A Lâmina da Assassina

A Lâmina da Assassina Sarah J. Maas




Resenhas - A Lâmina da Assassina


89 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Queria Estar Lendo 07/08/2015

Resenha: A Lâmina da Assassina
O livro de contos que acompanha o passado de Celaena Sardothien antes de se tornar a mais famosa assassina de Adarlan foi uma leitura e tanto! Eu terminei ele chorando igual um bebê porque eu odeio a Sarah e a crueldade que ela faz com os personagens dela, especialmente a Celaena, é de mais de 8 mil. Quem me conhece aqui do blog também conhece minha infinita paixão pela série Trono de Vidro. Este livro me aproximou tanto da personagem e do seu passado conturbado que no fim eu só queria abraçar ela e deixá-la livre pra sair matando todo mundo!

Vou falar um pouquinho de cada conto, diferente da maioria das resenhas. A sinopse já diz sobre o livro num geral, mas quero comentar a evolução da personagem conforme suas aventuras iam mudando de cenário.

"- Somos assassino. Nós matamos pessoas. Destruímos vidas todos os dias.
- Temos uma escolha."

O primeiro deles mostrou uma Celaena como conhecemos: a assassina cruel e cheia de si, cumprindo uma ordem importante do rei dos assassinos - uma missão designada a ela e a Sam, um dos melhores matadores da Guilda, por quem ela não tem grande simpatia - quem leu Trono de Vidro vai reconhecer o nome Sam. É um conto bem animado, a convivência da Celaena com o Sam foi entre tapas e mais tapas, e ela argumentando com o lorde pirata foi excelente.

"Era um olhar tão típico de Sam: o lampejo de malícia, o toque de exasperação, a bondade que sempre, sempre faria dele uma pessoa melhor que Celaena."

E enfim chegamos ao momento em que ela toma uma decisão perigosa, decisão essa que vai contra as ordens dadas pelo rei - e que vão afetar toda a vida dela dali para frente.

"A magia tinha sumido havia tantos anos. E os deuses estavam mortos ou simplesmente não se importavam mais. No entanto, ali, bem no fundo do estômago, havia um puxão leve, mas insistente. Um puxão no fio de alguma teia invisível."

O segundo conto foi mais morno, mais para mostrar o que ela enfrentou depois de fazer o que não deveria ter feito - mas foi uma coisa muito honrosa, ok?

"Esperava que a joia de uma assassina pagasse pela educação de uma curandeira."

Porque ela é uma assassina fodástica, mas ela tem princípios! Celaena ajuda uma curandeira a se proteger, e deixa para trás a marca de uma mulher forte, ensinando outra a se empoderar. Eu amei isso!

A Assassina e o Deserto foi o meu conto favorito. Celaena precisa enfrentar as consequências da sua decisão lá no primeiro conto, recebendo sua punição no deserto; ela é obrigada a procurar pelo Mestre Mudo, comandante dos assassinos silenciosos, e deve permanecer lá por três meses para ser treinada por ele - a punição por ter descumprido as ordens de Arobynn, rei dos assassinos. E CARA, o conto é genial!

"Palavras podiam ser tão mortais quanto aço."

Eu me apaixonei perdidamente pelos métodos e pelos ensinamentos que os assassinos do deserto passaram para a Celaena, especialmente na convivência dela com o chefão deles. O homem, que fez um voto de silêncio, fala mais do que todos os seus aprendizes, e todas as cenas em sua presença eram tão bem detalhadas que eu quase podia ouvi-lo falar com os olhos. A Celaena cresceu bastante no decorrer desse conto específico, principalmente por ter acontecido depois de uma punição severa; ela está ferida física e emocionalmente, mas não está caída. Celaena Sardothien nunca caí.

"Dentro daquele prédio, morava o assassino que se chamava de rei, o homem que Celaena temia mais do que todos os outros. Se o Cofres era o coração do submundo de Forte da Fenda, então o castelo de vidro era a alma do império de Adarlan."

E é aí, nos últimos contos, que retornamos para o reduto dos assassinos, para a companhia do Rei e de Sam e de tudo que Celaena conhece desde que se entende por gente; mas ela está diferente. Ela está menos arisca e um pouco mais imprudente, e está reparando mais em detalhes que deixava passar antes. Seus sentimentos por Sam estão crescendo fortemente, e os dele por ela. Ainda que impulsiva, ela carrega as marcas que os meses no deserto e os anteriores a ele deixaram em seu espírito. As injustiças do império e do que ela acreditava ser certo vão assombrá-la a um ponto em que Celaena decide deixar tudo para trás para ir embora com Sam, mas a vida dela não é fácil. E, se você leu Trono de Vidro, já sabe que isso acaba muito mal.

MUITO MAL MESMO! Eu já sabia o que ia acontecer, já sabia como ia acontecer, mas quando a Sarah narrou "o" acontecimento eu queria deitar em posição fetal no tapete do chão e chorar por três dias seguidos. Fui trouxa? Fui trouxa, claro.

Shippei Celaena e Sam com muita força, e eles foram um ship lindo como já me era prometido desde o princípio. A força da Celaena está imensurável, tal como nos outros livros, mas é algo mais bruto. Ela ainda é a assassina egoísta e mesquinha, ainda é a menina que quer do bom e do melhor, ainda é a garota perdida com um passado sombrio, mas a Sarah construiu as suas escolhas exatamente para construir o seu crescimento na série.

"Ela era fogo, era escuridão, era pó e sangue e sombra."

O livro termina algum tempo antes do primeiro da série, mas termina naquele exato momento em que você sente a mudança chegando para a assassina. E sabe que as coisas grandiosas estão por vir.

A Lâmina da Assassina nos apresenta ao passado da famosa Celaena Sardothien, para deixar nossas emoções ainda mais desesperadas para descobrir o seu futuro.
comentários(0)comente



kit kat 19/04/2015

"Meu nome é Celaena Sardothien, e eu não vou sentir medo."
A Lâmina da Assassina é um livro composto por cinco histórias (A assassina e o lorde pirata, A assassina e a curandeira, A assassina e o deserto, A assassina e o submundo, A assassina e o império) que antecedem os acontecimentos narrados em Trono de Vidro (Galera Record, 2013) e contam um pouco mais de um período essencial na vida da assassina mais letal e implacável de Adarlan: os momentos anteriores à captura de Celaena Sardothien e sua prisão nas Minas de Sal de Endovier.

A série de fantasia young adult escrita pela Sarah J. Maas é uma hexalogia que começa como Trono de Vidro (resenha), seguido por Coroa da Meia-Noite (resenha), Heir of Fire, Queen of Shadows, mais os dois volumes finais ainda em desenvolvimento pela autora e sem tradução brasileira. No primeiro volume, conhecemos Celaena Sardothien, antiga assassina e agora uma escrava nas Minas de Sal de Endovier que, em troca de sua liberdade, aceita a proposta do príncipe Dorian para servir como sua representante em uma competição para escolher o novo Campeão do Rei.

Em Trono de Vidro, porém, pouco se mostra sobre o passado da assassina. Há menções a personagens importantes para a Celaena durante os seus anos servindo a Guilda dos Assassinos, como Arobynn Hamel e Sam Cortland, e vemos como ambos tiveram uma influência grande em algumas características que Celaena apresenta: dificuldade para confiar, resistência para amar. Mas não sabemos minuciosamente o que aconteceu, e aí que A Lâmina da Assassina entra.

O livro narra o período do fim dos 16 até o início dos 17 anos de Celaena Sadorthien, desde o dia em que ela resolve, por questões éticas, não seguir uma ordem de seu mentor - e ainda destruir todo o negócio dele - até o momento em que é capturada e levada como escrava para as terríveis Minas de Sal de Endovier. Assim, por mais que esteja dividido em histórias separadas, o fluxo narrativo segue uma continuidade cronológica, que só não te obriga a ler o livro na ordem em que foi arrumado porque todas as histórias retomam os acontecimentos mais importantes das anteriores.

Esses esquema de retomada ficou um tanto repetitivo para mim, que estava lendo o livro seguindo a numeração de páginas. Mas por outro lado é o único ponto negativo que encontrei. Apesar de algumas histórias serem consideravelmente melhores do que outras, todas elas contribuem fortemente para entender a Celaena e se apegar ainda mais a ela; ver o quanto ela sofreu e como ainda assim se manteve de pé, lutando e seguindo o seu juízo de certo e errado. A Lâmina da Assassina também mostra um esquema de sede de poder, treinamento rígido e traição, mas agora fora do castelo de vidro e por entre as ruelas escuras, bares e telhados de Adarlan.

Como fã da série, ler as histórias desse livro foi uma experiência incrível. Amei odiar o Arobynn. Amei amar o Sam, mesmo já sabendo o que ia acontecer. Adorei conhecer novos rostos que espero que sejam mostrados de novo no decorrer dos próximos livros. Para quem gosta da série, acho a leitura de A Lâmina da Assassina fundamental, um convite para se apaixonar ainda mais pela Celaena e pelo o que ela é.

Agora para quem está interessado em começar a ler a hexalogia (recomendo muito), sugiro primeiro a leitura de Trono de Vidro. Não faz muita diferença na verdade, mas acho que o primeiro volume original te coloca melhor dentro do cenário construído pela Sarah J. Maas e, dessa forma, o leitor se conecta mais fácil e com mais emoção com o conteúdo de A Lâmina da Assassina. De qualquer jeito, seja qual for a ordem que você escolher, leia essa série! ♥

site: http://www.bibliophiliarium.com/2015/04/a-lamina-da-assassina-historias-de.html
comentários(0)comente



Dai @parasempreumlivro 27/06/2017

A Lâmina da Assassina foi o que faltava para meu amor pela série Trono de Vidro se tornar imbativel!
Porém, por um lado é uma pena eu ter lido esse livro somente agora, com a série em andamento, porque me apeguei a um personagem tão fortemente, e é tão estranho saber que ele já não esta mais nas historias de Trono de Vidro. Durante toda a leitura eu tentei não me apegar à ele, e fingir que ele não era incrivel, porém, eu nao resisti e quando aconteceu a sua morte, eu chorei, e fiquei indignada mesmo SABENDO que isso aconteceria, estranho não? pois é, Sarah J. Mass fez isso comigo.
Por outro lado, foi bacana conhecer a historia da Celaena antes de Trono de Vidro e enteder muitos outros personagens e muitos acontecimentos.
No entanto, mesmo indicando que se comece a ler a série por este livro, eu nao me arrependo de tê-lo lido somente agora (com a série em andamento), pois o entendimento foi maior assim, e o amor a Celeane só cresceu e entendi muito do que ela passou la no comecinho de Trono de Vidro e o que ainda vêm passando.
Apesar de tantas coisas ruins nessa historia, temrminei o livro com um suspiro, ansiosa para a leitura dos proximos e já triste com o final que se aproxima...
Rafa Ferrante 27/06/2017minha estante
Adorei a resenha, ainda não li.


Dai @parasempreumlivro 27/06/2017minha estante
Leia, é incrivel


Ben-Hur Martins 27/06/2017minha estante
O blog sai quando?


Dai @parasempreumlivro 27/06/2017minha estante
Hahaha, sem blog


Ben-Hur Martins 27/06/2017minha estante
kkkkkkkkk


Fernanda 23/08/2017minha estante
Excelente resenha. Me motivou a ler esse livro!!!




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Angel Sakura 01/07/2015

Resenha do Blog Eu Insisto.com.br
E não é que a vida é uma caixinha de surpresas? E uma das maravilhas é quando algo inesperado acontece, foi assim que me senti enquanto lia esse livro. Estou feliz caros companheiros de dizer que: SIM, O LIVRO MELHOROU MUITO e eu não tenho o menor problema em dizer isso. Digo mais: se esse livro tivesse sido mesclado com o primeiro eu teria amado essa saga com todo meu ser. Pra quem não lembra eu fui bem crítica em relação ao primeiro, olha a resenha aqui. Minha principal reclamação era a falta de profundidade dos personagens, eu sabia que a Celaena era a maior assassina de Adarlan por causa da repetição da autora. Em nenhum momento eu de fato acreditei na capacidade dela além do poder da protagonista, mas agora… com esse livro eu consegui vê-la sob um novo prisma. E se Celaena me convenceu, tenho que dizer que o Sam arrancou/pisou/destruiu meu coração ❤.
Esse livro possui 5 histórias curtas, cada uma tem seus próprios personagens, locais e reviravoltas, mas a verdade é que é uma história sobre como Celaena era antes do primeiro livro e os motivos que culminaram em sua prisão. Sarah J. Maas obrigada por melhorar, por finalmente me oferecer o livro que eu esperava. Agora sei o que a protagonista passou, agora posso até entender melhor o primeiro livro e, principalmente, agora posso ficar ansiosa para o terceiro. Deus, como eu estou férvida por ele agora.

“A vida não é fácil, não importa onde você está. Você vai fazer escolhas que você acha que está certo, e, em seguida, sofrerá por elas “.


A Lâmina da Assassina é um conjunto de cinco contos que acontecem antes do primeiro livro, conhecemos um pouco sobre a vida da Celaena antes da sua prisão, mas a verdade é que esse livro nos conta o que aconteceu para que a “melhor assassina de Adarlan” fosse capturada. A história por trás da fachada de arrogância que ela vive nos faz entender quem é de verdade Celaena. As histórias fazem justiça à personagem, e pra mim tornam ela alguém em quem posso confiar e gostar. A frase que ela diz “Meu nome é Celaena Sardothien e eu não vou ter medo”, agora FAZ SENTIDO, e claro arrebenta meu coração pelo meio do caminho, mas quem liga?! Saber o que levou ela ser o que é, como e porque, tornou toda a história melhor. Eu não estou dizendo que o livro é perfeito, não é eu sei, mas pra mim um livro não precisa ser perfeito contanto que ele me toque. E foi isso que a Sarah conseguiu, eu senti uma dor quase real com o último conto, com o destino de merda que eles tiveram, com a possibilidade de enxergar dos dois lados. Arrogância, posse, amor, ódio, tudo junto e misturado, visto em diversas pessoas. Cara, como eu amei e odiei cada pedacinho desse livro.

“Arobynn encorajava o comportamento cruel. Mesmo quando eram crianças, o mestre costumava colocar Celaena e Sam um contra o outro, usar as vitórias e as derrotas dos discípulos contra eles. Arobynn fizera com que Celaena visse todos, exceto ele e Ben, como inimigos em potencial.
Como aliados, sim, mas também como competidores que deviam ser observados de perto. Fraquezas jamais deveriam ser mostradas, a qualquer custo. Brutalidades eram recompensadas. […]”

Nós já sabíamos que Celaena Sardothien se tornou a maior assassina de Adarlan com apenas 16 anos de idade, e isso graças a Arobynn Hamel – o Rei dos Assassinos. Ele resgatou a nossa protagonista da morte certa e a levou para uma vida de merda onde ela teria que aprender à matar para garantir sua sobrevivência e seus sustento. Ele não poupou fundos para moldar a jovem da melhor forma com os melhores professores, materiais e tudo que pudesse torná-la uma arma melhor. E é claro que ela deverá pagar todo dinheiro que foi investido nela, antes disso ela pertence ao Rei dos Assassinos. Ainda que seja certo que Celaena será a sucessora de Arobynn, ele também possui uma segunda opção que recebeu o mesmo treinamento de Arobynn (e a mesma dívida também amigos), ele é Sam Cortland. Preciso nem dizer que os dois não se bicam e são rivais o tempo todo por tudo.

No primeiro conto iremos acompanhar os dois em uma viagem para cuidar de um grande contrato com um Lord Pirata. E é aí que tudo muda, essa viagem desencadeia uma série de eventos que culminam no final do livro. Destino? Talvez, mas é aqui que a história de Celaena começar a mudar para sempre.
O tal contrato é sobre comércio de escravos, algo que Celaena no mínimo abomina, mas Sam… Ah, ele tem nojo. Especialmente se levar em conta o passado dele e a forma como quase ele mesmo seria vendido como escravo. O mundo não era um lugar agradável para se viver, não que hoje seja perfeito e tal. E então, alguém tinha dúvidas que os dois se juntariam para destruir o esquema? Claro que no melhor estilo Celaena de ser, o que quer dizer que em muitas vezes ela age como uma criança mimada arrogante. Eles conseguem libertar os escravos e cancelar o contrato. Mas então eles devem lidar com as consequências. Só que agora eles são uma frente unida, não é mais Celaena contra Sam, agora é Celaena E Sam. Isso faz toda a diferença.

“O mentor cuidara dela e a educara, mas acabou com a inocência de Celaena na primeira vez que a obrigou a tirar uma vida. Dera tudo à jovem, mas também lhe tirara tudo.”

Quer saber porque contei a história acima? Simplesmente porque você precisa saber daquilo pra entender o que vem a seguir. Enquanto a Celaena é uma criança retardada com mania de grandeza na maioria das vezes, Sam é muito mais maduro e eles formam uma excelente dupla. Só que existe um problema. Arobynn Hamel não é o Rei dos Assassinos sem motivo, eis um personagem ambíguo. Ele é o tipo de pessoa que eu mais odeio, porém ao mesmo tempo me sinto fascinada. Ele é inteligente, mas também se comporta como uma criança mimada, ele é cruel e logo em seguida é carinhoso e ele é um manipulador extremamente hábil. Quando eles, Celaena e Sam, retornam do primeiro conto vemos as consequências do seu pequeno ao rebelde. Celaena é espancada na frente de Sam, pelo próprio Rei dos Assassinos e enquanto Celaena tenta se manter acordada ela escuta os gritos de Sam. E é neste momento que percebemos, e ela também, que as coisas mudaram. Não só entre ela e Sam, mas também entre ela e Arobynn. A surra vai ser curada, os hematomas e as costelas vão se recuperar, mas aquele limite que foi ultrapassado. Ah, caros companheiros isso não dá pra consertar. E esse foi o único erro que Arobynn cometeu enquanto punia da pior maneira Celaena e Sam. Ainda neste conto Celaena é enviada para o deserto para o restante da sua punição, não a surra não era punição suficiente. E toda a situação começa a fazer nascer em Celaena o desejo pela liberdade, pelo controle da sua vida e por suas escolhas. Poder fazer aquilo que acha certo, mesmo que isso signifique abandonar Arobynn. É o início.

“-Te Amo e de hoje em diante, não que me separar de você. Aonde você for eu irei. Ainda que você vá para o inferno, aonde você estiver, é onde eu quero estar. Para Sempre. “

Quando ela volta, depois de mais uma decepção e de mais uma escolha que foi apenas dela, ela vê o quanto as coisas mudaram. Começamos um novo conto. Ela mudou, especialmente na história anterior no deserto. Celaena teve um absurdo desenvolvimento de caráter com todas as situações que viveu. Quando ela retorna decide continuar seu trabalho para o Rei dos Assassinos, pelo menos por enquanto. E essa história brilha de tantas formas, toda a trama elaborada e finalmente confirmar que Arobynn é o cara, do mal, mas o cara. Por fim chegamos no último conto, esse conto maldito que vai ACABAR COM QUALQUER CORAÇÃO QUE VOCÊ TENHA. Sério, foi tenso. O desenvolvimento do relacionamento de Celaena e Sam, mostrar que a vida num relacionamento não é um mar de rosas, aprender a abrir mão de algo pelo o outro, o custo de se sustentar uma casa, a necessidade de uma renda… Vemos tudo isso. Vemos que lamentar algo que se perdeu é normal, mas o que importa é acreditar no agora. E é nisso que Sam e Celaena me conquistam. E o que dizer de Arobynn? E aquele final? Sério, foi tenso. Foi bizarramente tenso, triste e uma enorme filha da putagem. Maseu sei que aqui não é o ambiente de colégio ou algo assim, é uma guilda de Assassinos. Assassinos MATAM, independente do motivo, eles resolvem seus problemas com mortes. E se matar é uma arte, Arobynn é um artista. Amor, posse, poder, manipulação, dinheiro, arrogância, beleza, inteligência, violência, cada uma dessas palavras se encaixa bem em Arobynn. Quem é Celaena para ele? Uma figura parental? Um amor? Uma mercadoria? Não sei dizer, mas eu espero de verdade um embate para acertos de contas entre Celaena e Arobyyn.

“[…]Nem mesmo parou para pensar duas vezes não foi?- xxx sorriu- Jamais subestime o poder do amor. Ou seria da vingança?”

Sobre o romance… Team Chaol? Team Dorian? Bitches Please, o negócio aqui é TEAM SAM FOREVER! Esse personagem, Sam Cortland, foi tudo o que ele precisava ser pra Celaena e pra mim. Quando o livro começou e nos apresentou o Sam eu SABIA QUE NÃO PODIA GOSTAR DELE, cara, ele está morto no primeiro livro. Gostar dele era o jeito mais fácil de garantir um sofrimento no final, mas quem disse que eu tive opção nisso? Quando dei por mim estava torcendo que nem louca por ele, pela sua vida de merda e por todos os sonhos que ele ousava ter. E mesmo após sua morte, Ah dane-se a morte, estou torcendo por você! Será que rola ressuscitar? Se antes nós sabíamos dele por pensamentos da Celaena, agora nós temos toda a história. E é de doer. Ele é o segundo melhor assassino e mais bonito que uma pessoa tem o direito de ser. Sam Cortland … eu sabia o que iria acontecer com ele mais cedo ou mais tarde … Mas ainda caí por ele. E eu não me arrependo.

“-Quando morrermos, acha que seremos punidos pelas coisas que fizemos?
-Quando morrermos – falou Celaena -, não acho que os deuses sequer saberão o que fazer conosco.”

O livro não é perfeito, tem alguns probleminhas, mas que facilmente são contornado com o enredo. Tá, confesso que fiquei tão feliz com a história que os pontos negativos pouco significaram para mim, me julgue aí! Gostei muito deste livro, especialmente porque Celaena Sardothien é realmente uma assassina. Ela. Mata. Pessoas. Por. Dinheiro. Eu gostei disso, ela obviamente tem seus limites, mas no geral ela cumpre bem o papel. Ela ainda é dramática, mas posso aceitar já que é uma adolescente, e enquanto eu não podia aceitar isso no primeiro livro, neste eu meio que pude entender suas razões. E no final do livro é quando podemos ver o quanto Celaena cresceu, a mudança entre apenas arrogância para a perda. Não apenas a perda da liberdade, mas do amor, da expectativa de vida e da esperança. Celaena descobre que tem sentimentos, um coração e compaixão. Os outros personagens eram realmente interessante e eu espero poder reencontrá-los nos outros livros. Ansel e o Mestre Mudo devem participar da história.
Se você pode tirar uma lição deste livro é que tudo, por menor que seja, não vem sem um preço. E às vezes o preço que paga é alto demais. Esse foi um livro que tratou de confiança, amizade, traição, amor, escolhas, realidade e acima de tudo de como a Celaena é fodona.
Se você, assim como eu, não achou o primeiro livro aquilo tudo que falavam dê uma chance para este.
PS: eu li algumas teorias sobre a possibilidade de Sam estar vivo. Eu realmente espero que sim, torcendo muito por isso.

site: http://euinsisto.com.br/a-lamina-da-assassina-05-sarah-j-maas/
Thá 19/07/2015minha estante
Sei que é impossível mas SAM ESTEJA VIVO POR FAVOR!
Adorei a resenha (:


keytiane.bragan 05/08/2015minha estante
Ameeeei a resenha!! Nossa eu estava começando a ler o Coroa da Meia Noite e agora acho que vou dar uma pausa pra ler a Lâmina da Assassina! Gostei muuuuito do primeiro livro, mas tbm senti que faltou mais informações da própria Celaena.
Acha que é bacana ler a Lâmina assassina logo, ou devo ler primeiro o segundo livro a Coroa da Meia Noite??




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Pratelivros 05/03/2016

Mais um livro maravilhoso dessa série maravilhosa

OBS: Para ler essa resenha com seus recursos de imagens (fotos, gifs e etc) completos acesse o link ao fim da resenha:

Trono de Vidro é uma das minha séries de livro favoritas. Esse mundo que envolve magia, romance e muita ação que Sarah criou me deixou enfeitiçada desde o primeiro livro e minha admiração só aumenta a medida que a série evolui. E com A Lâmina Assassina não foi diferente.
Esse livro nos mostra a vida da maior Assassina de Ardalan antes das minas de sal de Endovier. Através das cinco curtas histórias que o livro narra conhecemos melhor Celaena Sardothien e os eventos que levaram a sua ascensão e futura queda.
Olha, não achei que a leitura desse livro fosse acrescentar algo realmente importante à série. E eu estava certa. Não é vital sua leitura para o entendimento dos demais livros. Mas esses contos tão curtinhos nos possibilitam um entendimento maior e te conectam ainda mais com a protagonista ao te mostrar tudo pelo que ela teve que passar.
Conhecemos melhor também personagens que foram apenas mencionados nos outros livros. Arobyn, Rei dos Assassinos e o homem que salvou e criou a maior assassina de Ardalan. Somos apresentados a natureza confusa da relação deles. Além disso, temos Sam Cortland: Gostoooso pra chuchuuu, chuá, chuá, UHUU!

Ai, ai, ai. Desde Trono de Vidro, sou super fã do Capitão Chaol. Mas foi impossível não shippar Celaena e Sam, mesmo sabendo o final trágico que essa história teria. Sam no início do livro é o arqui-inimigo da assassina, a quem ela despreza e com quem compete pelo reconhecimento de Arobyn. Mas em A Assassina e Lorde Pirata eles são enviados em uma missão juntos, e as coisas começam a mudar. Esse é o primeiro conto e tem bastante ação e lutas maneiras.
O segundo, A Assassina e a Curandeira, eu achei bem sem graça. O interessante dele, porém, é o lado diferente de Celaena que expõe.
Já em A Assassina e o Deserto, Celaena parte em uma longa jornada em busca do Mestre Mudo e dos Assassinos Silenciosos, de quem deve obter aprovação e com quem deve aprender as técnicas que os tornaram reconhecidos e temidos continente afora. Os desafios enfrentados no deserto e o treinamento rigoroso são castigo consequente das ações da assassina no primeiro conto.
A Assassina e o Submundo mostra como Celaena volta depois de seu treinamento.
E o último conto...Lágrimas, bitches.

Eu sabia que ia dar merda, mas meu Deus! A Assassina e o Império partiu meu coração.
Depois de ler esse livro, admiro ainda mais Sardothien, uma personagem implacável e forte mas com um passado tocante. Ele acrescente muita profundidade à leitura dos próximos e te conectam ainda mais com a personagem. Recomendo sua leitura.

Até mais, people!
XOXO

OBS: Para ler essa resenha com seus recursos de imagens (fotos, gifs e etc) completos acesse o link abaixo:

site: http://pratelivros.blogspot.com.br/2015/08/resenha-lamina-assassina-sarah-j-maas.html
comentários(0)comente



neo 08/05/2015

A Lâmina da Assassina reúne cinco novelas (well, contos) do universo de Trono de Vidro, livro que eu li há algum tempo e não gostei muito. Desde que eu postei a resenha dele, porém, muitas pessoas já me contataram dizendo que o segundo volume é bem melhor e aqui pelo Goodreads eu já tinha visto algumas pessoas falando o mesmo. Ou ainda, falando que tinham lido as novelas antes de O Trono de Vidro e se decepcionado ao perceber que o primeiro volume da história de Celaena Sardothien não é nem de longe tão bom quanto elas.

Sábado passado eu fui ao cinema e acabei na livraria com A Lâmina da Assassina nas mãos graças a um shopping tão cheio quanto um formigueiro, o que fez quatro sessões de Os Vingadores 2 lotarem enquanto eu estava na fila. Resultado: passei umas duas horas lendo A Lâmina da Assassina. E bem, eu gostei. Quando cheguei em casa baixei logo o ebook em inglês (porque traduções de livros YA não servem pra mim) e puf, rapidamente terminei. E agora entendo exatamente o que todas aquelas pessoas estavam falando.

A Lâmina da Assassina tem uma qualidade muito superior a de O Trono de Vidro. A maior parte do que me levou a dar apenas duas estrelas lá não acontece aqui: a história não é rasa, o romance não é puro mimimi e Celaena realmente é uma assassina, e, sabe, mata pessoas mesmo. Não sei se as novelas foram escritas antes de O Trono de Vidro, mas pela diferença na qualidade eu diria que sim.

Isso não quer dizer, porém, que achei A Lâmina da Assassina um livro perfeito. A Celaena ainda me irrita por dar uma de princesinha mimada de vez em quando (sério, no primeiro conto então... Um saco). O romance, apesar de não ser tão bleh quanto o de O Trono de Vidro, não teve muito desenvolvimento na minha opinião. Sam e Celaena passam boa parte do livro separados e apesar de a primeira novela meio que abrir espaço para o relacionamento dos dois achei algo bem superficial (also, Chaol >>> Sam). Também não me desce o fato de Celaena ser considerada a melhor assassina do continente sendo que ela tem apenas 16 anos. Desculpe, mas não. Não engulo mesmo.

O resto me agradou bastante. Meus contos favoritos foram o do deserto e da curandeira, mas todos são bem satisfatórios, apesar dos pesares. A relação entre Celaena e Arobynn, o mestre dos assassinos, foi muito bem feita (Arobynn é um filho da mãe sacana de marca maior, falando nisso. Ew), e a amizade entre ela e Ansel foi muito convincente e sincera. O worldbuiling então, é ótimo. Maravilhoso se comparado com o nada que nos é dado em O Trono de Vidro.

Em conclusão, o universo (e os personagens) que a autora nos apresenta em A Lâmina da Assassina é mais completo, complexo e original, além de mais bem feito e construído. O estranho é que a Celaena do final de A Lâmina da Assassina é, pra mim, bem mais madura e interessante (apesar de mimada demais pro meu gosto ainda) do que do começo de O Trono de Vidro, e bem, um ano de trabalho forçado as separam. Era de se esperar que a Celaena do futuro fosse ainda mais madura, mas nope.

Ou seja, eu sinceramente não sei o que aconteceu com a autora em O Trono de Vidro. Se a Celaena de A Lâmina da Assassina tivesse sobrevivido até lá a história seria muito, mas muito melhor. O desenvolvimento pelo qual ela passa aqui é ótimo, enquanto o desenvolvimento que ela passa lá é inexistente. Na verdade, parece mais que ela regrediu ao que ela era no início de A Lâmina da Assassina. Bem, é complicado.

Anyway, vou tentar arranjar um tempinho para reler O Trono de Vidro e me arriscar com o segundo volume, Coroa da Meia-Noite, que espero manter a qualidade das novelas que li aqui. 4.0 estrelas para A Lâmina da Assassina.

site: http://chimeriane.blogspot.com.br/
Monique 29/10/2016minha estante
Na verdade os contos foram escritos depois do primeiro volume, considerando que o primeiro esboço de O Trono de Vidro foi escrito quando a autora tinha apenas 16 anos.




Rebeca Silva de Souza 14/07/2015

Nossa!
leitura indispensável!!!
comentários(0)comente



Tamirez | @resenhandosonhos 06/09/2018

A Lâmina da Assassina
Eu sempre fico de cara quando spin offs são lançados antes de séries ou trilogias serem finalizadas, parece uma estratégia do autor para atrasar o lançamento dos livros oficiais. Mas nesse caso, esse livro é essencial para entender a postura que a protagonista toma no segundo livro e que foi criticada por muita gente que leu.

SPOILER ALERT!

No segundo livros, após ser eleita como assassina do Rei de Adarlan, Celaena, ao sair para matar as pessoas apontadas pelo soberano, acaba por tentar salvar a vida dessas pessoas, as tirando do alcance do Rei e fingindo suas mortes. E isso gerou um rebuliço entre os fãs, afinal, como a MAIOR assassina de Adarlan não estava querendo matar? Pois é. Em A Lâmina da Assassina fica super claro que Celaena tem um código de conduta que leva muito a sério e é capaz de desafiar até os mais poderosos para mantê-lo, mostrando assim, que a postura dela não é novidade e somente ficou implícita quando a personagem foi apresentada no primeiro livro.

~FIM DO SPOILER

Isso, por si só, valeu toda a leitura. Além disso o livros é um presente pros fãs que sempre querem saber mais sobre os personagens. Ao apresentar Arobynn e Sam, somos capazes de adentrar um mundo que antes era muito subjetivos, já que não conhecíamos realmente esses personagens. Pra mim que amoooo essa saga, foi uma experiência muito legal.

Então, se você é fã da saga e já leu os dois primeiros livros, ou somente o primeiro mesmo, esse é leitura obrigatória

site: http://resenhandosonhos.com/resenha-a-lamina-da-assassina-sarah-j-maas-veda-12/
CristianeKLOTH 30/01/2019minha estante
Começar a série por este livro, vc indicaria?




Clara 17/06/2015

Resenha A Lâmina da Assassina
A Lâmina da Assassina é o prequel da coleção Trono de Vidro da autora Sarah J. Maas. Olha, eu particularmente adoro essa coleção e as capas são lindíssimas!

O livro foi dividido em cinco contos: A Assassina e o Lorde Pirata; A Assassina e a Curandeira; A Assassina e o Deserto; A Assassina e o Submundo; A Assassina e o Império; Sendo que eles seguem uma linha continua de acontecimentos que se complementam.

Nessa narrativa passamos a conhecer todas as nuances da protagonista Celaena, de inicio vemos uma menina mimada e super arrogante em relação a sua posição como assassina de Adarlan, mas com o desenrolar das histórias vemos uma jovem que se permitiu amar e foi amada, que acreditou na amizade e foi traída e que teve TUDO tirado de si rapidamente. É interessante ver o amadurecimento e como esses fatores moldaram a sua personalidade.

Nos primeiros livros da coleção ouvimos falar de alguns personagens e situações importantes da vida dela – como o deserto vermelho e ter sido treinada pelo Mestre Mudo ou o próprio relacionamento com o Sam – mas não tínhamos tido a oportunidade de conhecer a fundo o que aconteceu, era tudo muito genérico. A autora sabe dosar muito bem as informações tornando a construção dessa personagem bem complexa, pois o seu passado esta totalmente ligado com o seu presente, mas você não tem a noção completa da coisa, a cada momento surge algo novo que muda tudo.

Um personagem que adorei conhecer foi o Sam Cortland, o segundo assassino na Guilda do mestre Arobyn Hammel – a primeira era a Celaena claro! Ele é carismático, fofo e seu relacionamento com a assassina é puro, simples e de uma entrega plena. Contudo, a gente sabe o que aconteceu e é triste ver que se ele não tivesse sido tão orgulho talvez a historia tivesse sido outra.

O mestre dos assassinos, Arobyn, é um caso a parte. É um homem extremamente obsessivo e inescrupuloso. Sabe aquele tipo de pessoa que não divide o que é dele com ninguém e prefere destruir a deixar que outra pessoa o tenha? Então… Inicialmente o vemos com a figura paterna da Celaena, mas as atitudes dele são extremamente calculadas nada é por carinho ou amor é mais como uma forma de prendê-la a ele. Com certeza será explorado melhor nos próximos livros da coleção.

Devido a sua ordem cronológica fica difícil escolher qual dos contos é o melhor sendo um dos pregueis mais bem sucedidos dos que eu já li. Tem uma escrita envolvente que você já acaba o livro querendo saber quando vão lançar o próximo. Vale muito a pena a leitura!

site: http://nomeumundo.com/2015/06/17/resenha-a-lamina-da-assassina-historia-de-trono-de-vidro/
comentários(0)comente



Nicoly 28/04/2017

Não parece um spin-off.
A Lâmina da Assassina é um livro extremamente importante pra história , nele vamos conhecer melhor a relação da Celaena com Arobynn, com o fofo do Sam (meu preferido entre Chaol e Dorian), com a Lysandra e vários outros personagens, além de saber como era a vida dela na guilda dos assassinos.

Todos os contos seguem uma sequência de acontecimentos em ordem cronológica, ou seja, se tirarmos o Spin-off, esse seria o 1° livro da série. MAS, eu aconselho ler ele depois de Coroa da Meia-Noite.

O livro é incrível pois vemos como foi a morte do Sam e a treta que levou a Celaena pra Endovier mais detalhadamente. A temporada que ela passou no deserto com os assassinos silenciosos é ótima, e nesse conto descobrimos de onde vem o trauma da Celaena em confiar nas pessoas.

A Lâmina da Assassina não deixa nada a desejar, ele é diferente de todos os spin-offs que já li pq como disse anteriormente, é muito importante pra estória e não foi escrito só para editoras e autores ganharem dinheiro a custa dos fãs.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Lya 29/11/2016

O que aconteceu
Este livro é o livro 1.5 da saga Trono de vidro. Aconselho a le-lo depois do primeiro livro e antes do segundo porque faz uma diferençasinha boa para o entendimento completo do segundo livro. E também pra quem quer saber um pouco mais de Sam, o primeiro cara que Celaena se apaixonou e como ele acaba morrendo.

A lamina da assassina conta historias em diferentes partes em que cada um é voltado sempre a uma escolha que a assassina deve fazer no final e isso mostra como ela é e mostra seus principios mesmo sendo quem é. É claro que pra quem leu trono de vidro primeiro ja sabe um pouco do que acontece mas quem não leu ainda poder se surpreender mais .
O livro não conta a historia desde que Celaena era pequena quando perdeu os pais e nem conta muito o que aconteceu com eles, o livro tambem não tras o que a assassina viveu em endovier mas conta a historia dela de como ela conseguiu se tornar melhor com os ensinamentos do mestre mudo e com os assassinos silenciosos do deserto vermelho e conta como ela se envolveu com Sam e como se viu livre de Arrobyn o rei dos assassinos .
Poderia ter contado um pouco mais sobre os pais dela e a historia como se envolveu com Arrobyn e como se tornou a melhor Assassina de Adarlan por que era o que eu esperava, mas mesmo assim Este livro é tão bom quanto trono de vidro em minha opnião.
comentários(0)comente



Daiana Moreira 11/04/2016

Livro de Contos da Série Trono de Vidro!
Hoje vou falar do livro de contos da série e do Trono de Vidro. Ele retrata acontecimentos antes do início da série, antes de Celaena ser capturada forçada a trabalhar como escrava nas Minas de Sal de Endovier e o que levou a essa situação. Aconselho a lerem esse livro depois do Coroa da Meia-Noite (2º livro da série), pois algumas coisas do primeiro e do segundo livro vão ser explicados aqui. Ele tem cinco contos no total, vou falar um pouco de cada um separadamente.



A Assassina e o Lorde Pirata
Celaena Sardothien é a maior assassina de Adarlan, a protegida e herdeira de Arobynn Hamel, treinada e orientada por ele e por Ben, os melhores e mais talentosos assassinos. Só que algo acontece e em uma missão Ben é morto, causando um alvoroço na Guilda. Ainda com o acontecimento recente Celaena é enviada para uma missão junto com Sam, a quem ela tem uma relação um tanto conturbada, pois desde pequenos quando foram treinados juntos, sempre houve uma rixa entre eles para ver quem seria o melhor e teria a honra de ser o braço direito de Arobynn, lugar o qual a assassina conquistou.
A missão para qual foram designadas é simples, fazer uma barganha com o Lorde Pirata Rolfe, segundo o que foram informados é que seus piratas mataram assassinos da Guilda e por isso terá que pagar por suas mortes, mas quando chegam no navio descobrem que a missão é completamente diferente daquilo que estavam esperando. Com o desenrolar dos acontecimentos, sem perceber, Celaena vai se tornando mais próxima de Sam.

"- Sou a maior assassina do mundo. - Ela ergue o queixo. - Não tenho medo de ninguém.
- Mesmo? - perguntou Rolfe. - Porque sou o maior pirata do mundo e tenho medo de muita gente. Foi assim que consegui ficar vivo por tanto tempo."

A Assassina e a Curandeira
Por desobedecer a uma ordem direta de Arobynn, Celaena é castigada e obrigada a fazer uma viagem até a Terra Desértica para ficar alguns meses em treinamento na Fortaleza dos Assassinos Silenciosos. No meio da viagem ela conhece Yrene, uma curandeira que perdeu seus poderes, e se compadece com todo o sofrimento da menina, trabalhando como atendente em um bar, sem perspectiva de um futuro, vivendo em situações miseráveis e ajuda a menina, e mais uma vez vemos o senso de justiça de Celaena. Acho muito legal essa questão dela ser assassina, mas apesar de ser letal e tirar a vida de tantos, só o faz quando é a coisa certa, por uma causa nobre, para ajudar os fracos.


A Assassina e o Deserto
Chegando na Fortaleza dos Assassinos Silenciosos, Celaena inicia seu treinamento, precisa ficar um mês treinando e conseguir a carta de recomendação do Mestre Mudo, para que assim possa voltar para sua Guilda. O que no começo era apenas uma obrigação irritante, com o tempo a assassina começa a gostar do lugar e dos assassinos, diferente do treinamento que recebeu de Arobynn, ali todos eram companheiros e não estavam sempre disputando pra ver quem é o melhor, eram mais amáveis. Ansel, vai se tornar a primeira amiga de Celaena, pois a mesma nunca se permitiu esse tipo de relacionamento. Gostei das características tão diferentes dos clãs de assassinos que a autora colocou, desde a interação deles como do treinamento, das tarefas e tal. O final desse conto vai te deixar até sem ar!

A Assassina e o Submundo
Celaena retorna a Forte da Fenda com a carta de recomendação decidida a deixar Arobynn, mas o mesmo praticamente implora seu perdão e a faz uma proposta tentadora de uma missão que pode mudar o destino de milhares de escravos, matar somente um homem, e a assassina não pensa duas vezes em aceitar, o que não imaginaria é que essa missão mudaria completamente o rumo todo de sua vida.

A Assassina e o Império
Nessa parte do livro é onde o relacionamento de Celaena e Sam se intensifica de uma forma tão espontânea e tão bonita, nossa meu coração se partiu completamente nessa parte, já li o livro sabendo que o Sam iria morrer (não é spoiler gente, isso aparece no Trono de Vidro), mas é tão mais triste, você acompanhar a história deles, ver o como ele era bondoso, honrado como poucos e mesmo assim ele se foi. E a forma como ele morre, é extremamente cruel. Não sei se chorei mais de raiva ou tristeza no final, tantas coisas acontecem, fiquei revoltada. A Celaena se tornou a minha personagem favorita, a mais forte, tudo que ela passou, tudo que perdeu, o rastro de morte a sua volta, sabe aquela personagem que você tem vontade de colocar no colo, abraçar e chorar com ela?! Pois é assim que me sinto com ela, em vários momentos.

De maneira geral o livro foi muito bom, assim como todos da série. Você passa a entender muito melhor fatos dos outros livros, o porque de certas escolhas que são tomadas. Como Celaena aprendeu a matar uma bruxa, ou como ela roubou um cavalo Asterion e etc. Estejam preparados para muito sangue, traições e drama. E muitas e muitas lágrimas, principalmente nos dois últimos contos.

Se quiserem ler a continuação vou deixar o link aqui do meu blog!

site: http://www.alquimiadosromances.com.br/2015/11/resenha-lamina-assassina-sarah-j-maas.html
comentários(0)comente



89 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6