The Naked Sun

The Naked Sun Isaac Asimov




Resenhas - O Sol Desvelado


45 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Nand 22/10/2020

“Qualquer mundo é insólito aos olhos de quem não vive nele” Robôs #02
Enquanto o primeiro volume era focado na Terra e nos seus dilemas, neste Elijah Baley precisa deixar o conforto das cavernas de aço para ir a um Planeta Exterior chamado Solaria, no qual abriga uma pequena população de siderais, mas uma enorme quantidade de robôs.

Apesar do nome do planeta ser “Solaria”, os solarianos não são nem um pouco calorosos e sociáveis. E no momento em que ocorre um assassinato, a aparente perfeição desses siderais é desvelada e percebe-se que eles são tão frágeis quanto os terráqueos em várias questões.

O livro é muito mais interessante do que o primeiro por uma série de fatores. A genialidade de conduzir uma investigação criminal em um planeta cuja cultura é completamente oposta à da Terra torna a leitura viciante. Sem contar a existência de todos os obstáculos imagináveis para ocorrer um assassinato entre eles: os próprios costumes dos solarianos excluem boa parte dos motivos padrões de um homicídio e também constituem barreiras físicas para realizar o ato. Acompanhar Elijah e Daneel na resolução desse crime é bom demais.

Um outro ponto é o amadurecimento da narrativa do Asimov em relação a mistura de ficção científica com romance policial. Aqui ele obtém melhor êxito em juntar os dois gêneros e cria um enredo bem mais planejado sob todos os aspectos, mas sem deixar de trabalhar com os elementos reflexivos que marcam as suas obras. Por exemplo, é curioso nesse livro a forma como ele imaginou a questão da fobia social que podemos desenvolver, mesmo estando sempre conectados com as pessoas virtualmente. Lembrando que o livro foi lançado em 57, logo achei curioso como ele deduziu de certo modo um problema atual.

Além disso, gostei muito de como as três leis fundamentais da robótica foram abordadas, coisa que no livro anterior não tinha me agradado tanto. A relação do Elijah com o Daneel também é melhor desenvolvida, sendo que o Elijah evoluiu bastante como protagonista. É perceptível a mudança da visão dele conforme a história vai se desenrolando – e o final é o começo de um personagem mais instigante e a promessa de um terceiro volume ainda melhor.
comentários(0)comente



luisguedes 21/09/2020

Boa tarde crise existencial
Olho pro teclado e não sei o que dizer só sentir ... sem sombra de dúvidas uma continuação incrível, que superou e muito o primeiro livro.
comentários(0)comente



João Werneck 17/09/2020

Um diferente bom.
Talvez eu esperasse outra coisa quando comecei a ler, mas foi uma surpresa muito positiva. Infelizmente li O Sol Desvelado e Os Robôs da Alvorada sem ter lido Cavernas de Aço antes, mas eu digo, com toda a sinceridade, que é possível acompanhar a história, se manter imerso nesse mundo e se apegar aos personagens (Elijah e Daneel) facilmente.
Acredito que o mistério, aqui, não seja o tópico principal, mesmo que seja a força motriz de todo o livro. A discussão social de como os humanos se relacionam cara a cara é bem legal e os diálogos quanto a isso seguem uma linha de raciocínio muito bacana e divertida.
comentários(0)comente



Rodrigo 14/09/2020

A continuação da saga "agathiana"
Fiz uma resenha do primeiro livro da saga chamando essa obra de "Agatha Christie 4.0". Pois bem, parece que aqui já chegou no 5.0. Nesse livro, o detetive Elijah Baley é convidado pelos Solarianos - humanos que vivem em Solaria, um outro planeta - para conduzir uma investigação de assassinato, pois o planeta não possui detetives. Solaria é um dos ápices da sociedade evoluída vista pelos sociólogos desse mundo, pois não há contato humano, cada um tem sua própria casa repleta de robôs para atenderem às suas necessidades e moram a quilômetros de distancia uns dos outros.
Com o passar do livro, e como humanos que vivemos em uma sociedade extremamente conectada, percebemos a estranheza que é um planeta daqueles, assim como o detetive. Aqui, Isaac trata mais uma vez sobre especulações futurísticas da sociedade humana enchendo-as de críticas e curiosidades. A estranheza é tanta que nos esquecemos do assassinato, que passa a ser secundário, e nos envolvemos em algo muito maior que é a própria relação humana.
Essa é, sem dúvida, uma das melhores sagas do Asimov e eu recomendo muitíssimo a leitura!
comentários(0)comente



Raabe 07/09/2020

Só leia, eu amo os livros do Asimov, ele tem essa maestria de interliga-los que te deixa maluco quando conecta os pontos.
comentários(0)comente



Vinicius Nathan 25/08/2020

Foi uma leitura que se torna rápida, pois é difícil parar, além da trama permanecer até o final. O segundo livro mostrou como uma sociedade super individualiza é capaz de levar o homem a perder sua humanidade se isolando cada vez mais da comunidade a sua volta, exibindo a fragilidade humana em relação ao uso da tecnologia.
comentários(0)comente



Christofaro 18/08/2020

Conhecendo os mundos exteriores
Elijah Bayle é levado para investigar um improvável assassinato no mundo exterior com a maior proporção robôs/humanos da galáxia. Lá, descobre que R. Daneel será, novamente, seu parceiro.
A interação entre a dupla é mais profunda, e Asimov nos mostra como é a vida no mundo sideral mais robotizado, o que nos ajuda a entender melhor o universo que criou.
Preconceitos com relação aos terráqueos nos mostram como a vida é diferente nos mundos exteriores, especialmente em Solaria, onde olhar e ver são coisas diferentes.
Com uma narrativa ainda mais empolgante que Cavernas de Aço, o Sol Desvelado é um grande e emocionante livro que nos Maravilha com o futuro imaginado pelo autor.
comentários(0)comente



Cássia 16/08/2020

O chamado para evoluir
Gosto mto da forma como asimov escreve. Em alguns momentos aparenta ser prolixo, mas no fim ele amarra todas as informações e nos faz entender o porquê de tanto explicação.

Aqui é a continuação do livro As cavernas de aço, e ele nos faz pensar em até que ponto a liberdade adquirida pela automação é de fato liberdade.

Também faz pensar sobre a segurança que as três leis da robótica passa aos humanos, apresentando algumas falhas que são até óbvias, mas eu não tinha parado pra pensar no assunto e foi um divertida surpresa.

E retrata a situação em que o homem, em sociedade, é uma ilha e as implicações na mentalidade da pessoa.

Para assegurar na diferença de culturas ele exagera demais em alguns aspectos socioculturais, fica estranho mas acho que foi a intenção do autor.

Adorei!
comentários(0)comente



Henrique.Alves 14/08/2020

Fabuloso
Asimov, Não decepciona! Nessa continuação de "as cavernas de aço " a história se passa em outro planeta mas a atmosfera de suspense, ficção e critica social continua presente.
comentários(0)comente



Wedson 12/08/2020

E o universo vai crescendo
Muito interessante ver como a mente do Asimov vai trabalhando pra criar sempre histórias mais complexas, culminando na ótima saga fundação. Até parece que esses outros trabalhos servem como inspiração crescente.
comentários(0)comente



Isa 31/07/2020

Continuando a saga dos robôs
O livro é bom, dinâmico, tem um mistério que se manteve incógnito até o seu final, mais ainda sim, prefiro o primeiro livro.
comentários(0)comente



Asimoverse 26/07/2020

O Sol Desvelado - 1957 por: @asimoverse
O Sol Desvelado, (segundo romance da série Robôs) é uma prova viva de que se pode escrever uma história de detetive num futuro que não só será interessante, mas também profundo na forma como os melhores livros de ficção científica são. Uma mistura de ficção científica e crime não é algo que todos possam usar, mas Asimov faz com que pareça fácil. Assim como no livro anterior, a parte do mistério do assassinato foi excepcionalmente bem escrita.

A diferença entre siderais e terráqueos é frequentemente contrastada neste romance. A estrutura econômica e social de dois planetas diferentes (Terra e Solaris) são examinadas. Por exemplo, os seres humanos que vivem na Terra vivem no subsolo e, como consequência, sofrem com o que parece ser agorafobia aguda. Quando nosso detetive da Terra é convocado para resolver um caso de assassinato em Solaris, ele não vai lá apenas como detetive, mas como um representante da Terra. Ele tem mais em mente do que apenas descobrir um assassinato - e não apenas porque ele precisa descobrir a sociedade humana dramaticamente diferente existente no Solaris, mas porque o futuro dos terráqueos e siderais pode depender disso.

O exame do que significa ser um robô e não humano é uma grande parte deste romance também, com longos embates sobre as leis da robótica. O livro aborda todo o potencial da primeira lei, com todos seus desdobramentos e como alguém que conseguisse entender a isso, conseguiria manipular os robôs para fazer o que desejasse, até matar humanos!


site: https://www.instagram.com/asimoverse/
comentários(0)comente



Bruno 25/07/2020

Que livro meus amigos !!!
Poucas sequências conseguem superar seus antecessores, e esse livro é um deles. Só tenho a dizer que quem não gostou tanto do final das cavernas de aço, como eu, pode ficar tranquilo que em o sol desvelado o final é de uma qualidade imensa, assim como o livro por inteiro.
comentários(0)comente



Ari 04/07/2020

Além da racionalidade
Em "O sol desvelado", livro sequencial de "As cavernas de aço", um assassinato insolúvel baliza a trama com muitos plot twists e acaloradas discussões envolvendo "as leis da robótica", a lógica mecânica e a intuição humana. Nesse livro a balança da justiça pesa para o lado humano, visto que em "As cavernas de aço" os robôs estavam em foco.

Temas como inseminação "in vitro", distanciamento social, contatos holográficos e viagens espaciais são abrangidos nesse novo mundo de Solaria, no qual se desenrola a investigação em que Baley e R. Daneel Olivaw prestam-se a desvendar.

É um ótimo enredo que, mesmo tendo sido escrito em 1956, traz abordagens científicas que são palco para infindáveis debates até os dias atuais, vale muito a pena!
Duchesse 05/07/2020minha estante
Qual o primeiro livro dessa série? "As cavernas de aço"?


Ari 05/07/2020minha estante
Seguindo o encadeamento de Azimov, o primeiro livro, para se ter uma maior compreensão do contexto, é Eu, Robô. Ele é a origem de tudo. Após ele, sim, As Cavernas de Aço.




Neto 02/07/2020

Muito bom
Continuação de Às Cavernas de Aço, livro maravilhoso, recomendo a todos, principalmente entusiastas da ficção científica.
comentários(0)comente



45 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3