As Violetas de Março

As Violetas de Março Sarah Jio




Resenhas - As Violetas de Março


169 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Fernanda 02/07/2013

Resenha: As Violetas de Março
CONFIRA A RESENHA NO BLOG:

site: http://www.segredosemlivros.com/2013/07/resenha-as-violetas-de-marco-sarah-jio.html
comentários(0)comente



Leitora Viciada 31/05/2013

Não sei como iniciar a resenha. Talvez esta seja uma das mais difíceis que estou escrevendo em um ano e quase dez meses de blogue. Após rever o hangout que a Novo Conceito realizou com o Google Play (link: http://goo.gl/aSUzA) simplesmente peguei o livro para folheá-lo, apenas ler o comecinho e não percebi que já estava na página 60, até o telefone tocar e me interromper. O livro me pegou! Não resisti e continuei a lê-lo. Resumindo: Terminei a leitura em três horas e poucos minutos. Não me levantei do sofá um minuto sequer, o livro é perfeito.

A capa é simples e fofa, assim como a narrativa da autora e a diagramação da Novo Conceito. No entanto, o livro pode ser mais complexo do que aparenta.
Gostei da escolha do nome, até porque adoro março por ser o mês do meu aniversário. O detalhe das violetas (e outras flores como tulipas) possui um forte significado quando o leitor caminha rumo ao final do livro. Nos Estados Unidos, final de março é o início da primavera e a história abrange todo o mês de março. Porém está diretamente ligada a fatos ocorridos em 1943! Essa junção deliciosa de mistérios do passado e do presente é a melhor parte do livro!
Existem flores delicadas e discretas em todos os rodapés das páginas e embaixo de cada capítulo. É lindo, e sensível - assim como o livro.
A estrutura é montada em cima de vinte capítulos. Adorei o trecho de abertura que a autora escolheu, da música de Tom Jobim "As Águas de Março". Sempre me recordo de minha mãe cantar essa música quando eu era criança, para relembrar que meu aniversário estava chegando. Interessante a autora escolher uma música brasileira para inaugurar o livro. Ela fala a respeito no bate-papo.

Minha experiência com a leitura de As Violetas de Março foi muito agradável e logo nos primeiros parágrafos já me sentia familiarizada com o estilo de escrita da autora e com a narrativa da protagonista, Emily. Sim, o livro é em primeira pessoa e Emily é muito carismática, mesmo quando tenta não ser, mesmo quando é atrapalhada ou indecisa.
Existe uma narrativa dentro da outra. Emily lê um diário escrito em 1943 pela misteriosa Esther. Então o leitor conhece outra narradora, de outra época, com outro estilo. É tudo feito de forma simples, natural e com sentido.
A autora soube como encaixar os textos do diário, lido por Emily nos momentos certos. O leitor acompanha Emily em uma viagem física, pois ela sai de New York e vai para a ilha de Bainbridge, a oeste de Seattle; acompanha em uma viagem psicológica, porque Emily busca pelo sentido de sua vida; e acompanha uma viagem no tempo, tanto no passado de Emily quanto no de Esther. É uma verdadeira viagem literária, para Emily lendo o diário de Esther e para o leitor que lê As Violetas de março, uau!

A própria narrativa de Emily parece um diário. Cada trecho é datado, mostrando dia após dia do mês de março.
O início de tudo é o divórcio de Emily. Isso traz a tona lembranças boas e ruins e dúvidas sobre o futuro. Emily se encontra em meio às perguntas sobre si mesma e em como será sua vida após os planos principais não darem certo. Ela ainda é jovem, mas terminou um relacionamento de seis anos de forma brusca. Um casamento que parecia perfeito e feito para ser eterno.
Emily relembra que já teve seu livro publicado entre os mais vendidos do New York Times, já foi famosa, possuía uma legião de fãs... Tudo foi ficando para trás e caindo no esquecimento, porque apesar do sucesso, Emily nunca sentiu algo forte e sincero pela história que escreveu.

Ela resolve passar um mês de férias na casa de Bee, sua tia. Ela pretende descansar, superar o divórcio, encontrar um rumo para seu futuro, o que deverá fazer de sua vida e quem sabe... Inspiração para um livro?
Um livro que realmente tenha personalidade. Que não seja apenas uma ótima leitura como o anterior, mas que tenha algo pessoal, que seja importante intimamente para Emily.

O que deveriam ser férias reflexivas e relaxantes começa a ser um mergulho nostálgico. Naquele litoral puro, singelo e lindo, Emily começa a cavar a areia que cobre o seu passado. Ela deveria estar com a mente voltada para o futuro, porém não consegue evitar a saudade e pensar no passado se torna uma ação irresistível.
Relembra todas as férias que passara na casa de Bee, nas praias e locais de Bainbridge. Ela percebe o quanto esteve afastada disso, que faz parte dela.
Ao refletir sobre todas as passagens pela ilha e toda a sua vida, Emily percebe lacunas nos relacionamentos familiares, envolvendo a mãe, a irmã, os tios, os avós... até mesmo os moradores locais.

A peça que desencadeia todos os acontecimentos é a descoberta de um diário completamente desconhecido. Quem é ou foi Esther? E por que Emily se liga fortemente às páginas de um diário escrito por uma moça em 1943?
A cada trecho antigo lido Emily se envolve com a história de Esther e de certa forma se identifica com ela, mesmo sem saber a origem do diário e se realmente é um diário verídico. Seria um projeto de romance, de livro? O fato é que ela não consegue mais parar de lê-lo.

Claro que Emily não fica apenas trancada no quarto lendo um velho diário, ela está de férias em um paraíso de tranquilidade e faz inúmeras caminhadas pela praia, conhecendo a vizinhança pacata e ao mesmo tempo reencontrando muitas pessoas que fizeram parte das férias de sua infância e adolescência.
As personagens são interessantes. O que mais gostei nelas é que são de verdade, nada caricatas.
Várias delas são pessoas idosas e gostei como a autora colocou personagens em idade avançada, mostrando que não é porque são velhas que são desinteressantes. Muito pelo contrário: Foram essas personagens que mais acrescentaram positivamente algo à trama. Justamente por causa da idade, possuem uma bagagem de vida interessante e muitos, muitos segredos e mistérios. Elas fazem parte da história da ilha. E bacana também mostrar como pessoas idosas podem ser divertidas.

Completando o núcleo central existem dois homens no local que se interessam pela Emily. Afinal, ela é bonita, inteligente e recém-divorciada.
Um deles é um ex-namorado dela. Não esperava encontrá-lo, muito menos que sentiria algo por ele e vice-versa. Ele parece diferente do passado, mas ao mesmo tempo Emily repara em como aparenta não ter mudado muito. Ele é a representação do que ocorre com Emily em vários sentidos no livro: Presa entre o passado e o presente. Ela deve investir em algo que já faz parte do passado?
O outro é um vizinho de Bee totalmente desconhecido. Charmoso e misterioso. Emily percebe que embora acolhedor, o homem possui muitos segredos. Ele é uma incógnita que ela não consegue deixar de desejar descobrir. É a representação inconsciente da busca por algo novo que nasce em Emily. Vale a pena investir no desconhecido e arriscar o coração?
Não devemos esquecer que existe mais um homem: O ex-marido. Afinal, apesar do rompimento, Emily às vezes pensa nele e é complicado deixar de amar alguém da noite para o dia, mesmo quando o esforço para isso ocorrer é enorme.

Emily começa a desconfiar que talvez aquele diário não seja um simples texto escrito por alguém que almejara ser escritor(a). O diário passa a fazer cada vez mais sentido, passa a estar cada vez mais ligado à história da ilha e à família de Emily!
Ela está na verdade presa em um labirinto complexo, que passa a sair das páginas e a se refletir na vida de todos. Qualquer um pode estar interligado a uma antiga e chocante história.
Os segredos da autora do diário já fazem parte da vida de Emily desde antes dela nascer e envolvem muitas pessoas. Quais são os grandes mistérios que todos parecem esconder de Emily? E por que somente agora o diário veio parar em suas mãos?
Um momento decisivo que modificará muitas vidas para sempre. Um passado que não pode (nem deve) cair no esquecimento. É responsabilidade de Emily resolver todas as pendências relacionadas à Esther e o que ocorreu com ela!

A autora traz com sensibilidade um suspense que causa tanto curiosidade quanto carinho ao leitor. Quanto mais Emily tenta resolver os enigmas, sair do labirinto e montar o quebra-cabeça, mais charadas, obstáculos e peças faltantes atrapalham sua busca.
Será que em meio a tantas descobertas, dúvidas e choques, Emily conseguirá entrar em paz consigo mesma? Poderá se apaixonar novamente? Ter a inspiração verdadeira para seu novo livro? Se reerguer?
Emily não sabe mais quem está escondendo segredos, quem são as pessoas dos relatos de Esther ou se está pronta para amar de novo. Ela só tem uma certeza: Esther faz parte dela e o conteúdo do diário precisa vir à tona e seus mistérios resolvidos. Nem que para isso Emily precise retirar todos os esqueletos e fantasmas da família e da comunidade da ilha de Bainsbridge do armário.

Destaque para Esther e para como uma única pessoa pode marcar a vida de tantas outras. Mesmo décadas depois.
O final do livro é incrível. Quando o leitor pensa que terminou mais coisas acontecem. Inteligentemente todos os itens se reúnem para finalizar um romance muito bem escrito por Sarah Jio.
Mesmo eu tendo adivinhado boa parte das questões, a autora conseguiu, ainda sim, me surpreender totalmente!

+ resenhas em www.leitoraviciada.com
Thai 24/04/2013minha estante
gostei bastante da sinopse e fiquei simplesmente encantada pela capa e quero muito ler e me encantar, pois ja sei que esse livro vai me fisgar completamente e sua resenha me deu tanta curiosidade que eu preciso desesperadamente ler!


DomDom 24/04/2013minha estante
Confesso que se não tivesse lido essa resenha, não iria me interessar por esse livro, pois pela capa e sinopse, me parece ser um drama bem chato. O que acabou me ganhando foi saber que ele tem pitadas de mistério, e a narrativa agradável da autora. Enfim, se tiver oportunidade, lerei, sim!


Kelry 24/04/2013minha estante
Oi Tati, o livro me parece ótimo, logo que a história é emocioanante logo no ínicio da vida de Emily. Pela resenha vi que ela tem de enfrentar varias coisas. Com certeza é um dos meus desejados nesse mês.

Abraços.


Thici Rodrigues 25/04/2013minha estante
Não era fã desse tipo de história até que li o Preces e mentiras e gostei, acho que esse livro segue a mesma linha, estou com vontade de ler :D


Jessie 25/04/2013minha estante
parece ser tao lindo esse livro,perfeito


Claudia Alves 27/04/2013minha estante
Olá. Sua resenha tá incrível, fiquei muito curiosa e morrendo de vontade de ler, e essa capa que também é um mimo né.


Claudia Alves 27/04/2013minha estante
Olá. Sua resenha tá incrível, fiquei muito curiosa e morrendo de vontade de ler, e essa capa que também é um mimo né.


Claudia Alves 27/04/2013minha estante
Olá. Sua resenha tá incrível, fiquei muito curiosa e morrendo de vontade de ler, e essa capa que também é um mimo né.


Claudia Alves 27/04/2013minha estante
Olá. Sua resenha tá incrível, fiquei muito curiosa e morrendo de vontade de ler, e essa capa que também é um mimo né.


Claudia Alves 27/04/2013minha estante
Olá. Sua resenha tá incrível, fiquei muito curiosa e morrendo de vontade de ler, e essa capa que também é um mimo né.


Laura 27/04/2013minha estante
Que resenha linda, que livro lindo, já está na minha lista de compras. Estou ansiosa para lê-lo.


Bruna 29/04/2013minha estante
Excelente resenha como sempre Tati!
Bjos


Vanessa 30/04/2013minha estante
Oi Tati!
Primeiramente parabéns pela resenha! Super bem escrita!
Antes eu não dava nada por esse livro, mas depois que conheci a história, fiquei encantada por ela!
Adoro quando mesclam passado e futuro, e no final essas duas histórias acabam se tornando uma só!
Espero poder ler esse livro em breve!
Bejos ;)


Hianna 30/04/2013minha estante
Quando vi a capa deste me apaixonei, simplesmente perfeita. Comecei a ler diversas resenhas que só confirmaram o fato de que eu necessitava ler este livro, ouvi criticas positivas em relação ao trabalho da escritora e tudo isso só faz minha vontade crescer. Vi este livro por acaso, havia terminado de ler '' Como Romeu e Julieta'' outra obra perfeita que é contada em forma de diário e ai já viu. rs.
Parabéns pela resenha, sucesso!
( Hianna Suzart)


Manuella 30/04/2013minha estante
Amei esse livro! Só não dei 5 estrelas pq tenho livros muito queridos que são inesquecíveis.
Mas essa história é comovente e bonita, tem poesia e mistério. O diário é uma história dentro da história, o que enriquece mais a leitura e aproxima personagens... além de ser um ótimo quebra-cabeças pro leitor!
Indico para pessoas românticas e sensíveis!


Elaine 02/05/2013minha estante
O livro me parece otimo, depois da resenha me deu mais vontade de ler... bjussss...


Renata CCS 31/10/2013minha estante
Que bela resenha! Instigante!


Karen Dunkl 11/04/2014minha estante
Parabéns pela resenha. Fazia muito tempo que um livro não me surpreendia tanto assim. Achei que ia ser um pouco cansativo, mas logo quando eu percebi estava torcendo e devorando o livro dia após dia. Com certeza foi um bom investimento esse livro vale a pena!




Paloma Viricio 14/05/2013

O diário secreto e as violetas de março
Por Paloma Viricio

FICHA TÉCNICA
Autores: Sarah Jio
Titulo: As Violetas de Março
ISBN: 9788581632223
Selo: NOVO CONCEITO
Ano: 2013
Edição: 1
Número de páginas: 304
Formato/Acabamento: 16x23x1,9
Peso: 0.44 kg
Preço Sugerido: R$ 29.90
Área Principal: FICÇÃO
Assuntos: ROMANCE

NOTAS
Capa: 10
Conteúdo: 10
Diagramação: 10
Nota geral: 10 (Muito bom)


Visão Geral

O que seriam As Violetas de Março? Poderíamos dizer que grande parte Amor e pura primavera. “O amor não era uma flor de estuda, forçado a brotar, ainda que relutante. O amor era uma erva daninha que explodia em flor inesperadamente à beira da estrada”p.288. Emily Wilson é uma escritora famosa, mas que não gosta tanto desse rótulo, ela lá no fundo tem uma espécie de implicância com o livro que lançou e todo o sucesso que ele causou porque não sente que foi escrito verdadeiramente com o coração. Tudo estava aparentemente bem, até o momento que o marido dela, Joel, decide que vai viver com outra mulher. Em meio á turbulências causadas pelo divórcio, ela resolve passar um tempo na casa da tia avó Bee, em um lugar especial onde viveu momentos mágicos da infância, Bainbridge Island. “Eu era incapaz de ver se os lilases estavam florescendo, ou se os rododendros estavam tão exuberantes como me lembrava, ou se a maré estava baixa ou alta. Entretanto, mesmo no escuro, o lugar parecia efervescente e espumante, intocado pelo tempo” p.30.

Emily buscava na ilha a cura de um coração partido, inspirações para um novo livro, algo emocionante vindo do coração que ela pudesse se orgulhar, mas sem esperar nada daquilo encontrou muito mais, uma história verdadeira de amor, ódio, desencontros e mistérios. “Era um diário, pelo que parecia. Peguei-o e passei a mão ao longo da lombada. Ele era velho, e sua intrigante capa vermelha de veludo parecia gasta e puída. Toquei-a, sentindo uma pontada de culpa imediatamente (...) Apenas uma espiada na primeira página, isso é tudo” p.46 Ela passou a ler aquele diário, desvendar segredos de outras pessoas e dela mesma, juntar as peças e colher grandes lições que a vida estava cedendo gratuitamente para ela. Emily teve que enfrentar muitas dúvidas para encontrar o caminho da verdade. “Como o diário foi parar ali, no quarto de hóspedes de Bee? E por que Evelyn acreditava que aquelas páginas foram feitas para ser encontradas- para ser encontradas por mim?” p.171. E ela encontrou até mesmo respostas que não procurava.

Confira resenha completa em:http://palomaviricio.blogspot.com.br/2013/05/resenha-as-violetas-de-marco-sarah-jio.html

O trabalho O diário secreto e as violetas de março de Paloma Viricio foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.
Vanessa 16/05/2013minha estante
Oi Paloma!
Essa história parece ser realmente encantadora!
E é incrível, porque é um livro dentro de outro, então estamos lendo duas histórias ao mesmo tempo!
Espero ter a oportunidade de lê-lo em breve!
Bejos! ;)


Kelinha 16/05/2013minha estante
Oi Paloma, este livro realmente é incrível. Tenho ouvido sempre falar bem dele e com resenhas positivas iguais a sua. Com a sua resenha fiquei mais curiosa ainda pra ler. To apaixonada :)
Bjokas


Dressa Oficial 17/05/2013minha estante
Amei a resenha quero muito ler esse livro!

Beijos


Mimi 17/05/2013minha estante
Bacana a resenha e já me deu até vontade de ler este livro, tipo uma curiosidade que me da quando leio uma resenha...kkk Sou ansiosa demais, mais vou esperar para ganhar..Vem sorte!!


Letycia Menezes 17/05/2013minha estante
Adoorei a resenha..
Muito boa, soube falar de cada detalhe da história sem contar o final..
Boa sorte sempre s2


Beth 18/05/2013minha estante
Esse livro me parece nos fazer refletir sobre a nossa vida ,o que nos motiva e o que queremos.Nos faz pensar no que é mais importante na vida.Achei muito legal o seu jeito de falar sobre o livro.


Solange Antuano 19/05/2013minha estante
Já imaginava que o livro era bom. Amei essa capa, agora fiquei com mais vontade ainda de ler ele.
Gostei muito da resenha, com certeza pretendo ler ele futuramente.
Beijos...


Aline Cristina 22/05/2013minha estante
sempre leio resenhas positivas desse livro, apesar de não ser o meu estilo preferido de leitura achei a trama bem interessante, fiquei curiosa pra ler..


Hianna 23/05/2013minha estante
Me vi primeiramente apaixonada pela capa, linda demaaaaais!
Depois comecei a ler resenhas, todas ótimas e positivas que só me fizeram entrar em muitas promoções, infelizmente ainda não ganhei mais vou continuar torcendo e participando, uma hora eu ganho! :)


Drica Turca Adr 24/05/2013minha estante
Por conhecer Paloma,tenho certeza que esse livro fará muita diferença neste momento que estou vivenciando.


Sah 27/05/2013minha estante
Quando eu vi a pela primeira vez o livro, me apaixonei pela capa.
Mas achei melhor não comprar, porque fiquei com medo de não gostar.
Agora, depois da sua resenha, me arrependo de não ter comprado.
Parece ser o tipo de livro que eu precisava ler...
Mas fezes o que né?
Beijos


Saleitura 31/05/2013minha estante
Uma história muito linda e cheia de emoções! Tudo que vem do coração nos toca profundamente e Sarah Jio em As Violetas de Março nos leva a ver e sentir a grandeza do amor em sua plenitude. Como sempre suas resenhas são únicas.


Gel Borges 03/06/2013minha estante
Esse livro está na minha lista a muito tempo!
Gostei da sua resenha, me instigou a correr atras e ler logo!
Abraços!


Palomita 08/06/2013minha estante
Oi Paloma, adorei a resenha e fiquei com muita vontade de ler. Tô torcendo para ser a sortuda da vez!


vera munhoz 09/06/2013minha estante
Oi Paloma, esse livro parece ser ótimo! Adoro romance,mistério! Tudo de bom!


Laís Silva 10/06/2013minha estante
Bom livro ! *--*


Gustavo 15/06/2013minha estante
Adorei a resenha, fiquei curioso para ler o livro, abraçoss




House of Chick 13/10/2013

Vou começar a resenha descrevendo esse livro com a primeira expressão que me vem à cabeça todas as vezes que penso nele: esse é um livro de domingo à tarde. E isso, para mim, significa que esse é um livro leve, com um clima extremamente agradável, que nos dá certa nostalgia, mas que também nos faz sorrir, com certa tristeza.

Quando peguei Violetas De Março para ler, eu não tinha exatamente nenhuma expectativa. Eu nunca tinha ouvido falar do livro antes, e o nome da autora, Sarah Jio, não me era conhecido. Exatamente por não esperar nada do livro, foi uma grata surpresa quando o terminei e me descobri sinceramente tocada.

Emily Wilson é uma escritora que, uma vez, lançou um livro que se tornou um famosíssimo Best-seller, apresentando-a rapidamente para a fama e prestígio. Tudo deveria correr bem a partir dali, mas, depois de escrever esse livro, ela acaba sendo atacada por um enorme bloqueio criativo, que a impede de escrever qualquer coisa.

Alguns anos depois, apesar do bloqueio criativo, Emily estava casada e feliz, e seu casamento não tinha quaisquer problemas até que, de repente, seu marido a avisa que está apaixonado por outra mulher, e que quer terminar tudo. Sentindo que precisa arejar as ideias, Emily resolve passar um mês na casa da tia, na qual passava os verões quando era criança.

A ideia era se afastar de todos os problemas por um tempo. Mas, ao chegar à ilha de verão e descobrir um misterioso diário, Emily vai acabar descobrindo coisas que desconhecia sobre todos os habitantes da ilha, e, acima de tudo, sobre si mesma—coisas que podem significar o recomeço de sua vida e a descoberta de um novo amor.

Esse é um livro adorável. Primeiramente se apresentando como um simples romance e depois acrescentando algumas doses consideráveis de suspense, me envolveu completamente na jornada de Emily para descobrir o significado dos fatos relatados no diário, que tem uma ligação profunda com os habitantes da ilha. Os fatos se desenrolam sem pressa, não jogando nenhuma informação na sua cara—tudo é apresentado de forma gradual, tornando a história agradável.

A escrita de Sarah é maravilhosa e fácil, e ela intercalou bem os momentos de romance com momentos de drama que nos fazem querer chorar junto com os personagens. Por ser uma história realmente nostálgica, ela nos passa esse sentimento de saudade, e eu terminei o livro com um aperto no peito—o final foi razoável, mas não foi o que eu esperava, infelizmente. Todas as dúvidas foram respondidas, mas eu fiquei com a sensação de que poderia ter sido melhor.

Já a diagramação desse livro me fez querer abraçar a Novo Conceito, levar para casa e não soltar mais. A capa é linda, combinando perfeitamente com a história, e todas as páginas têm o detalhe de flores no rodapé, detalhe que também aparece nos inícios de capítulos. Livro lindo, um ponto positivo para a Editora Novo Conceito pelo capricho.

Enfim, esse é um livro para quem gosta de romance, um leve suspense (bem leve) e uma dose bem considerável de drama e nostalgia. Recomendadíssimo!

>> Comentários nessa resenha concorrem a prêmios!

site: Confira essa e outras resenhas no blog: www.houseofchick.com
Beth 13/10/2013minha estante
Um ótimo romance pelo que li aqui. Cheio de emoção, segredos e um certo grau de mistério. Ansiosa pra ler e descobrir o que tem nesse diário. Beijos.


Beth 13/10/2013minha estante
eleizabethmsalles@hotmail.com
?Chance Extra ? Estou participando da fan page da Editora Novo Conceito?.


Leila 14/10/2013minha estante
Adoro a capa desse livro, acho tão delicada! Não esperava que tivesse suspense na história. Quero ler, com certeza!
@Leila_C_S
Leila


"Ana Paula" 14/10/2013minha estante
Outro livro que ganhei e ainda não li! Vida de blogueiro não é facil! As vezes quero ler um livro mas tenho que passar os dos parceiros na frente! rsrsrsrsrsrsrsrs

Adorei sua resenha, eu havia me apaixonado pelo livro somente pela capa, achei linda demais! Em breve eu vou tentar lê-lo!

bjo^^


Tatielle 18/10/2013minha estante
Capa linda e titulo cativante, otima resenha, bom ler esse livro ouvindo uma musica leve e tomando café. Gostei e eu quero é claro! - fro_thielly@hotmail.com


Fabrício Rufino 18/10/2013minha estante
Me tras uma paz quando vejo esse livro, sinto uma fragrancia suave toda vez que o vejo, o titulo é agradável e a historia parece realmente muito boa!! :-) Espero tambem chorar com a leitura rsss...

fabricio-fenix2010@hotmail.com

Participando da fan page da novo conceito e na house of chick no skoob




Aione 12/04/2013

"As Violetas de Março" foi mais um dos livros que me conquistou nos primeiros parágrafos por conta da narrativa da autora. Minha conexão foi imediata por logo ter sentido as emoções em cada palavra escrita por Sarah Jio.
Não nego: apesar de não ter demorado a me apaixonar por sua escrita, achei que a história seria bem previsível. Quando Emily encontra o diário e começa a lê-lo, logo supus quem estaria por trás das personagens nele citadas. E, obviamente, eu me enganei. Conforme a protagonista se envolve com a história da década de 1940 através do diário por ela encontrado, mais pontos de interrogação foram surgindo em minha mente e impulsionando minha leitura para eliminá-los. Em determinado momento, eu já havia conseguido compreender parte do mistério, mas isso não modificou meu encanto pelo livro. Não fazia diferença se ele iria ou não ser surpreendente, eu apenas queria acompanhar seu desenrolar.
A história é tão linda quanto promete e, como citado, a escrita sensível da autora a tornou ainda mais bela. Foi impossível não me encantar, tanto pela história transcrita no diário quanto pela vivida por Emily. Ainda, o livro "Years of Grace" de Margaret Ayer Barnes, publicado em 1930 e vencedor do prêmio Pulitzer de 1931, era desconhecido por mim até esse momento e sua importância na história - a maneira com que conecta a de Emily com a do diário - fez com que eu desejasse lê-lo no instante em que terminei a leitura de "As Violetas de Março".

“A comovente história contada em suas páginas, de amor, perda e aceitação, de paixões secretas e do peso dos pensamentos privados, mudou para sempre a maneira como eu via minha própria escrita. (...) Joel nunca a havia lido, e eu estava feliz com isso. Era muito íntima para compartilhar. Para mim, era como as páginas de meu diário jamais escrito”
página 12

É difícil falar de uma obra quando ela mexe tanto conosco. Confesso que não me debulhei em lágrimas, mas me envolvi por completo com o livro, tanto por ter gostado da maneira de como a autora o desenvolveu - misturando romance com mistério, mesclando passado e presente, ficção com realidade em meio ao cenário encantador de Bainbridge Island – quanto pelo fato de ser um exemplo perfeito do tipo de história que me agrada: um grande amor, a ação do tempo e do destino, a força das escolhas em determinar e modificar seu rumo.
Foi, principalmente, a história do diário que mais me tocou. Ao mesmo tempo em que eu torcia pelas personagens, eu me irritava com suas atitudes e não pude deixar de pensar no quanto somos nós os responsáveis pelas alterações sofridas em nossas vidas por conta das escolhas que fazemos em momentos nos quais estamos tomados por nossas emoções, e no quanto infelizes coincidências também podem nos influenciar. Além disso, a escrita utilizada pela autora para criar o diário conseguiu ser ainda mais sensível do que a usada em sua narrativa.

“E então, de repente, braços me envolveram. Não vacilei ou me afastei; eu conhecia seu toque, conhecia o cheiro de sua pele, o padrão de sua respiração – eu conhecia tudo de cor.”
página 150

Acredito que não há muito mais a ser dito além disso. O livro me encantou por completo, de sua escrita ao seu enredo, e não sou capaz, nesse momento, de avaliá-lo de maneira imparcial. Se você gosta de romances intensos e ternos, que se fazem complexos por conta da humanidade de quem os vive e sente, então não deixe de ler a obra de Sarah Jio. Eu realmente espero que outras obras da autora sejam publicadas por aqui pela editora.
E não posso deixar de comentar: o quote escolhido pela autora para marcar o início de seu livro foi o de Tom Jobim, em "Águas de Março": “São as águas de março fechando o verão/É a promessa de vida no teu coração”. Em inglês: “And the riverbank talks of the waters of March / It’s the end of all strain, it’s the joy in your heart”. É ou não muito amor para nós, brasileiros?
Geovanna Ferreira 12/04/2013minha estante
Mí do céeeeeeeu! Necessito desse livro! Passado + emoção + mistério + humanidade nos personagens = eeeeu kkk adorei sua resenha, muito, apaixonada! kkk Leitura de 2013 pra ontem!


Manuella 19/04/2013minha estante
Sim, acabo de ler e é mesmo lindo.
Senti meu coração aquecido, cheiro de esperanças adormecidas e agora, um olhar mais confiante... essa foi a sensação que o livro me trouxe. Terminei com um sorriso enorme, além de lágrimas nos olhos.
Ressaca literária certa!


Taíse Araújo 03/06/2013minha estante
Acabei de ler ! eu fiquei simplesmente apaixonada por ele , fiquei muito comovida com a história e com um gostinho de quero mais .


Caroline Fortunato 04/06/2013minha estante
Desde o início eu achei que seria parecido com "A última carta de amor", da Jojo Moyes e um dos meus livros favoritos. A escrita da Sarah é boa, mas o livro da Jojo é mais romântico e tem um final melhor para todos. De qualquer forma, gostei muito desse livro, é um livro que se destaca desses últimos 'romances' que povoam as prateleiras das livrarias com suas história de sexo, lobisomens e vampiros, ou quaisquer outras atrações. É um livro limpo, simples, com uma história comovente, que poderia ter sido real e que nos faz pensar sobre nossa vidas e sobre nossas decisões e culpas.


llinelyra 26/03/2017minha estante
Obrigada Aione por essa resenha pois foi através dela que eu cheguei a esse livro INCRÍVEL! Amei cada pedaço dessa história e a maneira como ela me tocou..




Yasmin 06/06/2013

Trama bem construída, com um bom quebra-cabeça e ambiente vívido.

Desde que soube que a Novo Conceito havia comprado o direito de publicação de vários livros da autora Sarah Jio fiquei animada. Já faz algum tempo que estou gostando cada vez mais de um certo tipo de romance e os livros da autora se encaixam nesse perfil. Romances com tramas que envolvem o passado, segredos e um ambiente diferente. Em seu primeiro romance Sarah Jio explora com destreza e propriedade uma trama de família que surpreende aos poucos se mostrando mais intricada e densa do que se sugere a primeira vista.

Emily está assinando o divórcio. Depois de dez anos a vida de Emily parece estar desaparecendo. Há dez anos ela era uma escritora best-seller e tinha como marido um dos homens mais desejados de Nova York. De lá para cá ela entrou em um bloqueio impossível da qual não consegue sair nem com ajuda da terapeuta. Mas o pior é que nem mesmo o divórcio conseguiu fazê-la chorar. Seguindo a sugestão de sua melhor amiga e em uma estranha sincronia com sua tia-avó Emily arruma as malas e atravessa o país de volta a Bainbridge. Sua ideia é passar o mês de março na ilha, se refazer do divórcio e quem sabe quando voltar escrever um novo livro. Algo que tenha realmente a ver com si própria. Já na primeira semana seu retorno se mostra proveitoso. Emily encontra velhos conhecidos, descobre novas amizades entre elas Henry, o estranho senhor e recluso vizinho que sua tia-avó evita e o Jack, que surpreendentemente ela não conhecia de seus tempos de infância e adolescência na ilha. Porém o que detém a atenção de Emily é o diário que ela encontra escondido na gaveta do quarto onde está hospedada. A história de Esther e de um romance há muito tempo passado. Uma história comovente e trágica que Emily não consegue esquecer. Quem será Esther? E os demais envolvidos? A história realmente aconteceu na ilha sessenta anos atrás? E se aconteceu onde estariam aquelas pessoas? Uma história que vai revelar a Emily muito mais do que seu talento de escritora, mas o próprio passado e os segredos intocados de família que alteraram sua vida.

A premissa é basicamente essa e é surpreendente notar que Sarah Jio consegue nos contar uma história repleta de surpresas, mistérios e complexidade em trezentas páginas. Com uma escrita fluida e uma prosa direta Sarah Jio apresenta uma gama de personagens variados e uma trama que peca em poucos pontos. É uma estreia notável. Numa concisão elegante e precisa a autora desenvolve um ambiente único, com belas descrições que aliada a trama do diário rendeu uma ótima história. Interligando o presente ao passado de forma sutil e inteligente a autora consegue um quebra-cabeça instigante que prende a atenção do leitor e se mostra cheia de surpresas. A forma como a vida de Emily se entrelaça com a história do diário foi acertada e as nuances que dividem as duas épocas e principalmente as duas personagens foram bem marcadas.

Emily é uma personagem boa, que cresce aos olhos do leitor aos poucos e que como escritora se utiliza bem dos recursos que tem para descobrir a verdade sobre o diário e sobre a ilha. Ao se distrair do seu divórcio e dos relacionamentos sua figura ganha força e a história idem. O único ponto que ofusca a estreia de Jio é o tratamento que ela deu aos relacionamentos. Tanto o divórcio de Emily e aquela cena próxima ao final totalmente fora de lugar quanto os dois encontros que ela tem em menos de uma semana da ilha. Pequenas coisas, mas que pode tirar o brilho para os leitores mais exigentes. O final foi satisfatório e encerrou bem ao unir passado e presente. Um tanto triste, mas ainda assim belo e misterioso. Como uma promessa.

Leitura rápida, agradável e de ritmo cadenciado, que instiga o leitor em busca da verdade sobre os personagens e não apenas da solução. Sarah Jio é uma autora que nessa estreia prova que merece atenção. A edição da (...)

Termine o último parágrafo em: http://www.cultivandoaleitura.com/2013/05/resenha-as-violetas-de-marco.html

comentários(0)comente



Angélica 31/05/2013

Repleto de mistérios... Muito bom!
Aiii gente, que livro bacana!
Já começa pela capa... Delicada e linda, refletindo bem o que é a obra!
A história é muito envolvente! Você começa a ler e não consegue largar mais!
É uma mistura de romance com suspense, contendo uma trama muito gostosa.

Tudo começa quando Emily Taylor, que é escritora, separa-se do marido e resolve passar um tempo na casa de sua tia, que fica em uma pequena ilha, para reorganizar a sua vida e tentar escrever um novo livro.
Faz cinco anos que Emily não consegue escrever nada. A inspiração não aparece e, além disso, ela está em busca de uma grande história - algo profundo, que seja dela mesma e não uma simples história como foi o seu livro anterior.
Sua tia, conhecida carinhosamente pelo apelido Bee, adorou quando soube que Emily iria passar um tempo em sua casa! Pois, ela é uma senhora com mais de oitenta anos, sem filhos e, apesar das amizades que possui na ilha, sente-se solitária. Sendo assim, recebe Emily como se fosse sua filha e a hospeda em um dos melhores quartos de sua enorme casa. E é exatamente nesse quarto que o mistério começa...
Emily encontra dentro da gaveta do criado-mudo um diário contendo uma história de amor que se passa na década de 1940. Conforme ela vai lendo o diário, mais intrigada vai ficando... No início, não entende se a história é real ou fictícia e, depois, começa a ficar preocupada com as revelações que vão ocorrendo entre uma página e outra.
Enquanto a história do diário encontrado vai fluindo, Emily vai aproveitando para passear pela ilha, reencontrar antigas amizades e conhecer outras pessoas. E, assim, ela conhece Jack... Mais um personagem cheio de mistérios...

Mas agora CHEGA! Não vou falar mais nada sobre a trama para vocês! :p Pois, vocês precisam lê-la e deliciar-se em suas páginas!

Este livro é bom demais! A autora, Sarah Jio, nos deixa hipnotizados com a sua narrativa e o suspense nos prende até a última página!

Eu apenas não dei cinco estrelas ao livro, porque senti falta de mais profundidade e intensidade com relação aos sentimentos e emoções dos personagens. Mas, mesmo assim, o livro é muito bom!!

Outro fato importante de mencionar é a beleza da diagramação da obra! A Novo Conceito caprichou!
Além dessa capa linda, as páginas são decoradas com pequenas flores - uma delicadeza só!

Portanto, se você gosta de romances, que se passam em pequenas cidades (amoo isso!), repletos de mistérios e personagens que deixam saudades, Violetas de Março é leitura obrigatória!

Super recomendo! :D

** GANHE 1 KIT DO LIVRO EM: http://pensamentotangencial.blogspot.com
E confira outras resenhas! :D
Regiane (Carrie) Alencar 01/06/2013minha estante
Eu li sua resenha e fiquei interessada. Julgando o livro pelo nome, não me interessei, só depois q li sobre ele. rs
Atire a primeira pedra quem nunca teve um bloqueio de escrita; rs


Jú Azevedo 03/06/2013minha estante
Lendo a resenha e amando, até que chego na parte " E, assim, ela conhece Jack..." e de repente fico desesperada por não ter falado mais sobre ele. A capa do livro é linda e saber que tem flores nas páginas me deixou ainda mais animada. Estou muito interessada pra ler o livro, principalmente pra enter o seu título (essa é a melhor parte)! Nasci em março e quero descobrir os mistérios dessas violetas ! Parabéns pela resenha


Raíssa Araújo 04/06/2013minha estante
Ai que tudo, amo romances, amo histórias em cidades pequenas, amo história que me prende... Quero tanto ganhar esse livro! Fiquei curiosa, parabéns pela resenha.


Luciana 07/06/2013minha estante
Olhando só pela capa nem parece que o livro tem esses ares de suspense! Pela resenha, parece surpreendente mesmo.


Camila B. Monteiro 09/06/2013minha estante
Esse misto de romance e suspence tem tudo para funcionar.
Já li resenhas falando que esse livro é leve e gostoso de ler, mas tenho impressão que é bem mais denso do que dizem! Mesmo assim a temática me atrai muito, tô querendo ler essa obra sim!

Muito boa sua resenha! Beijos!


Rhay 13/06/2013minha estante
Se fosse julgar o livro pela capa com toda certeza eu não o leria mais lendo a resenha me encantei e não vejo a hora de lê-lo *-*


Cristiane 20/06/2013minha estante
Deu muita vontade de ler, amo livros assim


Paula Baia 24/06/2013minha estante
Ai esse livro pareçe ser perfeito, ate a capa dele é perfeito e tão doce *-* deu muita vontade de ler, assim que puder eu leio ..


Gabi 28/06/2013minha estante
Quero ler!


Francini Aguiar EeP 28/06/2013minha estante
Fiquei enlouquecida quando vi a capa, que coisa mais liiinda!!! Agora, após ler a resenha quero mais ainda @@ Parece uma história muito fofa e envolvente, como os romances devem ser. Amo livros antigos e este é novo, contando sobre um amor passado em 1940, escrito em um diário *____* certeza que vou amar


Katia 29/06/2013minha estante
Quero mto ler!!




Lucia M. Segaty 14/04/2015

ahmm? O que foi isso?
Uma personagem que prefere a sua infelicidade e a infelicidade de outros, inclusive de sua própria filha, optando por tomar uma decisão egoísta, imbecil e ridícula, além de absurda, é tida como a heroína da história? Oh! Que pessoa incrível ela era... era única!! Ahmmm??? Uma mulher de mais de 80 anos que ajuda a carregar um caixão? Emily encontrando-se e curando-se? How? Fiquei realmente decepcionada, um livro que fere minha inteligência, dói. Mas por educação, peço desculpas se sou contrária à maioria e expresso aqui meu descontentamento.
Zana 12/02/2017minha estante
Entendi perfeitamente seu descontentamento, pois ao término fiz as mesmas indagações!




Jessi 19/07/2013

As violetas de março me trouxe uma nova percepção do chamado gênero romance.

Incrivelmente surpreendente, Sarah Jio nos leva, através de sua maravilhosa narrativa, a adentrarmos ao mundo de Emily, que pensava ter uma vida maravilhosa, com um marido maravilhoso... Mas não foi bem assim que aconteceu.

Emily é uma escritora consagrada de Nova York e tem a vida perfeita. É pega de surpresa quando seu marido a troca por outra mulher. E, sem saber o que fazer, sua amiga Anabelle a aconselha a passar um tempo fora, longe de todos os seus problemas.
E é aí que todo o encanto começa.
Ao chegar na ilha onde sua tia Bee mora, Emily se pega num mundo de surpresas e segredos. Reencontra amigos e amores antigos, e no meio disso tudo, encontra um diário que mudará completamente sua vida.
Cada personagem que entra na história tem seu ponto importante dentro dela. Cada um tem seu papel importante dentro da história, onde, só se desenrola no final.
A forma como a autora enrola e desenrola o triângulo amoroso entre Emily e seu antigo amor de infância e entre Emily e Jack é um pouco improvisado no meio da história. Fica muita coisa em aberto.
E a partir daí, o passado nunca teve tanta importância na vida de Emily como no momento em que ela o descobre.

Com um começo cru, tive a impressão que a história seria como todos esses romances que a gente vê por aí. Onde a mocinha encontra um amor, e tudo acontece naturalmente... Devagar Sarah nos guia a uma série de acontecimentos marcantes e angustiantes, e a cada página virada é uma nova descoberta.

A forma como Sarah nos leva da narrativa de Emily à dentro do diário de Esther, é fantástica.
As vezes me pegava dentro de cada uma das histórias, querendo de alguma forma juntá-las e fazê-las serem uma só. Encontrar pontos que liguem uma história a outra, identificar características semelhantes entre Esther e Emily, e no final, com a tão incrível descoberta... Adorei!

Enfim, se você procura um livro leve mas surpreendente, com certeza essa é uma ótima pedida. A forma de narrativa de Sarah é encantadora.
comentários(0)comente



Rose Guimarães (@rosilealove) 03/12/2013

Boa surpresa, boa leitura.
Confesso que não fui ler esse livro com muita empolgação, pensei que se tratava de mais um Romance no estilo água com açúcar. Veja bem, não que eu não goste de Romances água com açúcar de vez em quando, porém, ainda assim, não é meu gênero preferido. E volta e meia sinto necessidade de ler coisas mais fortes, mais densas. Pois bem, logo nas primeiras páginas já notei que talvez esse fosse mesmo diferente, e no decorrer da leitura foi exatamente isso que aconteceu. Me surpreendi com a história e até com a narrativa, que fluiu muito bem para mim. O livro tem alguns mistérios que só vão ser resolvidos para a personagem principal, Emily, nos últimos capítulos. Isso faz com que o leitor se prenda mais na leitura e tente descobrir o que ocorre principalmente em um acontecimento bem trágico, que acontece em um passado bem distante da vida de Emily. Os mistérios no livro vão se desvendando aos poucos, mais ainda assim, não por completo. O quebra cabeça vai se montando até que a grande questão se revele. Eu consegui tirar boas reflexões desse livro. Uma das principais é que, se uma pessoa agir de acordo com um julgamento precipitado sobre uma situação ou alguém, pode mudar uma vida inteira e não ter volta. Recomendo, pois a surpresa foi legal. É um livro bom, nada que mudou minha vida, mas vale a leitura, sim!

Obs.: Esse livro foi enviado para mim pela Editora Novo
Conceito como Cortesia ganha aqui no Skoob. :)

site: http://rosevasconcellos.wordpress.com/2013/11/24/as-violetas-de-marco-sarah-jio/
comentários(0)comente



Bárbara @versosenotas 15/10/2015

Resenha: Violetas de Março
As Violetas de Março é um livro leve, cativante, doce que nos prende do início ao fim. Recheado de mistérios, minha expectativa em relação ao desfecho era bastante alta e, posso dizer, que foi alcançada.

O livro narra a história de Emily, uma escritora que tenta retomar sua vida após o divórcio. Para isso, ela aceita o convite de sua tia Bee de passar um mês em Bainbridge Island, uma ilha onde viveu ótimos momentos de sua infância. Mas, ela não podia imaginar que sua estadia lá não seria nenhum pouco tranquila. Reencontros e mistérios surgem desde a primeira semana e a jovem se vê perdida tentando desvendar o passado de sua família para entender seu presente e possível futuro.

"Emily, a ilha tem toda uma maneira de chamar alguém de volta quando é hora. Venha para casa. Sinto saudades de você, querida. Com todo meu amor, Bee."

No meio a tantos mistérios, Emily encontra Greg, um namorado de infância que, incrivelmente continua bonito. Para mexer ainda mais com seus sentimentos, ela conhece Jack, um artista lindo, porém misterioso que não agrada em nada a tia Bee.

"E então, de repente, braços me envolveram. Não vacilei ou me afastei; eu conhecia seu toque, conhecia o cheiro de sua pele, o padrão de sua respiração – eu conhecia tudo de cor."

Durante essas semanas na ilha, Emily passa por diversas situações e experimenta emoções que tanto sonhou viver um dia.

Este é um daqueles livros que nós lemos sem sentir o tempo passar. Sua leitura é leve, doce, romântica e recheada de mistérios. Tive uma certa dificuldade em resenhá-lo, pois gostaria de transmitir a vocês as mesmas sensações que recebi durante a leitura. No entanto, percebi que isso só é possível lendo então, por favor, leiam este maravilhoso livro.

"Deixo-lhe um pensamento, um pensamento sobre o amor que me levou a passar por muitos fracassos: o grande amor perdura ao tempo, à mágoa e a distância. E mesmo quando tudo parece perdido, o verdadeiro amor vive."

O livro tem quotes inspiradores e, em nenhum momento me vi entediada. Muito pelo contrário, a escrita da autora me surpreendeu e a narrativa foi tão bem criada que eu queria que o livro não acabasse nunca, só para eu ter o prazer de continuar desfrutando dos encantos e mistérios da Bainbridge Island.

Já ouviram aquela frase em que diz: Às vezes você pega o livro, mas outras é ele que te pega? Foi isso que aconteceu comigo ao ler este livro. Eu esperava uma leitura agradável, mas me deparei com mais do que um belo romance. O livro é inspirador e nos oferece várias lições de vida.

Ao final da leitura, eu aprendi algo muito importante: não deixemos que nosso orgulho seja mais forte que o amor existente em nosso coração, pois a vida é muito curta para se desperdiçar momentos únicos com pessoas que amamos.

"Pensei muito sobre a possibilidade de escrever para você, e minha conclusão é esta: a vida é muito curta para se preocupar com as consequências quando se ama alguém como eu a amo. Por isso, escrevo-lhe essa carta como um soldado faria, sem medo, sem dúvida e sem saber se ela pode ser a minha última."

Adorei conhecer a escrita da Sarah Jio e acompanhar o lindo romance criado. A diagramação do livro é boa, as folhas são amarelas e com flores na borda o que deixa a leitura ainda mais cativante.

Visite o blog: http://versosenotas.blogspot.com.br/ onde tem essa resenha e muito mais!!


site: http://versosenotas.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Alana Homrich 11/06/2013

Depois de muitas leituras que não foram tão legais, acabei lendo um dos livros que a editora Novo Conceito mais apostou para o mês do lançamento. Foi uma ótima decisão, pois já fazia algum tempo que eu não madrugava para terminar de conhecer alguma história.

Após ser traída por seu marido, Emily Wilson, uma escritora de sucesso, decide repensar a sua vida em um de seus locais favoritos: Bainbridge Island. Quando pequena, ela adorava os verões que compartilhava com a sua tia Bee na pequena ilha, mas, com o passar do tempo, elas foram se distanciando, e agora é o momento de voltar tudo ao ser o que era.

Porém, ao invés de encontrar um local tranquilo, Emily está prestes a descobrir um dos maiores segredos de sua família. Ela encontrou, no quarto em que está hospedada, um antigo diário, de 1943, que acreditava ser ficção, mas era muito mais próximo da sua realidade do que imaginava.

“Apenas um espiada na primeira pagina, isso é tudo."

Simultaneamente, ela reflete sobre as perdas, os amores, as verdadeiras amizades e as crises de ser uma escritora.

“As violetas de março” foi uma surpresa positiva para mim, eu esperava algo clichê, e acabei encontrado muito mais do que dois corações apaixonados. Com uma escrita cativante, Sarah Jio criou uma história de reflexão muito boa. Simplesmente recomendo.
comentários(0)comente



Léia Viana 04/07/2014

Achei um charme
É um doce de leitura esta história, fiquei encantada com o charme, a leveza e os detalhes da narrativa, fazia muito tempo que estava com vontade de ler algo que me deixasse sonhar acordada, que me fizesse suspirar, mesmo que breve. O mistério que envolve a narração foi na medida certa, não curti muito a perfeição dos acertos finais da história, mas isso não tirou o brilho da obra, especialmente por ter personagens tão bem construídos e com diálogos tão maduros, o passado e o presente foi mesclado na história, sem interação um com o outro, mas com um ritmo perfeito, não senti em momento algum a necessidade de um estar ligado ao outro como normalmente alguns escritores fazem.

“Abri minha bolsa e tirei meu laptop com um senso de propósito e de clareza que não sentia havia anos. Olhei para o cursor piscando na tela em branco, mas dessa vez era diferente. Eu sabia como terminar a história de Esther agora. Sabia como ela começou, e sabia como terminou. Cada palavra dela.

Achei a capa suave, simples e bonita, combina lindamente com a história, com o recomeçar da vida, com a fé e a força que temos que ter todos os dias. Um charme a citação que abre a história ser um trecho da música de Tom Jobim :”Águas de Março”, combina lindamente com o tema da narrativa: “...é a promessa de vida no seu coração...”

"Porém, quando o relógio digital no corredor mudou de 11h59 para meia-noite, percebi que havia uma outra história para escrever primeiro. Havia chegado o primeiro dia de abril – um novo dia, um novo mês, e o inicio de uma nova historia, minha historia, e eu mal podia esperar para começar a escrevê-la.”

Leitura recomendada!

comentários(0)comente



Julia G 06/06/2013

As Violetas de Março - Sarah Jio
"- Você ainda está lendo o diário?
- Sim - confirmei. - Mal posso guardá-lo.
Ela espiou a passarela para ver se Bee estava voltando.
- [...] preciso que você saiba de uma coisa: essa história que você está lendo guarda muitos segredos... segredos que podem mudar sua vida hoje. Sua. De sua tia. Dos outros.
- Eu gostaria que você pudesse me dizer do que se trata tudo isso - falei, esperando não parecer muito impaciente.
- Sinto muito, querida - ela se desculpou. - Esta é a sua jornada."


O casamento de Emily acabou da pior forma possível: seu marido a trocou por outra mulher. Ela ainda o amava, esperava que ele voltasse e estava disposta a perdoar sua traição... Mas ele não voltou e ela recebeu, por correio, o convite do casamento dos dois. O pior de tudo, era não ter um plano para seguir adiante. Seu livro, que se tornara um best-seller há alguns anos, ainda rendia frutos, mas não era algo de que ela realmente se orgulhasse. Desprovida de insights criativos e daquele com quem queria formar uma família, era hora de Emily retornar a Bainbridge, a ilha onde passava seus verões quando criança.

Na casa de Boo, tia de Emily, ela tenta se reencontrar. Um antigo diário desconhecido, de alguém chamado Esther, torna-se sua principal companhia, desperta nela emoções novas, uma ligação com alguém importante do passado, ao mesmo tempo em que a liga ao presente, permitindo que Emily redescobra sentimentos e se apaixone.

Sair imune à leitura de As Violetas de Março, de Sarah Jio, é quase impossível. Com um primeiro capítulo um tanto incomum, há certa conexão com a história já nas primeiras páginas, e o restante não decepciona. O enredo é lindo, e transborda amor: amor de amigos, amor de amantes, amor fraterno, de mães e pais. A probabilidade de se sentir tocada pela obra é imensa, e talvez não se possa nem dizer exatamente o porquê.

As páginas correm rápido: há vínculos, ligações, que estão envoltas em neblina e queremos penetrar mais fundo para enxergar melhor. Os mistérios a serem desvendados fazem ler sempre alguns capítulos mais. A mistura entre passado e presente - duas histórias de vida paralelas, e que se tocam no "infinito" - perfeitamente entrelaçada. A história de Emily já é envolvente, mas conhecer mais Esther é como mergulhar em um mar profundo e agitado, que ninguém consegue prever nem controlar. Esther é impetuosa, inflexível, e isso não são elogios, mas o são, ao mesmo tempo.

E eu só consigo pensar no quanto se perde por impulsividade; tanto amor mal resolvido, mal entendidos que vão afetando a todos como reações em cadeia. O coração doía e ficava pequeno, mas foi possível sentir e se encantar com tudo aquilo que nem as tristezas nem o tempo conseguem destruir ou amenizar. Espero que isso que acabei de dizer seja inteligível, mas não posso especificar detalhes para não soltar spoilers. Só tenho a dizer para os românticos de plantão que, enquanto houver amor, há solução.

E a Ilha. É como se Bainbridge fosse também protagonista do livro e tivesse vida própria. Como se tudo por lá se tornasse mágico e mais intenso. E mais lindo. Simples assim.
comentários(0)comente



Yara Andrade 29/07/2013

Não sou fã do gênero romance, mas reconheço que mesmo livros deste gênero podem me surpreender. Pensando assim, de vez em quando sempre pego algum livro deste gênero para ler e fico feliz que tenha escolhido As Violetas de Março dessa vez porque apesar das minhas ressalvas, As Violetas de Março me surpreendeu.

Emily Taylor é uma escritora de sucesso que acaba de se divorciar. Então ela resolve deixar a cidade por um tempo para ir para a ilha que passava as férias na infância e na adolescência para ficar com sua tia Bee. E é na casa de Bee que ela encontra um misterioso diário.

Uma das coisas que eu mais gostei foi a narrativa envolvente da Sarah Jio, e como ela conseguia diferenciar a escrita dela no diário de Esther e no presente que é narrado por Emily. No entanto, achei a narrativa dela meio travada no inicio, mas depois a escrita dela se torna bem leve e ágil.

A história do livro inicialmente parece ser muito simples e até um pouco obvia, mas ao decorrer da leitura, ela vai ficando cheia de mistérios e se mostra um romance muito inteligente. O enredo me prendeu totalmente e quanto mais mistérios apareciam eu criava mais e mais teorias. O desenvolvimento da estória é meio lento, mas tudo que acontece antes do desfecho tem um porque e o final é muito lindo e muito surpreendente.

Sarah Jio me conquistou com a estória e ainda mais com os personagens, todos eles são tão cativantes, criveis e bem trabalhados que eu não conseguia largar o livro porque queria saber se eles iriam ficar bem e qual era a relação de cada um com o diário de Esther.

E além do livro possuir uma capa linda e uma estória linda, a diagramação também está fantástica e dá todo um toque especial ao livro.

Com certeza eu recomendo este livro, é um romance leve e envolvente com um mistério muito bem escrito. É um livro tocante e encantador, e que pode agradar a todos, fãs de romances ou não.


site: http://palavrasdeumlivro.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



169 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |