A Sensitiva

A Sensitiva Hannah Howell




Resenhas - A Sensitiva


92 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Biblioteca Álvaro Guerra 13/11/2019

Em Londres, 1788, Lady Penélope Wherlocke Hutton-Moore, nem teve tempo de sofrer com a morte da mãe e logo se viu obrigada a morar no sótão da mansão de sua família. Agora a casa está sob o controle de seus irmãos de criaçao, Charles e Clarissa, cujo único objetivo de vida é encontrar um caminho para ascender socialmente. Lord Ashton Radmoor é o prometido noivo de Clarissa, mas quando encontra a misteriosa Penélope, sem suspeitar que se trata da meia-irça de sua noiva, suas prioridades começam a mudar, desafiando interesses de ambas as famílias.

Empreste esse livro na biblioteca pública.

Livro disponível para empréstimo nas Bibliotecas Municipais de São Paulo. Basta reservar! De graça!

site: http://bibliotecacircula.prefeitura.sp.gov.br/pesquisa/isbn/9788563066510
comentários(0)comente



Gostosa Leitura 26/11/2017

https://youtu.be/120IH-Ks2BE
comentários(0)comente



Prisciane.Lopes 10/01/2017

Penélope linda...
Segundo livro da série tão bom quanto ao primeiro...
Ele falo sobre Penélope ele orfã de pai e mãe se vê obrigada a conviver com os filhos do padrasto que só querem o mal dela....
Ashton está falido por isso precisa casar com uma herdeira e não é que ele se envolve com a filha do padrasto de Penélope.... mas na verdade quem encanta ele é Penélope.... O livro é muito bom.... O amor deles cresce aos poucos....
Prestem atenção a Brant e Olimpia que eles formaram o casal do 5º livro....
Indico a leitura não só deste mas de toda a série...

site: que e


mumu 09/01/2017

A herdeira legítima!
Penélope é a típica Cinderela, sua mãe se casa novamente após a morte do marido, que tinha tido filhos fora do casamento, com essa mágoa a mulher casa-se novamente e passa todos seus bens para o comando do novo marido, o que ela não sabia era que os dois morreriam deixando a pobre Penélope nas mãos dos "meio irmãos" no papel Charles e Clarissa, dois venenos em pessoa. Por causa deles a jovem é vendida a um bordel onde encontra Ashton, que de inicio não acredita que uma meretriz possa ser tão educada, bonita e aparentemente intocável. Depois de uma conversa e a quase perca da virgindade, Penélope consegue se libertar com a ajuda do moço em questão e os irmãos. Nesse breve momento em que os dois estiveram juntos, seminus e sem os títulos em questão, pois nenhum sabe quem o outro é, é quando começa uma paixão.

Só que o problema dessa paixão é que Ashton está falido, seu pai gastou tudo com a libertinagem e agora ele procura um casamento por conveniência, que de fato não teria se se entregasse a paixão que tem por Penélope, só que mal sabe ele que a fortuna que Clarissa ostenta na verdade é de Penélope. Tudo isso seria uma típica trama de intrigas familiares se não fosse pelo bônus de nossa protagonista ver fantasmas, ver, falar e também resolver suas pendências, libertando-os. De início o ovem Ashton não acredita na moça, mas sua veracidade e paixão pelo que foi incumbida de fazer por causa do seu dom "divino".

Nessas idas e vindas Penélope se refugia na Toca Wherlocke, um imóvel meio caindo aos pedaços que ela chama de lar para as crianças rejeitadas por pais e mães que não compartilham do dom da família, todos se tornam uma grande e unida fraternidade, quase um bando, cada um com sua peculiaridade. No final, além de Sir Argus Wherlocke aparecer e descobrir que tanto a prima quanto os filhos estão sendo usurpados do dinheiro que todos os pais enviavam, que a legítima herdeira estava sendo feita de empregada e maltratada por pessoas que sequer tinham sangue Wherlocke.

Tudo é resolvido, Penélope e Ashton se casam, e vamos dizer que as coisas ficam agradáveis para todos!

site: http://murysdiary.blogspot.com.br/2017/01/resenha-serie-wherlocke-livros-1-2-3-e.html
comentários(0)comente



Meninas que Leem 24/12/2016

Blog As meninas que leem livros
Gostei da maior parte do livro, embora tenha achado que a história se encaminha muito devagar para o final. O vilão é conhecido desde o começo, mas nada é feito para contê-lo. Tá, a autora precisava enrolar e os personagens não podiam agir sem provas, mas tive a impressão que levou bastante tempo para perceberem isso.
Penélope é uma heroína típica Howell....

site: http://www.asmeninasqueleemlivros.com/2011/08/sensitiva-hannah-howell.html
comentários(0)comente



Delmira Pedrosa 27/09/2016

Uma narrativa bem interessante. Um livro bem escrito e cheio de surpresas. Romance, mistério, sedução, fantasia...Um bom entretenimento.
comentários(0)comente



Laura 17/09/2016

Decepção 2
Uma segunda decepção. E os mesmos erros na minha opinião. A ideia base é boa, os personagens interessantes e mesmo assim a trama foi mal amarrada. tem tantos furos que da raiva. Eu fiz força para terminar. O que gostei apesar de tudo foi dos meninos da Penélope, numa época onde ser bastardo era uma droga e mesmo assim muito comum, ver o cuidado e aceitação dela com os garotos foi bacana.
comentários(0)comente



Livy 04/09/2016

Uma dose rápida e envolvente para aqueles que buscam romance e mistério.
Não é um livro recomendado à leitores rígidos, pois as críticas seriam muitas. Mas é um livro perfeito para aqueles que buscam simplesmente "viajar" em uma aventura romântica. É um livro de leitura atrativa e rápida, facilmente lê-se em um dia. Se busca se deliciar em uma história romântica que não tenha tantas páginas, ai está uma boa pedida.
comentários(0)comente



Ana Luiza 28/03/2016

Resenha do blog Mademoiselle Loves Books - www.mademoisellelovesbooks.com
A SÉRIE
A Sensitiva é o segundo volume da série Wherlocke, que conta com um total de sete livros (apenas os quatro primeiros foram lançados no Brasil). Cada volume da saga é independente e conta a história de amor de um membro diferente da família Wherlocke.

A LEITURA
Eu já tinha visto as capas dos livros da série, que são muito bonitas, por aí e por isso fiquei curiosa para ler A Sensitiva quando ganhei a obra em um sorteio, mas acabei esquecendo-a por um bom tempo na estante. Peguei o livro para ler sem muitas expectativas e acabei me surpreendendo bastante.

Narrado predominantemente em terceira pessoa, A Sensitiva tem uma leitura fluída e muito cativante. Além de se tratar de um romance de época, um dos meus gêneros favoritos, a trama, apesar de seus clichês e de não conseguir me surpreender muito, traz uma história divertida e gostosa de ler. A obra ainda ganhou umas pitadinhas bem-vindas de mistério, especialmente quando se tratava de quem havia mandado sequestrar a Penélope, apesar de que leitores mais experientes podem facilmente prever a resolução de tais conflitos.

Um detalhe que adorei foi a autora ter abordado a questão dos casamentos por interesse, que também era comum para os homens da época e que eu não havia visto em nenhum outro livro do gênero. Ashton é de uma família nobre falida, graças ao pai devasso que gastou toda a fortuna, e por isso ficara noivo da meia-irmã de Penélope, que tinha um generoso dote.

Achei interessante também Howell trazer para a trama também a questão do trabalho, que era mal visto na época. Apesar de estar falido, Ashton não busca fazer negócios logo de início, pois era indigno para alguém de sua classe algo que hoje, para nós, parece impensável, afinal, na nossa sociedade atual, o trabalho e o sucesso financeiro são sinônimos de prosperidade. Fico bastante contente quando os livros, mesmo que romances bobinhos, conseguem abordar essas sutilezas da época em que se passam e nos fazem perceber como os valores mudam de época para época.

OS PERSONAGENS
Com personagem bem construídos e marcantes, a autora nos conquista rapidamente através deles. Todos os membros da família Wherlocke são fascinantes, com seus poderes sobrenaturais, personalidades fortes e coração bom. Eu adorei os irmãos e primos de Penélope, assim como a própria garota, afinal todos da família se posicionam a nunca julgar o outro e a sempre ajudar a quem precisa.

Forte e inteligente, Penélope consegue se virar bem sozinha, mas sabe a hora de aceitar ajuda. Achei interessante também que Penélope não era nada boba, apaixonada por Ashton, ela sabia que um relacionamento entre eles não seria fácil e mesmo assim resolveu ir atrás do que queria, no caso, ele. Determinada e corajosa, também foi cativante o fato dela aceitar e cuidar de todas as crianças bastardas da família, uma lição grandiosa de bondade. Ashton, infelizmente, não se destacou tanto para mim. Ele é fofo, bondoso inteligente, mas senti falta de mais audácia no personagem, o que o tornaria bem mais atraente.

CONCLUSÕES FINAIS
Uma leitura gostosa, rápida e cativante, A Sensitiva é um excelente romance de época. Fofo e emocionante, o livro diverte e até mesmo nos faz refletir sobre alguns aspectos culturais da época em que se passa. Eu, que não esperava nada da obra, gostei bastante do livro e estou ansiosa para ler todos os outros volumes da série.

site: http://www.mademoisellelovesbooks.com/2016/01/resenha-sensitiva-hannah-howell.html
comentários(0)comente



Tracinhas 23/03/2016

por Juliana Arruda
Essa história foi muito melhor que a anterior em todos os termos: romance, história, surpresas e clichê.

Penélope Wherlocke é órfã que mora com seus meio irmãos, Charles e Clarissa. O caso é que eles não são irmãos de sangue, somente no papel já que a sua mãe, depois da morte do seu primeiro marido e pai da Penélope, se casou com um homem que já tinha dois filhos. Logo depois da morte do seu padrasto e da sua mãe, seus meio irmãos fazem a vida dela um inferno. Em sua própria casa, ela deve dormir no sótão, vive na cozinha, é proibida de atender as pessoas na sala de visitas ou tentar socializar com qualquer um através de bailes. Ainda assim, quando ela acha que nenhum vai notar a sua presença, ela sai as escondidas para tomar conta dos seus primos e irmãos bastardos da família Wherlocke em uma propriedade um tanto mal falada.

Em uma de suas voltas para casa, ela é sequestrada e mantida drogada em um bordel. Segundo a cafetina do lugar, ela foi vendida. Por qual motivo, Penélope realmente não sabia dizer, afinal, ela tinha o sangue nobre, era filha de um marquês, e nunca fez nada para dificultar a vida dos seus meio irmãos, Charles e Clarissa. De qualquer maneira, ela não deixa aquelas hipóteses de lado. Ela só precisa encontrar uma maneira de sair daquele bordel, com vida. Os fantasmas daquele lugar pediam para que ela fugisse enquanto tivesse oportunidade, caso contrário, tudo estaria perdido. (Sim, o dom da Penélope é ver fantasmas).

Então, quando o primeiro cliente da cafetina aparece no quarto onde Penélope se encontra, ela se dá conta de que pode ter uma chance. O cliente era nada mais, nada menos, que o Lorde Ashton, o noivo da sua irmã, Clarissa. O caso era que ele não a conhecia, mas Penélope sabia exatamente quem ele era. O pai dele se afundou em dívidas antes de morrer, o que deixou as custas de Ashton encontrar uma herdeira para liquidar todas as dívidas da família. Ele não ama a Clarisse, mas promete ser um homem melhor do que o seu pai jamais foi para a sua mãe. De qualquer maneira, quando ele bate os olhos em Penélope, ele sabe que tem algo de errado consigo e com toda aquela situação de vê-la amarrada na cama. A brincadeira era pra ser sacrifício pagão, mas dificilmente ele deixaria Penélope daquela forma. Ele só tem certeza de tudo aquilo, quando os irmãos da jovem aparecem para resgatá-la.

Logo, Ashton se vê como um protetor para aquela jovem especialmente quando se dá conta de que ela vive em perigo. Em meio a todos os riscos e aventuras, Penélope sabe que tem que ajudar aqueles fantasmas do bordel a encontrar a paz que foi roubada deles, enquanto vivos. E Ashton, bem, ele tem que aprender a parar de ser cético sobre o dom da Penélope.

A narrativa continua bem elaborada, e gostei muito mais dessa história e a maneira de como ela foi contada, do que a anterior. Não vejo a hora de ler o próximo livro da série.

site: http://jatracei.com/post/141408654687/resenha-145-a-sensitiva
comentários(0)comente



Vivi 19/12/2015

Resenha - A sensitiva Hannah Howell - Blog O Amante de Livros
A história nos leva para os inestimáveis anos de 1978 com Lady Penélope e Lord Ashton, ela é filha de um conde muito rico que morreu, com seu falecimento sua mãe uma viúva rica e poderosa se casa novamente, o homem com quem se casa já possuía dois filhos e eles mudam-se para a casa de Penélope e sua mãe. O que tinha tudo para ser a família feliz e perfeita, não passava de um puro vestígio de hipocrisia aristocrática.

Anos depois a mãe de Penélope e seu marido acabam morrendo em um acidente de barco, Penélope então junto com sua meia irmã, Clarissa, passa a ser tutelada por, Charles, seu meio irmão, filho do homem que se casou com sua mãe e que acabará de falecer.

Penélope é desprezada por seus meio irmãos que pouco se preocupam com ela, felizmente ela tem um refugio para a solidão, o lugar chamado de toca WERLOCKE funciona como uma espécie de orfanato, é ali onde os membros da sociedade deixam seus filhos ilegítimos, as crianças ficam aos cuidados de Penélope que os abriga, alimenta, protege e orienta, como uma verdadeira mãe. O lugar é precário conta com poucos recursos financeiro, mesmo assim a união entre os meninos, alguns maiores outros ainda muito pequenos é o que da forças e vontade de lutar.

Algo muito curioso é que Penélope e seus irmãos possuem dons sobrenaturais, alguns podem prever o futuro, outros mover objetos sem toca-los, criar pequenas nuvens de tempestades quando estão chateados, ou como a nossa protagonista que é sensitiva e fala com mortos.


Ashton precisa encontrar uma noiva rica para casar e receber o dote, disso depende o futuro de sua família que está na falência, seu pai um fanfarão de primeira passava suas noites regado a bebidas, mulheres, cigarros e prostíbulos, no final de sua vida acabou apenas deixando vergonha e divida para sua família, agora Ashton com tias, irmãos e irmãs para sustentar precisa desesperadamente achar uma maneira rápida e segura de recuperar tudo que pertencia a sua família, nada mais seguro do que um belo casamento.


Charles com a morte de seu pai torna-se um barão, todavia com o pouco prestigio trazido por seu título recente ainda não crê ser o suficiente para deixa-lo no cargo político que tanto almeja, a solução então é oferecer um dote generoso para o casamento de sua irmão Clarissa, que em contra partida deseja um título, poder e tudo que a antiga Londres tem a oferecer de melhor, desta forma consegue prender o Ashton em um plano de casamento forçado quando seu irmão adquiri as promissórias com as dividas de sua família.

Ashton e Penélope se conhecem de uma maneira bem inusitada e que dará continuidade a todo mistério que envolve a trama, em um determinado dia ao regressar de um passeio a moça é sequestrada por alguns homens que a vendem para uma casa de prostituição que é administrada por uma dama da sociedade, nesse lugar muitas moças de família são sequestradas e obrigadas a se prostituirem.

Nesse mesmo lugar a vida de Penélope muda radicalmente, ela também descobre segredos obscuros que rondam o local e que fazem qualquer leitor arrepiar-se.

Esse foi o primeiro romance de época que li, a trama é bem clichê e em alguns momentos previsível, e a escrita da autora não foi muito fluida na minha opinião, eu lia e muitas vezes parecia que a leitura estava no mesmo ponto, sem grandes avanços, isso foi um fator que me fez demorar um pouco a finalização do livro.

Porém devo ressaltar que a história é muito boa, a trama é bem escrita e repleta de acontecimentos que fazem o leitor se envolver e querer participar na história junto aos personagens, muitas misturas na sacada da autora fizeram do livro um verdadeiro achado junto a romances de época, com ousadia e inovação, Hannah Howell fez de sua série um prato cheio para apreciadores de ficção de época.

Em momento algum história fica maçante, e teria tudo para ser, se não fosse seu enredo bem elaborado e criado minuciosamente para prender os leitores de uma maneira muito inteligente; fantasmas, intrigas, mortes, mistérios, poder, suspense, paixão e crimes no cenário da antiga Londres do século XVIII, marcam essa linda história de amor entre Ashton e Penélope.


Esse livro faz parte da série Wherlocke, ele é o segundo livro da série que contará a história de membros da família Wherlocke, o legal da série é que os livros são independentes, ou seja podem serem lidos fora de ordem sem medo. Eu por exemplo comecei com esse que é o segundo volume da série.

Bem, se você é o tipo de leitor que aprecia romance e suspense juntos em um único livro esse é super indicado para você, provavelmente irá querer ler a série toda assim que terminar esse.

E aí, alguma dúvida de que você deve ler esse livro para ontem?


site: http://www.oamantedelivros.com.br/2015/12/resenha-sensitiva-hannah-howell.html
comentários(0)comente



Priscilla 02/12/2015

Resenha A Sensitiva
O Livro A Sensitiva e o segundo volume da serie Wherlocke e um livro muito bom eu particularmente, adoro romance de época e no livro a Sensitiva, tem tudo que uma pessoa pode gostar. Como romance, intrigas, um misto de magia pois todos da família Wherlocke tem Dons. O livro começa quando Penélope e sequestrada , ela e levada para um Bordel e lá ela conhece o Lorde Ashton, Ela sofre muito nas mão de seus irmãos de criação Charles e Clarissa, A Penélope possui o dom de conversar com espíritos e sente-se na obrigação de ajudá-los a encontrar a paz. Mas às vezes nem os espíritos são capazes de alertá-la do perigo que ronda sua vida.
Ela Também se ver na obrigação pela criação dos bastardos de sua família. A Toca dos Wherlocke era sua segunda casa, o lugar onde ela investia o pouco dinheiro que recebia e também seu refúgio quando fugia da mansão dos seus irmãos de criação.Todos os meninos Possuem algum dom e alguns deles foram abandonados por esse motivo.
Sobre o Lorde Ashton Radmoor , ele e um homem que tenta salvar sua família das dívidas feitas pelo seu pai e se vê preso a um noivado infeliz para dar melhores condições de vida a sua família, sua noiva e a clarissa a irmã de criação de Penélope.
Penélope o ama há muito tempo, mas não tem dinheiro suficiente para salvar a família de Ashton das dívidas de seu pai e vive em constante perigo por conta da herança deixada pela sua mãe. Será que o amor deles será capaz de ultrapassar os obstáculos da sociedade? Ou o destino não permitirá que eles fiquem juntos?
A escritora Hannah Howell tem um talento incrível, a pessoa fica muito focada nos livros dela, sempre querendo saber o quem vem no próximo capítulos, muitos segredos são desvendados, e o leitor fica pensando. “ Ahhh eu já desconfiava disso.”
comentários(0)comente



LarissadeFranca 06/09/2015

Seguindo a saga das protagonistas místicas de Hanna Howell, ''A sensitiva'' segue a linha de ''A vidente'' como um romance histórico onde as personagens são envolvidas em um cenário cheio de mistérios e incerteza por conta de manter dons especiais.
Indico o livro pra quem gosta do gênero, pois é uma leitura tranquila e no meu caso, rápida.
Recomendo!
comentários(0)comente



Thananda 18/05/2015

Parece o primeiro,mas continua legal
Neste segundo romance da família Wherlocke conhecemos Penélope, uma moça que vive atormentada por seus meio-irmãos Charles e Clarissa no estilo 'Cinderela', onde cuida de uma casa cheia de meninos bastardos de sua família e pensa que é pobre, mas que na verdade seus meio-irmãos estão roubando toda a sua herança e pretendem matá-la para se apossarem plenamente da fortuna.

Eles a vendem a um prostíbulo no começo do livro e lá ela é salva por Ashton, noivo de sua meia-irmã.
Penélope já tinha uma "paixonite" pelo 'cunhado',mas depois da noite em que se encontraram no bordel e "quase" fizeram amor, eles se apaixonaram ardentemente.
Porém Ashton está preso a um noivado com Clarissa por conta das dívidas deixadas pelo seu pai, e sua família pode falir e ser presa caso ele não se case com uma rica herdeira e quite suas dívidas.

Penélope tem o dom de ver e conversar com espíritos e seu dom a leva a desvendar vários mistérios de roubo e assassinato, o que francamente, é o ponto alto do livro.

O romance segue a mesmíssima fórmula do primeiro, o envolvimento dos personagens não é muito surpreendente, chegando a ser 'água com açúcar'.Não é aquele livro que você lê e fala "noooossaaaa,que massa!!!",mas também não é tão fraco como dizem,pois podemos contar com algumas reviravoltas interessantes.

Recomendo :)

comentários(0)comente



Ingridy Fontana 11/03/2015

A união de uma família por um igual
Cada membro da família tem o seu dom especial e, graças a inveja dos meio irmãos de uma garota que pode ver espíritos, envolve todos os membros da família para salvar sua honra, sua herança e salvarem a si mesmos, dando a ela a felicidade de estar com o homem que ama.
comentários(0)comente



92 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7