A Profecia das Sombras

A Profecia das Sombras Rick Riordan




Resenhas - Profecia das Sombras


95 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Queria Estar Lendo 21/09/2017

Resenha: A Profecia das Sombras
A Profecia das Sombras é o segundo volume da série iniciada com O Oráculo Oculto. As Provações de Apolo é mais uma das sagas épicas escritas pelo querido Rick Riordan e fala sobre as aventuras do deus Apolo, agora transformado em mortal, tentando ganhar de volta a sua imortalidade.

Depois de entender os caminhos que precisa tomar para voltar a ser um deus - ainda que eles sejam bem confusos porque, convenhamos, o que na vida desses personagens não é? - Apolo está em busca do segundo oráculo perdido. E esse tem muito a ver com o seu passado, porque envolve um de seus filhos e uma terrível tragédia que aconteceu com ele. Ao lado dele, Leo Valdez e Calipso partem na jornada para ajudar o ex-deus, e figuras conhecidas e novos rostos se juntarão às empreitadas descabidas e destrambelhadas para recuperar o segundo oráculo perdido e, quem sabe, descobrir como parar os terríveis imperadores romanos que desejam retomar seu poder.

"Compus em silêncio o meu novo haicai da morte: Aves grandes são más/Correm com pernas farpadas/Eu morro, e dói."

O que eu mais amo nos livros do Riordan e uma coisa da qual eu nunca vou me desapegar é o humor. Deuses, como eu amo a narrativa paspalha que ele escreve, e como é um humor bobo, mas muito inteligente. Minha Lady Jane teve o mesmo feeling que todos os livros do tio Rick sempre me passam: são piadas idiotas envolvidas em um contexto inesperado, mas que encaixam muito bem ali. A Profecia das Sombras mantém o mesmo tipo de conversa com o leitor que tinha usado no primeiro volume: Apolo e seu ego. Um pouco mais humilde depois dos acontecimentos do livro anterior, sim, mas ele continua o deus do sol pelo qual eu me apaixonei. Egocêntrico e bocó, achando que o mundo gira ao seu redor. E, claro, todo mundo ao seu redor faz questão de demonstrar como isso não é verdade, o que torna as situações ainda mais engraçadas.

Sendo seguidora de tio Rick há quase dez anos (!!!) dá pra reconhecer os artifícios que ele usa em "segundos livros" aqui também. O que não é uma coisa ruim; diferente de autores como a Cassandra Clare, que, honestamente, eu já tô ficando enjoada de olhar pra cara das novas séries (desisti de As Peças Infernais até que um anjo me convença a voltar) Riordan se inova dentro da sua zona de conforto. Prova disso é a representatividade e o poderio das minorias que ele tem trazido para essa série e para a trilogia do Magnus Chase.

Aqui, temos um protagonista pansexual (porque né, o Apolo atira para todos os lados literalmente) que está lidando com seus medos e fraquezas e traumas como todo bom adolescente. Mesmo caído de mudança nessa história de mortalidade, é legal notar a fragilidade do Apolo, como ele se esconde atrás do humor com medo de se perder, de não ser corajoso o bastante para ajudar aqueles que ele ama. E Apolo ama muita gente; ele percebe isso, e ter noção disso é aterrorizante. A partir do momento que você ama alguém, essa pessoa está sempre em risco. Multiplique isso por mil dentro do universo dos deus gregos, onde a corrida contra o tempo tem como adversário o Triunvirato Romano.

"- Ó Flecha Sábia, estamos perdidos.
EU SOUBE DISSO QUANDO TE CONHECI."

O relacionamento do Apolo com outros personagens foi bem desenvolvido. Léo e Calipso são uns queridos e acabam se tornando a voz da consciência do protagonista - e muitas vezes o tapa na cara, quase literalmente. Ainda que Léo continue com sua aura maluquinha e carisma exacerbado, ele está mais maduro, mais consciente das consequências de uma guerra, e está disposto a se arriscar para ajudar os outros. O mesmo pode-se dizer da Calipso; presa durante séculos e mais séculos em uma ilha amaldiçoada, livre enfim, ela vê o mundo e quer entender tudo que existe nele. Para fazer isso, precisa ajudar o Apolo primeiro, e precisa se reencontrar como feiticeira e como guerreira dentro dessa história toda.

"- Você vai saber quando eu recuperar minha magia, porque vai perceber que foi jogado do outro lado de Indianópolis."

Além do Apolo, Riordan introduz um casal de senhoras que foi contra todo o esperado pelo amor que dividiam, e ele mostra como esse amor as ajudou a criar sua filha. Eu poderia passar horas falando sobre elas, mas as duas são parte crucial da história e do desenvolvimento do livro, então vou me abster. Só digo que tem um diálogo genial entre elas e o Apolo e isso mostra o quanto o autor é consciente do seu papel, dando espaço para quem precisa dessa representatividade.

Meg volta, claro, como a senhora mandona designada a cuidar do Apolo. Ela está um pouco mais melancólica nesse livro, marcada pelo fim do volume anterior, mas a narrativa construiu uma ligação de confiança bem importante entre ela e o ex-deus, e aqui nós vemos como ela se desenvolve e como marca ambos os personagens. Eles se tornam importantes um para o outro.

"Talvez, em vez de um castigo grandioso, eu tenha uma morte lenta decorrente de mil insultos. Com que frequência um deus da música ouvia que sua voz dava para o gasto antes de desmoronar em uma pilha de poeira de desprezo por si mesmo?"

A parte de ação e dos mistérios é um pouco mais arrastada do que em O Oráculo Perdido - e aqui dá pra comparar com O Filho de Netuno, que achei o mais fraco dos Heróis do Olimpo e coincidentemente também era o segundo livro da série. Não é nada que atrapalhe, mas torna alguns momentos mais enfadonhos do que deveria, uma vez que são as partes da ação. No mais, se desenvolveu bem, com algumas surpresas pelo caminho e um final com um gancho que me deixou berrando EU PRECISO DO TERCEIRO VOLUME! Minha curiosidade para entender mais a respeito dos três Imperadores e sua missão para conquistar o mundo vai me deixar roendo as unhas até o próximo.

"- Depois de mais de sessenta anos vivendo com as Caçadoras, nós descobrimos uma coisa. Não é por quanto tempo você vive que importa. É aquilo pelo que você vive."

A Profecia das Sombras é importante porque fala dos diferentes tipos de amizades, de amor e de medo, como todo bom infanto-juvenil tem que ser. A jornada de Apolo apresenta um mundo de possibilidades e diz que tudo bem você ser diferente e escolher o diferente. Isso faz de você tão normal quanto qualquer outra pessoa.

site: http://www.queriaestarlendo.com.br/2017/09/resenha-profecia-das-sombras.html
Vanessa 31/03/2018minha estante
Estou apostando em Caligula como o terceiro, o que acha?




Patty 28/04/2020

Uma ótima continuação para o primeiro, com um aprendizado maior para apolo e mais aventuras que me prenderam mais que o primeiro livro
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Daiane 23/06/2020

Esse livro avança com o plot do primeiro livro e vem com uma surpresa maravilhosa pra quem conhece certa saga do Rick haha. Cômico e dramático na medida certa.
comentários(0)comente



sunsnico 22/02/2020

Incrível
No segundo volume das provações de Apolo, temos a volta de nosso querido Lester, acompanhado do amado Leo Valdez, de os heróis do Olimpo, e da ex-feiticeira Calipso.

Nessa aventura eles precisam encontrar o Oráculo de Trofônio, ou Oráculo das sombras. Sua parada é Indianópolis, e contam com a ajuda da estação intermediária e seus habitantes.

Esse livro consegue superar o primeiro, começa a mostrar o amadurecimento de Apolo como Lester, como ele passa a se importar mais com os mortais, e como ele estava disposto a dar a vida pelos amigos.

Leo e Calipso também desempenham um grande papel na aventura, cada um ajuda apolo a sua maneira. E mesmo que calipso não gostasse tanto do deus anteriormente, eles passam a se dar bem.

Vemos a volta de Meg McCaffrey, que fugiu de Nero, e que salva apolo novamente, várias vezes. E no final sendo alvo de um quase final trágico.

A narrativa do Rick é sempre gostosa de ler, e arranca boas risadas, mas sabe tratar de assuntos sérios, novamente aqui ele aborda temas como homossexualidade e pais abusivos, de um jeito leve que leva a compreensão do leitor. Alguns mitos gregos são revistados pelo ponto de Apolo, e vemos a redenção de um personagem em especial de "O herói perdido" e do próprio Apolo/Lester.
comentários(0)comente



André 31/05/2020

Nostalgia
Não esperava gostar tanto da história, mas confesso que achei bem engraçado como o livro é descrito, Apolo é tão narcisista que chega a ser hilário. Rick continua com umas descrições meio bobas mas é até aceitável, mas espero que até o final só último livro ele aprenda uma lição valiosa é deixe de ser tão egocêntrica
Obs: Apolo já apresentou uma melhora considerável em uma certa parte da história.
comentários(0)comente



zoni 12/05/2017

Para o Sul o Sol segue caminho.
Esperamos um ano, mas toda essa espera valeu a pena porque Riordan nos trouxe mais uma história envolvente e super apaixonante, daquelas que nos faz desejar o próximo volume em nossa estante antes mesmo de ter acabado o livro que está nas mãos.

Esse livro nos traz novamente os problemas de Apolo que está em um corpo mortal, tentando não ser morto por todos os seus inimigos e retornar ao Olimpo como um dos doze olimpianos, porém, dessa vez a história vem com um nível de aprofundamento maior que a história do primeiro livro.

A trama se inicia com Apolo, Calipso e Leo Valdez chegando a Indianópolis, uma pequena cidade no meio oeste dos estados unidos, assim que desembarcam na cidade nosso trio de heróis já se mete em uma confusão, sim, mais monstros tentando matar Apolo, apenas um dia comum na vida do ex deus. Eles são salvos por o que parecem ser uma caçadora de Ártemis, mas ela está velha, sim, eu disse velha. Confuso? Essa mulher, senhora, velha, é uma ex caçadora que resolveu largar a caça para viver um romance com uma de suas companheiras. Está surpreso? Eu fiquei, achei o máximo o espaço ainda maior para a representatividade LGBT.
Apolo é obrigado a ir em uma missão para salvar os grifos de uma deusa e só assim terá informações para conseguir entrar na fortaleza de um de seus maiores inimigos, um dos imperadores que ouvimos falar desde o primeiro livro. É nessa missão que Apolo é salvo por Meg, e nós vemos nossa garotinha semáforo voltar para a ação.

No decorrer do livro nós ainda temos aquele Apolo que choraminga por tudo, querendo voltar para sua vida antiga onde era paparicado por todos e via seus amados semideuses se fo#%#!# para resolver suas merdas, mas aos poucos e com a ajuda de outros personagens ele vai descobrindo a resposta para a pergunta “O que é ser um humano?” e vai dando um pouco mais de valor para a raça que ele nunca levou a sério.

O livro é espetacular, nunca nos cansa, está sempre acontecendo alguma ação que nos faz ler e ler, sem conseguir parar. Uma coisa muito importante no livro foi a inserção de excelentes coadjuvantes. Todos eles trouxeram seu próprio brilho a trama, dando uma pitada de novidade que a série precisava. Vimos personagens antigos, vimos novos personagens, semideuses ou não. (Sim, Riordan nos dá uma aula de representatividade e põe um personagem nigeriano de outros deuses, os iorubás).

O livro assim como qualquer outro tem um ápice, e nesse é uma batalha. Porém, o que mais chama atenção no final do livro, não é a batalha, mas sim a profecia que Apolo recebe logo depois dela. É algo diferente e que nunca vimos nos livros de Riordan, a profecia é quase um poema. É enorme e maravilhosa, eu levei um tempo para digerir e entender. E cara, depois que a gente entende dá mais ansiedade ainda pelo próximo.

Riordan é um mestre em unir as mitologias com o século XXI, ele sempre nos dá uma bela junção do velho com o novo. Ainda mais na visão de um deus, que tudo viu, quando viu...
Acho que consegui falar um pouco do livro sem dá spoilers, ou dando o mínimo de spoilers possíveis. Mas antes de encerrar preciso dizer que a coisa que mais me chamou a atenção e que era minha maior preocupação, foi a forma como Riordan aproveitou e explorou a bissexualidade de Apolo, não foi forçado, não pareceu falso e principalmente o personagem não pareceu um cafajeste confuso. Riordan merece todos os prêmios do mundo.

Eu recomendo o livro, é perfeito, gostoso, divertido e com um ritmo espetacular. E estou ansioso pelo próximo, pois tenho certeza que vamos nos divertir muito.
comentários(0)comente



Wilker.Dantas 11/03/2020

Em As Provações de Apolo: a Profecia das Sombras, apesar de já conhecermos a fórmula por trás dos livros de Rick Riordan nós podemos nos deparar com uma nova construção dos momentos de tensão e da narrativa do nosso maravilho Apolo, o livro é narrado por Apolo que agora parece mais maduro quanto à sua falta de imortalidade e o destino que terá que cumprir para voltar a ser um deus, em A Profecia das Sombras nós podemos perceber o foco da narrativa mudando entre os personagens de acordo com a narração de Apolo, o que dá a sensação de que eles fazem parte de sua consciência. A Profecia das Sombras mantém o mesmo tipo de conversa com o leitor que tinha usado no primeiro volume: Apolo e seu ego. Um pouco mais humilde depois dos acontecimentos do livro anterior.
comentários(0)comente



Victor Silva 05/05/2020

Foi um pouco abaixo do esperado,na minha opinião. Entretanto,tem uma dinâmica,como sempre,muito prazerosa e bem elaborada.
comentários(0)comente



Claire Calegari 16/05/2020

.
Eu achei meio parado, porém achei legal a representatividade que tem (Rick nunca deixa a desejar), além de podermos conhecer oráculos diferentes além do de delfos. Estou gostando da série.
comentários(0)comente



Thais 21/06/2020

Apesar da leitura ser mais lenta em algumas partes a evolução do personagem é bem nítida. E como sempre a narração é super engraçada não vejo a hora de começar o próximo livro.
comentários(0)comente



Leonardo 20/06/2020

A velha mas excelente fórmula
Neste livro, continuamos acompanhando Apolo em sua busca pelo retorno a imortalidade divina.
Rick Riordan continua utilizando a sua fórmula ja conhecida, porém fantástica.
Somos apresentados a novos seres da mitologia grega e também da história romana.
O livro é bem engraçado, sendo Apolo o principal responsável por isso com suas analogias divinas.
Uma leitura mais que recomendada para quem gosta de mitologia e fantasia.
comentários(0)comente



Sarinha 23/05/2020

Adorei
É aquilo que eu falo, nos seus livros Rick Riordan não decepciona. O desenvolvimento do Apolo fica cada vez mais nítido, com aventuras de tirar o fôlego e ainda podemos rever antigos personagens!
comentários(0)comente



Ana 08/06/2020

Gostei
Como o primeiro volume, ainda é cativante e fácil de ler. Continua sendo previsível no melhor estilo série: já sabemos o que vai acontecer e como vai acontecer, mas continuamos querendo saber como acontecerá.
Leitura e . 08/06/2020minha estante
Oii.. Boa noitee ..Tudo bem?... Desculpa por interromper sua leitura, mas gostaria de te convidar a me seguir no Instagram para acompanhar minhas leituras... te espero lá...?
Obrigado.
@leituraeponto




maysss 10/07/2020

tenho um surtinho a cada momento que um personagem conhecido aparece
comentários(0)comente



95 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7