A Verdade Sobre Nós

A Verdade Sobre Nós Amanda Grace




Resenhas - A Verdade Sobre Nós


113 encontrados | exibindo 31 a 46
1 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8


Karol Vicente 22/04/2017

[RESENHA] A Verdade Sobre Nós, de Amanda Grace
A Madelyn, que é a narradora do livro, se apaixona pelo seu professor de Biologia da faculdade em que estuda. Desde o inicio do livro você percebe que os dois se envolvem desde o primeiro encontro, há uma conexão e o que aconteceria em seguida era inevitável. O relacionamento com o Bennet seria vivido de forma real, se não fosse a idade de Madelyn. Ela tinha conseguido pular alguns anos na escola com a ajuda de um programa social, devido à sua inteligência e boas notas. E com apenas dezesseis anos ela já estava na faculdade. Porém, o Bennet não fazia a menor ideia de que ela não era maior de idade, e acreditava que ela era como outra universitária qualquer.

"Não entendo por que todo mundo acha que uma garota de dezesseis anos precisa ter tudo decidido."

O livro é escrito em formas de cartas, e elas seriam escritas pela Madelyn contando tudo o que aconteceu entre eles do ponto de vista dela. Eu queria que ela tivesse contado mais sobre o que o Bennet sentia por ela, e tentar enxergar não só a visão dela, mas a dele também. Era lindo os momentos que os dois tinham, mas senti a ausência de algumas falas da parte dele, que acredito que deixariam a leitura bem mais emocionante.

Em muitas partes do livro eu conseguia me enxergar na leitura, por que a história em si revela muitos fatos que ocorrem na vida real, de qualquer pessoa. O drama que a Madelyn fazia me deixava um pouco impaciente às vezes, por que ela precisava dele a todo o momento, como se dependesse dele para respirar. Mas o engraçado é que, quando se tem 16 anos, realmente nós necessitados da presença daquela pessoa especial e acabamos dramatizando tudo. É inevitável, você nem percebe que está fazendo drama, mas está, por que você sente tanta falta daquilo que ao expor em palavras acaba se tornando "dramático". Então, apesar de eu odiar alguns momentos dela, eu entendi o que ela sentia, e gostei da ideia da escritora colocar a realidade tão explicita na história.

Em relação ao personagem do Bennet, mesmo sentindo falta de algumas falas dele na história, eu gostei bastante de como ele foi construído. Ele sempre foi cavalheiro e homem com a Madelyn, e isso era admirável. E mesmo o clímax da história me deixando muito frustrada, era de se esperar e eu posso indicar esse livro como um dos meus favoritos. Ele é um livro bem real, e o final é lindo, por que a Madelyn consegue expressar seu amadurecimento e sua evolução diante dos anos que se passaram, e de tudo o que aconteceu com eles. E é exatamente isso que acontece conosco, nós olhamos pro passado e imaginamos que independente do que tenha acontecido, nós conseguimos seguir em frente. Nós aceitamos o ocorrido e levamos aquilo como aprendizado, e foi isso o que ela fez.

site: http://www.palavrasambulantes.com/2016/03/resenha-do-livro-verdade-sobre-nos.html
comentários(0)comente



Marina 21/11/2016

Incrível
Existem muitos livros que retratam o romance aluna/professor, mas esse tem um toque bem diferente e especial. Maddie só tem 16 anos, mas apesar disso a cabeça da garota é bem madura, principalmente por causa da pressão e cobrança dos pais. A história acaba sendo também uma forma de ver o amadurecimento dela, se libertando das expectativas dos seus pais e criando as suas próprias. A história de amor entre ela e Bennett, professor de biologia dela na faculdade, é leve, carinhosa e realmente madura, esse livro demonstra que o amor vai além de demonstrações físicas de afeto e, principalmente, que nem tudo acaba como em um conto de fadas na vida real. (? o que vai te render muitas lágrimas)
comentários(0)comente



@EqualizeLeitura 01/09/2014

[RESENHA] A Verdade Sobre Nós
O que primeiramente pode-se falar desse livro é que ele foge do convencional. Ao mesmo tempo que eu conseguia entender perfeitamente o ponto de vista da personagem feminina, Madelyn, eu entendia também o do personagem masculino, Bennet. E nessa confusão de sentimentos eu terminei o livro e ainda estou embarcada nesses sentimentos.


Maddie é uma aluna e filha exemplar. Seus pais sempre cobram muito dela e não querem menos que a perfeição exatamente por isso. Se ela pode ser a melhor, por que isso não aconteceria? Obviamente que chega um momento que isso cansa e esse momento é quando ela entra na faculdade antes de terminar o ensino médio. Acontece que Maddie pode adiantar algumas matérias na faculdade e usa-las como créditos para concluir a sua fase escolar. Sendo assim, aos 16 anos ela ingressa na universidade. O que ela não esperava, porém, é que ela fosse se apaixonar pelo professor de Biologia que é 10 anos mais velho do que ela, o Bennet. Sem saber que está envolvendo-se com uma menor de idade (mas sabendo que é sua aluna, o que seria proibido de qualquer forma), os dois começam a ter um relacionamento fora das salas, envolvidos por mentiras e encantamento por parte de Maddie, que acredita que Bennet é o cara da sua vida, e por decepção e fúria por parte de Bennet quando descobre que está envolvido com uma menor de idade.

Bem, é assim que são as coisas em minha casa. Você tem que ser perfeito, e se não for, bom, é melhor fingir muito bem.


O livro todo é contado em primeira pessoa e no começo, confesso, achei isso um tanto quanto inconveniente. Mas Maddie está escrevendo uma carta e é aí que você começa a ser envolvido. Ela está apaixonada e desde o primeiro momento sabe que não deveria enganar Bennet, mas tudo começa simplesmente com uma conversa, que se torna amizade e acaba evoluindo para algo mais íntimo e pessoal. Por muitas vezes ela é repetitiva, pois quer deixar bem claro tudo que aconteceu foi inteiramente sua culpa... pois ela estava apaixonada.


O que eu consigo falar para vocês no momento: é um livro cheio de sentimentos conflituosos. Terminei ele com a sensação de que eu realmente não estava vivenciando aquilo através das palavras: eu estava vivendo aquilo ali através de sentimentos. É uma leitura bastante delicada e acho que me envolvi bastante com ela porque passei por algo parecido. Eu fiz minhas escolhas, a pessoa que estava comigo também, e no final tudo deu errado e cada um seguiu seu caminho. Quando eu terminei de ler, deitei a cabeça no travesseiro e fiquei olhando para o teto do quarto, assimilando tudo. Ao mesmo tempo que é triste saber o caminho que cada um dos personagens tomaram eu consigo entender a decisão deles.

Tudo que eu queria era conversar com você, quem sabe construir para nós uma arrebatadora história de amor no estilo Orgulho e preconceito.


É difícil imaginar uma mãe ou um pai vendo com bons olhos a filha menor de idade se envolvendo com alguém mais velho. O pior que é o Bennet não teve culpa. A culpa dele, pode ter sido ser ingênuo a ponto de aceitar que Maddie tinha idade suficiente para se relacionar. Ele perguntou, ela respondeu - e não foi com a verdade absoluta. O problema dos pais aqui é que eles acabam não vendo os dois lados da história - e afinal, quem vai julga-los como loucos por isso? Ao mesmo tempo em que eu posso julgar a Maddie pelo o que fez, não consigo tirar a razão dela para deixar acontecer. Conseguem entender como é complicado?


O que eu gostei no livro é que mostra o crescimento de Maddie. Ela fez escolhas erradas, tem consciência disso, admite mas mesmo assim foi atrás de seus próprios sonhos, conseguiu passar por cima de todos os seus pecados e crescer para a vida. É uma coisa que eu costumo falar sempre para as pessoas próximas a mim: A Raphaela de 21 anos não quer fazer tal coisa, mas a Raphaela de 30 anos pode querer. A vida é assim. Tomamos decisões erradas e com elas aprendemos a tomar as certas, a escolher nosso próprio caminho e traçar nossas própria trajetória, enfrentando obstáculos e assumindo erros. A Maddie de 16 anos não é a mesma Maddie de 18. O Bennet de 26 não é o mesmo de 28. O caminho deles se entrelaçaram, eles vivenciaram o que tinha que acontecer e seguiram em frente.

Dez anos não é muito, sabe? Se eu tivesse vinte e você, trinta, será que alguém se importaria? Parece cruel que quatro aninhos sejam tão importantes, capazes de mudar uma vida.


É um livro que muitas pessoas não vão gostar e percebo por causa de algumas resenhas que acabei lendo. Mas foi um livro que me tocou profundamente por causa da história original e verdadeira. O que eu diria: deem uma chance apenas para ter a oportunidade de ler algo que se diferencia dos romances que estamos acostumados a ler. A vida nem sempre é colorida, passamos por todos os momentos negros para encontrar novamente a fase em que nos deixa com brilho e cheios de alegria.

site: http://www.equalizedaleitura.com.br/2014/08/resenha-verdade-sobre-nos.html
comentários(0)comente



Lanna Victoria 05/01/2015

Vale a pena ler
Tão pequeno, mas com uma narrativa poderosa.
Confesso que quando comecei a ler achei um pouco chata a forma como a historia era só centrada em "tenho 16 anos" ,mas depois de um certo ponto no livro entendi para que tanto foco nisso.
Uma historia REAL, mesmo, mesmo (sem enfeites). Ainda estou em dúvida se isso tudo não aconteceu de verdade, se as cartas não existiram, se aquele final na verdade não fez parte da vida de alguém... É esse o sentimento quando você termina o livro.
Guria87 26/03/2015minha estante
Só li os comentários sobre o livro depois que li, mas tenho essa mesma impressão, de que realmente é uma história que aconteceu, de repente até mesmo com a própria autora...(ela usa um pseudônimo e tem várias características semelhantes a personagem...), mas mesmo não tendo certeza de que tenha acontecido de verdade, gostaria muito que o livro tivesse uma continuação...




Gi 06/05/2015

VERDADE SOBRE NÓS
A primeira vez q leio algo com essa narrativa. Curti a forma como a história foi contada, mas confesso q o Final deixou aquele sentimento de tristeza e apesar de ser um Final mais realista preferia algo mais voltado pro Romance.
comentários(0)comente



Fernanda 30/11/2014

Eles nunca ficariam juntos.
Desde a primeira página, sabemos que o relacionamento entre Madelyn e Bennet não vai dar certo. A certeza de que algo ruim aconteceu e separou os dois está lá, implícita no motivo que faz com que a garota escreva uma carta pedindo desculpas. Mas o que aconteceu ? O que levou a separação ? É isso o que motiva a leitura; o desejo por respostas.

Madelyn me lembrou Auden (A Caminho do Verão), com seu infinito desejo de se descobrir, ao mesmo tempo que se sente obrigada a corresponder as expectativas dos pais, as mesmas que foram correspondidas por seu irmão. E Bennet, o cara mais velho e resolvido, faz com que ela se sinta mais próxima de alguém que poderia e gostaria de ser. Madelyn mentiu porque sabia que no momento em que contasse a verdade a ele, perderia parte de sua própria essência recém descoberta.

Apesar do final estar claro desde o início do livro, torcemos para que Madelyn e Bennet fiquem juntos. Afinal, eles completavam um ao outro, independente da diferença de idade entre eles. Mas o relacionamento dos dois estava fadado ao fracasso, pois foi baseado numa mentira. Mesmo assim é impossível não ficar de coração partido ao ler a última página.

Amanda Grace escreve de uma maneira diferente, mergulhando na cabeça da personagem e nos fazendo acreditar absurdamente que estamos lendo a carta de uma menina de dezesseis anos que se apaixonou por seu professor e agora pretende reparar o erro. Nunca havia lido um romance no formato de cartas e finalmente entendi porque as pessoas os adoram - são mais pessoais, mais íntimos. E, nesse caso, não havia outra forma de narrar a história de amor entre os dois.

Grace criou personagens simples, porém interessantes, trabalhou suas emoções e construiu um cenário bem visível. Definitivamente um livro que precisa ser lido, pois trata de descobertas, expectativas, ingenuidade e amor em sua forma mais pura.

site: www.apenasumahistoria.com
comentários(0)comente



Camila 30/11/2014

Quando se trata de amor, a idade realmente importa?
Comecei ler este livro há 6 horas atrás, e agora, com o olhos molhados pelas lágrimas, me questiono se idade realmente importa.

O livro é narrado por Madelyn. Ela está escrevendo uma carta a Bannet, seu professor de 25 anos, explicando como ela ferrou com vida dele pelo simples fato de ter 16. Ele não sabia, pois ela estava adiantada e entrara na faculdade dois anos antes que o normal, por isso se deixou apaixonar por Madelyn. Durante todo o livro, não consegui sentir nenhum pouco de alegria. Não por ser um livro ruim, longe disso, mas porque havia sempre aquela nuvem negra em forma de 25 e 16 pairando sobre mim.

É tão incrível como um livro pode abrir uma nova perspectiva. Lendo a carta de Madelyn, eu só sentia como era injusto algo tão bom, tão lindo, ser visto por todos como o pior dos crimes. Não posso dizer que não concordo com eles. Se não conhecesse a verdade, se não tivesse lido sobre como Madelyn precisava daquilo, como aquilo não era nada que aparentava, teria a mesma reação.

A única conclusão que consigo chegar é: este mundo é tão injusto! Por que tem que existir tanta maldade e terror, aponto de ofuscar, soterrar, sufocar, matar coisas que seriam tão magnificas? Se não fosse tão comum garotas serem iludidas e abusadas por caras mais velhos, eles poderiam ficar juntos, sem ninguém se importar, sem ninguém declarar como hediondo!

É um livro incrível. Me fez refletir muito. Eu recomendo e se lê-lo, espero que goste tanto quanto eu, que te impacte como me impactou.
comentários(0)comente



Keyth 25/03/2018

Achei o nome e a história boa, porém, faltou muito pra ser um livro instigante. A pessoa fica o tempo todo esperando algo acontecer e nada acontece...bem água de salsicha.
comentários(0)comente



Naiara Aimee 16/04/2018

Uma protagonista humana
Madlyn Hawkings é uma garota extremamente inteligente e devido a essa inteligência, participa de um programa, que lhe permite estudar as matérias na faculdade sem precisar frequentar a escola do Ensino Médio. É aí que Madlyn conhece o professor de biologia, Bennet Cartwrigth. Ele é lindo, charmoso e interessante e logo surge uma forte atração entre os dois.

“Garotas inteligentes não deveriam fazer coisas estúpidas”

Embora saibam que uma relação entre eles é algo proibido, Bennet traça um plano e decide esperar pelo tempo certo para que tudo aconteça de forma correta. Mas Madlyn ainda tem muito a contar a ele e um grande dilema a permeia, algo que pode desmoronar com todas as suas chances.

“Era como uma vela brilhando dentro de mim, aquecendo-me, acabando com a escuridão.”

Essa foi uma troca que fiz no Skoob e me lembro de ter visto muitas opiniões negativas a seu respeito. Mesmo assim, decidi me arriscar e fico feliz em ter feito isso. O livro é narrado em primeira pessoa, pois são relatos em cartas escrito pela Madlyn, então você começa a leitura sabendo o que vai acontecer, mas nem por isso foi menos doloroso quando as coisas de fato aconteceram.

“Porque aquele foi o momento em que tudo mudou. O ponto sem retorno, o momento em que olhei para você e pulei do precipício, sabendo que jamais voltaria, que jamais desistiria dos meus sentimentos.”

Madlyn é uma personagem muito presa nos planos que seus pais fizeram para o seu futuro, vendo-se sempre tendo de ser aquela garota perfeita, com notas perfeitas e com a pressão de ter que tomar decisões quando ela sequer sabe o que realmente deseja. Por vezes me coloquei no lugar dela, pensando o quanto suas atitudes estavam erradas, mas entendendo perfeitamente as motivações dela para agir como ela agia e pensando que talvez eu fizesse o mesmo se estivesse vivenciando o mesmo que ela. Ouvi muito também que Madlyn era imatura, mas não a vejo assim. Acredito que tudo que aconteceu foi porque com Bennet ela se sentia uma pessoa livre das amarras que as acompanharam durante sua vida e porque ela de fato nutria um sentimento sincero por ela. Vou até me repetir aqui: não justifica o que ela fez, mas faz com que seja possível ter empatia para compreender.

“Você sorriu para mim como um garoto sorri para uma garota, e fiquei perdida em você por um instante, envolvida demais com a hipótese de aquilo tudo dar errado.”


A Verdade Sobre Nós é um livro curto, intenso, que faz você refletir sobre muitos aspectos, e que traz uma personagem humana com erros e falhas, que precisa lidar com muita responsabilidade. Eu realmente amei e indico a leitura desse livro, mas alerto que essa é uma daquelas histórias que você precisar ler com a mente e o coração abertos.
comentários(0)comente



24/01/2017

Emocionante, encantador, avassalador.
Bennet,
Comecei a "verdade sobre vocês" achando que seria só mais uma história clichê, com um final clichê, mesmo assim me arrisquei a ler e confesso... me apaixonei por você assim como Madelyn.
Eu sei... hoje você deve olhar para trás e pensar que gostaria de ter mudado boa parte do que aconteceu mas se você mudasse não seria uma história de amor tão épica.
Entenda : Você acabou comigo. Confesso também que não é um livro fácil de ser lido pois não é um simples cliclê e acredito que a maioria das pessoas que começam "a história de vocês", assim como eu, pensam que vai acabar de um modo clichê, no entanto, acaba da forma mais verdadeira, mais realista e emocionante que existe. Sim, eu recomendo "a história de vocês" para todos que querem fugir do clichê, para todos que não querem uma simples história de amor mas sim fatos que poderia acontecer na vida real.
Bennet, você e Madelyn têm a história de amor mais linda que já li em muito tempo.

Com amor,
Juliana.
comentários(0)comente



Gabrielly 09/03/2018

Diário de adolescente
Me senti como se tivesse lendo o diário de uma adolescente de sexta série, que se apaixona pelo professor. Um livro muito raso, pq em nenhum momento damos para saber na verdade qual o real sentimento do Bennet, o livro inteiro é ela dando desculpas e blá blá. Li até o final pq achei a fosse melhorar e confesso q li achando q ela se suicidava. Eu já imaginava um final parecido, mas foi tão besta que chegou a ser irritante e idiota a forma como ele descobriu. No geral a escrita da autora é boa, ela sabe fazer com que você vá até o final. A estória em si que não me prendeu, nem me fez se sentir empolgada, apenas entediada.
comentários(0)comente



Aninha | @pactoliterario 18/05/2019

Madelyn é um garota que vive para fazer as vontades dos pais. Ainda no ensino médio, Madelyn consegue entrar em uma faculdade, mas tudo isso para agradar a eles. Típica garota que tira A em todas as provas. Ela e seu irmão, tem um tipo de rivalidade, pois seu irmão quer ser exatamente como ela, apenas para agradas os pais e tirar Madelyn do topo de filha querida.

A vida de Madelyn tem uma reviravolta quando ela conhece Bennet, professor de biologia da faculdade que ela está estudando. Bennet tem 26 anos e com certeza não pode se envolver com Madelyn, por que apesar dela ser menor de idade, está nas normas que um professor não pode se envolver com um aluno.

Mas Bennet não segue as normas, ele espera até o fim do ano letivo para dar o seu primeiro beijo em Madelyn, mas enquanto isso, os dois se encontram frequentemente, e pode acreditar, apesar da vontade dos dois, em nenhum momento eles se beijam. Mas tem um pequeno problema: Bennet pensa que Madelyn tem 19 anos e obviamente, acha que ela já terminou o ensino médio.

A vida dos dois muda quando os pais de Madelyn percebe o que está acontecendo e a história de amor dos dois não é mais flores.

Esse final, sinceramente, me deixou boquiaberta. Eu esperava um final lindo e maravilhoso, mas isso não aconteceu. A escrita da Amanda é leve e flui facilmente, faz você querer cada vez mais passar as páginas, comigo foi assim, a cada página que passava eu queria mais e mais, até que chegou no final, o momento da maioria das pessoas ficarem perplexa. Eu amei esse livro, e com certeza irie ler os outros livro da Amanda (vulgo Mandy Hubbard).

Resenha postada originalmente no blog Pacto Literário.

https://www.pactoliterario.blogspot.com.br
https://www.instagram.com/pactoliterario
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Lightwood 05/05/2017

"Todas as cartas de amor são ridículas"
Esse livro me trouxe diferentes sentimentos com o desenrolar de toda a história. Em um momento eu não sabia por que estava lendo e noutro queria saber mais sobre como iria terminar. A escrita da Amanda Grace não é complicada. Não possui tanto detalhamento de ambiente. É uma escrita medíocre, por assim dizer. Recomendaria para pessoas que estão começando a ler ou tomando o hábito da leitura. Os personagens Principais – Madelyn e Bennet – não são um encanto. Eles são bem normais e sem tanto a mostrar. Resumindo, ela tem problemas com os pais controladores e ele só tem bastantes provas para corrigir. Ela, que narra a história a todo momento, é uma típica adolescente. Ela confunde o amor com a paixão. Ela confunde um amor construído por anos com uma paixão forte. Esses momentos me fizeram lembrar de um poema do Fernando Pessoa que dizia que “todas as cartas de amor são ridículas”, pois nós ficamos bobos quando vamos escrever algo do tipo, do mesmo modo que Madelyn é.
Aqui temos um livro mediano e sem muitos impactos. Você tem noção do que vai acontecer no final, então, quando acontece, não te deixe atônito e nem nada do tipo. A história não possui algo que te prenda de fato, mas é bom para quem procura algo para ler num dia de folga. Só para descontrair a mente. Não comprei muito o amor dos dois, embora tenha uns momentos legais. Não foi aquela coisa de “terminem juntos por favor”, foi algo mais para “Como é que isso vai terminar? ”. Li para descontrair a mente e foi só para isso que serviu mesmo. O livro é legal e quebra o galho em momentos de tédio. Achei que o final seria uma coisa meio ‘’méé’’, mas fora algo bom.
comentários(0)comente



Nathalia 30/01/2016

A verdade sobre nós - Amanda Grace
Escrito pelo autora Amanda Grace e publicado pela editora Intrínseca em 2014, o livro "A verdade sobre nós" fala sobre o romance entre Bennett Cartwrigth e Madelyn Hawkins.
Eu preciso começar falando que não sou muito fã desse livro. E já vou lhes dizer o porque.

"Eu só via você e o quanto o queria. Sabia, naquele momento, que precisava fazê-lo ser meu, a qualquer preço, apostando para ver o que o futuro nos reservaria.
Só queria ter sabido, naquele dia no Rio, que não eram minha vida, minha dor, que estava em jogo.
Eram as suas."

Madelyn é uma adolescente extremamente inteligente, aos 16 anos ela conseguiu uma bolsa na faculdade sem nem antes ter concluído o Ensino Médio, ela está adianta com relação a todos os seus colegas de turma. A sua vida é baseada nos estudos, com um objetivo fixado pelos seus pais, ser tão bem sucedida como a sua mãe e não ser uma fracassada como o seu pai. A falta de amigos de verdade e de um relacionamento saudável com a sua família faz de Madelyn uma adolescente solitária. Ela estava cansada de ter seus pais decidindo a sua vida por ela, escolhendo o que ela deveria estudar e tornando uma guerra de quem é o mais inteligente entre ela e o irmão mais velho, Trevor.
Porém, tudo muda quando ela começa a estudar na faculdade. Ninguém imagina que ela tem apenas 16 anos e que ainda não concluiu o ensino médio. E foi na aula de Biologia da faculdade que ela conhece Bennett Cartwright, seu professor.
O livro é narrado por Madelyn em forma de carta. Uma carta endereçada a Bennett. Uma carta que conta como ela o admirava, o que ela sentia e porque não contou para ele que tinha 16 anos quando eles começaram a se relacionar. Sim, é isso mesmo, a menina ficou toda apaixonada pelo professor e o professor também se apaixonou por ela, mas, pra ele, ela tinha 19 anos, então, não era uma coisa totalmente ilegal, mesmo ela sendo sua aluna. Porém Madelyn estava toda apaixonadinha que não ousou contar a verdade para o seu professor.
Bom, minhas considerações sobre esse livro é que: o título é bem mais interessante do que o enredo. Pra mim, Madelyn é só uma adolescente perdida, que teve sua primeira paixão, não mediu as consequencias e se ferrou bastante, e ainda ferrou com o cara que ela gostava. Ela foi boba, ingênua e egoísta e Bennett também foi um pouco burrinho nessa história. E no final, deu um tapa feio na cara dela. O que me deixou um pouco com raiva dele. Por que se ele gosta dela , que diferença faz se ela tem 16 ou 19 anos? De qualquer maneira ela seria mais nova, de qualquer maneira ela era sua aluna e de qualquer maneira os dois se davam bem juntos.
Eu li o livro, que achei monótono, esperando por um final surpreendente. Pena que só fiquei esperando mesmo. Nada demais. No fim das contas, o que eu mais gostei no livro, foi o nome do cachorro de Bennett, ele se chama Voldemort.

site: http://epilogosprologos.blogspot.com.br/2016/01/resenha-verdade-sobre-nos.html
ana paula 26/01/2017minha estante
Também detestei este livro, muito chato




113 encontrados | exibindo 31 a 46
1 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 | 8