Do Amor e Outros Demônios

Do Amor e Outros Demônios Gabriel García Márquez




Resenhas - Do Amor e Outros Demônios


63 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5


Monique Bonomini 07/07/2019

Ninguém fala de amor e paixão como Gabo!
comentários(0)comente



Seabra 10/04/2019

A história toca em pontos como abandono familiar, cultura africana, catolicismo, possessão, amor. Tudo isso em um tempo muito distante do nosso, o que nos transporta para outra realidade. Nos trás críticas sobre a sociedade e até que ponto ela pode nos salvar ou nos condenar. É curtinho, vale a pena a leitura, com certeza vai lhe deixar no mínimo intrigado
comentários(0)comente



Bru 07/04/2019

Possessão Questionada
Adoro ler no ônibus, no trem, e em qualquer outro veículo no qual eu seja uma mera passageira. Na última quinta-feira, voltando da faculdade, terminei de ler uma das obras que eu precisava para a disciplina de Português II. O livro é “Do amor e outros demônios”.
Para começar esta resenha devo dizer que o livro me deixou meio confusa. Não por a leitura ser complicada – apesar de ter algumas palavras que eu não tenho ideia de o que significam -, mas por não ter deixado claro (ao menos eu não identifiquei) qual era a idade da personagem principal, Sierva Maria, quando estava enclausurada no convento. E esta é uma informação crucial para o desenrolar desta história.
Mas bem, comecemos do início. Do amor e outros demônios conta a história de uma menina que é mordida por um cachorro que etá com a doença da raiva. Esta jovem, Sierva Maria, acaba ficando com alguns sintomas da doença.
Maria, com seu temperamento arisco, branca criada por negros e sabendo falar mais de duas línguas africanas, é levada por seu pai para um convento, onde lá ele acredita que ela poderá ser exorcizada. Como ele está em dúvida se a menina tem raiva ou um demônio no corpo, prefere mantê-la em mãos sagradas para tentar desvendar este mistério. O que acontece é que estas “mãos sagradas” não são tão santas assim.
Maria sofre violência neste convento e permanece lá sob condições desumanas, como se fosse um criminoso no corredor da morte. A jovem sofre tantos abusos das freiras, que acreditam piamente que ela está possuída pelo demônio, até que cruza seu caminho o padre Cayetano Delaura, e muda sua vida para sempre.
Em meio a tanta sordidez, Sierva Maria e Cayetano Delaura conseguem criar um mundo só deles, onde se amam, se protegem e se consolam um ao outro. É bonito de ver a construção do relacionamento dos dois. E é aqui que entra a minha confusão, comentada no início desta resenha. Eu jurava, no início do livro, que Sierva Maria havia sido mordida por este cachorro raivoso quando ela tinha cerca de 10 anos, e fora enclausurada no convento com esta mesma idade. E quando o romance dela com o padre começou eu fiquei chocada, pois ele tem mais de 30 anos. Fiquei sem entender nada, mas depois fui perceber que na verdade Maria não era uma criança.
Gostei bastante deste livro, principalmente do romance na reta final. Mas o que achei interessante foi a forma como trataram as autoridades do convento – bispo, abadessa, freiras, padre… – mostrando que lá dentro nem tudo são flores e muitas pessoas devotas que se acham santas acabam sendo mais demoníacas do que aquelas que o são julgadas assim.
Descobri há pouco que tem um filme deste livro. Já estou ansiosa para assistir e verificar se a história corresponde a do livro. Mas enfim, super recomendo esta leitura.

site: https://freescura.wordpress.com/
comentários(0)comente



Lili 02/04/2019

Do Amor e Outros Demônios
Livro lindo e triste. O título é perfeito, ele fala sobre o amor e outros demônios da vida. A escrita de Gabo é tão maravilhosa, que nos sentimos dentro do livro, acompanhando a decadência, a sujeira, a tristeza e até os cheiros dos lugares tão opressivos que o livro descreve. Um livro em que nada deu muito certo, e em que se acaba por perceber que se as coisas tivessem acontecido de outra maneira, provavelmente também não teria dado certo (sim, é esse o nível do otimismo... rs).

Recomendo, SEMPRE pela escrita de Gabo. Ele transforma tudo em poesia.
comentários(0)comente



Cy 20/03/2019

Do amor e outros demônios
A história da Sierva Maria de Todos los Ángeles não foi a minha favorita entre as que li do autor. A questão é como o Gabo conta a história. Não há ninguém que me conte uma história melhor do que GGM. Eu sinto que sempre digo isso em meus comentários de leituras de livros dele, mas é verdade. É como um avô contando uma história de antes de seu tempo, com tudo o que houver de mais estapafúrdio.

Em "Do amor e outros demônios" temos mais um personagem absurdo (no sentido de fugir ao que consideramos 'normal') tendo de sobreviver a um ambiente horroroso que não o aceita. Esse ambiente - físico e imaterial - é construído magistralmente: a casa decrépita, as situações escatológicas que acompanham a degeneração física e mental de seus habitantes; a falta de apego e ternura entre pessoas que supostamente deveriam ter algum vínculo emotivo... O Gabo mostra como as pessoas criam seus próprios infernos e vivem nele. Para mim, essa leitura valeu muito a pena mais pela construção do que pela história em si. Recomendo.
comentários(0)comente



09/02/2019

Minha segunda experiência com García Márquez. O primeiro foi "100 Anos de Solidão", que se tornou o meu livro favorito da vida. E esse novo contato não decepcionou mesmo. Que narrativa! Que escrita! Que envolvente a estória de Sierva María!
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Wendell.Vita 26/01/2019

Interessante
Quando visitei Cartagena de Indias, conheci o @sofitelcartagena. Um lindo hotel construido com partes de convento de 1621. Ao saber que Gabriel Garcia Marquez havia escrito um livro cuja história passava ali interessei prontamente. Gabo era um jovem repórter quando foi escalado para cobrir o fato de que um convento iria ser demolido para a construção de um hotel de luxo. Quando o autor estava acompanhado as escavações viu uma sepultura de onde saia uma grande cabeleira, mesmo apos seculos. Imediatamente Gabo lembrou de uma lenda contada por sua avó de que havia uma marquesa de longos cabelos que morrera. Assim surge toda atmosfera do livro. Em uma Colômbia colonial aterrorizada pela epidemia de raiva, conhecemos Sierva Maria uma menina de 10 anos, nascida em uma familia rica porem sem o carinho merecido, principalmente da sua mae, assim ela é criada pelos escravos. Sierva sofre uma mordida de cao e tenta esconder mas a verdade vem a tona e ela é levada ao convento santa clara para que se trate. Já sobre os cuidados das freiras Sierva comeca a ter alteração do comportamento, fica agressiva, com alucinações e todos acham que ela está possuída pelo capiroto. Para deixar mais real, Sierva fala Iorubá, a linguagem dos africanos. O que Gabo vai fazer é criar uma atmosfera enigmática que faz com que o leitor ora ache verdade, ora mentira os fatos ali narrados. Aqui você terá reflexões sobre escravidão, doutrinação religiosa, crenças populares. Terá também uma discussão sobre amor. Será que existe alguma regra para amar alguém? Um livro simples, curto, mas que pode ajudar para quem quer se envolver em outras obras mais famosas do autor. Para mim foi legal ler o livro e lembrar do hotel e imaginar toda a história passando ali. Quase vi Sierva Maria andado nos corredores ou sentada em um dos bancos do jardim principal
comentários(0)comente



Vitória Bergamo 28/12/2018

Demônios precisam de amor!
A genialidade do realismo fantástico do Gabo é surpreendente. A história foi muito bem construída e desenvolvida. Há críticas moralistas e religiosas que nos fazem refletir sobre quem são de fato os demônios e qual seria o papel do amor na desconstrução deles.
Sierva María é uma personagem muito intrigante e complexa e Delaura compõe um universo totalmente distinto dentro da obra...
Leitura mais do que recomendada!

"Nenhum louco é louco para que aceita as razões dele."
comentários(0)comente



Vinicius.Borges 25/12/2018

Do amor e outros demônios
O nome do livro resume bem o que o leitor encontrará pela frente. Uma história que entrelaça uma suposta possessão demoníaca com reflexões sobre o amor, solidao e as relacoes sociais. O pano de fundo é uma Colômbia colonial e escravocrata que tinha a aristocracia e igreja como os principais poderes da época.
comentários(0)comente



Cintia F. Leite @melkberg 10/10/2018

Todos nós precisamos de amor
Conheci o livro “Do amor e outros demônios”, a partir do desejo de ler “Cem anos de solidão” do mesmo autor. Queria começar por uma obra menor de Gabriel García Márquez, somente para conhecer o seu estilo de escrita e me habituar, porém não foi preciso passar por essa última etapa. Ler Gabo foi uma experiência muito prazerosa e envolvente.

“Do amor e outros demônios” fala sobre relacionamentos, religião e cultura, dentro de uma estória misteriosa que nos prende a atenção e nos impede de pausar a leitura. Tudo se inicia com uma mordida dada de um cão raivoso em Sierva María de Todos los Àngeles, a filha única do marquês Ygnacio de Alfaro y Dueñas e Bernarda Cabrera, uma mãe tóxica que odiava seu próprio fruto, resultado de um casamento de interesses.

Jogada no Convento de Santa Clara para se curar da raiva, Sierva María foi confundida por um quadro de possessão demoníaca, sendo submetida aos castigos de exorcismo e incomodada pelas freiras do local. Como uma atração turística, todos do convento visitavam sua cela para aporrinhar a menina, que estava acorrentada devido ao medo do demônio possuir um novo corpo.

Preocupado com a saúde de Sierva María, o marquês Ygnacio não sabe mais o que fazer, voltando a crer em Deus, ele se agarra a única saída, a fé. Ygnacio procura ajuda da Igreja, e coloca a vida de sua filha nas mãos do padre Caytano Delaura.

O livro é curto, mas a estória é bem intensa. A escrita de Gabriel García Márquez nesse livro é carregada de sentimentos para mostrar como todos nós precisamos de amor e sem ele, podemos ser infelizes. Do amor e outros demônios é um romance sensível e misterioso, a partir dessa leitura entrei em contato com o realismo fantástico de Gabo, e gostei.

site: >>> Para saber mais sobre "Do amor e outros demônios", visite meu blog https://melkberg.com/
comentários(0)comente



Guilherme Olímpio 02/10/2018

Narrativa e mito
Infelizmente tive que acompanhar o livro como audiobook e isso, talvez, tenha atrapalhado um pouco da minha experiência de leitura do Gabo. Mas não o "demonizarei" por um erro meu. Mesmo com esse deslize, adorei a escrita do Gabo. Foi meu primeiro livro dele e, apesar de achar a leitura pesada e difícil em certos momentos, consegui me deliciar no seu realismo fantástico, num certo lirismo e "romantismo" que sombra "Do amor e outros demônios".

É um livro para se refletir sobre a história, lendas, mitos, ética etc. E vale muito a pena sua discussão, que pode muito bem começar com: "O que são os 'outros demônios'?"

Depois de ter lido, tenho muita vontade de acompanhar outras obras e corrigir meus erros "literários".
comentários(0)comente



Thiago Barbosa Santos 25/06/2018

Realismo literalmente fantástico
Gabriel Garcia Márquez é o autor latino-americano mais celebrado e com merecimento. Ele criou obras valiosíssimas, principalmente explorando o realismo fantástico, como em "Cem Anos de Solidão", obra-prima dele. "Do amor e Outros Demônios" é mais um grande exemplo nesse campo. O livro é inspirado em uma lenda bastante conhecida de uma menina que foi enterrada e tinha os cabelos muito longos.

Do caso entre o marquês Casalduero e a escrava Bernarda Cabrera nasceu Sierva María. A garota quase não vingou, por isso, foi feita uma promessa que, se ela sobrevivesse, só teria o cabelo cortado na noite de seu casamento.

Os pais não gostavam muito da garota. Eles viviam uma relação conturbada e meio que deixaram de mão a menina, que convivia com os escravos, adotando os costumes deles. Alguns diziam que a menina tinha hábitos estranhos e poderes sobrenaturais.

Quando Sierva María completou doze anos foi ao mercado na companhia de uma escrava e acabou sendo mordida por um cão raivoso. O fato foi omitido inicialmente para a família. Anos depois, quando o marquês descobriu, consultou um médico, que constatou que ela não havia contraído a raiva.

A menina foi ficando cada vez mais estranha, cada vez mais debilitada e com o comportamento arredio, até que o bispo Don Toríbio de Cárceres y Virtudes procurou o marquês para informá-lo que a filha dele foi possuída pelo demônio e precisava, para ser salva, da intervenção da igreja.

Sierva María foi mandada para um convento. Lá foi mostrando um comportamento agressivo, foi isolada em uma cela, amarrada e era temida pelas noviças.

O padre Cayetano Alcino foi designado para exorcizá-la. Percebendo que a garota não tinha "o diabo no corpo", ele tentou de todas as maneiras, sem sucesso, libertá-la. O padre se apaixonou perdidamente por Sierva María, enfrentou as crenças enraizadas da igreja para ficar com ela. O Santo Ofício da igreja o afastou dela, mesmo assim, se encontravam às escondidas.

Sierva María foi exorcizada, teve os cabelos raspados com uma navalha. Ela morre e misteriosamente seus cabelos continuam crescendo. Há várias simbologias no livro. Para o padre, a garota foi o próprio demônio, o demônio do amor, que o tirou completamente do prumo, de uma vida regular, que o sacudiu e o fez enxergar as mazelas de uma igreja para a qual dedicou toda uma vida.

Vale destacar também como a igreja não conseguia conviver harmoniosamente com os costumes dos escravos. Até por ignorância, interpretava a cultura africana como "coisa do demônio", por isso, muito gente sofreu com a "mão pesada" do tradicionalismo religioso. Gabriel Garcia Márquez soube, com seu talento e sensibilidade, retratar de forma magistral todas essas questões com uma narrativa envolvente e cheia de simbolismos, explorando o fantástico.


comentários(0)comente



Julio.Argibay 27/02/2018

Mestre
Mais uma ótima estória contada por Gabriel Garcia um dos meus escritores preferidos. Aqui ele conta uma estória de um amor proibido, tendo como pano de fundo a vivência num mosteiro e a decadência da aristocracia local numa colônia espanhola na América do Sul. Os personagens estão muito bem desenhados, eles possuem uma personalidade complexa e marcante, não há aquela dificuldade de memorizar os personagens ditos secundarios, todos tem peso e importância. O tema eh arido, possecao, religião, fé, perseguicao, etc. Show de bola.
comentários(0)comente



Cardoso 19/07/2017

Ninguém sabe de onde e quem se é por estes reinos
Garcia Márquez talvez seja o maior escritor latino americano (e isso não é pouco quando pensamos em Assis, Neruda ou Borges) não só por sua exímia habilidade técnica, que transita da velocidade intensa do cinema ao mais doce detalhe oriundo da literatura clássica e até medieval, indissociável de um perene respeito à vida humana, mas por sinceramente dar vida não só aos anseios afogados de um povo eternamente posto longe do poder (político, econômico, geográfico, social, etc etc), dos seus próprios direitos, mas às suas CRENÇAS.

"Do amor e outros demônios" trabalha com o imaginário da América Espanhola (diferente mas nem tão distante da Portuguesa), trata suas crenças à sério e as torna, talvez, reais: o que a crítica invariavelmente chama de "realismo fantástico" ou "mágico" é a realidade, e não mais que isso, do que o autor colombiano retrata. Neste sentido, ele se parece relativamente com o italiano Italo Calvino, que absorve a cultura europeia e cria uma realidade própria e emersiva , difícil negar como verdade tendo em conta os dados históricos da Europa Medieval -- período que transborda neste livro de Gabo, que se passa no início da colonização do Novo Mundo.

A cultura negra, indígena, miscigenada e européia se confluem num ambiente de desigualdade e repressão próprias do capitalismo que transcende épocas e permanece vivo na contemporaneidade latina. "Na minha idade, e com tantos sangues cruzados, já não sei mais com certeza de onde sou", diz o apaixonado padre Delaura, "nem quem sou", ao que é respondido por "ninguém sabe por estes reinos" pelo sábio médico Abrenuncio, "e creio que precisarão de séculos para saber" (como consta na página 170 da edição brasileira de 1994, pela Record). A identidade pulsante de um povo cresce mesmo que fisicamente massacrada, como as longas madeixas do pobre corpo que o então jovem jornalista Gabriel Garcia Márquez viu e imaginou ser de Sierva María, de quem ouvira falar, justamente, numa lenda oral.
comentários(0)comente



63 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5