A Formatura

A Formatura Joelle Charbonneau




Resenhas - A Formatura


42 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Mônica 26/06/2015

A Formatura
Avaliando a trilogia toda, gostei da história. Meio que lembrou Jogos Vorazes.
Porém achei que o final deveria ser melhor explicado.
comentários(0)comente



Lucianoasantos 10/03/2015

Excelente desfecho de trilogia
Não são todos os dias que se termina uma série. Para ser sincero, confesso que gosto mais de começá-las que de terminá-las.

Ler séries demanda tempo, dedicação, e muita paciência com o autor quando ele toma um rumo que nos desagrada. E, o mais importante, fortes relações entre leitor e personagens. Como abandonar um personagem que acompanhamos por tanto tempo? Eu vi Harry entrar em Hogwarts, todo bobinho morando com os piores tios trouxas da terra da rainha, foi doído olhar para ele sete anos depois – na cronologia da série – e dizer adeus. Sinto um pouco disso com toda série que termino. É o que estou sentindo agora terminando “A Formatura”.

Como disse na resenha do primeiro livro da trilogia, no mundo de “O Teste”, trilogia da autora Joelle Charbonneau, “os personagens estão inseridos em um mundo, o nosso, em um futuro onde uma série de guerras com uso de armas químicas, biológicas, atômicas e o quanto mais que se puder imaginar tiveram curso, que levaram a um esgotamento da capacidade de regeneração do planeta, e, claro, à extinção ou mutação de formas de vidas animais e vegetais”.

“A sociedade que emergiu após o sétimo estágio se reagrupou em torno de um sistema que evidencia a figura do líder, uma vez que atribuem à fraca liderança das potências mundiais quando do colapso, em especial a americana, a principal razão para que a guerra não fosse terminada mais cedo.”

De cara gostei do elemento “respeito ao líder”. Em distopias, geralmente temos o “temor ao líder”. No mundo do Teste, a “Comunidade Unida”, o líder é alguém respeitado por ser formatado de tal maneira que seja alguém pronto à responder com energia a todo e qualquer empecilho que se colocar frente ao desenvolvimento social e bem-estar da população. Suas atitudes não são personalistas, ele não quer um trono, longe disso, visa um bem maior. E, ainda, não é temido por determinar massacres e boicotes. Apesar de terem recursos bastante limitados à disposição, há o entendimento de que a sociedade faz o que é necessário para se reerguer, e com o que se tem disponível no momento.

A estrutura social tem cara de maquinário de relógio, com cada um sendo parte da engrenagem que permite o bom funcionamento da comunidade como um todo, sendo os líderes aquelas pessoas que foram aprovados n’O Teste e conseguiram se graduar na Universidade.

O Teste é quase que um personagem do livro. O foco na educação tanto como formadora de lideranças capazes como quanto esperança de um futuro melhor é algo bem trabalhado,mas que não deixa de acrescentar à sociedade uma camada de ingenuidade, na forma de uma confiança cega que a aproxima das demais sociedades distópicas. O fato de que, a cada ano, candidatos de cada colônia são escolhidos para concorrerem a uma vaga na universidade tem pra mim um significado duplo, que depende do tipo de governo no poder: se ele é sincero e age realmente em prol do povo, escolher os melhores alunos de cada colônia faz com que sejam maiores as chances de que sejam aprovados n’O Teste os efetivamente mais capazes, que por fim se tornarão os líderes mais aptos. Se não, se pensam apenas em continuar como classe dominante, retirar dessas colônias suas mentes mais brilhantes é apenas condená-las ao julgo da capital, calando vozes que poderiam se tornar opositoras.

E, em distopia, você tem de ler para tirar a prova.

Cia é uma das selecionadas para o Teste. Gostei dela. Ela pensa, não apenas morre de amores por alguém. Ela tem sangue nos olhos e coração mole. Questiona. Se sente insegura, mas acata ao que tem de fazer. Ela evolui muito durante os três livros, mas o que me faz admirá-la ainda mais é que em nenhum momento ela se torna dona de uma força ou caráter sobrenatural. Ela segue a mesma menina com as raízes entranhadas na distante colônia de Cinco Lagos, que sente falta da família, e se pergunta se tudo um dia terminará bem.

Não vou falar sobre o enredo desse último livro, mas a autora teve que dar uma boa mexida para fazer o final acontecer. Achei bem diferente dos recursos que ela utilizou nos dois primeiros livros mas serviu para dar uma refrigerada na narrativa, que vinha ficando perigosamente linear. E o melhor de tudo é que as coisas não demoram a acontecer. O livro começa do ponto onde o “Estudo Independente” terminou, e ela, Joelle Charbonneau, ganhou comigo um ponto positivo enorme com isso: não precisei de uma ou duas páginas para me situar na história ou me aclimatar ao mundo de Cia novamente; pelo contrário, foi algo automático, e poucos autores conseguem isso.

Ela, a autora, já tinha se mostrado bastante inteligente ao jogar com o leitor no quesito “em quem Cia pode confiar”, lembrando-nos a todo momento de um conselho dado à Cia pelo pai dela pouco antes de ela deixar Cinco Lagos, mas aqui isso toma proporções gigantescas, e os cenários possíveis vão sendo validados até as páginas finais do livro. Não fica claro para o leitor durante o livro quem é o bom e quem é o ruim. Arrisco até a dizer que muitos leitores vão levar um tempo para definir o que acham quanto à isso após a leitura.

Gostei bastante do livro, assim como de toda a trilogia. A autora cuidou para dar respostas sobre o destino de cada personagem, mas as palavras finais do livro, “E ainda há muito por fazer”, me soaram como uma promessa. Não sou eu quem vai reclamar.

site: http://www.pontolivro.com/2014/11/a-formatura-o-teste-livro-3-de-joelle.html
comentários(0)comente



Clã 05/01/2015

Clã dos Livros - A Formatura
Esta resenha contém spoiler do livro 2. Se você ainda não leu Estudo Independente é melhor não ler a resenha! ;)

" Quando termino, porém, o desenho no centro do círculo ligeiramente oval é inconfundível: dois raios cruzados.Um símbolo de poder. Da eliminação da ignorância. E de uma rebelião que tem que superar probabilidades absurdas para triunfar. Um símbolo que combina meu passado e meu futuro. E chegou a hora de esse futuro começar."

Malencia se surpreende ao presenciar Symon, o líder da rebelião, matando Michal, um aliado que lhe entregava provas capazes de acabar com o Teste. Assim termina Estudo Independente, livro 2 da Trilogia.

A moça fica sem chão, pois tudo o que pensava sobre a rebelião estava errado. Ao refletir sobre o problema percebe que o melhor é contar tudo à presidente e deixar em suas mãos que resolva o que fazer. Mas Malencia não esperava que ao invés de assumir o problema, a Senhora Collindar devolvesse-o às mãos dela.

" - Não vou matar o doutor Barnes e seus seguidores. - Ela coloca a pasta na minha mão. - Você vai."

Cia se vê então, com a difícil tarefa de eliminar os líderes que controlam o Teste e acabar com a matança de tantos jovens.

"(...) não tenho certeza de que seja capaz de seguir a trilha que ela me apontou."

Ela precisa correr contra o tempo com a mais complicada das tarefas. Recrutar ajudantes capazes de matar e nos quais possa confiar, pois sozinha não conseguirá eliminar todos da lista que a presidente lhe incumbiu.
E agora, em quem confiar? Quem teria a capacidade certa para ajudar e não os entregaria aos inimigos? Como ter certeza do que fazer e de quem escolher?

" Tem havido muitas mortes desnecessárias. O peso da vida dessas pessoas pressiona meu peito, dificultando a respiração. Em quem acreditar? Na presidente? Em Raffe? Em Tomas? Em mim mesma?"

Cia amadureceu muito ao longo da trilogia e suas decisões estão a cada momento mais inteligentes. Ela se questiona a todo momento sobre o que deve ou não fazer, e muda seus planos ao longo da história, demonstrando, mesmo sem perceber, que foi a melhor escolha para liderar o grupo.

Ela e Tomas continuam apaixonados, mesmo com tantos problemas e os dois ganham algumas pequenas e merecidas cenas românticas.

"- Tomas? - Procuro tocá-lo, mas ele se afasta do meu toque.
- Prometa que, se a gente fracassar e a guerra estourar, a gente foge - ele diz.
- Você não pode...
- Posso sim. - Ele se aproxima e vejo seu rosto na penumbra. Tão bonito! Tão querido! - Não vou deixar que você faça isso sozinha.(...)
- Só vou quando você for. Até lá, estamos juntos nisto."

A Formatura foi, sem dúvida, um desfecho bem elaborado e inteligente, com reviravoltas impressionantes e surpreendentes.
Alguns personagens ganharam destaque e conquistaram nossa atenção, Raffe, Stacia, Will, o próprio Doutor Barnes, entre outros.

Se você já é fã da Trilogia, (que entrou na minha lista de favoritos) prepare-se para se surpreender com o desenrolar de A Formatura.

Amei e recomendo!

site: http://cladoslivros.blogspot.com.br/2014/12/resenha-formatura-livro-3-da-trilogia-o.html
comentários(0)comente



Cath´s 27/11/2014

Resenha A Formatura.
O Teste conta a história de Melancia descobrindo que o mesmo não são simples provas para se chegar a universidade, mas sim uma experiência horrível com mortes envolvidas, em que somente os aprovados passam para a universidade e o restante some (isso se não morreu antes). Em Estudo Independente, Cia está na universidade e descobre que a presidente deseja terminar com o Teste, mas que tem um plano de sabotagem por trás.

No terceiro e último livro da trilogia O Teste Cia está sabendo que se não se meter os rebeldes irão morrer (incluindo seu irmão Zeen) e o Teste irá continuar. Assim ela toma a decisão de contar a presidente o que sabe, mesmo sendo arriscado.

Só que a solução da presidente não é o que Cia esperava, invés de tirar o peso dos seus ombros só jogou mais, pois deseja que a própria garota mate os principais apoiadores do Teste.

O livro vai decorrer durante a dúvida de Cia em estar certo matar pessoas, a capacidade dela fazer isso e também em quem poder confiar.

Melancia com certeza cresceu na trilogia, perceptivelmente, se nota que decisões que ela não tomaria no primeiro volume, toma nesse. Thomas aparece mais do que no anterior, ele é a única pessoa em que Cia confia totalmente.

Will aparece pouco na minha opinião, mas Raffe, que é outro personagem que adorei, aparece consideravelmente. Stacia foi uma jogada da Cia que até agora não entendo, pois ela tinha noção da natureza egoísta e ambiciosa da garota.

Admito que esperava mais do final, teve um encerramento satisfatório, mas acho que Cia aceitou coisas de forma tão banal que eu não aceitaria e também acho que esperava que ela desse uma de Katniss e matasse alguém que ela não matou.

Mas o decorrer do livro foi uma leitura muito boa, tanto que mesmo as letras sendo pequenas e ter 320 páginas li em algumas horas. Cia consegue te puxar para a história dela e do que esta acontecendo.


No total eu indico a trilogia, é uma leitura fácil, agradável e o primeiro livro principalmente te conquista totalmente, mas admito que senti falta de um final mais U-A-U, mesmo com toda a ação achei que faltou impacto.

site: http://www.some-fantastic-books.com/2014/11/resenha-formatura.html
comentários(0)comente



Carolina Durães 26/10/2014

Narrado em primeira pessoa por Cia, "A formatura" de onde termina "Estudo Independente". Cia presenciou a morte de Michal e entendeu a grande conspiração que envolve Symon Dean e o doutor Barnes.
Além disso, o incidente envolvendo Ramone está começando a despertar suspeitas e Cia não sabe em quem confiar: nos rebeldes que estão sendo manipulados ou aqueles que passaram pelo Teste e realizaram atrocidades?
A protagonista decide ir direto à presidente Collindar para tentar alertá-la dos perigos quando sua vida recebe uma nova reviravolta: até onde Cia é capaz de ir para evitar que mais jovens morram?
O terceiro e último livro da trilogia é cheio de reviravoltas que deixam o leitor segurando o fôlego até a última página!
A mistura de personagens mais recentes como Raffe e Enzo com personagens que estão desde o início, como Will e Tomas deixam a trama mais complexa. As dúvidas sobre a lealdade de cada um, as segundas intenções e as crenças pessoais são postas à prova mais uma vez.
O leitor finalmente descobre o que é o Redirecionamento e o que acontece com os jovens que falham no Teste.
Cia é uma protagonista que merece críticas positivas. É inteligente, sagaz, mas ao mesmo tempo tem um bom coração e se preocupa. Tem um grande senso de honra e compreende o valor da família e dos amigos.
Tomas ficou um pouco apagado nesse livro, mas também merece comentários. Mesmo não sendo totalmente certinho, é generoso e deixa claro que gosta mesmo de Cia. Tem seus arrependimentos e tenta lidar com isso, mesmo sendo claramente difícil.
A capa tem um significado especial na história. A explicação está na página 161 e o leitor entende a importância desse novo símbolo.
Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um ótimo trabalho. A capa combina com as anteriores e chama a atenção.

"-Era a coisa certa a fazer pela minha equipe.
- E você sempre faz a coisa certa.
- Não - respondo honestamente. - Fui educada ciente de que é impossível sempre saber o que é certo. O máximo é tentar fazer o que você acha que é certo pra si mesma, e pra quem estiver à sua volta." (p.67)

site: http://www.acordeicomvontadedeler.com/
comentários(0)comente



Andre 25/11/2014

Andre piorou a dor no ombro digitando isso tudo numa cadeira dura.
Acordo às dez da manhã. Perdi um compromisso. Meus ombros doem por causa do modo com que os escorei na cabeceira da cama e na parte de baixo do guarda-roupa ontem, durante boa parte do dia. Minha cabeça ainda não digeriu os acontecimentos das últimas horas – ou últimas páginas. Avancei na madrugada, sempre ficando sem fôlego. Uma prova de obstinação. Um teste físico, examinando se sou resistente à fome, sede e fortes emoções.

Esta foi minha experiência da leitura de A Formatura. Todas as páginas foram lidas no dia de ontem e na madrugada de hoje. Até pensei que seria calmo e racional, mas o último livro da trilogia O Teste é intenso demais para ser largado num canto até o próximo dia.

Em O Teste, conhecemos um processo seletivo para a universidade que é, acima de tudo, violento. Em Estudo Independente, vemos que os métodos nada sutis de conhecer os candidatos a líderes da Comunidade Unida persistem durante estudos preliminares, estágios e na convivência entre os alunos em suas repúblicas e campus. Entretanto, rebeldes começam a se organizar para acabar com este abusivo sistema. Em A Formatura, a protagonista Malencia começa a investigar cada lado da história do seu país, das colônias e do Teste e precisará tomar uma decisão: defender ou atacar o processo que a permitiu ingressar na Universidade. Desta vez, nenhum personagem irá perder suas memórias, então deverá conviver com suas decisões e acontecimentos brutais para sempre. A vida real nesta sociedade distópica é o teste mais mortal de todos.

Algo que noto de diferente nesta trilogia são os "respiros" com romance que a autora insere entre alguns capítulos de mais ação. Para mim, soam forçados porque é simplesmente um romance. Em momento algum dos três livros o relacionamento do casal é posto à prova de verdade, com alguma discussão entre eles ou a chegada de um triângulo amoroso. Tomas é simplesmente um apoio para Malencia. Parece que Joelle somente não quis ficar atrás de outras distopias ya e inseriu um amorzinho na sinopse, porque o que ela sabe fazer, de verdade, é desenvolver a ação. E sabe mesmo.

As conspirações, mentiras, reviravoltas, revelações, mortes... Tudo contribui para que a gente não perceba que o tempo está passando e acabe lendo tudo direto, como aconteceu comigo. A maioria absoluta dos capítulos se encerra com um cliffhanger matador, te obrigando a devorar mais um. Fico imaginando o que aconteceria se os capítulos fossem realmente curtos... (A maioria deles tem de 15 a 20 páginas.)

Outra das coisas legais da Trilogia inteira é a representatividade feminina. Mulheres aqui tem nome e sobrenome, ocupam grandes cargos do Governo e da Universidade, são pessoas que apoiam o Teste e também que ajudam nas revoltas contra o método. São bem diferentes entre si e não deixam nada a dever para os personagens homens. Joelle brilha nesse sentido.

Sobre a sociedade e o Teste em si, só tenho dizer que Joelle consegue implantar questionamentos nos leitores muito bem. Cheguei a me questionar se o Teste é tão ruim assim quando se descobre o panorama completo do país. Afinal, ser severo não é um modo de conseguir selecionar os melhores futuros líderes? As poucas mortes que acontecem no processo não seriam compensadas pelo desenvolvimento tecnológico que se consegue após?

O desfecho é tudo que eu já esperava da trilogia. Não no sentido dos acontecimentos específicos, mas no que diz respeito à qualidade. Joelle Charbonneau me conquistou no primeiro livro, caiu um pouco no segundo volume, mas recuperou a bola e o ritmo num final emocionante e cheio de grandes descobertas e revelações. Publicada pela parceira Única Editora no Brasil, a série garante boas emoções e surpresas e está recomendada, claro.

site: Resenha com quotes, imagens e spoilers comentados: https://andrecefalia.wordpress.com/2015/12/17/t/
comentários(0)comente



AndyinhA 07/02/2015

Trecho de resenha do blog MON PETIT POISON

Lembram da máxima da distopia? Livro 3 – menina vira símbolo da revolução, ataques/reviravolta e as respostas de porque a tal Sociedade age assim e fim.

Esse livro foi bem diferente dos outros, mais passional, esquecendo bastante da distopia e se concentrando nos pensamentos e ações que Cia precisa tomar e em quem ela pode ou não confiar. Confesso que isso me deixou um pouco chateada, esperava mais distopia e explicações mais aprofundadas sobre o governo de Tosu City e o desenrolar sobre os Sete Estágios da Guerra. Mas isso ficou bem a desejar.

Nos primeiros 10 capítulos do livro, a autora esqueceu que a personagem está em aula – ok, que ela tem de salvar o mundo, mas as divagações da personagem são tantas e tão extensas que eu me perguntei se eles estavam de férias ou algum feriado porque ela nunca mais menciona ir às aulas ou o tal estágio que ela fazia. Essa volta só aconteceu quase na metade do livro...é muito tempo para ficar divagando. Me senti lendo um diário de alguém contando tudo que teve de passar para chegar aos finalmente.

Para saber mais, acesse:

site: http://www.monpetitpoison.com/2015/01/poison-books-formatura-joelle.html
comentários(0)comente



vinibrog 03/07/2015

O Teste ARRRRRRR
Quando comecei a ler notei muitas algumas similaridades com sagas como Divergente e Jogos Vorazes...
O Teste me prendeu muito, literalmente devorei a saga, sentia a emoção dos personagens!
Super indico
?????
comentários(0)comente



Giselly 01/07/2015

Deixou muito a desejar
Acabei o livro a Formatura agora e achei um desperdício o que a Charbonneau fez com essa trilogia, tinha tudo para ter um ótimo desfecho mas ela se perdeu no meio do caminho e isso começou a acontecer já no Estudo Independente, tive que ficar me forçando a ler só pra poder terminar mesmo, mas achei normal já que o 2º livro das trilogias são meio chatinhos mesmo, então quando acabei comecei a ter esperança que agora ia ficar bom já que o último livro seria bom, mas não foi, até mais da metade do livro é chato e quando vem o final e você pensa que terá uma emoção, não de chorar mas de adrenalina ou algo parecido, não acontece, aí você pensa em tudo que está vago vai ter solução, o mesmo tbm não acontece e nada se desenvolveu e você fica frustrada e vai dormir que é melhor.
Enfim decepção total. Infelizmente.
comentários(0)comente



Paula Juliana 23/03/2015

Resenha: A Formatura - Trilogia O Teste # 03 - Joelle Charbonneau

''Todos vieram pra Tosu City procurando ajudar o mundo. Todos estão mortos.''

UAUUUUU!
Como conseguir me expressar suficientemente bem sobre esse final?
Se O Teste tinha sido incrível, Estudo Independente melhor ainda... O que falar da A Formatura?
Esse livro foi forte! Intenso! Elitizante! Um grande fechamento com gostinho de quero mais!

Primeiro quero deixar claro que a resenha não vai conter spoilers das leituras anteriores e nem desse volume!

Acredito que todo mundo que frequenta o Blog já saiba da minha fascinação por distopias. Esse é um gênero que posso ler sem me preocupar, que em algum momento o meu eu idealista vai gritar! Vou me envolver com as situações, vou comprar as brigas dos protagonistas, vou entrar na história ao ponto de estar na história! Paixão é um elogio fraco para expressar o que foi esse leitura! A Formatura, da trilogia O Teste, da autora Joelle Charbonneau foi destruidor! Arrebentou e ainda fez uma dancinha da vitória!

''Os métodos do Teste são terríveis, mas têm obtido resultados. A água pura que bebemos e o número de colônias com terras revitalizadas provam que os líderes treinados pela universidade são experientes.
Dá para confiar na presidente para mudar o sistema quando este está produzindo resultados? Não sei. Enquanto o vento fustiga meu cabelo, percebo que, se quero tentar acabar com o Teste, vou ter de descobrir como.''

O enredo geral da trilogia conta a história de Cia, uma garota que é selecionada para o Teste que leva só os mais brilhantes estudantes para a faculdade! Cia é idealista, mesmo vindo de uma colônia pequena, ela quer fazer a diferença, quer ser como o pai que foi para a faculdade e depois foi para Cinco Lagos para ser uma grande Líder e fazer o bem para as pessoas!
Então quando conseguiu, essa uma grande vitória, entrar na competição, viajar para a capital Tosu City e competir pela sua vaga para ser essa grande líder que tanto queria ser, não poderia nunca imaginar o que estava por vir.

A primeira pista foi seu pai que não ficou nem um pouco feliz com sua conquista, segunda o conselho que lhe deu, que nunca deveria confira em ninguém. Quando chega a capital logo vê que esse Teste não é bem a grande prova que ela esperava! É muito mais cruel e MORTAL!

Cia não pode confiar em ninguém, não conhece ninguém verdadeiramente, está longe de casa, com estranhos que fariam tudo por uma vaga... até mesmo matar!

E agora a questão não é passar para a universidade é SOBREVIVER a universidade! E então esperar que chegue o fim.. a tão esperada FORMATURA!

''O título de líder só lhe confere autoridade se os oficiais e os cidadães com quem trabalha o seguirem. O termo ''presidente'' não quer dizer nada se as pessoas buscarem liderança em outra pessoa.''

Cia sofreu. Cresceu. Viveu uma aventura mortal. Descobriu que podia ser mais, que podia ser forte, uma verdadeira líder quando fosse preciso. Nesse volume, depois de tanto se convencer que o Teste é cruel, desumano e tem que acabar, Cia começa a se questionar. Ela questiona tudo. Os valores do Teste, a forma que ele é empregada, a forma que apesar dos pesares ele funciona, ela consegue ver a PARTE POSITIVA, que antes não conseguia, isso deixar o próprio leitor confuso, e nós mesmos começar a nos questionar. Começamos a fechar a história na nossa cabeça, a fechar o perfil dos personagens, estamos acostumados a separar mocinhos e vilões na nossa mente, queremos escolher e torcer para a pessoa certa, a boa mocinha, a idealista, a forte, a que faz o que é CERTO!

''O medo. O desespero de sobreviver a todo custo...''

Mas quando o certo se mistura com o errado? Quando aquilo que tem que ser feito não é moralmente a coisa certa? Muda tudo? Faz a pessoa em questão virar a vilã? Essa é uma boa pegadinha para nós que estamos acompanhando a série. Cia muda, ela amadurece, ela endurece. Como é bom e simples ser a garota sonhadora, amada e protegida por todos que ama, mas quando essa garota vai para mundo real, o mundo deixa marcas. Coisas ruins acontecem, e não podem ser apagadas, as cicatrizes podem ou não ser visíveis, mas elas vão sempre existir!

''Minha visão se tolda com a emoção, dificultando a leitura das últimas páginas. Raiva. Pena. Medo. Desespero. Esses sentimentos diminuem minha decisão de recusar o pedido da presidente, e cutucam as crenças que me ensinaram a valorizar.''

Em A formatura, temos essa Cia. A mocinha que tem seus valores e que acredita neles, mas que não tem mais a inocência de pensar que todas as pessoas são como ela. Que todas as pessoas vão fazer o que ela acha correto. Mas é nesse livro principalmente que ela tem a chance de ver que apesar das pessoas serem imprevisíveis e algumas valorizarem só o seu bem maior e não o do mundo, ela tem a chance de ser a líder que sempre imaginou poder ser, e vê que um líder não é nada sozinho, que para fazer a diferença, ela vai precisar de outras pessoas junto com ela. E voltamos a primeira questão... em quem confiar? Em nas mãos de que entregar sua vida?

''Cheguei a Tosu City sem marcas. Pensava que soubesse o que significava liderança, e o que enfrentaria se fosse selecionada para 0 Teste. As cinco cicatrizes em relevo me lembram de quanto fui longe e de quanto mudei. Porque não é apenas o exterior que ficou marcado. Onde minhas crenças eram, um dia, preto no branco, agora vejo tons de cinza.''

As escolhas de Cia são feitas em cima de seu conhecimento, de seus valores, do que viu no Teste, no perfil que moldou de cada um. E apesar de precisar entregar sua confiança, muito mais está em jogo, destruir o TESTE É O OBJETIVO, e as armas usadas podem ser qualquer uma, até matar.

A menina que não conseguiu pensar em matar nem para sobreviver, vai ter que se moldar para conseguir fazer o que precisa ser feito! Vale tudo? Causa maior? Sacrifícios? Mortes? Vidas sendo descartadas em prol de um objetivo, supostamente maior, para o bem universal de todos? Isso existe?

Equilibrar humanidade e bondade com lei e justiça... O emocional brigando com o racional. O certo e o errado e sua fina linha que os misturam!

''- Não é a lógica que está liderando esta rebelião, Cia, é a emoção. Eles querem acabar com o Teste, mas, depois de terem investido tempo e energia, o que eles mais querem é fazer com o que o doutor Barnes e todos aqueles que fazem parte do Teste paguem. Estão pouco ligando que morram, desde que aqueles que acreditam ser responsáveis pelo Teste também estejam mortos. Se eles virem você como uma ameaça à vitória, não terão problema em sacrificá-la para garantir um causa maior. Saia daí enquanto é tempo. Não há nada que possa fazer para impedir o que está vindo.''

O ROMANCE:
Todos sabem que no começo tive uma grande resistência em aceitar o mocinho, em acreditar nele, no seu amor, em suas promessas. E ele acabou me surpreendendo, pelos dois lados durante toda a série, Tomas foi ótimo, ele conseguiu me conquistar, então me fez quebrar a cara, e por fim me reconquistou novamente. Eu que nem queria dar a chance de gostar dele, acabei levando um belo olé. O romance é uma constante na história, mas está mais como um ponto de força, em meio a tanta coisa triste, a tantas decisões horríveis que tem que ser tomadas, o romance simples e singelo, se torna um trunfo, um detalhe que torna a obra mais forte, não encontrei nenhuma montanha russa emocional entre Cia e Tomas, encontrei uma relação que foi se formando aos poucos e se tornado forte e constante! Um ponto positivo mesmo em meio a tantos problemas, decepções e enganos.

''Ele me abraça com força. Envolta em seus braços estou segura, mas sinto um fogo começar a arder. Minhas mãos tocam seu rosto, seu pescoço, seus braços, memorizando a sensação do seu toque. Minha respiração se acelera. Permito-me um último beijo, e então saio do aconchego dos seus braços.
Respirando compassadamente, digo:
- Quero que você diga que vai embora.
- Só vou quando você for. Até lá, estamos juntos nisto.''

A Formatura foi uma GRANDE obra. Me causou várias reações, me desligou totalmente do mundo, levei alguns sustos literalmente, durante a leitura, alguns pulos do nada, por estar tão absorvida na história que não via o que estava acontecendo a minha volta no mundo real. Liderança, fazer o certo e o errado, no momento que estamos vivendo no Brasil é um grande tópico a ser discutido, mesmo sendo ficção, a série ultrapassa essa barreira, as mensagens e questionamentos são reais, as qualidades dos líderes, a forma que agem, que pensam e lidam com vidas são perguntas reais. Emoção, política, humanidade, poder, vidas e mortes em um mundo onde a guerra pode ser fora e dentro de paredes ou começando dentro de nós mesmos! LEIAM!

''Aprendi que, quando sou pressionada, posso contra-atacar; que sou mais forte e tenho mais iniciativa do que jamais pensei ser possível; que minha disposição em acreditar que todo mundo confia nos valores com os quais este país foi formado, e eu fui criada, é infundada.''

''Dois raios, dois times. O fim da ignorância, o começo da esperança.''

Paula Juliana

site: http://overdoselite.blogspot.com.br/
comentários(0)comente



Marisol 10/09/2015

Recomendo a série, mas infelizmente o final deixou a desejar.
#Trilogia - O Teste JoelleCharbonneau
O Teste Estudo Independente #A Formatura

“As coisas nem sempre acontecem como a gente espera. Você só precisa se recompor e encontrar uma nova direção a seguir.”

Num futuro, guerras travadas com armas químicas e biológicas levaram à extinção/mutação de animais e vegetais. O Teste é elaborado para selecionar os melhores alunos para a reconstrução do mundo pós-guerra.
Malencia Vale (Cia) uma jovem inteligente com habilidades espetaculares, sonha em competir por uma vaga na universidade. Quando é selecionada para o Teste, fica muito feliz, mas não poderia imaginar o que estava por vir.
Seu pai que participou do Teste, se mostra preocupado e aconselha Cia para nunca confiar em ninguém.
Quando iniciou a seleção, percebeu que não era o que ela esperava. Era muito mais cruel! Ia contra tudo o que Cia acreditava e seu objetivo é destruí-lo.
O romance não é o foco dessa série, então não esperem muito. Foi difícil de acreditar no amor de Cia e Tomas, faltou um pouco de química entre eles.

Recomendo a série, mas infelizmente o final deixou a desejar.
comentários(0)comente



David 11/08/2015

“O teste final é o mais mortal.

A Formatura encerra mais uma grande distopia pela qual me aventuro. Depois de dois volumes sufocantes em que o leitor acredita que Joelle Charbonneau não pode mais inovar ou surpreender, vem este terceiro e último momento, onde a cada instante seu coração e arrebatado pelos momentos de aflição, tensão e dúvidas, enquanto a personagem Cia combate valentemente os perigos que espreitam a derrubada do governo.



Cia Vale sobreviveu ao Teste. Como se isso não fosse suficiente, escapou da rodada preliminar na universidade e garantiu seus estudos, após cansativos desafios. Mas entre um jogo de verdades ou mentiras, ela se vê novamente perdida sobre em quem acreditar. Após todo o exaustivo trabalho para reunir as comprovações que precisava em pró de derrubar o massacre seletivo para a universidade, Cia se vê novamente em risco quando a presidente lhe propõe uma tarefa complicada, imoral e totalmente desejável. Os momentos finais de uma possível revolução estão próximos de começar e uma verdadeira enxurrada de respostas prontas para se mostrar, enquanto o círculo se fecha mais e Cia se vê perdida sobre em quem confiar? Seria ela capaz de lidar com as próprias escolhas que precisará fazer?

“As coisas nem sempre acontecem como a gente espera. Você só precisa recompor e é encontrar uma nova direção a seguir.

Charbonneau me cativou! Isso é um fato marcado perfeitamente bem nos outros dois volumes de sua sufocante trilogia distópica, repleta de uma pitada inteiramente pessoal. Mesclado entre um Jogos Vorazes mais leve e um Maze Runner mais intelectual, a autora conquista seus leitores em termo originalidade, levando-se em conta a grande remessa de obras do mesmo gênero que lotam os catálogos editoriais. Como dito nas resenhas anteriores, Charbonneau diferentemente dos outros autores, não foca apenas o governo totalitária, cruel e calculista, mas também pesa o quanto o impacto ambiental pode ameaçar a convivência humana no planeta. Suas críticas não apenas ferroam a humanidade como um todo, em seu lado individualista e frio, como também arrebata os ciclos sociais de imensa importância, centralizando o meio ambiente, e todo o desgaste que tem sofrido pelo ser humano. A trilogia O Teste é um apurado de críticas bem construídas sobre o meio ambiente, demonstrando com a cruel veracidade o quanto este nosso habitat pode se tornar hostil e incontrolável quando expostos a pressões e químicas. Charbonneau não só elaborou um cenário distópico atrativo e instigante, como também construiu com perfeição toda sua trilogia. Narrado em primeira pessoa, A Formatura demonstra com maestria o desfecho de todos os eventos que lhe precedem, desde questões que ficaram abertas nos volumes anteriores, ao crescimento dos próprios personagens, de forma que é impossível que a leitura não mexa extremamente com seu psicológico.

Cia, protagonista de toda a série, nos conduz por uma aventura eletrizante e atormentadora, e seu grande ponto chave particularmente sedutor é o peso psicológico que ela vai adquirindo conforme os volumes vão se passando. Decisões, antes batidas e sem grande expectativa, ganham novas tonalidades de acordo com a nova visão de mundo que a personagem vai ganhando, e nesse quesito, sem dúvidas, Charbonneau não decepciona. Sua escolha de narrador não poderia ter sido melhor, levando-se em evidencia o retrato psicológico que a autora constrói de seus personagens. Desde Cia, que acompanha o leitor pelos três volumes, aos mais recentes, como Raffe, Will e Stacia, ou o irmão de Cia, Zeen, secundaristas que ganharam destaque e transformaram seus papéis em uma grandeza imensurável, sendo que sem eles o enredo jamais poderia ser o mesmo. Esse é o interessante nesta trilogia. As decisões acontecem de forma que parece ao leitor que os personagens realmente estão vivos, ali, escolhendo seu caminho. Em A Formatura, isso fica ainda mais vivo e evidente. E a cada decisão, uma consequência, em sua grande parte, negativa, como se para contrapor o equilíbrio de uma balança.





Atraente em todos os sentidos, desde a trama bem amarrada a edição espetacular, editada pela Editora Única, caracterizada por símbolos esboçados na capa que possuem grande significado, O Teste não poderia pedir menos se não a melhor classificação, e A Formatura não poderia ter um final mais emotivo, emocionante, sufocante e agonizante do que teve.

site: http://www.olimpicoliterario.com/2015/08/resenha_11.html
comentários(0)comente



Ana Letícia 09/09/2016

Amando
Não sei como a escritora faz pra escrever de forma tão envolvente, mas amo :D
comentários(0)comente



Lu.Fernandes 29/01/2016

a formatura - trilogia o teste
"talvez, depois que acabar, as pessoas entendam o que me tornei. talvez eu também entenda. " Vale, Malencia

apesar do livro 1 e do livro 2 conter diversos erros de gramática e de concordância, o livro 3 não possui estes, porém encontrei um erro grave nele.

o livro é repleto de ações e ansiedade, a menina que conhecemos no livro 1 se perde um pouco no decorrer da saga.
Cia, neste livro, luta pelos seus ideais, assim como nos 2 primeiros livros, e com isso mta ação, suspense e mortes.
o final é excitante porém não é surpreendente, ele segue o que acredita-se desde o livro 2.

vale a pena ler toda a trilogia pois apesar do que acredita-se após ler o livro 1, que seguirá a msm linha de jogos vorazes e maze runner e divergente, ele toma seu próprio rumo e sua própria linha de aventura.
comentários(0)comente



Beatriz 31/12/2016

Possui um decorrer de história interessante (em minha opinião as vezes um pouco forçado demais na busca de surpreender). Em contraste com o desenvolvimento o desfecho não atingiu as expectativas que eu esperava para o livro (adoro finais inusitados e criativos). Mas trata-se de uma boa leitura para passar o tempo.
comentários(0)comente



42 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3