A Guerra dos Tronos

A Guerra dos Tronos George R. R. Martin




Resenhas - A Guerra dos Tronos


1000 encontrados | exibindo 61 a 76
5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 |


Manoel.Sidney 16/12/2015

Incrível
Nao tenham preguiça de ler essa serie, no final vocês estarão desejando que o livro tivesse o triplo de paginas.

As intrigas sao fascinantes, você se acostuma com a violência, a cenas de sexo sao bonitas, os personagens extremamente bem feitos. Eu poderia ficar horas descrevendo esse livro, mas no momento estou com muita preguiça. Uma dica: LEIA
comentários(0)comente



Letícia 24/07/2012

Livro muito bom!
Antes de começar a escrever essa resenha (a minha primeira ,diga-se de passagem), fui procurar mais sobre o livro pra digerir melhor tudo que acabei de ler, e escolhi deixar a maioria de lado. A Guerra dos Tronos tem sim muitas resenhas, a maioria vangloriando o autor e uma ou duas falando que isso tudo é mero 'calor de livro novo'. Pois bem, eu não concordo... começando pelas críticas: é claro que tem euforia sobre As Crônicas de Gelo e Fogo mas sinceramente, com razão! Eu sempre ficava na dúvida se comprava o livro ou não, o livro era grande, eu não tinha tempo e blá blá blá... afinal comprei, a história me conquistou -como um livro, principalmente desse tamanho e com sete títulos no total, DEVE fazer- e também desempenhou um papel importante nem sempre lembrado (acho que por desempenhar tão bem): leva o leitor pra outro mundo... dito assim parece bem simples, óbvio, mas um livro que se desenvolve por histórias de cada personagem importante (Daenerys, Eddard, Catelyn, Tyron, Jon, Bran, Sansa e Aria) e mesmo assim se interligam belamente na unidade do livro, com os personagens que não são clichés, eles erram, você os odeia, os ama, não liga pra eles, mas logo depois você se surpreende novamente, bem colocado no ambiente e que te dá histórias... um livro assim é bem 'costurado' (sim, coeso) e logo você se importa com toda a história, depois de receber tantas informações e descrições, você monta na cabeça o reino e as casas (eu usei bastante o mapa) e de repente está completamente inserido na trama, passou pro outro mundo mesmo (devo admitir aqui que estava à procura de uma leitura assim, uma das razões de comprá-lo :).
OK, agora mais especificamente sobre a história: como já dito cada capítulo é focado em um dos personagens mais digamos.. importantes -apesar de que cada personagem deve ter sua atenção- o início é quase todo sobre os Stark mas ainda temos a personagem, nesse momento parece meio desconectada, Daenerys adicionada ao povo Dothraki. Os filhos de Eddard Stark acham os lobos (são singelos personagens mas totalmente amáveis -eu os acho essenciais- durante toda a trama), Winterfell (domínio dos Stark) recebe o rei Robert, a rainha Cersei (Lannister) e toda sua gente, Eddard aceita o cargo de Mão do Rei apesar de o inverno estar chegando, bem verdadeiro lema dos Stark. Não quero passar spoiler então quanto ao resto digo pouco, a história guia bem o leitor, os personagens partem do encontro no Norte para caminhos separados e atuam em muitos erros, muitas decisões difíceis, muita traição, lealdade, guerra e morte -sim, o nome do livro já deixa essa parte clara- ah e algumas coisas bem inesperadas, que me fizeram questionar como o autor vai levar pela trama (voltando aqui aquela adoração que não sei se tãao necessária assim ao George R. R. Martin, o cara É bom, mas sejamos mais leves, não?) Diretamente falando: o rei afinal de contas foi um traidor para chegar ao trono, e agora é um fanfarrão; a casa Lanninster já não é fiel a nada a não ser ao seu dinheiro e a qualquer poder que possam alcançar; os Stark têm que rever onde a honra não cabe, no desespero; a patrulha da noite tem uma tarefa bem mais díficil, traiçoeira e na direção do desconhecido do que pensavam; e a criança Targaryen ( a Dany tem 13 anos, as vezes eu esquecia disso...) vai arranjar espaço. Isso é a guerra pelo poder, um tanto complexa, por isso tão fantástica. A magia aqui é singelamente mostrada, mas ainda tem bastante por vir.
Pronto. Livro muuuuito bom. E mereceu ser lido.
comentários(0)comente



Geraldo 18/09/2011

E lá vamos nós!!!

Ler este livro para mim também foi uma saga, afinal quando eu estava na metade dele, eu simplesmente perco numa agência bancária e um mês depois eu consigo encontrar....ou melhor encontraram para mim.
Um livro incrível, com uma saga grandiosa, uma gana de personagens fantásticas, mas vamos e venhamos..quantos personagens, deve beirar a faixa de 40; no minimo.
Não vou comentar como é a historia deste livro, afinal só neste site deve ter mais de 150 resenhas falando sobre ele, porém acho prudente falar de como o livro é escrito. O autor faz de uma forma bem interessantes colocando em cada capitulo o nome de um personagens e o que esta acontecendo com ele nesse momento, bem legal essa ideia, mas quando você não curte muito a personagem dá uma certa preguiça.
G. R. R. Martin tem uma forma de escrita totalmente descritiva, beirando uma certa lentidão, mas acho que ele faz isso neste primeiro livro para ambientar muito bem o lugar que ele inventou, a forma de se viver, claro, baseado numa vivencia totalmente medieval e para incrementar essa fantasia ele ainda coloca: dragões, espadas, "fantasmas", maldições e coisas do gênero fantástico.
A forma de como ele termina este livro é bem interessante pois te deixa totalmente instigado a continuar a leitura, sabe aquele sentimento que vem a cabeça e te diz: "nossa esse personagem vai se vingar do rei tirano", ou "porque o autor fez isso com ela?".
Grandes mistérios são lançados nesta primeira parte da saga, ódio, vingança, reviravoltas e muito mais são colocadas neste volume, e que venham os outros 6 volumes dessa colossal série.
comentários(0)comente



eru26 10/10/2011

Obra Prima
Guerra dos Tronos sinceramente me surpreendeu; não que eu pensasse que era ruim, e sim não imaginava que fosse tão denso, tão estupeficante... Personagens bem trabalhados, ambientação magnífica de tão extensa, mistérios e lendas ricas e (intencionalmente) não trabalhadas colocam o caríssimo Sr. Martin num patamar elevadíssimo. A Guerra dos Tronos é merecidamente chamado de O Senhor dos Anéis dos dias atuais (claramente guardadas as devidas proporções), notoriamente vendo-se diferenças entre os dois Mestres R. R. Como não partir instantaneamente para o "A Fúria dos Reis"? Como não apaixonar-se pela inocente e selvagem Daenerys? Ou rir com as cenas do grandioso Tyrion? E o que falar dos Stark e sua honra e seus emblemáticos, indomáveis e ferozes lobos gigantes? Simplesmente fascinante... Começar a ler esta obra é tarefa para heróis, pois é impossível pará-la sanamente, e são mais de seis centos de páginas somente neste primeiro volume, já sucedido por outros tantos volumes... Enfim, se costumo dizer que O Hobbit é leitura obrigatória para crianças e O Senhor dos Anéis para adolescentes, afirmo que a série As Crônicas de Gelo e Fogo seria um ritual de passagem para a vida adulta.
Guilherme 11/10/2011minha estante
Esse livro?Rito de passagem?
Será mesmo?Vou apresentá-lo ao meu irmão de 13 anos.


Kennedy 12/10/2011minha estante
George Martin melhor que Tolkien? Ah ta...


eru26 12/10/2011minha estante
Ah, não, de maneira alguma, não há comparação, caro Kennedy, Tolkien foi um mestre inigualável, e sem ele nem teríamos estas Crônicas, a bem da verdade. Desculpe-me se soei assim, não foi a intenção. =)




Serafim 24/06/2012

Menos, menos
Tinha acabado de ler um livro fantástico e fiquei preocupado em procurar um livro do mesmo nível pra não me frustrar e acreditei que encontraria em AGdT, mas Infelizmente o livro me decepcionou.

Pra começar, é impossível não se perder em meio a tantos personagens e lugares, ainda que com este ultimo vc se acostuma com o tempo (muito porque não surgem novos lugares) mas a ideia de colocar título, nome, sobre nome e até apelido nas personagens (!), deixa o leitor perdido do início ao fim do livro. O autor abusa do poder de memória do leitor quando chama as personagens ora pelo nome, ora pelo título, ora pelo apelido, pelo sobrenome, pelo título e apelido juntos (!)... aí não dá né?

A segunda principal crítica é em relação ao roteiro em si. Fica evidente que o autor já tem em mente fazer uma historia com vários livros (pra faturar mais, obvio) o que resulta em dois problemas crônicos:
1-o famoso "cozinhar o galo" pra historia render.
2-sequência obrigatória. Ou seja, o livro 1 não tem um final adequado para um livro, sendo este um "o corte" na historia que poderia inclusive, ser em qualquer capítulo que não faria diferença.

A terceira e ultima grande crítica é o conteúdo da historia que se torna muito previsível. As reviravoltas são obvias, tirando uma morte aqui, outra ali a maior parte do livro é previsível, se comparando a um jogo de xadrez, que vc sabe quais os movimentos de cada peça e elas vão se mexendo para o obvio xeque-mate.

Enfim, não que o livro seja ruim, mas esperava muito mais de uma história que virou serie, de tantas recomendações e eufóricos comentários nesta comunidade.
Que me desculpem aqueles que dizem ser "o melhor livro que já li", mas quem se vc se enquadra nessa categoria precisa ler muita coisa ainda.

O livro é bom e só. Muito longe de ser tudo aquilo que falam, tanto que ainda sinto mais falta da trilogia que li anteriormente do que interesse em ler a sequência desta história.
AntonioBN 25/06/2012minha estante
Amigo.

Apesar de concordar com você na questão dos nomes (só me acostumei com todos os personagens quando estava a uns 80% de terminar)acredito que o livro merece uma nota melhor que 3.

Se procurar se informar um pouco descobrirá que a idéia do autor, desde o começo, é fazer 7 livros dessa saga.


Serafim 25/06/2012minha estante
AntonioBN
Segundo a classificação do site, 3 estrelas é bom e pra mim esse livro pára por ai: Bom e nada mais.
Entendo que 5 estrelas precisa me surpreender e deixar com saudades do livro. Este não deixou
4 estrelas surpreender. Este não me surpreendeu.
Te indico alguns livros que valem 5 estrelas, mas esse não, ele não é perfeito!!




Karina Matos 26/05/2015

Essa resenha também foi publicada no blog Vida aos Vinte.
Quando comecei a ler A Guerra dos Tronos eu pensei: “Nem vou me preocupar em fazer resenha porque né, quem sou eu pra falar desse livro?”. Mas depois de um tempo mudei de ideia e resolvi compartilhar a minha opinião.

Eu duvido que você ainda não tenha ouvido falar sobre ele, mas segue um breve resumo: A Guerra dos Tronos é o primeiro livro da saga As Crônicas de Gelo e Fogo, e é uma história de fantasia onde, em meio a inúmeras outras tramas, famílias brigam por um reino. O enredo é bastante complexo e me conquistou quando uma amiga me contou praticamente tudo que acontece, hahaha.

Sim, antes de ler eu já sabia quase tudo que ia acontecer. Primeiro porque me contaram – às vezes eu permito que me deem spoilers ;) – e segundo porque eu assisti as duas primeiras temporadas de Game of Thrones e, pelo menos na primeira delas, a série é bem fiel ao livro.

Inclusive, assistir à série contribuiu demais para que eu conseguisse compreender o livro. A história é muito intrincada, cheia de personagens (sério, tem muitos personagens) e eu demorei um pouco para identificar quem era quem. Tudo é descrito com muitos detalhes, o mundo é totalmente novo e fantástico, e cada coisinha foi pensada e colocada no lugar certo.

Eu fui uma criança fanática por Harry Potter e a Guerra dos Tronos me trouxe de volta ao mundo da fantasia… Só que dessa vez numa linguagem madura e com elementos adultos que não existiam em HP. Alguns assuntos controversos são inseridos no livro, como incesto, estupro, e violência; então ele pode não agradar os mais sensíveis.

A história é narrada em pontos de vista diferentes, em terceira pessoa, e essa característica deixou tudo mais interessante. O POV que menos gostei foi o da Sansa, que é uma vaca; o que mais gostei foi o do Ned, claro; e o que eu gostaria que existisse (e que está por vir nos próximos livros) é o da Rainha Cersei, aquela personagem que a gente ama odiar.

Em resumo, o livro é muito impressionante (e intimidador, eu admito), e tem a história mais complexa e bem desenvolvida que eu já vi. Mesmo que houvesse alguma falha nela, eu não seria capaz de perceber. Eu particularmente fiquei mais interessada do meio para o final, porque o fato de a narrativa ser extremamente detalhista deixa a leitura um pouco cansativa.

Eu recomendo para quem gosta de fantasias, não tem preguiça de ler livros enormes e não se incomoda com violência. Ah, e de preferência para quem não se apega aos personagens. Sim, você se apega na página 100 e na 101 ele morre. #chateada hahaha. Gostei muito de A Guerra dos Tronos e estou me preparando psicologicamente para ler A Fúria dos Reis!

site: vidaaosvinte.com.br
Rafa 16/06/2015minha estante
Muito boa resenha!


Karina Matos 01/08/2015minha estante
Obrigada Rafael! :)




Thay 27/04/2014

A Guerra dos Tronos
Em uma terra onde o verão pode durar décadas e o inverno toda uma vida, os problemas estão apenas começando. O frio está de volta e, nas florestas ao norte de Winterfell, forças sobrenaturais se espalham por trás da Muralha que protege a região. No centro do conflito estão os Stark do reino de Winterfell, uma família tão áspera quanto as terras que lhe pertencem. Dos lugares onde o frio é brutal, até os distantes reinos de plenitude e sol, George R. R. Martin narra uma história de lordes e damas, soldados e mercenários, assassinos e bastardos, que se juntam em um tempo de presságios malignos. Entre disputas por reinos, tragédias e traições, vitória e terror, o destino dos Stark, seus aliados e seus inimigos é incerto. Mas cada um está se esforçando para ganhar este conflito mortal: a guerra dos tronos.



A Guerra dos Tronos é o livro que inicia contando a história e as tradições de uma das famílias mais antigas do reino de Westeros, a casa Stark residia ao extremo norte, onde o inverno era rigoroso até mesmo no verão, no castelo de Winterfell que era liderado por Eddard (Ned), casado com a senhora Cately, mãe de seus filhos: Rob, Bran, Rickon, Arya e Sansa, ela também ajudou a criar o filho bastardo de Ned, Jon Snow.

Viviam distantes das demais famílias nobres até a inesperada visita do Rei Robert Baratheon, Rainha Cersey Lannister e sua comitiva, incluindo seus irmãos Jaime e Tyrion Lannister. O rei era um velho amigo de Ned que vem notificar que o velho Jon Arryn que ocupava o cargo de Mão do Rei, a pessoa que o rei mais confia e aceita conselhos, havia falecido e o oferece a Ned o cargo. Robert tinha também a ideia de unir as casas Stark e Baratheon a partir do casamento de Sansa Stark com seu filho mais velho Joffrey.

Eddard decide aceitar a proposta, com a intenção de ir até Porto Real para descobrir a verdadeira causa da morte de seu amigo Jon Arryn, levando com sigo suas filhas Arya e Sansa, deixando para trás seus demais filhos, deixando assim Rob seu primogênito assumir o comando de Winterfell e seu bastardo Jon Snow se oferece para servir a Patrulha da Noite, uma organização de protege todo o reino de Westeros Tais acontecimentos que mudariam a vida da família nortenha para sempre.

Quando se joga a Guerra dos Tronos, você vence ou morre.

Do outro lado do mar vive uma garota Deanerys e seu irmão Viserys, os últimos sobreviventes da casa Targaryan que outrora comandava todo o reino de Westeros, mas foram dizimados após uma grande batalha com a família Baratheon que atualmente reinava. Ambos têm o sonho de retomar o que é deles por direito.

Ao longo da trama ocorre muitas aventuras paralelas com diversas famílias e seus integrantes, mas o livro tem foco maior nos acontecimentos ligados as famílias Stark, Lannister, Baratheon, Targaryan e Arryn.

O livro é de toda maneira, fantástico. Ao longo da história ele pode deixar a desejar e ficar cansativo, devido a complexidade existente nele, mas com certeza vale muito a pena, particularmente ele trata assuntos que eu adoro por ser uma história que relata a época medieval com cavalheiros, reis, rainhas, guerras e mortes, muitas mortes aliás, além de existir magia. Ele é contado em terceira pessoa, porém a cada capítulo relata uma situação de diferentes personagens.


O cenário é impressionante, fantástico a maneira que Martin nos faz viajar e imaginar o mundo perante suas palavras. Westeros é divido por reinos, entre esses existem sete de maior importância, seguindo em um esquema bem medieval, cada um desses reinos possui um líder que jura fidelidade a um rei, este que por sua vez vem de uma linhagem nobre e possui vassalos,que são outras casas menores. A quantidade de personagens, casas e vassalos é muito rica, impossível decorar todos, embora existam algumas famílias que são importantes ao decorrer da aventura.

Casa Stark tem com seu lema O inverno está chegando e seu símbolo é um lobo gigante, liderada por Eddard, orgulhoso e cheio de honra, um dos personagens principais de toda a trama, juntamente com sua filha Arya, uma menina que se comporta como se fosse um menino. Catelyn a esposa de Ned é uma mãe atenciosa que só pensa em seus filhos e nada mais importa, excelente conselheira. Bran um jovem rapaz que não possui muitas habilidades mas adora escalar, podendo vir a prejudicar o jovem lobo ao longo de sua trajetória. Sansa é uma garota que foi criada para ser uma rainha, não gosto dela. Rickon é apenas um bebê que sofrerá perdas. Jon Snow, o bastardo que não sabe ao certo sua verdadeira origem e se aventura a ir para a Patrulha buscar um espaço ou um propósito, definitivamente meu personagem preferido tanto no livro como na série televisiva Game Of Thrones.

Casa Lannister tem como seu lema Ouça-me rugir e seu símbolo é um leão, uma das casas mais ricas de Westeros, liderada por Tywin, pai dos gêmeos Cersey e James, e do duende Tyrion. Cersey é a rainha, ela é realmente perigosa, porém como toda leoa se preocupa com sua cria. Seu irmão James é um cavaleiro da Guarda Real e considerado um dos mais belos de todos no reino. Porém dessa família quem mais me impressiona é Tyrion, o anão que é um excelente estrategista, vive sendo caçoado por todos e ele gosta de ler. Aos o duende ocupa um papel importantíssimo ao longo da história.


Casa Targaryen tem como seu lema Fogo e Sangue e seu símbolo é um dragão de três cabeças. Ao longo da história, peguei um ódio mortal por Viserys irmão mais velho de Daenerys (Dany ou Khalessi), que é a minha preferida em todos os aspectos, tanto pela razão dela, como por simplesmente transmitir em mim uma confiança que as mulheres são sim capazes de fazer a diferença e lutar por seus objetivos.

A Guerra dos Tronos é o primeiro volume de uma série de cinco, por enquanto, sou completamente apaixonada por esses detalhes e recomendo a quem procura se encantar com a fantasia que George R.R Martin é capaz de transmitir.

site: http://www.pepperlipstick.com/2014/04/resenha-guerra-dos-tronos
Crisinha 04/07/2014minha estante
excelente resenha!


Adriano 20/11/2014minha estante
Muito boa sua resenha, me fez relembrar essa magnifica história. Ainda não tive tempo de começar a ler os outros livros, mais sinceramente não aguento mais esperar... hehe'.




e-zamprogno 14/09/2011

Os erros que cometemos
Em parte devido à série da HBO, é sem dúvida um dos livros do momento e dezenas de resenhas já foram publicadas no Skoob. Não li todas, mas pretendo escrever minha opinião sobre o texto tentando não chover no molhado.
Li em alguma destas resenhas já publicadas que o enredo é cinematográfico. Este tipo de enredo é uma característica da qual se impregnou a literatura contemporânea estadunidense, mas no caso deste autor, ou pelo menos deste seu livro, não achei uma característica tão marcante. Há um aprofundamento maior nos personagens e muitas vezes o texto descritivo predomina em detrimento da ação. Tudo isso só aumenta a qualidade do texto, o que obviamente demanda uma dedicação maior do autor. Não é para menos, pois, mais do que um livro, a obra é um projeto ambicioso de literatura e só uma pessoa apaixonada se disporia a empregar toda a energia necessária para levar a cabo uma empreitada de tamanha dimensão. Apenas recentemente tive a confirmação de qual é a paixão que move o autor.
É sabido que o livro é inspirado na Idade Média europeia, mas como também é sabido que se trata de literatura de fantasia, eu não esperava mais do que algo parecido com o que se encontra nos contos de fadas, ou seja, a presença de alguns herois inspirados nos cavaleiros, princesas e, quem sabe, algumas criaturas sobrenaturais como fadas e dragões. Este livro nos apresenta não apenas o cavaleiro, mas também a história por trás da vassalagem que este presta ao seu senhor; não apenas a princesa, mas também a história do seu clã, e assim, aos poucos o autor vai costurando a narração com a história das intrigas, guerras e lendas do reino que remontam milhares de anos. Não surpreende que em determinada altura me senti como se estivesse lendo sobre a História da Idade Média (com H maiúsculo). Quando estava quase no final do volume encontrei por acaso uma edição da revista História que trazia uma matéria especial sobre o livro, a qual revelava que o autor de fato é apaixonado pela História da Idade Média e me surpreendi ao descobrir que a inspiração dele na História real ia muito além do que eu poderia supor: até mesmo a Muralha que aparece no norte do continente fictício, para proteger este dos "selvagens", é inspirada numa muralha real que existiu (e suas ruínas subsistem) no norte da Inglaterra, chamada Muralha de Adriano (Hadrian's Wall)!
Mas o que torna o livro mais interessante que uma aula de História? Se me fosse pedido que dissesse suncintamente sobre o que é a história, pelo menos deste primeiro volume da série, eu diria que é uma história sobre os erros que cometemos na vida. Quando os personagens não erram, parece que é apenas para permitir que cometam adiante um erro com consequências ainda mais graves. Assim é um livro que dilacera o coração do leitor, pois parece que não sobra esperança de que ele possa torcer pela boa sorte de seu personagem preferido, qualquer que seja. Mas também é o que fisga o leitor, a forma que cada um tem que enfrentar esses momentos difíceis, às vezes com apoio, às vezes só, vezes seguidas. Momentos que vão se tornando cada vez mais difíceis, pois "o inverno está para chegar".

------------------------

- (...) Conhece o nosso lema.
- O inverno está para chegar - sussurrou Arya.
- Os tempos duros e crueis - disse o pai. Provamo-los no Tridente, filha, e quando Bran caiu. Você nasceu durante o longo verão, querida, e nunca conheceu nada além dele, mas agora o inverno está realmente chegando.

(trecho do livro)
comentários(0)comente



Danilouco 08/05/2012

Uma novela medieval
Quando normalmente vou ler um livro, costumo o mais rápido possível me entender com o mundo que se passa a história. Guerra dos Tronos dificultou bastante essa minha compreensão por motivos diversos. Muitos nomes para aprender, aparentemente não há um personagem principal no trama, pequenos pulos cronológicos na narrativa entre outras coisas, etc...

No entanto, uma história que eu imaginava ser cansativa e chata se tornou algo extremamente esplendido a medida que eu virava as páginas. Afinal, mesmo com as adversidades citadas acima a trama se desenrola rapidamente deixando o leitor cada vez mais apreensivo.

Por isso, o ponto que mais gosto de falar quando comento sobre esse livro com meus amigos é que nunca se sabe o que vai acontecer até o final do capítulo, os personagens dançam conforme o trama em um ritmo imprevisível. Por mais que o capítulo se inicie chato ou a personagem em foco seja extremamente chata ao seu gosto, o enredo sempre se desenrola para algo incrivelmente chocante tornando tudo naquele capítulo eficaz.

A estratégia usada pelo autor George R. R. Martin para a construção da narrativa é bastante simples ao meu ver. Ele sempre inicia o capítulo normalmente situando a personagem em foco dentro do enredo. Logo em seguida ocorre complicações que levam ao "climax" do capítulo, o momento mais importante e "foda" ao ponto de você dizer, "Meu Deus do céu o que virá depois". E é nesse momento que imediatamente se corta a narrativa e é colocado um novo capítulo de um personagem distante.

O leitor fica perplexo com o fato e logo se força a continuar a história com aquela vontade de saber o que acontecer com o fato que acabará de ler. Normalmente você não fica chateado com isso tudo, pois o capítulo em seguida vem com informações que você também já queria saber de um "climax" anterior.

Inteligente! O autor brinca com nossa sede de saber a medida que ele varia de personagens em cada capítulos. Tudo é milimetricamente estudado para que nós leitores sempre estejamos com a bundinha no sofá lendo cada página do livro.

Outro ponto importante do livro é o velho lance entre honra e sede por poder muito bem explorado no drama. Guerra dos Tronos se baseia justamente numa rixa de família. O maquiavelismos e a honra são sempre postados em xeque no trama, mostrando que nem sempre é bom ser extremamente preso a um dos lados. "Ponderar é necessário caso você queria ganhar o jogo dos tronos" eu acho que essa é a frase do livro.

Bom! Chega de escrever, o que tinha a dizer era justamente isso. O livro é muito bom! Perfeito para os amantes de contos medievais. Não possui aquele ar místico de criaturas ou mesmo de aventura a ser conquistada como em Senhor dos Anéis. No entanto isso não é ruim, muito pelo contrário, nos dá uma tremenda trama política e social de um reinos em crise que necessita de novos heróis para salvar a população do inverno que está chegando. Valeu!
Giulia 10/05/2012minha estante
CARAMBA DANILO! eu concordo plenamente com tudo o q vc disse, principalmente sobre a "frase" central do livro". ótima resenha! =)




Lucas André 20/02/2013

Extremamente espetacular!
Olá pessoal.
Então, sei que já existem várias resenhas desse livro aqui, mais eu vou fazer a minha, pelo fato de que não é a toa que esse livro é tão bom.
Bom, se eu não estou enganado, eu comecei a ler este livro quando recém tinham começado as aulas no ano passado, eu estudava no período da manhã, e depois trabalhava até as 21:30, e em todo tempo livre eu ia correndo pegar o livro, mas confesso que estava fazendo uma leitura bem forçada, quando cheguei na metade do livro larguei ele de lado, pois estava sendo uma leitura muito pesada e cansativa, prometendo começar a ler ele novamente quando tivesse mais tempo.
Então, esse ano eu resolvi adicionar esse livro a minha meta de leitura para 2013.
Confesso que, o prólogo era a única coisa que conseguia lembrar-me da leitura anterior.
Comecei a ler, achando novamente um pouco cansativo e o livro extenso de mais, mas prometi que ia até o fim.
Martin cria um mundo extremamente magnífico, com personagens ora cativantes, ora repugnantes. É um livro com, reis, rainhas, príncipes, princesas, grandes senhores, cavaleiros, vassalos e tantos outros personagens. Adicionando todas essas pessoas a muitas intrigas, traições, mortes, política e tantas outras inúmeras características.
Meu objetivo lendo A Guerra dos Tronos, era encontrar um mundo com criaturas fantásticas, mas isso não é algo destacado com muita freqüência, mais não deixa de aparecer em certos capítulos, e inicialmente no prólogo.
O livro tem certos capítulos que caminham de forma mais lenta, mas têm outros que tomam velocidade e te surpreende.
Acredito que esse livro foi apenas uma introdução para tudo que ainda esta por vir. Já estou louco para ler o segundo livro da série.
O bom do livro é que você quer saber o que irá acontecer nos próximos capítulos, e assim o livro deixa de ser “grande”. Quando estava perto do final minha vontade era de o livro ter mais umas mil páginas. A hora que eu terminei eu pensei, “Meu Deus acabou e agora o que vou fazer da minha vida”. Então acredito que ainda tem muita coisa me esperando nos próximos livros, e não vejo a hora de comprá-los e devorá-los.
Bom, era isso que eu tinha para dizer.
Se você ainda não leu, vai correndo agora e acha o livro e comece a ler, porque realmente vale muito à pena, se esta achando o livro muito grande, ignore esta parte, porque quando você ver já vai ter terminado.
comentários(0)comente



Saleitura 22/08/2012

Livro um - As crôicas de Gelo e Fogo
Quando eu comecei a ler esse livro por influencia da Balzaquiana com Z, Vaneza, estava quase no fim dos “Três mosqueteiros” de Dumas-Pai, então minha primeira reação com o livro foi perceber surpresa o quando o texto de Martin se assemelha estruturalmente ai de Dumas.

Sim, apesar de serem escritores separados por mais de um século, eles escolheram a mesma estrutura narrativa, ou seja, a história não é contada a partir de um único olhar e sim a partir de vários olhares diferentes. Em cada capítulo nós conhecemos ponto de vista da história de um personagem diferente e através desses múltiplos olhares vamos construindo o quadro geral da história.
Vamos conhecendo o mundo de Martin, seus conflitos, sua tortuosa política, sua cultura, sua História. E, falando em história, uma coisa pra lá de surpreendente em Martin, para mim, é a forma como ele domina a teoria da história, a forma dele montar as estruturas políticas de Westeros.

As vezes eu tenho a impressão que estou lendo um texto escrito por um medievalista ou de um estudioso do século XIX. E quando vejo as teias da política é impossível não lembrar dO Príncipe de Maquiavel, a disciplina de sociologia ou aos tratados de teoria da história que li ao longo da graduação. Desculpem a babação descarada, mas:
“Gente que autor é esse?!?!”

O homem é muito erudito e ao mesmo tempo constrói sua narrativa de uma forma tão simples, tão envolvente, tão cativante, tão cheia de expressões que emocionam tanto quem ler que quando o povo compara “As crônicas do Gelo e Fogo” a um tipo de droga altamente viciante só pode está fazendo uma comparação muito justa.

No livro 1, “A guerra dos tronos”, nós conhecemos o cenário no qual grande parte da história vai acontecer assim como algumas famílias principais, tal como os Lannister, os leões que sempre pagam suas dividas; os Baratheon, a quem pertence o trono de ferro; os Starks de Winterfell, sóbrios como o lobo, cujo lema é “O inverno está chegando” e claro a Daenerys do sangue do Dragão, praticamente uma criança, mas já sentimos o quanto ela está destinada para grandes coisas.

Aliás, nesse momento sentimos que muitos personagens estão destinados a viverem grandes coisas boas e ruins, como Tyrion Lannister, um dos personagens mais cativantes, Arya Starks, uma criança incrível, Bran, que deixa nossos corações partidos, Sansa, que nos deixa com muita raiva e tantos outros que só lendo para saber.

A guerra dos tronos é uma grande introdução funciona como aquele momento da peça do teatro no qual as cortinas se abrem e você fita maravilhada o cenário, os personagens, os fragmentos da história e imagina o que pode está por vim.

Atualmente já estou no livro 3, sou uma dependente química que não quer se tratar e ainda indica para qualquer um que goste de sonhar com os pés no chão, pois, por mais que Martin seja um tecedor de sonhos, ao longo da leitura eu já percebi que ele adora nos deixar dentro do império das possibilidades, nas suas crônicas as pessoas sofrem, perdem, morrem, amam, deixam de ser amadas, para sobreviverem precisam saber ou aprender a lutar e, como na vida, não basta ser fofo, bonito, honrado e bonzinho para sobreviver a uma guerra.

Resenha feita por Pandora (Jaci)
http://www.skoob.com.br/usuario/62017-pandora

Link postagem na saleta de leitura

http://saletadeleitura.blogspot.com.br/2012/08/resenha-do-livro-guerra-dos-tronos-as.html
Aleska Lemos 08/09/2012minha estante
Esse livro eu ainda to tentando terminar, mas to doida pra ler todos os livros!




CooltureNews 02/11/2011

Publicada no www.CooltureNews.com.br
Por: Junior Nascimento

Lembro quando este livro foi lançado, a principio me chamou muita atenção devido a capa, que achei instigante e aos poucos (porém ótimos) comentários que via sobre o mesmo. Por vezes me vi tentado a comprar o livro, mas sempre o deixava entre os últimos da longa fila. Nem sabia que o mesmo iria ser adaptado para a TV. “Em uma viajem para os EUA” (rs) acabei assistindo ao primeiro episódio da série, afinal assisto praticamente todas séries da HBO. Antes de terminar o primeiro episódio já tinha entrado em um site de compras on-line e cedido aos impulsos para comprar esta obra. Só não a li antes, pois a fila de outros livros estava enorme.

Não quero debater sobre a adaptação feita pela HBO, afinal todos sabem que sempre fico com um pé atrás em relação as adaptações de livros para cinema e TV, porém dei meu braço a torcer, essa realmente foi a melhor adaptação já feita, completamente fiel ao livro. E justamente por ser tão perfeita, no decorrer da leitura estava completamente frustado, eu queria que algumas coisas fossem diferentes, que mortes não tivessem acontecido, entre outras coisas. Eu me sentia caminhando pro abismo.

Muitos tendem a comparar o autor com Tolkien, assim como a obra com Senhor dos Anéis, acho a comparação totalmente injusta, afinal George R.R. Martin fez uma obra melhor (gosto é gosto galera, se não concorda pode comentar a vontade). Em Guerra dos Tronos somos apresentados a personagens e uma história complexa, porém em nenhum momento chata e monótona. Os diálogos e explicação sobre esse universo foram feitos na medida certa, sem parecer algo “didático”.

O livro é repleto de personagens envolventes, e na mesma proporção temos personagens insuportáveis. Mas dificilmente você tomara como seus preferidos aqueles que não Stark, lógico, com algumas exceções. Mas o que mais me chamou a atenção foi a descrição das batalhas e dos locais onde a trama passa, tudo bem que a adaptação para a TV ajudou, e muito a imaginação, mas mesmo assim o livro não deixou a desejar em nada.

Novamente um livro onde os capítulos foram escritos segundo a visão de um personagem da trama, realmente acredito ser esta a melhor forma de contar uma estória, principalmente uma tão complexa quanto Guerra dos Tronos. O livro não é de uma leitura fácil, afinal existe muitos personagens que podemos considerar centrais, além da “trupe” Stark, porém as linhas de tempo são bem definidas e a leitura é fluída, quando menos espera você já esta terminando o livro, todas as quase 500 páginas (MEDO). O mais interessante que após terminar o livro, certamente você não vai sossegar até ler o próximo, mesmo tendo muitas páginas a mais.

Antes que venham me dizer que a resenha está curta para um livro tão grande e uma trama tão complexa e completa, venho me defender dizendo que, não gosto de contar muito sobre a trama do livro, afinal, não quero estragar a sua leitura, essa principalmente, afinal Guerra dos Tronos é um dos melhores livros que já li, assim como minha atual seriado preferido, e se realmente fosse falar sobre a trama, seria muito maior do que o livro em si, não conseguiria parar. Então é isso, se gosta de ler livros bons, recomendo Guerra dos Tronos.


Asheri 29/01/2013

George R. R. Martin, o autor da série, escreveu uma grande produção onde não existe mocinho nem vilão e sim uma guerra onde interagem vários reinos envolvidos em um jogo de morte, mentiras, batalhas sangrentas, traições e muitas surpresas.Possui três temas principais, o primeiro trata da guerra para a conquista do trono para o comando dos Sete Reinos. O segundo tema gira em torno das criaturas conhecidas como os Outros, que estavam considerados extintos porém não estavam. E por fim o terceiro trata dos descendentes da então derrubada dinastia, os Targaryens, que querem invadir os Sete Reinos e retomar o trono que dizem que pertencem a eles.O livro é contado em terceira pessoa, onde cada capítulo segue o ponto de vista de uma personagem diferente e deixa um 'gancho' para o capítulo seguinte.Vale muito apena ler.
comentários(0)comente



Viviane 25/01/2012

m pequeno agradecimento...
Se existe algum ser superior á nós, tenho que agradece-lo por Martin existir! Somente...
comentários(0)comente



Caio 18/07/2011

O passado roteirista de George R. R. Martin ainda está presente n'A Guerra de Tronos. É um enredo contado rapidamente, com enfoque nos diálogos e nas personagens. Trata-se da principal diferença entre ele e Tolkien: enquanto Tolkien se preocupa com descrições detalhadas da Terra-média, Martin dá valor à história, pouco descrevendo seu cenário. As únicas pistas que temos do aspecto físico do meio são os nomes dos lugares (Mata dos Lobos, Campodemilho, Bosquedouro) e a descrição que o próprio personagem faz de uma paisagem tediosa.

Martin recria uma era medieval, na qual todos os costumes de cotidiano e de batalha são fiéis à Idade Média Europeia. As diferenças são a religião (com os Novos e os Velhos Deuses), o formato do mundo e a inserção de raças míticas dentro da história (como a ascendência draconiana da família Targaryen).

Por ser bastante fiel aos costumes da época, Martin não deixa escapar um apelo sexual em sua obra. Mas confesso que há pouca pornografia no livro; salvo a cena do incesto, no início do livro, todas as partes de sexo são pouco descritas ou cortadas. É visível que Martin não quis deixar o livro com essa impressão de uma história erótica, ao contrário do que muitos defendem; ele apenas quis mostrar a realidade, sem destaque especial a nenhum aspecto. A série produzida pela HBO extrapola essa noção, e a maioria das cenas extras que coloca são explicitamente pornográficas, dando a impressão de um seriado essencialmente erótico.

No mais, Martin retrata com destreza uma guerra pelo domínio dos Sete Reinos de Westeros, profundamente inspirado na Guerra das Rosas (ocorrida pelo domínio da Inglaterra, entre as famílias Tudor e Lancaster - qualquer semelhança nos nomes é mera coincidência).
comentários(0)comente

e-zamprogno 14/09/2011minha estante
Uma pequena correção: a Guerra das Rosas foi entre as famílias York e Lancaster... e não acho que a semelhança dos nomes seja mera coincidência...


Caio 20/09/2011minha estante
Obrigado pela correção. De qualquer modo, fui irônico na última frase, peço desculpas se não deixei isso claro.




1000 encontrados | exibindo 61 a 76
5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 | 11 |