Insubmissas lágrimas de mulheres

Insubmissas lágrimas de mulheres Conceição Evaristo




Resenhas - Insubmissas Lágrimas de mulheres


31 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Gabrielle Hensel 24/10/2020

"Estas histórias não são totalmente minhas, mas quase que me pertencem"
O que falar de Conceição? Foi o primeiro livro que li dela, e já me considero fã. Como ela faz pra escrever histórias tão sofridas e reais com tamanha leveza e elegância? Conceição é uma gênia.

A cada conto, eu ficava me perguntando o quão blindada eu estaria para querer devorar o livro sem pausa, mesmo com tanto sofrimento contado em cada linha. Mas esse é o efeito da Conceição. Sua habilidade com as palavras, a forma com que ela faz as heroínas das suas histórias parecerem tão vivas dentro de nós, faz com que não seja só um apanhado de contos tristes e de sofrimento, mas também, de ressurreição de cada personagem.

O modo com que cada mulher dá a volta por cima e lida brilhantemente com suas mazelas dá o nome do livro: suas lágrimas são verdadeiramente insubmissas, não são lágrimas de resignação, mas lágrimas de insurreição.

Cada conto irá te tocar de uma maneira diferente, e irá depender das suas próprias histórias. No meu caso, alguns eu tive que reler, um eu levei para a terapia, outros lembrei de amigas e tive que enviar para elas.

E, mais importante ainda, Conceição traz histórias de mulheres negras. Mulheres negras que não sofrem só com o racismo, mas mulheres negras que são, além de tudo, mulheres. Mulheres que sofrem com o machismo, com a violência de seus homens, com a violência e abandono familiar, mas também mulheres que amam, que são amadas, mulheres ricas, mulheres pobres, que trabalham, estudam, que são bonitas, que são rainhas.

É importante demais enxergar a imagem dessas mulheres por detrás das histórias. Fica aqui, dentre outras tantas dicas, meu apelo: leiam esse livro!

Não vejo a hora de mergulhar na escrita de Conceição mais uma vez. Obrigada por tanto!!
comentários(0)comente



júlia 08/10/2020

não precisa de descrição, é conceição
comentários(0)comente



Cíntia T. 31/08/2020

Mulherismo brasileiro em atos catárticos
O que a autora cunha de "escrevivências" eu talvez possa chamar de atos de catarse.
Mesmo se tratando de histórias de mulheres negras, há muita diversidade nos contos e em alguns a gente se identifica em parte só por ser mulher, ou fora do padrão.
A essência das experiências tem um misto de força, superação e muita personalidade, que derruba abaixo qualquer vitimismo. Mesmo assim, é preciso estar preparada para gatilhos emocionais a respeito de abusos físicos e psicológicos, violência e racismo.
comentários(0)comente



Debora 21/08/2020

Lindas e sofridas histórias de mulheres negras.
Conceição sempre emociona!
comentários(0)comente



Jugirassol 20/08/2020

Segundo livro que leio de Conceição Evaristo. E, ao finalizar esse, posso afirmar que o que mais me encanta na escritora é a sua elegância com as palavras. Ela faz isso com uma maestria única. Tanto é que quando se começa a ler Conceição Evaristo não dá vontade de parar.
comentários(0)comente



Nay 07/08/2020

Força e delicadeza insubmissa
Um livro de contos que nos atingem profundamente a alma. Retrata a vida real, a existência feminina, vínculos, força e resiliência, sob delicadeza de palavras cruas que escorrem como lágrimas através da escrita de Evaristo.
Um dos livros mais lindos que já li.
comentários(0)comente



luci 04/08/2020

RESENHA| Lágrimas Insubmissas de Mulheres
Insubmissas Lágrimas de Mulheres faz jus ao título, ao menos pra mim, que sou uma chorona inveterada. Porém, não atribuo ao meu lado emotivo as lágrimas a cada fim de capítulo, mas sim à escrita tão afetiva e penetrante de Conceição Evaristo. Ela sabe como contar histórias que nos transformam. E a isso se dedicou nessa antologia, com 13 contos ao todo. No livro, ela nos apresenta as vivências de diferentes mulheres, dando enfoque a suas particularidades e experiências íntimas, a começar pelo título de cada conto-capítulo: Seus próprios nomes. E assim Conceição nos leva para outras vidas, outros traumas, outras descobertas, outros desamores, outros romances... Todos enredados pela sensibilidade de sua escuta e de seu subsequente relato das vidas destas protagonistas. Como a própria autora pontua: “Estas histórias não são minhas, mas quase me pertencem”. São narrativas verídicas, inventadas, intrigantes, emocionantes e, sobretudo, muito reais. Esse livro é, por vezes, um soco, por outras, um acalento. E eu não tive escolha, senão deixar o choro viver.

#escritoraspretas #protagonismonegro #protagonismofeminino #literaturabrasileira #livros #leitura #resenha #contos

site: https://www.instagram.com/oslivrosdeluci/?hl=pt-bra
comentários(0)comente

luci 04/08/2020minha estante
Acompanhem mais no meu perfil literário @oslivrosdeluci no Instagram




Matheus Gonçalves 16/07/2020

De aquecer o coração
É, sem dúvidas, uma das obras mais lindas que já li. Trata para além das tristezas que a vida traz. Trata das alegrias e a da esperança nas pequenas coisas.
comentários(0)comente



Alice Fortunato 04/07/2020

Sobre exercitar a escuta
“Gosto de ouvir, mas não sei se sou hábil conselheira. Ouço muito. Da voz outra, faço a minha, as histórias também. E no quase gozo da escuta, seco os olhos. Não os meus, mas de quem conta.” [Conceição Evaristo]

Insubmissas lágrimas de Mulheres consiste num projeto literário composto de contos protagonizados por mulheres negras. São relatos subjetivos e dolorosos que a sensibilidade de Conceição conseguiu transformar em palavras. As questões por ele abordadas transitam, dentre outras, por racismo, sexismo, violência doméstica e familiar, abandono. Impossível não se sentir tocado pelas histórias dessas mulheres.
É um livro que não trata apenas de dor, mas de resiliência. Pois, em que pese as amargas experiências e após passarem por vários processos de dor, essas mulheres resistem e se reinventam.
Sua narrativa é a materialização do que a autora chama de “escrevivência”, uma vez que a própria constrói uma memória pessoal com o auxílio de experiências contadas por outras. Também uma mistura do real e do imaginário, “Entre o acontecimento e a narração do fato, alguma coisa se perde e por isso se acrescenta”. (p.7)

Recomendo a leitura, e mais, entendo-a como necessária!
Aliás indico tudo que Conceição Evaristo escreve. Por sua escrita viva, poética e ao mesmo tempo crítica. Porque, como ela mesma já disse, seus escritos nascem de dentro, de uma descendência que já experimentou posições de subalternidade própria ou coletiva.
comentários(0)comente



Adonai 26/05/2020

As letras vivas de Conceição
Conceição Evaristo é maravilhosa, isso já sabemos, e aqui nesse livro o adjetivo não muda. E sobre o seu escrever, só se acrescenta: escrita viva, parece sair das páginas, doce e amarga ao mesmo tempo e costurada com a complexidade, assim como nossa vida é.

São contos de mulheres que vivem em nosso cotidiano. Parece até que estamos dentro das páginas e conseguimos identificar sobre quem ela está escrevendo, além de marcar cada letra com dor, desejo, experiência e poesia.

A complexidade me deixa escapante, sinto que não consigo expressar o que li, pois nada parece alcançar a potência do livro. Um livro necessário.
comentários(0)comente



Nathalye 24/05/2020

Leia mulheres negras
Conceição Evaristo é muito incrível.
Uma escrita peculiar e intensa, em contos de mulheres que poderiam ser muito bem reais.
comentários(0)comente



Juliana.Leal 17/05/2020

Protagonizado por mulheres de histórias marcantes, a obra de Conceição faz um sobrevoo por 13 histórias intragáveis de realidades femininas que interseccionam gênero, raça e classe na composição da sociedade brasileira. Me chamou a atenção o fato de que a autora despersonifica nominalmente a maioria dos personagens de sexo masculino nos contos.
Há temáticas que se repetem, porém com distintas abordagens, como o abandono, a violência doméstica, a condição de subalternidade da mulher e suas lutas constantes pelo direto à existência.
comentários(0)comente



Isabel 15/05/2020

Conceição Evaristo nos traz neste livro treze contos sobre treze mulheres diferentes mas com histórias e personalidades marcantes.
Mesmo sendo contos curtos, Conceição consegue desenvolver bem a personalidade de cada personagem; acho que isso é algo grandioso no livro.
A escrita de Conceição é muito bonita e fluida e ela consegue expressar temas pesados com uma delicadeza sem igual.
Existem trechos lindos no livro!
Recomendo a leitura!
comentários(0)comente



Renata 02/05/2020

Fácil de ler
Apesar de algumas histórias fortes Conceição torna a leitura fácil e poética.
comentários(0)comente



Joana 07/04/2020

Mais do que contar/ ler histórias, nesse livro Conceição Evaristo nos provoca a exercitar a escuta. Sim! A narradora do livro, que é também uma personagem que passeia por todos os ?contos?, vai ao encontro de mulheres negras para que estas possam contar suas histórias. Isso já é bastante significativo quando se pensa no quanto a histórias dessas mulheres foi silenciada por tanto tempo.
Nesses encontros sinestésicos, conhecemos a história profunda e tocante de mulheres que enfrentaram dor, abandono, violências, abusos, mas que mais que tudo isso, tiveram uma vida de sonhos, desejos, perseverança e coragem sempre aflorados!
Não tenho nem como escolher a minha história preferida: todas me provocaram sensações muito diferentes! Recomendo muito a leitura!
Conceição Evaristo é simplesmente uma mestra na arte de escreviver: porque quando se conta uma história, muito se perde, mas muito se cria!
comentários(0)comente



31 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3