Esconda-se

Esconda-se Lisa Gardner




Resenhas - Esconda-se


70 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


San... 22/11/2017

De alguma forma, para mim não emplacou legal. O livro não é ruim e demorou bastante para desvendar o suspeito, mas achei um tanto fantasioso. Joga-se a suspeita sobre muitos personagens, para confundir, naturalmente, mas isso acaba cansando a leitura, deixando o enredo arrastado. Ademais, os assassinatos, que deveriam ser mais desenvolvidos não passaram de meras citações, além de um romance um tanto forçado, bastante incoerente com a trama proposta. Para mim esse é um dos defeitos dos livros em série. Embora tenham começo, meio e final, estão sempre remetendo a enredos anteriores e deixando brechas para continuações que, na maioria das vezes, se mostram desinteressantes.
comentários(0)comente



Leide.Basilio 26/06/2017

Sobrou e faltou explicação
Achei o meio arrastado e o final corrido.
Eu queria mais detalhes dos crimes.
comentários(0)comente



Ana Lopes - Blog Entre Páginas 09/10/2016

Resenha - Esconda-se (Blog Entre Páginas)
Sabem aqueles livros que ficam na listinha por um bom tempo, você quer muuito ler, mas nunca encontra um preço bom, uma oportunidade bacana? Essa era a minha história com Esconda-se, ficou mais de um ano na lista, até que na Black Friday de 2015 eu finalmente comprei, e em Setembro conclui essa leitura maravilhosa!

Esconda-se é um livro policial com uma trama de tirar o fôlego! Cheio de suspense, reviravoltas, personagens complexos e bem construídos, consegue contar uma história maravilhosa, fazendo com que você desconfie de todos os personagens, e no fim, te surpreender de forma brilhante!

É o segundo volume da série de Lisa Gardner protagonizada pela detetive D.D. Warren. Outros dois livros dessa coleção já foram publicados no Brasil pela editora Novo Conceito: Viva Para Contar e Sangue Na Neve, quarto e quinto volumes, respectivamente. Embora pertencentes a uma mesma série, não há a obrigatoriedade de serem lidos em sequência, uma vez que cada volume narra um diferente caso e, inclusive, os livros foram lançados fora de ordem no Brasil. Contudo, detalhes de casos passados podem ser mencionados dando spoilers de livros anteriores.

Perto de um hospital psiquiátrico abandonado é descoberta uma câmara com seis corpos em seu interior, todos de garotas. Um desses corpos pode ser o de uma menina que está desaparecida há décadas, a melhor amiga de infância de Annabelle.

Annabelle Granger, agora uma mulher madura, passou a infância mudando-se de cidade em cidade, de identidade em identidade, escondendo-se de alguém ou de algo totalmente desconhecido para ela. Ela conseguiu manter-se em segurança até hoje, mas a descoberta da câmara mortuária vai colocá-la em risco novamente.

Para resolver esse crime acontecido há tanto tempo, e salvar Annabelle Granger, D.D. Warren terá que responder a algumas perguntas: porque Annabelle passou a infância fugindo? Como seu pai, um matemático, conseguiu criar tantas, e tão consistentes, identidades falsas? Qual é a relação entre Annabelle e os corpos recém encontrados? Quais os motivos para um crime tão bárbaro? E quem é, afinal, esse serial killer que parece ter evaporado?

Algo importante a destacar é que, embora a série leve o nome da detetive D.D. Warren, ela não é a protagonista, (pelo menos nesse volume) ainda que seja uma das principais personagens. Em momento algum de Esconda-se a história é narrada sob seu ponto de vista; ao contrário, os capítulos são intercalados pela visão do sargento Bobby, em terceira pessoa, e em primeira pessoa de acordo com a vítima, no caso, Annabelle.

Todos os personagens ter participações importantes e algo a acrescentar a história. No final, temos várias pontas soltas sendo amarradas, e várias situações aparentemente isoladas tomando forma, e mostrando sua importância no todo.

Confesso que a detetive D.D. não me conquistou completamente. Achei-a muito fria, distante, mas pode ser característica da profissão do personagem... Bobby por outro lado conquistou meu coração (sou fraca pra essas coisas haha), e seu papel foi fundamental para conclusão e entendimento do caso.

A escrita de Lisa Garder é super tranqüila e fácil de entender. A leitura flui facilmente. A edição da Novo Conceito está maravilhosa, folhas amarelas, capítulos curtos. Gostei muito da leitura, e desejo com certeza ler os outros volumes lançados no Brasil.

Espero que tenham gostado pessoal!
beijos e até a próxima!

site: www.entrepaginas.com.br
comentários(0)comente



Lívia Helena 25/02/2016

Desconfie de tudo e de todos
O comentário na contra capa não é exagero, a autora realmente sabe manipular pistas falsas. Tanto que chega na metade do livro você não tem ideia de qual linha de investigação seguir, se deve eliminar alguma pista, algum personagem que parece ser apenas paranoico, etc. Você lê mais um pouco, acha que já resolveu o mistério, mas chegam mais fatos, mais atitudes inesperadas das personagens. E com tantos detalhes e cuidados, o desfecho é cheio de surpresa, as peças se encaixam com perfeição e te deixam com a sensação de "Por que eu não pensei nisso antes? No proximo livro eu não deixo passar uma dessas".

Pra quem gosta de romances policiais, prato cheio.
comentários(0)comente



Sandra 11/02/2016

10 - Fevereiro 2016
Policial muito bom. Descoberta de uma cova com seis cadaveres de crianças. Uma familia em fuga, muitas reviravoltas. Otima leitura
comentários(0)comente



Livros e Citações 02/02/2016

Um dos melhores policiais que já li
Autora: Lisa Gardner
Editora: Novo Conceito
Páginas: 400
Classificação: 5/5 estrelas

http://www.livrosecitacoes.com/?p=129169

Esconda-se é o segundo livro da série da Detetive D.D Warren e acompanha a história da mulher que deu o nome a saga. Nesse livro, ela precisa investigar o assassinato de seis meninas que estiveram desaparecidas há anos. Em paralelo, temos Anabelle, uma moça que sempre teve que mudar de lugar no momento em que seus pais decidissem, assim sua infância e adolescência foi sempre perseguida por um misterioso perigo que ela nunca soube.

O que eu posso falar sobre Lisa Gardner? Bem, somente que ela me fez ficar grudada no livro até que eu chegasse na última página, assim chegando ao hall das autoras preferidas e de autores policiais prediletos. Aqui não temos nenhum momento que não seja repleto de tensão e que te leve a sempre questionar tudo e a todos, sendo que a autora vai te deixar de queixo caído na revelação de quem é realmente o culpado da história.

Lisa Gardner alterna as narrativas, o que sinceramente é um dos pontos que mais amo em livros, já que além de poder explorar mais os acontecimentos, deixa também espaço para continuar mesmo que não goste de um dos narradores. O que felizmente não foi preciso para mim já que amei os dois narradores, sendo que o detetive Bobby é engraçado e ao mesmo tempo apaixonante e Anabelle é uma mulher incrível e facilmente me apeguei a ela.

E Gardner escreve maravilhosamente suas personagens femininas que nunca deixam de ser incríveis, como a D.D Warren e Anabelle, além de outras moças que aparecem na trama. Algo que infelizmente está longe de acontecer em vários livros, mas além disso é bom perceber o respeito e aprofundamento na forma de retratar cada policial e sua respectiva investigação.

O mistério em volta das mortes e da vida da Anabelle são bem explorados e a autora sempre te leva para diferentes direções, assim ela vai construindo a trama aos poucos, como um quebra cabeça, e dificultando muito as chances de você descobrir quem é realmente o assassino. Algo que realmente aconteceu comigo e devo dizer que é muito bom ler um livro em que você não descobre quem é o culpado antes do final, sendo que eu confesso que até fiquei decepcionada quando apareceu uma chance de eu descobrir quem era o assassino antes de todos e fico feliz que não aconteceu.

Esconda-se é um livro maravilhoso e deve ser lido por todos, um dos melhores policiais que li em bastante tempo e devo dizer que recomendo muito ele, sendo assim a única ressalva que fica é de que a editora não publicou a série em uma ordem, o que não me afeta muito porque os casos são sempre diferentes em cada livro, porém como a vida pessoal dos detetives vão mudando de acordo com o passar do tempo, fica difícil, principalmente nesse livro, não sentir falta dos outros. Uma pena que a editora não decidiu seguir a série do modo correto.

Resenha por: Débora

site: http://www.livrosecitacoes.com/
comentários(0)comente



Tatiane.Braga 21/10/2015

Excelente Livro
Nossa livro perfeito, simplesmente fiquei presa do começo ao fim do livro.
comentários(0)comente



Silvana 20/04/2015

O detetive Bobby é chamado no meio da madrugada pela agora Sargento D. D. Warren. Quando chega no local, nas imediações do hospital psiquiátrico, ele vê a câmara com as seis garotas dentro e entende porque foi chamado. A cena é idêntica a um caso antigo. Richard Umbrio foi condenado por manter Catherine Gambon, uma garota de doze anos dentro de uma câmara como sua escrava sexual. A garota foi salva e o homem preso, mas depois por um erro, ele foi solto e quando tornou a perseguir Catherine, ele acabou morto. Mas será que ela era sua primeira vítima? Terão essas novas vitimas alguma relação com o caso de Catherine? Das seis garotas encontradas, somente uma tinha uma identificação, um medalhão com o nome Annabelle M. Granger.

Annabelle Granger nunca entendeu porque sua infância foi marcada por nomes falsos e mudanças de cidade a todo instante.Desde os sete anos, seu pai começou com o treinamento de segurança e campeonatos de lutas. Ela perdeu sua mãe aos quatorze anos e seu pai aos vinte dois. E finalmente ela pode ir para onde ela quis. E quando ela pensou que estivesse a salvo do que quer que fosse que seu pai fugia, ela lê no jornal a notícia de sua morte. Ela procura a polícia de Boston e pede para falar com a Sargento Warren. E quando a Sargento vai gravar seu depoimento, ela não deixa. Ela pede que todos continuem pensando que um dos corpos encontrados era mesmo o seu. D. D. Concorda por enquanto, até que eles descubram mais sobre o caso.

Mas quanto mais eles pensam, mais perguntas sem respostas eles encontram. Os casos são muito parecidos, mas pela data fornecida por Annabelle, é impossível o crime ter sido cometido por Richard, mesmo que por coincidência ou ironia do destino Annabelle seja idêntica fisicamente a Catherine, a vítima de Richard, tanto que elas poderiam ser gêmeas. O detetive Bobby resolve investigar a história de Annabelle e descobre que o pai dela procurou ajuda da polícia antes de fugirem. Tinha alguém cercando Annabelle, mas como nenhum crime foi cometido eles não puderam fazer nada. O que a Sargento Warren quer saber é como o pai de Annabelle conseguiu fugir por tanto tempo sendo apenas um matemático. E qual será a relação entre Annabelle e os corpos encontrados? Estarão os três casos ligados ou tudo não passa de uma grande coincidência?

Esse é o segundo livro que leio da autora, o primeiro foi Viva para contar. Os livros fazem parte de uma serie, mas daquelas series que tem histórias com começo, meio e fim, então dá para serem lidos fora de ordem. Inclusive os livros foram trazidos fora de ordem pela editora. Viva para contar é o quarto livro e Esconda-se é o segundo. Já tem lançado também o quinto livro Sangue na neve, mas eu ainda não li. Eu particularmente prefiro ler na ordem, pois, dá para ficar perdido em relação aos personagens principais. Uma hora tá casado, depois ainda tá solteiro. Mas fora essa questão dá para serem lido em qualquer ordem. Como já tinha dito na resenha de Viva para contar, a autora me surpreendeu e me ganhou já naquele livro.

O assunto aqui em Esconda-se não é tão forte quanto o de Viva para contar, mas a pegada do suspense é a mesma. Sabe aquele livro que a gente não consegue desgrudar enquanto não vê o caso resolvido. E por mais que eu imaginei soluções para o mistério e a identidade do criminoso, não chegou nem perto do que a autora preparou. Fiquei de queixo caído com o final. São 400 paginas de história que mais parecem ser 200, pois a leitura se torna tão ágil, que quando percebemos o livro já terminou. Apesar de D. D. Warren ser a protagonista, a história é narrada por Bobby e por Annabelle. A detetive ainda não ganhou minha simpatia. Não que não goste dela, mas acho que falta um algo a mais. Espero que os outros livros da serie venham para o Brasil, pois ela é muito boa.


site: http://blogprefacio.blogspot.com.br/2015/03/resenha-esconda-se-lisa-gardner.html
comentários(0)comente



Rose 16/01/2015

Uau! Isso mesmo, foi isso que pensei quando terminei este livro. Ele está na minha estante já tem um tempinho. Eu amo este gênero e sou fã da autora, mas uma resenha que li dele me deixou encucada.
Achei bem estranho ela ser tão negativa, pois eu acreditava que mesmo que a Lisa tivesse errado a mão, ainda assim valeria a leitura, então aqui vai...

A sargento D.D. Warren estava diante de uma cena de crime que seria prioridade máxima de seu departamento.
Uma força tarefa foi montada e no meio da madrugada ela exigiu a presença do agora detetive Bobby Dodge.
Na área de um antigo e agora desativado Hospital Psiquiátrico foi encontrado uma câmara com seis corpos de meninas mumificadas. Isso lembrava muito um antigo caso que D.D. e Bobby conheciam bem.
A única pista da polícia era um pingente com o nome: Annabelle Granger, uma menina de sete anos. Ela estava entre os corpos achados.
Acontece que Annabelle estava viva e não muito distante dali. Vinte e cinco anos depois de seu pai fazer a família iniciar uma fuga sem fim de uma ameaça que ela nem tinha ideia qual seria, ela foi dada como morta...
Ela poderia deixar tudo como estava, seria mais seguro, ainda mais agora que seus pais estavam mortos e ela sozinha... Mas ela estava cansada de fugir, então resolveu ir até a delegacia e contar toda sua história para D.D..

"-Pensei que estivesse aqui para dar um depoimento.
-Sem gravação.
-Por quê?
-Porque você acabou de me declarar morta, e eu pretendo continuar assim." (pág. 42)

Annabelle tinha 7 anos quando seus pais e ela começaram a fugir. Viviam mudando de tempos em tempos. Largavam tudo e começavam do zero. Cidade nova, emprego novo, novos vizinhos, novas vidas, nomes novos... Hoje ela era Tanya Nelson, mas já foi Sophia, Siena, Sally, Andy... Já morou na Flórida, Phoenix, Kansas City, St. Louis, Seatle...
Por que eles fugiam? Ela não tinha ideia, só podia dizer que tudo começou com o pingente que ganhou.
Quem deu o pingente? Ela também não sabia. Ela só sabia que não poderia confiar em ninguém, só em seus pais. Não podia aceitar nada de estranhos. Tinha que ser ágil e forte. Aprendeu autodefesa e noções de fuga e disfarce. Vivia atenta, com medo e em fuga...
Uma história maluca, mas verdadeira. Agora D.D. precisava descobrir o que levou o pai de Annabelle a pegar a família e fugir. Qual era a relação disso com os corpos encontrados? Qual era a relação destes corpos com o "Caso Umbrio"? Qual a relação de Annabelle com Catherine? A semelhança entre elas tinha algum motivo especial? Por que elas eram tão parecidas, inclusive com as meninas encontradas? Quem era Roger Grayson, o pai de Annabelle?

"O que era que meu pai sempre dizia? Eu era forte, eu era rápida e tinha um instinto lutador." (pág. 195)

Eram tantas perguntas que mesmo o empenho de toda Força Tarefa no caso, não estava dando conta.
Se uma dúvida era resolvida, outras tantas apareciam. Annabelle estava novamente no centro da atenção do homem que fez seu pai fugir.
Será que as fugas eram só fachada para o pai de Annabelle matar as crianças? Será que ele realmente morreu?
Se quiserem saber todas estas respostas, vão ter que ler o livro. A autora explicou tudo direitinho. Só não gostei muito do fim do livro. Vejam bem, não foi do final dele, que veio depois de um belo climax e foi bem descrito. É que depois que o caso foi resolvido, aparecem alguns pensamentos e um desfecho. É este desfecho, que nada tem haver com o caso, e que ocorre entre duas pessoas que eu não gostei. A dupla em questão, na minha opinião, não tinha "liga", apenas isso.
Um ótimo livro, principalmente para os fãs do gênero. Leia e desvende os mistérios criados pela autora.

site: http://fabricadosconvites.blogspot.com.br/
Cinthia 24/01/2015minha estante
Não conheço a escrita da autora por nunca ter lido nada dela. Esse livro e história sempre me chamou a atenção, mas não sei se leria por agora, talvez mais na frente. Mas, parece ser uma ótima história.


Clarice.Castanhola 20/04/2015minha estante
Como um bom suspense policial, o quebra cabeça inicial aparentou ser indecifrável, gostei da resenha, vou adicioná-lo a minha lista de livros




Erika 05/10/2014

Opinião: Pelo titulo imaginamos que o livro seja um suspense policial bem instigante, e a historia que a Lisa Gardner nos traz é exatamente isso e um pouco mais.
O livro apesar de ser um pouco grande é tão envolvente que a leitura flui rapidamente e eu li em 2 dias tamanha a minha vontade de desvendar logo todo o mistério.

A jovem Annabelle desde criança aprendeu a não criar raízes em lugar nenhum. Sua família sempre viveu fugindo e trocando de identidade, mas ela nunca soube do que realmente eles estavam fugindo. Seu pai sempre viu perigo em tudo e todos, e nunca lhe disse o que realmente era tão perigoso no mundo. Sua mãe acabou não aguentando a pressão de viver fugindo e acabou se matando com uma overdose quando ela tinha 15 anos e seu pai faleceu a pouco tempo.

Sozinha, a jovem não cria laços com ninguém. Com mais de 30 anos, não tem amigos e nem namorado. Vive sozinha com sua cadela e tudo que ela sabe é que o mundo é perigoso, e que ela não pode confiar em ninguém.
Atualmente o nome em seus documentos é Tanya e só ela conhece realmente qual o seu nome real.



"Como se eu pudesse ser rápida o bastante para fugir do passado. Como se eu pudesse ser forte o bastante para encarar meus medos."


Então surge uma descoberta que intriga todo o pais. Em um terreno de um hospital psiquiátrico é descoberto uma câmara com 6 corpos de meninas mumificados. A policia suspeita que a autoria desses crimes seja de um serial killer, porém ninguém tem nenhuma pista de quem foi capaz de tamanha atrocidade com aquelas pobres crianças, só se sabe que os crimes foram cometidos a mais de 20 anos, por conta do estado dos corpos.

A única pista que a policia revela é um colarzinho que uma das jovens trazia no pescoço e nele esta escrito o nome de Annabelle. Sabendo que aquele colar lhe pertenceu a jovem procura a policia e revela a sua verdadeira identidade.

Nesse ponto o livro fica eletrizante. Assim como Annabelle e os policiais que a ajudam, não sabemos de nada a respeito do assassino. Todos são suspeitos até que se prove o contrario. Annabelle ajuda e muito nas investigações afinal ela quer entender afinal o que realmente aconteceu em seu passado, para que ela se tornasse o que ela é hoje.



"Nos filmes, sabemos quando alguma coisa ruim vai acontecer porque é o que nos diz o próprio som. Não há uma pessoa cujo coração não dispare ao ouvir a música-tema de Tubarão e, francamente, isso é algo reconfortante. Todos gostamos dos nossos sinais. Eles dão ao mundo uma sensação de ordem. Coisas ruins podem acontecer, mas apenas depois de o som de fundo tocar tãn-dãn, tãn-dãn, tãn-dãn-dãn-dãn-dãn..."


A autora cria um suspense magnifico, cheio de mistério, como todo livro policial tem que ser. Em vários momentos eu fiquei com medo, a sensação era de que era eu quem estava sendo perseguida. Só achei o final um pouco rápido demais, pois o livro vem sempre em um ritmo constante e as ultimas paginas nos traz muitas informações de uma só vez, que me deram a sensação de ficar órfã daquela historia no termino da leitura. Queria ter tido um pouco mais de tempo para apreciar a conclusão do mistério. Mais isso não diminui em nada esse incrível suspense.


site: http://infinitoparticulardoslivros.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Gika 01/10/2014

Faz tempo que não lia um livro nesse estilo policial. E esse foi perfeito. Não conseguia parar de ler, teve ação, suspense, romance, tudo pra prender a atenção do leitor e o deixar sem folego. #Recomendo
comentários(0)comente



Rafaela 01/10/2014

Esconda-se é o segundo livro da serie sobre a detetive DD Warren de Lisa Gardner, os livros desta serie não estão sendo publicados na ordem certa pela Novo Conceito, o motivo eu não sei mas eu acabei levando um baita spoiler do que acontece no primeiro livro, uma grande sacanagem.

Apesar de ter lido muitas resenhas falando que o livro é eletrizante eu achei brochante. O livro é contado pelo ponto de vista do detetive Bobby e de Annabelle, uma mulher de trinta anos que foi criada pelos pais fugindo e assumindo varias identidades falsas. O problema é que a Annabelle é uma chata, eu não consegui imaginar ela como uma mulher e sim como uma garota fazendo de tudo para chama atenção. O pior é a paquera entre ela e o detetive Bobby que parece ter uma fixação pelas vitimas dos casos que investiga. Mas o pior ainda para mim foi a detetive Warren, eu não entendo porque toda detetive tem que ser durona fria como uma geladeira, com ciúme e inveja da vitima bonita. Eu lia e ficava pensando na detetive Ellie da serie de TV Broadchurch tão feminina e sensível, nada caricata, mas tanto nesse livro como em O Cirurgiao da Tess Gerritsen, as detetives principais não participam da maior parte da narrativa e repetem esse mesmo clichê, uma pena.

O crime é horripilante, mas vai diluindo, perdendo espaço para o romance, ate o mistério que envolve o pai da Annabelle no final vai perdendo sua força, eu só espero que Sangue na Neve seja melhor.
comentários(0)comente



Ericona 16/09/2014

Um ótimo livro policial!
O Grupo Editorial Novo Conceito, parceiro do blog, me enviou um exemplar de Esconda-se, da escritora Lisa Gardner, para que eu pudesse ler e postar a minha opinião acerca dele. Quem me conhece, sabe do meu fascínio por livros policiais. Diante disso, é meio que óbvio que eu ficaria muito tentada a ler esse livro por causa dessa sinopse de tirar o fôlego, certo? E é, de fato, um livro de tirar o fôlego.
Esconda-se é narrado em primeira pessoa, quando se tem a oportunidade de ver o desenrolar da estória pelos olhos de Annabelle Granger, e em terceira, quando o narrador onisciente discorre sobre os três personagens principais do livro, que são Annabelle, a sargento D. D. Warren e o detetive Bobby.
Esconder-se, proteger-se, desconfiar de tudo e de todos se transformaram nas palavras de ordem que deveriam reger a vida de Annabelle Granger a partir dos sete anos de idade. Sem explicações, o pai de Annabelle resolveu fugir com a família da cidade em que moravam. Annabelle corria perigo. Muito perigo. Por anos a fio, passaram a fugir alucinadamente. Annabelle passou a sua infância e adolescência frustrada por não poder ter uma vida normal, na qual pudesse conhecer pessoas sem desconfiar delas. Em vez de simplesmente ser uma garota normal, fazendo coisas típicas da sua idade, era orientada pelo pai a fazer artes marciais como um meio para se defender, caso fosse necessário. Ela não fazia ideia do quê o seu pai temia. Ele nunca contou nada sobre seus medos ou sobre seus fantasmas. A mãe de Annabelle sofria muito com todas essas mudanças, com o pânico com o qual sempre conviviam.
Quando chegou a idade adulta, já sem os pais, Annabelle retornou a Boston, a cidade que tanto atormentava o seu pai. Ela duvidava que, depois de tanto tempo, ainda houvesse motivos para continuar fugindo. No entanto, mais por uma questão de costume, usava um nome falso: Tanya Nelson. Nome falso, aliás, era uma questão complexa para Annabelle, depois de todas as trocas de nomes que teve durante toda a sua juventude. Ela tinha que se esforçar para lembrar-se do que achava ser o seu verdadeiro nome.
O primeiro passo para tentar descobrir a sua verdadeira história, para, finalmente, saber do que seu pai fugia e o que tanto temia foi dado quando ela viu no jornal a notícia de que foi encontrada, no Hospital Psiquiátrico de Boston, uma cova coletiva que guardava os corpos de seis meninas, e informava que uma delas se chamava Annabelle Granger. Annabelle procurou a sargento Warren e o detetive Bobby para que, juntos, conseguissem unir as peças do quebra-cabeça que era a sua história.
Lisa Gardner fez um ótimo trabalho nesse livro. É o primeiro livro que leio da autora e fiquei totalmente encantada pelo jeito habilidoso com o qual criou a trama, personagens, cenários, enredo e deu conta de amarrar todos esses elementos, produzindo uma estória crível, embaladas por cenas de ação dignas, suspense de boa qualidade e até de umas pitadas de romance. Os personagens não são perfeitos. Não há vilão nem mocinho. Outro ponto positivo da escritora, a meu ver. As pessoas são pessoas, se é que me entendem, no livro de Lisa. Pessoas que erram, mas conseguem, de algum modo, contornar as situações complexas do passado e seguir em frente. Lisa Gardner conquistou mais uma leitora.
Eu adorei a capa desse livro! A diagramação é simples, mas é bacana. A fonte é de um tamanho agradável, o que facilita a leitura. Não encontrei erros gritantes de digitação, gramaticais ou de concordância. As edições da Editora Novo Conceito são bem trabalhadas. Estão de parabéns, mais uma vez.
Para quem indico o livro? Para os amantes da boa literatura policial e, óbvio, para quem gosta de uma boa estória, seja ela ambientada em qual gênero for. Lisa Gardner ganha o leitor por sua engenhosidade e criatividade com as palavras. Lerei, certamente, outros livros dela. E quando o fizer, postarei meus comentários aqui no blog.

site: http://ericaferro.blogspot.com.br/2014/09/resenha-esconda-se-lisa-gardner.html
comentários(0)comente



Lili Machado 24/04/2014

Não se consegue fugir do passado – pelo menos, para sempre
Este é o segundo livro da série de Lisa Gardner sobre a detetive D.D. Warren.
Annabelle Granger tinha 7 anos quando tudo aconteceu, pela primeira vez: ela chegou em casa, em Boston e descobriu que ela e seus pais estavam de mudança – não apenas de casa, mas também de cidade.
Os anos foram passando, e as mudanças de cidade se repetindo a intervalos de tempo – mudanças de nomes, de sobrenomes, de profissões – e ela nunca soube o por que.
De quem ou de quê, a família de Annabelle estava fugindo?
Agora, aos 30 anos, após a morte dos pais, Annabelle finalmente voltou a Boston – e está vivendo uma vida tranqüila – até que os corpos preservados em sacos de plástico, de 6 meninas nuas, são encontrados numa caverna no terreno de um hospital psiquiátrico abandonado e os jornais colocam seu nome como o de uma das vítimas.
Um pingente que pertencia a ela fora encontrado no pescoço de uma das meninas – era o corpo da melhor amiga de Annabelle, Dori Petracelli, a quem ela havia presenteado o pingente, quando se mudou da cidade.
Os detetives D. D. Warren e Bobby Dodge temem que esta descoberta seja um sinal do retorno de um antigo serial-killer, Richard Umbrio, já que a tal caverna e o que lá é encontrado, lembra o modus operandi de Richard..
À medida que as investigações avançam, todos são forçados a confrontar verdades do passado que não desaparecem – porque não há lugar para serem escondidas... não se consegue fugir do passado.
No livro anterior (Alone), o então policial Bobby Dodge havia atirado no marido de Catherine Gagnon, que a fazia de refém, juntamente com o filho, Nathan.
Bobby acabou se envolvendo temporariamente com a viúva (que ficou milionária), o que deixou D.D. enciumada (eles já tinham vivido um tórrido caso).
Mas, desta vez, ele se envolve com Annabelle Granger – que vem a ser quase uma sósia de Catherine.

site: resenhas da série no blog: http://houseofthrillers.wordpress.com/category/lisa-gardner/).
comentários(0)comente



Sheila 23/04/2014

Resenha: "Esconda-se" (Lisa Gardner)
Por Sheila: Annabelle teve uma infância difícil. Um dia, sem saber por que encontrou os pais com as malas prontas quando chegou da escola, e tiveram de mudar-se as pressas, não só de casa, mas de vida: seu pai arranjou um novo emprego e eles passaram a usar outros nomes, como numa brincadeira. Só que a brincadeira repetiu-se de novo. E de novo. E de novo.
Meu pai me explicou pela primeira vez quando eu tinha sete anos de idade: o mundo é um sistema. A escola é um sistema. Bairros são sistemas. Cidades, governos, qualquer grupo de pessoas. Aliás, o corpo humano é um sistema, viabilizado por subsistemas biológicos menores.
A justiça criminal é definitivamente um sistema. A Igreja Católica – não o deixe começar. Há então os esportes organizados, as Nações Unidas e, é claro, o Concurso de Miss América.
- Você não precisa gostar do sistema – ele me explicou. – Não precisa acreditar nele nem concordar com ele. Mas precisa compreendê-lo. Se conseguir compreender o sistema, vai sobreviver.
Uma família é um sistema.
Só que Annabelle esta cansada de somente sobreviver. E Annabelle, agora Tanya Nelson, que passou a vida inteira fugindo, sem nunca saber por que, que acorda um belo dia e descobre que seu corpo foi encontrado em uma câmara subterrânea junto com outros corpos mumificados. Por mais que ela saiba que talvez o melhor fosse utilizar isso a seu favor – ser presumida morta deveria preservá-la do que quer que estivessem fugindo – ela esta cansada. Cansada de não ter amigos. Cansada de não poder criar vínculos mais duradouros, por receio de que sua identidade falsa seja descoberta cansada de ter medo.

A responsável pela cena do crime, a câmara subterrânea encontrada, é a sargento D.D. Warren que, para quem já leu Lisa Gardner sabe que é uma profissional extremamente competente e comprometida com o que faz, levando a solução dos crimes de sua jurisdição muito a sério. Com ela está o detetive Bobby Dodge, a quem pede auxílio na investigação devido a uma antiga parceria.
Ele tocou na parede de novo, sentindo a terra compacta. A menina de doze anos, Catherine Gagnon, havia passado quase um mês naquela primeira prisão subterrânea vivendo em um vácuo escuro sem tempo, interrompida apenas por visitaa de seu sequestrdor, Richard Umbrio, que a mantivera como escrava sexual. Caçadores a encontraram acidentalmente pouco depois do Dia de Ação de Graças, quando bateram sobre a cobertura de compensado e se surpreenderam ao ouvir gritos abafados debaixo dos pés. Catherine foi salva. Umbrio, mandado para prisão.
Só que o caso Catherine aconteceu há muito tempo atrás, quase uma década, e Umbrio, o único que poderia responder sobre a questão está morto – uma morte que envolve Bobby, e que resultou em uma transferência, assim como talvez o término de um pretenso relacionamento com D. D. E não é apenas um corpo que encontram nesta câmara, mas seis.
Bobby voltou o olhar para as prateleiras cobertas da estante, que percebeu que D.D. ainda estava evitando. D.D. não o havia chamado às duas da manhã para olhar uma câmara subterrânea. O Departamento de Polícia de Boston não havia solicitado uma mobilização urgente por um poço quase vazio.
- D.D? – ele perguntou em voz baixa.
Ela finalmente assentiu.
- É melhor ver por si mesmo. Essas foram as que não foram salvas Bobby. São as que permaneceram no escuro.
Seriam crimes antigos, cometidos por Umbrio antes de ser descoberto? Afinal, a semelhança entre as duas instalações subterrâneas é imensa. Se for, não há mais nada a ser feito a não ser identificar os corpos das meninas encontradas. Do contrário, pode ser que haja um assassino à sangue frio ainda a solta. Quantas outras câmaras como esta existirão?

Agora, Annabelle, Bobby e D.D. Warren acabarão embarcando em uma jornada insólita em busca dos segredos do passado, que seu pai buscou tão ferozmente esconder, a fim de descobrir quem é o assassino responsável pelas mortes das garotas encontradas na câmara, e de que forma isto está relacionado com a estória de Annabelle – apesar de que ela pode descobrir que, até mesmo as meias verdades que conhece não passam de mais ilusões.

O livro é eletrizante, o suspense vai sendo criado num crescendo até o desfecho, e eu me tornei uma verdadeira fã de Lisa Gardner – estórias bem elaboradas, desfechos plausíveis e, ao mesmo tempo, surpreendentes, várias reviravoltas no enredo, trama bem amarrada e narrativa bem construída.

Meu problema é com a ordem de publicação dos títulos da autora já que, por mais que cada romance seja independente um do outro e que, quando há situações que remetem a um romance anterior, isso é explicado, NÃO É A MESMA COISA do que ler em sequência. Já avia lido – e resenhado – por aqui “Viva para Contar” e “Sangue na Neve” e algumas questões do relacionamento entre D.D. e Bobby ficaram mais claras ao ler “Esconda-se”, que é anterior.

Fora o desabafo ... Recomendo!

site: http://www.dear-book.net/2014/04/resenha-esconda-se-lisa-gardner.html
comentários(0)comente



70 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5