A Profecia das Sombras

A Profecia das Sombras Rick Riordan




Resenhas - Profecia das Sombras


31 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Mah 21/04/2018

Top
s2 s2 Sem palavras para descrever essa historia maravilhosa. Autor maravilhoso. Uma historia que deixa um pouquinho de quero mais!!!! Faz sua imaginacao voar nas aventuras!!! s2 s2
comentários(0)comente



Ana 12/04/2018

A bissexualidade bem explícita do Apolo é a única coisa que importa nesse livro, Rick Riordan acertou demais nisso, até me surpreendeu.
A história é ótima, te prende, pena que os novos personagens são tão chatinhos, não dá nem para simpatizar.
comentários(0)comente



Suellen 04/02/2018

Nesse livro Apolo tem que lidar com a suposta traição de Meg, e continuar com suas missões. Mas a missão desta vez é muito mais perigosa. Liberar o oráculo da Caverna de Trofônio, e enfrentar um vilão que até Nero, o imperador mais sanguinário tem medo.
Apolo também tem que lidar com decisões que ocorreram no passado, quando ainda era um deus, e que voltam agora a assombrá-lo. Conhecemos alguns de seus filhos, e vemos que praticamente todo deus acaba sendo um pouco negligente nessa arte de ser pai.

site: https://www.instagram.com/sula_fenix_
comentários(0)comente



Bela Lima 03/02/2018

Uau, Lester Papadopoulos precisa de umas férias.
Apolo está em sérios problemas. Ele nem sabe por onde começar a listá-los. Por sua viagem nada confortável num dragão chamado Festa, com um semideus que parece um elfo latino e com uma ex-feiticeira mais velha do que ele, do que seu próprio pai, que não sabe nada sobre cultura pop? Ou pelo fato de não ser mais deus e sua senhora Meg está aliada ao inimigo?

Uau, Lester Papadopoulos precisa de umas férias. E nada é melhor e nem mais pacato do que Indianópolis, em que o segundo imperador do Triunvirato está.

"Por pouco não expliquei que eu era uma deidade de quatro mil anos, um guia do Sol muito experiente, que meus pais estavam no reino celestial e que a garotinha era minha senhora semideusa."

Hum, então, Apolo. Novo livro do Tio Rick - não novo, novo, novo, porque o mais recente é o do Magnus. Eu acho. Eu sei o que você está pensando: Apolo, o ex-deus quente como o sol, e Leo, o Bad Boy Supremo, juntos? U-o-u, mal posso esperar! Infelizmente, eu esperaria mais um pouco se esse fosse o resultado

A questão é, eis a questão: não foi dessa vez, Riordan. Não gostei do Leo e da Calipso e de Apolo juntos. Esse seria um dos pontos fortes para essa história, eu pensava, temo que ainda não, caro mortal. Nosso querido trio pareceu forçado e sem humor. Mas nem tudo está perdido!

"Houve um deus, Apolo era chamado
Entrou em uma caverna azul acompanhado
Ele e mais dois montados
No cuspidor de fogo alado
A morte e loucura forçado"

Houve coisas que eu gostei na história, é claro, caso contrário não teria lido até o fim. Como no livro anterior (graças a todos os seres divinos!), a narração em primeira pessoa do Apolo continua ótima - ser tão maravilhoso o tempo inteiro não é nada fácil. Eu nem sei dizer se ele é mais narcisista do que o próprio Narciso ou o quê. Como pode existir alguém tão... divino? Apolo pode ter perdido a divinez, mas a divinez ainda não saiu dele... isso não faz sentido.

Apolo é... um verdadeiro deus. E está sempre se perguntando porque as pessoas não se curvam para ele sempre que o veem. Tudo bem que Lester não é o seu verdadeiro eu, mas e quando descobrem sua verdadeira identidade? Elas poderiam ser mais gentis e agradecer por estar na companhia dele, não é?

(Como não amar isso? Narciso sentiria inveja!)

"Sabe aquela sensação de quando você desconfia que pode ter sido pai de alguém milhares de anos antes, mas não tem certeza? Aí vê a pessoa já adulta e, ao olhar nos olhos dela, sabe sem dúvida nenhuma que ela é sua filha? É, tenho certeza de que muitos de vocês já passaram por isso."

Acho que um dos pontos fortes da história do Tio Rick é sempre a diversidade, que ele está sempre colocando personagens variados em suas histórias e que não tem como você não se reconhecer.

Por um lado, temos o começo de um relacionamento e o problema dele estar indo rápido demais e de não ter nenhum momento de tranquilidade. Sim, Leo e Calipso. Por seis meses (finalmente sabemos quanto tempo agora!), eles voaram sem descanso até o Acampamento Meio-Sangue com monstros atacando, sem nenhuma tranquilidade.

Por outro lado, temos Apolo, nunca perdendo a oportunidade para admirar um belo rosto e corpo. Seja homem, seja mulher; seja os dois, não seja nenhum. Apolo não se importa. E temos que falar o quanto isso é importante. Os livros de Riordan são para crianças, jovens, e saber que sentir atração, apaixonar-se por alguém de qualquer gênero, não é errado, é muito importante.

"A imaginação limitada dos mortais costumava me surpreender, como se o mundo só pudesse ser uma coisa ou outra. Às vezes, os humanos pareciam tão presos ao modo de pensar quanto aos corpos mortais. Não que os deuses fossem muito melhores."

E família. Um tema importante, muito importante (sinto que estou falando importante de mais). O que é uma família? Família são irritantes, algumas vezes, mas... até qual ponto... Não sei nem como dizer. Mas Tio Riordan abordou isso com sensibilidade, que existe relacionamento (não românticos, não apenas) abusivos, e que isso tem que parar.

Outra coisa que eu gostei é o fato das segundas chances. E terceiras. E quartas. E adiante. (Embora Apolo só perdoe uma vez em mil anos!) E o que falar de "tudo que é vivo merece uma chance de crescer"? Tudo que é vivo merece uma chance de crescer. Eu sou uma jusnaturalista que defende isso - e ver isso num livro de fantasia, que é lutar ou morrer, é muito bom, porque se eu fiz algo de errado, eu não mereço uma segunda chance, uma chance de "crescer"?

"Só existe a possibilidade de fracassar quando paramos de tentar."

É por isso que eu gosto do Tio Rick e li o livro, porque, embora os diálogos não tenham sido os seus melhores dessa vez (sinceramente, Tio), as mensagens que passam e fatos curiosos da história dão para o gasto. Ah, e Apolo está crescendo! Eu poderia dizer parabéns se já não fosse a hora. Quatro mil anos, querido? He-llo-oo, olha a hora. E eu vou ler o terceiro livro, porque Rick Riordan ainda é um ótimo escritor e porque no próximos temos o Senhor da Natureza, o Sátiro responsável por ter encontrado quatro (QUATRO) semideuses dos Três Grande: Grover Underwood.

site: https://sougeeksim.blogspot.com.br/2018/02/resenha-profecia-das-sombras-as.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Lanny 10/01/2018

Voltamos a programação normal
Depois de um livro mais direto ao ponto, Rick Riordan volta a sua escrita de praxe e nos dá um livro cheio de missões dentro das missões. Onde tudo parece estar perdido mas que no fim da tudo certo.
comentários(0)comente



Iara.Antunes 29/12/2017

" Não é por quanto tempo você vive que importa. É aquilo pelo que você vive".
" Só existem a possibilidade de fracassar quando paramos de tentar".
" Sempre achei impressionante a capacidade que os mortais tinham de se adaptar em face de uma catástrofe. Até os humanos mais traumatizados, maltratados e surpreendidos conseguiam seguir com suas vidas".
"Pense em si mesmo como morto. Você viveu sua vida. Agora, pegue o que restou e viva direito. O que não transmite luz cria sua própria escuridão. - Meditações -Marco Aurélio-".
( A profecia das Sombras)

No segundo volume da série As Provação de Apolo, ele continua indo atrás dos oráculo perdido, ele conta com dois personagens que Rick deixou em aberto o que aconteceu com eles no último livro dos Heróis do Olimpo ( O sangue do Olimpo).

Durante a jornada e atrapalhadas do ex-deus vemos um amadurecimento do Lester em entender mais os sentimentos dos mortais e até ele mesmo se rende ao amor, respeito, companheirismo e a amizade. Além do mais nesse livro ele reencontra velhos conhecidos do tempo antigos da Grécia. Mortais que ele salvou, seu filho e uma paixão. Neste último o que aconteceu o assombra desde então e terá que encarar o seu passado e suas escolha pra salvar os mortais que ele aprendeu a amar.

Simplesmente amei e estou ansiosa pra continuação por a história deu uma reviravolta muito grande.
comentários(0)comente



Nanda 09/12/2017

Surpreendente
Admito não ter esperado tanto deste livro. Apolo é um personagem que, embora muitas vezes soe superficial, é muito mais complexo e profundo do que se esperam dele e, é aí que a história me surpreende, Rick conseguiu fazer muito bom uso desse fato.

Não era como se eu não soubesse que Rick é um grande escritor que consegue misturar uma escrita divertida com um background bem desenvolvido, mas os eventos dramáticos, envolventes e emocionantes me pegaram desprevenida. O desenvolvimento de Lester e Meg está cada vez mais empolgante e a cada página eu me sentia ainda mais presa a história. Além de Rick conquistar o leitor e mante-lo preso no livro, também o persuade a ir atrás de ms histórias apenas para descobrir mais sobre o nosso protagonista.

Mal posso esperar pelo próximo livro.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Luana.Lecorny 20/11/2017

Rick sendo Rick...
Com uma pegada de ação, aventura e irreverência, A profecia das sombras mantém o ritimo característico de Riordam. Apolo é um personagem carismático e divertido e uma história contada por ele nos permite ver um pouco da perspectiva de um Deus e de como a humanidade em nós é valiosa.
Novos personagens são apresentados, mas é delicioso rever aqueles que conhecemos e adoramos! Estou esperando ansiosamente pelo próximo.
comentários(0)comente



Angel Sakura 11/11/2017

Resenha do Blog Eu Insisto.com.br
Quem acompanha o blog já está careca de saber da minha relação com Rick Riordan, eu o amo e pronto. Suas histórias são simples, previsíveis e divertidíssimas? Sim, elas são e é por isso que eu amo elas. Não espero grandes desenvolvimentos ou um enredo elaborado, porque eu sei que tudo vai ficar bem no final. Essa certeza é o melhor que posso pedir neste tipo de livro. Com este livro não foi diferente, a situação era impossível, mas conseguimos resolver até o final do livro

site: http://euinsisto.com.br/profecia-das-sombras-as-provacoes-de-apolo-2-rick-riordan/
comentários(0)comente



De Olivato - @olivatobooks 04/11/2017

“Lá vem o limite de tempo. Sempre tem limite de tempo."
Esse livro é o segundo da trilogia das Provações de Apolo que contam algumas tarefas que foram impostas para que o Apolo voltasse a ser um deus – ele atualmente é um adolescente desajeitado com o nome de Lester Papadopoulos.

“Houve um deus, Apolo era chamado
Entrou em uma caverna azul acompanhado
Ele e mais dois montados
No cuspidor de fogo alado
A morte e loucura forçado”

Partindo junto com Leo e Calipso a bordo do Festus, Apolo vai em busca de um oráculo que fica em uma caverna assustadora e que está fortemente guardado pelos membros do triunvirato do mal – esses vilões desejam destruir todos os oráculos para que eles possam enfim controlar o futuro e Apolo como deus da profecia não pode deixar que isso aconteça.

Com personagens novos e mostrando ainda mais o quanto ele apoia a diversidade, Rick Riordan escreve mais um livro cheio de referências ao mundo pop, confesso que esse livro não me surpreendeu tanto quanto o primeiro, eu achei que ele demorou mais para acontecer e que teve algumas coisas bastante repetitivas no livro, mas já deixo o aviso pra se prepararem para serem jogados no Tártaro com os plots desse livro.

“Não é por quanto tempo você vive que importa. É aquilo pelo que você vive.”

No Skoob, dei 3,5 e preciso da continuação logo na minha estante, recomendo que se faça a leitura de todos os outros livros antes de começar essa trilogia porque ela está cheia de referências maravilhosas, marquei tanta coisa que não vai dar pra compartilhar tudo aqui, só leiam.

site: https://www.instagram.com/p/BahcO56l8Vh/
Raphael 08/11/2017minha estante
O meu preferido até o momento! Confesso que não tinha nenhuma expectativa por essa série, no entanto ela vem me surpreendendo de uma forma muito boa. Esse em particular foi o que mais gostei pela forma como aborda o tema família.




Mary 22/10/2017

Neste segundo livro das Profecias de Apolo, nossos heróis precisam superar desafios e conceder novas chances a velhos inimigos. Esta que vos escreve encontra-se cada página mais encantada com essas novas aventuras, sem mencionar que é sempre um prazer reencontrar personagens que fizeram parte do seu passado e marcaram por serem divertidos, leais e guerreiros.
Ansiosa pelo próximo livro.
comentários(0)comente



Jão de Batata 17/10/2017

Tem como dar 6 estrelas?
comentários(0)comente



Queria Estar Lendo 21/09/2017

Resenha: A Profecia das Sombras
A Profecia das Sombras é o segundo volume da série iniciada com O Oráculo Oculto. As Provações de Apolo é mais uma das sagas épicas escritas pelo querido Rick Riordan e fala sobre as aventuras do deus Apolo, agora transformado em mortal, tentando ganhar de volta a sua imortalidade.

Depois de entender os caminhos que precisa tomar para voltar a ser um deus - ainda que eles sejam bem confusos porque, convenhamos, o que na vida desses personagens não é? - Apolo está em busca do segundo oráculo perdido. E esse tem muito a ver com o seu passado, porque envolve um de seus filhos e uma terrível tragédia que aconteceu com ele. Ao lado dele, Leo Valdez e Calipso partem na jornada para ajudar o ex-deus, e figuras conhecidas e novos rostos se juntarão às empreitadas descabidas e destrambelhadas para recuperar o segundo oráculo perdido e, quem sabe, descobrir como parar os terríveis imperadores romanos que desejam retomar seu poder.

"Compus em silêncio o meu novo haicai da morte: Aves grandes são más/Correm com pernas farpadas/Eu morro, e dói."

O que eu mais amo nos livros do Riordan e uma coisa da qual eu nunca vou me desapegar é o humor. Deuses, como eu amo a narrativa paspalha que ele escreve, e como é um humor bobo, mas muito inteligente. Minha Lady Jane teve o mesmo feeling que todos os livros do tio Rick sempre me passam: são piadas idiotas envolvidas em um contexto inesperado, mas que encaixam muito bem ali. A Profecia das Sombras mantém o mesmo tipo de conversa com o leitor que tinha usado no primeiro volume: Apolo e seu ego. Um pouco mais humilde depois dos acontecimentos do livro anterior, sim, mas ele continua o deus do sol pelo qual eu me apaixonei. Egocêntrico e bocó, achando que o mundo gira ao seu redor. E, claro, todo mundo ao seu redor faz questão de demonstrar como isso não é verdade, o que torna as situações ainda mais engraçadas.

Sendo seguidora de tio Rick há quase dez anos (!!!) dá pra reconhecer os artifícios que ele usa em "segundos livros" aqui também. O que não é uma coisa ruim; diferente de autores como a Cassandra Clare, que, honestamente, eu já tô ficando enjoada de olhar pra cara das novas séries (desisti de As Peças Infernais até que um anjo me convença a voltar) Riordan se inova dentro da sua zona de conforto. Prova disso é a representatividade e o poderio das minorias que ele tem trazido para essa série e para a trilogia do Magnus Chase.

Aqui, temos um protagonista pansexual (porque né, o Apolo atira para todos os lados literalmente) que está lidando com seus medos e fraquezas e traumas como todo bom adolescente. Mesmo caído de mudança nessa história de mortalidade, é legal notar a fragilidade do Apolo, como ele se esconde atrás do humor com medo de se perder, de não ser corajoso o bastante para ajudar aqueles que ele ama. E Apolo ama muita gente; ele percebe isso, e ter noção disso é aterrorizante. A partir do momento que você ama alguém, essa pessoa está sempre em risco. Multiplique isso por mil dentro do universo dos deus gregos, onde a corrida contra o tempo tem como adversário o Triunvirato Romano.

"- Ó Flecha Sábia, estamos perdidos.
EU SOUBE DISSO QUANDO TE CONHECI."

O relacionamento do Apolo com outros personagens foi bem desenvolvido. Léo e Calipso são uns queridos e acabam se tornando a voz da consciência do protagonista - e muitas vezes o tapa na cara, quase literalmente. Ainda que Léo continue com sua aura maluquinha e carisma exacerbado, ele está mais maduro, mais consciente das consequências de uma guerra, e está disposto a se arriscar para ajudar os outros. O mesmo pode-se dizer da Calipso; presa durante séculos e mais séculos em uma ilha amaldiçoada, livre enfim, ela vê o mundo e quer entender tudo que existe nele. Para fazer isso, precisa ajudar o Apolo primeiro, e precisa se reencontrar como feiticeira e como guerreira dentro dessa história toda.

"- Você vai saber quando eu recuperar minha magia, porque vai perceber que foi jogado do outro lado de Indianópolis."

Além do Apolo, Riordan introduz um casal de senhoras que foi contra todo o esperado pelo amor que dividiam, e ele mostra como esse amor as ajudou a criar sua filha. Eu poderia passar horas falando sobre elas, mas as duas são parte crucial da história e do desenvolvimento do livro, então vou me abster. Só digo que tem um diálogo genial entre elas e o Apolo e isso mostra o quanto o autor é consciente do seu papel, dando espaço para quem precisa dessa representatividade.

Meg volta, claro, como a senhora mandona designada a cuidar do Apolo. Ela está um pouco mais melancólica nesse livro, marcada pelo fim do volume anterior, mas a narrativa construiu uma ligação de confiança bem importante entre ela e o ex-deus, e aqui nós vemos como ela se desenvolve e como marca ambos os personagens. Eles se tornam importantes um para o outro.

"Talvez, em vez de um castigo grandioso, eu tenha uma morte lenta decorrente de mil insultos. Com que frequência um deus da música ouvia que sua voz dava para o gasto antes de desmoronar em uma pilha de poeira de desprezo por si mesmo?"

A parte de ação e dos mistérios é um pouco mais arrastada do que em O Oráculo Perdido - e aqui dá pra comparar com O Filho de Netuno, que achei o mais fraco dos Heróis do Olimpo e coincidentemente também era o segundo livro da série. Não é nada que atrapalhe, mas torna alguns momentos mais enfadonhos do que deveria, uma vez que são as partes da ação. No mais, se desenvolveu bem, com algumas surpresas pelo caminho e um final com um gancho que me deixou berrando EU PRECISO DO TERCEIRO VOLUME! Minha curiosidade para entender mais a respeito dos três Imperadores e sua missão para conquistar o mundo vai me deixar roendo as unhas até o próximo.

"- Depois de mais de sessenta anos vivendo com as Caçadoras, nós descobrimos uma coisa. Não é por quanto tempo você vive que importa. É aquilo pelo que você vive."

A Profecia das Sombras é importante porque fala dos diferentes tipos de amizades, de amor e de medo, como todo bom infanto-juvenil tem que ser. A jornada de Apolo apresenta um mundo de possibilidades e diz que tudo bem você ser diferente e escolher o diferente. Isso faz de você tão normal quanto qualquer outra pessoa.

site: http://www.queriaestarlendo.com.br/2017/09/resenha-profecia-das-sombras.html
Vanessa 31/03/2018minha estante
Estou apostando em Caligula como o terceiro, o que acha?




31 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3