido para não se machucar de novo . Diante desses sentimento um procura refugiu no outro , e Bianca ficou ficou estranha com suas amigas correndo sempre para o refugiu chamado Wes .
E agora Wes ou Tobey ?
comentários(0)comente



Carla Cássia - @contra.capa 16/10/2017

Um livro sensível e atual.
‘Duff’ foi um livro que mexeu comigo, me fez pensar sobre rótulos, amor, amizade e o quanto é difícil sermos aceitas na sociedade. Quando falo isso digo diretamente para as mulheres, já que é mais difícil para nós. Posso afirmar isso ainda mais com o título desse livro, pois D.U.F.F nada mais é que uma sigla para "Designated Ugly Fat Friend", ou seja, "amigo(a) designado(a) gordo(a) e feio(a)" ou simplesmente a pessoa feia ou menos bonita do grupo, do grupo FEMININO.

Esse tipo de termologia nasce nas piadas “para todo grupo de meninas bonitas sempre tem uma feia inteligente, ou uma gorda engraçada, ou uma altona desengonçada” e por aí vai. E muitas vezes (e isso dói, pois é a sociedade que vivemos) são as próprias mulheres que criam essas nomenclaturas.

Contudo, no livro, Bianca é dita como a DUFF por um homem, que tem um título também, de “O galinha”, que claramente não o ofende ou reflete algo ruim em sua imagem. Entretanto, a personagem principal vê nisso uma razão para se manter distante dele, mostrando como a julgada pode ser um julgador também, e também vemos como a nossa sociedade nos doutrina a apontar para o outro e lhe culpar por simplesmente ser quem é, ou por não ser como os outros.

Então, no primeiro momento me deparo com dois protagonistas que são altamente chatos por seus julgamentos. Entretanto,é no envolvimento dos dois que as coisas mais belas ocorrem durante a leitura. Bianca é uma personagem reclamona, que procura se entender. Ela não tenta agradar aos outros, e isso é o que mais me agrada nela. Bianca é fiel aos seus amigos, mostrando uma valorização entre as mulheres que deve ser dita, gritada mais na nossa sociedade (por menos clichêsde “melhor amiga trai a outra”, isso não é saudável).

Wesley é um personagem que num primeiro momento não me conquistou, pois o via como um sem noção. Para mim ele pode passar o rodo em geral, mas não tem o direito de menosprezar as pessoas ou dizer algo que o faça. Entretanto, durante a leitura o personagem vai crescendo aos poucos e eu fui me apegando a ele. Assim como Bianca, a qual eu não gostava muito no começo, Wesley me mostrou outra face, tornando-se um personagem real com falhas e qualidades.

DUFF é atual, sensual e sexual, porque sim os jovens têm que falar de sexo (por menos tabu e mais aconselhamento preventivo). Por mais amizades verdadeiras, de pessoas diferentes com gostos diferentes e sonhos diferentes. Não é porque sua amiga gosta de pop e você de rock que as coisas têm que acabar e ela te trair roubando seu namorado.
Esse livro foi um presente de aniversário (obrigada Thássia) e sem dúvidas foi uma das minhas melhores leituras de 2017! Não vou falar sobre os outros personagens incríveis e outras mil situações que merecem comentários, pois não quero estragar a leitura de ninguém, mas sem dúvida, todos merecem e devem ler DUFF, pois diversidade começa quando todos conseguem ver no outro um igual, não um rótulo.

XOXO.
Para mais resenhas como essa. Link abaixo

site: www.blogcontracapa.com.br
comentários(0)comente



Andresa @escritoselivros 15/06/2016

Acredito que Duff não seja completamente fictícia, pois claramente se assemelha com a realidade, ousaria dizer que mais até do que ficção.
Sinopse: Bianca Piper pode não ser a garota mais bonita da escola, mas é estudiosa e tem amigas leais. Aparentemente não se importa com o que pensam dela ou será que é isso o que deseja que pensem? Quando o Wesley a classifica como uma Duff Designated fat friend (desengonçada, útil, feia e fofa), ela passa a se enxergar de outra maneira. Com a separação de seus pais, os conflitos internos e a súbita atração por um cara que não parecia ser nenhum pouco interessante.

A história começa com Bianca num bar com as amigas, apesar de não sair muito, faz seus esforços por elas. Ao receber um comentário de Wesley, a noite se da por encerrada e assim começam mais conflitos internos sobre o que pensa sobre si mesma. Apesar de demonstrar não se importar, aquele comentário acabou com tudo. Seus pais estão se separando, sua mãe dá palestras em lugares por toda a região. Porém ela tem ido longe demais e se tornando ausente em sua vida e na de seu pai ex-alcoólatra até então.

Apaixonada por um cara chamado Tobby Tucker, eles estudam juntos há algum tempo. Até então eles mal tinham trocado duas palavras, porém uma amizade inesperada acontece entre os dois.

O livro é um clichê americano que foge do convencional em alguns aspectos, abre discussões importantes sobre rótulos, problemas familiares e seus julgamentos sobre si mesmo. É um daqueles livros indicados para adolescentes que estão no ensino médio. Acredito que Duff não seja completamente fictícia, pois claramente se assemelha com a realidade, ousaria dizer que mais até do que ficção.

Me surpreendi em muitos aspectos com o livro, principalmente porque eu esperava que fosse igual ao filme pelo menos na maior parte da obra, mas são completamente distintos em muitos aspectos. O filme foi criado para ser um romance adolescente americano com uma leve reflexão, o livro é claramente um relato pessoal e altamente reflexivo. O começo é meio parado, o que me levou a acha-lo um pouco chato, contudo me surpreendi quando me peguei devorando o livro em poucos dias.


Comentei sobre isso no twitter enquanto lia, Duff tem a personalidade que faltou no filme. Adaptações não são perfeitas, eu sei, apesar disso eu gostei de ambos como obras separadas. Se quiserem posso fazer um Filme X livro na categoria Manteiga de cinema onde comento sobre filmes.


Gostei muito da Bianca de verdade, uma personagem de muita personalidade, extremamente inteligente e reflexiva. Como o livro é narrado em primeira pessoa, senti-me como se fosse uma pessoa próxima dela, levando em consideração alguns acontecimentos da história.

Citações favoritas:
Usar palavras como essa é mais fácil do que entender de verdade a situação. Garanto que você não é uma vadia.


Não sou nem um pouco romântica, mas é pura lógica. Negar aos homossexuais o direito ao casamento infringe a liberdade e igualdade deles. É completamente errado.


Talvez, mas não demais. Você é bem boa, Bianca. Você falou de um jeito sincero, não parece temer ser você mesma, e é democrata. Pra mim, isso torna você incrível.

A vida era dela. A escolha era dela. E não era meu papel julgá-la.

Desculpas não mudam o futuro.

Já leram Duff ou só assitiram o filme? Qual dos dois? Me contem nos comentários as opiniões de vocês, pode ter visto só o filme ou apenas ter lido o livro.


site: http://escritoselivros.blogspot.com.br/2016/06/estante-duff.html
comentários(0)comente



Paac 16/07/2017

Duff é uma mescla de dramas familiares e conflitos internos
Minha curiosidade com o livro Duff surgiu em 2015 quando assisti ao filme, que curiosamente descobri o enredo por indicação de uma conhecida que já havia lido e assistido as versões originais antes de lançarem no brasil. Duff é um livro interessante, apesar do drama teen, e de envolver adolescente é perceptível o quanto eles podem ser responsáveis e quanto dramas atuais se encaixam tão bem em uma “ficção”.
Bianca Piper é uma adolescente que está prestes a terminar o ensino médio, segura de si, independente e inteligente sempre teve forte posicionamento sobre si até que um dia se vê em um novo conflito após descobrir que de acordo com Wesley Rush (pegador da escola) e todos os outros do colégio ela é uma DUFF.
Essa poderia ser mais uma história Jovem Adulto com temáticas fortes e problemáticas mas pra mim DUFF traz um enredo curioso, não temos uma protagonista quieta, recatada e do lar como estamos "acostumadas" ou como esperam, pelo contrário Bianca Piper é decidida, sarcástica, irônica e inteligente, sabe que seu biótipo físico não está dentro de um padrão de beleza e ainda sim não se modifica para agradar os outros. Wesley Rush poderia ser mais um bonitão, com corpo incrível e conquistador que passa a história inteira sendo perfeito, porém é notável que ele tem seus conflitos, e mesmo tendo uma boa vida – como todos acham que tem, ele é solitário e até mesmo incompreendido, sua falta de laços familiares consistentes o tornaram um exemplo de pessoa que prefere não criar laços afetivos e relações.
Duff é uma mescla de dramas familiares e conflitos internos, é impossível não se sentir próximo dos personagens e compartilhar as emoções, a empatia é quase que automática, e talvez esse seja o maior ponto positivo da narrativa de Kody. Mesmo sendo do gênero Jovem Adulto, a leitura é um pouco mais adulta do que a faixa etária que normalmente dão a esses livros, e acho que ele é uma boa opção para quem está na mesma fase que Bianca e que também sofre por causa desses padrões de beleza, que ao meu ver é um dos maiores focos do livro.

site: http://bardaliteraria.blogspot.com.br/2016/06/duff-de-kody-keplinger.html
comentários(0)comente



Loren 14/11/2019

Já que escapar é impossível, porque não abraçar o caos?
Se tem alguma semelhança entre o livro e o filme, são os nomes dos personagens, o restante da história toma um rumo completamente diferente.
Uma leitura fácil, não é nenhum romance avassalador, até por que a proposta do livro nem é essa. Um livro teen mas bem legal. Adorei os personagem e o senso de humor de Bianca realmente me cativou! Irônica que só ela! Me diverti bastante lendo.
comentários(0)comente



Camilla em Mundo Invertido 28/07/2017

Resenha:Duff
O livro com essa adolescente em específico não me agradou muito por ela ser muito soberba e irritante porque assim como muitos jovens que não conhecem muito da vida julgam e pessoas adultas também mas mostra o que passa um adolescente americano e que apesar de fazerem sua loucuras, mostra que estão perdidos e tentam se encontrar seja lá de que forma for pois o mundo cobra demais e cria expectativas que muitas vezes não dá.
Apesar da personagem me chatear um pouco foi bom ver que afinal de contas pessoas são assim, muitas não demonstram e tentamos acertar é o que conta, apesar de toda a luta que temos pela frente, gostei como ela cresce e amadurece e pensa em como se sentiria em ser julgada, xingada mas baseando-se nos sentimentos do outro, o mundo precisa de empatia e compreensão. Não se enganem cada um de nós é um DUFF, só que uns demonstram mais que outros e isso não é ruim, pois todos somos pessoas e erramos mas o que vale a pena é tentar acertar para consigo e com outras pessoas.
comentários(0)comente



Milla 10/11/2017

Amei!
Totalmente diferente do filme, o livro tem uma pegada muito gostosa e bem, bem melhor (como quase sempre acontece, hehe). Me apaixonei pela Bianca e pelo Wesley, a química entre os dois, o amor e o ódio e eles acabam descobrindo que possuem muita coisa em comum, até mesmo os dramas familiares. Tudo começa quando Wesley Rush coloca um apelido quem Bianca intitulado ?Duff? chamando-a de amiga desengonçada, útil, feia e fofa. Bianca então começa a pensar no apelido que Wesley lhe deu e chega à conclusão de que há vantagens em ser uma Duff ao mesmo tempo em que vive um relacionamento secreto com ele. Pra quem ainda não leu, é uma leitura gostosa, rápida e recomendadíssima.
comentários(0)comente



Mylena @gataleitora 03/04/2019

" Às vezes, a ignorância é uma bênção."
Bianca irá descobrir duramente que esta é uma grande verdade....Ou não!


Duff é aquela garota que não chama atenção num grupo de amigas por ser a menos atraente e a que os rapazes se aproximam para usar como trampolim para chegar perto das mais bonitas. Em inglês é a sigla para a amiga gorda e feia. Designated ugly fat friend.



Bianca estava muito bem -obrigada até ouvir dos lábios do irritante pegador- riquinho da escola que ela era a DUFF do seu grupo de amigas e que ele estava se fazendo amigável só para atrair a atenção de Casey e Jessica, amigas inseparáveis de Bianca.



" A palavra piscava em minha mente quando acalerei pela rua 5. Não consegui contar às minhas amigas sobre o novo e maravilhoso xingamento que acabara de ser incoporado ao meu vocabulário, mas, quando vi meu reflexo no espelho retrovisor, a fala de wesley de que eu era a acompanhante ( ou melhor, a seguidora) pouco atraente e indesejável parecia correta. o corpo perfieto em ampulheta, e olhos castanhos e doces de Jessica. A pele perfeita e as longas pernas de Casey. Eu não poderia me comparar a nenhum delas."



De início, ela não entende o significado da palavra e ao descobrir faz de tudo para menosprezar o convencido rapaz até que sem ter nem pra quê ela troca com ele AQUELE beijo capaz de derrubar quarteirões e esquece completamente sobre suas preocupações em ser DUFF e sobre só ter amigas por ser feia.



Pronto ! Temos ai a mola que vai impulsionar a vida de Bianca: a fuga...para os braços do gostoso Wesley.



Wesley é um rapaz solitário e lindo que não nega fogo a quem pede e se achega em seus braços e tambem possue uma válvula de escape para seus problemas pessoais : o sexo casual. Ao se aproximar de Bianca, nunca iria imaginar que sua vida iria virar de ponta a cabeça e que a garota irritadiça e amargurada seria capaz de compreendê-lo mais que qualquer outra pessoa.



Essa dupla improvável tem uma química explosiva e arrebatadora que os mantem entre tapas e beijos, entre momentos fofos e fogosos, brigando como Gato e Rata e que aos poucos os faz perceber a força que tem dentro de si.



Narrado em primeira pessoa apenas por Bianca com uma escrita envolvente e divertida repleta de humor ácido e deboche além de uns draminhas particulares para aquecer o fogo desse casal,o livro traz clara inspiração no Morro dos Ventos Uivantes.



Gostei demais das amigas de Bianca que mostram a ela o que é a verdadeira amizade e fogem do estereotipo de que ser popular e linda é sinônimo de idiota e da forma como a escritora apresentou uma anti heroina libertária totalmente imperfeita que conseguiu encontrar a forma certa de patinar sobre os problemas da vida.



Apesar de ser minimalista demais, gostei bastante da capa escolhida e das cores, a edição esta ótima para a leitura com páginas amareladas fácil de manipular só pecou em deixar a fonte pequena demais.



Ops! Claro que não posso terminar minha resenha sem falar do filme que assisti logo que o livro foi publicado em 2016 e que não tem muito haver com a trama do livro mas que gostei bastante mesmo sendo tão diferente do que li agora.



4/5 estrelas

beijos,Myl





site: http://www.minhavelhaestante.com.br/
comentários(0)comente



Gabe | @gabereader 01/05/2017

Comédia romântica de sessão da tarde (calma, não é ruim)
É um livro fofo, com uma história que prende. Parece aquelas comédias românticas de sessão da tarde, que são ótimas quando você quer algo leve pra se distrair.
Aborda, embora que de forma leve, temas como bullying, baixo autoestima, dramas adolescentes, relacionamento familiar, impactos de um divórcio e pais negligentes.
O desenrolar da história é bem satisfatório, não é arrastado. É uma leitura bem rápida e fluida, você quer logo descobrir como a Bianca vai lidar com todos os problemas dela e que fim toda essa bagunça entre ela e Wesley vai ter.
Gostei do final, apesar de ter achado que a autora fez parecer o ultimo capitulo algo surreal, eu fiquei tipo "o que?? quando é que algo assim realmente aconteceria?? parece pouco provável." mas tendo em vista toda a situação entre Bianca e Wesley, bem, era o final que eu esperava.
Em comparação com o filme da Netflix, eu achei o livro bem melhor. Não que o filme seja ruim, de forma alguma.. volto a dizer: é uma daquelas comédias românticas de sessão da tarde. Mas a história foi alterada em muitos pontos no filme, fazendo ficar mais cômico o possível. No livro o clima da história é mais denso e tenso as vezes, ainda que haja seus momentos descontraídos.
Recomendo ambos, tanto o filme quanto o livro, mas que ao assistirem não esperem 100% de fidelidade na adaptação, acho até que o livro só serviu de base para criar uma história (quase) nova.
comentários(0)comente



101 encontrados | exibindo 76 a 91
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7