O Mágico de Oz

O Mágico de Oz L. Frank Baum




Resenhas - O Mágico de Oz


339 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Ginger 24/03/2010

Magnífico.
Dorothy, a menininha indefesa e pura que guia todos pelo caminho do bem. O espantalho, que apesar de não etr cérebro tira sempre as conclusões mais inteligentes. O leão, que não tem coragem mas enfrentaria o mundo por quem ama. O homem de lata, que se mostra super emocional apesar de não ter coração. Totó, que está feliz só pelo fato de ter sua Dorothy. Oz, que não é lá essas coisas mas é visto como grande líder, e passa a vida toda se escondendo atrás de uma máscara de bonzão... E todos juntos, cada um com seu defeito, se mostram COMPLETOS.
E outra coisa que me marcou nesse livro, a cidade de porcelana... Onde seus habitantes não saem do seu mundinho com medo se tornarem duros, e não se relacionam com ninguem com medo de se quebrarem...

Indico a todos...
francisco f. 09/04/2010minha estante
Muito bom, muito bom.



Percebe-se que você leu as entrelinhas, cara. E é isso que torna um livro bom/especial, faz de "infantis", livros "filosóficos"...



A histórias todos 'acreditamos' conhecer; muitos clássicos em desenhos e contos foram criados, mas nada como o livro, a obra original, pra saber de fato do que se trata.



Saiba que foi pela sua resenha que decidi clicar em 'VOU LER'! (Y)





Valeu. Abraço...


Ginger 17/06/2010minha estante
Muito Obrigado KKK
O livro é simplesmente uma lição de vida... Livros infantis sempre de exerceram certo fascínio, e os personagens são apaixonantes... Pretendo reler um dia :x




Roger 29/06/2010

Sobre Bruxas e Lobos
Quando criança adorava passar as madrugadas assistindo aos clássicos de terror. Obviamente, como toda criança, depois me cagava inteiro na hora de dormir. Porém, nada em minha infância permeada de vampiros, múmias, lobisomen e monstros afins, trouxe tantas noites em claro quanto uma antiga adaptação de "O Mágico de Oz".

Bruxas malvadas exigindo o escalpo da pequena Dorothy não me parecia na época uma fabulazinha inocente. Reminiscências à parte, o conto hoje não traz os pesadelos de outrora, mas definitivamente está longe de ser uma inocente historinha infantil.

Escrito em uma época em que não havia o conservadorismo chato do discurso politicamente correto, os bondosos personagens da saga não medem esforços para alcançar seus objetivos, mesmo que para isso precisem decapitar gatos selvagens e lobos, torcer o pescoço de corvos, destruir enxames e derreter bruxas.

Preservação ambiental e não-desmatamento são palavras inexistentes no vocabulário do Lenhador de Lata e seus companheiros. Fosse escrita nos dias atuais tal obra seria queimada nas fogueiras da inquisição da santa hipocrisia. Em resumo, excelente livro para crianças, jovens e adultos.
comentários(0)comente

spessoto 24/02/2010minha estante
Nossa, eu achava que era o único que morria de medo da antiga adaptação do filme, chegando a fechar os olhos na cena com os homens de lata :P




francisco f. 26/06/2010

Cérebro; coragem; coração. Se lhe falta algo, que te sobre a Amizade...
Um livro incrivelmente cativante; somente a ele, de todos que li, se aplica, corretamente, o velho clichê de que: 'será transportado para dentro dessa fantástica historia...' As detalhadas e nada prolixas linhas de Frank Baum fazem com que se tenha uma noção exata do cenário e sensações de cada personagem. Em poucas paginas se desenvolvem grandes e fantásticas dimensões, que não lhe sobram brechas...

Este livro representa pra mim o que 'Alice no País das Maravilhas' significa para muitos; em outro contexto, num outro conceito.

'O Mágico de Oz' através da simplicidade (também de vocabulário) no desenvolver da história passará para você grandes lições, aqueles que não as perceber não deveriam ter-se dado sequer ao trabalho de ler. AMIZADE posta como um pano nada de fundo. E os valores de cada personagem, bem definidos. Me arrisco a dizer que este livro esconde muito mais do que possamos ler...

A História de Oz é uma "desconhecida" conhecida historia para todos nós; precisa ser lida para ser verdadeiramente interpretada e absorvida. Só quem leu conhece bem esse utópico/caótico Reino Mágico.

É bem verdade que a temática/atmosfera é bem mais pesada do que se apresenta, e a sutileza do autor cuida desse disfarce. Sem dúvidas há um 'quê' de macabro em toda essa literatura fantástica... Ainda não vi o clássico musical cinematográfico de 1939 sobre a obra, e é tudo uma questão de tempo. Mas não dá pra pecar na reprodução desse mundo, ao menos, não por falta de detalhes, informação e envolvimento. "Parabéns" ao diretor que conseguir...

Pessoalmente opinando, Se as mãos do Tim Burton tocam essa maravilhosa obra, teríamos todos nós, fãs, um grandioso presente!


Que lhe falte o cérebro se te sobra coração; Que lhe falta coração se te sobra muita coragem; Que lhe falte a covardia se te sobra selvageria...


Acabo de ler; E já está entre os meu Favoritos! RECOMENDO.
Vanessa Abreu 11/04/2010minha estante
Encantador,sem demagogias.Vc escreve/descreve tudo muito bem.De um jeito ímpar.Onde toda e melhor mistura se encontra(Sentimentos),e o mais importante,uma boa vontade de sentar e expôr,para muitos/todos o que uma leitura pode proporcionar.Diz verdades,sem que perca a magia do livro,admiro isso.Suas opiniões são sempre válidas.Sempre!


Ginger 17/06/2010minha estante
Vi que minha resenha fez efeito :x KKKK
Livro realmente fantástico.


Nara 10/12/2011minha estante
Você vai gostar da versão cinematográfica, contudo, ela não alcança a perfeição do livro. Concordo que se Tim Burton colocasse as mãos nessa histórias seria fantástico. Agora, será que o Depp faria o espantalho? Acho que a Helena B. Carter seria uma ótima Bruxa do Oeste.




Blog MDL 27/07/2015

Com uma característica toda sua, o livro de Baum foi visto como “literatura popular de mau gosto” pelos críticos ao longo dos anos. Para nossa sorte, o público alvo não dá atenção a crítica literária e caiu de amores pelas aventuras de Dorothy e seu cãozinho Totó.

Numa rápida sinopse, Dorothy é uma pequena garota que vive com os tios, nas grandes pradarias do Kansas, quando um ciclone chega ao local onde eles moram. Os tios conseguem chegar ao abrigo e se proteger, mas a menina acaba ficando na casa, que acaba por ser levada pelo ciclone.

Após um curto período te tempo, aonde a casa vai sendo levada pela força da natureza, a mesma acaba por cair em no reino mágico de Oz. Assim que chega, Dorothy descobre que a casa acaba por cair em cima da Bruxa Má do Leste, matando assim a megera, para a alegria dos moradores daquela região, os Munchkins. Dorothy então acaba se tornando uma heroína, mas tudo que a criança deseja é retornar para casa, ao lado de seus tios.

Portando agora os sapatinhos prateados da Bruxa Má de Leste (Um detalhe que será muito importante para a história) e acompanhada de seu fiel amigo Totó, Dorothy parte rumo a Cidade Esmeralda, onde o tão famoso Mágico de Oz poderá ajudá-la a retornar para seu lar.

Durante o caminho, Dorothy encontrará três incríveis companheiros de viagem. O Espantalho, o Lenhador de Lata e o Leão. Os três também desejam ver o mágico, pois o Espantalho deseja um cérebro, o Lenhador um coração e o Leão, coragem.

A partir daí deixo com vocês a curiosidade de ir atrás desse livro repleto de aventuras e incríveis narrativas!

A respeito do livro, Baum claramente usou como inspiração o clássico infanto Juvenil Alice, do Lewis Carrol, pois ambos os livros abordam sobre uma jovem moça que se vê em uma terra desconhecida e mágica, tentando desbravar esse novo território.

Assim como outras histórias já citadas aqui no blog, "O Mágico de Oz", além de uma descrição bem feita dos lugares e uma história linear, traz personagens muito bem caracterizados, com que leitor logo se identifica.

Sobre as questões filosóficas a cerca da obra, o mais curioso é quando notamos que tudo não passa de uma grande sátira e uma alegoria a nossa realidade. Baum não apenas se preocupou com os aspectos infantis, como inseriu ali críticas à sociedade e também a nós, enquanto indivíduos.

É interessante quando percebemos que tudo aquilo que nossos protagonistas carismáticos tanto almejam, eles na verdade já tem. O Espantalho é o mais esperto, sempre com ótimas ideias, o Lenhador é, junto com a Cinderella, em minha opinião, o personagem mais gentil que pode conhecer na literatura, e o Leão, apesar de medroso, sempre encara os desafios, principalmente quando é para auxiliar seus companheiros. Uma clara demonstração de que, por muitas vezes, nós não conhecemos a nós mesmos e nossas próprias capacidades.

A pequena Dorothy foge do padrão de que mocinhas meigas são fracas. Ela é uma personagem que, apesar de toda sua inocência e candura, tem uma forte presença durante toda a história, sendo praticamente a líder de todo o grupo.

Um personagem que eu simplesmente detesto (por motivos próprios, afinal ele é extremamente bem caracterizado) é o Mágico. Não planejo dar spoiler, pois pode ser que haja alguém que ainda não conheça a obra, mas quando descobrimos a verdade sobre ele, a meu ver, é algo extremamente revoltante e não consigo mensurar o quão ruim acho que uma pessoa pode ser, quando faz algo como o que ele fez. Fica aí minha pergunta, para os que já conhecem a história: Será que não conhecemos muitos Mágicos de Oz, como esse, em nossas vidas?

Sobre continuações, o Mágico de Oz é uma obra que tem MUITAS continuações! Se não me engano, são mais 13 livros (bem mais, pra falar a verdade). Infelizmente, nunca tive a oportunidade de ler nenhum (O único desse universo que tenho muita vontade de ler é Wicked), mas fica aí a dica para quem se encantou pela história e deseja mais, só não sei se foram traduzidos para nossa língua.

Recomendo que, aqueles que têm posse da edição da Zahar, leiam o prefácio do Gustavo Franco, em que ele disserta sobre as alegorias políticas e monetárias da obra. É um conteúdo extra que a editora nos presenteia dando uma nova perspectiva sobre a obra.

O Mágico de Oz é aquela estória que, junto com Peter Pan e Alice, aquece nossos corações, ao mesmo tempo em que nos faz perceber o mundo com outro olhar. E, se tem uma coisa que o livro nos ensina, acima de tudo, e que foi bem citado pela atriz Judy Garland é: “There’s no place like home”

site: http://www.mundodoslivros.com/2015/07/resenha-especial-o-magico-de-oz-por-l.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



LuKa 05/09/2010

Comparando o livro e o filme!!!
“The Wizard of Oz” (1939) de Victor Fleming é simplesmente o meu filme favorito! Eu estava super ansiosa para ler o texto integral da obra que o gerou. Procurei bastante para ter certeza que eu estava adquirindo um exemplar que tivesse a história original. Eu imaginava que sendo o filme tão bom, o livro seria melhor ainda... pois teria mais detalhes!

Acabei me deparando com uma história diferente em MUITOS aspectos.

Eu achei a versão literária MUITO violenta para uma história infantil... com trechos como esses: "rasguem em pedaços", "separou o corpo da cabeça, matando-o instantaneamente", "torceu-lhe o pescoço até matá-lo" etc. Outro exemplo é explicação de como “o Homem” se tornou “de Lata”... É estranho (e completamente compreensível) que não tenham feito nenhuma referência a essa parte no filme. Fiquei chocada! ://

O Campo de Papoulas não tem nada haver com a magia da Bruxa má do Oeste...
Esta aparece somente depois da metade do livro e só então descobre que a Dorothy está com o sapato! Dá pra acreditar?!

Achei a forma que o Mágico usou no livro para satisfazer os desejos dos 4 muito sem graça, achei a forma que o Leão se tornou Rei muito sem graça... e pior: A Bruxa boa impôs uma CONDIÇÃO para ajudar a Dorothy! Onde já se viu isso?!
Pra fechar com chave de ouro (mais irônica, impossível) o livro termina sem nos deixar na dúvida se o Mundo de OZ realmente existe ou se foi só um sonho.

Partes boas:
- É engraçado ler que eles se preocupam em comer, beber água, se lavar... é raro ver isso tão explicito em um livro.
- No caminho aparecem obstáculos e personagens novos (que não estão no filme).... Só para dar um exemplo: Uma cegonha!!!

A beleza e a magia do filme me conquistaram de primeira!
Pensei que aconteceria o mesmo com o livro, mas me enganei.
Até a mensagem de amizade e da importância do lar no livro deixa a desejar...

De qualquer forma, essa é a verdadeira história de "O Mágico de OZ": Sem sapatos de rubi e sem “Não há melhor lugar do que a nossa casa”!
Lari 01/02/2011minha estante
Pois é!os sapatos foram chocantes pra mim também!eu gosto tanto dos sapatinhos vermelhos que brilham!!
Mas a condição da bruxa boa era pra ajudar eles na verdade!hehe eu tbm fiquei tipo "como assim, uma condição??"
E as coisas violentas também achei meio "wooo" para crianças!
E eu tenho medo até hoje da bruxa do Oeste, apesar de no livro ela ser muito dependente!É aquela caracterização dos filmes que me dá arrepios!


Taryne 08/05/2011minha estante
Pode ser a verdadeira história, mas o filme cativa BEM mais! É meu filme favorito também *.*


Nelson 11/06/2014minha estante
Que violência?! Rsrsrs... Talvez seja a asneira politicamente correta de hoje em dia. Glinda só pediu o Gorro de Ouro para auxiliar os amigos de Dorothy a voltar para onde queriam. E sim, está bem claro que não era só um sonho.


Débora 01/12/2014minha estante
Você fala de um jeito como se o livro tivesse sido escrito depois do filme e que as "mudanças feitas no livro" são absurdas. Mas eu li o livro primeiro e não gostei nem um pouco do filme. E o livro me cativou muito e me passou muitas mensagens positivas! E a condição da Bruxa boa foi que a Dorothy lhe entregasse o gorro de ouro, e isso só para que a própria Bruxa pudesse usar os poderes dos macacos alados para ajudar o Leão, o Espantalho e depois libertar os macacos! Acho que faltou um pouco de interpretação da sua parte... Talvez se você tivesse lido o livro antes teria uma opinião diferente, pois é como dizem: o livro é sempre melhor que o filme, muito mais profundo e com muito mais detalhes.


Diandra 05/03/2016minha estante
Concordo com Nelson e Débora. Falta uma melhor interpretação aí. Glinda iria ajudar os três amigos de Dorothy e libertar os macacos da escravidão. Melhor atitude, impossível.




C r i s 26/01/2011

O que eu mais gosto nessa história, é que todos eles lutam por uma coisa que já tem, mas não sabem.
comentários(0)comente



Mateus 04/09/2010

É difícil imaginar quem não conheça a história de O Mágico de Oz, pois a maioria das pessoas cresceu escutando sua história. Mas alguém já leu o livro? Parei para pensar nisso, e posso contar nos dedos quem já fez tal coisa. Acredito que este livro seja um dos mais indicados para se ler durante a infância, pois mescla diversão, aventura e boas lições de vida como todo bom livro infantil tem de ter.

Dorothy, o Espantalho, o Homem de Lata, o Leão, a Bruxa do Leste e a do Oeste... Estes personagens marcaram imensamente minha infância, e não é a toa que todos eles viraram referências para outros escritores e são citados até hoje.

A história do livro é excepcional, cheia de ricos detalhes, e garante muitas gargalhadas com bons momentos de tensão. Quando a casa de Dorothy cai em cima da bruxa do Leste, deixando apenas seus pés de fora, é muito hilária... Enfim, é um grande livro, merecedor de tanta fama. Quem o leu sabe muito bem porque virou esse grande clássico da literatura infantil. Vale a pena ler, mesmo já não sendo criança.
comentários(0)comente



Barbara 23/04/2013

O Mágico de Oz
O que falar sobre o Mágico de Oz?

É um livro simples, escrito para crianças, mas que encanta os adultos, a maior moral dele é mostrar que temos tudo dentro de nós.

Não precisamos de mágica ou confirmação para colocarmos para fora o melhor e ajudar o próximo.

Então boa leitura!!
comentários(0)comente



predo 21/04/2010

Sempre tive vontade de ler
Demorei para encontrar um livro sobre O Mágico de Oz, mas até que encontrei.
Muito interessante a história *-*
Gostei muito...Valeu a pena toda essa procura.
=)
comentários(0)comente



Rafa Laisa 27/03/2014

Você não está mais no Kansas...
O Mágico de Oz era um livro que, apesar de eu nunca haver lido antes, já conhecia boa parte da história, de tantas referências que já havia encontrado em outros livros. Ele faz parte do rol de livros antigos que eu estou lendo porque já vi sendo citados em outros livros mais recentes e que eu gosto muito.

Confesso que, quando comecei a ler, não estava muito empolgada. A primeira tentativa que fiz foi durante uma viagem ao sul do Pará, mas a tentativa falhou e eu abandonei a leitura. Depois, lendo outro livro e vendo outra referência, decidi tentar novamente e, desta vez, a leitura enganchou e eu terminei.

Muitas das referências que já li em outros livros, curiosamente, não fazem parte da história. Eu tinha uma idéia de sapatinhos vermelhos. Vi (ou li) em algum lugar sobre os sapatinhos vermelhos da Dorothy, mas os sapatos da menina não são vermelhos nem tampouco aparecem no contexto no qual eu me lembrava. Talvez aquilo fosse uma referência utilizando outra referência...

Enquanto eu lia, não consegui deixar de lembrar de A Torre Negra. Esta série foi declaradamente inspirada no poema Rolland de Gilead à Torre Negra Chegou, mas as referências ao Mágico de Oz são TANTAS que eu fiquei imaginando que minha experiência com a série de Stephen King teria sido mais rica, tivesse eu lido o livro de Braun antes.

Adorei a experiência com esta leitura. Sem dúvida, é um livro que traz muitos ensinamentos, dotado de uma espírito positivo, ao mesmo tempo em que é escrito em uma linguagem simples e fluida, de fácil entendimento. É o tipo de livro que nos deixa com o coração mais leve.

site: http://rafalaisa.blogspot.com.br/
daniel henrique 15/04/2014minha estante
Às vezes as referências dizem respeito ao filme, que também é um clássico. Nele, os sapatinhos da Bruxa Má que Dorothy toma para si são vermelhos.


Rafa Laisa 15/04/2014minha estante
Ah....

Poxa, Daniel. Muitíssimo obrigada pelo esclarecimento (=




Lucas 01/10/2016

Fraco
Sinceramente é uma história muita fraca.O livro da um impressão que vai cativar com seus personagens porém a história é um pouco confusa e as vezes muito boba.
Foi isso que essa pequena história me passou.
Lua 25/09/2017minha estante
null


Lucas 27/09/2017minha estante
Sinceramente esta foi a minha impressão do livro.


Lua 10/12/2017minha estante
undefined




Taryne 17/07/2010

É muito bonito, mas o filme que é meu favorito de todos os tempos, toca bem mais meu coração. A escrita - talvez por culpa da tradução - não é muito bem elaborada, diferente de outros livros "infantis" como O Pequeno Príncipe e Alice no país das maravilhas. Apesar disso, a história é fascinante e os personagens são queridos e inesquecíveis.
Lari 01/02/2011minha estante
Talvez não seja a tradução...eu até pensei nisso! e uma coisa que notei, na minha edição da L&Pm tem uns erros feiozinhos de gramática!




Luiza 25/06/2014

"Os Sapatos de Prata só precisaram de três passos."
"O Mágico de Oz" é um clássico infantil extremamente peculiar, digo isso porque o desenvolvimento do enredo é inesperado e cheio de criatividade. Dessa forma, o livro é totalmente diferente do que eu esperava e, devo dizer, que é bem melhor do que aparenta ser. Com uma narrativa bem simplificada, o americano L. Frank Baum, cria uma historia bem planejada, fácil de entender e com personagens bem definidos e fieis as suas características. Contudo, o fato da escrita ser bem simplificada torna a historia "bobinha" e pouco detalhada, característica encontrada em grande parte das historias infantis. Não há muito o que dizer sobre essa obra porque, da mesma forma que, os pontos negativos não atrapalham a leitura, os pontos positivos, em contrapartida, não são muito admiráveis. É um livro que eu recomendo para aqueles que buscam um clássico infantil diferente dos outros e que não arrependo de ter lido, mas, de fato, não é um livro que deixará saudades.
comentários(0)comente



Sorvetinho 24/07/2019

O que buscamos, já está em nós.
Aquele livro que demonstra o quão cegos somos com relação à nós mesmos, e nos mostra que cada um já tem aquilo que mais almeja.
comentários(0)comente



339 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |