Corte de Gelo e Estrelas

Corte de Gelo e Estrelas Sarah J. Maas


Compartilhe


Resenhas - Corte de Gelo e Estrelas


8 encontrados | exibindo 1 a 8


Adrya Ribeiro 18/10/2018

Vemos como está nosso amado pessoal após o fim da guerra, todas as feridas, incertezas e mudanças no mundo.
Nosso casal continua mais apaixonado do que tudo. Nestha continua insuportável e cruel. Cassian babando por ela (que peninha deleee). Amren no amorzinho com Varian. Az impenetrável e a Elain uma boba melhorando.
Gostei, mesmo não sendo nada demais, de voltar ao meu mundinho do coração!
comentários(0)comente



Fantástica Ficção 24/09/2018

O significado de Procrastinação
Antes de ler esse livro, estava na minha mente que eu não deveria fazê-lo. Nunca leio livros spin-off de alguma coisa, principalmente quando são voltadas aos mesmos personagens sem trazer nada mais de novo. Mas, quando a oportunidade de Corte de Gelo e Estrelas (ou Corte de Gelo e Luz Estelar no original) eu pensei: porque não? É um livro curto, talvez me surpreenda. Mas a verdade é que estou chocada em ver como a Sarah J. Maas simplesmente deixou que o capitalismo falasse mais alto nos apresentando uma história esdruxula que me arrependo amargamente de ter lido

"– Você nasceu na noite mais longa do ano. Era seu destino estar ao meu lado desde o começo."

A narrativa de Sarah J. Mass, em termos de escrita ainda é uma das melhores. Apesar da pouca história, a autora consegue prender o leitor até o final do livro e eu diria que esse é um dos poucos méritos de ACOFAS. Se bem que é um eufemismo da minha parte chamar de pouca história o que Sarah fez quando, na verdade, não existe história alguma. Eu não consigo entender como uma autora tão brilhante quanto Sarah escreveu 238 páginas sobre compras e presentes. Sim, porque a história todo – exceto poucos capítulos – é voltada a essa encheção de linguiça.

De primeira, já é assustador o fato que Rhysand deixa Feyre em casa para cuidar de papéis quando ele vai resolver assuntos políticos para além da corte. Apesar de entender que a Sarah estava trilhando responsabilidades diferentes para cada personagem, a escolha de Rhys é misógina que não está nem um pouco próxima ao que ele fez quando a escolheu como sua grã-senhora. E claro que não posso esquecer que foi exatamente o que Tamlin fez com Feyre.

Falando no grão-senhor da Corte Primaveril, se eu posso acrescenta a longa lista de coisas que senti raiva nesse livro foi a maneira com o qual Rhys chutou cachorro-morto. Vejam bem, eu nunca fui exatamente fã do Tamlin nem mesmo quando este era o “mocinho”. Mas acredito que ele deve ter sua chance de redenção ou pelo menos seguir sua vida. De modo, que deveria bastar o fato que Feyre conseguiu com que todos deixassem a Corte Primaveril e Tamlin se encontra em um mausoléu para lidar com sua própria cólera. Então me digam: qual a necessidade do Rhysand ir até lá com um propósito e terminar saindo pisando no Tamlin? É tão incrivelmente mesquinho e completamente arrogante, que boa parte do respeito que tinha pelo Rhysand se foi nesse ponto. Boa parte, porque o resto… Ah! O que dizer do que aconteceu…

“Para a abençoada escuridão da qual cada um de nós nasceu, e para a qual retornaremos algum dia.”

Por falar em Rhys e Feyre, mais ou menos desde Corte de Asas e Ruína já estava um tanto enjoada do casal. Eu amo Feysand (ou amava), mas o propósito da Sarah J. Maas nunca foi exatamente o romance ao meu ver. Ele deveria ser algo a parte, principalmente no terceiro livro quando o foco era a guerra contra o rei de Hybern. Então, ao ler mais sobre o casal em ACOFAS o sentimento de desgosto apenas aumentou. O fato é que Feysand já deu. Sua história já foi encerrada. O foco deveria ser os outros personagens que não tiveram voz nos outros livros.

De modo que minha outra e única parte positiva nesse livro está na narração dos outros personagens que ganharam um pequeno espaço. Morrigan teve dois capítulos e posso dizer que não foram excelentes, mas também não foram desperdiçados. Quero dizer, nós temos um resgate de seus sentimentos em favor do seu passado mais contado por ela que deixam um sabor de quero mais. Já Cassian, que de longe foi o que teve mais destaque com três capítulos, mostrou o que podemos esperar de seu spin-off. Cassian sempre foi meu macho predileto, e porque não? Sua imperfeição e seu jeito sarcástico me soam os mais atrativos pelas camadas que o personagem possui e que não encobrem a perfeição mais algo mais denso e mais intrigante que isso.

“Ela rasgou a escuridão com garras e dentes. Dilacerou e destruiu. A escuridão eterna ao redor dela estremeceu e se debateu. Ela riu enquanto aquele poder tentava recuar.”

Mas foi Nestha que fez tudo valer a pena. Nestha sempre foi minha personagem favorita por tudo que pode trazer para a história, por todo enredo que tem emaranhado em suas entranhas. Ela é forte de uma maneira que ninguém é pois carrega dentro de si a escuridão desde antes de ser Feita. Em um único capítulo, Nestha me desfez em pedaços e me reconstruiu para que eu amasse ainda mais; para que eu a quisesse protegê-la de tudo, mas principalmente de todos. Porque, pelo Caldeirão, como o ódio me consumiu a cada vez que Feyre e Rhys se referiam a ela. Principalmente Feyre.

No segundo livro, Feyre sofreu como uma condenada pela dor absolvia depois do acontecido Sob A Montanha. Mas agora, quando sua irmã precisa dela ela se mostra incapaz de ajudar. Nestha, talvez não mereça ajuda pelo modo como a tratou em cada um dos volumes. Mas ela merece pelo menos respeito à sua dor, ao que viu, ao que sentiu. Em cada uma de suas aparições era gritante que como Nestha implorava por ajuda, mas estavam todos tão envolvidos com suas próprias felicidades, Feyre tão disposta a ignorar os sentimentos da Nestha para ter o seu feriado perfeito, que ela foi ignorada. .

E sinceramente, acho que não vou mencionar o preview que teve do próximo livro porque é capaz de eu cometer um crime de ódio contra Maas. Pois o pior de tudo é a ironia do fato que Feyre acusou Tamlin de tê-la tratado como sua propriedade e é exatamente isso que ela faz com a Nestha, se aproveitando do fato que a irmã precisa do dinheiro dela para compeli-la a fazer coisas que não deseja.

Corte de Gelo e Estrelas foi uma leitura amarga. Uma fanfic teria sido melhor. De todas as maneiras que consigo pensar, Feysand perdeu meu respeito. A melhor parte da obra foi o que não era dessa história, pois dar uma espiada no primeiro capítulo de “Nessian” valeu pelo gosto do que está por vir. Eu só espero que Feysand não volte a narrar e que minha Nestha, minha querida e poderosa Nestha, obtenha toda a glória, toda vingança e toda felicidade que ela merece.

“Cassian nomeara pelo menos doze poses para Nesta até aquele momento. Começando em Eu Vou Comer Seus Olhos no Café-da-Manhã até Eu Não Quero que Cassian Saiba que Estou Lendo Livros Eróticos. A última era sua favorita.”

site: https://fanficcao.wordpress.com/2018/09/21/resenha-corte-de-gelo-e-estrelas-livro-3-5-sarah-j-maas/
Denise 27/09/2018minha estante
AMÉM PRA ESSA RESENHA TODA. Quero ver minha Nesta PISANDO em Feysand no próximo livro, casal egoísta mesquinho dos infernos. Nunca perdi o respeito por dois personagens tão rápido quanto pela Feyre e pelo Rhysand nessa novella.




spoiler visualizar
comentários(0)comente



Nadja 18/09/2018

Vendo as resenhas
Bom, eu só comprei o livro pra saber do Rys e da Feyre, então de tiver mais deles, tô dentro.
Nadja 18/09/2018minha estante
* Se tiver. :)




Rita 07/09/2018

A premissa do livro é ser um livro curto e que ligue os acontecimentos do antecessor com o seu sucessor e só. Levando em conta que ele foi escrito com essa finalidade, cumpriu bem o seu papel: Mostrou como todos estão lidando com o fim da guerra (alguns melhor que outros) e como é a vida cotidiana em Velaris sem a ameaça de uma guerra iminente. Ou seja, foi um livro bem calmo, o único grande acontecimento acontece no final, que nos encaminha para possíveis pontos de tensão na Corte Noturna.

"You were born on the longest night of the year. It was your destiny to be by my side from the beginning."
"Você nasceu na noite mais longa do ano. Era seu destino estar ao meu lado desde o começo."

(In)Felizmente este é o último livro narrado por Feyre e Rhysand, o que abre o leque para novas histórias e lugares a serem explorados. O casal está bem e mais apaixonado que nunca, chegou a hora de deixa-los curtir a união com um pouquinho de paz.
Realmente pouca paz, já que o modo como a Nestha lidou com os acontecimentos finais de Acowar deixou todo mundo surpreso e em estado de alerta. Eu nunca cai de amores por ela, mas vejo muito potencial aí, e vale ressaltar que a personagem sofreu muito com todas as mudanças que ocorreram em sua vida e seu modo de agir acaba afastando as pessoas ao seu redor, quando o que ela mais precisa é de ajuda, apenas o Cass e a Amren tentam, de verdade, acorre-la, o que foi decepcionante quando lembramos que a própria Feyre já passou por um quadro de estresse pós-traumático semelhante. E, ao que parece, o próximo livro será narrado por ela e pelo amor da minha vida, Cassian. Será ótimo ver esses dois enfrentando percalços juntos, principalmente se for bem juntos, a esperança de ver Nessian oficializado segue firme e forte.

"Nesta had made it clear enough she had no interest in Cassian - not even in being in the same room as him. I knew why. I'd seen it happen, had felt that way plent"
"Nesta tinha deixado claro o suficiente que ela não tinha interesse em Cassian - nem mesmo em estar no mesmo quarto que ele. Eu sabia o porquê. Eu tinha visto isso acontecer, tinha me sentido desse jeito"

Morrighan foi a outra personagem que ganhou destaque, quero muito vê-la domando os demônios do seu passado e acompanhar a sua evolução e aceitação.
Em suma, o lado psicológico foi bem explorado, mas teve pouco destaque no mar de informações sobre compras e decorações, o que poderia ter sido reduzido e não teria prejuízo nenhum. Mas foi ótimo rever os personagens, uns mais que outros (sim, eu estou falando do Tamlin). E a expectativa para o próximo continua alta, mal posso esperar para o lançamento.
Carol 07/09/2018minha estante
undefined




Luiza Helena (@balaiodebabados) 05/09/2018

Originalmente postada em https://balaiodebabados.blogspot.com.br/
Quando Sarah anunciou que escreveria um conto para começar a dar rumo para os spin-offs de Corte de Espinhos e Rosas, eu fiquei me perguntando qual a necessidade disso já que ela havia deixado altas pontas em Corte de Asas e Ruína. E me questionei mais ainda quando soube que o foco do livro seria Feyre e Rhysand. Não que eu não goste dos personagens, mas já tivemos mais de mil páginas falando sobre esse casal, então está na hora de dar foco para outros.

Já falei que deu de Feysand né? Então, já deu mesmo, mas ainda bem que esse livro temos outros pontos de vista além da Feyre. Além dos pontos dela, temos capítulos do Rhysand (em primeira pessoa), Cassian e Morrigan (esses dois em terceira).

Como a Denise (Queria Estar Lendo) comentou na resenha dela (clique aqui para ler), Sarah levou muito a sério esse lance de solstício e presentes. Eu já não aguentava mais a Feyre reclamando sobre não saber o que comprar de presente sinceramente, viu dona Sarah… Pelo menos nos seus POVs, fomos agraciados com as presenças de Lucien, Elain e Nesta (essa vai ser comentada mais lá na frente).

Apesar de não terem muito espaço nessa história, pelo pouco que se viu de Elain e Lucien deu pra ver que a parceria entre os dois não vai ser um caminho muito fácil. (Isso se a the monha não decidir quebrar para fazer a Elain ficar com o Az, mas isso são outras teorias) Enquanto Elain está tocando a vida na Corte Noturna, Lucien está um tanto perdido na vida. Além disso, tem o fato de que sua parceira não quer nem saber dele e nada do tipo, então sofrência mode on. Acrescente mais o fato de que Elain está a própria Elsa para o lado de seu (até então parceiro), o que faz que essa sofrência fiquei over nine thousand!!!

Do outro lado do triângulo, temos Elain e Azriel. Pessoas que shippam que me desculpem, mas não consigo vê-los como casal. Desde Corte de Asas e Ruína, eu já gostava da relação entre os dois pelo fato do Azriel compreender o que se passa com Elain desde que ela foi transformada. Eu acho a amizade entre os dois bem fofa sim, mas do jeito que a Sarah é, com certeza ela vai querer dar outros rumos. Que originalidade, hein...

Mas vamos aos pontos que curti muito porque é pra isso que vocês provavelmente estão aqui.

Gostei muito dos capítulos do Rhysand. Neles, a Sarah nos mostra como é a relação dele com Cassian, Azriel e Morrigan e eu adorei ver isso. Nos outros livros, víamos tudo pelo olhar da Feyre e rolava uma guerra bem marota e tals… Outro ponto interessante nesses capítulos foi o encontro do Grão Senhor da Corte Noturna com o Grão Senhor da Corte Primaveril. Apesar das barbaridades que o Tamlin fez durante a série, eu gosto dele como personagem porque, assim como Rhys, eu achei que ele teve uma boa construção. Pelos encontros dos dois, vemos como Tamlin está depois da guerra. Podemos dizer que a corte dele já viu melhores dias. Esse é outro que quero muito uma história.

Depois da bomba que foi estourada na minha cabeça pela Morrigan, eu esperava mais dos seus capítulos aqui. Porém fui muito Alice e eu já deveria ter desconfiado que ela não iria abordar aqui… vamos seguindo o baile.

Quando eu vi que teria capítulos narrados pelo Cassian, eu tentei manter a dignidade mas foi impossível. Porque eu sabia que onde tem Cassian, tem Nesta e meu ship vive OBRIGADA SENHOR!!! Porque depois que essa escritora de Taubaté ter me prometido altos Nessian em ACOWAR e não ter feito nada do tipo, eu me senti muito bem recompensada por esses poucos capítulos porém meus favortios.

Cassian se mostrou o meu tipo de personagem favorito. O cara tem seus terrores por dentro, mas utiliza de bom humor e sarcasmo para mascarar esse detalhe para o mundo. No fundo, ele realmente é um bebê ilyriano que merece todo amor e proteção porque o que a Nesta fez ele passar aqui não deve ter sido fácil. Quer Prythian toda? O universo? O acapamento ilyriano? Eu te dou, seu lindo!

Falando na mais velha das Archeron, eu sei que tem muita gente que a odeia, mas ela é minha guerreirinha (literalmente). Quem leu o capítulo extra de Corte de Névoa e Fúria sabe que ela passou por algo que muda completamente a vida de uma mulher. Logo depois ela foi jogada naquela panela gigante, transformada em algo que sempre odiou e, de quebra bem básico, participou de uma guerra. Então, obviamente a mulher não está legal!!!

Eu vi muitas reviews comentando o quanto a Nesta estava mais que insuportável nesse livro e só piora o fato da Feyre continuamente chamá-la de egoísta. Feyre darling, você já foi melhor, viu? Entendo que tem todo um mundo novo para arrumar e colocar nos eixos, mas pra quem diz que ama sua família, a Grã Senhora da Corte Noturna está um tanto relapsa. Nesta praticamente grita - ao seu modo - aos quatro ventos que necessita de ajuda, mas todos só enxergam isso como algum tipo de revolta. Uma determinada cena partiu tanto coração de gelo em tantos pedaços que eu nem sei como ainda estou aqui para relatar isso.

As duas únicas pessoas que realmente olharam bem para ela foram Amren e Cassian. Gente, necessito de mais amizade real oficial entre Nesta e Amren. Já meu Nessian, bem… é algo que venho shippando desde Corte de Névoa e Fúria e é algo que vem se tornando real a cada dia. Cassian não é um cara perfeito como Rhysand e é isso que só aumenta meu encanto pelo personagem. Apesar dele estar sempre ali, tentando conversar com Nesta e fazer ela voltar a vida, ele também sabe dar espaço quando vê que ela necessita.

No final do livro, temos um teaser sobre o próximo livro a ser lançado e adivinhem de quem será? SIM MEU NESSIAN ESTÁ MUITO VIVO OBRIGADA SENHOR!! Nossa, a melhor parte desse livro foi esse teaser. Se com menos de 20 páginas, eu já tive altos surtos, imagina só quando eu tiver todo um livro de 98742034092374 páginas em mãos???? É pra isso eu vivi até hoje.

Então, é isso, meu povo. No fim das contas, A Court of Frost and Starlight realmente veio cumprir o que a Sarah disse que faria. Então bye bye Feysand, foi muito acompanhar toda a saga de vocês, mas está no momento de dar vez e voz para outros personagens contarem suas histórias.

* Traduções feitas por mim

Leia mais resenhas em https://balaiodebabados.blogspot.com.br/

site: https://balaiodebabados.blogspot.com.br/2018/05/resenha-278-a-court-of-frost-and-starlight.html
Sah 05/09/2018minha estante
undefined


Queria Estar Lendo 06/09/2018minha estante
É isto. APENAS.
Corte de Compras Natalinas e Feysand Perdendo meu Respeito.




Puri Morais 05/09/2018

RESENHA : CORTE DE GELO E ESTRELAS, UMA FANFIC RIDÍCULA QUE QUERO ESQUECER
Primeiro, quero deixar claro que sou fã da série Corte de Espinho e Rosas, e achei que o final de Corte de Asas e Ruína, já tinha deixado os pontos em aberto, para os futuros spin-offs que a Sarah já disse que ia fazer, e claro fiquei empolgada por que iriam focar em outros personagens, já que pra mim, Feysand já deu, não preciso mais deles, 3 livros já foram ok. Imagina a minha surpresa quando ela resolve fazer um novel, narrado por quem? Feyre e Rhys, para introduzir os Spin- offs, já fiquei com os dois pés atrás sim! E confesso que não estava com muitas expectativas depois de saber que eles narrariam.

O Novel se passa quase um ano depois do final de Corte de Asas e Ruína, narrado por Feyre, Rhys, com pontos de vistas de Cassian e também da Mor. Ele mostra como a Corte Noturna está e o que estão fazendo pra se reergue depois dos acontecimentos da Guerra, mais o foco principal é a comemoração do Solstício de inverno (uma espécie de Natal) onde amigos e familiares se reúnem e trocam presentes, e coincidentemente é no dia do aniversário da Feyre, já deu pra perceber que Rhys não vai medir esforços pra agrada-la nessa data.

Uma das coisas que me incomodou (sim, porque foram muitas) é a Feyre e o dilema do que compra de presente para as pessoas, e falando o quanto da Corte Noturna tem dinheiro, sério, a cada 3 falas ela se referia a essa fortuna incalculável. Nos POVs da Feyre conseguimos ver outros personagens que não tem narração, e pra mim já é spoiler de outro Spin-off, que não lerei com certeza, Elain, Lucien e Az , mais vou falar deles um pouca mais á frente.
Nos POVs do Rhys podemos ver a relação entre ele e Cassian e Azriel, coisa que pouco foi mostrada na trilogia, e da pra ver que a amizade, amor e o respeito entre eles é grande, uma das cenas que mais gosto é quando Rhys da carta branca pro Cassian tomar de conta do Exército Ilyriano nas montanhas e tentar diminuir e acabar com os pequenos movimentos rebeldes que estão nascendo, acredito que no Spin-off do Cassian isso vai ser mais abordado. E um dos momentos mais relevantes do novel foi o reencontro Rhys e Tamlin, e podemos ver que Rhys tem um pouco de agradecimento pela ajuda do Tamlin para ele voltar a vida e que, a corte primaveril já viu dias melhores, e que Tamlin também não está nada bem, queria muito que a Sarah escrevesse sobre ele, como elevai se reerguer, pois, em relação a arrependimento como que fez com a Feyre podemos ver nessas conversas com Rhys, que ele tem e muito.

Sobre os capítulos que a Mor é foco, não tiveram nenhuma importância, só mais do mesmo, eu esperava algo grande principalmente pelas revelações de ACOWAR sobre a personagem, mas foi outra decepção.

Agora sim vamos ou único personagem desse novel que não tenho o que falar mal, Cassian, os capítulos dele mostram a sua relação nos campos de treinamento Ilyriano buscando impor sua autoridade, e um pouco sobre o passado, sobre a mãe e claro as dúvidas em relação a Nesta, tudo isso sem deixar o bom humor e o charme de lado.

Agora vamos lá começar a falar das coisa mais desagradáveis desse novel : Elain/ Az /Lucien , olha Sarah se era pra criar uma parceria que não ia da certo, pra quer usar meu filho Lucien nisso? ele já não sofreu o bastante? ele merece ser feliz!

Primeiro, eu nunca vê Elain e Az como possível casal, em ACOWAR não tem nada que leve a isso, Az tratou ela bem, cuidando por ser irmã da Feyre, e por ela esta passando por mudanças, e só isso, mas claro que existem pessoas que já criaram ship, e esse novel só aumentou as minhas suspeitas, de que, ou essa parceria vai sofre muito pra da certo, ou vai acabar de vez, e confesso que a raiva que a Elain me fez nesse novel não foi pouca, o jeito que ela trata o Lucien nas poucas vezes que eles interagem , foi de querer da uns tapas nela, e ela foi uma personagem que mudou um pouco a personalidade em relação aos livros anteriores principalmente quando ela está com o Az, eu realmente não quero acreditar que a Sarah vai ter a brilhante e inovadora ideia de juntar as três irmãs com os três guerreiros Ilyrianos, que original! Espero que a relevação sobre o Lucien venha tona e ele descubra que sim ele tem um lugar pra chamar de seu, e deixar de ser humilhado, mais isso serão cenas de próximos livros, eu espero.
CONTINUA EM : https://nocasoumabookaholicblog.wordpress.com/2018/08/24/resenha-vale-a-pena-ler-a-court-of-frost-and-starlight-acofas/

site: https://nocasoumabookaholicblog.wordpress.com/2018/08/24/resenha-vale-a-pena-ler-a-court-of-frost-and-starlight-acofas/
Queria Estar Lendo 06/09/2018minha estante
Essa resenha todinha sou eu, só falta assinar e reconhecer firma.
LONG LIVE THE QUEEN, NESTA ARCHERON e seu guerreiro Cassian. O resto que tenho a ver.


Lorraine.Rodrigues 02/10/2018minha estante
undefined




Queria Estar Lendo 05/09/2018

Resenha: Corte de Gelo e Estrelas
A Court of Frost and Starlight (Corte de Gelo e Estrelas) é a "novella" recém-lançada por Sarah J. Maas em sequência a Corte de Asas e Ruína. Esse livro é um 3.5 dentro da série e serve tanto para fechar em definitivo o arco de Feyre e Rhysand como dar espaço para os personagens que protagonizarão o próximo livro da série.

Com exceção de uns poucos capítulos, essa novella toda foi de uma existência desnecessária absurda e de uma enrolação que me fez revirar os olhos na maior parte do tempo.

Na trama, acompanhamos os preparativos da Night Court para as festividades do Solstício de Inverno; a noite mais longa do ano é uma comemoração importante na corte - principalmente naquele momento, quando todos estão passando por situações delicadas emocionalmente envolvendo as consequências da guerra. Através dos pontos de vista de Feyre, Rhysand e de alguns outros personagens, Sarah entrega uma história incrível e, como sempre, apaixonante de se acompanhar.

"Você nasceu na noite mais longa do ano. Era seu destino estar ao meu lado desde o começo."

A melhor coisa que a Sarah J. Maas já fez pra essa série foi dividir os pontos de vista; a narração da Feyre é legal, mas já deu. Inclusive, já deu de Feyre e Rhysand também.

Acho que por Corte de Asas e Ruína ter soado tanto como um fechamento para mim, ler sobre eles foi, na maioria das cenas, uma encheção de linguiça que eu não estava afim de acompanhar. Sim, tem ótimas cenas. Sim, os personagens são legais e a Sarah sabe como escrever seus pontos de vista de maneira magistral; mas teve MUITA enrolação e isso é fato.

"Nós caminhamos pelo coração do Palácio e passamos ao lado de uma treliça de pequenas luzes que começavam a brilhar. De algum lugar quieto e adormecido dentro de mim, o nome de uma pintura apareceu: Neve e Luz de Estrelas."

O que foi essencial para a trama caberia facilmente num conto, então ela estendeu através dos preparativos para o Solstício de Inverno e levou isso muito a sério. Foram capítulos de compras dos presentes para os outros personagens, decorações, escolhas de presentes de novo - e aí ela entregava um capítulo interessante, mostrando o emocional da Feyre ou do Rhysand através do que estava acontecendo longe dessa encheção de linguiça. Eu achei desnecessário, sim, e poderia muito bem ter sintetizado só a parte emocional sem perder tanto tempo descrevendo roupas, joias e outras perdas de tempo.

Uma coisa que eu achei completamente descaracterização de personagem foi o fato de o Rhysand, todo "igualitário" na hora de nomear sua High Lady, não parece muito ansioso pra que a Feyre ocupe o mesmo espaço que ele na Corte. Licença né, mas ela ter ficado pra trás pra cuidar de COMPRAS e estar lidando com assuntos da casa enquanto ele viaja pra cuidar de assuntos políticos (que deveria incluir a Feyre também) é a coisa mais misógina possível. Eu esperava muito mais de um casal tão "desconstruidão".

E eu preciso fazer um adendo aqui sobre como a Feyre e o Rhysand deveriam olhar para o próprio umbigo egoísta deles antes de falar qualquer coisa sobre a Nesta. Ela está passando por PTSD (Transtorno de Estresse Pós-Traumático) da pior maneira possível e os dois estão fazendo pior do que o Tamlin fez com a Feyre; é hipócrita e ridículo o quanto esses dois, que tanto perderam na guerra e na vida, acham a Nesta egoísta por estar se escondendo do mundo. A Feyre, principalmente, que viveu isso na própria pele, deveria saber melhor do que ninguém a dor e o sofrimento pelo qual a irmã está passando.

Eu fiquei absolutamente irritada por alguns detalhes do livro, mas um em particular, ali no final, me fez querer escrever o nome da Feyre e do Rhysand no Death Note. Pronto, desabafo feito.

No que a Sarah pecou com essa enrolação ela acertou em cheio dando voz a outros personagens. Cassian, Nesta e Morrigan ganham capítulos só deles - muito rápidos e que poderiam ter tido mais espaço se ela tivesse me dado menos de compras e mais dos coadjuvantes, mas é a vida.

Eu amei ler cada um deles. Já é fato que a Nesta é minha personagem favorita nesta série e eu morreria na fogueira para protegê-la; Cassian é meu filho e eu lutaria uma guerra por ele. E Morrigan, que feérica incrível e maravilhosa de acompanhar. Eu quero mais deles - e, com a promessa deixada pelo fim da novella com alguns capítulos do próximo livro da série, eu vou ter.

"Ela rasgou a escuridão com garras e dentes. Dilacerou e destruiu. A escuridão eterna ao redor dela estremeceu e se debateu. Ela riu enquanto aquele poder tentava recuar."

Nesta é de uma complexidade que eu quase choro sempre que começo a lê-la. Eu sou apaixonada por tudo que a personagem é e promete ser. Intensa, perturbada, sombria e solitária, Nesta está enfrentando mais demônios do que deixa transparecer; apesar dos poucos capítulos mostrando a personagem, temos um vislumbre do que pode ser seu futuro se alguém não lhe estender a mão para ajudá-la a encontrar estabilidade novamente.

Nesta é uma força da natureza em toda sua intensidade. Ela é rica em presença, em escuridão e é tão doloroso ler tudo que existe nela e vê-la se fechando em meio a isso. Ver todo o seu poder e saber o quanto isso custa a ela.

Diferente de Elain, drenada pela melancolia da transformação, Nesta é toda fúria e amargo ressentimento e por isso eu a amo tanto. Ela é um trem desgovernado de emoções; aos outros personagens, parece egoísmo. A quem consegue lê-la e interpretá-la (digo isso porque tem muito hater que eu queria dar uns tapas na cara pra ver se aprende a ver a complexidade que é essa personagem feminina maravilhosa) é a promessa de um arco de desenvolvimento inesquecível.

Eu mal posso esperar por mais da Nesta; por tudo que a Sarah pode trazer para essa personagem.

"Cassian nomeara pelo menos doze poses para Nesta até aquele momento. Começando em Eu Vou Comer Seus Olhos no Café-da-Manhã até Eu Não Quero que Cassian Saiba que Estou Lendo Livros Eróticos. A última era sua favorita."

Cassian, por outro lado, ainda que sombrio e ressentido, ainda mantém a aura bem humorada que já é característica. Ele tem seus fantasmas a enfrentar, sombras que carrega da última e terrível batalha que viveram, mas é um guerreiro em todo o seu ser; enquanto Nesta se deixa afogar na solidão, Cassian sabe e entende que não pode se fechar e se esconder, e sabe que deixar Nesta fazer isso é ir contra tudo em que acredita. Toda a esperança que pode renascer nela se encontrar ajuda.

Eu amo os dois com tanta força que é difícil de explicar. Feyre e Rhysand podem ser o destaque dessa obra, mas, para mim, Nessian roubou a atenção. Eles são muitas probabilidades, muitas incertezas, e eu amo ver o começo de um casal tão impossível em meio a tantas coisas que dividem sem saber.

"Para a abençoada escuridão da qual cada um de nós nasceu, e para a qual retornaremos algum dia."

Morrigan, por fim, completa esse arco de personagens secundários ganhando voz. Assim como Nesta, Morrigan tem suas próprias lutas internas; menos devastadoras, mas igualmente fortes e perturbadoras. Eu quero ver mais dessa guerreira forte e independente, quero ver sua evolução e sua luta contra aquele trauma de seu passado. Quero saber o que o futuro promete para ela, com tantas possibilidades postas na mesa com o fim desta novella.

Elain, Azriel e Amren não ganharam tanto destaque, mas imagino que serão importantes no próximo volume. Cada um com seus momentos gentis, doces e divertidos, cada um carregando o peso dos acontecimentos da grande guerra que passou.

Tal como Velaris, a cidade da Corte Noturna. Tal como os cidadãos que perderam tanto durante a batalha; o livro explora isso de maneira agradável naqueles capítulos da Feyre e do Rhysand em que não está se embananando em coisas triviais, e eu gostei muito de conhecer mais dos moradores, dos outros feéricos que participaram da vitória e que sacrificaram tanto para que ela acontecesse.

Em A Court of Frost and Starlight, Sarah J. Maas enrola demais pra entregar uma coisa bem simples. Esse retorno ao mundo da Feyre e dos outros personagens foi uma aventura esperançosa, com traços sombrios dando espaço para as próximas histórias a serem contadas. É o fim de um ciclo e o início de outro. É a promessa de um futuro com novas lutas, novas aventuras e o destaque a voz de outros personagens.

Caberia facilmente num conto, mas o capitalismo fala mais alto né...

site: http://www.queriaestarlendo.com.br/2018/05/resenha-court-of-frost-and-starlight.html
Puri Morais 05/09/2018minha estante
so verdades


Sofia 06/09/2018minha estante
vou passar bem longe desse..


Giovanna. 06/09/2018minha estante
Ainda n li esse mas concordo muito com a parte " já deu de Feyre e Rhysand" confesso que não estou muito afim de ler já enjoei desse casal


Queria Estar Lendo 06/09/2018minha estante
Se tu passar longe e só procurar os spoilers que importam pro próximo livro (que são umas 3 coisinhas, real oficial) não vai perder muita coisa HUASHUUHASUHSAHUSA só se safa de ficar com ódio de Feysand, o que infelizmente aconteceu comigo e agora vai assim até o fim T_T


Renata Izandra 15/09/2018minha estante
Então, eu ainda não li o livro, mas concordo q Feysand já deu, pelamor... E assim, vi várias resenhas criticando o triângulo amoroso Lucien/Az/Elain, mas tipo, no final do último livro eu acho [POSSÍVEL SPOILER ATÉ O FINAL DO COMENTÁRIO] mostra que o Lucien faz amizade com uma mulher lá de outro reino, não lembro agora quem... Lembra, q ele foi atrás dela pra ajudar na guerra? E eles pareciam estar bem amiguinhos, eu fiquei com a sensação de que, apesar de ele e Elain serem almas gêmeas (ou sei lá como chama no livro, não lembro), ele talvez fique com essa mulher guerreira e a Elain com o Az .


Queria Estar Lendo 17/09/2018minha estante
Oi, Renata. Eu não acho que o triângulo Elain/Lucien/Az seja um problema, inclusive achei a dinâmica interessante e a coisa do "não sabe com quem ela vai ficar" bem encaixada nesse caso, considerando tudo que a gente sabe sobre eles. [TALVEZ CONTENHA SPOILERS A PARTIR DAQUI ATÉ O FIM DO COMENTÁRIO] PORÉM o que me deixou brava, e eu nem cheguei a comentar na resenha porque tava de saco cheio desse livro e só queria acabar de falar nele logo UHASUHUHASUHAS é que a Elain tá um porre. Um porre INSUPORTÁVEL e injusta com o Lucien e eu quero muito ver ela longe do meu bebê porque ele merece mais. Não gosto de como a Sarah pinta ela de 'coitada' pra gente ter pena quando ela tá machucando muita gente ao seu redor por egoísmo, tal como a Feyre. Espero que a narrativa melhore a Elain no próximo volume porque aqui deixou muito a desejar - e eu espero mesmo que o Lucien encontre alguém que mereça o coração de ouro que ele tem.


Lorraine.Rodrigues 02/10/2018minha estante
null


Letícia 06/10/2018minha estante
undefined


Gigarba02 15/10/2018minha estante
undefined




8 encontrados | exibindo 1 a 8