Estamos Bem

Estamos Bem Nina LaCour




Resenhas - Estamos Bem


184 encontrados | exibindo 46 a 61
4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 |


Marcos @elfoliterario 08/06/2020

A história mostra de forma bem intimista como a nossa protagonista, Marin, lida com suas questões de luto, depressão, ansiedade e pânico. É um livro que te envolve do começo ao fim, e toda a tristeza que a protagonista sofre é palpavel pelo leitor, como se fosse um relato de um amigo. Me emocionou bastante e me peguei torcendo para que Marin tivesse um final feliz.
A leitura é muito rápida e é bem satisfatória.
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



old cardigan 25/11/2020

Esse livro é tudo pra mim. Gostei da forma como o luto foi abordado, e achei a escrita muito fluida. Fiquei presa no livro.
comentários(0)comente



Grasielly Ricci 09/11/2020

Eu fiquei completamente envolvida com a história, angustiada e sufocada com os sentimentos das personagens. Ao mesmo tempo é um livro extremamente gostoso de ler. O tempo todo eu só queria abraçar a Marin.
comentários(0)comente



Kelvin 05/07/2020

As fases do luto
Esse livro poderia muito bem ser um estudo de caso sobre as fases do luto, ou ser apenas um romance adolescente lésbico.

É um livro sensível, que vai ganhando forma (assim como a personagem principal). Cada vez que ela para de negar e encara seus medos e a solidão.
comentários(0)comente



plmddsilvia 12/10/2020

Eu quando comecei a ler nem dei muita coisa por ele, pq já tinha salvo no Kindle há um tempo e não lembrava da existência. Comecei a ler e terminei super rápido, em menos de 24 horas. O livro é perfeito pra mim que sou manteiga derretida e amo chorar com livros
Nando Borges 12/10/2020minha estante
Hahaha que legal! Vou ler tbm. ;)




cris.leal.12 28/03/2018

Esperava mais...
“Estamos Bem”, de Nina LaCour, conta a história de Marin Delaney, uma jovem da Califórnia que foi criada pelo avô e está passando por uma dor profunda por causa de sua morte. Não conseguindo suportar o sofrimento, ela abandona a casa e os amigos, e apenas com o celular, a carteira e uma foto da sua falecida mãe, se dirige à Nova York, onde só deveria chegar algumas semanas mais tarde para iniciar seus estudos universitários.

Vamos acompanhando o exílio de Marin e percebendo, pelas suas atitudes e pensamentos, que algo além da morte do avô aconteceu e desencadeou o abatimento profundo. Mas, ninguém conhece o verdadeiro motivo da sua partida intempestiva. Apenas Marin sabe e, por isso, precisa se distanciar, dar um tempo, para tentar se recompor.

Depois de meses de total silêncio e solidão, o inevitável confronto com o passado acontece, quando Mabel, sua melhor amiga e por quem Marin é apaixonada, chega para uma visita. Feliz e confortável com a presença da amiga, Marin abre o coração e explica que sua dor emocional está ligada também a uma grande decepção que sofreu com alguém de sua total confiança. Tal fato, além de comprometer toda uma história de afeto, fez com que algo morresse dentro dela.

Com uma narrativa intercalada entre o presente e o passado da personagem principal, o livro é lindamente escrito e traz uma mensagem de amor e esperança no final, mas eu confesso que queria ter gostado mais dele do que realmente gostei. Não nego que há um bom suspense até a gente descobrir o que de fato aconteceu à Marin, mas a falta de profundidade deixou algumas pontas da trama soltas, mal explicadas. Além disso, o relacionamento entre Marin e Mabel não me cativou. Esperava mais!


site: http://www.newsdacris.com.br/2018/03/resenha-estamos-bem-de-nina-lacour.html
comentários(0)comente



Fabi | @psamoleitura 25/11/2017

{resenha feita no blog PS Amo Leitura}
Um livro com uma capa maravilhosa; uma premissa completamente interessante; super aclamado por muitos. E aí eu não poderia perder a oportunidade de ler logo e saber se ele iria atender todas as minhas expectativas.

Em “estamos bem” nós vamos conhecer Marin. Ela deixou tudo que tinha para trás: seu avô, sua melhor amiga – Mabel –, o verão, a Califórnia e tudo se transformou em fantasmas do seu passado. Mais um fantasma na sua vida.

Marin partiu sem avisar ninguém, nem mesmo Mabel sabia do motivo da sua partida. Mesmo após meses de tentativa para tentar se reaproximar, Marin continuou relutando para estabelecer novamente essa conexão. Ela não saberia explicar o porquê que ela tomou essa atitude precipitada.

Após tantas tentativas, finalmente Marin cedeu e deixou que Mabel se aproximasse novamente. Quando ela a visita em Nova York, as coisas ficam constrangedoras no começo, mas logo elas percebem o quanto tempo perderam juntas e o quanto uma sentia falta da outra.

Seria Mabel capaz de ajudar Marin com a sua profunda solidão?

Ah, quantas expectativas eu coloquei nesse livro e ele, infelizmente, não atendeu todas como eu esperava. Como eu disse no começo dessa resenha, o livro têm uma premissa completamente interessante e maravilhosa. Ele tinha tudo para ser um dos melhores livros, mas a autora não soube explorar tudo devidamente.

É perceptível o sofrimento de Marin por conta do seu passado e suas descobertas. É possível perceber também que o amor que ela sente por Mabel vai além da amizade e ela se sente arrependida pelas atitudes que tomou. Porém, é possível entender o porque Marin agiu dessa forma (mesmo eu não aceitando essa atitude). Acho que quando uma “bomba” como a qual ela descobriu estoura, tudo que queremos é encontrar um refúgio, seja ele aonde for.

Um ponto que gostei desse livro (assim como gosto em vários) foi a narrativa intercalada entre o presente e o passado da personagem. Isso faz com que a gente viva a leitura de um modo diferente e mais intensamente, e até mesmo com alguns questionamentos e dúvidas ao decorrer de cada página. Nina têm uma narrativa leve, simples e que realmente prende, porém se ela tivesse explorado sua escrita ainda mais, se aprofundado mais, o livro, com toda certeza, teria levado meu coração.

Então é isso. Não leia esse livro com tanta expectativa. Leia para passar o tempo, mas não espere uma torrente de lágrimas porque isso, infelizmente, não irá acontecer.

site: http://psamoleitura.blogspot.com.br/2017/11/resenha-estamos-bem.html
Bya @paixoesliterarias_ 25/11/2017minha estante
Quero muito ler




Demuner 31/05/2020

Leitura rápida e emocionante
Fiz a releitura desse livro por não lembrar quase nada de seu conteúdo, esperando um instalove lgbt bem básico. Por sorte, não consegui o que queria e ao invés disso me deparei com uma curta historia sobre luto, amizade e amadurecimento. O livro também fala muito sobre a transição naquela fase depois que o colégio acaba, despedidas, cada um pra seu canto. Eu to nessa fase então posso dizer que me identifiquei demais, muito mais inclusive do que da primeira vez que li. Não é nada extraordinário literariamente falando mas vale a pena ler, vc consegue se importar com os personagens e tem um desfecho mt satisfatório. Recomendo.
comentários(0)comente



Cerry35 24/09/2020

O problema fui eu
Não sei pq eu coloquei na minha cabeça q ia ser um romance, mas é uma história focada na solidão e nos problemas da personagem principal
comentários(0)comente



Ana Lee 28/09/2020

Já começa sendo lindo logo na capa! A história é muito bem construída, me prendeu demais.
comentários(0)comente



Nath @biscoito.esperto 20/08/2018

Li muitas resenhas deste livro depois de terminar de lê-lo. Isso por que eu adorei o livro, mas aparentemente muitas outras pessoas que o leram não compartilham da minha opinião. Decidi investigar o motivo, e a principal razão pela qual as pessoas parecem não ter gostado de Estamos Bem é o fato de a autora não explorar a sexualidade da protagonista, que é lésbica.

Nesse ponto, acho que eu li um livro diferente. Primeiro por que este não é um livro LGBT+, com foco no romance ou na descoberta da sexualidade. Este é um livro sobre luto, família e amizade, com uma protagonista lésbica. O foco do livro não é mostrar um romance avassalador entre duas meninas ou descrever o despertar/ a realização sexual da protagonista. Ela só é lésbica. Da mesma forma como ela poderia ter sido heterossexual e o livro teria acontecido da mesma forma. Segundo por que a autora explora, sim, essa faceta da personagem, mas não faz da sexualidade da protagonista sua característica principal ou o norte da história.

Sinceramente não sei por que as pessoas esperam que todos os livros com personagens LGBT+ sejam exclusivamente histórias românicas ou livros de superação e descoberta. Personagens LGBT+ podem existir em histórias com outros focos. Fim.

Deixando isso de lado, quero dizer que realmente amei esse livro. Por que eu me vi muito na Marin, e por que a escrita da Nina LaCour é suave e descritiva, mas principalmente por que suas personagens são interessantes e, mesmo que a gente já saiba logo no início do livro o que vai acontecer, e interessante saber como as coisas se desenrolaram.

No primeiro capítulo de Estamos Bem nós somos introduzidos a Marin, uma garota que está num momento de depressão profunda. Seu avô, a única família que ela tinha, morreu há seis meses. Desde então ela tem vivido na república da faculdade, mas agora é o recesso de fim de ano e ela está completamente sozinha. Ela tinha uma melhor amiga, Mabel, mas elas se distanciaram depois de terem experimentado um breve romance, mas principalmente por causa da mudança de Marin para estudar numa faculdade longe de casa.

A morte do avô, o relacionamento de Marin e Mabel e sua depressão e isolamento são apresentados nas primeiras páginas do livro. Já sabemos que todas essas coisas aconteceram.

Durante o livro nós caminhamos entre presente e passado. Descobrimos através de flashbacks como era o relacionamento de Marin com o avô, e como foi sua morte. Também aprendemos mais sobre Marin e Mabel, e como a amizade deles se tornou algo mais, que depois acabou. No presente, vemos Marin vivendo com uma depressão terrível, tentando aceitar o fato de que todas as pessoas de sua família estão mortas e que ela terá que se virar sozinha, sem emprego ou dinheiro para pagar a faculdade. Seu avô pagara um ano de faculdade para ela, mas logo esse ano chegará o fim e ela ficará sem sequer ter onde morar.

Este não é um livro feliz, a princípio. A história começa num inverno rigoroso e o clima guia a história. Marin está miserável e sem esperanças, mas está um pouco animada para receber Mabel por três dias. As duas praticamente não se falaram nos seis meses desde a morte do avô de Marin e de sua mudança, e logo a animação é substituída pelo terror de não conhecer mais a melhor amiga.

Eu realmente gostei do livro. A narrativa é lenta e gostosa de acompanhar, e as partes tristes são bem balanceadas com momentos bonitos entre Marin e seu avô e Marin e Mabel.

O livro é curto e eu não quero dar spoilers, mas eu sinceramente não compreendo as pessoas que não gostaram desse livro. Claro que gosto não se discute, e todos tem o direito de não gostar desse livro. Mas acho muito chato darem nota baixa para esse livro com a desculpa de ele não ser um bom livro LGBT+ quando ele nem é um livro LGBT+ para começo de conversa.

Vamos normalizar personagens LGBT+ em livros cujo o foco não é ser uma história LGBT+, que tal? Personagens gays, lésbicas, bis, pan, trans, ace e etc podem fazer parte de histórias que não sejam exclusivamente sobre seus gêneros ou orientações sexuais. I rest my case.


site: www.nathlambert.blogspot.com
Kakau 20/08/2018minha estante
Você sempre sabe usar as palavras corretas! ?


Cristian 20/08/2018minha estante
Legal tua resenha! Por ela, entendi que a autora foi muito feliz em mostrar um enredo interessante e que, por acaso, a protagonista é lésbica. Tínhamos que ter mais livros assim, senão parece que todo LGBT gira somente em torno das questões sexuais, como se não houvesse toda uma vida em torno independente das questões de gênero. Lerei o livro pela tua resenha.


Nath @biscoito.esperto 20/08/2018minha estante
Kakau, obrigada


Nath @biscoito.esperto 20/08/2018minha estante
Cristian, é exatamente isso! O livro traz uma história muito bonita sobre família e luto, mas parece que os leitores ficaram muito focados na protagonista lésbica. Espero que goste do livro, se ler depois me conte sua opinião! =D


Lay 22/09/2018minha estante
Adorei sua resenha, acompanho seu canal, e lendo o que escreveu deu pra entender o motivo pelo qual tirou nota dez em seu TCC e foi homenageada em sua formatura! Parabéns!!!


Carla 24/11/2018minha estante
Eu amei demais esse livro, cada escrita, a forma como foi conduzida, eu amei, me marcou. Sobre o que tu falou, eu acho incrível a forma como a autora tratou com tanta naturalidade a sexualidade dela, o que é normal. Eu também acho que gosto não se discute, mas difícil não gostar desse livro e a escrita incrível.




Cy | @apenasleitores 28/02/2020

Marin é uma menina que foi pra faculdade e deixou toda uma vida pra trás. Mabel é sua amiga de infância que vai visitá -la no campus durante o recesso de natal.
Com o decorrer do livro percebemos que Marin tem mtos segredos e que depois da morte do avô ela decidiu abraçar a solidão, mas Mabel aparece e a faz reviver o que deixou pra trás. Lembrar de como era a vida antes e tudo o que aconteceu entre as duas. E principalmente fará Marin se abrir e contar o que ela guardou e nunca disse. .
É um livro leve, mas ao msm tempo de uma peso indescritível. E vai percebendo junto com Mabel todas as coisas que aconteceram pra que Marin se isolar do mundo. Nina LaCour tem uma escrita leve e cativante que consegue passar as emoções dos personagens e nos colocar dentro da história.
comentários(0)comente



Bruna Oliveira 16/01/2021

O livro é sobre perda, sobre não vivenciar o luto. Achei interessante a história, o livro é bem curto, a narrativa as vezes passa muito depressa, não se aprofundando nas cenas. Senti que tudo ficou aberto, desde os sentimentos de Marin em relação ao amor, amizade etc...
É uma leitura para não criar grandes expectativas.

comentários(0)comente



Carla Brandão 04/04/2020

Marin perdeu a mãe quando tinha apenas três anos e, desde então, foi criada pelo avô. A relação dos dois era marcada por chás, bolos quentinhos e sermões sobre assuntos diversos. Embora tais características deem a ideia de uma relação próxima, existia entre avô e neta uma distância física - um não entrava jamais no quarto do outro - e emocional.
.
Nas últimas férias antes do início do primeiro semestre da faculdade, algo acontece. Marin deixa a ensolarada Califórnia semanas antes do previsto em direção à Nova York. Nem sua inseparável melhor amiga, Mabel, recebe qualquer tipo de explicação para a partida repentina. Durante meses Mabel manda mensagens e faz ligações, todas ignoradas por Marin.
.
Quando chega o recesso de final de ano, todos os alunos deixam os dormitórios da faculdade, menos Marin. Ela não tem pra onde nem pra quem voltar. Mas Mabel não desistiu da amizade das duas nem de tentar entender o que aconteceu e, antes de viajar de Los Angeles para a cidade onde cresceram, decide passar alguns dias com a amiga. A chegada de Mabel obriga Marin a lidar com o passado, com suas dores, seus segredos e com tudo o que não foi dito.
.
Através de uma narrativa que alterna presente e passado, vamos conhecendo detalhes da vida da jovem antes que tudo o que ela conhecia e as coisas nas quais acreditava ruíssem e a deixassem imersa em confusão e solidão. Conforme Marin vai sendo capaz de se abrir para Mabel, as descrições do passado vão fazendo as peças se encaixarem.
.
Nina Lacour não faz as revelações de forma apressada, é tudo quase arrastado, porque é assim que a personagem se sente. Sua escrita faz o leitor sentir exatamente a angústia vivenciada por Marin. Ao virar as páginas, surge a vontade de abraçá-la e dizer a ela que não está tudo bem, mas que vai ficar.
.
Embora o tema central do livro não seja leve, a leitura é rápida. É fácil ficar preso a trama até que tudo seja esclarecido, até que saibamos se Marin vai ser capaz de se recuperar de tudo o que houve.
.
“Estamos bem” é uma história sensível, contada no tom certo. Não há sentimentalismos exagerados nem descuido ao tratar de temas importantes.

site: https://www.instagram.com/blogentreaspas/
comentários(0)comente



184 encontrados | exibindo 46 a 61
4 | 5 | 6 | 7 | 8 | 9 | 10 |