A Garota da Terra do Vento

A Garota da Terra do Vento Licia Troisi




Resenhas - A Garota Da Terra Do Vento


124 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Mateus 31/05/2011

Quanto mais pensamos que novos livros não irão nos surpreender, mais aparecem livros capazes de tal feito. A Garota da Terra do Vento, primeiro volume da série Crônicas do Mundo Emerso, nos traz um livro totalmente original, com personagens únicos, capazes de nos entreter e emocionar de uma maneira não esperada. Este poderia ser um livro do gênero fantástico dentre vários outros perdido em uma estante, mas sua personagem principal é tão fascinante que tal coisa é impossível de ocorrer.

Uma personagem nunca foi tão detalhada, caracterizada e, por assim dizer, dissecada, como Nihal, a personagem principal deste livro, foi durante o desenrolar da história. Em toda a leitura podemos perceber que Nihal é uma grande guerreira, mas não uma guerreira qualquer: tem coragem, sabedoria e lealdade, mas acima de tudo tem defeitos, vários defeitos que às vezes até se sobrepõe às suas qualidades. Este é sem dúvida a chave da originalidade do livro.

Durante todo o tempo Nihal é jogado de um lado para o outro em suas emoções. Quando tem certeza de suas convicções na vida, algo novo ocorre e percebe que não tem mais certeza de nada. Quando se apega a alguém, essa pessoa é arrebatada de suas mãos para nunca mais voltar. E com isso a história vai fluindo, ao lado de Nihal e seus feitos, uma garota predestinada a grandes coisas mas que primeiro deverá entender porque existe a guerra e por quais motivos deve participar dela.

A Garota da Terra do Vento tem uma linguagem ao mesmo tempo diferente e simples, como se estivéssemos lendo um livro muito antigo. Os acontecimentos são cheios de ação e aventura, com um leve toque de romance e drama por trás de tudo que faz com que as coisas fiquem ainda melhor. Os personagens secundários, como Fen, Senar, Soana, Ido, dentre vários outros, são um pouco apagados pela personalidade forte de Nihal, mas mesmo assim são bem explorados. Talvez nos livros seguintes suas histórias sejam melhores caracterizadas. E é por isso, dentre outras coisas, que meu interesse pela série Crônicas do Mundo Emerso cresce cada vez mais.
Luan 22/04/2012minha estante
Eu quero MUITO ler essa série!!!


Mah 18/07/2012minha estante
Esses comentários totalmente favoráveis me dão cada vez mais vontade de começar a ler essa série. Acho q realmente vale a pena comprar..........=D


Kika 23/08/2013minha estante
É de longe a melhor série que já li, perdendo só pra Harry Potter. Consegue ganhar de Percy Jackson e Senhor dos Anéis, deste ultimo não pela qualidade, mas pela dinâmica do livro...

Quem ainda está em dúvida, eu garanto que dificilmente vai se arrepender de começar a ler a série, principalmente, pq o desfecho dela em Lendas do Mundo Emerso, 150 anos depois da vida de Nihal é simplesmente e somente é digno daqueles que apreciam a boa leitura, em especial a da fantasia, com personagens e raças que se cruzam na luta pelo Mundo Emerso...

Recomendo MUITO. Não só a série das Crônicas, como a série das Guerras e das Lendas do mundo emerso, que é a continuação de toda história...
Licia Troici é uma geniasinha... =D




aqueleguii 07/07/2010

Um novo mundo...
Criaram-se tantos mundos, que poucos acabaram conhecidos. Tolkien, Lewis, Rowlling entre tantos outros autores e autoras, trataram de inventar cada detalhe, cada ponto no meio daquelas terras inexploradas.

Licia Troisi pode não ser tão brilhante, mas cria uma história ótima, de fácil leitura e com uma personagem extremamente cativante. Nihal definitivamente é íncrivel.

A história vale a pena e a vontade de continuar a ler é enorme. Nesse primeiro livro das Crônicas do Mundo Emerso, não faltam ocorrências para que você queira continuar.

Ótima pedida.
comentários(0)comente



Lu 21/11/2010

Adorei!
Acompanhar a jornada de Nihal para se tornar um guerreiro foi uma experiência fascinante! Assim como o mundo criado pela Licia Triosi. Rico, perigoso, cheio de criaturas estranhas. É como uma excursão de férias para um lugar fantástico e cheio de conflitos. Um mundo em guerra. E não menos envolvente.

A narrativa não é muito complexa e poderia até ser um pouco mais detalhada. Mas é envolvente o bastante para deixar o leitor entretido por horas a fio, sem se cansar. E ansioso para saber o que vai acontecer nos volumes seguintes.

Destaque também para os personagens, que conseguem comover tanto pela doçura (Phos, Senar, Jona), quando pela arrogância (Supremo General da Academia). Além, é claro, da protagonista, Nihal.

Apesar de passar boa parte do tempo querendo dar uns cascudos na protagonista cabeça dura, não pude deixar de simpatizar por ela. Nihal me lembra um pouco a Katniss (de Jogos Vorazes) no que se refere à coragem, à independência. Mas é infinitamente mais vulnerável. E nem por isso é uma dessas mocinhas molengas que se vê por aí. CoffEverBloomcoff!!

Uma avenura fantástica para nenhum fã do gênero botar defeito!

Livro recomendado!
Márcia 17/11/2010minha estante
adorei o CoffEverBloomcoff!! hauhsua'


Roseli Camargo 17/11/2010minha estante
Que legal Lu....comprei a série no Submarino por R$ 10,00 cada um e fiquei um pouco com medo de não ser bom, mas pelo jeito não me arrependerei rs. Bjs


Heidi Gisele Borges 04/05/2011minha estante
Aiii, mais um livro que vc me deixou com MAIS vontade de ler... Já li falando bem e mal... mas ainda assim quero ler... logo! rs




Madelyne 06/09/2010

Me surprendeu...
Comprei a série do Mundo Emerso, por dois motivos, gosto do tema fantasia e o preço estava realmente convidativo, mas me surpreendi...

O autora pode-se dizer seguiu a linha do Senhor dos Anéis, mas colocou no papel principal uma mulher, uma heroína. Até por aí nada de muito estranho nos dias atuais, mas no decorrer da narrativa, haverá o conflito entre a o papel feminino esperado e guerreira, o que é interessante e inteiramente verdadeiro, para todas mulheres q se aventuram fora dos parametros habituais.

Outro ponto interessante no livro é a seriedade q a guerra é tratada, o livro mostra toda a dor que advem da guerra, e apesar de nem sempre termos a opção de escolher entre a paz e a guerra, esta sempre cobrará um alto preço.

Livro q é indicado para o publico juvenil, mas que tb pode servir de lição para adultos.

Recomendo a leitura.
Josy 21/09/2010minha estante
Já gostei da coleção sem ler, e com sua resenha vou ler com certeza.
Abraço.




Tulliu Cardia 30/01/2009

Não gostei desse livro. Muito chato e sem graça. Aquela história sem sal nem açucar, que vc vai lendo só pq começou. Nihal é simplesmente horrível. Para ela nao tem lei, faz o que quiser, e só faz merda. Livro ruim.
Nao recomendo
Fabricio~Raito 10/09/2010minha estante
Respeito sua opinião, mas dizer que "Ela faz o que quer" mostra completamente que você não compreendeu que isto faz parte da personalidade da protagonista, e serve como motor para seu amadurecimento.


Panina Manina 20/09/2010minha estante
Mas ela faz o que quer e é justamente isso o atrativo do livro.
É um livro de fantasia, mas que não fica exibindo o mundo. É uma história com uma protagonista, não uma heroína.
E é justamente isso que ela aprende ao longo desse livro. Quer só cortar cabeças, tudo bem, mas que vá fazer isso bem longe dos exércitos. Se quiser ficar, tem que aprender a ser um soldado e lutar pelo grupo.


Kika 23/08/2013minha estante
Esse livro é pra poucos... Desculpa, mas acho que vc compreendeu mau mesmo o livro...
Pena, ele é ótimo... =)




Liddy 15/11/2010

Se eu disser que tive vontade de matar a protagonista dessa história alguém vai ficar com raiva de mim? O.o

A Nihal era promissora. Ela seria uma protagonista briguenta e independente, sem falar que seria um dos raros casos em que o personagem principal não é bom em tudo o que faz. O problema veio com o perfil psicológico da personagem e a forma com que a escritora colocou isso no papel.

Tudo bem a Nihal tem características mais humanas, ela é falível, isso eu entendi... mas a atitude dramática dela, de achar que apenas ela sofre no mundo inteiro foi egoísta demais.

E o Senar? Ah, no começo ele parecia tão interessante... mas então ele se dobrou e ficou parecendo um cachorrinho. Onde está a iniciativa desse homem!? Os dragões então?
>.<
Lu 15/11/2010minha estante
Liddy, seria legal avisar que a sua resenha contém spoilers.


Christian 08/12/2010minha estante
Pois é, querida, se você for ver, o mais incrível da série é justamente o amadurecimento dos personagens durante os 3 livros.

Achei muito legal esse protagonista com defeitos. Não é clichê.


Füchs 13/12/2010minha estante
Achei muito interessante sua resenha. Só comecei a ler o livro mas já achei que a personalidade de Nihal é muito fraca.
Não precisa ser clichê pra fazer um personagem interessante.
Nihal é extremamente unidimensional e nada carismática, espero que ela evolua como comentou Xtian


Fábio Senna 02/01/2011minha estante
Não acho que tem spoilers. Terminei de ler todos os 5 livros do Mundo Emerso. E no resultado final eu acabei gostando da história.

As Crônicas do Mundo Emerso é uma trilogia bem legal, e eu aconselho você ser guerreiro e aturar todo marasmo desse primeiro título, a recompensa virá.

SATISFAÇÃO GARANTIDA OU O SEU SACO DE VOLTA.

As Guerras do Mundo Emerso é uma "continuação" das Crônicas. Também é muito boa.


Mav 10/01/2011minha estante
Não venho spoilers nesta resenha.

Um outro ponto além dos destacados, é da autora, vez por outra, "esquecer" de colocar algo que irá acontecer e lembrar somente na hora que precisar, por exemplo, "Um personagem sai de casa, vai ao mercado, chegando lá a autora lembra que ele tem que pegar dinheiro em casa, ao invés de, ela reeditar e colocar que o personagem pegou umas moedas e saiu de casa para ir ao mercado, ela 'aproveita' a linha e diz coisas como 'ainda bem que ele pegou umas moedas antes de sair de casa'".
Tem vários pontos desse jeito.


Liddy 30/09/2011minha estante
kkk, não, de fato o comentário tinha spoiler, mas a Lu me avisou e então corrigi.

As emendas da escritora aqui e acolá até que podem acabar sendo disfarçadas quando você se concentra nos personagens... o que realmente me aborreceu foi, como o Füchs disse, o fato da personagem ser unidimensional (e de a escritora pouco ou nada ter feito para resolver essa encrenca).

Mas vou dar uma chance, peguei As Guerras do Mundo Emerso e vou ver se vai ser melhor (satisfação garantida ou meu saco de volta kkkkkk).

Abraço!! XD




Fabricio~Raito 10/09/2010

Agradável surpresa.
Confesso que, antes de conhecer a história de Crônicas do Mundo Emerso, não colocava muita fé, tampouco a capa me chamou a atenção (diferentemente de várias outras pessoas). Porém, me vi envolto numa história agradável, instigante, e mesmo possuindo um caráter mais infanto-juvenil, já ganhou a minha admiração. Sem contar que Histórias Medievais não faziam tanto o meu tipo, mas agora já subiram mais um degrau no meu gosto.

Nihal, a protagonista desta primeira trilogia, é uma guerreira por excelência. Desde criança gosta de batalhar, de criar confusão e de manejar espadas. Na sua adolescência, este desejo se torna quase que incontrolável (reforçado por motivos pessoais que vocês saberão ao ler), e no decorrer de fatos tristes e um tanto quanto clichês, Nihal parte em busca de realizar seu sonho: se tornar um Guerreiro Dragão.

Não dá para ignorar eventos e passagens pra lá de "batidos", assim como as milhares de vezes que Nihal chora. É um pouco incoerente uma pessoa que quer se tornar um guerreiro, para se vingar, se mostrar tão frágil e chorar desenfreadamente ao ser chamada a atenção. Mas taí uma moeda, com suas duas faces: ao mesmo tempo que os leitores mais críticos desaprovam este fato, é através dele que podemos, de fato, ver o amadurecimento da personagem, que no meu ponto de vista, foi bem detalhado. Ao contrário de algumas histórias que o protagonista deseja se tornar um herói, nunca viu uma espada, e no próximo capítulo já destruiu o vilão mais forte de todos os tempos.

A trama é recheada de personagens cativantes, batalhas e momentos críticos, que vão, pouco a pouco, traçando o destino de Nihal. A leitura é agradável, apesar de termos e jargões não muito utilizados. O espirito da história é bem jovial, o que reflete na maneira como a autora expõe os pensamentos. A descrição dos reinos e paisagens é satisfatória, dando uma oportunidade de imaginar as várias cidades do Mundo Emerso, cada qual com suas características próprias.

Crônicas do Mundo Emerso é a primeira trilogia, de três. Seguida pela Trilogia da Guerras do Mundo Emerso e depois pela Trilogia Lendas do Mundo Emerso.
Nii. 12/09/2010minha estante
ótima resenha Fabricio, estou com o livro para ler.
Bom saber que é uma agradável surpresa!


GeL 12/09/2010minha estante
Discordo totalmente, o livro é no mínimo ruim, para crianças é uma boa pedida.


Fabricio~Raito 12/09/2010minha estante
Ah, que bom entao GeL! Garanto que as crianças vão adorar (já vou separar para meus filhos lerem -q)


Roseli Camargo 22/10/2010minha estante
Acredito que é preciso respeitar a bagagem e a percepção das pessoas no que diz respeito a leitura. Gostei da resenha pois não foi parcial e mostrou os prós e contras do livro. Comprei e mesmo que não goste da estória não quer dizer que todos terão que pensar o mesmo.




diogo 26/01/2011

Adolescentes...
Dei duas estrelas.

Só duas. Mas não porque o livro é um afronte a inteligência humana nem nada disso. É porque pulei muitas páginas no montante de blablabla que se segue na história. E pular páginas não me parece algo bom.

Começa pelo uso das palavras, creio que a autora não precisava utilizar de uma linguagem extremamente formal (emprego demasiado de "vós" "fostes" e muita coisa no 2º pessoa do plural). ok, talvez ela quisesse utilizar de algo para refletir o tempo que se passa o livro, algo antigo e tudo mais. Mas hoje em dia, é meio inútil querer utilizar isso, ainda mais para livros de ficção/épicos voltados para a juventude que é bem provável que ainda não sabem o que é 2º pessoa do plural.

A personagem... Uma adolescente meio insuportável com grandes poderes que só sabe reclamar e reclamar da vida. Não digo que a história em si da personagem é ruim, não, mas a autora minunciou demais esses fatos. A cada página lá estava Nihal reclamando da vida, das mortes disso e aquilo. Cansativo demais. Boring, boring, boring... Se tivesse colocado isso de uma forma menos expressiva, e focado mais nas partes de treinamento, seria perfeito. nihal tem um grande chamativo como personagem e tudo mais. Mas esse clichê de herói que perdeu tudo na vida e só sabe reclamar já deu no saco.

Não vou falar sobre toda influência que o livro tem de Tolkien e da trilogia de Eragon. Creio que hoje em dia nada pode fugir deles, visto que são obras quase perfeitas (falando de Tolkien, tudo é perfeito) então creio que a autora fez um bom uso.

E as magias? Parece-me que os magos desse tempo só sabem falar e dar conselhos. Cadê as fireballs? Invocação de seres? Magias extremamente grandes e poderosas? Os magos parecem um bando de padres que só sabem dizer que a natureza é isso e aquilo. Você lê essa descrição de magos em qualquer lugar. A autora poderia dar uma ênfase maior neles, fazer mais poderosos e que poderiam acabar com grandes hordas de inimigos com poucos golpes. Afinal, SÃO MAGOS !!!

Espero que os dois últimos livros fiquem melhores. Esse não é um mau livro, mas se você já leu tantos e tantos outros, infelizmente esse fica sendo apenas mais um que você vai lembrar apenas da capa, e olha lá.

sagonTHX 05/07/2011minha estante
Diogo, sua colocação é perfeita. Afinal de contas, trata-se de uma história de fantasia. Faltou mais do que criatividade para Licia Troisi, faltou paixão; faltou ousadia. Além do mais, há mais do que referências a Eragon nessa trilogia. Posso citar: Guerra dos Tronos; A Viagem, de Terry Brooks; O Senhor dos Anéis; e até Guerra nas Estrelas Episódio I A Ameaça Fantasma (1999) - sse na Missão de Senar. Aliás, é Senar quem salva a Saga.




Isaa 05/07/2010

consigo ver as cenas como se tivesse assistindo a um filme...
livro maravilhoso!


recomendo!
comentários(0)comente



Amanda 21/07/2010

Crianças, realmente cianças.
Acabei de ler novamente esse livro ontem. Tinha esquecido como ele é bom! Uma das melhores historias medievais/fantasia que eu já li. Os personagens são envolventes e , acima de tudo, muito humanos. Eles entram em conflito sobre o que é certo ,o que é errado, o que é amor ,fazem besteira, agem impulsivamente ,não notam o quanto estão machucando uns aos outros e se apaixonam daquela maneira platônica e fantasiosa quando são jovens e juram por deus que é amor .
os principais são jovens ,e agem como jovens. Isso é raro geralmente heróis desse gênero literário costumam perder um pouco o quesito verosimilhança, eles são meio que mini adultos . A transição entre a vida adolescente e a vida adulta é muito bem retratada. como ponto fraco aponto alguns diálogos forçados, o comandante da academia que é uma figura muito pouco humana. Mas no todo parabéns Licia Troisi!!!!


Mav 09/01/2011

Análise Estratégica
Visão geral:

Assim como o seriado "Dr. House" é baseado no antigo "Sherlock Holmes", a ideia que tive com a trilogia das Crônicas do Mundo Emerso, é que é uma trilogia baseada no contexto da trilogia Eragon, posso citar muitos pontos em comum entre as duas, mas por questões de respeito a quem ainda não leu, não citarei os detalhes.

Prós:

O romantismo entre os dois personagens principais sofrem altos e baixos em um contexto que - diferentemente de uma novela - você fica em dúvida em qual será o final.

Contras:

Distorce toda a base de um cavaleiro de dragão, seja as estratégias, o laço entre dragão e cavaleiro, as batalhas etc. Distorce o aprendizado da magia, que até então parece ser tão fácil.
Não tem uma ideia própria muito menos inovadora, é TUDO COPIADO dos livros ERAGON, ELDEST e BRISINGR.

Visão Final:

Você tem interesse em ler este livro?
É um dos poucos livros que eu NÃO RECOMENDO.
Leia primeiro a trilogia Eragon, que é a versão verdadeira, criada, editada e publicada primeiro. Caso ainda tenha interesse nos livros, leia-os e depois crie sua resenha.
Leo 13/01/2011minha estante
A trilogia Eragon não é tão original pois já é um amontoado de coisas coletadas em livros de fantasias mais antigos.


Mav 13/01/2011minha estante
Leo, concordo com você, mas é um amontoado de "coisas originais" que se mantêm fiéis às fontes.

Agora a trilogia das Crônicas do Mundo Emerso, é um amontoado deturpado e modificado das fontes originais, com muitos pontos idênticos à trilogia Eragon, o que faz das Crônicas um livro mais sem originalidade do que Eragon.

E me desculpe, mas Eragon honrou a história dos cavaleiros de dragão, bem como o aprendizado da magia e os pontos históricos de uma guerra medieval, enquanto as Crônicas do Mundo Emerso corrompeu a base da fantasia histórica destes pontos.


Leo 13/01/2011minha estante
Maverick você quer originalidade ou fidelidade?
Eu gostei das crônicas justamente por elas romperem com aquela mesma história de sempre das fantasias com dragões, quando eu quero ler histórias antigas eu as procuro em livros também antigos mas se eu ler um livro novo eu vou estar procurando histórias novas.


Mav 13/01/2011minha estante
Leo, eu opto pelos dois, um texto original e fiel às fontes.

Você já leu Eragon?

Porque as crônicas rompem com os dois pontos, já que copia todos os pontos fortes do Eragon e mostra os mesmos pontos em uma visão diferente.
Se você quer um livro novo, com histórias novas, escolheu a trilogia errada, porque as crônicas é uma visão sobreposta da trilogia Eragon.


Leo 13/01/2011minha estante
Já li Eragon sim e gostei mas mas eu tenho uma atração por obras cujo o autor arrisca ao faze-las não se importando com limites.
A unica coisa muito massa em Eragon é você acompanhar o desenvolvimento do estilo próprio do autor: Eragon é bem simples e repetitivo enquanto Brinsingr é mais complexo, criativo e desenvolvido.


Mav 13/01/2011minha estante
Então você consegue notar que todos os acontecimentos importantes da trilogia Crônicas, com excepção do final, são idênticas aos da trilogia Eragon?


Leo 16/01/2011minha estante
Não, mas é uma coisa que eu poderei observar, algum dia, eu acho.


Mav 16/01/2011minha estante
Eu tenho uma vontade enorme de exemplificar, mas se fizer isso vou soltar spoilers que nem água, tem muito ponto idêntico Leo, pontos absurdos.
A trilogia eu achei horrível e sei que estou tratando a minha opinião com alguém que gostou do título e posteriormente da escritora, então deixo claro que não é nada contra a autora, mesmo porque, estou lendo "As Guerras do Mundo Emerso" e para mim é um livro novo, uma história que me prendeu que consigo sentir a emoção do personagem. Quanto a trilogia das crônicas, minha opinião permanece com sendo de uma trilogia horrível e copiada.


Leo 16/01/2011minha estante
Nisso eu tenho que concordar, as "Guerras" são melhores que as "Crônicas".


sagonTHX 05/07/2011minha estante
Leo e Maverick estão certos. Ponto para os dois. Licia Troisi é fã de fabtasia e mangás. Leu tudo o que tinha pra ler, assistiu muitos filme e disse, vou escrever um livro. E, para isso, pegou um pouquinho aqui, outro ali e virou uma saga de 9 livros. Literatura infantil, apesar de a tematica sugerir o contrário.


augusto 06/07/2011minha estante
discordo, porque cavaleiro dragão nao veio de eragon, e tirando o primeiro livro de cronicas , os outros dois sairam antes de eldest , entao antes de acusar as semelhanças pesquise.


Mav 09/08/2011minha estante
Augusto,

Antes de confrontar, construa sua própria resenha para que assim possa se defender de algum jeito.
O livro é idêntico de mais, até mesmo em nomes de lugares e posicionamento da história.
Se você gostou do livro e da trilogia, contrua, edite e poste sua resenha.

Quando disse sobre cavaleiro de dragão, é só acompanhar a frase, não disse que "caveleiro de dragão" surgiu em Eragon, então releia e entenda o sentido da frase por gentileza.
Eragon é uma outra resenha que merece muitos pontos positivos, por manter o cláasico laço entre dragão e cavaleiro, o que nas crônicas perde todo o sentido.
O que acontece com o dragão quando seu cavaleiro morre?! O dragão fica voando por aí esperando um novo cavaleiro?
A Licia Troisi escreveu excelentes livros depois das crônicas do mundo emerso, mas me desculpe, pecou em muitos pontos durante sua primeira trilogia, pontos este que não conquistaram a minha resenha!

Por favor, antes de criticarem qualquer resenha, escreva uma resenha positiva ou uma resenha contrária a que vai criticar, assim você valoriza o livro que leu e dá espaço para agir como adulto.


augusto 27/01/2012minha estante
primeiro se voce postou uma resenha esta sujeito a opinioes, desde quando se o cavaleiro morrer o dragão morre, leia livros mais antigos sobre isso , se preferir eu te dou umas dicas. ^^


Mav 27/01/2012minha estante
Augusto,

Faça uma resenha defendendo o livro, coloque os aspectos que gostou, mostre que a série é melhor do que o que estou criticando.
Você depende exclusivamente de críticas para defender uma obra.

Eu até aceitaria dicas de alguém melhor informado, de alguém que tem opinião própria, porque uma resenha não lhe qualifica a ser "o melhor" em termos de conselho, muito menos 37 livros lidos sendo poucos a respeito draconiano.

Eu não estou nem um pouco a fim de dar uma aula sobre a mitologia envolvendo Dragões e seus Cavaleiros, mas dá uma procuradinha ai no google, porque desde o surgimento no laço entre Cavaleiro e Dragão, primeiramente a aliança e depois o pacto, você vai entender o porquê o Dragão morre caso seu cavaleiro morra primeiro, sugiro procurar por isto já que eu não sou tão humilde quanto você em me disponibilizar para lhe dar "dicas".

E mais uma coisa, você esta defendendo acirradamente uma trilogia que classificou como "bom" (3 estrelas), tem que se orientar um pouquinho antes de assumir uma postura tão defensiva.

OBS: E lembre-se sempre, tenha uma resenha contrária para justificar suas críticas.

Att,

Maverick.


augusto 12/02/2012minha estante
nao defendo a trilogia so nao concordo que copiou eragon sendo que este entao copiou SDA E Star Wars(mais esse nao e o assunto aqui), acho que o seu problema nao foi o portugues e sim a matematica.
Crônicas do Mundo Emerso -Abril de 2004
A Missão de Senar em Outubro de 2004
O Talismã do Poder 2005
Eragon 2002,Eldest 2006,Brisingr 2008

e sobre livros pus so alguns e quase nao entro aqui e pode deixar nao comentarei mais suas resenhas, ponha no google lendas antigas de cavaleiros dragoes, vera que eragon nao foi o primeiro nem o ultimo em laços de cavaleiro dragao,
abraço


Mav 12/02/2012minha estante
Procura pelo número de páginas também Augusto e verá que são necessários dois livros da Troisi para bater o primeiro volume do Paolini, ou seja, matematicamente o mundo da Troisi já estava criado bastando apenas modificar suas personagens e os nomes etéreos, que já foi criado em Eragon.

Não julguei que Eragon era o primeiro, muito pelo contrário, defendi que Eragon mantém o que foi criado da história dos Cavaleiros de Dragões onde, quando o Cavaleiro morre o Dragão TAMBÉM morre, então meu conselho é que procure sim as origens e verá quem esta certo.

Você tem um gosto literário muito parecido com o meu, mas suas classificações parecem se basear em classificações de terceiros, parece que você lê primeiro a opinião dos outros e depois lê o livro o que influenciaria sua opinião sobre o livro.

A todo caso, agradeço por abandonar a discussão, porque é muito pior para o próprio livro ter tamanha discussão na parte negativa do livro, é por isso que aconselho sempre a CRIAR SUA PRÓPRIA RESENHA CONTRÁRIA A QUE IRÁ COMENTAR, porque assim valoriza o livro.

Att,

Maverick.


Lucas 22/08/2016minha estante
undefined




Yuri 01/03/2012

Eragon Potter Bolseiro? É você?
Um grande problema dos três livros das crônicas do mundo emerso, é que sempre vejo outros personagens na minha cabeça, Ninhal é um Eragon de top e cinta-liga, Livon é Garrow, Ido não passa de Gimli mal descrito, e para quem não leu o terceiro da série, não vou contar o que se passa, mas garanto que Frodo e Sam aparecem também!

Outra coisa que pesou contra é que existem algumas falhas de cronologia e logística, que não perdi muito tempo relendo para verificar os pontos, mas ir da Terra do Calor pra Terra da Garoa nas mesma condições leva o tempo diretamente proporcional a necessidade de se chegar lá!

Mas sem dúvidas a coisa mais desagradável em "A Garota da Terra do Vento" é a personalidade da protagonista, ou a falta dela, pois poucos personagens de livros infanto-juvenis conseguem ser tão incoerentes. Teve uma parte onde li “era a primeira vez que Nihal chorava desde a morte de Livon”, deu vontade de rasgar o livro, cheguei a ver o rosto da Licia Troisi rindo de mim em deboche, pois metade do livro Nihal está chorando! Ela chega a chorar mais do que balançar a espada de dragão dela que inevitavelmente me lembra Zaroc.

Critiquei, reclamei, mas não me arrependo da leitura, afinal Tolkien é ótimo, Rowling é boa, Paolini não é ruim e um história criada a partir de tantas influências conceituadas, mesmo sendo um pouco mal escrita ainda tem algo de bom. Três estrelas porque sou apaixonado pelo estilo e acredito que valorizando autores menos conhecidos as oportunidades de aparecerem bons livros aumentam.
comentários(0)comente



Noturninha 04/12/2014

Decepcionante :(
Finalmente consegui terminar esse livro! Raramente faço resenhas, mas quando faço é para falar muito bem ou o contrário. Eu era doida para ler essa série, mas pelo visto, criei expectativas demais.
A história é muito boa. O Mundo Emerso é bonito, a história é interessante, mostra um povo bem diversificado com humanos, ninfas, semi-elfos, dragões. Mas, infelizmente, o livro não foca tanto na história. Mas nada que fizesse a gente se perder. Muito pelo contrário, a gente consegue viver bem o mundo que se passa.
Mas aí vem os pontos negativos: A começar que o livro é escrito em segunda pessoa. Pode ser irritante no começo, pois não estamos acostumados, mas depois se torna normal. Mas sei que muita gente pode desanimar com isso.
No entanto, Nihal é a personagem mais irritante que já conheci depois de Bella Swan. Eu não sei qual foi a intenção da autora em relação a protagonista, só sei que não me pareceu que ela conseguiu passar a personagem como gostaria. A gente vê Nihal desde o 13 at.é os 17, então acompanhamos o crescimento. Mas eu, sinceramente, não vi tanto crescimento assim.
Nihal é uma guerreira, mas não age como tal. Ela é prepotente, teimosa, egoísta, mimada, birrenta e imatura. Tudo o que um guerreiro não deveria ser. Ela desobedece milhões de ordens, não consegue manter a bunda no lugar, coloca a vida de muita gente em risco apenas para conseguir cumprir seus próprios caprichos.
A seguir, alguns SPOILERS de leve:
Primeiro, ela se apaixona a primeira vista por um homem e se torna insuportável. Em umas 5 páginas, ela já está apaixonadíssima e isso não me convenceu.
Segundo, ela decidiu que queria aprender magia. Encheu o saco, foi, aprendeu e durante o livro, isso foi deixado de lado. Parece até que ela só quis aprender por capricho, por falta do que fazer, pois você quase não a vê usando seus poderes.
Terceiro, o que ela teve que fazer para conseguir provar que ela era capaz de ser um Cavaleiro de Dragão foi RIDÍCULO. Acredito que algumas pessoas pensem que tudo o que ela fez é sinal de uma garota persistente. Pra mim, foi sinal de menina birrenta e mimada, que consegue tudo o que quer, na hora que quer. Imaturidade para alguém que quer tanto ser uma guerreira.
Quando ela, finalmente, consegue um mentor decente, ele coloca na sua cabeça nada mais que a verdade. Ele briga com ela, humilha, tudo para que ela aprenda. E vê-la humilhada me fez feliz, pois ele dizia tudo o que eu queria dizer para ela.
No entanto, ele dá ordens, ela não obedece, se ferra por isso e NÃO APRENDE COM OS ERROS. Isso se repete mais de 5 vezes enquanto estava com este mentor e mais de 10 vezes durante o livro. Caramba, será que ela não é capaz de pensar? Ela não tem respeito por ninguém e isso é irritante. Ela não tem consideração por ninguém. Até um dragão teve que sofrer com a persistência de menina mimada de Nihal.
Nihal acha que só ela sofreu, que só ela tem sede de vingança, que só ela viu o mundo horroroso, ela é o centro do universo. Ela jamais olha além do próprio umbigo.
A única parte boa do livro foi lá pras últimas 30 páginas, que foi quando a personagem foi se encontrando.
Não tenho vontade de continuar a série. Pois pegar um livro de 320 páginas e só gostar de míseras 30 páginas é desgastante.
comentários(0)comente



Jéssica Rungue 09/01/2015

A Garota da Terra do Vento - Licia Troisi - Crônicas do Mundo Emerso - Livro 1
São poucos livros que me tomam com um sentimento tão forte - o de encantar -, e me fazer querer resenhar. "A Garota da Terra do Vento" é um deles.

Licia Troisi é formada em astrofísica, então porque foi inventar de escrever? A resposta está na ponta da língua: Simplesmente porque ela é FANTÁSTICA! Faltam adjetivos para descrever o trabalho de Licia em seu livro de estreia.

Nihal é uma garota de 12 anos que vive numa das poucas terras em que a guerra ainda não alcançou. Ela é daquele tipo de menina que passa o dia inteiro correndo e brincando como um moleque. Nihal vive com seu pai Livon, um ferreiro. E talvez por isso que ela sonha em tomar a espada pelas mãos e ir para guerra lutar contra o Tirano, o inimigo de todo o Mundo Emerso que está tomando as terras uma por uma. Nihal vive na pacata Terra do Vento. Quando ela se encontra com Senar, um aprendiz de mago que ganha sua espada numa luta injusta, ela decide aprender a arte da magia para recuperar o punhal que seu pai lhe deu. E dai por diante não irei contar.

E você pensa que a história gira em torno disso? Não se engane, estas são apenas as primeiras páginas! Uma coisa a qual eu sempre critiquei, foi que a maioria das sagas sempre começa num ponto de virada brutal da vida do personagem principal.

Como assim?

Eu explico!

Divergente, começa no dia do teste de aptidão da Tris. Jogos Vorazes, no dia da escolha do tributo. E Crepúsculo começa no dia em que Bela se muda para Forks. Entendem o que eu quero dizer? Você não conhece o personagem antes de "mudar a vida dele”, você conhece sua personalidade, seu jeito, seus valores e quem ele é, depois que algo mudou na vida dele. O que é uma pena, e infelizmente batido demais. Mas então, vem a Licia Troici, e muda completamente isso. Por quase metade do livro, você acompanha Nihal dos seus 12 anos até aos 18 anos que é onde a história “deveria" começar. Então você a vê crescendo! Todas as atitudes de vida que a fizeram ser quem ela é. E isso que é fenomenal!

A Garota da Terra do Vento me fez acompanhar Nihal desde sua infância. Foi o primeiro livro que presenciei as pequenas ambições de uma menina, até ela começar a crescer, cometer erros, aprender, dar a volta por cima e a lutar pelo que acredita se tornando uma mulher com convicções. Uma guerreira que superou todas as diversidade pelo seu ideal e não desistiu até conseguir realizar o seu sonho. E por isso se tornou tão especial para mim.

Licia Troisi, eu sou sua fã número um!
comentários(0)comente



Leandro Radrak 14/03/2010

Um bom início
A talentosa Licia começa a história do modo como eu gosto: Desde a infância dos personagens. Utilizando deste método a autora nos cativa desde o início, tornando-nos cúmplices do desenvolvimento de Nihal como mulher e heroína.
Este livro, primeiro de uma trilogia, trata-se da formação desta garota, que de criança se torna guerreira, perdendo a ingenuidade e certeza de seus ideais na medida em que descobre os horrores de uma guerra que ainda não havia alcançado seu país.
Acompanhando o destino desta jovem, nos deparamos também com a vida do jovem Senar, um mago que também conheceremos desde criança. De personalidade forte e madura, já formada por uma infância em meio a trincheiras cheias de corpos, este rapaz se prova o oposto da garota da terra do vento e, como opostos, uma forte relação entre os dois surge cheia de conflitos e demonstrações sinceras de amor.
Vale comentar que este primeiro livro está longe de mostrar batalhas épicas, decepcionando um pouco aqueles que querem ver combates entre cavaleiros em dragões e exércitos se colidindo em paredes de escudos e explosões de magia. Há cenas de combate sim, há aventura empolgante e até uma batalha entre exércitos, mas nada épico.
Nesta obra o leitor deve se concentrar na evolução dos personagens que, na minha opinião, a escritora desenvolve com grande habilidade, deixando-os prontos para, nos livros posteriores, realizarem os feitos magníficos que todos nós almejamos ver nos romances épicos de fantasia medieval.
Sobre o Mundo Emerso em si, a autora não se aprofunda muito na política do lugar. Existem os reinos dominados por um tirano e os reinos lutando contra o mesmo. Tal cenário, apesar de não ter muito em comum, lembrou-me muito o cenário que encontramos em Star Wars no episódio 4, Uma Nova Esperança: Uma resistência fraca, composta de vários povos está prestes a perder para o poderio militar de um Império.
Como nem tudo é perfeito, o livro é encerrado com um anti-climax que desaponta. Quando a trama começa a esquentar e temos um vislumbre da heroína que acompanharemos nos próximos livros a autora tira Nihal da guerra e usa as últimas páginas do livro para mostrar à sua personagem como é a vida comum. Não que a cena seja desnecessária, pelo contrário, mas como fim de um livro, decepcionou.
Agora resta ler os volumes restantes, pois admito que sinto a necessidade de acompanhar a saga da jovem Nihal até o fim.
Para quem gosta de Grinmelken e dos mundos fantásticos que habitam as mentes dos mais variados autores, As Crônicas do Mundo Emerso constituem uma diversão garantida.


124 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |