A Divina Comédia

A Divina Comédia Dante Alighieri




Resenhas - A Divina Comédia


287 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Evelyn Ruani 20/01/2011

Deixai toda esperança, vós que entrais
"Quem poderá em palavras sem rima
dizer das chagas e do sangue plenos
que vi, mesmo que muita vez o exprima?".


Ninguém. Penso eu após ler essa obra fantástica. Uma criação única e criativa, apesar de toda dificuldade que encontrei ao ler. Não há como negar que é um clássico da literatura mundial já que abarca toda a cultura e o conhecimento do homem medieval (o texto, apesar de não existirem dados precisos, é aprox. de 1300).

A edição da Coleção Abril traz a tradução ótima de Jorge Wanderley e contém notas bibliográficas para cada um dos 34 cantos (Os 3 livros que compõe A Divina Comédia são divididos em 33 cantos, sendo que o Inferno possui um canto a mais que serve de introdução ao poema) e auxiliam na leitura. Mas tenho que confessar que não li todas as notas e mantive a leitura em sua grande maioria apenas nos versos.

Foi a minha primeira, e de maneira alguma a última, leitura dessa obra magistral de Dante Alighieri. Tenho que dizer que não me sinto madura o suficiente para dizer que entendi completamente sua obra, mas compreendi ao menos a estrutura e o sentido das 9 divisões em círculos do Inferno.

O que me levou a ler A Divina Comédia - Inferno? Vai ser difícil de acreditar, mas foi uma personagem de HQ conhecida por Dominó da Marvel Comics. Um amor antigo dessa personagem era apaixonado por este livro e apelidou Dominó de Beatrice por conta do anjo que aparece para auxiliar a viagem de Dante ao Inferno.

Foram quatro estrelas, para um livro que provavelmente darei cinco quando o ler novamente, com calma e a ponto de estudar cada nota bibliográfica num outro momento de minha vida. Afinal, como disse Borges sobre essa obra: "A divina comédia é uma cidade que nunca teremos explorado de todo"...
Maurício Coelho 21/12/2012minha estante
Muito bom sua resenha


Gih 24/07/2013minha estante
Adorei sua resenha! Mais um motivo para ler a Divina Comédia! =)


Dalila 23/12/2013minha estante
Perfeito Evelyn...
=)


Vicente 02/06/2015minha estante
Evelyn,
já li 3 versões da obra máxima de Dante, incluindo essa. É um livro desafiante e exigente da atenção do leitor. Gostei da sua resenha, só discordei da sua nota. *risos
A minha versão predileta, disparadamente, é da editora Itatiaia com tradução de Cristiano Martins.
Boas leituras


Diony 27/10/2016minha estante
A obra de Dan Brown "Inferno" foi um dos motivos que me propuseram a querer ler A Divina Comédia. Me identifiquei com sua resenha na questão de dificuldade para ler a obra.


RonaldVeiga 03/07/2019minha estante
Eu estava terminando o Inferno, mas nunca continuei. Os livros estão na casa da minha mãe, em outra cidade. Muito difícil a leitura, mas ótima!


Lui 08/03/2020minha estante
Beatrice na vida de Dante foi sua paixão até o fim da vida, pelo jeito bem platônica já que ele foi casado com uma moça a quem foi prometido, já Beatrice, pelo qual era apaixonado morreu cedo (deve ser por isso que ela está no paraíso, ou tambem por isso) e a obra que se intitulava somente "Divina" foi escrita em exílio, foi armado contra ele por questões políticas e o mesmo teve terminar seus dias longe de sua terra natal e de sua família.

Já o li duas vezes, porém a última não entendi patavina, Tradução de José Pedro Xavier Pinheiro (este que morreu em 1882), ou seja, linguagem arcaica de difícil leitura e compreensão, tive que ler Boa parte em voz alta para fazer sentindo.

Consegui um e-book e parece que a editora é "Atena Editora"

Com certeza irei procurar outras edições, inclusive vou procurar pelas mencionadas aqui. Obgd!


Jack 15/08/2021minha estante
Que pensamentos profundos até tocam a alma.




Fábio 29/07/2011

Obra que nos deixa estático, ou melhor, extático!

A Divina Comédia, nem precisamos aduzir, a própria alcunha Divina , já nos remete o que podemos esperar desta obra, Dante Alighieri é realmente surpreendente em todos os quesitos, desde os versos, as rimas, as descrições até a história em si.

As descrições que Dante faz do Inferno é assombroso, a imaginação para o Purgatório é formidável, e me desculpem os adeptos da primeira parte, mas a terceira, o Paraíso é estupendo, a melhor parte em minha opinião. Difícil acreditar que esta obra foi feita no século XIV por um homem mortal.

Certos fatos, mesmo que um ser humano pudesse voltar ao passado e interferisse, uma hora ou outra esse fato iria se consumar, por exemplo, se impedíssemos Colombo de descobrir a América, ela seria descoberta por outro mais tarde; se matássemos ainda bebê Albert Einstein, nossa Física, estaria atrasada, todavia no futuro iríamos descobrir o que Einstein antecipou. Mas se impedíssemos Dante de escrever este livro, ai sim, conseguiríamos atacar algo irreversível, a possibilidade de outra obra como esta aparecer futuramente é infinitesimal.

E mesmo que aparecesse depois, não teria a magia e a perícia em que Dante, 200 anos antes que os navegadores da Renascença vissem, faz uma descrição do Cruzeiro do Sul, sendo considerada, por vários autores, a primeira referencia da literatura ocidental à constelação.

Ademais, a influencia que A Divina Comédia exerceu ao longo dos séculos, sobre autores, músicos, pintores, filmes, desenhos, etc; é incalculável, até hoje ela é motivo de inspiração, sendo recentemente criado um jogo de videogame (Dante's Inferno).

Em cada verso descobrimos desde o mais portentoso lugar do inferno, até o mais feérico sítio do paraíso; indubitável livro imperecedoiro.


[fabio9430@gmail.com]
Dalila 23/12/2013minha estante
Adorei sua resenha =)


Fábio 17/01/2014minha estante
Obrigado Dalila :D


Luh Costa 18/11/2014minha estante
O senhor arrasa! :*
Estou esperando o meu exemplar chegar.


Ted 31/05/2018minha estante
Realmente a parte do Paraíso é, de longe, a melhor, pois é um deleite para os leitores, principalmente aos católicos, que se sentem admirados ao homenagear os santos.

E prova que, ao contrário do senso comum, a cultura medieval era riquíssima, no qual recebeu diversas influências culturais de vários lugares do Velho Mundo.


Carolina.Gomes 01/02/2021minha estante
Só li o Inferno. Terei q ler tudo novamente. Gostei da resenha!


Fábio 02/07/2021minha estante
Carolina.Gomes Obrigado! fico feliz de ter seu comentário aqui exatamente 10 anos depois que escrevi essa resenha!




Juninho 02/02/2009

ainda bem...
...que não me mostram esse livro na escola, achei por conta própria e li.
É ouro essa leitura...
Cada vez mais chego a conclusão de que a escola só serve para afastar as pessoas dos livros...

comentários(0)comente



Beth 03/08/2020

O poema épico mais importante da literatura mundial.
Neste poema épico que mistura política e teologia, vamos acompanhar Dante pelo Inferno e Purgatório guiado por Virgílio, autor de Eneida por quem tem muita admiração, depois pelo Paraíso guiado por Beatriz, seu grande amor. Nesta trajetória, Dante encontrará muitas figuras públicas como o Papa Nicolau III.
Politicamente, essa é uma obra com várias críticas a personagens daquela época. Já religiosamente, uma reflexão para que todos os pescadores deva procurar a redenção antes da sua morte
comentários(0)comente



Francisco S. Oliveira 28/05/2020

Esse livro foi mesmo foi mesmo escrito no século 13?
(Lembrando que não está totalmente pontuado pois foi digitado pelo Google, e eu apenas ditava)
_________________________________________
Uma leitura arrebatadora que vai te fazer viajar pelos lugares mais temidos por todas as religiões inferno purgatório e o paraíso.
Dante Alighieri vai conferir ao leitor uma experiência que provavelmente ficará marcada em sua vida, pois Dante na Divina Comédia vai apresentar uma série de personagens não só históricos Mas também como parentes e amigos de sua época O que é leva a cada vez mais a sua autenticidade em colocar sentimentos e diversos outros fatores ou elementos para complementar o enriquecimento da Divina Comédia.
Pois bem esse livro e não é recomendado para qualquer tipo de leitor pois o seu conteúdo exposto de forma bem rebuscada com a linguagem Toscana fina Qual é a famosa língua italiana que nós hoje conhecemos por tanto essa para alguns pode ser de difícil compreensão Pois foi escrita no século 13 o que dificulta Mais ainda para o leitor comum ter facilidade em manusear a obra.
Mas da mesma forma é uma leitura obrigatória para você leitor amante da literatura de qualidade.
Leitor perspicaz Não deixe de ler A Divina Comédia com a obra literária Universal que é um clássico entre os outros demais.
comentários(0)comente



Júlio César 15/07/2020

Uma das minhas leituras mais difíceis, pela riqueza em referências tanto bíblicas quanto pré séc. XIV. Como não sou religioso, meu interesse pelo livro era a nível de conhecimento literário, mesmo esta edição sendo escrita em prosa, não acho que diminua o valor da leitura. Com certeza o Inferno fora minha parte preferida, instigando minha imaginação sobre os castigos, mas não desmereço o restante do livro, onde percebemos toda a estrutura e características da história que tornam essa obra um clássico. É com certeza um livro recomendado para ser lido e relido por todos, mas no meu caso, poderia ter esperado um pouco mais.

Marco as três estrelas pois reconheço todas as questões técnicas e históricas dessa escrita, que acredito serem ressaltadas na leitura original da obra. Porém na minha experiência individual, apesar de interessante e rico em detalhes, uma boa parte da leitura fora cansativa além de parecer repetitiva.
comentários(0)comente



Altieris 07/05/2020

A Divina Comédia - Dante Alighieri
Com todo fanático religioso, Dante se mostra preconceituoso até o cerne.

Quando menciona no livro "Deixai toda esperança, ó vós que aqui entrais!" é para você leitor deixar mesmo as esperanças ao ler o livro, porque Dante tem falas infelizes e mostra a quão limitado era com frases lamentáveis de revirar os olhos. Há trechos racistas, outros homofóbicos, preconceituosas de forma gratuita, que mesmo para época deveriam ter sido refletida já que ele se considerava um homem culto, preconceito contra islã e outras religiões. Já é difícil lidar com gente assim nos dia a dia nas redes sociais destilando preconceito com o quem é diferente, agora ter que enfrentar em um livro foi demais e degradante.

Eu na minha ingenuidade, estava acreditando que seria um livro bacana afinal é um dos livro usado pelo meu muso rsrsrs Dan Brown no livro INFERNO quando fui ler só ladeira abaixo.

Fiquei triste, decepção total, acreditava ser um livro de reflexão interna e superação pessoal onde ele enxergava nos outros castigados seus próprios erros e lutaria para corrigí-los, mas o que vi foi um homem frustado (já que não pôde se casar com quem amava) e atuando como fofoqueiro sobre os erros dos outros, apontando e difamando tantos outros, mas não seus próprios erros. Um fofoqueiro das almas condenadas. Ele identificava todo mundo, conhecidas dele ou não, como fazia isto é um mistério, ás vezes pessoas que ele nunca viu, mas ele sabia de quem que se tratava, e começava a falar deste o cpf da pessoa até o tamanho das fraudas geriátricas que o indivíduo usou. O interessante é que o inferno estava tão cheio de famosos que eu me pergunto quem terá subido aos céus, se está todo mundo no inferno? É de se acreditar que o céu deveria estar bem vazio.

Claro que você ao ler terá suas impressões, mas como todo resenha, está leva em consideração minhas percepções e concordando ou não com elas, ela devem ser no mínimo respeitadas. Trata-se portanto de um livro sem redenção ou superação, só palavras, frases e rimas soltas, especulativas e sem nenhuma concatenação, ora fala de um, ora de outro e vai indo o imbróglio. E mais uma coisa que me incomodou muito foi o fato dele caminhar pelo inferno sem tentar ajudar ou aliviar o fardo de nenhuma alma se quer, almas em chamas, outras enterradas de cabeça para baixo e etc e ele passa por elas apático a dor do outro, como você passando em um supermercado só olhando os preços do produtos sem intenção nenhuma de está ali.

Isto mostra um pouco mais como pessoas que se dizem fervorosas na fé que deveriam ser mais esperançosas e mais empáticas com as diferenças e as dores dos outros, mas o que mais se vê é destilar preconceitos antes de todos e como sua forma de visão fosse a única e a correta. Não enxergando quão vasto é o mundo e que há espaço a todos, outras religiões e demais coisas. Acredito que amar e perdoar deveria ser o significado maior para qualquer religião.
comentários(0)comente



Lucas.Pasqualini 02/08/2020

A maior obra literária de todos os tempos
Essa obra esta acima de qualquer outra.
Marquei como tenho, favorito e desejo. Se tivesse a categoria meu deus do céu eu marcava tb.
Pra mim o mundo se divide em a divina comédia e uns outros livrinhos aí.
Acho que já deu pra entender né?
Ok.
Você está sendo intimado a ler.
Obg.
De nada.
comentários(0)comente



Chele 07/05/2021

Dante sabia brilhantemente dar formas às imagens em palavras. Esse é um dos aspectos que torna A Divina Comédia um livro tão supremo pois ele sempre soube encontrar a expressão adequada à situação que quer expimir. Fazendo uma síntese da cultura medieval en forma de poesia Dante narra a história em primeira pessoa de uma viagem "encomenda" por sua amada Beatriz, em que o acompanha o ilustre poeta Virgílio ao inferno, purgatório e paraíso detalhando cada um deles e interagindo com personagens reais e fictícios que ali se encontravam, ele nos leva a essa majestosa jornada que é impossível não se encantar.
comentários(0)comente



mareududs 05/04/2021

A Leitura mais difícil da vida!!!!!
......lendo - a dificuldade vem tanto da métrica do poema quanto da dificuldade da tradução do italiano, estou lendo com o dicionário aberto - obra perfeita, a mistura do cristianismo/catolicismo com a mitologia grega permitiu a Dante criar cenários que ultrapassam as expectativas. Divino
comentários(0)comente



Andre 30/04/2009

O Inferno é o melhor do livro
Faz muito tempo que li esse livro! Uma amiga me tinha indicado e eu já o conhecia, mas não era esse que eu leria naquela hora. É óbvio que não me arrependi. Este é um dos meus favoritos!
O Inferno que Dante idealizou é simplesmente perfeito. Com suas descrições eu tentava mentalizá-lo. É a melhor parte do livro, seja pelo sofrimento que é ver nosso companheiro ver tantas coisas abomináveis, seja pela hilariedade que Dante deixou nessa parte. Sei que não tive pesadelos com esse inferno, mas gostei muito dele.
No Purgatório, o livro perde um pouco seu brilhantismo, não deixando assim de ser sublime como o é.
Quando chegamos ao céu, meio que se "perde a graça". Isso porque no céu tudo é bom, tudo é lindo, daí não tem mais graça. Mesmo assim são sublimes as descrições que Dante faz dele.
Certamente é um dos melhores de todos os livros já feitos por mãos humanas - porque Shakespeare não é humano. Pode-se considerá-lo no panteão dos livros imortais!
comentários(0)comente



Lis 23/02/2020

Cansativo mas compensa
Quando comecei a ler, um amigo disse que apenas o Inferno era legal e os outros livros eram chatos. Li tudo e acho que cada um tem sua graça e seu ponto forte:
- o Inferno conta um monte de fofoca do tempo de Dante (e quem não gosta de uma fofoca?).
- o Purgatório tem um pouco mais de fofocas e é muito criativo, achei interessante o link com os Jardins do Éden
- o Paraíso tem muitas discussões teológicas e doutrinas católicas, mostrando que Dante estudou bastante os filósofos teológicos para harmonizar a teoria com as alegorias de seu livro.

Um ponto comum a todos os livros e que chama a atenção é o estudo de Dante para redigir os livros. Tem muita astronomia, mitologia, história, geografia, teologia, política e até física. Creio que isso, a simetria dos cantos em doce estilo novo, a extensão da obra e os muitos anos que Dante dedicou a está trilogia rendem a fama e o caráter épico do livro. E realmente merece, é uma obra de arte!

Se seu livro não for uma edição com comentários, fica muito difícil acompanhar os detalhes e entender as metáforas e citações. Usei o excelente site https://www.stelle.com.br/ para melhor complementar a leitura, com suas notas explicativas canto a canto. Uma pena que o site não foi concluído...
comentários(0)comente



Helô 09/10/2020

Uma longa jornada
Depois de um pouco mais de 4 anos, finalmente concluí a leitura desta obra da literatura clássica medieval. Foi uma leitura árdua, mas gostei muito dessa edição, por conta das notas de rodapé muito esclarecedoras e da tradução bem cadenciada e poética. Sobre o conteúdo: acompanhar Dante em sua visão do submundo e do Paraíso, dada a época em que ele viveu, é realmente interessante. Porém, não foi muito efetivo em me cativar?? ou capturar minha atenção. Mas é uma mina para historiadores e entusiastas da Idade Média ou coisas do tipo.
comentários(0)comente



Thiago 01/02/2021

Maravilhoso!
Ler um texto escrito há 700 anos não é fácil. Requer uma certa dose de paciência, perseverança e dedicação. Mas vale a pena, principalmente se tratando da Divina Comédia, que não por acaso, figura no rol das melhores obras literárias de todos os tempos.

A Comédia de Dante Alighieri (lembremos que o adjetivo "Divina" foi proposto por Bocaccio na primeira biografia de Dante, com o sentido de "grandiosa" e, já nos idos de 1555, juntou-se ao título com seu sentido literal-teológico) pode ser encarada como uma verdadeira enciclopédia do medievo: aqui nos deparamos com o pensamento da época envolvendo teologia, geografia, história, ética, filosofia, etc.

O poema é grandioso. São mais de 14 mil versos decassílabos divididos em três partes: o Inferno, com 34 cantos (um deles introdutório); o Purgatório, com 33 cantos, e o Paraíso, também com 33 cantos, totalizando 100. Dante utilizou um rigoroso esquema de sua própria autoria, a "terza rima", em que a primeira linha rima com a terceira e a segunda com as linhas 1 e 3 do terceto seguinte, de modo que nenhum verso pode ser retirado sem que se perceba a sua falta. É um mundo milimetricamente organizado.

A Divina Comédia está longe de ser um texto hermético. Ao contrário, é muito fácil nos identificarmos com o Dante protagonista, que se transporta para a história com toda a sua personalidade: suas amizades e desafetos, seus temores e ousadias.

Ao longo de seu trajeto pelo mundo dos mortos, ele encontra dezenas de personagens, interage com eles, emociona-se com uns, despreza outros.

A linguagem de Dante é poderosa. Ao adentrar no Inferno, sentimos o desespero e a escuridão. Ao sair daquele enorme buraco, sentimo-nos aliviados ao novamente "rever as estrelas". Como escreveu Carpeux, vemos paisagens terríveis que nunca existiram e que, desde Dante, passaram a existir para sempre. Impressionantes também são as paisagens do Purgatório, úmidas das lágrimas de arrependimento. E a emoção dos cantos do Paraíso, um lugar que o autor conseguiu tornar visível.

Ao longo desse mês de janeiro, me encantei com a escrita de Dante, autor fundamental para a língua e literatura italianas. Passei pelo Inferno das palavras antigas e arcaicas, pelo Purgatório das infinitas notas de rodapé e finalmente cheguei ao Paraíso de ter a oportunidade de ler um texto tão perfeito e com tantos significados.

Jorge Luis Borges escreveu que "há uma primeira leitura da Comédia; não há uma última." Dante é tão especial que " o mais gasto e repetido dos tercetos pode, uma tarde, revelar-me quem sou ou o que é o universo". E eu não poderia concordar mais.
comentários(0)comente



Pryska Maia 04/09/2021

Sempre tive curiosidade pelos clássicos, mas confesso que achava que essa obra não seria presente na minha estante.
Foi quando comprei a trilogia de Gabriel, onde toda a história tem como base o livro de Dante, Gabriel é um professor especialista e apaixonado por Dante e pela Divina Comédia. Durante os livros há sempre citações e partes dedicadas exclusivamente a esse clássico, aí, percebi que mais do que querer ter, eu precisava estudar o livro.
Dante dorme e seu espírito vai parar no mais fundo do Inferno e sem saber como sair dali, é recebido por Virgílio - autor do qual era muito fã, que o leva subida a cima. Cada canto vai contando e explicando as passagens do Inferno, seus habitantes e porque aquelas pessoas estão ali. O mais interessante disso tudo são os diálogos com os mortos em cada passagem, uns aceitam seus pecados, outros ainda se acham vítimas e muitos nem entendem seu destino.
São citados diversos nomes importantes da história da Itália, da igreja católica e da literatura, e de forma direta, o autor faz críticas a política e a igreja de forma veemente, e dessa forma também conta a história da sua amada Florença.
Virgílio que foi sempre referência para os escritores italianos, o acompanha e mostra toda sua capacidade de compreender o homem e explica seus pecados e desejos mais profundos, levando Dante caminho a cima também pelo Purgatório e o deixando na entrado do Paraíso ao encontrarem Beatriz - ser encantadora que foi e é o amor de Dante e que tem uma importância na sua trajetória até o fim.
Falar desse livro é prazeroso e de uma vasta camada de conhecimentos, principalmente, referindo-se a questões religiosas e de quanto nos perdemos na nossa caminhada, influenciados principalmente por fraquezas que não admitimos.
Dante conseguiu fazer uma obra de alta amplitude e que sempre usada como referência para outras diversas obras. Estudar, reler, compreender e analisar a nós mesmos de acordo a cada canto se torna algo automático de acordo vamos nos apaixonado pelas palavras e pelas passagens dos autores pelo caminho que percorreremos (ou não).
Dante Alighieri (1265-1321), nos presenteou com a obra mais completa sobre a civilização.
comentários(0)comente



287 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR