O Homem que Morreu Duas Vezes

O Homem que Morreu Duas Vezes Richard Osman




Resenhas - O Homem Que Morreu Duas Vezes


89 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Bia Morais 27/01/2022

O homem que morreu duas vezes - opinião
Realmente esse livro é mais agitado do que seu anterior e fiquei satisfeita em ter mais detalhes dos personagens. Os capítulos curtos dão a dinâmica perfeita ao livro.
Joyce é minha favorita de longe. Espero que tenham mais histórias do clube do crime das quintas-feiras.
Recomendo demais
comentários(0)comente



Ariane 25/01/2022

Instigante, inteligente e divertido
Incomparavelmente melhor do que o primeiro livro, do qual também gostei.

Douglas, ex marido de Elizabeth, surge em Coopers Chase para se esconder da máfia por ser suspeito de roubar diamantes no valor de vinte milhões de libras. Cabe então, ao Clube do crime das quintas feiras proteger Douglas até que o mistério seja solucionado. Porém, como todo bom livro policial, as coisas não saem como esperado e o nosso grupo de aposentados preferido terá que arregaçar as mangas para ajudar a solucionar esse mistério que tem mais sujeira do que parece.

Além do mistério, nos deparamos com situações em que paralisamos e não sabemos como agir, com amigos que sabem exatamente o que você está passando mesmo que tente persuadi-los do contrário, dúvidas sobre como seguir em frente e deixar a vida fluir.

Bogdan poderia ser mais explorado, astuto demais para ser apenas coadjuvante. Adoro o relacionamento que ele tem com Ron e Stephen.

Ah, e quando se entende o título do livro no final da história tudo faz sentido.

Donna e Bogdan? Amo
comentários(0)comente



VitoriaWerle 25/01/2022

No melhor estilo cozy mistery
Se eu já era apaixonada por esses personagens e essa história depois do primeiro livro, agora então não restam dúvidas.
Uma história de investigação criminal, mas, sobretudo, companheirismo, aceitação, amizade, amor e respeito. Esperando ansiosamente pelo terceiro livro ??
comentários(0)comente



Aghata Delfino 25/01/2022

Só preciso dizer que eu amei esse livro e pra mim, como o esperado é tão bom quanto o primeiro!
A única chateação foi quando cheguei em 80% do livro e percebi que estava tão perto do fim.
comentários(0)comente



Mah 24/01/2022

O homem que morreu duas vezes
Gente a escrita do autor evoluiu muito, eu fiquei muito apegada aos personagens nesse livro.
O autor deixou os personagens mais humanos, com medos, inseguranças, lembranças de momentos felizes, a insegurança do Ibrahim depois do que aconteceu.
Até o estilo do último capítulo do livro é muito diferente e muito melhor do que o clube do crime das quintas-feiras.
Só leiam esse livro ele é sensacional!!!
comentários(0)comente



ana 24/01/2022

o homem q morreu duas vezes
eu amei o 'clube do crime das quintas feiras' e dnv me apaixonei por 'o homem q morreu duas vezes', eu amo os personagens, a história te prende mto e eu acho q eu nunca ri tanto lendo um livro
comentários(0)comente



Cinthya 23/01/2022

Maravilhoso!!
Ainda é cedo para afirmar que li o melhor livro de 2022?
Eu amo esses 4 velhinhos e seus ajudantes.
Mesmo com mortes e a cena violência, tudo deu um jeito tão leve que não da pra largar.
Dessa vez teve reflexões sobre amizades, solidão e a finitude da vida. Mesmo assim de um jeito suave que me pôs a pensar ficar neurótica.
Amei!!!!
Ansiosa pra mais investigações do Clube do Crime das Quintas-feiras.
comentários(0)comente



Luiza.Bertonha 22/01/2022

Divertido e inteligente
Assim como o primeiro livro da série, este aqui possui uma escrita muito inteligente e cativante, os personagens são muito envolventes e esse livro, em especial, achei mais elaborado. Adorei!
comentários(0)comente



Marta 21/01/2022

Uma leitura irresistível
"Quem nunca se perdeu nesta vida é porque nunca viajou para nenhum lugar interessante.?
 
Quando li o clube do crime das quintas-feiras nem sabia que o autor tinha lançado um segundo livro com os quatro amigos aposentados metidos a resolver crimes como passatempo, tem resenha dele aqui no meu Instagram.  Quando soube fiquei interessada e aqui está ele, tão bom quanto o primeiro com os mesmos quatro amigos improváveis e um novo assassinato surpreendente. A quinta-feira agora é o melhor dia da semana. Com os crimes mais recentes solucionados, o Clube do Crime das Quintas-Feiras encontra-se em uma maré de tediosa normalidade. Mas não por muito tempo. Quando Elizabeth recebe a carta de um velho conhecido, sabe que está diante de um belo mistério. O agente do serviço secreto sessentão, com quem a ex-espiã tem uma longa história, acaba de cometer um erro terrível e precisa da ajuda dela. Joyce, Ibrahim e Ron são então convocados para acompanhá-la em uma aventura repleta de segredos e conspirações, que envolve diamantes roubados e a máfia. Envolvido em mais um mistério, o grupo de detetives amadores vai lidar com assaltos, reuniões regadas a vinho e bolo, arrependimentos antigos e decisões cruciais, como adotar ou não um cachorro. Mas será que encontrarão o culpado antes que se tornem vítimas? Esse livro é uma delícia de leitura, eu sou apaixonada com os personagens e meu sonho é que nos meus 70 e tantos eu encontre um lugar como o do livro para viver e um grupo de amigos como eles, pura fantasia! Mas essa é uma das partes boas da leitura, a fantasia. 
comentários(0)comente



Coisas de Mineira 20/01/2022

O Homem que Morreu Duas Vezes é a sequência aguardada do aclamado romance de estreia de Richard Osman, O Clube do Crime das Quintas Feiras, que ultrapassou a marca de 2 milhões de exemplares vendidos no mundo em menos de um ano. Aqui, acompanharemos nossos queridos aposentados em uma trama de espionagem envolvendo diamantes no valor de 20 milhões de libras!

Você já conhece o Clube do Crime das Quintas Feiras? Elizabeth é uma ex-agente do MI5, uma mulher inteligente e sagaz; Joyce, uma enfermeira aposentada, mantém um diário divertido, encarna a bondade; Ibrahim, que foi psiquiatra, é um sábio; e Ron, um ex-líder sindical corajoso e leal. Eles se reúnem às quintas feiras para beber, discutir as últimas fofocas e desvendar crimes.

“Estou aprendendo que às vezes é importante parar e se permitir um drinque e uma fofoca com os amigos, mesmo quando os cadáveres começam a se empilhar ao seu redor…”

Vamos reencontrar o grupo de detetives amadores envolvidos com assaltos, máfia, reflexões regadas a bolo e vinho, trazendo os amigos da polícia Donna e Chris – que já aprenderam a não discutir com esses velhinhos… Nesta nova aventura, uma carta endereçada à Elizabeth chega enquanto eles estão reunidos para o vinho da tarde.

A carta é assinada por Marcus Carmichael, cujo cadáver Elizabeth vira ser retirado do Tamisa anos antes. Ela entende que o verdadeiro remetente é Douglas Middlemiss, ex-marido e agente do MI5. Douglas cometeu um terrível erro, tendo ficado em apuros após ser acusado de roubar 20 milhões de libras em diamantes de um lavador de dinheiro e intermediário da máfia de Nova York. A máfia quer os diamantes e o pescoço do agente, o MI5 quer respostas…

Elizabeth, Ron, Joyce e Ibrahim se envolverão com o caso – bom, todos menos Ibrahim, que é vítima de um assalto cruel, deixando-o abalado e sem confiança. Além dos três, os policiais Chris Hudson e Donna De Freitas vão acompanhar as aventuras, sempre tentando colocar os membros do Clube dentro da legalidade – tarefa inglória.

“Chis nunca fizera nada parecido antes. O Clube do Crime das Quintas-feiras o leva para o mau caminho quase diariamente.”

Mas os cadáveres começam a se empilhar… uma pista sobre o paradeiro dos diamantes é deixada para Elizabeth, e uma corrida atrás do tesouro tem início. Percebendo que nem tudo é o que parece, eles se colocam em terrível perigo para desvendar o crime. Cenas frenéticas e hilárias são recorrentes.

Enquanto isso. O marido de Elizabeth, Stephen, que está gradualmente entrando em demência, não resiste a um jogo de xadrez com Bogdan, um construtor polonês, misterioso e taciturno, mas que se torna, ao lado de Elizabeth, uma âncora para Stephen.

Que delícia voltar a encontrar esses personagens. Eu já me tornei fã do autor, que chegou com uma estreia arrebatadora, e não perdeu a mão no segundo livro – que, inclusive, tem sido apontado como superior ao primeiro.

Um dos pontos de acerto são que seus personagens são cada vez mais tridimensionais, e não vacilam diante de suas fragilidades. Principalmente quando conhecemos melhor Elizabeth – uma das personagens mais misteriosas, que possui uma expertise para a investigação que sempre me deixou com a pulga atrás da orelha. Aqui descobrimos mais do seu passado de espionagem.

Joyce continua exalando bondade, carisma e momentos de fofura explícita – é sempre muito bom acompanhar o diário e sua busca de, entre outras coisas, um cachorrinho. Aqui, ela também vai mostrar que tem vocação para investigação. Ela é o coração da estória – Elizabeth é o cérebro. Um dos momentos mais hilários é quando Joyce escolhe o nome do perfil do Instagram – sem spoilers, porque merece ser lido e gargalhado.

“Deve-se morrer antes dos filhos, é claro, porque eles foram ensinados a viver sem você. Mas não antes do cachorro. O cachorro só aprende a viver com você.”

Ron é a figura da força, da ação, mas que está à procura de alguém para estar ao seu lado – mesmo que faça algumas escolhas duvidosas. E Ibrahim… como está vulnerável nesse momento. A gente tem vontade de abraçar forte e dizer que vai ficar tudo bem. Felizmente, Joyce e Ron estão lá para cumprir nosso papel. Mas a discussão que ele traz é sensacional porque, mesmo que esse grupo pareça intrépido, percebemos como o mundo pode ser cruel com as pessoas idosas.

Donna e Chris tem suas personalidades expandidas por aqui, e a vida dos dois vão se entrelaçar de uma forma bem bonita. O arco de Donna é comovente, e promete render momentos de fofura explícita nos próximos livros – nem são mencionados, mas eu já estou na torcida por muitas continuações. Outro personagem que ganha formas inusitadas é Bogdan, que continua misterioso, mas que tem participação decisiva nessa nova aventura.

“E assim Donna virou a moça nova numa cidade nova. Uma garota negra numa cidade litorânea, onde se sente indesejada ou uma curiosidade, e não gosta de nenhuma das duas sensações.”

O Homem que morreu duas vezes também traz um mistério mais elaborado, cheio de camadas, com muitos personagens coadjuvantes que, apesar da confusão inicial, vão se tornando cativantes e necessários. O crime em si é brilhante, cercado de pessoas perigosas desesperadas para recuperar o que perderam, e matar não é um problema. Os intrépidos detetives seguem inabaláveis, como se envolver com a máfia, traficantes e o MI5 fosse um passeio pelo jardim de Coopers Chase. O autor soube, mais uma vez, dosar suspense com as discussões cotidianas dos personagens.

E os títulos? Ambos fabulosos. O Homem que Morreu Duas Vezes, inclusive, nos faz seguir por um caminho que, ao final, é completamente outro. Achei incrível o que o autor propôs.

Um mistério inteligente e engraçado povoado de personagens cativantes que aprimoram a história a cada curva, em cenas que às vezes são confusas, mas com um peso emocional que arrebata. Recomendo muito a leitura para fãs de suspense e mistério.

Por: Maísa Carvalho
Site: www.coisasdemineira.com/2021/12/o-homem-que-morreu-duas-vezes-richard-osman-resenha/
comentários(0)comente



wellsy 20/01/2022

simplesmente perfeito
Que eu amei o primeiro livro não é segredo pra ninguém, mas esse aqui, por mais inacreditável que seja, é MIL vezes melhor que o primeiro.
Mano esse livro me prendeu desde a primeira página e eu jurei que o início ia ser meio lento que nem no primeiro e não podia estar mais enganada, foi simplesmente perfeito e cheio de plots do começo ao fim. Mas a melhor parte é que ele nos conta muita coisa sobre o passado misterioso da Elizabeth e nós adentramos nesse mundo de Serviço Secreto britânico, espiões, máfia e roubo de diamantes.
Eu amei, amei, amei demais esse livro e honestamente não queria acabar ele. Agora preciso de mais um livro do Clube do Crime das Quintas-Feiras ?
comentários(0)comente



Jubs 19/01/2022

A segunda aventura do Clube do Crime das Quintas-feiras é ainda mais surpreendente e sensacional. Vemos o desenvolvimento dos personagens e como cada um contribui de alguma forma para a história. Queria ser amiga de cada um deles e espero que que não seja a última aventura desses aposentados.
comentários(0)comente



Fernanda 17/01/2022

Comecei a ler ele achando que era o primeiro, mas só me dei conta quando já estava bem adiantada na leitura, então continuei. Não é um livro ruim, mas também não é maravilhoso, é um bom passatempo. A forma de contar um fato passado, detalhando com "eu fiz isso, aí fulano fez isso", não me agrada nem um pouco. E não consegui me conectar com nenhum dos personagens, achei alguns bem chatos na verdade (Joyce é você!).
Sara.Lima 18/01/2022minha estante
Ela ainda tá escrevendo um diário? No primeiro ela tava escrevendo.....




Maisa @porqueleio 17/01/2022

Que turma rejuvenescedora!
O Clube do Crime das Quintas Feiras não é um grupo que gosta de passar as tardes jogando bingo. Elizabeth, Joyce, Ibrahim, e Ron se reúnem às quintas feiras para beber, discutir as últimas fofocas e desvendar crimes. Vamos reencontrar o grupo de detetives amadores envolvidos com assaltos, máfia, reflexões regadas a bolo e vinho.

Nesta nova aventura, uma carta endereçada à Elizabeth chega enquanto eles estão reunidos para o vinho da tarde. A carta vem assinada por M.Carmichael, um cadáver que Elizabeth viu ser retirado do Tamisa anos antes. Rápida, logo percebe que se trata de Douglas, ex-marido e agente do MI5. Douglas cometeu um terrível erro, tendo ficado em apuros após ser acusado de roubar 20 milhões em diamantes de um intermediário da máfia de Nova York.

Elizabeth, Ron, Joyce e Ibrahim se envolverão com o caso – além dos policiais Chris e Donna, que vão acompanhar esses velhinhos intrépidos, sempre tentando colocar os membros do Clube dentro da legalidade – tarefa inglória.

Os personagens estão cada vez mais tridimensionais, e não vacilam diante de suas fragilidades. Principalmente quando conhecemos melhor Elizabeth - uma das personagens mais misteriosas, que possui uma expertise para a investigação que sempre me deixou com a pulga atrás da orelha.

O crime em si é brilhante, cercado de pessoas perigosas desesperadas para recuperar o que perderam. Os intrépidos detetives seguem inabaláveis, como se envolver com a máfia, traficantes e o MI5 fosse um passeio pelo jardim de Coopers Chase. O autor soube, mais uma vez, dosar suspense com as discussões cotidianas dos personagens.

Recomendo muito a leitura para fãs de suspense e mistério!

Resenha completa em https://www.coisasdemineira.com/2021/12/o-homem-que-morreu-duas-vezes-richard-osman-resenha/

site: https://www.instagram.com/p/CYFHUmYvnkj/
comentários(0)comente



Carla.Vasconcelos 15/01/2022

Melhor idade
História leve, divertida e que nos leva a refletir sobre o futuro, sobre o envelhecimento e a velhice, e sobre o quanto os mais velhos podem nos ensinar.
comentários(0)comente



89 encontrados | exibindo 1 a 16
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6


Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com a Política de Privacidade. ACEITAR