Pequenas Grandes Mentiras

Pequenas Grandes Mentiras Liane Moriarty




Resenhas - Pequenas grandes mentiras


253 encontrados | exibindo 46 a 61
4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 |


Rodrigo 01/08/2018

Pequenas Grandes Mentiras
Excelente! Um livro de leitura fácil e gostosa, bem escrito e sobre a vida comum, que nos leva naturalmente a algum tipo de envolvimento com os personagens, transportando em nossas próprias vidas. Risos e choro se misturam em meio a uma narração impecável. Virei fa de Moriarty.
comentários(0)comente



FabyTedrus 29/07/2018

Pequenas Grandes Mentiras - Liane Moriarty
Segundo livro que leio da autora e estou gostando cada vez mais dela. Os personagens são muito bem construídos, cativantes, interessantes e muito reais. A história toca em assuntos sérios como violência domestica, bullying, de um jeito muito atual, real e comovente. Afinal "- Isso pode acontecer com qualquer um". O ritmo é muito bom, as mensagens dos outros pais, os capítulos intercalados entre as personagens principais, Jane, Celeste e Madeleine, a investigação, as reviravoltas e os mistérios... Um livro ótimo do início ao fim. Adorei, recomendadíssimo. E se você não ler 'Ai, Calamidade!' Hahaha! (Out/16)
comentários(0)comente



Cleyson - @bookseestante 27/07/2018

Quando era para ser apenas um encontro de pais na Escola Pirriwee, algo terrível acontece, os pais estão discutindo um com o outro, no andar da escola alguém cai e morre. Quem morreu? Será que foi acidente? E se não foi, quem é o(a) culpado(a)?

Nessa história conhecemos três mulheres fortes que escondem alguns segredos sobre suas vidas. Ambas têm filhos e os mesmos estudam na mesma escola. Suas vidas parecem ser comuns, mas quando adentramos à história de cada uma delas, percebemos que nem tudo aparenta ser como é.

Esse é o primeiro livro da Liane que leio, confesso que me apaixonei pela escrita da autora e sua forma de trabalhar com questões tão fortes de uma maneira nada densa. O livro é narrado em terceira pessoa onde observamos cada protagonista individual.

O livro começa com o fatídico acidente, o qual não sabemos quem morreu e o que desencadeou essa morte. Em seguida, voltamos ao tempo e conheceremos toda a trajetória até chegar a noite trágica. Esse ponto me deixou muito curioso para saber quem morreu. Todo instante tentei criar teorias e descobrir tudo. Além das narrações contando a vida de cada personagem e seus dilemas, a autora inclui relatos dos pais que estavam no evento informando tudo o que aconteceu gradativamente.

Sem sombra de dúvida esse foi um dos melhores livros que li este ano. O peguei sem muita pretensão e me vi muito envolvido com todo o enredo. Muitos temas são tratados no livro, como, por exemplo violência contra a mulher, e nos mostra que todos temos pequenas grandes mentiras que contamos para deixar nossa vida mais bela para o outro.

❝ Quando alguém que você amava dependia de sua mentira, ela vinha fácil.

Após ter terminado o livro, descobri que há a série produzida pela HBO, mas, ainda não assisti. Espero que seja tão boa quanto o livro, se bem que só pelo elenco estou inclinadíssimo a assistir: Reese Witherspoon, Nicole Kidman e Shailene Woodley.
comentários(0)comente



Mi 19/07/2018

Pequenas Grandes Mentiras
(...)a Liane ( Lili, para os íntimos rsrs ) escreve de um jeito bem informal e com vocabulário que todo mundo entende, a história tem amor, comédia, mistério e assassinato, ou seja: Só coisa boa!
Uma coisa bem diferente que tem no livro é todo final ou começo de capítulo tem pessoas sendo entrevistadas por um detetive sobre algo que só vai acontecer no final. Posso tirar ” Detetive” da minha lista de profissões, porque eu passei o livro todos rachando a cuca com minhas teoria e no final da história eu queria matar a diaba porque estava tudo tão óbvio que no fim você leva um tapa na cara. Sherlock Holmes teria vergonha de mim!(...)

Para continuar lendo, acesse:

site: https://aartedasresenhas.wordpress.com/2018/02/01/livro-pequenas-grandes-mentiras/
comentários(0)comente



Diego Lunkes 18/07/2018

Pequenas Grandes Mentiras
Um dos grandes desserviços que as histórias podem fazer é romantizar personagens e situações. Esta prática, tão arraigada na literatura, cria nos leitores expectativas que entram em conflito com situações do mundo real, normalmente levando a decepções quando as pessoas encontram problemas ao invés de finais felizes. E isso se agrava quando situações que deveriam ser inaceitáveis acabam, aos poucos, se tornando aceitas devido à lavagem cerebral cultivada a longo prazo através destas histórias.

Felizmente, este problema vem sendo cada vez mais discutido e histórias mais honestas surgem a fim de reparar os danos criados pela romantização. E este é o maior mérito do romance de Liane Moriarty.

"Pequenas Grandes Mentiras" apresenta uma história sob o ponto de vista de três personagens: Jane, Madeline e Celeste. Com o recurso de fragmentação da trama, a autora não induz o leitor a torcer por uma personagem em específica, o que já é um ponto positivo. Aliás, Moriarty faz questão de expor as falhas de todos os seus personagens. Além disso, aproveita esta fragmentação para discutir o tema da violência de diferentes ângulos, demonstrando como qualquer pessoa pode ser uma vítima e das mais diferentes maneiras.

"Ocorreu-lhe que havia muitos níveis de maldade no mundo. Maldades pequenas como suas palavras maldosas. Como não convidar uma criança para uma festa. Maldades maiores como abandonar a mulher e filha recém-nascida ou dormir com a babá do filho. E havia o tipo de maldade que […] não vivenciara: crueldade em quartos de hotel, violências em lares de classe média e menininhas sendo vendidas como mercadorias, destroçando corações inocentes."

A bola de neve de violência e mentiras que aumenta progressivamente na história tem seu estopim quando Jane busca seu filho, Ziggy, em seu primeiro dia no jardim de infância, onde o garoto é acusado por sua coleguinha, Ammabela, de tê-la estrangulado. Renata, a mãe da menina, embora consternada, está disposta a perdoar o ato de bullying desde que Ziggy peça desculpas para Ammabela. Porém, ele nega a acusação e, confiando em sua palavra, Jane sai em sua defesa. Embora compre a briga por seu filho, Jane não está segura de que Ziggy diz a verdade, isto porque a gravidez do garoto foi consequência de um ato de estupro no qual seu agressor a manteve imobilizada estrangulando-a. Esta associação do gesto de violência do agressor com o do filho, somada ao seu trauma e a sua insegurança, levam Jane a crer que Ziggy possa ter uma disposição para maldade que seja hereditária.

Enquanto praticamente todas as mães e professoras do jardim de infância hostilizam Jane, Madeline, mãe de Chloe, simpatiza com Jane e compra a briga contra Renata. Enquanto a trama das duas personagens se entrelaçam, em paralelo acompanhamos os demônios enfrentados pela própria Madeline. Casada pela segunda vez, Madeline mantém a guarda da filha adolescente do primeiro casamento, Abigail. Contudo, as constantes brigas com a filha rebelde fazem a garota escolher morar com o pai, Nathan, e a madrasta, Bonnie. A perda da preferência de sua filha representa uma angústia para Madeline, pois Nathan a abandonou ainda grávida de Abigail. A angústia torna-se ainda maior quando Nathan encena o papel do bom pai de família, basicamente fazendo pela a família de Bonnie tudo que deveria ter feito por Madeline e Abigail. Além de denunciar esta forma de agressão emocional, Liane Moriarty ainda expõe a estratégia utilizada pelo ex-marido que, quando confrontado com uma reação natural de raiva da esposa, tenta retratá-la como emocionalmente desiquilibrada para desviar o foco de suas culpas.

"Ex-maridos deveriam morar em outros bairros. Deveriam colocar seus filhos em outras escolas. Deveria haver leis para evitar situações como aquela. Não era para a pessoa lidar com sentimentos complicados de traição, mágoa e culpa no meio das gincanas dos filhos. Sentimentos como esses não deveriam ser expostos em público."

Após apadrinhar Jane, Madeline lhe apresenta sua amiga Celeste, que completa o tripé de apoio emocional que as personagens representam umas às outras. Enquanto Celeste tenta ajudar Madeline e Jane com seus problemas, ela própria luta contra a violência doméstica de seu marido, Perry. Neste núcleo da história, Liane demonstra como ocorre o ciclo vicioso de um relacionamento abusivo. Perry agride Celeste. Celeste defende-se agredindo Perry. Perry pede desculpas a Celeste, comprando presentes caros e lhe tratando da maneira mais amável possível. Até a próxima agressão, onde o ciclo recomeça.

"Mas era tão surpreendente que o homem bonito e ocupado que acabara de lhe oferecer uma xícara de chá e estava trabalhando no computador no outro cômodo, e que viria correndo se ela o chamasse, que a amava do fundo do seu coração estranho, provavelmente fosse matá-la."

Além de acertadamente refutar a romantização e expor de forma nua e crua as violências físicas, psicológicas e emocionais sofridas por suas personagens, Liane Moriarty ainda mostra como é possível tentar escapar destas situações na medida em que suas personagens começam a reagir à violência e se livrarem de seus problemas. Com isso, a autora praticamente dialoga com possíveis leitores vítimas destes abusos e oferente diferentes meios de combater diferentes tipos de violência. Pequenas Grandes Mentiras refuta a funcionalização da violência e o estereótipo da inimizade feminina, substituindo-os pela ideia de que as mulheres podem (e devem!) se unir para superar os seus problemas.

site: https://barbaliterata.wordpress.com/2018/07/18/pequenas-grandes-mentiras-2/
Ari Phanie 18/07/2018minha estante
Ótima resenha!


Diego Lunkes 18/07/2018minha estante
Brigadão, Ari :) Espero que os outros livros da autora sejam tão bons quanto este.


Ari Phanie 18/07/2018minha estante
Tbm espero :)




Gabriela.Almeida 12/07/2018

Se você está procurando um suspense que valha a pena, esse é um deles.
Primeiro livro que leio da autora, e eu amei.
Incrível como a partir de um primeiro dia de aula do Jardim de infância tanto enredo pode acontecer.
Só posso deixar aqui então a minha imensa recomendação para que leiam esse livro maravilhoso.
comentários(0)comente



Valquíria 20/06/2018

Cumplicidade
Fazia muito, muito e muito tempo que não lia um livro tão perfeito, com um enredo impecável, com personagens tão bem construídos e finalmente um final surpreendente!! Esse livro é aquele tapa na cara que precisamos, para de vez e quando sairmos da nossa zona de conforto!
comentários(0)comente



Rosa 16/06/2018

Incrível
Dia frio, cobertor e um livro eletrizante. Esse é o cenário da minha leitura, que junto com uma historia cativante fizeram 400 paginas parecerem 100.
Liane novamente traz os elementos de capítulos curtos com ponto de vistas intercalados, neste livro temos a visão de novas 3 mulheres Jane, Celeste e Madeline. Cada uma com suas características e problemas familiares diferentes, a autora trabalha cada um desse vários problemas dentro do livro junto com um grande mistério, alguém morreu na noite de concursos da escola. Não sabemos quem nem como, e toda a construção da historia até descobrimos o final é eletrizante, não consegui largar ficava curiosa com a resolução a cada fim de capitulo eu corria pro próximo, assim como em O Segredo do meu marido, é uma leitura que faz o mundo a nossa volta parar.
Pequenas mentiras que contamos podem causar grandes estragos ! Recomendo.
comentários(0)comente



Biblioteca Álvaro Guerra 13/06/2018

Às vezes as pequenas mentiras acabam sendo as mais letais...
Um assassinato, um trágico acidente ou apenas adultos se comportando como crianças?
O fato é que alguém morreu.

Empreste esse livro na biblioteca pública

Livro disponível para empréstimo nas Bibliotecas Municipais de São Paulo. Basta reservar! De graça!

site: http://bibliotecacircula.prefeitura.sp.gov.br/pesquisa/isbn/9788551001578
comentários(0)comente



Laura 22/05/2018

MEU DEUS
Esse foi mais um livro indicado pela faculdade que eu peguei meio cabreira para ler. Comecei sem muita motivação, e isso eu confesso envergonhada agora que terminei a última página. Pequenas Grandes Mentiras é maravilhoso, atual, leve e, ao mesmo tempo, intrigante e muitíssimo pertinente na nossa sociedade.

A leitura é muito bem arranjada e gostosa, adotando um clima de suspense que vai te embrenhando cada vez mais na trama apresentada logo nas primeiras páginas. Não tem muita enrolação. Cada pequeno detalhe apresentado reverbera mais tarde nos personagens. Os diálogos fluem com naturalidade e o ritmo da narrativa é perfeitamente equilibrado.

A abordagem dos problemas femininos da sociedade atual é incrível. O livro abre espaço para reflexões fundamentais na modernidade e oferece uma luz no fim do túnel para aquelas que acabam se identificando com as linhas das personagens.

Recomendo demais a leitura! 5/5
comentários(0)comente



Bia Sousa 20/05/2018

Maravilhoso, como esperado
Meu primeiro contato com o livro da autora foi com O Segredo do Meu Marido e já me surpreendi logo de cara, então não pensei duas vezes em pegar Pequenas Grandes Mentiras para ler.


Em Pequenas Grandes Mentiras teremos três mulheres como personalidades diferentes tendo a suas vidas enlaçadas pela escola dos filhos. O que se sabe inicialmente é que alguém morreu, sabe-se também que foi na escola, no dia do do Concurso de Perguntas que sempre acontece. E o motivo dessa morte? Quem morreu? Quem matou? Não sabemos! Com a ajuda do detetive Adrian Quirlan descobriremos como esse evento culminou em um assassinato.


Celeste faz parte de uma das três mães que fazem parte do tripé principal da história. Rica, linda, mãe de gêmeos e leva uma vida perfeita para todos que vivem em sua volta, porém na verdade ela leva uma vida muito conturbada dentro de casa, confundindo os seus próprios sentimentos. Com isso carrega consigo grandes mentiras, mas ela sabe como ninguém disfarçar toda essa situação.


Conheceremos também Madeline, uma mulher em seu segundo casamento, que já tem uma filha adolescente do primeiro casamento e outros filhos com Ed, seu atual marido. Madeline levava uma vida perfeita até seu ex marido decidir que quer reparar todos os seus erros, principalmente o de ter abandonado a sua filha ainda criança. Para piorar a situação, seu ex marido decide ir morar próximo de sua casa, matriculando sua filha mais nova na mesma escola que seus filhos vão estudar. Um inferno, né?!


Temos também Jane, mãe solteira, que não revela nem sob tortura quem é o pai de seu filho.Por isso ela decide se mudar, buscando liberdade para viver em paz com o seu pequeno. Reservada, simples ela se sente um alien ao conhecer as mães da escola que seu filho foi matriculado. Sua vida fica ainda pior quando seu pequeno filho é acusado de agredir uma menina da escola, fazendo com que os outros pais queiram a expulsão de seu filho da escola e obrigando seus filhos a não conversarem com o pequeno, porém ela tem certeza que seu filho jamais seria capaz de tamanha atrocidade.

Jane acaba sendo julgada por ser mãe solteira, as outras mães acusam que o comportamento do filho se deve a não ter presença de um pai, torando uma criança agressiva com os colegas. Porém Medeline e Celeste são irredutíveis e não abandonam Jane, continuam apoiando ela nesse momento tão conturbado que ela está passando.

Em um cenário onde todos querem se apresentar como perfeitos, muitas mentiras vão aos poucos tomando proporções ainda maiores.

Três mulheres angustiadas pelas próprias mentiras que contam para parecerem mais fortes, rodeadas por bullying e outros assuntos que levaram a um assassinato, além disso devemos levar em consideração a presença de crianças que mentem sem ter noção das consequências de seus atos, crianças também podem ser más.

Um livro com um enredo totalmente envolvente, com personagens que nos deixavam confusos devido a vida que escondia dos outros, com motivos suficientes para matar alguém, além disso encontramos no livro personagens que poderiam ser assassinados devido aos seus atos.

Fiquei mais uma vez encantada com a escrita da Liane Moriarty, os finais de seus livros me fazem querer fazer check-in no chão, mas se eu me importo? Claro que não! Eu amo, recomendo e já quero ler outros livros da autora.

Sabe o que é melhor, o livro foi adaptado pela HBO, e já estou super ansiosa para assitir.

site: https://www.instagram.com/p/Bd5LgmLgAaL/?tagged=resenhasdober%C3%A7o
comentários(0)comente



Gabriel Resende 05/05/2018

Se você está procurando um suspense que valha a pena, chega pra cá porque esse é um deles. Pequenas Grandes Mentiras é uma história muito bem elaborada e feita para te deixar desesperado para ler todo o livro de uma só vez.

Toda a história gira em torno de um acontecimento que é mantido em segredo até as últimas páginas. Não se sabe ao certo se o que aconteceu foi um acidente, má sorte ou, possivelmente, um assassinato. Com algumas poucas pistas soltas no decorrer da história, Liane Moriarty foca em te dar informações para criar as mais diversas teorias enquanto ela te guia discretamente para o ponto onde tudo se encontra.

Deixando o mistério de lado, o livro tem três personagens que se destacam. Celeste, Madeline e Jane. Todas elas mães com filhos que estudam juntos. Casada e mãe de gêmeos, Celeste é aquele tipo de pessoa que você olha e sabe que é o exemplo de vida perfeita. Madeline está em seu segundo casamento e tem três filhos, sendo que a mais velha é do primeiro. Ela é aquele tipo de pessoa que não hesita em falar e defender o que pensa. Jane é uma mãe jovem com um passado complicado, ela e seu filho acabam de se mudar para um novo começo.

Pequenas Grandes Mentiras não é um simples suspense onde passamos todo o tempo tentando desvendar o mistério e fim. O livro trata de diversos assuntos sérios, como estupro, violência doméstica, bullying e mais, todos esses retratados de maneira bem real, deixando bem claro que, infelizmente, esse tipo de coisa está presente em nossas vidas.

A edição lida foi a mais recente, com a capa especial da série lançada pelo HBO com o nome original “Big Little Lies”. A imagem do doce despedaçado com um fundo cinza foi substituída pelos rostos das três protagonistas interpretadas por Reese Witherspoon (Madeline), Nicole Kidman (Celeste) e Shailene Woodley (Jane). A impressão é em papel pólen e a publicação brasileira foi feita pela Editora Intrínseca.

Como dito anteriormente, o livro foi adaptado para uma minissérie de sete episódios produzida pelo HBO. Todos os episódios já foram exibidos e mantém a qualidade do livro. Caso queria saber mais sobre a série, criamos uma lista com alguns motivos pelos quais ela não pode ficar de fora da sua lista, confira nesse link aqui.
comentários(0)comente



Wania Cris 01/05/2018

Leitura aprazível
Leitura agradável, estória interessante, personagens cativantes, porém, sem surpresas. Quem ler atentamente consegue prever os acontecimentos, mas, ainda assim, vale bem a leitura.
comentários(0)comente



PJ 29/04/2018

Um dos livros que mais amo na vida
A trama gira em torno dos acontecimentos anteriores à morte ocorrida em uma festa oferecida aos pais da escola Pirriwee, na qual estudam os filhos de Madeline, Celeste e Jane. Pequenas Grandes Mentiras se inicia nessa noite, porém não é revelado quem foi a vítima e se a morte foi acidental ou um homicídio. Logo, toda trama retrocede alguns meses a fim de construir todos os eventos que desencadearão a morte.
O plot de Pequenas Grandes Mentiras pode ser o mistério envolvendo o acidente ou homicídio. Ainda que o leitor fique extremamente curioso acerca dessa revelação e também seja um grande motivador e impulsionador da leitura, é o talento de Liane Moriarty em construir suas personagens e sua forma de abordar questões importantíssimas (como bullying, violência doméstica, entre outros assuntos pertinentes) que verdadeiramente conduz a narrativa. Escritos em terceira pessoa, os capítulos se alternam de acordo com a perspectiva de cada protagonista e carregam suas visões de realidade, principalmente as pequenas mentiras que elas contam a si mesmas e por isso o leitor deve estar atento para enxergar e refletir além do que é dito por elas.
Durante todo o livro, existem trechos de depoimentos dos pais presentes na festa, demonstrando não só os problemas existentes entre eles, como também as inúmeras interpretações errôneas dos fatos. Além de cada questão poder receber diferentes pontos de vista, elas também são alteradas de acordo com a interpretação que recebem e ilustram a força prejudicial de boatos e fofocas, sendo também um bom exemplo de diferentes níveis de maldade inerentes ao ser humano. Afinal, todos compartilhamos de características que, embora diferentes e próprias a cada um, nos torna complexos e imperfeitos (segundo uma visão idealizada), no sentido de carregarmos o bem e o mal em nossa personalidade.
comentários(0)comente



Sandra 14/04/2018

Otimo abril 2018
Estoria da vida de tres mulheres, completamente diferentes, mas ligadas pelos filhos. Pequenas mentiras tornam enormes conflitos. Uma boa leitura.
comentários(0)comente



253 encontrados | exibindo 46 a 61
4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 |