Os Magos

Os Magos Lev Grossman




Resenhas - Os Magos


62 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Edu4rd0 12/09/2011

Os magos - resenha sem Spoilers
Terminei ontem à noite… e já estou com vontade de relê-lo.

O livro é uma grande homenagem ao gênero “literatura fantástica”. Ele faz inúmeras referências a livros como Harry Potter, Nárnia, Terra Média, e também aos fãs destas obras, descrevendo de uma maneira realista o que aconteceria se alguém realmente embarcasse em um mundo no qual a magia é real.

O que é cativante no livro, de verdade, é que, apesar de todas essas “citações”, Grossman cria um mundo próprio, com características próprias, que conquista o leitor a primeira vista.

No post que Leonardo escreveu sobre o livro, ele comentou algumas coisinhas e deixou “outras” para que eu comentasse assim que terminasse a minha leitura. Na verdade, há pouco para se falar sem comprometer a história e as surpresas. Há grandes referências, e uma delas é ao RPG D&D. Na escola de magia, Quentin (o personagem principal) tem um professor chamado Bigby. “Bigby”, por sua vez, é oriundo de um dos maiores magos de Greyhawk (grandioso cenário de RPG, como é a Terra Média, de Tolkien), ao lado de Mordenkainen, Tenser, Melf e Otto, dando nome a várias magias dos livros básicos de D&D, como “As mãos de Bigby”.

Antes de escrever esse post, fui atualizar o status do livro no Skoob para “lido”, e comecei a ler algumas resenhas (a maioria adolescentes fãs de Harry Potter), e constatei que grande parte não gostou do livro. Por quais motivos? Acredito que eu possa destacar dois deles:

Primeiro, eles talvez tenham achado que, por Martin ter escrito: “Os Magos está para Harry Potter como uma dose de uísque puro malte está para uma xícara de chá”, eles iriam ler apenas uma versão mais madura de Harry Potter: o que é um coisa totalmente absurda! Apesar de o romance ser sobre adolescentes magos numa escola secreta escondida do mundo real (nada de mundo trouxa), tendo inclusive um esporte próprio com competição entre escolas, a referência a Harry Potter (senhora referência) acaba aqui. A magia em Grossman é descrita de forma muito mais “científica”, num misto de habilidade de movimentos, preparo de material, estudo químico, físico e matemático – e de todas as possibilidades de fenômenos físicos, astronômicos etc, que puderem acontecer. E apesar de a metade do livro ser sobre o treinamento mágico, esse treinamento – de 5 anos – fica resumido a apenas 150 páginas. Já a parte do “esporte”, dura, no máximo, duas páginas. Logo, posso afirmar, o propósito do autor não é, definitivamente, o mesmo de Rowling.

Segundo, todos esperavam ver um príncipe Caspian, um Harry Potter, um Frodo, enfim, um herói perfeito que sofre, mas levanta a cabeça em seguida; que ajuda os amigos, e busca forças ocultas nos momentos decisivos para salvar o dia. Isso, logicamente, não acontece aqui. Todas as personagens são “defeituosas”, cheios de conflitos psicológicos. Quentin, com sua mania de nunca estar contente com a própria vida; Eliot, e sua mania de nunca fazer nada na vida etc. Eles não são heróis nem de perto. No final, quem salva o dia não são eles, mas uma pessoa que realmente merecia… logicamente falando (e emocionalmente falando também, pois sempre foi um dos meus personagens favoritos e… ok, ok, nada de spoilers). Ah, detalhe: sempre que o perigo aparecia, Quentin ficava paralisado pelo medo (a não ser que estivesse bêbado e…)

As impressões (sem spoilers) que tive foram as melhores. Quem estiver a procura de um clone/adulto de Harry Potter é melhor ficar longe do livro. Quem procura um romance sobre heróis e um beijo romântico no final, fique longe desse aqui. Mas se estiverem procurando um livro fantástico, maduro, com humor ácido e inteligente, no qual as personagens são pessoas comuns em situações fantásticas, envolvidas com bebidas, sexo, traição, pecados e problemas psicológicos leves, “Os Magos” vai encantá-los.

Perfeito. Já estou com saudades…
Elena P. 23/07/2011minha estante
Eu também, assim que terminei de ler, fiquei com vontade de lê-lo de novo!^^ Gostei muito da sua resenha!


Renato 26/07/2011minha estante
Excelente resenha. Parabéns pela sua visão do livro. Concordo completamente.


Vulcka 12/09/2011minha estante
Howling?? õO


Danzoc 27/09/2011minha estante
Ainda não li, mas sua resenha me convenceu a ir atrás! Parabéns e obrigado!


Nanda 02/05/2012minha estante
Adorei sua resenha!! Realmente fiquei em dúvida a respeito do livro quando li as outras resenhas, mas depois de ler a sua... sem dúvida nenhuma vou ler Os Magos!!


Will 19/10/2012minha estante
Muitia boa a resenha... me inspirou ainda mais a ler o livro!


Will 19/10/2012minha estante
Muitia boa a resenha... me inspirou ainda mais a ler o livro!


Gabriela 24/01/2013minha estante
Não existe maneira realista de descrever como seria um mundo mágico. Existe maneira cativante e maneira extremamente monótona, que pra mim é o caso de "Os Magos".


Diio 01/03/2013minha estante
Eu gostei do livro, realmente. Mas o protagonista imediatamente entrou na minha listinha de piores protagonistas existentes! Quentin é muito chato, cara. Nunca tá contente com nada e acaba passando essa tristeza para a gente no decorrer da história. Tem uma diferença básica entre ser alguém com conflitos e ser um panaca total.

Também não me agradou muito a agilidade na passagem do tempo. É muito rápido! E na primeira parte tem pouquíssimas interações e personagens novos apesar de se passarem uns quatro anos.

No mais, o livro vale ser lido pelas referencias e a descrição realística de como seriam adolescentes indo parar em um mundo como Nárnia. É um bom livro. É só aturar o Quentin xD


Alex.Lessa 02/09/2015minha estante
cara acho que foi a unica resenha que eu levei realmente a seriio sobre o livro, sou fa de HP e fa mesmo, porem vi os magos como um livro de fantasia "novo" e concordo com cada palavra que voce disse, esse'livro me fez/faz (pois estou lendo) ter uma imersão tão grande como a de HP, vi várias "resenhas" falando é um harry deprimido, mas não ele eu vi como uma pessoa como eu que sim ficaria paralisado ao ver uma criatura de outro mundo e sim poderia morrer... enfim parabens pois sua resenha se nao for perfeita está quase lá


Ed 30/12/2015minha estante
Depois da sua resenha fica difícil não deseja-lo.


Silvio 17/08/2016minha estante
Estou com uma lista de enormes de livros pra ler na minha estante. Tenho todos eles, mas cada livro que termino sempre pesquiso o próximo como se eu estivesse "comprando" pra tomar a decisão correta e após ler tua resenha decidi que deveria ler "Os Magos" e depois pulo para outros. Obrigado!!!


IVAIR 27/02/2017minha estante
Caro Edu4rd0, tenho 48 anos e confesso que não li todos os livros de Harry Potter, justamente por achar que era tudo muito banal, imaturo. Já quando comecei a ver o seriado the magicians na tv, corri para comprar os livros, sim, são mais de um. Já estou lendo o segundo, o rei mago, mas o assunto aqui é o primeiro livro.
Gostei da sua resenha, o livro é um misto de vários outros livros de mundos mágicos, mas trazendo mais elementos físicos e materiais, como também os problemas existenciais desses possíveis mágicos.
Lev Grossman traz para nós heróis que não querem ser heróis. Apenas querem viver, se divertir, sem se preocupar com consequencias. Ninguém quer ser Harry Potter, Principe de Nárnia, ou outro herói qualquer.
Como sempre o livro ganha disparado da série de televisão.
Os personagens no livro são mais críveis, mais cheios de falhas, de sentimentos, os lugares são mais detalhados, mais estudados, descritos com maior cuidado.
Na tv colocaram mais um tom de terror, nos livros é mais suspense.
Quentin e Elliot são dois personagens fortes nos livros, na série, penny é mais forte que Elliot.
Julia que neste livro pouco aparece, na série tem um grande destaque.
Eu me encantei com o livro. Tenho 48 anos como disse e leio mais de 03 livros por mês, mesmo tendo meus afazeres profissionais. Leio algo sobre magia e misticismo a algum tempo, coisinha de 40 anos mais ou menos e posso dizer que o autor, traz algo mais que mera literatura. Também fui dono de livraria e volta e meia estava com algum livro 'proibido' em minhas mãos.
Não é um livro juvenil, para quem leu Harry Potter e Crônicas, mas não gosta de Tolkien, não percam tempo. Esse livro não é para vocês. O livro dois O rei mago é show também. Quem gostou do primeiro compre o segundo, não se arrependerá...





Carools 02/03/2011

Decepção !
Foi um dos livros que só terminei pois pensei que no final algo aconteceria.MAS NÃO ACONTECE !
Eu nunca vi um livro que faz vc crer que o personagem principal irá desempenhar seu papel de herói e salvar a todos e no final ele não fazer nada ! NADA ! O personagem não tem aquele que! Aquela sagacidade.Quando vc acha que ele vai se mostrar um grande mago, sagaz e corajoso ele não se torna.Ele apenas observa...
O personagem principal não tem nada de diferencial dos outros, é medroso e fica lendo uma história bobinha do inicio ao final.
Á história é uma mistureba de péssima qualidade de Harry Potter com Nárnia, que aliás deveria ser proibida de tão ruim que é.
A única coisa que eu achei boa no livro foi a explicação sobre a relojoeira ser a Jane. Entretanto a história deixa a desejar.
Apesar da capa ser boa a história é decepcionante.O enredo é ruim , os personagem são sem graças, já que não acontecem grandes surpresas e todos são deprimidos.
Um livro deprimente.
Renato 20/03/2011minha estante
"O personagem principal não tem nada de diferencial dos outros"
Bem vinda a vida real! Lamento de avisar, mas nem tudo é um conto de fadas. Aí é difícil mesmo nos depararmos com um pouco de realidade de vez em quando. Isso se chama crescer.


@ARaphaDoEqualize 23/04/2011minha estante
Cara, eu nao queria DE FORMA ALGUMA concordar com você, mas eu sou obrigada. Eu fiquei tão decepcionada com o livro que eu quase chorei de frustração. Concordo em tudo que você citou, mas o pior pra mim foi essa história TOSCA que foi contada do INICIO ao FIM do livro. Outra: a unica personagem que é legal, faz alguma coisa, que tem sagacidade, vivaidade, é inteligente e teria alguma coisa a acrescentar no livro que é a Alice, tem aquele final decepcionante.

Enfim... nao gostei.


Hera 28/04/2011minha estante
Carools, infelizmente tenho q concordar com vc. As críticas eram maravilhosas, tanto q comprei de primeira. Mas fiquei esperando o enrendo, q naum veio, um protagonista insoso, sem graça q naum acrescenta nada a historia. Na verdade é uma cópia descarada de nárnia, com algum rumor de harry potter porno. A unica parte boa são as lutas magicas, q ocupam uma pagina do livro. de resto vc fica esperando. Realmente péssimo. Axo q o autor estava chapado qd escreveu esse livro


Pefico 18/06/2011minha estante
Concordo com a resenha, Carools. Deprimente pra mim é uma palavra que resume este livro.


Edu4rd0 12/09/2011minha estante
Esse livro não é para todo mundo. Como disse em minha resenha: quem pega esperando encontrar mais um Harry Potter se decepciona. A pessoa tem que ter um nível crítico desenvolvido para lê-lo.


Neto Marcel 12/02/2012minha estante
Renato, uma coisa que pode aparecer quando nos consideramos "crescidos" é a arrogância... nada contra vc, só acho que pode encarar mais de boa a crítica, de modo mais "maduro".


Gustavo 08/06/2012minha estante
Concordo plenamente!! O livro é ridículo do início ao fim. Os personagens são todos fracos e desinteressantes, a dita Homenagem à HP e Narnia são muito mais imitações baratas e as únicas coisas que são originais neste livro são deprimentes de ruim


Rebecca 21/01/2013minha estante
Concordo plenamente com a sua resenha! Ele não passou de um medroso na minha visão, só terminei de ler porque não gosto de simplesmente abandonar uma leitura, mas nem sei se lerei a continuação dele, O Rei Mago, quem sabe seja melhor.


Gabriela 24/01/2013minha estante
Acho terrível a opinião de algumas pessoas de que um livro ruim deve ser considerado bom por ser "maduro", "real"... Estamos falando de literatura!!!! Não gostar do livro não é questão de maturidade, e sim de gosto!! Eu achei esse livro péssimo, não fosse a referência a Harry Potter na capa (questão de marketing claro) ele não seria lido por metade das pessoas que tentaram se encantar com a história.


Thiago Phelippe 13/12/2013minha estante
Os personagens de Os Magos não são heróis, o autor tenta faze-los como pessoas "normais" com defeitos, medos e incertezas.




Renato 20/03/2011

Um livro realmente bom!
Primeiro eu li algumas referências que me causaram algum interesse, e fico feliz em dizer que todas as minhas expectativas foram alcançadas.
Mas atenção crianças, esse não é um livro para vocês. Fala sobre crescimento e maturidade, mas dentro de um universo onde a magia existe. E o que fazer quando jovens adultos, descobrindo a vida real e seus limites, se encontram livres desses limites pelo conhecimento da magia? Como isso tudo irá interferir no relacionamento interpessoal deles e deles com o mundo?
Uma criança quando se vê livre de seus limites tende a permanecer na fantasia em que já se encontra. Mas um adulto, regride para sua fantasia infantil e vive seus desejos de poder absoluto, segue em frente em um mundo sem significado e deprimente, ou constrói para si um significado com base naquilo em que acredita?
Acredito que neste livro a magia seja apenas um pano de fundo para um evento que acontece (ou deveria acontecer) na vida de todas as pessoas, o tornar-se adulto.
Elena P. 02/06/2011minha estante
concordo plenamente!


Crika 01/10/2013minha estante
Renato,
Vou dar minha opinião por ser uma opinião, não com a intenção de mudar a sua.
O que achei positivo no livro é justamente o que vc defende para qualifica-lo como excelente. Ou seja, o livro é composto por pessoas normais com defeitos e qualidades.
Não vou dizer que o livro é péssimo, não é o caso. O enredo proposto é bom, o desfecho da questão da relojoeira foi interessante. Também gostei dos personagens não serem perfeitos e de abordar questões reais que podem acontecer com muitos jovens do nosso mundo real, como: a falta de perspectiva, a questão do que fazer com a sua vida, qual o propósito de simplesmente viver, necessidade de dar um sentido pra vida e, principalmente, o mergulho no alcoolismo e na futilidade quando essas respostas não são encontradas.
Porém a história não é envolvente. Não é um livro que vc não consegue parar de ler, pelo contrário eu arrastei a leitura para conseguir terminar. Faltou mais ação. Em fim, o livro é chato.
Um abraço




Elena P. 02/06/2011

Ótimo livro!

A história de Quentin e seus amigos (ou não) acontece num universo mágico, porém nada lúdico. A mágia aqui, creio, é mais um pano de fundo que o autor usou para tratar de questões como crescimento, amizade, covardia, solidão, amor. Temos um protagonista que por um lado é covarde, mesquinho e fraco; e por outro, apaixonado, inconformado e sonhador. Quentin tem um grande senso de inadequação, uma solidão latente e uma paixão arrasadora pelo que é mágico (que pode muito bem ser lida como escapismo). Por vezes eu decididamente o odiei por sua fraqueza e covardia, mas não pude não me identificar, afinal, essa não é uma história sobre um herói que se sacrifica e corre riscos para salvar à todos, mas de um garoto que se joga (e aos seus amigos) numa jornada perigosa só para encontar um sentido para sua vida, que é basicamente o que acho que todos procuramos. Quanto à cenas(?) de sexo, de drogas, de traições (das quais algumas pessoas reclamam), estas me parecem perfeitamente verossímeis e mostram quão humanas as personagens são; suas obseções, suas fraquezas, seus medos, seus amores, e tudo isso me fez ter a impressão de que essa história poderia mesmo acontecer e que as pessoas "reais" se comportariam extamente do jeito que essas personagens se comportam. Concluindo, acredito que para ler "Os magos" é preciso estar preparado para personages difíceis de aceitar, uma narrativa meio paralela que parece sem sentido por várias páginas(mas que depois entendemos bem) e para um final amargo. Mas eu digo, vale muito a pena!!
Renato 26/07/2011minha estante
Concordo plenamente. Vc conseguiu descrever muito bem a essência do livro. É legal ver que finalmente alguém concordou comigo aqui nesse skoob.




MVGiga 08/07/2011

Magos Crescidos
De vez em quando antes de comprar um livro, principalmente de algum autor desconhecido, procuro ler algumas resenhas para ter uma breve visão das opiniões e criticas dos outros leitores tendo como objetivo conhecer as diferentes percepções sobre a obra pesquisada. Assim eu fiz antes de comprar o livro de formação de Lev Grossman, porém o que vi foi muitas resenhas negativas, aquelas com intenção desanimar qualquer leitor potencial. Cada um com a sua percepção!

Ainda não consigo entender o motivo de tanto desgosto em relação ao livro, porque eu achei a história incrível. Vai ver esses “críticos” não gostam de literatura fantástica com dose de literatura adulta. Ainda bem que não me deixei influenciar e embarquei junto com os personagens ao mundo mágico de Fillory, também pude conhecer os dias de estudos árduos na Escola para Bruxos Braskebills.

É quase impossível não correlacionar o tema escola de bruxaria a famosa escola Hoghwart do personagem Harry Potter, assim como relacionamos um mundo alternativo com animais falantes e crianças premeditadas a salvarem esse mundo à famosa saga Crônicas de Nárnia. Pois é, essas obras foram às inspirações para a construção do universo de Os Magos. Entretanto, acaba por ae as semelhanças.

O personagem Quentin Coldwater e seus parceiros não são os típicos garotos perfeitos que no final salvam o dia e viveram felizes para sempre. Eles são apenas seres humanos com suas qualidades e com seus defeitos. Para mim esse foi o ponto forte da história. Como citaram na capa deste livro: “Os Magos está para Harry Potter como uma dose de uísque puro malte está para uma xícara de chá”. Bem aproveitada a comparação.

comentários(0)comente



Mariana 23/11/2013

Não gostei. E não vou ler a continuação. Eu desgosto completamente de autores que "baseiam" sua obra na obra de outros. Não considero "homenagem", considero uma muleta, mesmo. Um livro do tipo "O que foi de Heathcliff ("O morro dos ventos uivantes") fez durante os anos em que ficou ausente?", só me interessa se for escrito pela própria Emily Brontë, e mais ninguém. Então, um livro em que, vamos por em pratos limpos, um cara basicamente vai para Hogwarts e depois para Nárnia (embora Hogwarts não se chame Hogwarts, nem Nárnia se chame Nárnia) e que não tenha Rowling nem C.S. Lewis na autoria, vai ser vítima de meu preconceito.
comentários(0)comente



André 29/07/2014

POR FAVOR, esqueçam Harry Potter ou Nárnia ao ler esse livro...
O grande problema em torno desse livro são as comparações. A mídia, leitores — e até autores — só sabem dizer "O Harry Potter para adultos" ao falar de Os Magos. E isso é completamente errôneo. Tão errôneo quanto começar a ler o livro esperando uma história de fantasia infanto-juvenil como Crônicas de Nárnia ou Harry Potter. Não que eu ache essas sagas ruins, muito pelo contrário, são excelentes. Mas as pessoas precisam saber diferenciar um conto de fadas de uma história com aspectos mais adultos e com personagens da vida real ao invés dos personagens que não saem dos padrões de "bonzinho herói e seus amigos" e "vilão malvado e seus comparsas".

Quentin Coldwater — assim todos os outros personagens principais — é um adolescente da vida real. Ele não é (e nem era pra ser) o grande heroi da história como Harry ou Frodo, nem politicamente correto como eles, e é aí que as pessoas se perdem. Os Magos tenta retratar as consequências da magia num mundo nu e cru... o nosso; sem os clichês que insistem em se repetir na literaura. E as pessoas o criticam como se o autor apenas tivesse introduzido sexo e álcool num conto de fadas, sendo que o livro está longe de querer ser um, e não é.
Dáfne 05/01/2015minha estante
Eu concordo com você. Se ele tivesse seguido por essa linha eu acho que teria se saído bem, o problema principal que eu achei foi ele ficar misturando aqueles trechos da "história infantil" que o Quentin lê. Isso cria uma expectativa que na minha opinião (e na de muitos pelo que percebi) não foi plenamente satisfeita quando ele chega ao desfecho. Mas enfim... opinião é opinião, né? rs Eu não recomendaria para os amantes dessa linha de ficção/aventura, não pelo fato de ser adulto, mas pelo fato de não ter uma história central que me convenceu.




Lena 02/11/2011

Primeiramente, sabe aquelas críticas que tem na costa do livro, dizendo que ele faz uma homenagem à Nárnia e Harry Potter? É LITERALMENTE isso. Não é nas entrelinhas, não é implícito, é algo totalmente na cara. Por isso, as referências nas críticas.

Na realidade, ele não é melhor nem pior do que nenhuma dessas séries de fantasia. Ele de fato traz um enfoque tão diferente que é impossível comparar. Não concordo com a crítica do George R. R. Martin que há no livro (dizendo que Harry Potter é chá e Os Magos é uísque), pois ela faz com que as pessoas tenham uma visão errada do livro antes de lê-lo, ou já ficam com birra do livro por ter sido dito que é melhor que Harry Potter. É importante, portanto, lê-lo com a mente aberta, sem ter a intenção de comparar, apenas notando as, como já disse, explícitas referências.

Outra coisa: o livro é bem adulto! Com grande enfoque em sexo e álcool. Então já fique sabendo disso!


Os Magos é, na realidade, o tipo de livro perfeito para aqueles que como eu, amam fantasia e cresceram lendo esse tipo de literatura, mas agora, procuram livros mais adultos do gênero... E eu achei nesse livro um dos melhores do gênero que eu já li.
Ele é um livro único. Sim, ele é uma mistura de Harry Potter, Nárnia, com elementos adultos, mas o melhor do livro é que ele, com essa mistura, cria uma história completamente original, com a sua visão de magia, com os seus personagens imperfeitos, com a sua própria escola de magia. A história original é tão bem feita, tão dinâmica, que o livro me cativou. Já o li faz um tempo, mas a história continua vívida na minha memória, pois foi um livro entre tantos outros, mas um livro que me marcou. Recomendadíssimo :)
Albarus Andreos 12/01/2012minha estante
Oi, Lena. Quando Martin diz que Harry Potter é chá, refere-se a ideia central explicitamente inglesa utilizada por J. K. Rowling. Não é uma crítica. Já a comparação ao uísque linkada ao livro de Grossman, nos remete exatamente à temática mais adulta do livro, como você bem comentou. Não há comparação, de fato, entre um livro e outro, no sentido de dizer que um é melhor e outro pior. Beijos.


Lena 12/01/2012minha estante
Sim, eu percebi isso depois que eu li o livro... O problema é que a maioria das pessoas interpreta isso como se ele estivesse dizendo que Os Magos é melhor que Harry Potter...




Dáfne 05/01/2015

No mínimo estranho.
Entendo que o livro transforma os personagens em pessoas reais e quer mostrar um pouco de realidade e não de aventuras fantasiosas. Mas se essa era a ideia inicial então não deviam nomeá-los "magos" e nem criar um cenário de uma "escola de magia" afinal isso não é realidade. O jeito como tudo fica misturado é estranho e bizarro. Achei que faltou timing, do início ao fim o autor lança trechos de uma história que parece ser promissora mas no fim me decepcionou um pouco por ser no mínimo sem sentido. O auge do livro não é alcançado, não há aquelas 10 páginas que a gente espera em que toda a história fará sentido. Achei fraco. Na minha opinião faltou um senso de público, quem procura um livro com o título "Os Magos" na minha opinião espera um pouco mais do que um pouco de realidade "fantasiada" de fantasia. E com todo respeito, a citação de George Martin na capa me fez repensar o meu conceito sobre ele...
Nessa 27/12/2015minha estante
Concordo com você, achei que o personagem principal não era um gênio e pelo contrário, era um idiota, eu entendo que eles tentaram mostrar um personagem humano mas o Quentin era apenas um garoto interesseiro que se desfazia das pessoas quando não precisava delas somente para buscá-las de volta quando precisasse delas. O livro tinha tudo para se desenrolar bem mas perdeu o sentido e pulou de "escola de magia" para "nárnia" muito rápido.




Nessa 01/06/2015

Espera mais do livro.
Decepcionante... o livro que começa empolgante começa a perder o rumo apartir do livro 2(o livro é dividido em três partes) e se não bastasse a quantidade de confuções perde completamente o sentido apartir do livro três que se torna uma enchurada enorme de fatos. O autor consegue fazer quem lê ter ódio, pena e mais ódio do personagem principal(Quentin) que ama e deixa de amar as pessoas com a facilidade com que respira mostrando que só se importa com as pessoas quando o mesmo precisa delas. o livro começa a ficar irritante e depois de um tempo você se vê lendo mais rápido somente para terminar logo e ver se o fim tem algum sentido ou algo que te faça querer ler o próximo livro.
Se serve de consolo todos os personagens receberam um final e o autor não deixou pontas soltas, na minha opinião ele poderia terminar toda a história com esse livro e seria um final aceitável. Ruim, mas aceitável.
comentários(0)comente



Diio 01/03/2013

Uma boa (mas nem tanto) estória. Um (com toda a certeza) péssimo protagonista.
[Não vou marcar como spoiler, pois as possíveis revelações que faço são fracas e estão contidas na sinopse]

Lev Grossman escreve bem, isso ninguém pode negar, mas talvez devesse repensar a estória de quem ele quer contar.

Eu gostei do livro, realmente. Mas o protagonista imediatamente entrou na minha listinha de piores protagonistas existentes! Quentin Coldwater é muito muito chato, cara. Nunca tá contente com nada e, o pior, é que acaba passando essa tristeza para a gente no decorrer da estória. Encontrou uma escola de magia? Que lindo! Bom, não para um Quentin. Uma semana depois ele não quer mais estar lá. Ah, vai se ferrar!

Tem uma diferença básica entre ser alguém com conflitos e ser um panaca total.

Também não me agradou muito a agilidade na passagem do tempo. Nas 100 primeiras páginas já se passam três anos letivos. É muito rápido! E mesmo com todo esse tempo, fomos apresentados a só um pingo de personagens. Pouquíssimas interações. Parece que o cara se escondeu no quarto durante todo esse tempo.

No mais, o livro vale ser lido pelas referencias e a descrição realística de como seriam adolescentes indo parar em um mundo como Nárnia. É um bom livro. É só aturar o Quentin xD

George R. R. Martin diz que Os Magos está para Harry Potter como uma dose de uísque está para chá. Bom, acho que ele está correto. Eu, pessoalmente, nunca gostei muito de uísque.
comentários(0)comente



Ana Clara 31/08/2020

Gostei muito, esse livro tem um quê de mistura de Harry Potter com Nárnia só que em uma versão mais pesada e bem depressiva as vezes, mas o enredo da história é super empolgante e me faz correr para ler o volume 2, espero que seja explorado mais a questão dos poderes do personagem que nesse livro ficou classificado como indefinido.
comentários(0)comente



Lit Yousei 29/08/2011

Sexo, drogas, rock'n'roll e magia
Lev Grossman tentou ser audacioso ao escrever "os Magos". Infelizmente, ele não foi sagaz o suficiente para sustentar a sua obra.

O livro começa como qualquer outro do gênero, a receita já foi passada e repassada milhares de vezes por diversos autores: um garoto jovem descobre que existe um mundo mágico e decide se embrenhar em suas profundezas. O que diferencia Grossman das demais estórias é que ele tenta puxar o lado obscuro desse novo universo e dá um tapa na cara do leitor com a realidade que vem a existir por detrás desses contos.

Mas não é difícil ficar incomodado com a leitura, a começar pelo fato de que palavras são repetidas o tempo todo. Não sei quantas vezes li o termo "sabe-se lá" ou "seja lá" durante as 456 páginas. Gostaria até de ter contado para ter uma idéia mais exata do tanto que esse termo foi reutilizado. Também achei alguns adjetivos empregados pelo autor muito estranhos, eles não davam liga com o que estava sendo escrito.

Superando a parte da escrita, vem o problema com o universo de "Os Magos". Nada é muito bem explicado, o mundo é muito superficial e o leitor acaba não entendo muito bem as regras por detrás dele. Muitas vezes da a impressão que o próprio Grossman não sabia ao certo como ele funcionava. Porém, se você chega até a página 100, 150 você começa a entender qual é a intenção do autor. Não é um livro de fantasia, muito pelo contrário, é um livro sobre evolução interna e relações interpessoais.

Seria uma ótima idéia SE os personagens fossem carismáticos. Em nenhum momento senti empatia ou afeição pela gama de estudantes que foram apresentados. Talvez um pouco pela jovem Alice, mas ela é uma sombra de personagens já conhecidos. Quentin foi uma péssima escolha como papel principal. O próprio é capaz de fazer o leitor abandonar a leitura e partir para um conto mais emocionante.

Em geral, acredito que o grande problema de "Os Magos" é a propaganda do verso. Ele é vendido como um livro de fantasia, uma estória surpreendente que precisa ser lida pelos amantes do gênero, mas é bem o contrário. O livro não possui nenhum elemento que entre nessa classificação, como personagens heroicos e um enredo cheio de aventuras e reviravoltas. A obra de Grossman pode ser simplificada como um livro de "sexo, drogas, rock'n'roll e magia", que você deve ler sem grandes pretensões; e mesmo seguindo por esse lado, existem melhores opções no mercado.
Juliane 02/05/2012minha estante
o ponto é: tu não precisa sentir empatia pelos personagens! eles sao tudo que agente despresa e sem perceber é! a angustia de vida deles só faz eles parecerem mais humanos e não tão heróis!




Carf 12/12/2011

As horas mais mal gastas da minha vida
Um dos piores livros que já li.
É uma mistura de Harry Potter (por causa da escola de magia só pra nerds, que é concluída no livro) com Crônicas de Nárnia. Mas com personagens "loosers", enfadonhos, ébrios e drogados. Triste o fato de adicionar sexo e drogas em um livro para dizer que ele é literatura para adultos, pois, afora isto, a estória é parva, medíocre.
Já li livros infantis mais interessantes que esse e com a história melhor desenvolvida, incluindo as próprias Crônicas de Nárnia, infinitamente melhor que esse mísero empilhado de papel que tem a vergonha de se chamar de livro.
O enredo é totalmente previsível do começo ao fim, e eu fiz o sacrifício de ler até o fim para ver se pelo menos este se salvava...mas nem isto.

Há uma resenha perfeita no Amazon sobre este livro (The Magicians does almost everything wrong., January 30, 2010
By D. Fischer "ShoutingMan"):
"Goes nowhere, Does nothing: The story is a string of essentially random events, culminating in nothing."
(Tradução livre: "Não vai a lugar nenhum, não faz nada: a estória é uma seqüência de eventos essencialmente aleatórios, culminando em nada").
Se ao menos eu tivesse lido essa resenha antes.

O mais interessante é ver os defensores ferrenhos dessa obra a defenderem com o argumento de "A Roupa Nova do Imperador": somente os inteligentes enxergam a genialidade da obra!
Acho que até o autor se surpreenderia com as conclusões a que alguns de seus fãs chegaram.

Mas, enfim, nunca, mas nunca mesmo quero ler outro livro parecido com este.
Danzoc 13/12/2011minha estante
Discordo, mas respeito!


Pedro Nabuco 01/01/2012minha estante
Concordo plenamente.




Pedro Nabuco 01/01/2012

A junção de nada com coisa nenhuma
Quem vê a capa do livro e lê a descrição que faz a comparação com Harry Potter, corre pra comprar o livro, assim como eu ... mas quem lê 100 pags. dele ou mesmo quem faz o sacrifício de chegar ao final, como eu, percebe que este é um livro no minimo contestável e de propaganda enganosa.

Tive alguns bons momentos com o livro, mas eles foram passageiros... A maior parte do tempo eu não sabia o que estava acontecendo, e quando sabia aquilo não fazia o menor sentido.

Enfim, não recomendo, se querem algo próximo a Harry Potter, procurem Percy Jackson ou algo do tipo. Mas se querem algo um pouco mais adulto como este livro promete ser, leia O Nome do Vento, ai você vai ver o que é um livro de verdade. :D
comentários(0)comente



62 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5