De Repente Esclerosei

De Repente Esclerosei Marina Mafra




Resenhas - De Repente Esclerosei


57 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4


A garota Cenozóica 19/07/2020

Linda história de amor e resiliência!
Eu acho que a primeira coisa que preciso de dizer sobre esse lindo livro é que ele vai te dar uma nova perspetiva sobre a vida.

De Repente Esclerosei conta a história da Mitali, uma jovem que depois de um diagnóstico, vê a sua vida mudar e começa a trilhar uma estrada muito difícil, de constante tratamento, de sofrimento, de angústia e aflição, de medo e de desespero, mas também de muito amor, de crescimento pessoal, de perdão, e de resiliência.

Ninguém está em controlo da vida, e não se sabe quando o nosso mundo pode desabar. “A vida acaba em um piscar de olhos.” A ilusão do controlo é quebrada aqui completamente quando Mitali é diagnosticada com Esclerose múltipla.

Tem tanta coisa nesse livro, tanto aprendizado. Aprendi tanto sobre a doença, algo que eu acho muito importante para a conscientização, pois por vezes, as pessoas que estão de fora são ignorantes por falta de informação.

Também vemos Mitali navegar pelo sistema de saúde brasileiro que em muitas ocasiões falha em dar a assistência adequada. Ela que detesta tanto os hospitais, que resistiu até a ideia de sequer ir ao médico depois de sentir o formigamento nos seus pés e tentou de tudo para não ter de ir, viu-se presa a esse sistema que mostrou-se muitas vezes incapaz e dececionante.

Ao mesmo tempo que ela lida com essa doença, tem um milhão de coisas acontecendo na sua vida, desde a relação com o seu pai, com a sua irmã, e a melhor de todas, a relação com o Dimitri. Quem não gostaria de ter um Dimitri na vida real? Essa história, acima de tudo, é uma história de amor. Ela mostra como o amor tudo pode, tudo supera. Marina conseguiu transmitir as emoções de cada personagem de um jeito puro e singelo e mesmo os personagens com os quais no início eu tive dificuldades para me conectar, como a Aurora, eu acabei por entendê-los mais tarde, entender as suas motivações e o seu comportamento. Entender que são simplesmente seres humanos errando e aprendendo.

Essa é uma história de seres humanos e suas complexidades, suas diferenças, e sobre a humanidade dentro de cada um para lidar com o que vem e descobrir que a vida pode existir e pode ser boa e feliz apesar de tudo.


site: https://www.instagram.com/anacravid/?hl=fr
comentários(0)comente



Paula.Rodrigues 16/04/2020

Meu primeiro e-book
Foi minha primeira leitura em modo ebook, e desmistificou qualquer medo que eu pudesse ter dessa modalidade de livro.

Fiquei apaixonada e muito curiosa pela história da Mit, em alguns momentos me identifiquei, em outros achei situações impossíveis rs, me preocupei e me emocionei.

Uma leitura doce, leve e agradável. Além de me ensinar muito sobre a esclerose múltipla.
comentários(0)comente



livretizar 01/04/2020

O livro é bom, mas minhas expectativas estavam muito altas.
Me apaixonei pelo livro desde a primeira vez que vi ele no Instagram. Segui a autora, li todas as resenhas e comentários sobre o livro (todos sempre elogiando) e decidi que leria ele de um jeito ou de outro.
O livro não era o que eu estava esperando. A escrita da autora não era o que eu esperava, algumas situações eram muito ???, diálogos forçados algumas vezes e a Aurora... Não vou nem comentar.
É um livro bom, com uma leitura rápida e que vai te deixar soft no final, mas é bem improvável que vá virar seu livro preferido. Li achando que seria o livro da minha vida, mas acabou sendo só mais um com uma capa bonita.
comentários(0)comente



Letícia 16/03/2020

Leiam!
É simplesmente tocante! Todos deveriam dar uma chance pra esse livro, e obrigada Marina por mostrar a realidade dessa doença de forma simples, mas tão real que você fica imerso na história
comentários(0)comente



Fernanda 18/02/2020

Lágrimas de agradecimento
DRE é esclarecedor. Tudo a respeito dessa obra, desde os aspectos relacionados à EM até o relacionamento entre Mitali e o pai são extremamente necessários. Tudo nessa história me tocou e iluminou. A Marina conseguiu duas coisas dificeis: me fazer ler os agradecimentos e CHORAR COPIOSAMENTE COM ELES. Imagina a história em si como é rica e linda? Vale muito a pena a leitura!
comentários(0)comente



Pat Müller 16/02/2020

Lembrete: ame e viva
Eu amei como a escritora conduziu a (própria) história. Eu não tinha conhecimento sobre a esclerose múltipla e o livro foi muito útil no papel de conscientização. Espero que a Mitali da vida real esteja firme nas suas convicções e sou grata por essa história ter chegado até mim. Recomendo.
comentários(0)comente



Marina | @booksbymarina 10/01/2020

Oi gente, tudo bem? Vim trazer a resenha dessa lindeza que é De Repente Esclerosei, da linda da Marina do @resenhandopormarina.
.
Gente, esse livro é uma lição de vida, não é um livro.

Com muita leveza, a Marina traz pra gente a história de uma paciente de Esclerose Múltipla, do momento da descoberta, as perdas, curas, e aceitação.

Conseguimos ter uma visão do que é a doença, das dificuldades que uma pessoa enfrenta para aceitar ajuda, procurar um médico, e aceitar que ela não se encaixa mais no padrão que tinha de uma “pessoa normal”.

A narrativa é leve, mas angustiante. Sabendo que, uma hora ou outra, a Mitali descobriria a doença e seria diagnosticada, os primeiros capítulos foram muito angustiantes, especialmente a resistência dela em procurar um médico.

Acredito que esse ponto foi um diferencial do livro, pois deu um suspense para a história eu eu não esperava. Minha ansiedade para que ela descobrisse e começasse a se tratar foi muito alta rs.

Particularmente, duas coisas me irritaram na narrativa. A primeira foi a Aurora e sua personalidade, acredito porque às vezes eu chego perigosamente a ser como ela, mandona, e que, se não for do meu jeito, não vai ser de jeito nenhum. Por outro lado, me deu medo que um dia eu possa fazer como ela, deixar de apoiar as pessoas que precisam de mim porque sou birrenta e irracional nesse sentido. Vale aí a reflexão para as Auroras da vida, não deixem a personalidade de vocês afastarem aqueles que amamos, na maioria das vezes vale a pena engolir o orgulho e simplesmente apoiar as decisões alheias.

O Segundo ponto foi o Dimitri. Porque? Gente, ele era perfeito demais, ninguém é assim. Isso tirou um pouco a realidade do livro pra mim, tudo me pareceu muito real e humano, todas as relações da Mitali, com a Aurora, o Pai, os amigos, o chefe, mas com o Dimitri me pareceu superficial. Isso talvez esteja influenciado pela minha visão de mundo, pode ser que para outras pessoas ele tenha realmente se encaixado na história, mas ao meu ver, ninguém é “sem defeitos” e completamente compreensivo o tempo todo. Mas no geral, não é algo que incomoda tanto no livro.

Quanto aos demais personagens, adorei todos eles, todos tem suas características, sua personalidade.

A relação da Mit com o pai dela foi demais, cheia de dor e machucados que se curaram quando eles precisaram um do outro! Lindo, pais e filhos sempre devem, ainda que tardiamente, se perdoar e se reencontrar.

Por fim, a perspectiva que a Marina traz sobre a doença, sobre os diferentes sintomas em diferentes pacientes, e como a aceitação é o melhor caminho para tratar os sintomas e seguir em frente.

Lições de vida que aprendi: Ser menos como a Aurora; Seus problemas não são o fim do mundo, todo mundo tem problemas e tem que enfrentá-los; é possível enfrentar as situações adversas às quais somos submetidos, basta ter força de vontade; Desistir é fácil, a vida requer coragem para seguir em frente.

É isso gente, esse livro é maravilhoso, vale a pena cada página, cada palavra e cada lição!

comentários(0)comente



Rafaela - @esculpindoaboboras 02/12/2019

Cá estava eu no Kindle em busca de uma leitura, vi essa capa, me apaixonei instantaneamente; confesso que o título também foi bem estimulante hahaha
De cara me pareceu um livro que me agradaria e acertei em cheio!
Um livro com uma grande carga emocional. Com Mit aprendi muito sobre a vida e também a Esclerose Múltipla.
Além da Esclerose, o livro abordar dezenas de outros temas e a Mari soube tratar de assuntos tão importantes de forma muito sensível.
Os personagens são extremamente cativantes; todos eles, sem exceção. E sem dúvidas isso contribuiu para tornar a leitura tão agradável e envolvente.
Senti falta de um pouco mais de desenvolvimento dos fatos, como exemplo os relacionamentos, foi tudo muito rápido e gostaria que tivesse aprofundado mais.
Mas pelo que vi vai ter continuação e admito que estou esperando ansiosamente!
Esse livro é uma lição de vida! Depois de concluir a leitura passei a olhar o dom da vida com outros olhos e agradecer por cada segundo. Nós reclamamos demais e temos tantoo!
Nem preciso falar que recomendo a leitura né?! haha
comentários(0)comente



Natalie e Vivian @avidezliteraria 05/11/2019

Leitura emocionante e obrigatória
Não há nada mais angustiante que a incapacidade. Não há nada mais assustador e temível que o desconhecido. Mitali pode ainda não saber, mas entre as coisas boas e ruins que a vida vai lhe oferecer, ela tem muito a descobrir e aprender.

Extrair o melhor da vida, mesmo quando as surpresas que ela nos apresenta não parecem ser capazes de produzir qualquer tipo de alegria, mas podem nos ensinar a valorizar o que está ao nosso redor. Sem dúvida, é uma das lições presentes no livro de Marina.

Algumas das experiências vividas pela protagonista do livro me despertaram várias reflexões. A tendência das mulheres de se culpar por tudo. As expectativas cruéis que impomos a nós mesmas. As péssimas decisões que podemos tomar movidos pela culpa. O tempo e as experiências importantes que podemos deixar de viver ao lado daqueles que amamos por conta da teimosia, da arrogância ou por não sermos capazes de, em alguns momentos, assumir nossos erros ou exercer o perdão.

Um relato que apesar de fictício, fala sobre um problema real, pouco discutido e nos conscientiza sobre uma condição neurológica que muitos já ouviram falar, mas poucos verdadeiramente conhecem. E que nos alerta sobre as nossas próprias incapacidades. Nossa incapacidade de viver o momento presente, de comemorar nossas pequenas conquistas, de exercer a gratidão e de tentar viver a vida em sua plenitude. Incapacidades que, por vezes, podem nos impedir de ser. De ser autênticos, de ser capazes, e principalmente, de ser felizes.

PS: Essa resenha só não está ainda no insta e no blog porque sou perfeccionista e ainda não consegui tirar aquela foto que eu amasse de verdade para transmitir a maravilha que esse livro é.

site: https://avidezliteraria.wordpress.com
comentários(0)comente



Luciana Storino 31/08/2019

Super amei esse livro!! A história é linda e emocionante, rico em detalhes. Aborda a doença em uma linguagem fácil e prática, prendendo minha atenção de uma maneira que não tinha como não me emocionar a cada capítulo. Ri, chorei, torci pela Mitali, chorei, chorei e chorei... Incrível como um livro tem o poder de mexer com nossos sentimentos. Super indico.
Marina Mafra 21/09/2019minha estante
Que felicidade ler essas palavras. Muito obrigada! Um beijo =)


Luciana Storino 21/09/2019minha estante
Marina euuuuu simplesmente ameiiiiiii é lindo e de uma delicadeza incrível




@estante_da_wan 16/08/2019

Leve e Lindo
De repente esclerosei: um faz de conta de verdade.
O título do livro pode nos passar a idéia de uma história com uma personagem “maluquinha”, já que o adjetivo esclerosado também é usado, pejorativamente, para pessoas esquecidas ou que estão perdendo a capacidade mental.
Porém o “esclerosei” aqui representa (não que ela seja APENAS isso) a personagem Mitali, que descobre ser portadora de Esclerose Múltipla, uma doença degenerativa. Que também é o diagnóstico da Marina, a autora. DRE não é uma biografia, a história da Mit e da Marina são bem semelhantes, porém com um toque de... faz de conta, como diz o subtítulo.

Ao longo da leitura acompanhamos a Mit no processo de “descoberta” do seu diagnóstico. Conhecemos todas as dores, sintomas, dúvidas e medos pelo qual ela passa até e depois de descobrir sua doença. Mas a história não fala somente da EM.
A história que a Marina nos conta, também, é sobre encontrar sua alma gêmea, mesmo quando você não está procurando ou acredita que ela exista. É sobre como o amor pode entrar nas nossas vidas inesperadamente.

Dimitri é a alma gêmea da Mitali. Dimi é um dos personagens masculinos mais doces que já tive a oportunidade de ler. Apaixonei-me perdidamente por ele, assim como a Mit. E olha que eu nem sou fã de romances instantâneos, hein?!
Mas sabe o que me fez ver o envolvimento dos dois com outros olhos? A oportunidade de saber da própria autora que isso também aconteceu com ela. Foi a certeza de que um amor assim pode mesmo acontecer na vida real.

DRE também nos traz outras lições.

Ele nos mostra a amizade verdadeira, quase que uma irmandade, entre duas mulheres tão diferentes. Mitali e Aurora são quase opostas: uma representa um mar tranqüilo; a outra é o mar em dia de tempestade, agitado. A Rora cuida da Mit como se ela fosse frágil demais, como se pudesse quebrar a qualquer momento. Mas, tudo que ela faz é para proteger a amiga, a única família que ela tem. Em algumas vezes ela foi chata? Foi. Invasiva também. Entretanto isso não desmerece todo o cuidado e amor que ela tem pela amiga, por isso perdoei-a.

Perdão também é um dos temas abordados em DRE.
A relação entre Mit e o pai, Maurice, nunca foi lá essas coisas, até ele reaparecer na vida da filha num momento em que ambos precisavam da presença um do outro por motivos semelhantes. Eu me emocionei demais com a reaproximação deles. Para mim, que tenho meu pai como meu xodó, foi muito doído ver o sofrimento que pai e filha enfrentaram.

Então, como não podia faltar, chorei em algumas partes mas ao final da leitura, me peguei com um sorriso no rosto e com aquela sensação de que temos que viver como se hoje fosse nosso último dia.
DRE foi um livro que me conquistou primeiro pela capa. E que quando li “fim” a sensação que me preenchia era a de alegria e prazer por ter lido algo tão maravilhoso. Uma história de amor, amizade, perdão, superação e aceitação. Uma história que merece ganhar o coração de muitos e muitos leitores.

E para finalizar com chave de ouro, tive a honra de ter sido escolhida como parceira da Marina. E essa parceria tem me dado a oportunidade de conhecer a pessoa maravilhosa e amorosa que ela é. Assim como tive vontade de fazer com a Mit, tenho vontade de pegar a Mah e colocá-la num potinho, bem protegida (oi, Rora, td bem?! Rsrsr).

site: https://www.instagram.com/p/B04a7XUjNRt/?utm_source=ig_web_copy_link
Marina Mafra 21/09/2019minha estante
Lindona! *-*




Daiana 24/06/2019

Amei o livro!
História linda e que nos passa tanta informação sobre a esclerose múltipla além de como é ser portadora da doença.
Marina Mafra 21/09/2019minha estante
Que bom!!! Obrigada. Um beijo. =)




@livrariandocomadea 09/06/2019

Eternamente "coisada" por esse livro!!! ???
Aaaaaiii... Sabe quando você termina aquele livro tão maravilhoso que não queria que acabasse? Assim que tô me sentindo depois de terminar essa perfeição em forma de livro chamado "De repente esclerosei" (DRE), da Marina Mafra, do @resenhandopormarina.

Marina é paciente de esclerose múltipla desde 2012 e encontrou nos livros o caminho para a sanidade. Em DRE, criou uma história de ficção para falar sobre várias coisas que ela mesma vivenciou e assim ajudar a conscientizar mais pessoas sobre a esclerose múltipla e conseguiu fazer isso com sensibilidade e maestria.

Sinopse: Com exceção da melhor amiga Aurora, a quem considera sua única família, Mitali vive sua vida com o coração fechado, em razão das mágoas do passado. Mas o destino a surpreende quando coloca Dimitri em seu caminho, que parece ter a chave para o seu coração gelado, e quando seu pai retorna misteriosamente procurando uma reaproximação. Em meio a tudo isso, Mit começa a sentir formigamentos e fraquezas nas pernas sem aparente motivos. A partir daí, uma série de mudanças comeca a ocorrer no corpo e na vida de Mitali e ela passa a perceber a real importância do amor, da família, da amizade, do perdão e de aproveitar a vida.

Marina criou personagens tão reais, tão palpáveis, que é quase como se fossem nossos amigos (pelo menos eu queria que fossem!). O amor dos "eternamente coisados" fez brotar tantos sorrisos e suspiros em mim que fiquei "eternamente coisada" por eles e por esse livro!!! Quem não quer ter amigos como os "esclerosados" ou como a Rora ( apesar de que fiquei boa parte do livro meio p... com ela!). Como não se emocionar com a relação da Mitali com o pai? E como não se comover com a trajetória da nossa Mit? Suas dores, suas conquistas e seus aprendizados?

Nossa, como me envolvi nessa leitura! Não tem como não entrar nessa história! A gente aprende tanto! Aprende sobre a esclerose múltipla e também sobre a preciosidade da vida, da saúde, das amizades, da família, do amor, do perdão, da paz. E aprendemos todas essas lições presos em uma história que a gente simplesmente não quer largar de tão boa (eu devorei o livro!).

Outra coisa que me chamou atenção foi o carinho com que toda a edição desse livro foi cercada, da nota especial aos comentários das instagramers inseridos. Impressionante como, antes de começar a história você já consegue perceber o que ela desperta nas pessoas. E é um sentimento incrível de carinho, de admiração, de cumplicidade mesmo (eu nem a conheço e já me sinto assim!). Obrigada, Marina, por ter compartilhado um pouco da sua história conosco e por ter criado um mundo tão fantástico para contá-la. Um grande beijo no seu coração e força sempre pra continuar na sua luta linda, porque você faz a vida de muitas pessoas muito melhor!!! Parabéns!!!
Marina Mafra 21/09/2019minha estante
*-* um beijo e obrigada mais uma vez.


@livrariandocomadea 12/10/2019minha estante
De nada. Tudo de coração! Beijo




Coisas de Mineira 28/05/2019

Hoje estou aqui pra falar sobre o livro não-biográfico ” De Repente Esclerosei “, lançado de forma independente no segundo semestre do ano passado pela autora Marina Mafra. Para começar essa conversa, vamos voltar um pouquinho no tempo… Há algum tempo, antes mesmo de escrever aqui, acompanho alguns blogs e instagrans literários e sempre achei lindo o trabalho e a dedicação do pessoal para esta atividade, muitas vezes não tendo retorno nenhum, nem mesmo dos próprios seguidores.

Alguém que sempre se destacou pra mim foi a Marina do @resenhandopormarina, inicialmente pela nossa compatibilidade na paixão por funkos pop, pelo bom gosto de seus posts e quotes, livros escolhidos, cenários montados… Porém, uma coisa que eu nunca iria imaginar é que me identificaria ao escutá-la falar (direta e indiretamente) sobre seu diagnóstico de Esclerose Múltipla.

“Tudo que vivi me mudou. Ainda me sinto grosseira e inconveniente, mas a doçura que carrego comigo foi por abrir as portas para o amor…”

Mitali Montez é uma jovem independente que possui o emprego que a faz feliz. Possui apartamento, carro e mora com a amiga de infância Aurora, a quem considera uma irmã. Tendo saído cedo da casa dos pais e sua mãe já falecido, tem pouco (ou nenhum) contato com seu pai Maurice, resultado de anos de um relacionamento difícil.

Mas a vida estável de Mitali sofre um abalo quando ela começa a sentir algumas crises de formigamentos nas pernas, uma fraqueza e algumas sensações que ela não sabe explicar. E em meio a esse turbilhão de incertezas ela irá encontrar o amor, em várias formas, rostos e intensidades, alguns da forma que ela nunca sonhou, no entanto sempre precisou.

A história de Mitali não é sobre alguém que tem Esclerose Múltipla. Assim como John Green diz sobre sua personagem em “A Culpa é das Estrelas”, ser diagnosticada com alguma doença não é a definição de quem você é. E essa talvez seja a minha maior surpresa e identificação. A vida não pausa para que você assimile uma mudança, nem te poupa da vivência, do cotidiano, ou de mais dificuldades e tristezas por consideração à última que você recebeu.

“Esse discurso de dádiva não consola ninguém. Você não trocaria de lugar comigo, e se estivesse no meu lugar, não se sentiria privilegiado.”

Todos os personagens de De Repente Esclerosei foram muito bem construídos, estabelecendo relações reais, sem vitimismo ou favoritismo, situação que com certeza a personagem principal encontraria na vida real. O pai Maurice e sua bagagem emocional carregada, a amiga Aurora e suas críticas e cobranças pesadas, o namorado Dimitri com a proteção e respeito às escolhas da mesma (às vezes um pouquinho de lentidão).

Outro cuidado do livro De Repente Esclerosei é o de não servir como um manual de diagnóstico, listando sintomas e características para a definição da doença ou o melhor tratamento para tal. É possível perceber o cuidado a todo o momento em ficar claro que o diagnóstico da Esclerose Múltipla é criterioso e passa por etapas, além da doença se manifestar de diferentes formas em cada paciente, não sendo correta uma comparação ou generalização de estágios.

Preciso falar sobre a autora. Como eu disse a história não é biográfica, porém Marina descreve de uma forma muito interessante no começo da historia a sua relação com Mitali “Isso não é uma biografia, muito menos totalmente ficção. Alguns momentos felizes foram reais. Os tristes, descrevi como gostaria que tivessem sido”. Essa aproximação entre as duas trouxe verdade para as situações vividas pela personagem, as sensações, os medos, as inseguranças. É um olhar real de quem “De Repente” teve que se reinventar. E é isso que a Mitali nos mostra.

“Basicamente, uma célula do meu corpo começou a aparentar risco para as demais, que começaram a atacar a coitada, sem motivo algum. Seria cômico se não fosse o meu próprio corpo, brigando com ele mesmo e me causando danos, por ter se equivocado.”

Podemos pensar que o livro vai abordar toda uma trajetória de luta contra a Esclerose Múltipla, porém é muito mais que isso. Ele nos mostra através do olhar sensível da autora toda uma vida que segue com a Esclerose Múltipla, vida esta que não é definida e nem interrompida pela doença e sim adaptada. Vista como um presente.

Há 15 anos atrás o meu avô “de repente esclerosou”, um tipo diferente do de Mitali, uma um pouco mais impiedosa que não o deu muito tempo para lutar, a ELA (Esclerose Lateral Amiotrófica, aquela do Desafio do Balde de Gelo), mas as armas que teve ele usou. Se hoje talvez você não saiba qual é, pense na época… Ninguém sabia. A falta de conhecimento foi nossa grande inimiga. No entanto, eu sei dizer a vocês exatamente o que aconteceu e por isso comecei esse texto dizendo que nunca imaginaria que esta seria uma forma que encontraria pra me identificar com a Marina láaaa do lindo instagram literário.

Ela foi extremamente acertiva ao escrever que de repente a esclerose surge, de repente o seu pé “dobra dentro do próprio sapato e você cai” (algo que ele também disse e eu nunca esqueci), de repente você está querendo que a pessoa se esforce mais para dar um passo firme, tente um novo tratamento (quantas vezes eu fui Aurora?), de repente você quer que a pessoa pare a vida pra ficar em casa protegida…

“Viva, se não por você, por quem não possa mais escolher.”

E é por isso que ao final da leitura eu digo a vocês que valorizem o presente da vida que lhe foi dado. Use e abuse dele. Seja, faça, tente, caia, levante e se conheça. Indico a leitura a todos, para que sempre que for necessário possam se encorajar, se reinventar e lutar. Lutar por você, por quem você ama, ou como disse a própria autora “Por todos aqueles que não podem mais”.

***O livro físico De Repente Esclerosei pode ser adquirido diretamente com a autora em www.marinamafra.com ou @livrodre. O e-book pode ser adquirido pela Amazon. Não deixem de conferir também o Instagram Literário da Marina Mafra @resenhandopormarina.

Por: Karina Rodrigues
Site: www.coisasdemineira.com/resenha-de-repente-esclerosei-marina-mafra/
Marina Mafra 03/06/2019minha estante
Obrigada! *-* s2


Coisas de Mineira 04/06/2019minha estante


Coisas de Mineira 04/06/2019minha estante
s2


Marina Mafra 21/09/2019minha estante
Eu acabei de reler sua resenha e vi que está diferente o Instagram, lá não mencionava seu avô. Eu sinto muito pelo que passou com ele. Mas saiba que o maior pecado das "Auroras" da vida é amar demais e isso é facilmente perdoado. Tenho certeza que você o encheu de orgulho. =') um beijo




@diariodeleituradanati 17/05/2019

De Repente Esclerosei
Nesse livro conhecemos Mitali, uma moça simples, gerente de uma cafeteria, mora com sua melhor amiga Aurora.
Mitali é diagnosticada com Esclerose Múltipla (doença essa, que eu só tinha ouvido falar) e aí o livro aborda tudo sobre a doença, as angústias e os medos de Mitali, a relação dela com o pai (que não é das melhores). Ahhh e tem o Dimitri também, um cara super fofo que começa trabalhar na livraria e logo os dois se apaixonam, que amor lindo!

Que livro encantador! Leiam gente, não posso falar muito para não dar spoiler, só leiam!

Marina, sem palavras para esse livro, e saber que você também passou por algo parecido, por ser uma paciente de esclerose múltipla, só me faz te admirar mais e mais, que mulher de força! Parabéns e obrigada pela oportunidade de ler algo tão lindo e emocionante.
Natalie e Vivian @avidezliteraria 23/05/2019minha estante
Esse livro definitivamente tocou meu coração e me inspirou.


Marina Mafra 21/09/2019minha estante
*-* Obrigada, obrigada!! S2




57 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4