72 Horas Para Morrer

72 Horas Para Morrer Ricardo Ragazzo




Resenhas - 72 Horas Para Morrer


111 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Viviane 21/11/2016

É complicado fazer uma resenha de um livro que você não gostou e que não tem como descrever todo o embrulho no estômago conforme as mortes do serial killer iam sendo descritas. Sinceramente não sei mais o que falar e vou deixar essa resenha assim, sem pé nem cabeça, porque é assim que o livro é.

O final, gente, eu não consigo nem explicar o que eu pensei sobre ele e não posso contar porque, né, seria spoiler e muito provavelmente a maioria de vocês não leria por conta dele. Só sei que se o final tivesse sido qualquer um dos que eu imaginava, a história poderia ter ganhado 4 estrelas e não só 1.

Leiam por conta e risco, mas não esperem um thriller emocionante, porque o final ?estraga? toda a história do livro.
comentários(0)comente



Suuh 25/04/2016

Resenha disponível no blog:

site: http://umsimplesprazer.blogspot.com.br/2013/06/resenha-72-horas-para-morrer.html
comentários(0)comente



Our Brave New Blog 25/02/2016

RESENHA 72 HORAS PARA MORRER - OUR BRAVE NEW BLOG
Não sei nem por onde começar. Foi ruim.
Comecemos assim então: foi uma leitura bem ruim e que levou o triplo do tempo que eu esperava, prolongando o meu sofrimento.

Eu nunca tinha lido um nacional antes (pois é) e achei que seria uma boa ideia começar por este livro, já que a sinopse tinha me atraído bastante, o preço estava razoável e usava "serial killers" como tema. Foi um erro. (Aliás, por que os livros nacionais costumam ser tão carinhos e quase nunca entram em promoção, ein?).

Júlio Fontana, nosso protagonista, é insuportável e não teve um só momento em que eu tenha simpatizado com ele. Perde a cabeça o tempo todo, em seguida, se arrepende do que fez e logo depois faz a mesmíssima coisa. O clichê do rebelde, teimoso e autoritário, a fim de criar uma identificação/apelo instantâneo com o leitor, não funcionou muito bem... Tudo o que eu consegui enxergar em Júlio foi um homem de cinquenta anos confuso e arrogante, dando patada em todo mundo. Não que ele estivesse em uma situação propícia para o bom humor e risadinhas né?! Só que esse foi o único lado do personagem que nos foi apresentado durante toda a obra, como se ele não fosse nada além daquilo, ou seja: um porre. Sem contar na sua instabilidade e ingenuidade, que vez ou outra acarretavam uns vacilos inacreditáveis, mas não posso me aprofundar nisso para não dar spoiler.

A filha dele, Laura, tem dezoito anos de idade e protagoniza outro artifício já bastante conhecido por todos: amor à primeira vista. Até porque, quando um cara de quarenta anos aparece, do nada, na sua vida e seu pai adverte: "olha, esse aí matou minha ex namoradinha e não quero você perto dele viu?!" o que você faz? IGNORA O CONSELHO E SE APAIXONA PELO CARA, ISTO É ÓBVIO. Chega a ser inacreditável de tão forçado.

RESENHA COMPLETA NO SITE!!

site: http://ourbravenewblog.weebly.com/home/72-horas-para-morrer-por-ricardo-ragazzo
comentários(0)comente



Brena 25/02/2016

Surpreendente....
O livro apesar das cenas fortes é bem intrigante. Te leva a ativar seu modo investigativo, a sofrer com o personagem e ficar ansioso por cada nova descoberta. O autor esta de parabens, fiquei tao viciada na historia que em uma noite li o livro inteiro.
comentários(0)comente



CaroolS 19/02/2016

72 HORAS PARA MORRER por Ricardo Ragazzo no OUR BRAVE NEW BLOG
"O livro é alternado entre terceira e primeira pessoa, sendo a maior parte narrada por Júlio. As outras ficam por conta de Laura e outros personagens secundários. É recheado de muitas cenas fortes com o intuito de chocar. Descrições sobre mortes e corpos mutilados não faltaram, muito menos comentários cruéis vindo dos assassinos e torturadores. Reviravoltas (fracas, eu achei) também aparecem com muita frequência. Aliás, são basicamente esses fatores que constituem 72 horas para morrer: reviravolta, crueldade, um bando de nada... reviravolta de novo, mais crueldade, mais um pouquinho de nada e por aí vai."

Resenha completa no site do Our Brave New Blog: http://ourbravenewblog.weebly.com/home/72-horas-para-morrer-por-ricardo-ragazzo

site: http://ourbravenewblog.weebly.com/
comentários(0)comente



Lana 25/07/2015

Resenha — 72 Horas Para Morrer
Pior do que conhecer um Serial Killer, é um Serial Killer conhecer você!




A primeira coisa que tenho a dizer é: Esse livro mexeu comigo. De todas as maneiras possíveis. Eu me senti indignada, por tudo que aconteceu, me descabelei enquanto lia, ameacei muitos personagens, briguei bastante com outros, me surpreendi. Acho que o que eu mais fiz, lendo 72 horas para morrer, foi me surpreender. Mesmo nos momento em que achava impossível , eu olhava para todos como se fossem suspeitos, imaginava mil e um motivos para tudo estar acontecendo com Júlio, personagem principal, e quanto mais pensava menos chegava a uma conclusão plausível.

72 horas para morrer conta a história de Júlio Fontana um delegado de uma cidade pequena que logo no começo do livro recebe a dura noticia de que sua namorada foi sequestrada. Então sua vida vira de cabeça pra baixo, tentando descobrir quem está por trás do crime ele se vê no meio de uma grande vingança por ele. Tendo que proteger sua filha, Laura, descobrir pistas sobre o Serial Killer e permanecer vivo.

Eu não li o livro, o devorei. Foi impossível parar, a partir do momento em que você começa a lê-lo não tem como parar. É tudo milimetricamente calculado no livro, o mistério faz com que você perca sua linha de raciocínio, os suspeitos são muitos e tudo que cada pessoas diz no futuro pode ser usado contra ela. Algo que eu achei interessante no livro são as duas narrações. Existe a narração do personagem principal, em primeira pessoa e a narração em terceira pessoa. Para que possamos saber de tudo - ou quase tudo - que acontece nas 72 horas.

Bem, o livro ensina duras lições. Uma delas é que nem sempre as pessoas são o que achamos dela. Todos - ou quase todos - têm um segredo. Algo que nos torna vulnerável, algo que diz o que realmente o que somos. Todos os personagens são humanos demais, seja com seus defeitos ou qualidades. Você consegue gostar e odiá-los com a mesma facilidade. Impossível ler sem sentir nada, tudo que acontece te leva ao momento em que você descobrirá quem é o Serial Killer e porque está fazendo isso com Júlio, o livro gira em torno desse suspense e o que ele pode ter feito de tão grave para ser castigado daquela maneira.

A surpresa vem com o final do livro. Um final surpreendente - diga-se de passagem - que só vai reafirmar a genialidade com que o autor, Ricardo Ragazzo, escreveu toda a história. Garanto que quem ler vai ficar realmente surpreso. Eu recomendo o livro, porque eu o adorei, falei sobre ele durante todo o tempo - acho que até enlouqueci minha mãe um pouco - e se tornou um daqueles livros que assim que acabo de ler sinto vontade de voltar para a primeira página e o ler novamente. Esse vai, com toda certeza, ficar marcado com um dos melhores livros que li esse ano. Só lembrando que esse livro chegou a mim por meio de um book tour realizado pelo blog Momento Literário.

Ps. Literatura Nacional.
Ps2. Esse livro é tudo!

site: http://aescritorasonhadora.blogspot.com/2013/07/resenha-72-horas-para-morrer.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Blog As 1001 Nuccias 24/05/2015

Resenha Blog "As 1001 Nuccias"
Confesso que leio pouca Literatura Nacional. Mas a culpa é toda minha: sou tão bombardeada com informações e propagandas de livros estrangeiros, que acabo por deixar os nacionais em segundo plano. No entanto, esta tendência está para mudar. Primeiro porque eu consegui re-ativar o filtro de spam no meu e-mail (isso mesmo, Saraiva, você já era! O Submarino, não, esse eu amo). Segundo, como estou me aventurando na carreira literária também, iniciei o processo de contato com vários autores e, com isso, tenho maior acesso ao trabalho deles. Assim, estou mais curiosa e mais interessada por livros nacionais do que os estrangeiros.
Sobre o autor, Ricardo Ragazzo, o que posso dizer? Primeiro que é um cara legal e simpático. Eu tenho problemas com a cidade de São Paulo, mas não com os paulistas. Ricardo, que também publicou "A Garota das Cicatrizes de Fogo" e está para publicar seu 3º livro, já demonstrou sua simpatia respondendo uma entrevista aqui para o blog >> O processo de publicação sob a ótica de Ricardo Ragazzo.

E o livro?

Vou começar por deixar claro que, apesar de achar este e outros autores legais, eu não sou 'pau-mandado'. Eu não cobro pelas resenhas (acho pedante e ridículo), não peço os livros de graça (ok, um desconto posso pedir, mas procuro sempre comprar), e, o principal, sou sincera. Se gosto quando as pessoas me dizem que estou um saco, que meu mau humor é um inferno de aturar, então acho justo que eu seja sincera com os demais também.

Agora, isso não foi dito porque o livro é uma porcaria. Pelo contrário, o livro é muito bom! Fazendo metáforas comparativas: 72 Horas para Morrer tem as cenas mórbidas tão bem descritas que senti-me dentro de uma cena da série 'Hannibal'; os assassinos são tão inteligentes e perspicazes que posso considera-los dignos de um episódio de 'Criminal Minds'; os personagens principais são tão cínicos e cheios de surpresas que achei estar em meio ao elenco de 'House, M.D.'; e as reviravoltas são tantas, com desfechos pra lá de inesperados, que o enredo me lembrou um livro de Harlan Coben. Cabe dizer que amo de paixão frenética todas estes seriados.
É um romance de ficção, publicado em 2011 pela Novo Século Editora. A capa desta edição (lá na sinopse) é muito mais impactante do que a nova capa, essa aí do lado. Coisa minha; apesar de entender a ligação de ambas com o enredo, achei a primeira mais 'tchans'.

Bom, o miolo é impecável. Achei o uso de vocativos (nomes dos personagens, entre outros) um pouco demais, mas isso pode ser influência regional e eu não sei. A revisão deixou passar apenas 2 trechos um pouco confusos, mas nada que impeça o leitor de compreender o enredo. Aliás, que enredo!! Eu nunca, nunca esperaria por aquele final. Eu li achando que era uma trama policial comum e elaborada, e então... =O - Não vou contar, óbvio!

site: http://1001nuccias.blogspot.com.br/2015/05/resenha-livro-72-horas-para-morrer.html
comentários(0)comente



carolina.trigo. 16/05/2015

Final Decepcionante
E hoje trago para vocês mais um livro policial, mais um livro nacional. "72 Horas Para Morrer", de Ricardo Ragazzo, Editora Novo Século.
O livro conta a história de Júlio Fontana, um delegado da cidade de Novo Salto que descobre que sua namorada, Agatha, foi sequestrada. Junto com esse sequestro aparecem vários assassinatos horrendos e a vida de Júlio vai virar um inferno.
Júlio vai ter que correr contra o tempo para salvar a vida de sua filha, na qual ele suspeita que possa ser a próxima vitima. Ele tem somente 72 horas antes que aconteça outro assassinato.
Gostei do desenrolar de toda história - até chegar no final! Aquela justificativa foi totalmente sem graça e meio idiota. Estava esperando O FINAL! porque até aquele momento a história tava MUITO BOA! mas os dois/três últimos capítulos me decepcionaram muito.
Os personagens foram muito bem construídos - tanto o delegado como os policiais, a filha de Júlio, os possíveis assassinos. Todos, sem exceção de nenhum, tinham uma história muito boa e desculpas favoráveis para eles. Mas, os final meu amigo, destruiu toda essa construção durante o desenrolar do livro.
Mas nem isso tira a inteligência e a bela construção da história e a ousadia do autor.
O livro teve duas edições, essa capa é a segunda.
Até o final do livro não tinha entendido o porque da velhinha na capa. Mas sim, tem significado. E gosto mais dela do que a da primeira edição.
Recomendo para os fãs de policial, principalmente por ser nacional. Com isso vemos que o espaço do romance policial brasileiro está crescendo a cada ano. Mas não esperem "aquele" final. Vão com a mente aberta pois pode tanto surpreender os leitores, quanto decepcioná-los.

Até a próxima e boa leitura!
Carol!!!

site: http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com.br/2015/05/final-decepcionante-72-horas-para-morrer.html
comentários(0)comente



Luiz Henrique 25/04/2015

72 Horas para Morrer
O livro conta a história de Júlio Fontana, delegado da cidade de Novo Salto e uma série de assassinatos ligados a pessoas que ele conhece.

Primeiramente tenho que falar que a história do livro é sensacional!!!!
Não há enrolações, a história é fluída e instigante da primeira à última página.

Infelizmente demorei muito tempo pra ler (2 meses) devido ao início do período letivo, mas mesmo lendo picotado a história é tão boa que não houve prejuízo à leitura.

Reitero todos os comentários feitos na contracapa do livro: polêmico, intrigante, viciante, impossível parar de ler. Particularmente gostei muito mais do que "Desespero" do Stephen King.

Quando você acha que começou a entender a trama surgem novos personagens, novas informações imprevisíveis e no final o livro da uma completa reviravolta e fecha a história de maneira espetacular!

Quanto à capa, gostaria de ter a outra edição (tenho a preta).

Outra coisa interessante foi as folhas de cada capítulo irem escurecendo conforme a passagem do tempo. O final de cada subcapítulo sempre te deixa com vontade de continuar a lendo.

Recomendo fortemente essa leitura para quem gosta de livros desse gênero e meus sinceros parabéns ao autor Ricardo Ragazzo!
comentários(0)comente



Letícia RFgbs 12/01/2015

[Resenha] #72 horas para morrer
Júlio passa por três dias terríveis e percebe que tudo em sua vida, mudou de uma forma terrível e ele constata que está sendo perseguido por alguém que não quer só que ele sofra, quer que ele agonize e saiba que tudo que está acontecendo com ele e com sua família é culpa dele mesmo. Júlio só não contava que Miguel fosse seu...

Este livro me surpreendeu muito do começo ao fim. Tudo de ocorre dentro da estória é envolvente e sempre cheio de surpresas, a cada página o livro se mostra mais interessante e prende o leitor na trama. Eu gostei muito das cenas em que Júlio se surpreende com tudo e com todos, posso dizer que é um ótimo livro de ficção que faz o público querer ler o mais rápido possível para desvendar os segredos que estão dentro das páginas.

site: http://sobangulos.blogspot.com.br/2013/10/72-horas-para-morrer.html
comentários(0)comente



Lea 18/11/2014

Tenso
O delegado Júlio tem a missão de investigar as mortes brutais de pessoas próximas a ele. Em meio ao sofrimento e a revolta por causa dos assassinatos, é necessário manter a lucidez para descobrir a identidade do assassino e o motivo por trás de tudo. Enquanto Júlio investiga, teme pela vida de sua filha, que pode ser o próximo alvo do assassino. O pai tenta desesperadamente protegê-la.

Ao leitor cabe tentar descobrir não somente quem é o assassino, mas também o motivo que o leva a cometer os crimes. O livro me surpreendeu muito, porque a trama se desenrola de uma forma totalmente inesperada. Quando leio um suspense, tento adivinhar quem é o assassino, às vezes acerto. Neste livro, acertei em parte, mas não tinha nem ideia do motivo. O motivo é uma surpresa que o autor reserva para o final.

É um thriller de suspense, indicado para quem gosta de mistério, investigação, pistas, serial killers. Contem cenas fortes. Não sou muito chegada em histórias de terror, mas adoro suspense policial, por isso gostei muito do livro.

Mais resenhas no blog Meus Livros e Sonhos:

site: www.meuslivrosesonhos.blogspot.com.br
comentários(0)comente



Fabricio Zak 09/09/2014

Para ler ouvindo Disturbed no talo!
Altamente perturbador na maioria das páginas. Tive momentos em que a agonia era tanta que chegava a segurar o livro com tanta força que quando percebia que iria amassar a folha eu voltava ao mundo real.
O Ricardo tem uma mente perversa e sanguinária para descrever maldades que são possivelmente cometidas em nosso cotidiano, infelizmente.
Aos que não tem sangue frio para aguentar um bom thriller de suspense repleto de mortes aterrorizantes não adianta nem cogitar a começar a ler a obra.
Em certas ocasiões nos colocamos na pele de Júlio, o principal personagem do livro, refletindo se agiríamos ou não de forma parecida com a dele. Mesclando em terceira e primeira pessoa,a história nos revela a amabilidade que Júlio tem com sua filha junto com seu temperamento explosivo que pode causar muito estrago a sua volta.
Entre amizades de infância, traições e amores destruídos pelo ódio o livro é um prato cheio para quem gosta do gênero. Lembrando que se tratando de leitura nacional, o livro não deixa nem um pouco a desejar se comparado a grandes nomes internacionais.
Na minha dedicatória o Ricardo escreveu as seguintes palavras: "Durma de luzes acesas.". Interpreto isso não de um forma mística ou fantasmagórica, mas sim a respeito da humanidade podre que existe a nossa volta.
Parabéns Ricardo pelas ótimas páginas!!
comentários(0)comente



Karine 05/07/2014

Não dá pra parar de ler!!
A história é eletrizante! Na primeira página você já é absorvido pela trama. Não conseguia parar de ler, o ritmo é viciante. A escrita do Ricardo é objetiva, limpa,clara, com narração do necessário sem aquelas divagações, e descrições massantes. A forma como são descritas as cenas dos crimes, do estado dos corpos encontrados é fortíssima, fiquei sinceramente chocada com alguns.
Como muitos já resenharam, o final não me agradou. Embora tenham sido esclarecidos todos os pontos, o sobrenatural surgiu pra explicar a si mesmo, não havia sido mencionado ao longo da trama. Fechou direitinho, mas não me convenceu. Apesa disso super recomendo a leitura.
Se você gosta de ser 'tragado' pelo livro, não pode ficar fora dessa perseguição!!!!
comentários(0)comente



05/07/2014

Em 72 horas para morrer somos rapidamente tragados para a conturbada vida de Júlio, delegado de uma pequena cidade que é surpreendido com a morte de sua namorada, assassinada de forma brutal e bizarra. Mas este parece ser apenas o começo de uma caçada sem fim. O assassino conhece Júlio e está focado nos alvos que cercam o homem, como sua única filha e seu amigo de infância. Correndo contra o tempo e tentando chegar antes que o monstro que está transformando sua vida em um pesadelo, ele deve seguir pistas e o que irá descobrir será uma enorme e intrincada rede de fatos que voltam-se total e unicamente para ele.
O que há com Júlio que despertou a ira desse criminoso, capaz de fazê-lo iniciar uma caça àqueles que o delegado mais ama sem qualquer possibilidade de misericórdia?
Narrada em primeira pessoa, acompanhamos pelas páginas de forma angustiante a passagem dos dias a partir do descobrimento do assassinato da namorada de Júlio. Embora não saiba exatamente o que está vindo pegá-lo, Júlio foca-se apenas em manter o último membro de sua família vivo: sua filha. Mantendo-se próximo à menina, cuja relação é complicada por acontecimentos do passado, ele entra de cabeça na investigação para levar ao verdadeiro culpado de toda essa brincadeira de muito mal gosto.
Sem espaço para respirar, o cerco está se fechando sobre ele com uma enorme rapidez e poucas são as respostas que ele obtém antes que seja tarde demais. Em uma vida cercada de tragédias envolvendo as pessoas que mais amava, Júlio se vê aterrorizado pela ideia de ficar de vez sozinho no mundo, principalmente sem saber exatamente o que fez para estar recebendo tudo aquilo.
Será que ele conseguirá salvar seu bem mais precioso, sua única filha, e por um fim de uma vez por todas à insana caçada na qual ele é o alvo principal? De delegado, homem que respeita e cumpre as leis, a simples pai desesperado que será capaz de tudo para manter todos a salvo, inclusive tornar-se um daqueles que sempre caçou no cumprimento do dever. A história de Júlio estará fadada à tragédia?
Depois de ouvir falar muito bem da escrita de Ricardo Ragazzo, eu rapidamente me candidatei a ler seu primeiro livro publicado. E o que encontrei foi uma história muito bem escrita, com a tensão transbordando das páginas e um mistério intrincado e desesperador. Desde o começo me simpatizei com Júlio, sua vida nunca havia sido fácil, e, embora eu tenha condenado em muitos momentos seu comportamento completamente fora de controle, que não condizia com sua condição de homem da lei, continuei torcendo arduamente por ele durante toda a leitura.
Com capítulos bem longos, acompanhamos o desenrolar dos dias subsequentes à descoberta do assassinato de sua namorada e a corrida para proteger-se e à sua filha do que quer que o esteja perseguindo com sede de vingança. O ritmo de leitura é alucinante, não há paz enquanto não atingimos as páginas finais, são tantas suspeitas, tantas teorias e o mal continua agindo de forma tão rápida que mal dá tempo de conseguirmos extrair qualquer informação concreta para construir um caso e o leque de suspeitos parece aumentar vertiginosamente.
Júlio é um personagem sofrido, que passou por muitas tragédias envolvendo as pessoas que mais amava e se arrepende amargamente de muitas atitudes e decisões, por isso, seu esforço para manter sua única filha (e família) viva é louvável, embora nem sempre ele tome as decisões mais sábias ou fáceis. Em muitos momentos fiquei com raiva dele, principalmente no final, que me deixou mais irritada do que nunca. Mas é claro que isso não foi capaz de apagar o brilhantismo do enredo.
Ricardo Ragazzo constrói em 72 horas para morrer uma história de perseguição e mistérios incrível; com sua escrita excepcional, que prende totalmente o leitor da primeira à última página, somos levados junto à correnteza de informações, mistérios e luta pela sobrevivência diante de um serial killer sombrio e imperdoável. Ele estabeleceu seu alvo e não descansará até destruído tudo na vida de Júlio.
Eu havia sido avisada de que existia um elemento sobrenatural incluído no enredo e que muitas pessoas não haviam gostado do resultado. No entanto, para mim, a justificativa foi muito bem encaixada e tornou-se plausível e bem convincente. Não foi nada jogado, tirado do nada; gostei da forma como a solução do mistério foi sendo construída, inserida aos poucos para, então, resolver-se daquele jeito. Como amante de uma boa história sobrenatural, preciso dizer que a solução desse caso foi inteligente, inédita e muito perspicaz. Jamais poderia ter previsto esse resultado!
Embora tenha ficado extremamente irritada com o final do livro, achando totalmente injusto o desfecho para Júlio, 72 horas para morrer é uma excelente leitura, muito bem escrita, desenvolvida e de tirar o sossego. Podem acreditar, não há como fechar o livro até ter todas as respostas em mãos. E vocês se surpreenderão com o desenrolar dessa caçada impiedosa a um homem que já cometeu muitos erros em sua vida e apenas procura a redenção.

site: http://onlythestrong-survive.blogspot.com.br/2014/07/resenha-72-horas-para-morrer-ricardo.html
comentários(0)comente



111 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |