Sou Puta, Doutor

Sou Puta, Doutor Yuri Marques Peçanha




Resenhas -


74 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Rafa.Meyer 19/07/2021

Tava com saudade de ler livros de não ficção e esse é muito bom, já que nunca li nada parecido antes!
Yuri entrevista prostitutas do RJ para o seu trabalho da faculdade de Direito. Cada um tem uma história e um motivo para ter chegado até lá, eu gostei demais de ouvir todos, foi uma mistura de sentimentos pelas histórias deles (já que algumas foram muito sofridas e pesadas) e aprendi muito também, já que sabia o mínimo sobre esse trabalho.
Realmente espero que um dia todas essas pessoas consigam ser ajudadas (mesmo aquela Lei Gabriela Leite não sendo perfeita, ela já é um começo para a mudança) e que somente aquelas que desejarem continuem praticando a prostituição quando quiserem e não como um meio de sobrevivência.
comentários(0)comente



Liliane.Lemes 27/07/2021

Interessante
Um livro de extremo respeito e visão ampla sobre um trabalho que existe mas todo mundo finge que não, amei a forma de abordar e respondeu várias perguntas que eu me fazia a respeito.
comentários(0)comente



Rafael.Tadeu 01/07/2021

Peguei o ebook aleatoriamente de graça na Amazon,o nome me chamou a atenção,e por ser escrito por um gay, resolvi encaixar na tbr do mês do Orgulho ????

Um livro reportagem sobre exploração sexual e prostituição feito da forma mais informal possível (o que vez ou outra me incomodou,mas relevemos)

Achei importante falar sobre o assunto e dar voz para quem realmente está na situação,pois a pior coisa é escrever sobre um tema a qual você não pertence e trabalhar encima dele somente pelo que leu.Nada como ir direto a fonte para tratar de um tema tão sensível.

Leitura interessante e enriquecedora.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Bya 03/08/2021

Aqui temos 7 relatos sobre como as pessoas chegaram a Prostituição. Muito forte, marcante e chocante.
comentários(0)comente



Nícolas Moura 20/10/2021

Estava com expectativas diferentes com esse livro, muita coisa me incomodou.
Para começar na sinopse diz que foi uma pesquisa empírica, onde fez entrevista com várias(os) profissionais do sexo. Mas a todo momento tive a impressão que essas entrevistas foram tiradas da cabeça do autor.

Me incomodou muito o entrevistador ser chamado de doutor, a impressão que tive é de que ele tinha no máximo 25 anos, além de ser "apenas" um estudante.

As entrevistadas foram deixadas em segundo plano, a todo momento mostrava pensamentos do narrador.

Para mim não deu certo o narrador ser tão presente, eu queria saber da vida dos entrevistados. Mas também tive que saber que o autor usa o cartão do papai para pagar lanche, que é gay, que faz não sei quanto tempo que não faz sexo, que depois de entrevistar tal pessoa jogou o nome dela no xvideos, que não gosta do Bolsonaro e mais de um monte de informações inúteis sobre ele mesmo.
comentários(0)comente



Renata.Pessanha 20/12/2020

Livro interessante e de fácil leitura
Li tudo em dois dias. Sempre tive interesse em assuntos relacionados ao submundo da prostuição. E o autor, Yuri Peçanha, faz um ótimo trabalho neste livro. Além da coragem, é nítido o talento com a escrita. Parabéns pela conquista!
Carlos.Erik 20/12/2020minha estante
Onde tem esse livro? Ebook ou físico?


Renata.Pessanha 21/12/2020minha estante
É ebook. Eu adquiri pela kindle da Amazon, na época por uns 11 reais.




Morais__ 05/11/2021

Da a voz que elas precisam
Esse livro nada mais é do que o próprio autor fazendo uma entrevista com 8 profissionais dos sexos, e no meio dessas entrevistas, a gente vai conhecendo cada um dos entrevistados, o que aconteceu pra que eles entrassem nessa vida da prostituição, o seu passados, como é o dia dia de uma puta num país conservador e a dificuldade em que esses profissionais do sexo enfrentam.

Nisso, conhecemos um mãe se prostituindo pra sustentar a sua filha, uma transexual que precisou sair de sua casa pra se ver livre de ameças e abusos, a dificuldade de uma travesti de conseguir uma oportunidade de trabalhando sendo quem é, um depoimento de uma cafetina sobre os bastidores das casas de prostituição e de uma atriz porno dizendo o bastidores dos filmes pornográficos. Foi um livro tão diversificado, com várias pessoas diferentes mas que estão no mesmo universo da prostituição e foi isso que deixou o livro rico e interessante. Foi um livro que me tirou algumas risadas ( e isso é super raro acontecer) e me deixou emocionado em certos pontos.

Apesar da minha ignorância sobre determinados assustos e leís, isso não estragou a experiência de leitura que estava tento com o livro. Queria saber o que eles tinham a dizer sobre a prostituição, como era sua vida antes e depois de entrar nesse mundo. Foi um livro que me despertou mais empatia pra esses profissionais, principalmente aqueles que por consequências da vida acabou optando por entrar na prostituição, por que era a única forma de sobrevivir. Aprendí com algumas da entrevista a importância do amor e da empatia. Um livro pra se aprender e se emocionar :)
comentários(0)comente



LeonardoGS89 26/08/2021

A proposta do livro é muito importante e interessante.
Fiquei muito envolvido com as histórias da vida de cada entrevistado, e me deixou triste saber o desfecho que a Fernanda teve (sem querer dar spoiler), o livro é muito bom, aborda de forma muito clara várias situações, todas as histórias com grandes ensinamentos, não me importaria em ler se tivesse mais uns dez, vinte entrevistados, a única coisa que me incomodou um pouco foi que em alguns momentos o autor colocava-se mais como centro da proposta do que os entrevistados, saindo um pouco do foco, não que isso seja ruim, mas em certos momentos não havia necessidade, no geral, gostei bastante e recomendo.
comentários(0)comente



triz 26/07/2021

Proposta boa, execução nem tanto
Minhas espectativas estavam bem altas com esse livro, a proposta em si é muito interessante. Entretanto, conforme o livro avançava foram aparecendo muitas coisas que me incomodaram, sendo principalmente a escrita e como o autor se coloca em foco.

De início não é tão evidente, mas lá do meio pro final é uma derrocada de expressões que fazem parecer que você tá lendo um livro jovem adulto de comédia. Você está preste a ler sobre violência e abuso e do nada uma frase como "se eu fosse um entrevistador à altura da deusa soberana Oprah Winfrey". Corta completamente o clima e a seriedade do tema. Não acho que esses "alívios cômicos" combinem com o contexto e proposta do livro. Pensei que seria um livro mais sério, dado o tema.

O autor também começa a falar sobre si mesmo e a própria vida do nada. Sinceramente, eu não queria ler sobre como ele não conseguia "arranjar um namoradinho", ou que a primeira vez dele foi dolorosa porque o cara tinha pau grande tipo ¿??¿¿
É muito "eu, eu, eu, eu, eu".

Gostei muito da proposta, acho que poderia ter sido melhor executada.
Larissa Tabosa 25/08/2021minha estante
Eu senti exatamente a mesma coisa sobre essas tentativas de alívio cômico. Isso me fez baixar a nota do livro. E é perceptível o quanto ele não precisava "apelar" para isso naquele último capítulo, super coeso e bem escrito.


thelondonriver 21/09/2021minha estante
Siiiim pensei a mesma coisa


Luriam 25/10/2021minha estante
O narrador me incomodou, pensei em desistir do livro várias vezes.




Amy 23/06/2021

Uma leitura que vale a pena!
Aprendi e absorvi muitas coisas, não tinha conhecimento sobre a lei Gabriela Leite e foi muito interessante entender e aprender um pouco sobre.

Precisa de revisão e algumas palavras parecem não existir, até cheguei a pesquisar umas palavras estranhas e simplesmente não existiam nas buscas, como "úlria"

Não imaginava concordar com tantas coisas nesse livro, mas concordei e até repensei alguns dos meus pocisionamentos.Muitas falas inteligente e muito triste saber que tantas mulheres fortes são silenciadas por exercer uma profissão.

"Mas crianças não deveriam aprender sobre uma religião em específico, ou não aprendem sobre nenhuma ou aprendem sobre todas. Isso seria o mais correto e democrático para o bem da criança"
pg 176

Esse trecho parece tão "solto" mas eu amei ouvir essas opiniões fortes e inteligentes, poderia ter 100 entrevistas e eu prestaria atenção em cada uma, com muito prazer.

Parabéns ao autor Yuri Marques, por fazer uma pesquisa em um campo não muito explorado, por ouvir quem a sociedade tem ignorado tanto. (é desse tipo de estudante de Direito que nós precisamos, que se tornem profissionais comprometidos, que realmente se importam com as pessoas)
Lia 23/06/2021minha estante
Esse livro é incrível, nos faz reaver nossos estigmas e pensamentos e nos dá outra perspectiva sobre esse assunto.




Ketlyn Stefhane 03/09/2021

Assunto delicado tratado com negligência
O livro tem ótima premissa, começou e encaminhou (até certo ponto) de boa forma, é bem escritório de maneira geral. A importância de se dar voz aos profissionais do sexo é inegável e a leveza como as entrevistas foram trazidas mostrou-se positiva visto que, se tratado de forma mais rígida, o pública mais sensível (incluso eu) não conseguiria terminar o livro. Entretanto, o último capítulo me deixou demasiadamente incomodada talvez por eu ser o que o autor chama de "feminista abolicionista". Li, recentemente, dois livros que tratam da discussão sobre regulamentação x abolição da prostituição (São eles O terrível flagelo da humanidade - Rafael Nóbrega e Meretrizes e doutores - Magali Engel) em séculos passados. O autor em algum momento diz que o discurso abolicionista não pensa a longo prazo mas fato é que medidas de regulamentação são tomadas há séculos e ainda assim, num resultado a longo prazo, tem-se esse cenário catastrófico atual da prostituição, logo, não funciona.
Senti que em alguns momentos o autor que naturalizar e até romantizar a prostituição, chegando a dizer que, se o homem que contratou o serviço for solteiro, não faz mal a ninguém. Isso vai contra toda a questão levantada sobe exploração sexual. Não existe forma certa e saudável de se prostituir. Toda forma de prostituição é uma exploração. Todo serviço sexual contratado, não passa de um estupro pago e, independente do quão "saudável" possa parecer a ação do cliente, ainda fará mal a mulher prostituída. Corpos não são objetos para serem vendidos e atos sexuais não são serviços a serem comercializados.
comentários(0)comente



Lhyz 31/07/2021

"Ser puta é ter que sobreviver, meu amor, mesmo que para...
(...) isso você se odeie um pouco mais a cada dia que se passa." P. 17

Eu nunca tinha parado para pensar sobre prostituição do jeito que foi apresentado nesse livro. O autor conseguiu fazer um processo de humanização com esses trabalhadores do sexo através do ato de sentar e escutar sobre as suas realidades e PUTZ que trabalho incrível.

Me senti muito supresa com meus conflitos em conseguir construir uma opinião sobre tudo isso e, sinceramente, não acredito que eu precise ter uma opinião pedrada sobre as profissionais do sexo e sobre a prostituição em si. Porém, sei por fato que respeitar as suas realidades, histórias e necessidades é ESSENCIAL e sei também que é obrigação do estado prover meios de evitar a exploração sexual tão vigente nessa profissão.

Há muita complexidade nessa temática e o livro passa bem esse sentimento. E apesar do tema que muitas vezes ruma por caminhos tristes, você se vê rindo e se emocionando.
comentários(0)comente



Mar 02/07/2021

O livro tem uma proposta muito legal, adorei conhecer um pouco dos entrevistados e o modo como o autor reflete sobre as falas de cada um.
Desde o inicio, Yuri fala que não tem o objetivo de permanecer como o tipo pesquisador dentro das normas, se mantendo apenas como observador e não interferindo com pensamentos diretos e pessoais, o que achei ótimo para a dinâmica! Ele coloca muitas reflexões a cada entrevista e o livro não seria tão bom se as regras de pesquisa tivessem sido mantidas
comentários(0)comente



Antony.Trindade 20/10/2021

A escrita é muito boa.
Algumas partes eu achei desnecessário, detalhes íntimos sexuais que não precisariam ser expostos. Ou pode ter sido proposital para apimentar a leitura. Mas esse não é o foco, o foco é sobre essa profissão totalmente marginalizada, sufocada de preconceito e hipocrisia por aqueles que são os primeiros a procurá-la na calada da noite. Julgam mas utilizam e se lambuzam sem pensar nas consequências da vida de quem será apenas visito como um objeto para satisfazer a si próprio.
É um livro bom para se pensar no assunto, com uma linguagem de fácil entendimento.
comentários(0)comente



74 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR