A Garota do Penhasco

A Garota do Penhasco Lucinda Riley




Resenhas - A Garota do Penhasco


108 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Fernanda 04/11/2013

Resenha: A Garota do Penhasco
Resenha: “A garota do penhasco” de Lucinda Riley, tem como tema principal o amor em todas as suas peculiaridades e gestos mais simples. Tanto referente ao passado e presente, é imprescindível citar que a autora revelou um ótimo trabalho diante de personagens extremamente complexos e uma trama revigorante que se estende no tempo sobre ligações muito importantes.

Grania Ryan estava satisfeita com sua vida, até que surgiu a vontade incessante de ter um filho. Ela compartilhou a novidade com Matt, que prontamente se mostrou muito dedicado e aberto a novas perspectivas. Sua vida era bem normal e como qualquer família comum, apresentava suas desavenças e outras complicações. Porém o que viria a incrementar a relação dos dois acabou tendo reviravoltas surpreendentes. Grania teve um aborto, e inconformada com tal situação partiu em direção a casa de sua mãe na Irlanda. Tudo aconteceu muito rápido e nesse momento não há nada que explique tal atitude e nem que descreva o sofrimento de ambas as partes. Grania estava assim por causa da perda e Matt se mostrou inconformado sem ter nenhuma explicação de o porquê foi abandonado num momento tão difícil – mesmo porque ele também sentia muito pelo ocorrido.

LEIA A RESENHA COMPLETA NO BLOG:

site: https://twitter.com/segredoemlivros/status/397022401562959872
Denise 19/03/2015minha estante
São raros os livros que me tocam tanto! Impossível ler sem derramar pelo menos uma lagriminha solitária... Estou muito curiosa para ler os outros da autora! Li em dois dias, só porque tive que trabalhar também. Mas, se pudesse, teria lido em um dia, tamanha a curiosidade que o enredo desperta!




Mari Siqueira 30/07/2013

Comovente e muito bem escrito!
A Garota do Penhasco foi mais uma ótima leitura desse ano, Lucinda Riley sabe mesmo como preencher suas mais de 500 páginas com uma interessante, comovente e bela história. A trama envolve muitos personagens em diferentes épocas, é preciso ficar atento para não se perder no passado e no presente, mas tudo é muito bem explicado e detalhado e conhecemos personagens incríveis como Mary, Sean, Anna, Jeremy, Nancy, Alexander, Lily, Joe, entre muitos outros, cada um escrevendo sua história em seu próprio tempo, mas não vou falar dos personagens do passado nessa resenha, pois a graça de tudo é conhecê-los um a um, entender o que e por que cometeram tantos erros, deixando que você, leitor(a), forme uma opinião sobre eles.

De volta ao presente, Grania Ryan é uma personagem no mínimo chata (como é de costume, eu tenho que encontrar alguém para não gostar nos livros), ela é uma escultora e vive em Nova York, mas voltou à Irlanda buscando o consolo da família para se recuperar de uma grande perda. Tentando clarear as ideias ela decide fazer um passeio que mudará toda sua vida, à beira do penhasco, ela encontra uma garota, com uma aparência incomum, branca como a neve, de cabelos ruivos, a menina mais parece um fantasma, ela olha para o penhasco como se estivesse hipnotizada.

Grania então passa a se preocupar com a menina e vê sua vida mudar de uma hora para outra quando descobre quem ela é e a história por trás do ódio que envolve a família da menina. Mágoas do passado, rancor e ressentimento se escondem em histórias que só Kathleen, a mãe de Grania conhece ao certo. É uma jornada longa e cheia de pequenos detalhes aos quais devemos ficar atentos para não perder o fio da meada, mas foi um tecido bem feito, Lucinda não nos deixou uma ponta solta, ela conseguiu ao fim unir tudo e tecer uma maravilhosa história.

Não posso esquecer de falar, é claro, da fofa e encantadora Aurora, que é a garota do penhasco, uma menina que perdeu a mãe e vive solitária, vagando pelo local de onde a mãe se suicidou. Apesar de parecer deprimente (e em alguns momentos é), mas depois de começar sua amizade com Grania tudo começa a mudar e vemos que a menina tem dentro de si um espírito alegre e é capaz de encantar todos com sua meiguice, esperteza e beleza. Além é claro de sua graça ao dançar balé.

Alguns pontos negativos foram o óbvio erro na sinopse, na frase: "O caso de amor entre Grania Ryan e Lawrence Lisle comove por sua delicadeza e força vertiginosa que culmina em imensa tristeza." Isso está em total desacordo com o livro. Especialmente porque além de não existir esse tal 'caso de amor que culmina em tristeza', quando Grania nasceu, Lawrence já havia morrido há mais de 50 anos, então só posso compreender que seja um caso de desatenção ou erro na tradução, pois a frase teria sentido se fosse 'laço ao invés de caso', mas enfim, por favor NC, erros na sinopse são complicados, né? (Obrigada a Sammy Rosa que notou esse erro). E também me irritou um pouco Grania ser tão bobinha, largar sua vida, seu noivo e fugir para o colo da mãe, sem explicar o motivo certo para ninguém. Achei meio forçado, talvez se a autora tivesse trabalhado mais no motivo pelo qual Grania fugiu, o final seria ainda melhor, se é que é possível melhorar.

Erro nenhum faria eu dar menos de 5 estrelinhas para A Garota do Penhasco, é um livro excelente e todos devem ler! Vocês vão se encantar com a jornada dessas famílias que estarão sempre unidas por laços de ódio, rancor, tristeza, amizade, mas acima de tudo, amor.

"- Mãe eu estou ajudando a divertir uma garotinha solitária, não estou me mudando para lá! Qual é o problema?
- Já lhe disse antes e vou dizer de novo: aquela família é um problema para esta. E eu diria que você já tem problemas suficientes na sua vida sem precisar acrescentar os deles.
- Ora, tenha dó, mãe! Aurora é uma criança sem mãe que acabou de se mudar de volta para cá e não conhece ninguém. Ela está sozinha! - disse Grania em exasperação. - Até mais tarde.
Grania saiu batendo a porta atrás de si e Kathleen suspirou.
- Sim - sussurrou para si mesma -, e você é uma mãe sem filha."

site: http://loveloversblog.blogspot.com
comentários(0)comente



Andresa Lopes 01/08/2013

Incrivelmente Arrebatador
Estou completamente estupefata, sim é esta a palavra que me define, ao terminar de ler as 528 páginas brilhantemente escritas por Lucinda Riley, eu fico impressionada com toda a riqueza de detalhes que a autora descreve cada um de seus personagens, lugares que fica impossível não imaginar e entrar na história.
Quanto aos personagens Aurora Devonshire, encanta desde o primeiro momento em que é citada, e que exemplo, é impossível não se apaixonar e se emocionar com toda sua doçura, sabedoria e magia, ela com certeza vai ser daqueles personagens que a gente guarda na memória e que em diversas situações da vida iremos nos lembrar, aliás neste livro Lucinda Riley reuniu várias personagens heroicas, como Grania Ryan, que conseguiu ser brilhante em meio a sua teimosia, Kathleen Ryan, uma mulher simples que viveu uma vida inteira em sua casa na fazenda, e mesmo sem um conhecimento cultural, ela nos encanta e se revela uma mulher muito sábia, pois dentro de sua simplicidade ela tinha o conhecimento da vida, na sua forma mais original, vale lembrar de Anna que tem um lado excêntrico e egoísta, mas é fundamental no desenrolar da história, e a grande Mary a mulher forte e determinada e é quem da início a toda história, o que eu pude ver nela é que não devemos julgar alguém pelas aparências, seguindo esse princípio ela pode viver um grande amor, entre outras heroínas também temos grandes homens como o Sr Ryan que mostra-se um esposo tão amável, e companheiro de sua esposa Kathleen, o Sr Landgon, que me emocionou várias vezes assim como Alexander Devonshire, e o querido Matt.
Enfim, poderia ficar aqui escrevendo muito sobre cada um deles, e suas características incríveis, mas creio que o melhor é ler esta obra que é um verdadeiro primor, vou dizer mais uma vez, são 528 páginas, que valem a cada letra e vírgula que a gente lê, eu definiria esta obra com uma única palavra (olha que foi difícil encontrar uma só) “ARREBATADORA”
Vou presentear minha amiga querida Luciana Scandolara, com essa obra prima “A Garota do Penhasco”
Abraço,
Andresa Lopes


site: http://youtu.be/kYzPNLeTRt0
Rafa P. 11/08/2013minha estante
Amanda , fiquei super curiosa sobre esse livro, parece que é bem o estilo de história que me agrada. Mais um para a lista de leitura, que a cada dia se torna maior, rsrsrs
Adorei sua resenha.
Bjsss


Rafa P. 11/08/2013minha estante
Amanda , fiquei super curiosa sobre esse livro, parece que é bem o estilo de história que me agrada. Mais um para a lista de leitura, que a cada dia se torna maior, rsrsrs
Adorei sua resenha.
Bjsss


Gi (linda) 28/10/2013minha estante
fiquei curiosíssima... ganhei hoje na cortesia do skoob... acabei de receber o livro!!! que espero gostar!!! :)


Andresa Lopes 29/10/2013minha estante
Gi e Rafa, tenho certeza que vcs irão adorar!!!! Abraços e boa leitura




spoiler visualizar
Alana 20/05/2015minha estante
Adorei seus comentários, principalmente sobre a autora ser machista. Tive essa mesma impressão durante minha leitura, e fiquei imaginando se seria implicância minha, mas as várias passagens sexistas da história não deixam mentir...
Mas no final da leitura também perdoei esses erros, por se tratar da encantadora Aurora, que foi a minha personagem favorita do livro


Juliana 14/09/2015minha estante
Gostei da sua crítica. De fato Grania é uma personagem além de teimosa e orgulhosa, muito mimada e egoísta. Não se justifica - de nenhum ângulo - a tortura psicológica que ela impôs ao Matt. Mesmo ele sendo tão cachorrinho e não tendo um pingo de amor próprio. Ficou bem forçado essa parte. Tbém achei que a Lucinda mantém alguns esteriótipos românticos demais idealizando que a mulher só é feliz ao lado de um homem, etc, mas no finzinho do livro ela fala com uma perspectiva do futuro, lembra? "Sei que hoje em dia muitas mulheres não precisam de homens em sua vida...", mas coloca a opinião dela que acha o amor romântico fundamental, enfim! Parece que ela respeita a diversidade, mas se guarda ao direito de gostar dos papéis tradicionais. Ela foi tão honesta na descrição dos defeitos dos personagens que a perdoo por isso! rs
E os personagens do passado são bem mais cativantes mesmo. Jeremy e Mary




ValGouveia 13/10/2014

Um livro inesquecível
Antes de iniciar a resenha, gostaria de dizer que a sinopse contém um erro quando fala sobre o caso de amor entre Grania e Lawrence. Porque quando Grania nasceu, Lawrence já era falecido há muito tempo.

Grania é uma escultora que retorna para a casa dos pais na Irlanda após perder o bebê e abandonar o noivo em Nova York.
Aurora é uma garotinha de 8 anos, que perdeu a mãe e vive com o pai na casa do penhasco, vizinha da casa dos pais de Grania.

O que as duas não sabem é que a história das duas se entrelaçam desde o passado, através de suas famílias, hoje em dia consideradas "rivais" pela mãe de Grania. E assim começa uma história de amizade e amor entre essas duas personagens tão lindamente criadas por Lucinda Riley.

O livro narra passado e presente. Aurora, a garota do penhasco, conta a história das duas famílias, a forma como se conheceram, como se unirem, os sofrimentos e amores que viveram. E UAU! Como o livro é lindo.

Comecei a ler indo pra praia. Numa viagem de 4 horas li praticamente 60% do livro, porque não conseguia parar. Lucinda escreve de forma tão intensa, que a gente se sente parte da história. Sofre com os personagens, ama, se emociona, suspira e no meu caso, se pergunta "porque não li este livro antes?!

O livro fala de amor. Amor entre mãe e filha, amor entre irmãos, amor fraterno, amor incondicional. Fala sobre perdas, sobre decepções, sofrimento. O que faz parecer que os personagens são reais, faz parecer que toda a história é verdadeira.

E aí entra a parte curiosa: será que parte da história não é mesmo real?

Estive na bienal, peguei autógrafo da Lucinda justamente neste livro e ela me disse, quando autografava que a história de Aurora havia sido inspirada nela mesma.


E foi justamente por conta disso que Lucinda me disse, que resolvi pegar o livro pra ler. Sabia que seria um livro comovente. Quem teve o prazer de conhecer a autora na Bienal ou nas sessões de autógrafos que ela fez aqui no Brasil, sabe a que me refiro. A autora é doce, meiga. Não sei nem como explicar em palavras, mas senti paz nos poucos minutos que estive ao lado dela. Lucinda é uma pessoa iluminada. Tenho absoluta certeza de que tem uma história de vida tão linda e emocionante quanto dos personagens criados por ela.

Seus livros comovem os leitores. E esse em especial, me cativou. Fará parte dos livros que jamais serão esquecidos, pela beleza dos personagens, pela mensagem que a autora nos deixa, de não há dor que perdure para sempre. Que é possível sim ser feliz após ter passado por tanto sofrimento.

Se você gosta de drama, romance, gosta de se emocionar, não pode deixar de ler o livro.




site: http://valgouveia.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Tali @letrasmaislivros 03/07/2014

Um dos melhores livros que já li
Antes de começar a resenhar este livro maravilhoso, gostaria de ressaltar que houve um pequeno erro na sinopse: Grania e Lawrence não possuem um romance, pois pertencem á diferentes gerações. Acredito que tenha sido um erro da gráfica, ao qual confundiu o nome de um dos personagens.
O livro começa nos apresentando a protagonista Grania Ryan em um momento de profundas mudanças. Ela esconde um segredo, um segredo que a levou á atravessar o Atlântico e voltar a morar com os pais na Irlanda temporariamente. Sua mãe, Kathleen Ryan, a instiga a revelar o que realmente aconteceu, porém Grania está relutante em revelar algo que a feriu em Nova York. Seu namorado,Matt , constantemente procura contactá-la, porém Grania ignora os emails e telefonemas do rapaz, que não possui a menor ideia do motivo de Grania o evitar.
Em uma tarde, caminhando pelas redondezas da cidade, Grania vê uma garota no penhasco. A garota lhe parece tão solitária e madura... Grania procura saber com sua mãe quem é a garotinha misteriosa. Sua mãe lhe revela que se trata de uma garota Lisle, que perdeu a mãe quando possuía apenas quatro anos e recomenda que mantenha distância deles. Grania não compreende o rancor que sua mãe nutre pela família da garota e ignorando os avisos da mãe acaba se aproximando da menina.
Cada vez mais ela se aproxima de Aurora Devonshire e vice-versa. Grania então conhece o pai da menina, Alexander Devonshire, e se sente cada vez mais afeiçoada à aquelas duas pessoas.
Com a inevitável proximidade da filha com os Lisle, Kathleen se sente obrigada a revelar os segredos que mantém as famílias separadas. Então, o leitor embarca em uma viagem até o passado destas famílias que se uniram: Mary, bisavó de Grania, e o bebê ao qual ela teve a missão de cuidar, a futura bailarina Anna Langdon. Passando pelos EUA, Irlanda e Russia, pelas guerras e aos palcos, o livro é recheado de detalhes históricos, e de como esses fatores afetaram a vida de seus personagens.

Esse livro foi a melhor leitura do ano! Foi o meu primeiro livro da escritora Lucinda Riley, e descobri que ela possui uma escrita quase poética; carregada de sentimentos. O livro é melancólico, devo avisar, porém ele traz uma bela mensagem em suas mais de 500 páginas, algo que fica claro ao leitor, resumida nesta frase do livro, na página 206: "E se havia uma coisa que havia aprendido com Sean, e de suas esperanças e sonhos com ele, era que tudo o que podia fazer era aproveitar o dia."
O livro trata de temas como família, traição, perdão, amor, mudanças, escolhas, superação... Recomendo a quem aprecie um belo romance histórico e esteja á procura de uma leitura que lhe faça refletir sobre o modo como "tratamos a vida".

site: http://letrasmaislivros.blogspot.com.br/
Silvia 25/07/2014minha estante
Gosto muito do estilo da Lucinda Riley




Hester 21/01/2015

Nao gostei muito do livro, fiquei um tanto decepcionada. Acho que, novamente, após ler as resenhas aqui, fui com muita sede ao pote. Nao que o livro seja de todo ruim, mas esperava mais. Achei que a estória fica muito encaixadinha, tudo se resolve da melhor forma, como os livrinhos que lemos sem compromisso, tudo termina bem em alguns pontos e nem tudo é assim. Gostei da primeira parte do livro, quando vemos a história de Mary e Anna, a luta de Mary para fazer o melhor pela Anna que ela tanto amava. Depois a história dela com o marido. Esta parte eu amei.. Mary é uma pessoa adorável, forte, de uma bondade e amor sem limites. Depois fiquei louca para saber o porque da crise da Grania, o por quê da fuga... Ai fiquei chateada porque ela é muito teimosa, mas felizmente ela abre o olho a tempo. Um personagem que também me tocou foi o Alexandre... penso no desespero dele diante da situacao. Enfim, acho que nao havia necessidade de tantas páginas.
comentários(0)comente



Diae 29/07/2013

A dor que Grania Ryan sente em seu coração, não pode ser apagada rapidamente. A perda de seu precioso bebê deixou Grania muito frágil. Seu marido Matt, não consegue entender até que ponto essa dolorosa perda afetou sua relação, afinal, Grania simplesmente foi embora, sem ao mesmo lhe dizer nada, como se algo mais estivesse a magoado além da perda de seu filho. No entanto, para ela esta clara como a água, jamais poderá perdoar Matt e para tentar acalmar seu coração, Grania volta para Irlanda, para os braços de sua adorável família.

Durante sua estadia, Grania se depara com uma visão assustadora: Uma linda menina de cabelos ruivos encaracolados, apenas portando um vestidinho rosa, se encontra parada olhando para o nada no penhasco perto da cada de seus pais. Com medo pelo que podia acontecer a garotinha, Grania vai ao seu encontro e a partir de então, suas vidas passam por uma mudança sem igual. Passado e presente decidem que era hora de se encontrarem novamente e por um fim nas mágoas. Grania descobrirá que não foi coincidência encontrar aquela menina, que agora faz parte de sua vida de uma maneira única.

Grania Ryan e Aurora Devonshire, unidas por um laço muito antigo, cercado de segredos e lágrimas.

***

Lucinda Riley possui um talento fenomenal, isso é fato! Sua escrita sensível, romântica e poética, continua ainda mais marcante em A Garota do Penhasco, que traz consigo grandes sentimentos e uma magia sem igual. A autora consegue transportar seu leitor para dentro de seu livro, fazendo com que facilmente venhamos a visualizar sua história, no entanto, é muito mais que uma simples visualização. Lucinda consegue nos tocar tão profundamente com seu enredo.

Lucinda é uma autora maravilhosa, seus livros conseguem facilmente cativar e comover seu leitor, seus personagens encantam como se possuíssem vida própria e passamos a compartilhar de suas dores, segredos e amores. Por mais que a autora tenha usado e abusado da mesma fórmula neste livro, a mesma empregada em A Casa das Orquídeas, mesclando passado e presente, usando segredos obscuros ligados a duas famílias distintas e consequentemente fazendo com que algo surja para poder finalmente quebrar o ciclo de mágoas, A Garota do Penhasco encanta por sua suavidade e emoção. Realmente, a autora volta a surpreender com este livro, ficando impossível se desligar da leitura antes de seu final.

Simplesmente mais um trabalho fantástico de uma autora incrível, que me cativa com seus livros. Ler A Casa das Orquídeas e agora A Garota do Penhasco fica evidente para mim, que Lucinda é um daqueles escritores, que sempre irá povoar nossas lembranças, jamais seus livros serão esquecidos! É tocante a beleza encontrada em A Garota do Penhasco, amei demais a leitura e não consegui de fato desgrudar do livro até o seu fim, terminando as mais de 400 páginas em apenas um dia. Minha intenção era dividir o dia entre outros livros, mas Aurora me chamava e me persuadia a continuar acompanhando cada passo de sua história e não me arrependo, uma leitura muito agradável, comovente, só tenho elogios a autora!

Quanto ao trabalho editorial, a Novo conceito fez um trabalho muito bonito com a diagramação, e esta de parabéns nesse requisito, mas a revisão deixou e muito a desejar. Encontrei muitos erros de revisão, o que me deixou triste, pois raramente eu encontrei esses erros em outros livros da editora, e se tratando de um livro da Lucinda, achei que a editora devia ter tido um cuidado mais atencioso. Os erros encontrados foram em diálogos, que apresentavam várias vezes à falta do travessão para separar a descrição da fala do personagem, a falta dele; frases sem pontos e vírgulas e palavras faltando letras. O engraçado, é que os erros foram mais visíveis da metade para o final do livro... Além disso, há uma frase na própria sinopse que não bate com a história do livro. Não se é um erro de tradução outra coisa, mas não tem um sentido correto do que apresentado ao livro e olha que eu procurei, analisei e fiquei refletindo, mas não consegui entender. No caso é essa frase em particular: O caso de amor entre Grania Ryan e Lawrence Lisle comove por sua delicadeza e força vertiginosa que culmina em imensa tristeza. Caso mais alguém tenha lido o livro, peço que me explique à razão desse contexto, pois não bate mesmo com a história apresentada no livro em nenhum sentido, mas deixarei que vocês mesmo descubram por que eu penso assim, pois sinceramente, não entendi mesmo, para mim, há algo de errado nessa frase...

Por fim, apesar desses pequenos pontos, o livro é fantástico e encantador. Vocês com certeza não vão conseguir fugir da magia de A Garota do Penhasco! Livro mais que recomendado!

site: http://www.daimaginacaoaescrita.com/
Mari Siqueira 30/07/2013minha estante
Também procurei uma explicação para essa frase, sem sucesso. Prefiro pensar que por algum erro foi escrito 'caso' ao invés de 'laço', pois aí tudo teria uma boa explicação.. ótima resenha!


Diae 19/11/2013minha estante
Obrigada, Mari!




Maria Izabel 05/03/2014

o livro fale de amor, aquele amor sem compromisso entre um homem e uma mulher , amor por afinidade, doação, bondade. E no mundo de hoje ainda encontramos esse tipo de amor. Uma leitura gotosa envolvente.
comentários(0)comente



Ruth 26/12/2014

Acaba se revelando tocante no final, mas os livros dela estão demorando para me empolgar e parece que a volta ao passado é sempre mais interessante que o momento atual e as personagens do passado também são mais fortes e decididas. A história de Mary me fez(quase) chorar, já a Grania ficava lá empacada, não se decidia, faz alguma coisa mulher...
A Aurora então essa me fez chorar com seu fim.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Roberta 12/05/2015

Novela Mexicana
Esse livro não deixa nada a dever a nenhum dramalhão mexicano que assisti no SBT quando era criança. Lágrimas, mal entendidos, ingratidão, volta ao passado e uma criança tão manipuladora que deve ter algum traço de psicopatia.
Entretém, mas também enche o saco.
Juliana 14/09/2015minha estante
achei engraçada sua crítica. Aurora psicopata! Hahahaha


Thais 09/03/2017minha estante
Roberta, concordo com vc e olhe que nem acabei de ler o livro. Até o momento não é dos meus favoritos da Lucinda e só falto ler este. Como uma pessoa escreveu , eu prefiro as protagonistas antigas do que as modernas. Mas voltando à Garota do penhasco, essa menina é uma bela manipuladora....




Blog Mulherices e Cia Ltda 10/09/2013

Resenha
"Enquanto permaneço aqui sentada meditando sobre a história que vou lhe contar (...) devo ressaltar que ela tem um tema predominante. Esse tema, é claro, é o amor, e as escolhas que todos fazemos por causa desse sentimento.
Muitos de vocês pensarão de imediato que me refiro ao amor de um homem e uma mulher, e em grande parte é isso mesmo, sim. Mas há outras formas preciosas de amor que merecem consideração: por exemplo, a de um pai ou de uma mãe por um filho ou uma filha". pág 8

Com certeza você já ouviu falar de Lucinda Riley ou de seus livros que nos emocionam devido a enorme carga emocional que carregam e pelas histórias longas e muito bem contadas.
Em "A Garota do Penhasco" não é diferente.

Grania é uma mulher independente que saiu da Irlanda há 8 anos e foi morar em Nova York, lá encontrou o amor nos braços de Matt, um psicólogo, filho de um casal rico e arrogante. Ela nunca quis casar com ele, apesar de morarem juntos todos esses anos. Ambos decidem que esta na hora de terem um filho, e para a alegria de ambos, logo Grania engravida, no entanto no 4o mês de gestação ela tem um aborto espontâneo. A tristeza a consome e ela volta para a Irlanda sem falar nada com Matt. (Na verdade tem um motivo, que no final do livro você ficará sabendo).
Em West Cork, ela retorna à casa dos pais, e conhece uma garota dançando no penhasco, essa é a pequena Aurora Lisle, 8 anos, orfã de mãe há 4. Ela é filha do lindo Alexander, ambos retornaram a pouco tempo de Londres e moram na mansão no alto da colina.
A menina é muito solitária e ambas se tornam amigas.

"- Ora, tenha dó mãe! Aurora é só uma criança sem mãe que acabou de se mudar de volta para cá (...)
Kathleen suspirou e sussurrou para sim mesma : - E você é uma mãe sem filha". pág. 53


A mãe de Grania, Kathleen, não gosta da aproximação da filha com a família Lisle, e decide contar à ela a história por trás dessas famílias, uma estória centenária de amor, luto, morte, dor, e que envolve mais pessoas do que Grania pode imaginar.

"A Garota do Penhasco" é uma estória longa! São mais de 520 páginas, mas a forma como Lucinda conta nos prende de tal forma, que é impossível parar a leitura.
Quando Grania começa a conhecer a estória de Mary e Ryan tudo fica mais interessante, porque o leitor começa a juntar os pontos.

Fiquei extremamente comovida com Mary, com seu amor sem igual, com sua habilidade de cair, se levantar, e batalhar, sempre agindo com o coração e por amor, mesmo que esse não seja retribuído da forma como ela imaginava. (Não vou me alongar nesse assunto para não cometer spoiler na resenha).

Aurora é uma menina fantástica, de uma maturidade e uma capacidade inata de conseguir lidar com os obstáculos da vida, e nos dá tantas lições! Sua mãe suicida-se quando ela tinha 4 anos de idade, Lily se joga do penhasco na frente da casa, e mesmo assim, a menina consegue ama-la, entende-la e passar por cima desse e de outros "senões" que a vida lhe guarda.

Garnia é uma mulher que cresce e amadurece muito no decorrer da história, ela consegue se conhecer melhor, lidar com seus medos, teimosia e orgulho.

Senti na leitura um "Q" de "Cem Anos de Solidão", depois queria a opinião de quem leu os dois livros, se acham isso também.


"Quer dizer que enquanto você esta ai sentada na rocha, eu não estou junto de você, amando você como sempre amei, só porque não pode realmente me ver?"


Ah! E pegue o lencinho, porque você provavelmente vai chorar no final.

site: www.mulhericesecialtda.com
comentários(0)comente



Luciana.Scorsi 18/07/2015

mais ou menos
esse foi um livro que me decepcionou um pouco. Nao gostei muito, aho q esperava um pouco mais....como no livro A casa das orquídeas. Mas, ainda é a minha autora predileta!!
comentários(0)comente



108 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |