De Volta Para Casa

De Volta Para Casa Karen White




Resenhas - De Volta Para Casa


104 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7


Mari 01/08/2013

DE VOLTA PARA CASA- KAREN WHITE

A resenha de hoje é sobre um livro que me emocionou profundamente: DE VOLTA PARA CASA da KAREN WHITE, lançado pela NOVO CONCEITO.

Queria muito ler um drama, desses que me levassem às lágrimas, mas também conseguisse colocar um sorriso leve nos lábios. Quando li a sinopse de DE VOLTA PARA CASA, tive certeza que esse seria o livro que eu precisava no momento. E foi!

A verdade é que imaginava uma história completamente diferente. Imaginei que teríamos páginas e mais páginas de Cassie relembrando o passado, nos contando detalhadamente como fora seu relacionamento com Joe antes de a irmã fugir para casar com ele, como havia sido depois, como os familiares tinham reagido, etc. Imaginei que veria em Cassie aquela personagem para ter pena, para ser solidária, e que ela sofreria horrores ao voltar para casa e encontrar sua irmã Harriet com Joe, seu ex-amor.

Mas Cassie se mostrou uma personagem completamente diferente disso. Claro que ela expôs sua dor e sofrimento, mas não de forma melancólica, ou de modo a nos causar pena e aperto no peito. Ela fez isso de forma mais singela, como se apenas quisesse nos inserir em seu mundo para entendermos algumas de suas reações diante algumas pessoas. Por exemplo, Cassie costuma ser agressiva quando se sente acuada, contudo, não a achei tão agressiva assim, achei apenas que ela tinha respostas rápidas para dar àqueles que tocavam em sua ferida.

Foi muito triste a parte em que Cassie se encontra com o pai doente e igualmente triste foi o recomeço do relacionamento com a irmã, mas aos poucos Cassie foi se apaixonando pelos cinco sobrinhos e permitindo que todos voltassem a fazer parte de sua vida.

KAREN WHITE narrou a história de forma singular e perfeita. Acreditei que teríamos muitas brigas de irmãs e que Harriet seria a personagem malvada e Cassie a boazinha. A verdade é que WHITE em momento algum retratou essa forma de dualidade. Pelo contrário, por mais que sejamos complacentes a dor de Cassie, a simplicidade, o carisma e o amor de Harriet, tornam impossível vê-la como uma vilã. Harriet é tão fofa em todas as suas atitudes e palavras que acabamos também por criar um laço afetivo com ela e torcer pela felicidade de ambas as irmãs.

No desenvolver da história, Cassie se encontra sob a cruz e a espada, pois tem que decidir se permanece na cidade, ou volta para sua tão amada Nova York. Cada vez que WHITE inseria esse assunto na trama eu me desesperava com a leitura, pois temia pela escolha de Cassie.

Mas a história não fica só nisso, temos um sujeito “malvado” de uma imobiliária que deseja a todo custo derrubar a casa de Cassie, pois a considera velha e quer que a cidade tenha coisas novas. Temos também Sam, o encantador médico da cidade, que vai mexer com as estruturas de Cassie, que tem um noivo a sua espera em NY. E diversos outros personagens que enriquecem a história e nos cativam. Além disso, como toda boa história, temos um mistério: Cassie e Harriet descobrem, por cartas antigas, um irmão falecido. Mas quem seria ele? E quem seria a mulher das cartas? Essa é uma das partes mais belas e emocionantes do livro, me fez chorar.

Contudo, o que mais me fez chorar foram as páginas finais. KAREN WHITE foi bastante malvada com seu final. Quando pensamos que tudo pode se ajeitar na vida de todos os personagens, vem WHITE e nos coloca diante uma enorme tragédia, daquelas que espremem nosso coração e nos fazem debulhar em lágrimas, mas que tornam a história ainda mais perfeita do que ela já havia sido até ali.


AMEI cada linha desse incrível livro, e obviamente foi para minha lista de favoritos. KAREN WHITE vai ser uma nova LUCINDA RILEY para mim. Uma autora para acompanhar seu trabalho e ficar ansiosa esperando que a editora lance mais e mais de seus livros. DE VOLTA PARA CASA é PERFEITO! Confiram.


Fernanda 11/11/2013

Resenha: De volta para casa
Resenha: “De volta para casa” de Karen White é um livro que envolve sentimentos complexos sobre família, memórias, amor, segredos, aceitação, perdão e ressentimentos afins. Por meio de uma narrativa dramática, os personagens são inseridos de modo autêntico e satisfatórios. É, na verdade, os tipos de pessoas que qualquer um teria vontade de conhecer e ter como amigos. Emociona por abordar aspectos sólidos diante de perspectivas diferentes e reflexivas (de acordo com Cassie, Harriet e Maddie, sobrinha de Cassie).

Cassie Madison nasceu e foi criada em Walton, Geórgia. Após um desentendimento – traição – ela decide ir embora para Nova York e nunca mais voltar. Durante um tempo, pensou estar confortavelmente feliz, num emprego adequado na área de publicidade, e vivendo com o noivo Andrew – que também é seu chefe –, ao qual pensa amar. Até que sua irmã mais nova, Harriet, liga informando que o pai teve um ataque cardíaco e está morrendo, por isso precisa muito delas por perto... Em casa.

Agora ela precisa retornar a cidade ao qual partiu quinze anos atrás, principalmente por desgosto e tristeza. Cassie nunca aceitou o fato de Harriet ter ficado junto com Joe, já que ela sempre nutriu um forte sentimento por ele (o caso é que eles fugiram juntos e isso envolve uma longa história de dor, humilhação e rancor). O fato é que mesmo que não admita, ela ainda tem os seus temores ao ver a irmã casada com ele, numa vida agradável e com vários filhos. O que, claro, é muito compreensível. Mesmo assim, ela ainda sabe que precisa mesmo voltar.

LEIA A RESENHA COMPLETA NO BLOG SEGREDOS EM LIVROS:

site: http://www.segredosemlivros.com/2013/11/resenha-de-volta-para-casa-karen-white.html


Ju 06/10/2013

De volta para casa
De Volta Para Casa é o segundo livro que leio de Karen White. E é a segunda vez que ela destroça o meu coração e pisoteia os pedacinhos.

Comecei a leitura com uma expectativa imensa, por ter amado Após a Tempestade. E, confesso, achei que ia me decepcionar. A visão que eu tive no início foi de que as pessoas estavam se intrometendo demais na vida da protagonista e interferindo em seu livre arbítrio. Isso não é algo que eu consiga aceitar.

Mas, na verdade, eu estava muito enganada. E acho que a autora teve essa intenção, uma vez que a Cassie se sentia mais ou menos assim no início da história. Aos 35 anos, com o pai bem doente, ela se vê obrigada a retornar à pequena cidade que abandonou há 15 anos atrás. Na época, sua irmã, Harriet, e seu noivo, Joe, fugiram juntos. Cassie não conseguiu continuar na cidade depois disso. Harriet e Joe construíram uma família, mas Cassie ainda tem dificuldade de aceitar que eles tenham sido feitos um para o outro.

"- Prometa-me que viverá sua vida sem arrependimentos. Encontre seu coração e o escute, e você não vai errar."

Ao chegar a Walton, na Geórgia, vinda de Nova York, Cassie não consegue se ver lá por muito tempo. Mas a cidade a surpreende. Todos os habitantes têm o costume de deixar as portas das casas e dos carros abertas. Existe uma rede de solidariedade (e de fofocas, claro... rs...) super eficiente, e as pessoas acabam por formar uma grande família. Cassie, além de ter a oportunidade de rever as pessoas que deixou para trás, também conhece os cinco filhos de sua irmã, e passa a questionar se tomou a atitude certa. Se realmente não pertence àquele lugar, como seu orgulho sempre a fez acreditar.

"- Esta cidade e a sua população são a minha vida, e são mais valiosos para mim do que qualquer dinheiro neste mundo. Tenho muita pena daqueles que a desdenham e não sentem necessidade de pertencer a ela."

A história é mais que emocionante. Chorei quase a ponto de soluçar descontroladamente em alguns trechos. O amor e o perdão têm destaque no livro, esses são temas que realmente me conquistam. As pessoas se entregam de verdade, sem medo de se expor e de ser julgadas.

"- Amar não é se sacrificar. É atender às necessidades do outro, é companheirismo.
(...)
- Acho que está enganada em relação a sacrifícios. Amor é só sacrifícios, grandes e pequenos. Só conhecemos o amor verdadeiro quando nos damos conta de que desistiríamos de tudo por alguém."

Ao mesmo tempo, dei gargalhadas em algumas partes, principalmente em cenas protagonizadas pelo Sam, o médico super gato, gentil, e apaixonado pela Cassie praticamente desde sempre! *-* Tá, ela tem um noivo em Nova York, mas ele é um idiota insensível, então não tem como torcer por ele... rs...

"- Nem todos os homens são iguais, Cassie. Alguns fazem questão de retirar toda essa parafernália externa para descobrir a verdadeira mulher que há por trás. É suado, mas vale o prêmio. Basta ser paciente."

Cassie passa por um longo processo de autoconhecimento. Tem a oportunidade de despertar de novo a garota que sempre esteve dentro dela, esperando o momento certo de aparecer. Deixa para trás a personagem que criou para si mesma, a publicitária elegante para quem a carreira é tudo o que importa. Harriet é uma personagem fantástica também, uma pessoa muito forte e dedicada. Não consigo nem imaginar vivenciar uma situação como a dessas duas. Só sei que eu ficaria sem o amor da minha vida se ele tivesse um relacionamento antes com a minha irmã. Isso nem se discute.

Algumas personagens secundárias me conquistaram. Como dona Lena, uma senhora que tem o hábito de ler romances eróticos e indicá-los para todos os moradores da cidade... rs... Constrangedor, mas hilário. Ela está doente, e às vezes não se lembra bem de quem é nem do que está fazendo, mas tem momentos de lucidez bem importantes para a história.

Enfim, depois que superei minha birra inicial com o livro, a leitura fluiu maravilhosamente bem. Espero que venham mais livros da Karen White por aí, porque acredito que nunca me cansarei deles.

site: http://entrepalcoselivros.blogspot.com.br/2013/10/resenha-novo-conceito-de-volta-para-casa.html


Bruna 23/07/2013

O livro conta a história de Cassie, que mudou para Nova York após a traição de sua irmã e nunca mais voltou para sua terra natal. Depois de 15 anos seu pai fica muito doente e ela é obrigada a voltar, e conviver com a irmã e sua família feliz.
Apesar de todo esse tempo ter se passado e Cassie já ter construído uma outra história, ela não consegue se esquecer do que aconteceu. O que com certeza aconteceria com qualquer um de nós em uma situação com esta.
A história retratada pela autora não mostra a irmã de Cassie, Harriet, e seu marido como vilões ou pessoas ruins, mas compreender a atitude deles não é fácil. “De volta para casa” é um livro que nos mostra o quão difícil é aceitar e perdoar, e que grandes mágoas não são simplesmente apagadas, requer tempo e amadurecimento para isso.
Cassie tentou ser outra pessoa, mas quando volta para sua terra percebe que lá ainda estão pessoas e lembranças que fazem parte de sua vida e que ela simplesmente não pode ignorar. A história mostra muito a respeito de autoconhecimento, uma tarefa difícil e que muitas vezes pode machucar.
A escrita de Karen White é muito leve, apesar de abordar esse tema bastante delicado. Além do drama que é o foco principal do livro também há partes divertidas e muito romance. Um livro recomendadíssimo.


site: http://bybrunakitty.blogspot.com.br
comentários(0)comente



PorEssasPáginas 29/12/2014

Amei, Amei, AMEI!!!!

Primeiro uma observação. Há uma nota da autora dizendo que o livro foi inicialmente publicado em 2002 e que quando os direitos autorais voltaram às mãos da autora em 2010 ela revisou o livro antes da nova publicação. O livro só foi novamente publicado devido a inúmeras cartas pedindo a volta do livro, porque ele estava fora de catálogo. Se a procura foi tão grande quer dizer que o livro já era bom. E com esta nova edição nós, leitores, saímos no lucro, porque agora ele é excelente!

É um livro simples, na verdade. Simples e complexo! Assim como a vida é!

É fácil se envolver com Cassie Madison. Imagine uma menina do interior apaixonada pelo namorado da escola e na noite do tão esperado baile ela descobre que o namorado fugiu para se casar com sua irmã mais nova.

A mãe morreu quando Cassie e Harriet eram pequenas e Cassie se tornou a irmã mais velha protetora. O que pra mim só aumentou a gravidade da traição.

Cassie foge e deixa tudo para trás e se reinventa em Nova York. Torna-se uma publicitária de sucesso e fica noiva de seu chefe, o dono da agência. Suas vidas giram em torno do trabalho e da correria de Nova York. Até Cassie ser chamada de volta à Walton, a cidadezinha de sua infância, para ver seu pai que está morrendo.

É aí que mergulhamos na vida de uma típica cidadezinha interiorana no sul dos EUA, com seus sotaques, hábitos de cidade pequena, um moooonte de comidas gostosas e muuuita fritura. hehe

Apesar de falar sobre morte e traição, o livro também fala de reflexão, decisões e esperança. Consegue ser sensível, sem ser piegas. É divertido, sem ser banal.

A sobrinha de Cassie, Maddie, tem um papel muito importante, porque é como um espelho para a tia. A semelhança tanto física quanto de personalidade é incrível, fazendo com que Cassie se veja na sobrinha, o que a ajuda a entender coisas sobre si mesma.

Adorei as descrições sobre a vida em Walton. Eu pude me sentir lá. E o legal também é que se você cresceu em uma cidade pequena (como eu, lá em Hortolândia) fica bem fácil entender algumas coisas, como por exemplo, nem precisar de um telefone pra espalhar uma notícia. É incrível como todo mundo sabe das coisas tão rápido! rsrs Mas também é incrível como as pessoas se preocupam umas com as outras e estão dispostas a ajudar. Mas acho que com os americanos, essa coisa de orgulho em ser de determinado lugar ainda é maior. As pessoas brigam por aquele lugar que amam com todas suas forças e é legal ver isso fazer parte do enredo.

Cassie enfrenta uma longa jornada para poder entender o que estava bem diante de seus olhos. Em alguns momentos você fica se perguntando qual será a decisão que ela vai tomar. Torci por Cassie, fiquei brava com ela, chorei com ela e muitas vezes ri com ela. E agora sinto saudades de Cassie. Já sentiram saudades de uma personagem? Isso faz com que eu me apaixone por um livro!

E claro, tem o Sam! O médico bonitão que usa botas de cowboy. Tão diferente do noivo mauricinho e workaholic em Nova York. Ainda bem!!! Não, não… sem spoilers!

O que posso dizer é que é um chick-lit da melhor qualidade! Uma excelente companhia!

site: http://poressaspaginas.com/resenha-de-volta-para-casa
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Su 18/05/2014

Que livro maravilhoso...
Confesso que quando li a sinopse dele pensei que seria um livro mais banal; mas é um livro extremamente forte, que nos tira do lugar comum, fazendo chorar, revoltar, sorrir, conformar!!
MARAVILHOSO!!!!
comentários(0)comente



06/11/2018

Chorei igual bebê!
Tá, choro por tudo, mas é uma história linda!
comentários(0)comente



Raiza 19/08/2013

Emocionante!
Cassie sempre foi loucamente apaixonada por sua irmã Harriet. Sempre foi o pilar e a força da irmã desde que a mãe morreu quando as meninas ainda eram crianças. As duas eram mais que irmãs, eram melhores amigas, companheiras e leais a esse sentimento tão puro, até Joe aparecer. Cassie logo se apaixonou pelo rapaz e eles firmaram um namoro, mas desse relacionamento nasceria a maior mágoa que uma mulher pode sofrer e o fim de uma ligação tão forte com a irmã...

Era o dia do baile de formatura, Cassie estava ansiosa vestida com seu lindo vestido roxo, esperando por Joe na varanda. Mas quem aparece é um amigo do namorado, Sam. Um garoto tímido com óculos fundo de garrafa, é ele o portador da má notícia, é ele quem entrega a Cassie o bilhete que irá mudar sua vida. Joe e Harriet fugiram para se casar, ela foi abandonada pelas duas pessoas mais importantes de sua vida. A dor do abandono, a vergonha e a humilhação são demais para se suportar, então Cassie foge!

15 (quinze) anos depois uma ligação trás todo o sofrimento a tona novamente na vida de Cassie. Seu pai esta morrendo e deseja vê-la pela última vez, ela terá que engolir seu orgulho e finalmente encarar de frente a situação que deixou para trás após sua fuga, Cassie terá que voltar para casa...

A grande verdade sobre "De volta para Casa" é que ele não é absolutamente nada do que eu esperava. Eu imaginava página e mais páginas de puro rancor feminino, mas o que eu encontrei foi um romance dramático sobre perdões, recomeços e descobertas interiores. O tipo de livro que te leva das lágrimas as risadas em poucos segundos. Que te preenche e conforta até depois de terminar a leitura, um livro completo. Digo completo porque dentro dessas 448 páginas você irá encontrar de tudo. ABSOLUTAMENTE tudo, não é uma história que se prende a amarras, pelo contrário, é uma história para surpreender e emocionar o leitor.

O começo é como imaginei que seria. Cassie volta para a Georgia renovada. Com roupas caras e bonitas, dirigindo o carro do noivo Andrew, que não pode acompanha-la devido ao trabalho (ele é um babaca, vou logo avisando), ou seja, ela volta linda e de parar o transito. Quem nunca imaginou ver um ex-namorado na rua e esnoba-lo? Acho que todas nós mulheres temos uma história desse tipo para contar. Fiquei imensamente feliz de ver Cassie dando a volta por cima. Por tudo que ela sofreu, acho que ela merecia ao menos isso. O maior problema é que em Nova York ela aprendeu a não ser mais ela, deixou todos os costumes do interior de lado e acabou ficando um tanto esnobe, no bom sentido, pois o coração puro continuou lá. Como nem tudo na vida acontece da foma que imaginamos Cassie tem uma surpresa. Após a morte do pai, ela é obrigada pelo próprio a permanecer na cidade já que herdou sozinha sua casa com todos seus pertences dentro. Não há possibilidades de ela voltar a sua rotina normal de mulher de negócios em Nova York ao lado de Andrew sem resolver o problema do que fazer com a casa, então ela resolve permanecer até que tudo esteja acertado. O que ela não imaginava é que talvez não sentisse mais vontade de ir embora.

Cassie deixou a mágoa e o rancor consumi-la durante 15 anos da sua vida. Nesses anos ela não trocou uma única palavra com a irmã, não conhece nenhum dos cinco sobrinhos (o mulherzinha que gosta de parir, viu!) e por mais que ela tente ser indiferente a Harriet esse tempo em casa a fará perceber que talvez velhas mágoas devam e precisam ser esquecidas para que se possa seguir em frente. Será esse um recomeço?

Simplesmente não tem como eu resumir esta história para vocês, acontece coisas demais para que eu dê conta de contar tudo sem soltar spoilers. Emfim, Cassie volta para casa e lá é obrigada a permanecer. Por mais que ela demore a admitir a verdade é que ela sentiu saudades dos "caipiras", da maneira de falar do seu povo, de tomar sorvete feito em casa e andar descalça. Outro fato que ela jamais imaginou foi que Sam entraria na sua vida para coloca-la de ponta cabeça e a fazer duvidar de si mesma, do que se tornou. Vocês lembram do Sam, lá do começo da resenha? O portador de má notícias, com óculos fundo de garrafa? pois é agora ele usa lentes de contato, se veste bem e virou médico. Não há uma garota na cidade que não vire o pescoço para olha-lo quando ele passa, mas seu coração já tem uma dona, ele pertence a ela há muitos anos...

O pai de Cassie morre logo no começo do livro. Assim que eu li essa cena (depois de enxugar as lágrimas) pensei: "Puts e agora?" Pra mim, o livro se basearia nessa doença dele, pensei que fosse isso que faria as irmãs se aproximarem, mas não é. Esse não é o único problema central, existem outros MUITOS problemas centrais. Quando eu continuei a ler e comecei a perceber o que ia acontecer meu coração já foi se entristecendo e eu comecei a torcer para estar errada, mas eu não estava. O que eu posso te garantir é que você vai rir muito com as peripécias e o sarcasmo de Cassie, assim como suas brigas com Sam, com esses dois você também irá viver uma história muito bonita de amor. Você verá pessoas se perdoando e chorando juntas, você verá muitas cenas tristes e outras reconfortantes, você se sentira vivo. Claro depois de chorar horrores. rs.

Todos os personagens são ótimos, e olha que nesse livro temos um grande leque. A autora fez questão de encher o livro de personagens com maravilhosas personalidades e cada um dá um toque novo e positivo para a história. Adorei os cinco filhos de Harriet e Joe. Uma mais fofo e encrenqueiro que o outro, mas a minha preferida é a mais velha, Meddie, até porque essa é a cópia escrita de Cassie. Harriet me emocionou muito, eu comecei a ler o livro morrendo de raiva dela e de Joe e de suas atitudes, mais aos poucos você acaba se dando conta de que eles apenas contaram a Cassie a notícia da forma errada, mas o que ela e Joe sentem iria acontecer de qualquer jeito, com o amor verdadeiro é assim, não importa o que você faça ele te segue e te acha. Depois de "conviver" com o casal e se dar conta do amor e do arrependimento que Harriet sente em relação a Cassie você acaba perdoando a personagem e torcendo para que elas se acertem. Cassie é minha preferida. Amei cada pedacinho da sua personalidade. Dei muitas risadas e me emocionei muito com ela, cheguei até a me ver em algumas de suas atitudes e por ultimo nosso mocinho, Sam. Babaca, idiota e incrivelmente fofo. Ele é perfeito para Cassie.

Muitas outras coisas acontecem no livro, mas vou parar por aqui, o final é lindo e emocionante, um ótimo desfecho para um ótimo livro. Recomendo!

site: nasproximaspaginas.blogspot.com
comentários(0)comente



Saleitura 04/04/2014

Até onde é possível apagar as lembranças?
Aos vinte anos, após sofrer uma grande desilusão, Cassie vai embora de sua cidade. A traição de seu namorado e sua irmã, fugindo para se casarem, foi demais para ela. Vai para New York e constrói uma nova vida. Atualmente é uma grande publicitária, trabalha e mora com seu noivo, Andrew, que também é seu patrão, deixou de ser a menina interiorana que ela tanto detestava.. Durante 15 anos só manteve contato com o pai, com quem se encontrava uma vez por ano numa cidade neutra.
Numa noite Cassie recebe um telefonema, era sua irmã Harriet, com quem não falava a 15 anos. Harriet conta que o pai está muito mal de saúde e quer vê-la.Tudo que Cassie não queria, voltar a Walton, rever pessoas e reviver o que passara. O que ela não esperava é que seu pai ao morrer a surpreenderia em seu testamento numa tentativa que ela voltasse para casa, e isso fez com que Cassie ficasse em Walton muito mais do que desejava, mas não fazendo o que seu pai gostaria.
"Harriet abraçou a irmã, mas Cassie ficou imóvel. O fantasma do perdão já não existia há muito tempo.Harriet recuou, enquanto seu sorriso enfraquecia um pouco." - pág 29
Ao voltar Cassie conhece seus cinco sobrinhos e pode ver de perto como é a vida de Harriet e Joe. A convivência é boa, mas a mágoa que existe está sempre presente e não permite que tudo seja vivido naturalmente. Ela também reencontra Sam com quem estudara e que desde aquela época era apaixonado por ela, e que após se formar em medicina voltou para trabalhar em Walton. É com ele que ela mais bate de frente, pois ele não a poupa de comentários que a irritam, mas que a leva a pensar.
" - Talvez haja somente um amor para cada um na vida. E, quando se perde esse amor, acabou. Não há outra chance. É possível esperar a pessoa estar livre de novo e ter esperanças de que ela retribua o amor. Mas isso é apenas uma possibilidade." - pág 153
Quando achamos previsível o que viria, Cassie encontra nas coisas do pai uma série de cartas que mostra que ele havia tido um outro amor antes de sua mãe e que ela poderia ter um irmão. Agora, entre a arrumação e venda da casa, ela busca descobrir essa verdade.
"Algumas vezes precisamos tocar fundo no coração e decidir que caminho queremos seguir. E todas as escolhas envolvem alguns sacrifícios." - pág. 392
De volta prá casa é uma história de leitura fácil e leve, que hora te faz rir e hora te emociona. Você vai encontrar drama, romance, mistério e um final surpreendente. Gostei muito de poder observar como é difícil o perdão, se livrar do orgulho, desconstruir o que se achava ser o melhor para viver o que você realmente é.

A capa é linda, combinando com a história. O meu único porém é que ao invés de 447 páginas, poderia ter umas 350 e ficaria perfeito.

Resenhado por Luci Cardinelli
http://www.skoob.com.br/usuario/377269-luci-cardinelli


site: http://saletadeleitura.blogspot.com.br/2014/04/resenha-do-livro-de-volta-para-casa-de.html


Paula 06/06/2014

Aiii
Lindooo, adorei o casal Cassie Madisson e Sam Parker. Ri e chorei muito, recomendo a leitura!
comentários(0)comente



Carol FS 05/09/2015

Lindo.
Depois de ler uma série de New Adult, resolvi respirar e sair um pouco desse mundo. Olhando a minha meta de leitura para esse ano, encontrei o livro da Karen White no meio, e resolvi então que era a hora de finalmente iniciar a leitura. Me arrependo de não ter lido antes. O livro nos traz a história de Cassie, que fugiu da sua cidadezinha no interior, quando descobriu que foi traída por seu namorado e sua irmã. Após alguns anos, o pai delas adoece, e Cassie precisa voltar para a sua cidade e enfrentar tudo que ela deixou para trás quando mudou-se para NY. E quando isso acontece, meus queridos, o baú de mágoas, ressentimentos e medos é aberto, e então é dada a largada para uma história linda e comovente.

"Chorar não é humilhante, só permite que os outros saibam que você é humana."

Preciso começar dizendo, que essa é uma resenha difícil de escrever, porque o livro me trouxe tantas emoções, que traduzi - las em palavras, me parece pouco. Mas ainda assim, vou tentar.
Com a vida "perfeita", Cassie vive em NY com seu noivo e uma vida profissional bastante agitada. Ela não tem contato com o seu passado, além do fato de encontra-se de 15 em 15 dias com o seu pai. Quando ela precisa voltar para a sua cidade, e enfrentar os seus medos, tudo parece simples: ficar até seu pai melhorar e voltar para a sua vida, certo? Claro que não, errado. Logo no começo do livro, quando ela chega na cidade e encontra uma pessoa do seu passado, nos é revelado a forma como as coisas aconteceram, e o motivo dela ter fugido. E a primeira emoção é : raiva. Raiva porque você não entende, como uma irmã pode trair a outra assim, tão descaradamente. E então, vemos uma Cassie ressentida, e magoada e uma Harriet ( irmã de Cassie) desesperada pelo perdão.

"Uma vez eu fugi, quando tinha 13 anos. Fui só até o pequeno conjunto de árvores que costumava ficar ali. Estava atrás de um arco-íris, mas ele desapareceu do céu enquanto eu atravessava o gramado. Sentei-me numa pedra e fiquei esperando até meu pai vir me buscar. — Ela fez uma pausa para limpar o nariz, então amarrotou o lenço na mão. —Ele disse que tudo bem eu estar perseguindo o final do arco-íris desde que nunca me esquecesse onde ele começava."

A medida que o livro vai desenrolando, conhecemos os personagens secundários, como por exemplo os sobrinhos fofos da Cassie, e como ela vive em constante conflito, porque eles são filhos da "traição". O Sam, que não tem como negar que é apaixonado por ela desde sempre, e o cara com quem ela vive em constante embate. O noivo, que me deixou bastante confusa desde o começo e claro, sua irmã e o marido. A medida que vamos entendendo a história e todos os seus lados, o sentimento de raiva é deixado de lado, e vem a dúvida.

"— Talvez haja somente um amor para cada um na vida. E, quando se perde esse amor, acabou. Não há outra chance. É possível esperar a pessoa estar livre de novo e ter esperanças de que ela retribua o amor. Mas isso é apenas uma possibilidade."

Então tem o mistério, os segredos, as mentiras, a raiva, as dúvidas e culpas e tem o perdão. O perdão vem, depois do entendimento, e até mesmo você que está lendo, perdoa. Perdoa porque entende, que quando se trata de amor, seja ele qual for, não existem leis ou regras. Devo confessar, que demorei para simpatizar com a Harriet, e entender o lado dela. Fiquei chateada também com a falta de participação do Joe, o ex amor da Cassie, afinal ele também a traiu, certo? Mas então eu entendi que não se trata de uma história de amor mal resolvida entre homem e mulher, trata - se de uma história de amor entre duas irmãs, e como o tempo ao invés de curar feridas, aprisionou e quando teve a oportunidade, deixou a ferida exposta, até sarar. E sarou.

"Agarrar-se ao passado não é algo muito saudável. — Desviou os olhos por um momento. — É como se agarrar a antigas feridas: dificulta o amadurecimento."

A escrita da autora é maravilhosa, é tão envolvente que você sente junto com a personagem. A autora pegou um belo enrendo, e transformou em uma história de amor, linda e comovente. Se eu indico? Com toda certeza do mundo. Aproveitem a leitura!

Beijos.

site: https://meapaixoneiporumlivro.wordpress.com/
comentários(0)comente



Susie 26/03/2016

Cassie, você sou eu?
Cassie foi um tapa na minha cara.
Como me identifiquei com ela, talvez por ter vivido uma história semelhante.
Fugir dos problemas, ignorar tudo e a todos que a fizeram sofrer, se afundar no trabalho, viver um relacionamento apático.
Ah Cassie... Volta para casa é um peso muito grande. Ainda mais para a "gente" que foge das situações.
Chorei muito com algumas passagens, fiquei com raiva de Cassie em alguns momentos, principalmente com Sam (cadê meu Sam Brasil?? Rsrs), mas a compreendi.
à um livro que veio em minhas mãos em boa hora, me fez repensar na minha própria vida e principalmente como a vida é implacável com a lei do retorno e como a gente precisa retornar para enfrentar certos demônios.
O final esperava mais... Não que seja ruim, mas acho que valeria ter mais um capítulo de romance...
Deixo-o então para imaginar quando o meu Sam aparecer... ðâ¤ï¸
comentários(0)comente



Potterish 21/11/2013

Voltando para casa.
De volta para casa, de Karen White.

No meio da noite, Cassie recebe um telefonema e sabe que só pode ser notícia ruim. Sua irmã Harriet está lhe telefonando pra dizer que seu pai teve um ataque cardíaco e está morrendo. Ele quer as duas filhas com ele nesse momento, então Cassie se prepara para voltar a sua cidade natal. Logo chegando, ela dá de cara com uma das pessoas que não gostaria de voltar a ver de novo: Sam Parker. Foi ele quem entregou para ela um bilhete que confirmava a fuga de sua irmã com Joe quando eles estavam na faculdade, enquanto ela o esperava para o baile de outono, usando o anel de compromisso que Joe havia lhe dado. Seu carro acaba apresentado problemas, então Sam oferece uma carona. Ao chegar na casa de seu pai, o encontro com Harriet é no mínimo estranho, as perguntas são normais mas sem aquele toque de curiosidade e calor que deveria existir entre irmãs que não se vêem há mais de 15 anos. O que Cassie não sabe é da culpa que assola Harriet toda vez que ela ver a irmã, pois se sente responsável por ter afastado o pai da filha favorita. Seu pai tinha dois grandes desejos: um, era que as irmãs se acertassem novamente; outro, era que Cassie voltasse para Walton. Então, ele faz a única coisa que achava que possibilitaria isso: deixou de herança para ela sua casa e todos os seus pertences. Mas Cassie tem um noivo, que ficou em Nova York. Agora, ela precisa decidir se continua com sua vida antiga, ou se fica em Walton, além de precisar lidar com sentimentos guardados há muito tempo…

De novo, mais um livro que eu não estava preparada para que fosse gostar de ler. Eu não fazia idéia de que a história me prenderia, mas quando percebi, estava lendo avidamente pra descobrir mais sobre a história de Harriet, Sam e Cassie. Confesso que não sou chegada nesse tipo de leitura, com muito drama, mas esse livro foi agradável, apesar de triste (meu estômago embrulhava com cada parte triste, porque me lembraram situações de família). Nenhuma surpresa no final, a história terminou como eu esperava. Com as pitadas certas de drama e romance, apreciei bastante a leitura. Super indico.

Resenhado por Natallie Alcantara.

Editora Novo Conceito, 448 páginas, publicado em 2013.
*Título original: Falling home.

site: http://clubedolivro.potterish.com/2013/11/resenha-voltando-para-casa/
comentários(0)comente



KeylaPontes 14/06/2016

Cassandra, ao ter a notícia que o namorado e a irmã fugiram para casar bem no dia do seu baile de formatura. Ela resolve então ir embora da cidade e esquecer toda a tristeza e decepção da traição.

15 anos se passam, Cassie é noiva e bem sucedida em NY e tudo ia bem. Até que uma noite ela recebe um telefonema da irmã avisando que o pai está à beira da morte e que ele deseja a sua presença. A partir daí que Cassie se vê obrigada a lidar com questões do passado que demorou tanto tempo para "esquecer".

O perdão, por ser um tema pouco abordado nos livros atuais, é sempre um plot interessante de se ler. Porém, confesso que eu não gostei da forma como ele foi abordado no início do livro, em que colocavam para Cassie o perdão da irmã que fugiu com o amor da sua adolescência (e agora é casada com ele e com cinco filhos). Eu sentia que sempre parceria que o fato de Cassie guardar um rancor do fato da irmã nem ao menos ter pedido desculpas era colocado como uma atitude mimada. Que aí porque ela não esqueceu e deixou pra lá.

Claro que, eu não estou falando que ela está certa ou errada de se sentir assim, porém o fato dos outros personagens do livro não respeitarem a sua dor (principalmente por ser uma irmã) e de colocarem isso como um sentimento egoísta me incomodou bastante. Afinal não podemos mensurar a dor do outro de acordo com o que "achamos" ser um motivo para o sofrimento. Então achei que a autora poderia ter desenvolvido isso melhor na história.

Por outro lado, eu gostei bastante da carga emocional que a autora colocou na trama, assim como a reconstrução do laço entre as irmãs. Apesar de continuar achando que um ponto ou outro ainda foi forçado (aquelas difíceis haha).

Este é o meu primeiro contato com a autora e eu adorei a escrita. Super fluida (você nem sente as páginas passarem) e eu achei fofa a forma como ela construiu o clima de cidade pequena. Bem coisa de filme. Na verdade, o livro todo é bem filme da sessão da tarde. Aqueles que se passam no interior, que falam sobre problemas familiares e que a mocinha da cidade grande que volta pra cidade natal e acaba encontrando um antigo novo amor (uma coisa meio Hart of Dixie! Quem não viu a série VEJA!). Clichê eu sei, porém não um clichê ruim. Aquele que você meio que sabe tudo o que cai acontecer, mas isso não importa tanto assim. O livro tem um estilo bem Nicholas Sparks então os fãs do autor devem gostar desse aqui.

Por fim, recomendo o livro para aqueles momentos que você quer ler um livro draminha, com clichêzinho é uma dose de açúcar.

Resenha em:

site: http://keylinhastureads.blogspot.com.br/2016/06/resenha-de-volta-para-casa-karen-white.html
comentários(0)comente



104 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7