Só os Animais Salvam

Só os Animais Salvam Ceridwen Dovey




Resenhas - Só os Animais Salvam


34 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


LidianeReader 20/06/2017

Um livro que só parece fofinho...
Não que ele não tenha momentos fofos, mas já no primeiro conto notamos que esse não é o foco. É um livro que até pode ter sido de uma leitura fácil, para alguns, mas para mim, precisei voltar a leitura algumas vezes... Por querer absorver bem o que me foi apresentado.
A autora nos coloca nesse universo onde os animais sofrem abusos de diversas formas... Até mesmo quando amados e moldados a nossa "imagem e semelhança". Encaramos aqui a nossa forma mais egoísta e controladora e os animais e que pagam o pato pelas nossas escolhas, crenças e personalidades.
A cada conto a leitura fica um pouco mais compreensível. Os nossos olhos tbm vão sendo abertos e nossa compreensão sob a forma como a autora escreve, é ampliada. Às vezes o texto parece inacabado, mas a morte nem sempre avisa, não é mesmo? E tbm nem sempre compreendemos o motivo de estarmos passando por determinadas coisas.
Temos histórias divertidas, temos momentos afetuosos, outras obras e autores citados. Mas o que realmente vai ficar na nossas mente é o quanto somos egoístas e como achamos que tudo a nossa volta nos pertence e como uma criança birrenta, mimada e sem zelo, quebramos, alteramos tudo a nossa volta. Queremos que tudo tenha o nossa marca, nosso jeito ... E o nosso jeito é uma das piores coisas que poderíamos querer que os nossos pets adquiram.
Cris 19/08/2017minha estante
undefined




RoyalUnicorn 16/06/2017

"Parece ser esta a maldição de toda a criatura terrestre, ser incapaz de não se espalhar, sempre bagunçando as coisas, carregando a vida conosco, deixando-a para trás."
Só os animais salvam ou O Livro sobre a Crueldade Humana.
Ainda não sei como escrever essa resenha, meu coração continua apertado com essas trágicas histórias desses coitados animais. Pensar que o humano é o culpado por esses fatos e na crueldade da nossa espécia me dá nojo.
O livro possui dez contos que tem sentimentalismo na dose correta, achei uma jogada esperta da autora colocar como plano de fundo em alguns desses contos fatos históricos da nossa história humana como a Guerra Fria que está presente no conto: 'Na Terra e no Espaço' da Alma de Tartaruga. Não cheguei a chorar em nenhum desses contos mas em alguns eu fiquei com um nó no estômago que continua até agora. Admito que não foi a premissa que me chamou atenção, apesar dela ser um fato muito atraente(Animais narrando, perfeito!) o que realmente me fez comprar foi a capa e em principal ter um gato nela! Eu simplesmente sou apaixonada por gatos.
Acompanhar a vida até a morte desses animais foi uma trajetória que eu nunca esquecerei . Cada conto mostrava como esses animais tinham uma parte humana que querendo ou não foi colocada por nós neles, como no conto da Alma de Urso que foi tão triste de ler graças ao final ou a Alma de Elefante que toda a tristeza do conto foi culpa humana.
Meus contos favoritos foram de certeza: 'Alma de Tartaruga(Na Terra e no Espaço)' e 'Alma de Elefante(Eu, o elefante.)'.
Adorei que em alguns desses contos tivemos a narração de histórias como no conto do urso e do elefante. Porém como nem tudo são flores eu fiquei bem insatisfeita com os contos: 'Alma de Chimpanzé(A Mocinha de Peter Vermelho)', 'Alma de Mexilhão(Em Algum Lugar da Costa)' e 'Alma de Papagaio(Psitacófila)'. Que em minha opinião não me acrescentaram nada, nenhuma moral apesar do Alma de Chimpanzé ter uma moral, mas não algo marcante.
Enfim eu recomendo muito ler esse livro. Ele vale a pena cada investimento, leiam!
Edméia 13/09/2017minha estante
* Fiquei curiosa quanto a este livro ! Mas , temo chorar muito ! Odeio maldade e , principalmente , com os animais ! Obrigada pela resenha , RoyalUnicorn ! Um abraço. Boas leituras !




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Karen Silva | @LendodePijamas 03/08/2017

Se você está procurando uma leitura sensível e intensa, que vai tocar no fundo da sua alma e te fazer questionar a sua essência enquanto ser humano, esse é o livro perfeito.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Só os animais salvam nos apresenta dez contos narrados por diversos animais. Cada um deles irá narrar sua história de vida e morte em períodos históricos importantes: Segunda Guerra Mundial, Guerra Fria, etc. Eles ainda irão nos presentear uma visão dos seres humanos única e muito necessária.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Esses relatos são repletos de uma sensibilidade ímpar que, acredito eu, só mesmo os animais são capazes de entregar. O livro começa de forma despretensiosa, até confusa, mas ele vai te conquistando aos poucos e, quando notar, você já vai estar completamente arrebatado pelas histórias desses animais.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Um fato que dá uma beleza especial à narrativa são as referências a grandes autores. Como a tartaruga que sonha em ser bicho de estimação do Tolstói, ou o golfinho que escreve cartas para Sylvia Plath. Aliás, esses foram os meus dois contos favoritos, nos quais fui capaz de sentir a senciência animal em sua forma mais verdadeira.
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Ver tanto do humano no animal, irá te levar a compreender melhor o animal no homem. E, para mim, esse é o objetivo principal: ver o humano pelos olhos de alguém que é capaz de nos sentir e compreender verdadeiramente. E quem melhor para isso do que nossos amados e puros animais?
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Ceridwen Dovey nos entrega um livro poderoso, cheio de beleza e autenticidade, no qual sentimentos de empatia, esperança, tristeza e amor transbordam. Ela nos apresenta os animais como os seres preciosos que são e nos faz questionar a maneira como os temos tratado. Só os animais, com sua genuidade, são capazes de entender o verdadeiro sentido da vida. E, se formos espertos, devemos segui-los.

site: https://www.instagram.com/lendodepijamas/
Tali @letrasmaislivros 03/08/2017minha estante
Quero tanto ler este livro! Amei sua resenha!




Jé Cerqueira | @contudoeentretanto 28/07/2017

”O que significa ser humano? Talvez só os animais saibam.’’
Só os Animais Salvam é um livro que ao mesmo tempo que é inocente também sabe ser bem cruel. São contos narrados por animais que passaram por algum conflito, no caso as diversas guerras ocasionada por nós, meros humanos. Contudo, não é um livro em que você verá mortes torturantes, sofrimento declarado, e até mesmo crueldade para com os animais, pelo contrário, é um livro sobre vida e morte, desde o momento que os animais nascem até sua morte. Mas é claro que sofreremos com essas histórias, não é mesmo? Fica tudo subentendido de um jeito tocante.

Cada capítulo, ou melhor conto, vai ser contado pela alma de um animal, sabendo que estes não vivem mais entre nós. Sendo, talvez, um detalhe para dar leveza a história. Todos os animais, como narradores, vão contar sua trajetória por diversas guerras, tanto como coadjuvante dela ou até mesmo participantes, e na maioria delas teremos a menção de diversos ícones da literatura, como Tolstói, Virginia Wolf, Sylvia Plath, entre outros.

O que mais mexe conosco nesse livro é a simplicidade, inocência e lealdade dos animais para com os humanos, no caso seus ‘’mestres’’, mostrando o que o ser humano tem de pior, mas que aos olhos dos animais não passa de respeito, independente de qualquer coisa. O olhar que a autora nos passa de cada animal é o que torna o livro incrível, pois ela consegue dar voz a diferentes tipos de animais e sentimentos, nos transbordando de compaixão e desejando acolhê-los por todo mal que um dia fizemos. Ela retrata o amor, respeito, abandono, medo e diversos outros sentimentos de um jeito que você fica remoendo aquilo pelo resto do dia, pensando em como podemos ser tão insensíveis ao ponto de não perceber ou fazer tal coisa, e o pior, com almas tão inocentes e desprovidas de qualquer merecimento de injustiça, dor e sofrimento!

Eu não consegui escolher um conto em que gostasse mais pois todos são incríveis e nos passam uma mensagem e tanto. Alguns deles são: os olhos de uma gatinha que mostra seu amor e talvez sua decepção por Collete, uma escritora francesa, em trincheiras na Primeira Guerra Mundial, um cão que vivenciou a Segunda Guerra Mundial e o sofrimento causado por ela, um mexilhão buscando uma vida melhor e acabando na ilha de Pearl Harbor em pleno ataque, uma tartaruga que passou pelas mão de Tolstói, George Orwel, Virginia Wolf e foi parar no espaço durante a Guerra Fria como cobaia, golfinhos apaixonados por seus humanos mas que serviram a Marinha Americana, e o mais marcante para mim, um papagaio que viveu em meio a Guerra do Líbano. Olha aí kkkk acabei citando quase todos.

Só os Animais Salvam é um livro inteiramente belo, da capa até a contracapa e claro, no conteúdo. Todos os contos nos fazem refletir sobre a natureza do ser humano, em como podemos ser capazes de coisas tão baixas, como usar um ser inocente em guerras.

O que nós somos? Realmente, Só os Animais serão capazes de saber!

Confira a resenha completa com fotos lá no blog: http://contudoeentretanto.com.br/so-os-animais-salvam/

site: https://www.instagram.com/contudoeentretanto/
comentários(0)comente



Jéssica 02/07/2017

Cadê os pet lovers?
Trago hoje pra vocês minhas impressões sobre "Só os animais salvam", de Ceridwen Dovey, da ma-ra-vi-lho-sa da Darkside!
O livro conta com dez mini histórias que são contadas por animais. No caso: Camelo, gato, chimpanzé, cachorro, mexilhão, tartaruga, elefante, urso, golfinho e papagaio. Eu estava doida pra ler essa obra, pois sou apaixonada por bichinhos e não via a hora de adquiri-lo. Os contos se passam em diversas épocas diferentes da história do mundo, como a Segunda Guerra Mundial, a Guerra Fria, etc. Todos eles foram mortos em consequência desses conflitos, e em cada início de capítulo podemos conferir o local e data em que morreram.
Me decepcionei um pouco pois esperava algo bem mais emocionante. O conto do macaco, por exemplo, me deixou BEM confusa e até agora não entendi o que aconteceu. Meus favoritos foram o da gata, da tartaruga e da elefante (esses quase me fizeram chorar, e salvaram minha leitura)

As almas no firmamento vivem somente enquanto lembrarmos de suas histórias. Além desse ponto não há nada, nem para elas, nem para nós.

Quanto a edição, não há o que reclamar. A capa é maravilhosa, e em cada início de uma nova história, temos a ilustração de uma constelação do bichinho da vez. Eu devo admitir que comprei esse mais pela beleza do que pela sinopse (que eu quase nunca leio), e me arrependi por não gostar da narrativa oferecida. Masss pelo menos tá lindo na minha estante.
Um dos pontos positivos é que vários autores e pensadores são citados, como George Orwell 😊 E no fim, eles explicam todas as referências das personalidades e épocas citadas.
Enfim, eu recomendo pra quem gosta de uma leitura rápida e também ama animais, apesar de não ter me agradado muito no geral, alguns contos me encantaram de uma maneira impressionante.

comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Letícia 04/12/2017

Só os Animais Salvam
Esse livro precisa ser lido com atenção, ele precisa ser sentido. São histórias contadas por animais que mostram como eles morreram por atos humanos, crueldades humanas. Eu tentei escolher algum conto favorito, mas cada um mexeu comigo de um jeito diferente, uns mais intensos que outros. Vale a pena ler!
comentários(0)comente



Nico 14/08/2017

Mais ou menos
Primeiro, o que eu posso falar sobre a edição deste livro? Selo Darkside de qualidade. Maravilho! Capa e contra capa belissímos. Adorei o lugarzinho reservado para homenagiar o nosso pet (onde marquei o nome da minha filha canina que já se foi Katie) e como cada capítulo começa com a ilustração de uma constelação do animal envolvido na história.
Agora falando da história, dos contos deste livro, no geral ele não me agradou muito não.
Não sei se fui com muita sede ao pote, mas me decepcionei. Esperava algo mais emocionante, mais cativante e arrebatador. O conto do chipanzé por exemplo, alguém me explica aquilo pois não entendi até agora.
Acredito que fui um dos poucos que não gostaram desse livro. Desculpem... eu tentei e muito.
Mas não foi tudo de se jogar fora não. Destaque para os contos do cachorro, mexilhão e papagaio, no demais... uma bela capa.
Fernanda.Mesquita 31/08/2017minha estante
O que você nao entendeu do conto do chimpanzé???


Nico 01/09/2017minha estante
O chipanzé foi uma experiência que o tornou como um homem, andando, comendo e vestido-se normalmente, morando em um apartamento sozinho, escrevendo cartas para uma mulher e que morre de amores por ela, mas que tem que casar com uma outra chipanzé que está sendo treinada...
Acho que buguei kkkkkkkkkkk


Fernanda.Mesquita 06/09/2017minha estante
É que tipo assim, ele foi treinado para ser humano, tipo em o planeta dos macacos.. E ele sempre foi apaixonado por Evelyn, a mulher do cara que o treinou.. Mas Evelyn era humana e ele nao poderia ter um relacionamento normal. Por isso estavam treinando a uma chimpanzé.. Só que o detalhe é que Evelyn tbm gostava do Peter. Ate que com a guerra a escassez de comida chegou e no final a questão de "cadeia alimentar" chegou e ela provavelmente comeu a chimpanzé e enganou o Peter para colocar ele na jaula novamente e vai come-lo.
Esse foi um dos contos que mais gostei, pois fiquei muito abismada com a atitude de Evelyn.


Fernanda.Mesquita 06/09/2017minha estante
Ignore os erros kkkk


Nico 06/09/2017minha estante
Muito obrigado Fernanda. Juro que só agora que entendi. Vou ler novamente ???


Fernanda.Mesquita 13/09/2017minha estante
Ler mesmo.. Você vai entender melhor. Nesse conto tem muito sobre as atitudes humanas. A Evelyn colocou as prioridades dela e dos filhos primeiro.. Naquele período de guerra estava faltando comida e ai ela viu a unica saída usando Peter. Fiquei chocada!! Quando você ler novamente vai entender.


Natalia :) 16/11/2017minha estante
Finalmente entendi o do chimpanzé!




Samira Oliveira 30/08/2017

A Verdade Que Não Ousamos Ver
“Só os Animais os Salvam” é um livro da DarkSide escrito por Ceridwen Dovey e narrado por animais, mais precisamente, pela alma deles. Com uma emoção sincera, e profundamente o que chamamos de “humano”, a obra consegue nos levar aos mais elevados sentimentos e nos convida a presenciar a vida e a morte de célebres (e outros nem tanto) animais. Com objetivo de homenagear alguns cânones literários que escreveram sobre animais, a autora por vezes transcreve e parafraseia escritos destes homens elevados. Entre os que tiveram sua obra homenageada em “Só Animai os Salvam” estão: Franz Kafka, Thomas Man, Leo Tolstói, Virginia Wolf, José Saramago, entre outros, que foram aquecendo mais ainda o coração.

E o que chamamos de humano? De amor, de amor sincero, o que chamamos de pico da inteligência, do mais evoluído ser, da consciência suprema, da mais alta sapiência. O que chamamos de animal, o que somos, além de animais? Algumas questões como estas me foram sendo levantadas ao longo da leitura; detectei muito de biológico, é visível que a autora fez uma boa pesquisa sobre a fisiologia e costumes sociais dos animais com que ela trabalhou. Também notei uma louvável questão de gênero levantada ao longo dos variados contos (ou mais correto, fábulas?!); em alguns momentos, como é o caso da alma de Tartaruga, que ao viver com um eremita que a considerava como macho, aceitou para si essa verdade, e só se descobriu como fêmea ao mudar de dona – na verdade, ao ser recebida pelos pensamentos da nova dona:

Até conhecer a condessa Alexandra, eu não havia pensado muito sobre meu próprio gênero. Na verdade, pelas décadas que vivi com Oleg, ele acreditou que eu era macho (o gênero das tartarugas é algo difícil de decifrar), equívoco que encorajei para meu próprio entretenimento… (p.118)
Sua consciência como “mulher” só foi aflorada quando a condessa Alexandra passou a ler em voz alta – para si e para a tartaruga – uma das pioneiras autoras feminista, Elizabeth Cady Stanton. Essa qualidade foi reforçada, quando a tartaruga foi dada de presente para Virginia Wolf enquanto esta escrevia “Flush: memórias de um cão” inspirado na relação entre Elizabeth Stanton e seu cão, narrado pela perspectiva deste.

Leia a resenha completa no Blog Dezoito em Ponto
Escrito por Samira Oliveira, crítica literária e estudante de Letras na USP

site: http://dezoitoemponto.com/2017/07/09/so-animais-os-salvam-resenha-a-verdade-que-nao-ousamos-ver/
comentários(0)comente



Dynhofran 28/06/2017

Esse é para quem ama animais e para quem os rejeitam também. É para quem acredita que a gente descobre muito de nós mesmos através de uma narrativa, nesse caso a partir da voz dos animais. Eles que são tão subestimados, amados, mas também atingidos pelo egoísmo de boa parte dos seres humanos - uns de forma proposital, outros pelo simples fato de sermos falhos e egoístas mesmo.

Quando conheci Só os animais Salvam eu fiquei extremamente encantado pela premissa e pela sensibilidade com a qual a história foi apresentada, Estamos acostumados a ver o animal homem falar dos bichos, mas aqui a alma de cada animal ganha voz e desperta no leitor a consciência necessária para que ele reflita sobre suas atitudes perante a seu próximo, a ele mesmo e aos bichos também.

|"Nós humanos nos achamos o máximo, mas o que temos feito com o nosso mundo?"|

Essa é uma pergunta que o livro irá responder através de contos com fábulas, nas quais a alma de cada animal ganha voz, como já disse, e narram seus dias, as observações que fazem sobre seus donos e quem está ao redor, contam suas insatisfações, preocupações, entre outras situações da vida das pessoas no período da guerra. Em meio ao caos, os animais conseguem encontrar esperança e inspiração, numa das atividades mais significativas que nossa espécie já criou: a literatura.
Eles - os humanos, quero dizer - parecem acreditar que o que os separa dos outros animais é sua habilidade de amar, sofrer, sentir culpa, pensar abstratamente, et cetera. Estão enganados. O que os separa é o talento para o masoquismo. É aí que reside seu poder. Ter prazer na dor, tirar forças da privação, isso é ser humano." (pág.: 53)
O livro é repleto de referências a grandes autores, que acabam sendo personagens das histórias também. Uma delas é Virginia Wolf, numa fábula que aborda também a posição e imagem da mulher na sociedade. Tolstói também entra em cena, assim como o autor de "O Mochileiro das galáxias", Douglas Adams. Também há espaço para a questão do gênero, que está no conto da gata, que foi levada para o campo de batalha. Mas questões de fanatismo religioso e hipocrisia também são assuntos abordados nos textos, que mudam de tom a cada capítulos, já que cada um é narrado por um animal diferente, volto a repetir.

Ainda sobre a construção da narrativa a autora se preocupou muito com a questão cronológica e com a linguagem que está de acordo com cada época em que se passa a história.

Estamos diante de um tipo de narrativa que para alguns não é comum. Digo comum porque na minha trajetória como leitor, percebo que muitos colegas e amigos leitores não gostam/costumam ler contos e fábulas, logo não vou dizer de forma alguma que seremos envolvidos por contos que nos serão inspiradores por completo. Um conto sempre irá agradar mais do que o outro, vai de pessoa para pessoa. Cada um recebe de uma forma, compreende de uma forma e se sente tocado de acordo, talvez, por seus defeitos e falhas. Porque é impossível que não nos reconheçamos em pelo menos uma das narrativas.

Muitos podem pensar que esse é um livro de uma leitura fácil, mas se engana - assim como eu. Temos questões sérias, muitas vezes tratadas de maneira engraçada, mas são situações delicadas e muitas vezes parecem inacabadas para que nós possamos parar e refletir. Digo que é uma leitura difícil porque ela fala muito de quem nós somos e tem um poder catártico eficaz. É fácil apenas ser, difícil é parar para pensar e perceber que tipo de pessoa estamos sendo enquanto seres humanos.

Só os animais salvam é um livro especial e de alguma forma sensível, belíssimo. É encantador quando alguém tenta dar voz aos animais, que são seres tão subestimados na maior parte do tempo. Temos aqui um estilo de narrativa que pode não agradar a todos, mas que com certeza dá conta de fazer com que o leitor pare e pense suas atitudes. É uma leitura que vale a pena.


site: http://blogvidaeletras.blogspot.com
comentários(0)comente



Leticia 06/09/2017

Só os Animais Salvam - Ceridwen Dovey
Só os Animais Salvam é um livro que tem ao todo 10 contos/fábulas narrados por almas de animais, como cachorro, elefante, urso, entre outros, que morreram em situações de conflitos históricos, como a Primeira Guerra mundial, Segunda Guerra Mundial, Guerra Fria, Guerra Civil de Moçambique, Guerra das Bósnia, Guerra do Iraque e Segunda Guerra do Líbano.

Com muita simplicidade e delicadeza, Ceridwen mostra que os animais também são vítimas e sofrem quando a raça humana decide resolver seus problemas com confrontos armados. Mesmo que o contexto das situações vividas pelos animais seja de guerra, nem sempre eles estão diretamente no centro do conflito, mas sim sofrendo as consequências que ele pode trazer tanto aos humanos quanto aos animais.

Pela visão de diferentes animais a autora mostra que eles sentem medo, amor e sofrem com o abandono. A escrita da autora é leve, porém profunda. Impossível não se sensibilizar com as situações em que os animais estão, especialmente quando vemos que a causa principal desse sofrimento somos nós, os humanos.

Um camelo escuta os devaneios de seu dono enquanto são observamos por uma goanna. Uma gata encontra-se em uma trincheira, durante a Primeira Guerra, e recorda a vida que tinha anteriormente. Um chimpanzé troca cartas com a mulher amada, levantando reflexões sobre experiências com animais. Um cachorro que sofre na pele as consequências da Segunda Guerra Mundial. Aqui, a autora nos mostra que, muitas vezes, em situação de miséria somos obrigados a passar por cima de nossos próprios princípios para sobreviver. Um mexilhão, em busca de uma vida melhor, acaba em Pearl Harbor. Quando menos esperamos nossa vida se vai. Esse foi meu conto favorito!

Uma tartaruga passa pela casa de Tolstói, Virginia Woolf e George Orwell e acaba como cobaia numa viagem espacial durante a Guerra Fria. Uma manada de elefantes tenta sobreviver à seca e a caçadores, provando que fazemos de tudo por amor aos filhos e à família. Um urso faminto à beira da morte escuta histórias de outro urso no zoológico abandonado. Um golfinho escreve uma carta para Sylvia Plath, contanto sua vida servindo a Marinha Americana. Esse conto tem, na minha opinião, a pergunta mais chocante do livro referente a nossa visão sobre humanos e animais. Um papagaio, que recebe muito amor da dona, sobrevivendo a bombardeios na cidade onde mora.

Durante toda a obra a autora aludiu outros autores que escreveram sobre animais, citando trechos e falas de suas obras. Além de citar nomes como de Sylvia Plath, Tolstói, George Orwell e Virginia Woolf. Todas informações sobre os autores e as citações são encontradas no final do livro em A Origem das Estrelas. Nessas notas há uma lista completa de tudo que a autora usou como referência nos contos.

A edição é uma lindeza só, naquele estilo DarkSide de ser com capa dura e fitinha. Todos os contos possuem, no início, ilustrações dos animais correspondentes a eles, título e subtítulo do conto e a data e o local de morte do animal. Com base nessas informações, conseguimos situar o contexto histórico em que se passa a história.

Só os Animais Salvam é um livro que nos faz observar um mundo de conflitos humanos pela visão dos animais. Os contos são sobre animais, mas os problemas abordados são mais humanos do que imaginamos. Leitura recomendada!

site: http://www.lelendolido.com.br/2017/07/resenha-97-so-os-animais-salvam.html
comentários(0)comente



Dani 15/08/2017

Até começar a ler esse livro, eu só sabia que era um livro de contos narrados por animais. Porém, cada conto narra a morte do narrador, com o plano de fundo de alguma guerra ou momento histórico. Outra coisa que descobri, é que a autora colocou citações de outros autores no meio dos contos, o que me fez ter vontade de conhecer alguns deles.
As histórias do livro não são fofinhas como a capa sugere, elas fazem você (ou pelo menos me fizeram) ficar com vergonha de ser um humano. É aquele livro que você lê e se sente um lixo, ou seja, é muito bom (ou pelo menos, reflexivo).

site: https://all404.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Universo de utopia 09/12/2017

Universo de Utopia
16/10/17
Só os animais salvam - Ceridwen Dovey

"Só os animais podem nos dizer o que é ser humano"

O livro traz uma reunião de fábulas que retratam diversos animais em contextos de guerras, sejam elas internas ou externas, mas na maioria deles trata-se da Segunda Guerra Mundial, talvez porque tenha sido a "Grande Guerra", alguns obviamente gostei mais que os outros, e quero detalhar minha experiência de cada alguns deles para vocês.

A autora foi imensamente inteligente, ao decorrer da narrativa, o leitor vai observando que os fatos vão ocorrendo conforme o jeito e a velocidade de cada animal retratado, com a tartaruga foi mais lento, o golfinho e o macaco foram altamente inteligentes, o do cachorro tem aquele toque de aproximação e amor, resumindo cada qual com sua peculiaridade, todos tem no título "alma e o nome do animal" isso porque vamos sofrer bastante com a morte deles, até a data de óbito já está explicita no sumário, portanto preparem os corações para muito chorôrô.

O primeiro conto "Alma de camelo" é um pouco confuso, no grupo da leitura coletiva tivemos muitas discussões bacanas a respeito da profundidade dele. Sinceramente de todos, o pior, então nem posso falar muito dele pra vocês pois nem saberia o que dizer, só sei que se passa no deserto e que critica o transporte desses animais.

O da gata foi super fofo, nos traz a discussão sobre gênero e sexualidade, assim como do tratamento diversificado que cada ser humano dá a um animal. Personalidade, charme, nariz pra cima, mas também carinho (quando eles bem querem kkkkk). A história gira em torno de uma gatinha esquecida no campo de batalha e o relacionamento dela com outro gato que já vivia lá e com os soldados, é bem divertido, mas bem triste também.

O do chimpanzé como já contei é muito inteligente e perspicaz, um macaco que age como um humano após ter sofrida diversas experiências! Todo mundo sabe o que animais e judeus sofreram na Alemanha como cobaias, Peter Vermelho é culto, mas as coisas não vão ser como ele imagina, na guerra tudo muda, inclusive o caráter e sentimento das pessoas.

O "Alma de cachorro" me fez raiva, poxa só porque é o animal que mais amo. Me fez refletir sobre como um sentimento exagerado e submisso transforma as pessoas e também os animais, em como a decepção machuca e como os humanos são ciumentos, ignorantes e monstros. Não vou nem comentar muito para não cair no choro aqui com vocês.

O mexilhão foi muito legal, trata de ensinamentos, das asas da liberdade, do desbravamento do mundo por amigos, a narrativa se passa entre três mexilhões que se tornam amigos e vão sair por aí para descobrir novas coisas, foi bem interessante as impressões passadas.

A tartaruga me fez foi inveja, ser animal de estimação de Alexandra, filha de Liev Tolstoi, Virginia Woolf, e George Orwell (Eric Blair), Bertrand Russel, quem não sentiria inveja de partilhar momentos com essas personalidades? Já observaram as incríveis referências que esses livros trazem, não é? A história dessa tartaruguinha vai de elucidações literárias até cientificas, um dos melhores contos com toda certeza.

O do elefante e do urso são lindos, um traz a questão da matança á espécie e as tradições que são passadas entre gerações, enquanto o outro traz literalmente um conto de fadas, fazendo um intertexto com um fato que eu já conhecia, mas que foi incrível ver ele de outra maneira bem mais lúdica.

O do golfinho é triste de ler, agradeço a autora por trazer uma informação desconhecida: a marinha matou milhares de golfinhos na Segunda Guerra, que angustiante não é pessoal? Eles por serem muito inteligentes, eram treinados para recuperar informações, mas logo depois foram ensinados a carregar bombas em seus focinhos e instalarem em espiões submarinos, mas isso valia suas próprias vidas, o conto é narrador por um golfinho mãe e sua filha, e trata-se do relacionamento conturbado entre as duas e com seu treinador.

O do papagaio é o último conto, mas não menos triste, a autora nos dá aquele gostinho de felicidade para somente depois nos apedrejar, sofri muito com o final.

Ceridwen Dovey me levou a um mundo que eu amo, o dos animais, logo eu que estou sempre em contato com eles e sou apaixonada pelas manias, jeitinhos e carinhos de cada um deles, senti muita falta do cavalo para ser sincera, ela trouxe animais peculiares para a convivência humana e talvez até tenha sido sua intenção, mas por ser um animal que convivo diariamente e que entende tão bem os anseios das pessoas assim como seus sentimentos, senti bastante a falta dele no livro. Mas simplesmente amei mesmo assim esse exemplar, cumpriu minhas expectativas e me fez admirar a autora, assim como fez sentir vontade de ler nomes famosos que ainda não conheço as obras.
comentários(0)comente



Marvin.Cross 20/07/2017

Essa autora tem uma criatividade e imaginação tão incríveis, que terminei o livro encantado. Não só pelas histórias do livro serem narradas por animais, é diferente de tudo que já li. Os textos são muito ricos, tanto em termos técnicos quanto na profundidade e intelectualidade contida nas palavras. Dá pra notar que Ceridwen Dovey fez um belo trabalho de pesquisa e o resultado foi um livro que, mesmo tendo uma narrativa às vezes lenta, os contos te convencem de que você está lendo algo saído da mente dos animais. Lúdico, profundo, tocante e longe de ser mais um livro "fofo" sobre bichos. Destaque para as histórias do chimpanzé, do cachorro, do mexilhão e da tartaruga, minhas favoritas. Recomendo!!
comentários(0)comente



34 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3