Todo Dia

Todo Dia David Levithan




Resenhas - Todo Dia


496 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Iandra 24/04/2018

Todo dia
Aborda diversas questões enfrentadas pelos jovens, como depressão, suícidio, bullying de forma que nos leva a refletir sobre o que queremos, quem somos e aonde queremos chegar. Precisamos dar valor e agradecer todos os dias, por mais um dia estarmos vivo. Autoaceitação.
comentários(0)comente



Anelise.Sousa 23/04/2018

Aquele livro que a gente leva no coração para a vida toda...
Gente! Mas que livro é este???
Quando li o prefácio, já me encantei com o enredo tão diferente e díspar que a história trazia e confesso que fiquei com medo de me decepcionar com o livro, pois seria muito fácil o autor se perder com um tema tão surreal e para a minha tão imensa alegria, não foi este o caso!
Ainda estou aqui, digerindo cada ?dia? e refletindo cada parte desta fantástica história. Quando paro para pensar na magnitude que este livro trouxe para o meu simples ser, quando mergulhei de cabeça no personagem e tentei me colocar ?na pele? de cada dia que ele trouxe para o livro, cada ser humano tão diferente com suas características físicas e psicológicas, me faz pensar em como nos apequenamos e nos apegamos em nossa mera existência.
O autor simplesmente conseguiu trazer para este livro um ser intangível, sem definição, cor, sexo, nome e características físicas, mas com uma empatia, bondade, resiliência e altruísmo ímpares! É isto que chamamos de ALMA, é está a essência que trazemos, que nos dá a razão de existirmos, de estarmos aqui para algum propósito!
Não quero dar muitos spoilers por ito não vou falar muito da narrativa da história em si, mas não me contive e anotei alguns trechos que me marcaram:

?Não importa qual seja nossa religiao, sexo, raça ou localização geográfica, todos nós temos 98% em comum com todos os outros. A raça é diferente apenas como uma construção social, não como uma diferença inerente.() Por uma razão qualquer, nós nos concentramos nos 2% de diferença e a maior parte dos conflitos que acontece no mundo é consequência disto.?

?A bondade tem a ver com quem você é, enquanto a gentileza tem a ver com o modo como quer ser visto?

?Se você olhar para o centro do universo, existe frieza lá. Um vazio. No final das contas, o universo não se importa conosco. O tempo não se importa conosco.
É por este motivo que temos que cuidar uns dos outros.?

Simplesmente maravilhoso!
Recomendo para a vida toda! ??
comentários(0)comente



Pedro.Magalhaes 19/04/2018

Todo dia uma surpresa!
O que falar de ?Todo Dia? do David Levithan?

Só coisas boas. O livro me surpreendeu positivamente, principalmente quando a história tem uma reviravolta inesperada.

David Levithan, não deixa nenhuma representatividade de fora de sua história, inclusive homeageia o Brasil.

Uma história com uma mensagem linda, mas ao mesmo tempo com uma crítica muito importante.

Um livro para deixar você apaixonado e torcer para que a história de A com Rhiannon de certo no final.
comentários(0)comente



Maju 16/04/2018

Uma vontade de chorar após ler que não passa...
Só estou escrevendo essa resenha pra dizer que esse livro me tocou. Me tocou no sentido de refletir o modo como levamos a nossa vida, e quais são as coisas que priorizamos e o modo como nos relacionamos com outras pessoas. Recomendo muito a experiência!
comentários(0)comente



Quedma 15/04/2018

Engasgada !!!!
24/65📚2018📚

Todo Dia
Autor : David Levithan
Editora: Galera Record
280 páginas

🌟🌟🌟🌟🌟

" ... O tempo não se importa conosco. É por este motivo que temos que cuidar um do outro".

Aquele livro que você termina e tudo fica em "suspenso" ... Preciso muito, muito mesmo falar com alguém sobre ele, ainda bem que li para participar do Avalon, Aline Natália Rodrigues falta muito para o dia 21 ??? Porque estou engasgada, preciso compartilhar !!!

"O passado não me ofusca, nem o futuro me motiva.
Concentro- me no presente, porque é nele que estou destinado a viver".

Todo Dia conta a história de A, quem é A ou o que é A , é esta pergunta que fazemos quando começamos a ler... Me peguei desmotivada no início da leitura , pensando em como ficção científica não é um gênero que eu goste de ler. Mas Todo Dia vai além ... Não é um livro sobre extraterrestre, hospedeiros, é muito mais !!!!

Engasgada!!!

É assim que me sinto após a leitura deste livro, engasgada, ele foi uma lição de vida, de forma simples travou algumas reflexões importante. Cada dia está em um corpo diferente, tentando causar o mínimo de dano possível a vida do corpo que habita. E é assim que alguns pontos são abordados, cada dia A está em um corpo diferente; corpo de um Nerd, de um suicida, de uma popular, de um invisivel ... A cada dia uma nova possibilidade, uma nova variavel ...

E A aprendeu a viver assim, aprendeu a não se envolver , a não questionar.

Mas e se um dia, se um corpo leva A a uma descoberta maior. .. E se A se apaixonar??? Como continuar coabitando com a premissa de nao se envolver, como fazer dar certo????

"Embora o mundo não importe para ela, ela importa p o mundo".

Fiquei encantada com as palavras do autor, e como cada uma delas me levou a uma reflexao, a um questionamento. David Levithan poderia me levar a qualquer lugar, e no final me deixou nadando em busca da praia, da areia firme ... Terminei o livro com a certeza de que Amar é algo muito maior ...

"Queria que o amor conquistasse tudo, mas o amor não conquista tudo. Ele não pode fazer nada sozinho. Ele depende de nós para conquistar em seu nome".

Vontade de pegar A no colo e dizer que após a curva tudo dará certo ... Mas como dizer isso , se eu mera leitora e expectadora da vida de A estava sofrendo também .

Ler Todo Dia me fez ir além das páginas e a cada corpo que A acordava me fez sentir em cada corpo que coexistem comigo e que eu não percebo, quantas lutas e fadigas enfrentam.

" Se você olhar para o Centro do Universo, existe frieza lá. Um vazio no final das contas, o universo não se importa conosco. É por este motivo que temos que cuidar um do outro".

Leiam Todo Dia !!!!!

O autor lançou Outro Dia, que conta segundo a percepção de Rhiannon, pretendo ler, mas confesso que estou com medo, e este ano será lançado o terceiro livro, onde espero que as respostas de A sejam ditas. E que o futuro não seja incerto.
comentários(0)comente



Emerson 15/04/2018

Tocante sem ser clichê
Quando comecei Todo Dia, pela premissa achei que tavez a história fosse um tanto confusa, mas mesmo assim quis dar uma chance de tanto que ouvi as pessoas falarem.
E ele realmente surpreendeu. A tem uma mente adolescente e isso fica nítido pela forma que ele se impõe, nao necessarimante por entrar apenas em corpos desses.
Rhianon é uma adolescente que pensa como sua maioria, o que não significa que é ruim, ela possui medos e angústias de qualquer outro nessa fase, e o medo de se sentir só também a aflinge tornando um ponto relevante seu relacionamento abusivo.
A historia toca em pontos interessantes como gênero, cor, aparência, homossexualismo entre outros.
O livro tornasse mais interessante ao abordar a quantidade de possibilidades que A possui mas não explora por saber como é errado, e como ele se sentiria fazendo isso ao outro, tanto que o final é muito surpreendente.
Ótimo livro!
comentários(0)comente



taisa r 11/04/2018

Quase lá
Pois é, acabei de ler Todo dia. Não vou ficar aqui fazendo sinopse da história porque isso já tem aos montes....vou escrever o que a leitura representou para mim.
O início da história me empolgou, nunca tinha lido nada parecido:.A. acordando cada dia em um corpo diferente. Aos poucos fui entendendo que ele era adolescente e os corpos ocupados seriam todos de adolescentes também. Então vem a paixão por Rhiannon e seu desejo de estar sempre com ela, fazer parte da vida dela.
Nessa troca diária de corpos o autor explora algumas variantes da vida de adolescentes..o homosexualismo, o vicio do álcool e das drogas, a depressão, a relação com os pais, com namorados possessivos, com os amigos...tudo aquilo pelo qual a maioria dos jovem vê ou vivência. Mas achei tudo muito superficial, nada disso é aprofundado, A. não se sente no direito de interferir na vida da maioria dos corpos que habita.
Só começa a mudar seu comportamento quando sua paixão por Rhiannon fala mais alto que tudo.
Enfim, comecei a leitura dando 4 estrelas e acabei a leitura com a mesma avaliação. Achei a escrita do autor muito parecida com a de John Green, bem adolescente, bem superficial, bem aberta a muitas interpretações...
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



S.H. 29/03/2018

TODO DIA
2018
comentários(0)comente



Coisas de Mineira 29/03/2018

David Levithan é um dos meus autores preferidos, mesmo que não tenha lido todos os livros dele e não tenha gostado nadica de "Will & Will" (não por causa dele e sim pelo modo como John Green, com quem faz parceria de escrita neste livro, criou seu personagem), ele continua sendo um dos meus queridos. Talvez isso se deva ao fato do meu primeiro contato ter sido com sua obra "Todo Dia", pela qual me apaixonei e estou vibrando ansiosamente pela sua estreia nos cinemas nacionais, prevista para 16 de julho. Sua escrita me conquistou!

É justamente sobre "Todo Dia" que vou comentar hoje, e talvez em um outro momento comento sobre suas outras histórias, mas por hora vamos focar na minha queridinha. Narrado em primeira pessoa, o livro apresenta “A”, um ser que não sabemos a origem, mas que acorda cada dia em um corpo humano diferente independente da forma física ou o sexo da pessoa, sendo a única informação que temos que será sempre alguém na mesma faixa etária em que ele se encontra e dentro de uma raio curto de distância da casa anterior em que estava.

“Ontem eu era uma garota numa cidade que, imagino, fica duas horas daqui. No dia anterior, era um garoto numa cidade a três horas de distancia. Já estou me esquecendo dos detalhes deles. Tenho que esquecer, caso contrário, nunca vou me lembrar de quem sou realmente.”

“A” é uma alma gentil que sempre tenta respeitar ao máximo seu hospedeiro, e que com o passar dos anos, entendeu que não deve se apegar a ninguém, pois nunca sabe onde estará no próximo dia. Mesmo tentando viver a filosofia de não se apegar, tudo muda em um dia que achou que seria só mais um jovem atleta chato e grosseiro vivendo descuidadamente, mas não esperava que ao passar seu dia no corpo do Justin acabaria mudando tudo! No corpo do rapaz de 16 anos, "A" conhece Rhiannon e se apaixona por essa garota que vive tentando agradar o namorado que não da à mínima para o que ela faz.

Rhiannon é aquela típica personagem carinhosa e sonhadora, que aguarda incansavelmente a volta do cara incrível que o namorado foi no início do relacionamento. Ela vê que só esta indo ladeira abaixo mas ainda espera tudo se ajeitar, até que conhece "A" e percebe que não vai ter essa, o namorado se tornou um babaca e vai continuar a tratando muito mal.

"Queria que o amor conquistasse tudo. Mas o amor não conquista tudo. Ele não pode fazer nada sozinho, Ele depende de nós para conquistar em seu nome."

David Levithan criou um livro único, com direito a personagens marcantes, momentos de grandes sofrimentos e outros de muita alegria. O leitor consegue conhecer um pouco mais sobre a pessoa em que "A" está no momento e sofrer com as histórias apresentadas, sendo algumas bem típicas de adolescentes e outras bem complicadas, como drogas, doenças e problemas familiares. O interessante da leitura foi que, mesmo sendo apresentada a várias pessoas diferentes, o autor consegue manter a essência de "A" com uma forma cativante e única, mostrando sua breve vida como aquele outro personagem de quem rouba a vida por um dia. Ao dar a ele a capacidade de conseguir informações do hospedeiro, vemos como todo mundo tem sua singularidade, suas alegrias e tristezas.

“A” tem a consciência que não é culpa dele esse fato de acordar no corpo de outra pessoa, então tenta viver aquele dia da melhor forma possível, sem demonstrar revolta ou insatisfação. Ele tenta ser feliz ao máximo. Minha maior dificuldade ao me colocar no lugar de 'A' foi imaginar não ter minha família, nunca mais vê-los. Só de imaginar já me dá um aperto no coração. Mesmo sabendo que ele sempre foi assim e se acostumou, 'A' teve contato com seus pais no início e entendo que é muito difícil e dolorido não ver alguém que você ama ao seu lado, eu sei, passo por isso há 10 anos e ainda me pego triste às vezes.

Sendo sincera, senti falta das explicações do porquê de 'A' ser assim, como isso aconteceu, de onde ele veio e se um dia ele vai parar, mas não ao ponto de tirar o brilho do livro. Gostei da narrativa, me apaixonei pelo jeito gentil do 'A' e a forma intensa com que ele ama Rhiannon, mesmo me questionando algumas vezes se não chegava ao ponto de parecer um perseguidor, mas isso é mais um clichê do gênero YA, um amor tão intenso que chega a assustar. A história ganhou um segundo volume chamado "Outro Dia", lançado em 2016, onde tudo é contado através dos olhos de Rhiannon.

Por: Leh Pimenta
Site: http://www.coisasdemineira.com/2018/03/resenha-todo-dia-david-levithan-todo.html
comentários(0)comente



Thais Muerza 26/03/2018

"Todo dia" conta a história de A um ser que acorda todo dia em um pessoa diferente, não importa o seu gênero, que tenha a mesma idade que ele, isso acontece desde o dia que nasceu até hoje com seus 16 anos. Até que um dia ele se apaixona por uma garota chamada Rhiannon quando estava no corpo de seu namorado Justin e desde esse dia ele tenta ficar perto dela o máximo que pode e tenta convencê-la de que fala a verdade. Esse livro é excelente e faz você refletir sobre a homofobia. Acreditar que as pessoas são maravilhosas não importa sua identidade sexual, eu simplesmente amei. Vocês precisam ler.
comentários(0)comente



Dani 23/03/2018

Todo Dia, David Levithan
A é um ser desconhecido até para si mesmo, que todos os dias acorda em um corpo diferente e vive nele até a hora em que dorme. Seus hospedeiros têm gênero, personalidade e estilos de vida sempre diferentes, todos com a mesma idade de A, dezesseis anos.

''Todos nós temos mistérios, especialmente se vistos pelo lado de dentro. ''

Ele tenta ao máximo não interferir na vida que está "tomando emprestada", sem criar conflitos ou situações estranhas. Um dia, porém, A se descobre no corpo de Justin, um garoto comum com uma namorada por quem não tem grandes sentimentos. Ela é Rhiannon, está completamente apaixonada e devota ao namorado, e imediatamente A sente algo por ela.
Depois de um dia maravilhoso, em que A se apresenta como um Justin diferente e melhor, ele simplesmente não consegue deixá-la mais.

''Mas alguns de nós não querem viver a vida feito mentirosos. ''

O enredo de Todo Dia é ótimo, afinal sempre imaginei como seria fantástico poder ter várias vidas, ainda que seja um pouco solitário como o personagem mostra. O conflito é instigante, por ser tão complicado, e fui me envolvendo aos poucos.
É interessante como esse romance aborda vários pontos da vida adolescente/jovem, desde primeiros amores, descobrimento e aceitação a questões mais obscuras como depressão, alcoolismo, culpa. Me identifiquei com várias passagens, frases de efeito do autor e pensamentos de A.
Esse, A, é uma personalidade comum que vai convencendo e comovendo à medida que é introduzida. Ficava com muita vontade de saber mais sobre ele, como funciona toda essa experiência, porém de forma surpreendente esse não é bem o foco (pelo menos até certa parte, mas isso ficou para a continuação).

''Simples e complicado, como a maior parte das coisas verdadeiras. ''

O que tem importância é a forma como A passa a almejar Rhiannon e tentar ficar com ela, o que é muito romântico e sensível, além das vidas com que ele vai se deparando em sua jornada. Mas o ponto maior mesmo é a ideia que o autor vende nesse livro de que não importa o corpo, o coração é o que importa e tal.
Há bastante apelo para as causas LGBT, algo esperado por mim já que conhecia os outros livros do autor, como Garoto Encontra Garoto. Não pude deixar de me lembrar da música Pussy da Alaska Thunderfuck, e de fato é algo verdadeiro muitas vezes. Infelizmente não concordei totalmente, pelo menos como o autor colocou alguns pontos, mas não deixa de ser uma boa reflexão.

''O relógio sempre faz tiquetaque. Tem vezes que você não ouve, e outras que sim. ''

Recentemente foi lançada a continuação de Todo Dia, e ao iniciar essa leitura me perguntei se seria mesmo algo necessário. Porém, depois da forma como acabou, acredito que seja uma boa ideia sim, se essa for explorar o universo de A melhor. Quanto ao romance, para mim acabou de forma satisfatória, ainda que triste.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
Clara 26/03/2018minha estante
Ele só fugiu, decidiu viver só um dia mesmo




Ammy 15/03/2018

Todo Dia
"O momento em que você se apaixona parece carregar séculos, gerações atrás de si - tudo isso se reorganizando para que essa interseção precisa e incomum possa acontecer. Em seu coração, em seus ossos, por mais bobo que saiba que é, você sente que tudo levou a isso, que todas as flechas secretas estavam apontando para este lugar, que o universo e o próprio tempo construíram isso muito tempo atrás, e agora você acaba de perceber que chegou ao local onde sempre deveria ter estado."

🅰 tem um espírito/alma nômade (não por opção, mas ele aprendeu a viver com isso) e troca de corpo a cada 24h.
Rhiannon é uma pessoa normal (mas pra 🅰 ela é única é incrível).
Agora acrescente um amor improvável e a gente já se pega querendo saber onde tudo isso vai dar.

O livro é dividido em dias com trechos e histórias de cada corpo habitado por 🅰, quase todos os dias após conhecer Rhiannon através do corpo de Justin.
A relação de amor com o livro surgiu quando 🅰 conta para R que em determinado dia (o melhor dia em que Rhiannon passou com Justin) ele esteve com ela no corpo do namorado.
A relação de ódio com o livro surgiu quando ambos queria estar juntos, mas R não queira se magoar e 🅰 não queria magoar R.
R foi crucial em alguns momentos por conseguir fazer 🅰 entender que há excessões e mesmo ele não querendo, precisava interferir na vida das pessoas em alguns momentos.
A mensagem que Levithan passa é linda: "- Não olhe para a embalagem. Olhe para o que tem dentro." Viva o presente ao máximo. Se apaixone por pessoas e não esteriótipos. Viver um dia de cada vez. E a forma como 🅰 retrata as experiências em corpos distintos é muito bacana.
Confesso que quando realmente o livro me prendeu, ele acabou. Um final tenso que poderia ter ganho muito mais espaço, mas com um desfecho lindo.

site: https://www.instagram.com/p/Bfd3UhUnun3/?taken-by=books.chameleon
comentários(0)comente



Evelyn 12/03/2018

♪ What about us? What about all the broken happy ever afters? ♪
Em Todo Dia, A acorda todos os dias em um corpo diferente, seja menino ou menina. Depois de 16 anos vivendo dessa forma, é preciso aprender a seguir as próprias regras: nunca interferir e não se envolver. Porém, ao despertar como Justin, ele conhece sua namorada, Rhiannon, e a partir desse momento suas prioridades mudam e, conforme se envolvem mais, lutarão para se reencontrar a cada 24 horas.

A trama escrita por David Levithan é tão envolvente, ao ponto de querer terminar logo a leitura mas, concomitantemente, desejar o contrário, pois chegará ao fim. A escrita do autor é fluída, leve e emocionante. Frases como “Satisfeitos, aceitamos o bem, porque, na maior parte do tempo, bem é o suficiente.” e “... você pode saber de algo durante anos sem que isso realmente o atinja.” apenas reforçam o mencionado.

Algumas das vidas nas quais A acorda, como a de Kelsea, Leslie e Valeria, deveriam ser reunidas em um livro de contos ou terem sua própria história publicada.

É 99,9% impossível não torcer pelo amor de A e Rhiannon, de tão genuíno que é. Especialmente da parte de A.

Enfim, se eu esperava aquele final? Sim, não e talvez. Se eu gostei do final? Sim, não e talvez.

P.s. o livro foi adaptado para os cinemas, com lançamento previsto no Brasil para 14 de junho. Angourie Rice interpretará Rhiannon, enquanto Justice Smith (o Radar de Cidades de Papel) será Justin.

site: http://garotablockbuster.com/2018/03/07/livro-todo-dia/
comentários(0)comente



496 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |