A Joia

A Joia Amy Ewing




Resenhas - A Joia


74 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Bela 01/12/2017

Surpreendente
Ganhei esse e-book em uma promoção da Amazon. Eu simplesmente nunca tinha ouvido falar nesse livro, mas a sinopse me interessou, então acabei por escolhê-lo dentre as opções dada pela Amazon. O enredo me lembrou um pouco das séries Eve e A Seleção, e apesar de eu achar a proposta um pouco confusa no inicio, tudo foi sendo explicado no decorrer da leitura, que terminou com uma leitora desesperada para ter a sequencia em mãos.

As substitutas são responsáveis por gerar os filhos da realeza da Jóia e Violet acabou de concluir o seu treinamento. Ela foi aprovada nos três presságios: cor, forma e crescimento, então, será leiloada para as mulheres da Jóia junto com outras 199 garotas. A Cidade Solitária é dividida em 5 círculos: Fumaça, Fazenda, Pantano, Banco e Joia (onde vive a nobreza). Cada dama da Joia tem direito a ter dois filhos, mas uma anomalia genética as impede de gerar suas próprias crianças. Portanto, foi um verdadeiro milagre descobrir que algumas meninas tinham dons especiais e ainda conseguiam gerar os óvulos das mulheres da realeza.

"-Esperança é algo precioso, não é? No entanto, não damos a ela o devido valor até que a perdemos."

Violet é arrematada pela Duquesa do Lago, uma mulher de personalidade forte e difícil convivência. Ela está determinada a ter sua bebê antes de qualquer outra para que ela possa se casar com o filho do Executor e levar a família de volta a posição de maior poder na Joia. Violet nunca desejou ser uma substituta e trocaria todo o luxo, vestidos, jóias e festas da Joia pela liberdade e pela convivência com a sua família, que ela ama de todo o coração. Entretanto, se verá em meio a um jogo de poder e mentiras, em que as damas da alta nobreza lutam com todas as armas, sejam elas lícitas ou não, para conquistar uma reputação e um lugar de destaque na sociedade. Um arranjo que está muito perto de desmoronar.

Apesar das aparentes semelhanças com outras séries do gênero distópico, A Joia alcança sua originalidade e nos prende do inicio ao fim da leitura. Amy nos surpreende diversas vezes ao longo do livro e eu só não gostei muito do romance que ela criou, na verdade estava esperando que ele acontecesse com uma outra pessoa... O romance acabou surgindo e crescendo de forma rápida e inesperada, mas até que ele me convenceu depois que aconteceu, e eu consegui entender o que os atraiu um no outro, não foi aquela coisa: 'por favor parem, vocês não tem nada a ver um com o outro', foi apenas: 'ok, não esperava por isso, mas ok'.

"Você me faz sentir inteira também. Neste lugar que tira algumas partes de nós, você me faz lembrar de quem eu sou. Quem eu era."

Violet é apenas uma menina de dezesseis anos, mas tudo o que já viveu tem lhe feito amadurecer às pressas, como se nunca houvesse tempo suficiente. Todos parecem ter grandes expectativas a seu respeito e ela não pode evitar se sentir um pouco perdida no meio de tudo isso. Ela é forte e teimosa, mas as vezes parece se sentir frustrada por ser tão pequena e insignificante, e por não poder ser quem realmente é ou fazer o que realmente gostaria de fazer, afinal, ela é uma substituta, ela foi vendida em um leilão e agora é uma propriedade da Duquesa. Por fim, posso dizer que o livro superou todas as minhas expectativas e, como disse antes, estou ansiosa para poder continuar acompanhando a série, ainda mais depois do final bombástico como Amy terminou A Joia.

"A sala a minha volta desaparece e tenho uma incrível sensação de libertação, todo o meu ser se altera quando toco. Eu sou a musica, e as cordas e meu corpo são tão ressonantes quanto o violoncelo. Somos um só instrumento, estamos em um lugar onde ninguém pode nos tocar, onde não há Joia ou substitutas, um lugar onde só existe a musica."

site: http://www.sigolendo.com.br/
comentários(0)comente



Bruna 18/10/2017

Fantástico! Como fiquei um pouco decepcionada ao ler Destino, fiquei receosa de ler outra distopia logo de cara, mas amei!
Violet Lasting é uma Substituta (basicamente uma barriga de aluguel) só que as substitutas não são apenas "encubadoras ambulantes" elas possuem poderes que podem acelerar o crescimento do feto e também moldar aspectos físicos e a personalidade...
Como a própria realeza não pode gerar os próprios filhos para continuar a linhagem as substitutas basicamente são leiloadas como pedaços de carne, quem der o lance maior leva. Mas Violet tem uma personalidade que pode comprometer não só a Joia mas como todo esse estilo de vida repugnante e opressivo.

Só posso pensar em: Perfeito, Maravilhoso, Genial, Fantástico e Cativante.
Não consegui parar de ler...
Ele me fez querer ler rápido para terminar logo e ao mesmo tempo querer ter mais páginas para ler...
O fim pra mim foi bem abrupto eu estava esperando mais umas páginas e aí... Boom! Acabou!
E estou Precisando urgentemente de A Rosa Branca! *-*
comentários(0)comente



Carol Barros 31/07/2017

Mais do mesmo
Acho que se esse fosse o primeiro YA que eu estivesse entrando em contato , seria realmente emocionante.

Mas, depois de um tempo e de leituras repetitivas nós começamos a ficar meio "de novo isso?" A joia não me impactou muito, e digo isso porquê ele não conseguiu deixar nenhum detalhe especial ou emocionante na minha cabeça. Hoje mesmo me peguei tendo que ler uns trechinhos para poder escrever sobre e eu tenho uma memória de elefante!

Às vezes temos uma receita : Heroína exótica com o nome da cor dos olhos , especial, herói gatão, sociedade distópica , uma nobreza esnobe e maléfica (tá aí nosso livro YA).

Não tem nada errado no clichê em si, quando ele é muito bem contado a fórmula pode ser repetida e adorada várias vezes , pra isso funcionar a narrativa tem que ter um "q" a mais.
Só que para mim aqui, ficou faltando bastante no aspecto romance, não sei se isso será mais bem desenvolvido no próximo livro.

O que eu achei diferente em "A joia" é o fato de ser uma história atual e explorar o lado reprodutivo da coisa, feito o clássico o conto da Aia. É bem envolvente o fato de imaginar uma sociedade que explore a capacidade da mulher de reproduzir e escravize-as por conta disso, aqui tem umas cenas bem agoniadas , isso eu posso garantir!

A personagem principal também não é chata, me peguei em vários pontos gostando dela o que me deixou um pouco brava (é, reclamo de novo) foi o romance ~agoniadíssimo~ deu vontade de dar uns cascudos nela gritando ' de onde vem esse amor todo menina?!' esse amor que muitas vezes não engoli tirou um pouco do desenvolvimento do "fundo da história em si"

Mas, não me leve a mal de jeito nenhum é um livro ruim.

É um livro bem rápido , bem escrito e a leitura é leve do tipo 'vou deitar na minha rede e ler ele todinho de uma vez' , e tem um final em aberto. Espero que tudo se desenvolva e seja melhor explicado no próximo ;)





comentários(0)comente



Camila Garcia 28/07/2017

Gostei!
Pra mim esse livro foi um achado no sebo da minha cidade.
O desenrolar da história é bem leve, o que permite que entremos nela aos poucos. E quando vemos, não dá pra desgrudar do livro.
Enredo interessante, com uma personagem principal (Violet) cativante.
Achei desnecessário o envolvimento romântico dela com o Ash. Cortou um pouco o fluxo da história e não acrescentou nada relevante. Porém, foi essencial para o final do livro nos deixar de boca aberta e ansiosos para continuar leitura.

site: un-loving.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Bruna 16/07/2017

Cidade Solitária
Acho que esse livro deveria ser mais popular. Dentro do booktube, dentro da comunidade de leitores... Sinto que ele não teve uma atenção como outras distopias tiveram, uma pena pois é um livro muito bom.
Seria um livro maravilhoso se não fosse o envolvimento do romance na estória. Não acrescentou em nada, foi totalmente avulso e o Ash não me cativou em nada. A autoria tem um puta enredo para mostrar e decidiu colocar romance no meio... Se não fosse por isso eu teria dado 4,5 ou até 5 estrelas. Não me entendam mal, se o romance tivesse sido bem escrito e com desenvolvimento eminente eu teria gostado, agora isso que ela jogou no livro só pra dizer que tem um romance foi uma péssima escolha.
Um coração a mais pela fofa da Annabelle, adorei ela. E o final desse livro me destruiuuuu preciso do próximo, e desesperada por saber que não tem data de lançamento prevista pro último livro! Apesar do romance choxo, gostei muito do livro!!!
comentários(0)comente



Ingrid Micthell 10/07/2017

Resenhado por Alice
A Joia é uma trilogia que já há algum tempo me chamava a atenção. Quando a V&R Argentina anunciou por aqui a publicação da terceira e última parte da trilogia me animei ainda mais a dar uma oportunidade à essa história, no entanto, admito que não tinha demasiadas expectativas. Em um primeiro momento, seja pela capa, seja pela premissa inicial, se pode notar facilmente a semelhança dessa saga com outra famosa série, A Seleção de Kiera Cass. e era justamente essa semelhança com A Seleção (uma saga que não me encantou completamente embora, admito, tem bons momentos) que me deixava com o pé atrás.
Felizmente, A Joia consegue se afastar bastante da história de Kiera Cass no decorrer das páginas. Amy Ewing soube trazer-nos uma história diferente, com uma sociedade peculiar que apresenta ao leitor à todo o momento revelações inesperadas e segredos, à primeira vista, confusos.

A Cidade Solitária é um território dividido em zonas. A Fumaça, Fazenda, Pantano, O Banco e, finalmente, A Joia, a parte privilegiada, onde vive a nobreza.
Por circunstancias misteriosas, as mulheres da Joia se tornaram incapazes de gerar filhos. A maioria das crianças nascidas da aristocracia, nasceu defeituosa ou, morreu ainda nos primeiros anos de vida. Se tornou impossível aos habitantes da Joia gerar filhos saudáveis.
Curiosamente, fenômeno oposto ocorre no Pantano, a região mais pobre da Cidade Solitária.
Algumas das meninas nascidas no Pantano nasceram com dons especiais, os chamados Auguries e, por meio destes dons são capazes de conceber não apenas filhos saudáveis, mas também perfeitos. Desta maneira, a poderosa realeza descobriu que poderia usar essas meninas como Substitutas, emprestando seus corpos para que possam ser usados para conceber filhos perfeitos para os habitantes da Joia.
Assim, as meninas são submetidas desde tenra idade à testes para descobrir se são portadoras dos Auguries e aquelas que, como Violet Lasting, são portadoras dos dons, são levadas de suas familias, exiladas até atingir a idade fértil e, então, leiloadas aos habitantes da Jóia, que não se importam em pagar preços altos para ter o privilégio de possuir uma substituta que poderá gerar um herdeiro ou herdeira para alguma poderosa familia.
Violet, assim como outras meninas, teve seu nome, sua identidade e seu passado apagado. Agora ela é apenas a garota número 197, e após o leilão, se tornará propriedade. Quando a poderosa Duquesa do Lago a compra, Violet não sabe bem o que esperar da nova vida.
Luxo, riqueza, jóias, vestidos caros e festas glamourosas farão parte da rotina de Violet à partir deste momento porém, Violet sabe que é apenas uma propriedade, usada para conceber um filho e após isso, descartada, sendo enviada à reclusão em uma terra desconhecida.
O grande problema é que durante sua jornada na Joia, Violet descobrirá que nem tudo é tão simples e que há segredos ocultos prontos para sair à luz, revoluções sendo preparadas e, um aterrorizante movimento que coloca em risco não apenas a sobrevivência das substitutas como Violet, mas também divide uma sociedade poderosa que, no entanto, pode estar à beira de um colapso.

Sei que a sensação ao ler a premissa de a Joia é certamente a de um deja-vu. "Ei, eu ja vi isso!" ou "vaya, isso parece com aquele outro livro". No entanto, apesar das semelhanças com algumas outras distopias já lidas e discutidas em diversos blogs, Amy Ewing conseguiu trazer-nos uma história envolvente, com personagens únicos e com muitos pontos originais e imprevisíveis.
Violet, a protagonista, é uma mocinha forte e decidida. Ela não tem medo do desconhecido, e é uma defensora leal dos seus. Há um determinado momento em que a personagem exaspera, pois quer se portar como um modelo de mártir, atitude bastante comum em protagonistas de distopias, porém, em um contexto geral, acompanhar a trajetória de Violet foi bastante interessante.
Há outros personagens que, em principio aparecerem de maneira secundária e aos poucos adquirem importancia, eu realmente gostei da maneira como a autora consegue inserir cada personagem sem permitir que o leitor possa prever de antemão as intenções reais de cada um.
Há muitos segredos para serem revelados e no universo fascinante e perverso criado por Amy Ewing, o inesperado parece ser sempre um fato constante.
A Joia não é um romance. É uma distopia, no sentido mais literal. A ambientação é rica em detalhes, e a narrativa possui um ar obscuro, garantindo sempre um toque de mistério.

Algo que realmente não me convenceu nesta primeira parte foi justamente o romance. Forçado, precipitado e sem sentido. A maneira como a relação de Violet e Ash se desenvolve me pareceu um pouco surreal e apressada, como se a autora não quisesse realmente se focar no casal. O romance, para dizer a verdade, é desnecessário nesta primeira parte e ficou a sensação de que fica sobrando na historia, dando a impressão de ter sido inserido por pura casualidade. Ainda teremos mais dois livros adiante, e pode ser que nos próximos o amor de Violet e Ash termine por me encantar, mas, até o momento, não chega a ser um casal que realmente tenha deixado marca.

Embora não tenha muitas cenas de ação, A Joia é um livro carregado de suspense, que mantém o leitor pegado ás suas paginas justamente por conta do clima tenso e conspiratório que parece prevalecer nas páginas dessa historia.
O final, bastante dramático, me pareceu adequado porém, falta emoção. Os fatos acontecem muito rápido no final e algumas coisas ficam sem explicação. Ainda assim, a autora consegue deixar um gancho interessante para a segunda parte, A Rosa Branca.

Resumindo, A Joia foi muito mais do que eu esperava, e certamente possui o mérito de sua autora conseguir trazer-nos uma historia nova e original apesar das semelhanças iniciais com outra trilogia famosa. Um livro que se lê rapidamente e que apresenta uma sociedade poderosa com ideais egoistas e distorcidos que, por muitos momentos, surpreende o leitor e nos deixa ávidos por descobrir mais deste peculiar universo criado por Amy Ewing.


site: https://resenhaatual.blogspot.com.br/2017/07/resenha-joia-amy-ewing.html
comentários(0)comente



babirios 26/04/2017

Uma receita para uma distopia viciante
Uma protagonista teimosa
Acrescente um mundo de desigualdade
Junte um romance proibido
Uma pitada de realeza
Polvilhe uma grande responsabilidade sobre a protagonista
Deixei assar por 300 páginas e você terá uma distopia de grande potencial

Mais uma série para me deixar louca e viciada. Confesso que a narrativa da Amy me lembrou um pouco da Victoria Aveyard (Rainha Vermelha) assim como o desfecho final do livro 1 de A Cidade Solitária.
.
.
?A Joia pode ser um lugar maravilhoso e terrível. Espero que prefira a parte boa.?
.
.
 Em A Joia somos inseridos em uma ilha dividida em 5 círculos: os mais exteriores são pobres e o círculo central, o da elite, A Joia. Violet pertencia ao Pântano, até ser diagnosticada como especial, recebendo a responsabilidade de gerar os filhos da realeza. Após anos treinando seus poderes, os Presságios, no dia do leilão a substituta Violet, agora lote 197 um dos mais valiosos, é comprada pela Duquesa do Lago, uma mulher impassível que possui grandes planos para sua substituta. Em sua vida no palácio, Violet irá descobrir as intrigas que rodeiam o mundo daqueles que possuem poder, as revoluções iminentes, as alianças e os planos tramados uns contra os outros. Além disso, ela também descobrirá um amor proibido por Ash, um acompanhante, fadado a uma vida solitária e vazia, mas que encontra na bela menina um amor fora das regras para preencher seu coração.
.
.
?Esperança é algo precioso, não é? No entanto, não damos a ela o devido valor até que a perdemos.?
.
.
?Você me faz sentir inteira também. Neste lugar que tira algumas partes de nós, você me faz lembrar de quem eu sou. Quem eu era.?
.
.
Achei a narrativa bem gostosa de ler, não é tão difícil compreender as dores da protagonista e o medo que ela possui de carregar um filho. A  autora explorou muito bem a frieza dos mais ricos que tratam as pobres meninas como meros objetos, exibindo-as em festas e jantares. .
.
?Quando uma pequena fenda se abre, uma centena de outras rachaduras aparecem de repente. E as muralhas que foram construídas com tanto cuidado começam a desmoronar.?
.
.
O que dizer sobre esse final... O sentimento foi o mesmo que tive no final de "A Rainha Vermelha" um final tão ???? que dá vontade de devorar os outros livros em horas. Com certeza mais uma trilogia que vou acompanhar
comentários(0)comente



Monique Neves 10/04/2017

Não é o que parece. É bem melhor!
Sua escrita é bastante envolvente, não dá vontade de largar o livro, é ação atrás de ação. Tem romance mas como uma boa distopia não pode faltar bastante aventura.
A explicação lembra muito a série Divergente pois a Cidade Solitária, uma ilha no meio do nada, é dividida em 5 regiões. O Pântano, a Fazenda, a Fumaça, o Banco e a Jóia, se formos falar de fora para dentro. Essas regiões são separadas por muralhas, construídas pelos primeiros colonizadores e todas as regiões servem a Jóia, onde vive a realeza com todo seu luxo e requinte.
Tudo começa com Violet, uma Substituta, indo para o Leilão, evento que determinará seu futuro. Uma Substituta serve exclusivamente para atender aos nobres, e principalmente para gerar um filho saudável para estes. Elas são selecionadas por um exame médico logo que alcançam a puberdade e enviadas para um internato, a fim de serem preparadas para essa nova vida.
Mas Violet logo percebe o quanto é difícil viver em um ambiente onde a cobiça e a inveja predominam e com ajuda dos seus mais recentes amigos traça um plano de fuga...

site: http://alfarrabiosliterarios.blogspot.com.br/2017/04/a-joia-amy-ewing.html
comentários(0)comente



Anne 17/03/2017

Uuuuaaaaallllll
Para entender melhor:
“A Cidade Solitária é dividida em cinco círculos, cada um deles separado por uma muralha, e todos, exceto o Pântano, têm apelidos relacionados à sua atividade. O Pântano é o círculo mais afastado, o mais pobre. Não temos atividade, apenas abrigamos os operários que trabalham em outros círculos. O quarto círculo é a Fazenda, onde toda comida é cultivada. Na Fumaça ficam todas as fábricas. O segundo círculo é chamado de Banco, porque é lá que os comerciantes têm suas lojas. E o círculo mais interno é a Joia. O coração da cidade.”

A Joia é a realeza da Cidade Solitária, seus “monarcas” por assim dizer, são o Executor e a Eleitora (equivalente a Rei/Rainha), depois temos as quatro Casas Fundadoras (Duques/Duquesas e Condes/Condessas), e em seguida as Casas da Primeira, Segunda e Terceira Classes (Lordes e Layds).

Em um passado distante, as mulheres da realeza perderam a capacidade de gerar crianças saudáveis, sua linhagem sanguínea estava morrendo quando foi descoberta a salvação. Foi descoberto nos genes de algumas mulheres do Pântano o dom dos presságios.

Primeiro presságio: Cor
Segundo presságio: Forma
Terceiro presságio: Crescimento

“Um: ver o objeto como é. Dois: ver o objeto em sua mente. Três: submetê-lo à sua vontade.”

Os presságios permitem reparar os danos nos cromossomos dos embriões reais, assim como realizar modificações durante a gestação. Essas mulheres são retiradas de suas casas, treinadas e vendidas à realeza para gerarem seus filhos.

Nossa protagonista é a Violet Lasting, mas logo no início do livro ela se torna o lote 197. Violet é vendida para a Duquesa do Lago e aí que o livro realmente começa. As substitutas são tratadas como uma propriedade, algumas inclusive levadas na coleira, são examinadas invasivamente e sofrem dores horríveis para executar os presságios com precisão e gerar crianças perfeitas, mas desta vez é ainda pior. O Executor e a Eleitora acabaram de ter seu primeiro filho e ele deve ser prometido dentro de um ano, sendo assim todas as mulheres querem gerar a menina perfeita para ser a futura Eleitora.

“— Ah, já começou a temporada de caça à substituta? — Garnet pergunta do outro lado da mesa”

Existem dois tipos de pensamentos em relação as substitutas, aquelas que acreditam que só precisam de seus corpos com injeções estimulantes para gerarem os presságios, e aquelas que acreditam que uma substituta com personalidade gera crianças melhores. Para a sorte de Violet a Duquesa do Lago pertence ao segundo grupo, mas nem todas dão essa sorte e substitutas morrem a todo momento.

Com um enredo cheio de suspense A Joia te conquista e deixa de boca aberta com até onde o ser humano é capaz de chegar. Se você pudesse customizar seu filho, você o faria? Garantir não só a aparência perfeita, mas também uma saúde perfeita, você o faria? Violet vai encontrar seu anjo da guarda e consegui salvar aqueles que ama?

site: http://www.fadasliterarias.com.br/2017/03/a-joia-resenha.html
comentários(0)comente



Carol 10/03/2017

Podia ser mais
Escrever distopia é uma das coisas mais complicadas em relação a escrita. Porque não são só personagens, nem são só situações. Um conjunto de fatores que pode levar o livro para o topo de uma lista forte, ou cair de um penhasco tão rapidamente que você nem sente que ele foi. Esse segundo caso foi o de A Jóia. Não tem nem quinze dias que acabei de ler e já estou me esquecendo de boa parte do que não deveria esquecer, coisa que nunca aconteceu com Fúria Vermelha, por exemplo, e olhe que demorei um ano de um livro para o outro. Prova concreta de que é preciso muito mais do que uma ideia para trabalhar um livro desse tipo.

Aqui a gente conhece a história da Violet, que é uma garota nascida no Pântano, e por ser fértil e ter alguns dons, ela é levada para ser treinada e futuramente servir como barriga de aluguel aos filhos da elite dessa sociedade distópica, juntamente com outras garotas. São escolhidas em leilão de acordo com suas habilidades, e é uma briga bem feia entre as mulheres da alta sociedade.

Violet é comprada por uma Duquesa absurdamente fria. Parece sempre morder e assoprar, e Violet, apesar de aparentar estar sempre sendo resistente, cai em muitos dos sopros dela. De algum modo ela aceitou o destino, por mais que o tema. Não se sabe o que acontece com as mulheres depois que os bebês nascem, e isso a atormenta.

Algumas coisas me incomodaram nesse livro. A falta de atitude de Violet, por exemplo. Quando ganha algum tipo de liberdade, invés de pensar em formas de mudar seu destino, ela resolve se enrroscar no travesseiro de um cara. Sério, minha amiga? Por favor!

Outra coisa bem irritante é o motivo - ou falta dele - que faz um membro dos rebeldes escolher Violet para um plano um tanto quanto Shakesperiano. Nada se sabe dele, e porque ela confiaria em alguém que não conhece? Ele me lembrou bastante o Cina, de Jogos Vorazes, mas diferente do outro, esse personagem não tem motivo para ter conquistado a confiança da menina tão rapidamente.

E lá vai eu reclamar do romance de novo! Veja bem, não me incomodaria se o negócio fosse bem escrito, mas não foi. Não se sabe porque diabos Violet se interessou pelo rapaz em questão, e garanto que ele não me cativou em nada. Aliás, tirando o filho da duquesa que tem um espírito bem a minha cara, ninguém nesse livro me conquistou em nada.

A autora joga ideias sobre a distopia, e as vezes coloca outras coisas por cima e não sei se para nos confundir ou se realmente é enrolado daquele jeito. Quando eu estava começando a gostar de alguma coisa, daí ela muda drasticamente e eu me vejo sem entender qual a proposta dela, de maneira geral. Vamos esperar que isso se explique no segundo volume.

Eu vou sim ler o segundo, porque raramente paro uma série no meio. Mas não estou indo com muita expectativa. O primeiro não foi lá grande coisa, o que é uma pena. Sempre torço para que as distopias me ganhem.

site: http://terradecarol.blogspot.com.br/2017/03/resenha-de-joia-amy-ewing.html
comentários(0)comente



Ketilin - @amornapagina 17/02/2017

A joia
Em “A Joia”, primeiro livro da série Cidade Solitária, conhecemos Violet, uma garota nascida e criada de forma humilde no Pântano. A cidade onde vive é dividida da seguinte forma: o Pântano, onde vivem as pessoas humildes; a Fazenda, onde cultiva-se os alimentos; a Fumaça, onde estão instaladas todas as fábricas; o Banco, onde ficam os comerciantes; e por fim a Joia, onde vive a realeza.

As mulheres da realeza são extremamente ricas, porém nenhum dinheiro no mundo é capaz de fazê-las gerar seu próprio filho, ou eles morrem ao longo da gestação, ou nascem com deformidades. Entretanto, as mulheres do Pântano são capazes de gerar seus filhos sem nenhuma deformidade e com muita saúde, porém, as mulheres do Pântano possuem presságios, que são dons raros.

Pode parecer bizarro, mas todos os anos, a Joia realiza leilões a fim de vender as garotas do Pântano para gerar os filhos da realeza. E quanto mais alta a classificação, maior é o seu dom, mais especial será a criança gerada.

E a Violet tinha um presságio muito bom, o que fez com que a garota ficasse em um dos lotes mais altos do leilão daquele ano, e foi '‘comprada’' por uma das mulheres mais influentes da Joia.

Durante o decorrer do livro, que é narrado em primeira pessoa, ficamos chocados com os relatos de como acontece a fecundação, dos testes que são obrigadas a fazer, da dor que passam para realizar um presságio e principalmente pela forma que ocorrem as mortes (sim, têm algumas mortes no livro). Mas nem tudo é tristeza nessa distopia, também vemos um amor florescer, Violet se apaixona por um acompanhante, Ash Lockwood, o que deixa algumas partes do livro muito fofas e mais leve, é aquele momento em que respiramos aliviados.

O final desse livro é de te fazer enlouquecer, você imagina que tudo vai acabar de forma previsível, porém acontece uma reviravolta gigantesca.

Mais do que recomendada essa leitura!


site: https://www.instagram.com/p/BPs454bj-yQ/?taken-by=amornapagina
comentários(0)comente



Vittória Brasil 11/02/2017

Muito singular e curioso
Gostei bastante dessa leitura, o livro é fácil de ler e a história é muito interessante. Admito que faltaram alguns acontecimentos mais chocantes para que ele fosse perfeito, mas o final foi promissor. O próximo livro tem grandes chances de superar esse.
O romance é meio instalove, mas é bonito e se você parar para pensar, eles meio que estavam desesperados, precisavam um do outro, faz um pouco de sentido as coisas acontecerem rápido.
Espero muito de Garnet no próximo livro. Ele foi um personagem do qual eu queria ler mais e até shipparia com a Violet se fosse a intenção da autora (mas o Ash é legal também).
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



MdL 18/01/2017

Resenha: A Joia - Amy Ewing
A realeza nunca foi tão cruel
A cidade solitária dividida em cinco circulo separados por uma muralha, o quinto é o Pântano o mais pobre de todos; o quarto a Fazenda, o terceiro a Fumaça, o segundo o Banco, e o primeiro é a Joia, onde as pessoas ricas vivem. Violet tem apenas 16 anos e vive no circulo mais pobre, o Pântano; porém num dia ela é chamada para viver na Joia.
Algumas jovens são escolhidas para viver nesse rico circulo, pois são férteis, Desde sempre as pessoas da realeza escolhem essas jovens, que são chamadas de substitutas para terem seus herdeiros saudáveis e continuar seus legados.
"Esperança é algo precioso, não é? No entanto, não damos a ela o devido valor até que a perdemos."
Quando chega na Joia, Violet será apenas mais um número no lote do leilão e ninguém irá saber quem ela realmente é – nome, de onde veio quem é sua família – e também nunca mais poderá ver sua família. Ela apenas irá servir a realeza. Mas Violet acaba descobrindo que tem muito mais coisa em jogo do que ela imaginava, e que ela não pode confiar em absolutamente ninguém. Porém quando seu coração é colocado em jogo ela descobrirá coisas que não deveria saber nesse mundo cheio de traições e ambição.
" — Sempre achei... impressionante como uma pequena gota de extrato de planta pode destruir por completo um ser humano. Somos tão frágeis, não somos? Um golinho de vinho, e depois... nada. A vida é uma chama fácil de apagar."
Quando peguei esse livro eu me apaixonei logo pela capa, e fiquei um tanto receosa em relação a história, mas isso mudou quando eu comecei a lê-lo. A Joia é uma distopia bem diferente das outras, com uma temática bastante impressionante, Amy Ewing conseguiu criar um sistema onde a realeza é muito perversa e cruel. Os personagens são muito bem construídos e evoluem junto com o livro de uma maneira bastante equilibrada, eles conseguiram me conquistar até o fim dessa história. Além de que o final desse livro termina de uma maneira muito tensa e que me deixou com o coração na mão e bastante ansiosa para a continuação
"Falam sobre nós como se fossemos um animal de estimação ou um cavalo premiado. Como se não pudéssemos ouvi-las. Como se nem estivéssemos ali."
A Joia é uma trilogia que já tem o seu primeiro livro publicado aqui no Brasil pela editora Leya, e está sem previsão para o lançamento do segundo. O título do segundo livro em inglês se chama White Rose.

site: http://mdl-magodoslivros.blogspot.com.br/2016/07/resenha-joia-amy-ewing.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



74 encontrados | exibindo 16 a 31
1 | 2 | 3 | 4 | 5