Boa Noite

Boa Noite Pam Gonçalves


Compartilhe


Resenhas - Boa Noite


135 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Gabe | @gabereader 18/08/2018

Representatividade na medida certa com ótimos questionamentos
“Eles dizem que só querem nosso bem, mas fica difícil quando não querem nem mesmo pensar no que nós queremos”

Alina é uma jovem comum, inteligente, boa filha, boa aluna, está indo pra universidade e quer se desprender de qualquer rótulo, quer se aventurar numa nova vida, novos hábitos numa nova cidade. Não esperava ela que fosse encontrar mais obstáculos no seu caminho e que alguns deles seriam decisivos em sua formação. Ela não fazia ideia de que as dificuldades estariam relacionadas a sua vida social também e não só acadêmica.

Ao longo da narrativa vamos acompanhar as dificuldades de se adaptar num lugar diferente tentando ser alguém novo, Alina quer deixar pra trás o rótulo de nerd pra ser popular mas esquece as vezes do bom senso; A realidade das universidades, organização, pessoas, estrutura e etc.; O preconceito em torno de alguns cursos, Alina escolhe ser engenheira da computação em uma turma onde mais de 90% são homens que acreditam que cálculos não são pra mulheres. Alina se entrega demais aos momentos de curtição e acaba sendo sugada para um "mundo" que era fora de cogitação em sua vida.

É bem nesse ponto da história que Alina descobre que pode fazer a diferença, em meio a relatos de abuso e drogas entre as festas, ela vai usar sua fome por justiça para desmascarar algumas pessoas e impedir que mais danos sejam causados.

O livro é curtinho mas carregado de um conteúdo forte e cheio de representatividade. A escrita da Pam é maravilhosa, ela soube conduzir a narrativa falando de abusos, violência, drogas, álcool, estupro, machismo.. de maneira excelente prendendo a atenção e encaixando tudo isso numa história coerente sem parecer nada forçado. Acompanhar o crescimento de Alina como pessoa é muito importante e só mostra que as vezes infelizmente temos que ser expostos a coisas ruins para termos noção de onde mora o perigo e a proporção que ele tem para só assim termos força de agir, mesmo que já seja quase tarde demais sempre podemos mudar algo.

Ps.: Há romance na história sim, mas não é o foco porém é de dar aquele quentinho no coração.

Mais um nacional de qualidade! Este ano tenho dado cada vez mais espaço aos nossos autores na minha estante e não me arrependo. Livro recomendadíssimo.
comentários(0)comente



Cyntia 12/08/2018

Temática forte.
É uma leitura fluída e rápida, que por mais que seja destinado ao pessoal mais jovem, aborda assuntos muito atuais e que ainda precisam de muita evolução da sociedade. A historia é sobre as mudanças na vida da Alina depois que ela se muda para uma republica quando entra para a faculdade, a gente acompanha ela se apaixonando e desapaixonando, travando batalhas dentro da área que ela escolheu como profissão e as amizades que ela conquista no meio do caminho. Entre tudo isso acontecem coisas bem sérias com relação a cyberbullying e drogas, trazendo muitas reflexões importantes, principalmente pra galera que esta começando a moldar opinioes e carater.
comentários(0)comente



Maicon.Almeida 23/07/2018

Resenha de 'Boa Noite'
Em 'Boa Noite' os leitores podem conhecer Alina, uma garota que está indo para a faculdade na cidade vizinha e que deseja deixar para trás o título de "nerd".

Ao chegar, ela se hospeda em uma república, chamada carinhosamente de república das loucuras, onde ela conhece quatro novos amigos que serão sua família. Tem a Manu, que se torna amiga de Alina imediatamente e convive com o afastamento da família por ser bissexual. Tem o Gustavo, filho do dono da república e que Alina se apaixona. A Talita e o Bernardo que são o casal com a vida sexual mais ativa da república.

Tentando ser uma nova garota e convivendo com o machismo no curso desejado, onde há apenas 5 meninas numa sala de 45, Alina descobre que a faculdade é muito mais que isso.

A Pam nos carrega por uma história que fala sobre machismo, um romance leve (que não é o centro do livro), drogas e abuso sexual. A história vai crescendo a cada capítulo e mostra o poder que as mulheres têm ao se unirem.
comentários(0)comente



Ju 19/07/2018

CHORANDO DE EMOÇÃO
Eu não tenho palavras pra descrever esse livro de tão emocionada que estou após terminar....
O que mais me deixa sem palavras é o fato de eu ter me visto tanto em uma personagem, pelas suas inseguranças, medos, mudanças, perspectivas e aprendizagens.
Eu tb sou caloura esse ano e preciso ir todos os dias para outra cidade p chegar na universidade, e isso é totalmente novo e diferente para mim assim como foi para a Alina.
Eu não sou festeira e como ocorreu com a personagem, parei de ser chamada pra festas (isso não faz diferença p mim por sinal), tb n sou de socializar e tudo mais. E isso me fez me enxergar na personagem e ver até onde ela iria.
Algo que me emocionou muito foi a forma da abordagem de tantos temas, acredito que foram sim muito bem tratados pela autora e bem explícitos sobre o que ela queria mostrar, casos como assédio, predominância do machismo, abuso sexual, cultura do estupro que são temas importantíssimos assim como foram tratados os assuntos como a amizade, companheirismo e a importância de se manifestar e ajudar. Foram cenas que me emocionaram muito e não estou sabendo lidar com o fim desse livro, eu preciso de maisssss....
comentários(0)comente



Sophia 16/07/2018

Intenções e ideias boas, mas a execução nem tanto.
Até mais ou menos a metade eu estava bem satisfeita com o livro, quando a situação começa a ficar séria o livro se perde, parece que as ideias foram jogadas, eu lia e entendia a seriedade do momento, mas eu não me sentia realmente tocada, não me comoveu.
O romance no final foi jogado, muito mal desenvolvimento diria até desnecessário. Acho que faltou mais desenvolvimento principalmente dos coadjuvante. Faltou sutileza, o final é bem previsível, e talvez o livro devesse ser maior, tem hora que ele fica muito corrido.
A mensagem do livro é a melhor parte dele sem dúvida, toda as bandeiras que ele levanta são necessárias, e infelizmente todo o assédio, racismo e homofobia são reais.
É um livro com mensagem relevante, que poderia ter um desenvolvimento tanto de personagem, como de evolução da história melhor, não lerei novamente, mas não desperdicei meu tempo lendo.
Belyydämon 20/07/2018minha estante
Concordo, tinha muitas espectativas no livro graças a outras resenhas.
Mas achei muito previsível, demais. Em algumas partes achei que estava lendo um romance do Wattpad (romances rápidos e sem fundamento)

Mas gostei da mensagem do livro, concordo que é a melhor parte sem dúvida.

Acho que o livro deveria ser mais grande já que em algumas partes ficou muito corrido




zoni 05/07/2018

A relação do título com a história é digna de palmas. Isso é, se eu tiver entendido certo, porque não há menção nenhuma quanto a isso.
Confesso que não tenho certeza de que nota eu deveria dar pra esse livro, já que não quero parecer injusto e muito menos parecer forçado, estou num dilema horrível, mas uma coisa já posso adiantar, a coisa que mais admirei, foi o fato da escrita da autora ir evoluindo no decorrer do texto.

A escrita da Pam não é ruim, mas tem um jeito tão forte de fanfic que me incomodou boa parte do livro, são muitas descrições de roupas: rasgos nos joelhos, desenhos de sagas, blusas de tal formato e todas essas coisas, sempre acreditei que pra um livro ser bem feito não é preciso chegar a descrever a cor do botão do ferro de passar que está dentro do guarda roupa da personagem, não é necessário fazer toda a descrição das vestimentas das personagens para indicar de qual tribo ela faz parte, quais locais ela frequenta e quais amigos ela tem. São as emoções de todas as personagens que fazem toda a diferença.

Em muitos momentos dá pra sentir que a autora está correndo, não nos dá tempo de apreciar o momento, não nos dá diálogos cativantes, simplesmente temos descrições de vestimentas, festas, danças, e então vem um salto pra uma cena seguinte, quando aquela poderia ter sido melhor explorada.

Não sei vocês, mas eu fiquei com a sensação de que tudo que aconteceu ali foi muito rápido para acontecer em apenas um semestre. Existem sequências de capítulos que parece que passaram-se meses, e então nossa narradora nos diz que foi apenas uma semana. O erro geral do livro acho que se concentra nisso, o livro poderia ser maior, e mesmo que fosse desse tamanho poderia ter sido melhor explorado, principalmente no tempo, e lembrar dessa questão de tempo, me faz querer comentar o romance ruim e forçado que aconteceu e foi tudo tão subitamente que poderia ter passado sem ele e que acredito que ninguém ligaria.

Não é uma leitura difícil e a escrita é bem simples, mas aborda algumas temáticas tão importantes, como: homofobia, preconceito racial, machismo, assédio sexual e violência contra a mulher de psicológica e física, que a gente consegue até ignorar todos os pontos ruins que citei ali em cima. É um livro que nos faz refletir muito.

Então pra não ser injusto comigo e nem com a autora, vou ficar em 3 estrelas. É uma nota média, não é ruim diferente do que muitos pensam, considero um livro bom 3 estrelas, não teve o tchan, não me apaixonou, mas valeu a pena, é isso.

site: www.instagram.com/nomeiodatravessia
comentários(0)comente



Mari 02/07/2018

Boa noite - Pam Gonçalves
Hélio!
Boa Noite conta a história da Alina que sai da sua cidade, da casa dos seus pais para ir estudar em uma universidade na capital para cursar Engenharia da computação e morar em uma república. Alina uma menina inocente que sempre morou com os pais e no colegial não era muito popular e sempre foi muito inteligente e na faculdade ela queria mudar se tornar independente ser popular e ela não queria mais ser vista como "nerd", ela faz amizades, começar a frequentar as festas da atlética e começa a beber, só que ela não esperava tudo que iria acontecer durante o 1° semestre, Alina teve que enfrentar situações que a fez crescer e se tornar uma mulher mas independente de uma hora para a outra. O livro ele trás assuntos como Preconceito e abuso sexual e também tem romance. A Pam soube separa muito os assuntos e falar dele de uma forma muito interessante o livro é narrado todo em primeira pessoa.
comentários(0)comente



Bianca Lima 25/05/2018

"Juntas somos muito mais fortes."
Alina acaba de entrar pro curso de Engenharia da Computação numa faculdade longe de casa e a quer ser outra pessoa, mudar, agora que está iniciando uma nova fase da sua vida. Ela entra numa república onde vive Manu, Talita, Bernardo, que fica lá por ser namorado de Talita, e Gustavo. Ela começa a frequentar festas e conhecer pessoas e caras. Mas ela acaba descobrindo que nem tudo na faculdade é maravilhoso, mas sim que pode ter coisas bem sinistras rolando por lá, além de enfrentar o machismo que está por todo campus.

"Ao contrário do que somos educados a pensar, as outras mulheres não são nossas inimigas, mas sim nossas irmãs. Um time. O exército que precisamos proteger. Se não protegermos e cuidarmos umas das outras, não serão os homens que o farão por nós. Juntas somos muito mais fortes."

Vou exaltar esse livro até não poder mais. Eu tô extremamente apaixonada por essa história, personagens e a visão que a Pam deu para um assunto bem pesado. O livro tem romance, mas o foco são as mulheres que estão presentes, como elas se unem pra um bem maior, mostrando a todas nós que "precisamos nos unir", assim como a Pam deixa bem marcado. O livro é repleto de feminismos, comecando com Alina que escolhe Engenharia da Computação para cursar na faculdade, um curso que todos conhecem como sendo apenas para homens. Os personagens são muito bem escritos e eu não conseguia largar o livro porque queria estar ali, com aquelas pessoas, principalmente o Gustavo. Como não se apaixonar pelo Gustavo? Impossível! As meninas tanto da república quanto da sala da Alina são geniais e queria muito elas como minhas amigas também, ir a festas e se divertir bastante.

"Eles dizem que só querem nosso bem, mas fica difícil quando não querem nem mesmo pensar no que nós queremos."

Enfim, espero que você aí que está lendo essa resenha também se apaixone por esse filho da Pam assim como eu me apaixonei. Tô doidinha pra ler o outro livro dela e já tô correndo atrás. Obrigada, Pam 💙

"Ao contrário do que somos educados a pensar, as outras mulheres não são nossas inimigas, mas sim nossas irmãs. Um time. O exército que precisamos proteger. Se não protegermos e cuidarmos umas das outras, não serão os homens que o farão por nós. Juntas somos muito mais fortes."

site: instagram.com/leituradiferente
comentários(0)comente



Ler é viver 26/04/2018

Gostei
Primeiro livro lido da Pam, na qual amo o canal. Assisto quase todos os videos. No começo nao me prendeu muito a atenção, mas depois a historia engrenou e amei o final. Assunto polêmico e bem atual. Achei o Gustavo um fofo.
comentários(0)comente



yael 19/04/2018

"BUY GOOD NIGHT ON ITUNES" - RODRIGUES, Bel.
Sinto um turbilhão de emoções quando o assunto é a Pam. Depois que terminei de ler Boa Noite percebi que só conseguiria ser mais fã da Pam se existisse duas de mim.
Li o livro às cegas, por indicação dos amigos da Pamela e também das minhas amigas. Ninguém me disse direito o que acontecia e mesmo estando completamente no escuro, ainda me senti segura por estar lendo uma obra de uma pessoa tão querida por mim.
E sinceramente? Terminei de ler o livro na volta pra casa, dentro do ônibus e minha vontade foi de levantar e chamar a atenção de todo mundo para lerem essa OBRA INCRÍVEL.
A visão da Alina é tão leve e tão direta que você lê um livro numa tarde se estiver naqueles dias que não tem absolutamente nada para fazer. Eu li em uma semana e me surpreendi porque não estava conseguindo evoluir e prosseguir nas minhas leituras. A Pamela mudou isso e eu sou grata DEMAIS.
Você realmente se sente dentro da história e é como se cada personagem da República das Loucuras fosse um melhor amigo seu de infância que você reencontra agora e quer matar todas as saudades de uma vez só.
comentários(0)comente



emyteranishi 18/04/2018

Para ler em um dia
Eu não conhecia o trabalho da Pam até ler esse livro, que peguei emprestado com minha irmã.Comecei a leitura despretensiosamente e terminei ele num dia!

Aborda assuntos polêmicos, mas o modo da Pam escrever torna a leitura fácil. Eu gostei! (tem uma resenha completinha no meu blog. Link abaixo!)


site: https://emyteranishi.blogspot.com.br/2018/03/boa-noite-pam-goncalves.html
comentários(0)comente



Cláudia 14/04/2018

Não rolou
Em seu primeiro livro, Pam Gonçalves nos apresenta Alina, uma menina do interior que se muda pra capital pra fazer faculdade de engenharia da computação. Sempre muito certinha e o orgulho dos pais, Alina passou a maior parte do tempo em que esteve na escola estudando pra ser a melhor da turma e por esse motivo não teve uma vida muito agitada durante a adolescência. Na faculdade, ela decide que vai ser diferente e fazer coisas que provavelmente não faria, é aí que ela decide se mudar sozinha pra Pedra Azul e ir morar numa República com mais três pessoas. No seu primeiro semestre de caloura, Alina percebe que sair de sua zona de conforto tem suas consequências.



Como parte do desafio literário 2018 que estou seguindo, escolhi Boa noite como o "Livro que penso ser ruim". Pois então, eu não estava totalmente errada rs.



Alina é a típica menina certinha, bem inexperiente. Ela se acha tímida, mas o que a gente percebe é que na verdade ela nunca se deu a oportunidade de tentar coisas novas. Quando vai morar na republica, a primeira pessoa que conhece é Manuela, ou Manu como ela mesma pede pra ser chamada depois. Manu estuda Publicidade e é a doidinha da casa, mas é no meio das brincadeiras que acaba falando coisa séria. É uma das primeiras amigas de Alina. Talita é a outra menina que mora na casa, ela namora Bernardo que mora em outro lugar, mas vive tanto na republica que parece até um morador fixo. Ambos estudam Administração. E por último, mas não menos importante, Gustavo é o estudante de Medicina e dono da casa que foi transformada em República. Ele faz parte da Atlética, um grupinho que faz as maiores festas da faculdade, mas apesar disso é um cara mais quietão e na dele, muito bonzinho.



Pude perceber logo de cara que a Pam quis muito trazer a atmosfera dos livros YA estrangeiros, mas infelizmente ficou bem forçado. Não sei se é um bloqueio meu com livros brasileiros, mas não consegui associar essa atmosfera com uma história que se passasse aqui no Brasil. Pam quis pôr muitos assuntos delicados dentro do livro como abuso sexual, feminismo, preconceito e todos esses assuntos que, querendo ou não, ainda são tabus dentro da nossa sociedade. Acho muito louvável da parte dela querer falar sobre esses assuntos e inserir dentro de uma história sua, mas queria que ela não tivesse colocado todos eles juntos de uma vez só, misturou demais e isso fez a coisa toda ficar meio confusa.



Em vários momentos durante a leitura senti que os acontecimentos eram muito corridos, as cenas pulavam do nada sem quê nem pra que e apesar de eu não sentir dificuldades de entender o que estava acontecendo nessas mudanças, ainda me incomodava um pouco. Sobre a escrita, achei que a Pam ainda pode melhorar, sabe? Não tá ruim, não é uma leitura difícil e a escrita é simples e de fácil entendimento, mas ainda falta aquele toque que deixe pessoal, que a gente já reconheça ser dela. Mas entendo que esse é o seu livro de estreia e que esse tipo de coisa vem com o tempo, acredito que em seus outros livros isso tenha melhorado.



As 3 estrelas são pela reta final do livro que mostrou um amadurecimento bem legal de Alina, a transição da menina que recém saiu do ensino médio pra jovem universitária. Ainda há muito pela frente, mas ela seguiu o caminho correto e acho que é isso que importa. O final me pareceu que teria uma continuação, apesar de eu achar que não precise. No geral a ideia é boa, de verdade. Mas talvez se o livro fosse maior acho que ela seria melhor executada.
comentários(0)comente



Paolla Cunha 10/04/2018

Boa noite?
Em resumo, o livro conta a história de Alina, retratada como uma menina de poucos amigos e nenhuma vida social, esteriotipada como a Nerd do ensino médio que entra na faculdade e vai morar em uma república e passa pela experiência de novos amigos, festas, bebidas, sexismos, e assédio/abuso sexual.

A história tem varios personagens clichês e a influência que amigos e a cultura em que a pessoa esta inserida modifica seu comportamento. Muitos jovens passam por isso... Com intuito de de integrar.

Escolhi esse livro pra ler por que acompanho o canal do youtube da autora ha tantos anos que por ja conhecer tanto da forma que ela pensa (desde acompanhar o crescimento da jovem que indicava romances até se tornar uma formadora de opinião sobre assuntos importantes sobre o universo feministico)... Que achei que tinha que ler o que ela se dedicou a escrever...

Li o livro em uma noite de insonia... Em horas... Não por que é maravilhoso ou mudou minha vida... Mas por que é facil de ler. Muitas e muitas vezes eu pude perceber a Pam ali... Nas inúmeras frases defensivas... No modo de mostrar o "machismo" nao de uma uma maneira sútil, mas escancarada.

Quando digo que não mudou minha vida, é por que eu sinto que ja alcancei uma maturidade com meus 28 anos...pra saber o que ia acontecer, ou o que nao faria, ou como devo tomar minhas decisões sendo mulher nos dias atuais e nos contextos que sou inserida...

Porém, consigo perceber que muitas meninas ate as que estão antes dessa fase de vida da personagem precisam ler... Por que nessa fase, tudo é novo... Ainda estamos nos conhecendo, damos importância a tudo!!!

Então jovenzinhas leiam ...e quem já tem um amadurecimento e esclarecimento maior leiam também pra lembrar de como eramos e o que tivemos que passar pra nos tornar quem somos hoje e julgar menos as meninas, jovens e mulheres ao nosso redor.
comentários(0)comente



Ka @umaestudantedeletras 08/04/2018

Feminismo, Sororidade e Pam Gonçalves.
Boa Noite” vai narrar a história de Alina, uma jovem que após o fim do ensino médio deixa a sua cidade natal para estudar Engenharia da Computação em outra cidade. ⠀⠀⠀
Ali, assim como todo jovem anseia pelas mudanças que essa nova fase traz, porém ela não imagina que essa mudança também trará coisas ruins para a sua vida. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
📖 “Pela primeira vez em muito tempo desejo ser a Alina do passado de novo. Tentar ser diferente não está sendo uma boa experiência.”
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Tudo muda quando no seu primeiro dia de aula o machismo predomina na sua turma, onde possui um grupo pequeno de meninas, que são alvos de piadas até mesmo pelos professores (realidade dos cursos de engenharia), além disso ela passará por situações que a fará cogitar a possibilidade de nunca mais pisar os pés na universidade. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
No fim, essas circunstâncias fará com que haja uma união feminina, entre suas colegas de curso. A princípio como um instinto de proteção, mas que depois acaba ganhando um propósito ainda maior. Mal sabiam elas que essa união causaria uma revolução. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
📖 “Ao contrário do que somos educadas a pensar, as outras mulheres não são nossas inimigas, mas sim nossas irmãs. Um time. O exército que precisamos proteger. Se não protegermos e cuidarmos uma das outras, não serão os homens que o farão por nós.” ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Pam me surpreendeu muito com o desenrolar da história, iniciei a leitura sem nenhuma expectativa, apenas com a intenção de curar uma leve ressaca literária, e fui pega de jeito conforme a narrativa ia evoluindo. Temas reais são internalizados aqui. Ela usa a história da Alina e de outros personagens para abordar assuntos como racismo, homofobia, machismo, abuso sexual, em um cenário que torna a sua leitura ainda mais necessária: as universidades brasileiras. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A narrativa é muito bem construída, com um romance de fundo, mas que não rouba tanto a cena. Ele possui sua importância, mas não é o foco.

site: Bookstagram: @umaestudantedeletras
Gabriele 26/04/2018minha estante
undefined




Carol Garcia 25/03/2018

'Ao contrario do que somos educadas a pensar, as outras mulheres não são nossas inimigas, mas sim, nossas irmãs!' Alina, P. 228
Boa noite, da Pam Gonçalves me surpreendeu. Vim de uma ultima leitura improdutiva. Que me barrou e me fez ficar parada bons meses. Então tinha medo de parar de novo.



Até que, peguei um fim de domingo para ler a historia. No dia seguinte, seria feriado. Teria o dia livre. E foi ai que li o livro todo, de cabo a rabo em basicamente uma segunda feira. Nada me segurava ou tirava minha atenção. Foi um leitura magica, incrível e envolvente. E por ser brasileiro, ganhou mais um cantinho no meu coração literário.









Alina é aquela jovem para Pai e Mãe nenhum botar defeito. Boas notas e bom comportamento. Até que a filhinha querida decide enfim ir para uma Universidade longe de casa, longe do passado certinho. Alina quer tirar esse rótulo de CDF e viver a vida da forma mais diferente do que levou até o momento.



A turma da república que Alina passa a morar é incrivel. Cada morador com seu jeitinho, que completa os dias de Alina de vários jeitos. Então a vida social dela começa a ganhar forma. Rolês, Festinhas e muita azaração. Porém nem tudo são flores.









Os alunos da universidade que Alina estuda criam uma pagina numa rede social que passam a dar nota e colocar 'observações' sobre as garotas de lá, conforme suas experiencias digamos assim. Alina acha que isso é bobagem e que jamais estaria nesse tipo de lista. Até que depois de uma festa, tudo muda de rota, e Alina começa a ponderar se valeu a pena sair do conforto materno e enfrentar o mundo.



Ela acaba descobrindo que nas festas começa a rolar um certo tipo de droga, com o nome Suspiro, que causa efeitos colaterais semelhantes ao Boa Noite Cinderela.









Alina tem um grupo no seu curso apenas formado por garotas (ela faz Engenharia da Computação, um curso quase 100% masculino, o que faz com que ela e suas amigas passem pelos mais diversos tipos de piadinhas e preconceitos machistas), e esse grupo decide entrar num 'concurso' onde o melhor projeto desenvolvido, que beneficie os alunos, será aprovado e colocado em prática por uma empresa renomada do ramo.



Nossa personagem principal passa por poucas e boas. Se envolve com pessoas erradas, é mal compreendida por quem não esperava e tem que muitas vezes fazer o impossível para ser notada e mostrar aos outros o que está acontecendo.









Você fica sem folego quando lê. Fica agitado. E no final, consegue enfim respirar tranquilo.



Pam sabe prender o leitor do começo ao fim. Com capítulos que se completam e que se amaram um ao outro, fazendo com que você não desgrude um segundo os olhos do livro.



Foi a minha leitura mais rápida: da vida!!!! E valeu cada pagina. E eu já li o outro da autora, que também é Youtuber e vale a pena demais o acesso ao canal dela.



Algumas citações:



'Nem sempre o que parece divertido é o mais inteligente!' Miriam, P 176



'Ao contrario do que somos educadas a pensar, as outras mulheres não são nossas inimigas, mas sim, nossas irmãs!' Alina, P. 228



Classificação Literária da Blogueira: ♥♥♥♥♥

site: http://jeitodemulhereolhardemenina.blogspot.com.br
Eduardo 26/03/2018minha estante
Curti a resenha e me parece ser um livro bem legal! acho q vou add a minha lista tbm1


Carol Garcia 28/03/2018minha estante
Oi Edu. Poxa que bom. Da uma chance sim. Estou aos poucos colocando as resenhas em ordem...




135 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |