Golem e o Gênio

Golem e o Gênio Helene Wecker




Resenhas - Golem e o Gênio


108 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Rafa 24/07/2019

Grande demais
A história é otima e mistura duas culturas incríveis. Porém, o livro só começa a ficar interressante depois de 200 páginas. Os personagens são muito bem construidos, mas o tamanho do livro poderia ser reduzido.
comentários(0)comente



Daniela 13/05/2019

Incrível!
• Adoro ler sobre outras culturas e esse é um livro com duas delas que foram graciosamente ilustradas pela autora, a árabe e a judaica, além de misturar ficção e fábula para melhorar ainda mais o cenário.

• Foi um dos livros de fantasia mais inusitados que já li, tanto pelo modo como sua temática foi explorada, como pelos personagens que guiaram a história.

• A golem é uma personagem e tanto. Tendo que aprender sobre o mundo e seu funcionamento, estar sempre atenta aos seus atos, modos e palavras. Foi brilhantemente descrita enquanto descobria a si mesma e aos outros.

“Se o ato do amor é tão perigoso, por que as pessoas se arriscam tanto por ele?”
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
“Ainda havia tanto a aprender sobre essas breves vidas humanas, com seu constante sentimento de urgência”.

@dancando.com.as.letras

site: https://www.instagram.com/p/BqCyWDbAoAj/
comentários(0)comente



Max Roger 10/05/2019

Lento quase que parando, mas um bom livro.
Com o passar dos anos creio que eu esteja ficando mais ranzinsa com as coisas e com as minhas leituras também não é diferente.

O livro tem mais de 500 páginas e as primeiras 300 passaram num ritmo torturante, quase que me fizeram desistir do livro, mas não o fiz. Ainda bem, já que o terço final do livro é bem superior ao seu início.

O plot principal é focado na nossa querida Chava (A Golem) e o fulgaz Ahmad (o Djim), porém temos vários outros personagens (o Rabi, Schalmam, Sophia, Saleh, Fadwa, etc) que permeiam os nossos protagonistas e ligam alguns pontos que a princípio não fazem um sentido tão claro.

A escrita da autora é extremamente bonita, porém em algumas partes é extremamente descritiva e muito maçante.

O livro é bem robusto, mas na minha visão ainda deixou algumas lacunas, problemas que poderiam muito bem serem resolvidos tirando umas 100 páginas do primeiro e segundo do terço do livro e destinando-as para a parte final.

Mesmo não sendo as mil maravilhas como muitos falam por aqui, o livro é bom, porém para lê-lo há de se ter muita paciência.
comentários(0)comente



Gabriel.Lopes 08/05/2019

Maravilhoso
Eu passei o livro todo pensando em 5 estrelas, o final foi muito previsivo pra mim, me fez tirar um pouco.
Mas toda a experiência foi incrível, eu adorei esses 3 dias que eu peguei e li direto.
Enredo gostoso, descrição maravilhosa que possibilita enxergar os cenários e sentir o cheiro das comidas e personagens maravilhosos que faz você temer por eles.
Amei do início ao fim, só precisava de um desfecho melhor
comentários(0)comente



Jaqueline 30/04/2019

Gostei, porem faltou
Gostei bastante do livro, porém esperava muito mais, do começo até mais da metade a história é bem parada, falando só a adaptação de vida dos personagens centrais em Manhattan, Eles são dois seres "sobrenaturais" e foi muito bom poder conhecer esse tipo de personagem, já que eles são : uma Goldem... Um ser criado do barro a fim de obedecer, e temos também o Djim que seria um gênio da lâmpada. A questão é. Somos apresentados a dois seres diferentes, com obstáculos diferentes em suas vidas, e daí o caminho deles se cruzam e é por aí que a história fica um pouco mais interessante. Porem, apesar de ser um livro relativamente longo, a história ainda conta com alguns buracos, que não são fechados, e que fazem falta para um desfecho mas especial. Confesso que estava esperando algo mais épico e surpreendente. No mais a leitura é boa, apesar de exigir do leitor certa paciência.

site: https://www.instagram.com/p/Bw4tPWFgKIs/
comentários(0)comente



Becky 05/04/2019

Narrativa envolvente, personagens bem construídos com ótimo desenvolvimento, mitologias diferentes sendo exploradas.

Logo que o livro começa, já percebo minha curiosidade e ânsia por coisas novas sendo instigadas: uma golem(que até então eu mal sabia sobre!) sem um mestre, em uma cidade caótica. Mas então a história do gênio começa, sem aparente ligação com a dela, e confesso ter ficado bastante aflita para saber como eles se cruzariam, afinal de contas estavam em mundos totalmente diferentes, tendo como a única ligação a cidade na qual estavam. O modo como os caminhos se encontraram foi um pouquinho decepcionante a princípio, mas como eles foram entrelaçados foi simplesmente fascinante.
A delicadeza é um dos pontos mais encantadores, a sensibilidade que a autora tem em descrever os personagens, dar vida a eles, transformar as tormentas deles nas nossas. Apesar de se tratar de seres mágicos, eles são absolutamente palpáveis, o que fazem é sempre compreensível - embora não deixe de ser, grande parte das vezes, surpreendente.
Fiquei sabendo de uma continuação planejada, estou ansiosa, desde que a situação na qual os personagens dá margem para muitos conflitos novos.
comentários(0)comente



Janise Martins 29/03/2019

Golem e o Gênio
Não é uma leitura rápida (é outra que usa palavras demais), pois contém muitos detalhes e situações que precisam ser assimiladas. Mas é um livro que nos prende, bem… pelo menos boa parte dele, tá bom, depois da metade fica melhor.

Golem é uma criação e Djim é um espírito preso em um corpo.
Ela feita de barro e ele feito no fogo.
Ela foi criada para ser submissa, ele nascido para liberdade.
Ela de cultura judia e ele de cultura árabe.
Não é um livro de melação romântica (aliás não tem um carinho, muito menos um beijo! Quem tem medo de Cinquenta Tons de Cinza vai amar esse), nem passa perto disso e tão pouco um livro de fantasia tradicional, então o que é? Sei lá! Um livro que contém um romance entre linhas e magia escondida na manga hehehehehe… acho que é mais ou menos isso.

É um livro bom, vale a leitura, mas eu mudaria o nome desse livro, deveria se chamar Duas Criaturas em Nova York, faria mais sentido.
O final do livro eu não gostei muito




site: https://janiselendo.blogspot.com/2015/11/golem-e-o-genio-uma-fabula-eterna.html
comentários(0)comente



Jose Ricardo 27/03/2019

Eu o achei incrível
O livro é fantástico, o terminei em dois dias, me prendeu de uma forma que nem sei explicar, aconselho a qualquer um que goste de uma boa narrativa a ler essa belezura, e que personagens incríveis, principalmente o gênio ?
comentários(0)comente



Bia 15/02/2019

Resenha - Golem E O Gênio
Já tinha tanto tempo que queria ler esse livro, desde que foi lançado. Mas ele sempre está tão caro que levou um bom tempo para poder comprá-lo e confesso que levou um pouco mais de tempo para pegá-lo para ler kkk. Levei quase dois meses para acabar esse livro, não por ser chato, porque não é, mas por falta de tempo e de uma Grande Ressaca Literária que venho tendo desde Dezembro. Sério... Essa é a maior ressaca literária que já tive!

Otto Rotfeld queria uma esposa, mas não qualquer esposa... Por ser quem era achar uma pessoa seria difícil, poucos tinham interesse nele, a maioria sempre o evitava. Sendo assim ele decidiu encomendar sua própria esposa. Rotfeld foi em busca de um feiticeiro muito citado em Israel, prometendo uma boa quantia de grana para que o feiticeiro pudesse fazer uma Golem para ele. Golem são criaturas feitas de barro de aparência humana que servem como escravos robôs: obedecer apenas ao seu mestre em tudo o que lhe for pedido.
Infelizmente Chava, a Golem, despertou e em seguida perdeu seu mestre enquanto ambos viajavam para uma nova vida, para a América. Sem um mestre, a Golem simplesmente estava perdida, com o laço de mestre e escrava cortado, a Golem podia ler os desejos de todos, o que a deixava louca, e uma Golem violenta era um perigo para qualquer um. Com a ajuda de um Rabino que a encontrará perambulando pelas ruas de Nova Iorque, em um bairro judeu, e que reconhecera sua real natureza, a Golem aprende a viver uma vida humana, tendo o cuidado de não revelar sua natureza em tudo o que fazia. Mas essa jornada será difícil, não se pode fugir de quem você realmente é: uma criatura violenta.
Não muito longe de onde a Golem se encontrava, em um bairro Sírio, A Pequena Síria, um funileiro chamado Boutros Arbeely consertava uma relíquia de família de um cliente, uma garrafa de cobre muito antiga. Ao apagar alguns símbolos dessa garrafa, um Dijim saiu de dentro. Dijim são criaturas de fogo que podiam assumir qualquer forma, entrar em sonhos humanos e criar ventos pelo deserto e cavalgá-los. Esse Dijim, Ahmad, foi preso por algum feiticeiro há mil anos, ele não se lembra de como nem quando ou mesmo quem foi, apenas sabe que foi aprisionado a um feiticeiro que poderia controlá-lo. O Dijim, sem ter para onde ir, ficou na oficina de Arbeely que passou a ajudar o Dijim a se adaptar a forma humana e ao mundo humano. Mas o Dijim era uma criatura livre, e mantê-lo sobre as rédeas firmes seria difícil, ainda mais com uma criatura com tanta curiosidade para saciar sem se importar se causará confusão ou algum mal para alguém.

Um livro bem diferente de tudo que eu li, mas confesso que esperava mais. Não é um livro ruim, não é exatamente chato, mas ele é muito lento, é muito detalhado e muito sem ação.
O que vemos nesse livro desde o inicio é a vida e a luta tanto do Dijim quanto da Golem de viverem entre os humanos e tentar se passarem por eles. Além de ambos tentarem entender os humanos e suas maneiras que para eles é super mega estranhas e até sem sentido.
O livro trás a cultura Síria e Israelense, trás a paisagem bem construída de Israel, do deserto, da Síria e até mesmo Líbia, apesar de o livro se passar em Nova Iorque. Nunca li um livro sobre Dijim (que para nós é conhecido como O Gênio) ou mesmo Golem, nunca li nada que traga a cultura de Israel e Síria, então para mim esse livro foi uma experiência nova e diferente, viajei para lugares diferentes, conheci culturas e lendas diferentes nesse livro. Ele é bem diferente de tudo que já li.

A história passa a andar mais quando o Dijim e a Golem se encontram, algo que acontece lá para as páginas cento e noventa e alguma coisa, ou seja, um longo caminho apenas conhecendo e vendo a Golem e o Dijim se habituando a vida humana. A ação do livro só acontece nas últimas trinta/vinte páginas que é quando descobrimos tudo o que aconteceu com o Dijim no passado, mas a “ação” não é grande coisa, é uma coisinha que eu achei rápida demais, como se a autora quisesse acelera o final do livro logo. Achei o final bem fraco, meio que incompleto ou pouco criativo, algo assim.
O Dijim é muito inquieto, daquele tipo de pessoa que não consegue/pode ficar parada por mais que um minuto, então ele está sempre explorando lugares e até pessoas, tentando saber mais, conhecer mais, sobre suas descobertas e sobre aquilo que o fascina. Mas ele é uma boa pessoa, e vemos isso bem mais pro meio do livro já quando conhece a Golem. Ahmad é alguém que não tem limite e parece não ver/reconhecer quando passou do limite.
A Golem é muito presa, muito cuidadosa, daquele tipo que pensa “três mil” vezes antes de fazer qualquer coisa e no final acaba nem fazendo por segurança. Não se arrisca, não tenta. Anda muito na linha, observa demais e se repreende demais por coisas que nem deveria. Ela tem medo de perder o controle e acabar machucando alguém, pois sua força é infinita. Depois que conhece o Dijim, assim como ele, ela muda um pouco, se permite libertar e a passar da linha de limite que se impôs. É uma personagem sem sal, mas de certa forma interessante.

Os outros personagens que narram nesse livro são: Arbeely, Mahmoud Saleh, Yehudah Schaalman, Michael Levy, Sophia, Fadwa Al-Hadid. E, apesar de não ter achado necessário as partes em que Michael narra, cada um desses personagens tem uma grande importância nesse livro, principalmente Fadwa que infelizmente mal narrou, porém quando sua vez chegava era algo que me prendia mais que em qualquer outro momento com qualquer um dos narradores. Não vou me aprofundar e falar mais desses personagens, porque qualquer coisinha sobre eles seria um spoiler.
É um livro difícil de ler, tem que ter muita paciência, porque o livro é mais aprofundado em conhecer, explorar, os personagens Chava (Golem) e Ahmad (Dijim) do que o mistério que cerca o Dijim e o tal feiticeiro, essa questão praticamente é deixada de lado e se volta átona nas últimas páginas. Mas é um livro interessante, que trás uma cultura e lenda interessante, e quando vemos o passado do Dijim são as partes, em minha opinião, que mais prendem.

Para aqueles que querem ler não abandonem o livro quando o acharem super parado, porque ele fica melhor, não incrível ou super legal ou emocionante, mas melhor que o inicio foi. E para aqueles que abandonaram, recomendo que retomem a leitura, acho que esse livro vale à pena, por mais lento e parado que seja.

site: http://biiabrito.blogspot.com/2018/04/resenha-golem-e-o-genio.html
comentários(0)comente



Natália 14/02/2019

Uma experiência maravilhosa de imersão! Gostei tanto de acompanhar esses personagens que, apesar de querer saber qual seria o final deles, não queria terminar o livro. Uma fantasia que mostra culturas que eu não estava habituada a ler em livros. Foi muito bom também conhecer a mitologia de Golens e Djinns. Recomendo!
comentários(0)comente



Bárbara 04/01/2019

Uma leitura magica!
Na primeira tentativa de leitura ,em 2016, não consegui avançar na história e acabei abandonando o livro na página 40 e alguma coisa. Acho que não estava na hora.
Mas nessa segunda vez ,fui de mente aberta e me entreguei para esse livrão. Me apaixonei por cada história e cada pedacinho do livro , não queria que terminasse nunca ,mas infelizmente teve fim e agora eu estou aqui com saudades . Espero que a autora faca uma boa continuação ,que seja tão apaixonante quanto esse livro.
comentários(0)comente



Déia 07/11/2018

Golem e o Gênio
Helene Wecker soube nos levar uma viagem fascinante, através de uma cultura árabe e judaica reunindo mitologia popular, ficção histórica e fábula mágica, numa narrativa inesquecível. Super recomendo!
comentários(0)comente



Tamirez | @resenhandosonhos 22/08/2018

Golem e o Gênio
Golem e o Gênio foi um livro que muitas pessoas me indicaram com a certeza de que eu iria gostar. Elas estavam certas, porém não posso negar que esse foi um livro difícil. A narrativa é mágica e encantadora, a escrita é rica e bem desenhada, mas a fluidez do livro é lenta e, devido a suas mais de 500 páginas, torna-se uma leitura vagarosa. Isso de forma alguma é um problema grave, mas pra mim que curto leituras mais fluidas e dinâmicas, foi complicado caminhar pela primeira metade do livro.

Depois da página 300 a história muda um pouco de tom e tudo corre com mais rapidez. Também parece haver mais ação na história, enquanto mais da primeira metade apenas situava a gente na trama, apresentava personagens, suas origens e passados. Quando mergulhamos na verdadeira história que se desdobrará, a leitura é mais cadenciada e a curiosidade de descobrir o que virá pela frente vence qualquer empecilho.

“Sua verdadeira forma era insubstancial como uma golfada de ar, invisível aos olhos humanos. Nesse formato era capaz de conclamar os ventos e cavalgá-los pelo deserto.”

A descrição dos personagens é muito interessante. A autora tira o seu tempo para nos apresentar cada detalhe sobre cada um e revela mais ao decorrer da história. A Golem é uma criatura perdida, por natureza ela deveria ter um mestre, ela não sabe agir sozinha. Ela sabe o que todos pensam e tenta controlar isso da melhor maneira possível, tanto para não ficar louca quanto para não ser invasiva e agir como se “lesse pensamentos”.

O que foi solicitado em sua criação está presente. Ela é recatada, mas é inteligente e curiosa. Tem medo das repercussões mas tem vontade de conhecer tudo e aos poucos vai desbravando o mundo ao seu redor. A relação dela com o pastor é completamente compreensível. Ele foi o primeiro que lhe ofereceu a mão, sabe o que ela é e aos poucos tenta dar condições para que ela viva, sem, por baixo dos panos, também encontrar uma contra medida caso ela saia do controle. Ela é uma criatura com sua própria natureza. Quando um golem entra em uma situação de ameaça ou risco para seu mestre ou para aqueles que tem afeto, pode se tornar violento e como tem uma força estupenda, causar um dano irremediável.

Do lado oposto temos o Djim. Ele caiu de paraquedas nesse mundo e é um ser que anseia por liberdade, mas está preso, e não faz ideia de como consertar isso. Ele busca ser livre da maneira que pode, desbravando novos lugares, fazendo longas caminhadas e se envolvendo em situações um quanto inusitadas ou proibidas.

Quando os dois se encontram é como um choque de universos. Ambos conseguem ver que são diferentes de pessoas normais, mas não sabem “o que são”. Pra o Djim a forma contida como a Golem vive a vida é um desperdício e, para ela, ele é muito negligente, se expondo à toa. Eles são diferentes, mas conseguem encontrar um ponto em comum: ambos são estranhos a esse mundo e foram forçado a viver nele.

“Durou uma eternidade; foi apenas um instante.”

Todos os outros personagens secundário são importantes para a trama de alguma forma e um terceiro elemento vai surgindo ao longo da história. O misterioso Schaalman, aquele que criou a Golem a pedido de Otto, vai aos poucos se inserindo na história e mostrando que tem muito mais a contribuir para a narrativa do que apenas o que parece no começo do livro.

E sim, o subtítulo faz bastante jus ao estilo de história. Golem e o Gênio é uma fabula – apesar de não ser uma história curta – não só pela presença desses dois seres, mas também pela forma como narra os fatos, sempre tornando a ambientação e a história em algo mágico. Além de tentar entender a forma como esses personagem enxergam o mundo, somos conduzidos pelas ruas de Nova York com boas descrições em uma atmosfera antiga, que torna o cenário do livro muito bonito.

As culturas trabalhadas também são muito interessantes. É possível como cada comunidade defende seus código e princípios e do quanto a ordem é algo importante. Construir uma nova vida nesse país estranho a eles é algo que se fez necessário pelos desafios da vida. Alguns vieram com toda família e outros deixaram para trás pessoas que amam e ainda precisam cuidar, enviando dinheiro. Preservar o bom convívio dentro dessas comunidades é algo importante para eles e se mostra através de seus atos durante a história.

Golem e o Gênio certamente é um livro que me marcou pela forma bela como a autora conduz a trama. É uma escrita bonita e encantadora, que vária entre a simplicidade das palavras à rebusques do texto, proporcionando uma experiência única. Porém em relação a história fiquei em conflito com várias coisas e por isso não se tornou para mim um livro 5 estrelas.

Não concordo com várias coisas do final. Acho que o destino dado a alguns personagens parece estar ali somente para chocar, não tendo verdadeiramente um propósito. Me parece que se tivéssemos seguido por um outro caminho ainda chegaríamos ao mesmo lugar. Há também uma decisão importante para um personagem no fim, mas ela é completamente influenciada por algo ou não acontecer e soa ir completamente contra a natureza do mesmo. Enquanto questionava isso, pensei que talvez isso fosse algo que a autora quisesse que prestássemos atenção. De que não é necessário seguir sempre o “instinto”, que é possível surpreender, vencer sua própria natureza. Mesmo assim, tendo acabado o livro em conflito, não alcancei a plenitude que o restante da leitura me deu.

A edição da Darkside está muito bonita e é um livro que certamente vale a pena ter na estante. Apesar da demora com a leitura, consegui aproveitar bem a história e compreender o porque tanta gente o enalteceu. Mesmo não sendo um favorito, recomendo a leitura, principalmente pra quem gosta de uma escrita mais bem trabalhada e rica. Porém, tenha em mente que pode ser uma leitura demorada e dê o tempo necessário para que a experiência seja proveitosa e não cause decepção. Esse é um livro para ser degustado.

Acho que deve agradar tanto aos ávidos fãs de fantasia, quanto aqueles que ainda estão começando no gênero. Golem e o Gênio traz elementos que já são nossos velhos conhecidos, em um mundo que é real. A história se passa a mais de 100 anos atrás, mas mesmo assim tem a familiaridade dos elementos da contemporaneidade, o que deve facilitar a leitura pra quem não curte se aventurar em mundos diferentes.

site: http://resenhandosonhos.com/golem-e-o-genio-helene-wecker/
comentários(0)comente



Kênia Cândido 01/08/2018

Fascinante!
Com uma escrita maravilhosa, Helene Wecker proporcionou uma viagem literária fascinante. Ainda não consigo acreditar porque demorei embarcar nesta aventura cheia de fantasia e mais uma história conquistou meu coração.

A história começa em 1899 quando Otto Rotfeld, mestre de Golem, saindo de Danzig, uma cidade localizada na Alemanha e estava indo clandestinamente de navio para Nova York juntamente com uma Golem, criatura feita de barro trazida à vida para obedecer e proteger seu mestre.

Pouco antes dessa viagem acontecer, Otto visitou o velho Yehudah Schaalman, um rabino caído em desgraça que estava envolvido em estudos místicos, para criar uma Golem para tornar-se sua esposa. Otto desejava que a Golem fosse sua esposa, pois era um homem que possui dinheiro, porém era arrogante e solitário. Dessa forma, uma Golem iria lhe servir, mas Otto desejava que ela fosse uma esposa curiosa e inteligente.

Durante a viagem de navio, Otto acaba adoecendo e por uma fatalidade morre no trajeto, deixando a Golem recém acordada e sozinha. No entanto, quando Golem chega à Nova York, ela é acolhida pelo rabi Avram Meyer, que rapidamente percebe que a Golem possui algumas características especificas e diferentes de outros Golens. Avram resolve ajudar Golem da melhor maneira possível, dando-lhe o nome de Chava e ensinando-a comportar como um ser humano normal.

Enquanto isso, o gênio chega às terras americanas de forma diferente. Em Nova York, havia um funileiro chamado Boutros Arbeely que tinha uma oficina que destacava pela boa qualidade e preço justo. Certo dia, Arbeely recebeu a visita de uma mulher chamada Maryam Faddoul com uma garrafa de cobre amassada que pertencia sua família que trouxe da Síria.

No momento que Arbeely começa reparar as partes amassadas da garrafa, acontece uma explosão e Arbeely acaba libertando o gênio, uma criatura feita puramente de fogo conhecida como Djim. Um feiticeiro aprisionou o Djim dentro do corpo de um homem e aprisionou dentro da garrafa.

Infelizmente o Djim não lembrava de nada do seu passado e também não conseguia assumir sua forma original por causa de um bracelete de ferro que o impedia de ter a liberdade que tanto desejava. Assim Arbeely acaba dando abrigo para o Djim esconder sua verdadeira natureza e passa ser conhecido como Ahmad, o novo assistente da oficina.

É um calhamaço incrível que contém um desenvolvimento bastante agradável. As páginas apresenta uma sociedade em construção, com vários personagens bem construídos e extremamente cativantes.

Pelas ruas de Nova York em outro século, Chava e Ahmad mostram como os opostos podem se atrair perfeitamente. Chava gosta de servir e deseja fazer parte da sociedade. Ao contrário de Ahmand que simplesmente deseja ser livre e não aceita limitações.

Os dois personagens principais apresentam personalidades opostas, mas simultaneamente são semelhantes, porque as pessoas não podem descobrir que eles são criaturas mágicas disfarçadas de humanos. Chava e Ahmad estão cheios de conflitos dentro de si e precisam aprender novas experiências para lidar com as diferenças da própria natureza.

Com flashbacks, o enredo apresenta crenças e cultura árabe e judaica, oferecendo várias peças de um quebra cabeça para criar uma conclusão bem construída e pode ter certeza, tudo está bem conectado, trazendo um final surpreendente. A leitura não decepcionou.

Através de uma escrita muito rica, Helene Wecker mostra a grandiosidade com elementos de magia e mitologia com uma essência mais adulta. Quem realmente é fã do gênero fantasia, pode ter certeza que ficará encantado com o mundo que a autora criou.

Nem preciso ficar falando sobre o projeto gráfico e a edição caprichosa da Darkside, com fita para marcar página e as folhas de guarda com fotos no princípio e no fim do livro, mas quero destacar a capa maravilhosa que enriquece ainda mais a história. Vale a pena demais ter na estante.

Golem e o Gênio certamente foi um melhores livros que li este ano, onde explorou de diversas culturas e as crenças. Poderia ficar escrevendo outros motivos para convencer quem ainda não leu a história para embarcar nessa aventura, mas aconselho que leia e conheça essa fantasia com uma bagagem cultural bem interessante.

site: http://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com/2018/08/resenha-golem-e-o-genio-uma-fabula.html
comentários(0)comente



Cláudio Dantas 29/07/2018

Não consegui me conectar 100% com a escrita da autora
O livro inteiro é bem lento, e as cenas que fazem a história avançar com mais rapidez acabam ficando meio chatinhas pela forma com que a autora escreve. Há quem tenha achado a escrita dela poética e etc, mas eu achei meio enfadonha. Estando de férias, eu estava empregando um ritmo de 100 páginas por dia e estava conseguindo, até as últimas 100 páginas que eu levei 3 dias, porque eu já estava exausto da escrita da autora.

Entretanto, a história em si é mágica, os personagens são bem construídos e a estrutura é de certa forma bem cinematográfica. Acho que um filme sobre esse livro seria bem bonito. Além do mais, existem algumas discussões religiosas que eu particularmente achei bem interessantes. A representação das culturas árabe e judaica também são bem feitas.

Resumindo, meu maior problema com essa história foi com a escrita da autora. Em nenhum momento consegui me sentir imerso. E sobre o final, gostei da explicação para o aprisionamento do Djim na garrafa e também gostei da resolução para tudo, apesar de achar que houveram algumas cenas desnecessárias que, se tivessem sido descartadas, não mudariam em nada o andar da história.
comentários(0)comente



108 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |