O Feitiço Azul

O Feitiço Azul Richelle Mead




Resenhas - O Feitiço Azul


31 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3


Robson 10/09/2014

Quando a ruiva irá parar de nos surpreender?
Eu não me canso de dizer isso nas resenhas da série Bloodlines: Richelle Mead me surpreendeu novamente.

Eu estava extremamente errado ao dizer que O Lírio Dourado era o melhor livro da autora, eu ainda não havia lido O Feitiço Azul e por isso cometi essa gafe! Agora eu não cometerei o mesmo erro, só posso dizer que a autora se superou mais uma vez e me presenteou com tudo que eu queria e muito mais.

Toda a tensão construída no final de O Lírio Dourado toma forma em O Feitiço Azul. Sydney está cada mais confusa sobre onde está sua lealdade. Mas se encontra em um estágio onde não podem mais negar seus sentimentos por Adrian. Adrian...ah Adrian!! Nosso moroi favorito é um show a parte nesse terceiro volume. Cada frase, cada cantada, cada gracinha e a cada vez que ele declarava descaradamente seu amor me fazia ter explosões de fofura.

Nunca tinha pensado nesses termos antes, mas, de repente, quis muito que as palavras dela fossem verdade.

Desta vez a rainha Mead investe em um desenvolvimento mais frenético, com mais ação e mistério do que nunca. O Feitiço Azul não para em momento algum, a cada capítulo descobertas são feitas, conspirações são formadas e o melhor, Sydney tem sua fé posta à prova através de diversas situações de deixar qualquer um com os cabelos em pé.

Sydney, outrora correta e passiva em relação às suas crenças, agora se mostra em seu auge, enfrentando desafios que eu jamais pensei que Mead a faria enfrentar. Digo isso por qual motivo? Simplesmente porque agora a nossa loirinha está com a bola toda, quebrando seus tabus e indo atrás de respostas acerca de tudo àquilo que lhe foi ensinado. Isso envolve muitos riscos, então a ação só aumenta no decorrer das páginas, tirando o folego de qualquer leitor que já conhece os padrões da autora.

Como se não bastasse estar mergulhada em uma miscelânea de sentimentos e temores, nossa amada alquimista nunca tem sossego e logo se vê em meio a mais um quebra-cabeças sobrenatural.

Sydney enfim conhece Marcus Finch, um alquimista desgarrado, que contra todas as probabilidades vem se mantendo a salvo das garras dessa organização que aparentemente não é tão inofensiva assim. E como desgraça pouca é bobagem, e de quebra ainda temos uma bruxa maluca a solta sugando a juventude de usuárias de magia sem treinamento.

Como se concentrar no que fazer sobre seus sentimentos, quando se tem tanta bagunça para lidar? Richelle Mead não deu folga a Sydney nesse terceiro volume.

Como a Lu, divisíssima, disse: Desgraça nunca é pouco nos livros de Richelle Mead. Esse foi um dos pontos mais altos de O Feitiço Azul a autora ao mesmo tempo em que insere aquela tensão romântica entre Adrian e Sydney (Que pelo amor de deus, quase me matou!), também faz uma megaconfusão na vida da loirinha. Isso faz com que o livro flua bem mais rápido do que os anteriores, combinando mais com a atmosfera misteriosa ao redor dos alquimistas e da bruxaria recentemente presente na vida de Sydney.

A Bruxaria em Bloodlines, aaah, essa bela bruxaria! Eu quero palmas para Richelle Mead, ok produção? Essa mulher só está me surpreendendo recentemente!
Ela conseguiu se sair melhor do que muitas autoras que dedicam suas vidas a escrever livros onde a bruxaria é o enredo principal. Mead simplesmente soube envolver uma boa dose de magia em sua trama, sem se distancia do foco principal e isso me deixou animado, tendo fé de que algum dia ela escreva algo exclusivo do tema (Tem spin-off do spin-off vindo por ai né?). Ela cria plots secundários que caminham juntos com o principal e que, de certa forma, contribuem para que o desenvolvimento seja tão bem estruturado.

Adrian é simplesmente incansável em sua cruzada pelo coração de Sydney, convenhamos isso ele já conquistou dela e de todos nós a tempos atrás, mas o rapaz é realmente insistente. E vai derrubando diligentemente cada pedacinho do muro resistente atrás do qual Sydney procura e proteger.

E mais um vez Mead apronta das suas no último capitulo de O Feitiço Azul, eita mulher para adorar um cliffhanger.

O jeito que ela terminou esse livro me deixou desesperada por Coração Ardente, que, diga-se de passagem, já estou acabando e dele passarei direto para Silver Shadows. Porque final de contas doses generosas de Sydrian nunca são demais.

site: http://www.perdidoempalavras.com/resenha-dupla-o-feitico-azul-bloodlines-3-richelle-mead/
comentários(0)comente



Marina *-* 06/08/2013

Pois então faz tempo que não escrevo uma resenha decente, acho que eu fico tão empolgada com os livros que não consigo escrever depois :P minha escrita não é muito boa, mas enfim tenho que compartilhar que da mesma forma que aconteceu com VA, a Richelle conseguiu me fazer me apaixonar por essa nova série, li os 3 livros em uma semana, e preciso do quarto livro com urgência e pensar que terei que esperar até novembro me deixa deprimida! Mas falando sobre o livro em si agora, eu amei, acho que os personagens estão amadurecendo mais a cada livro, e eu me diverti muito nesse, Adrian me fez rir e me apaixonar por ele, as cenas dele com a Sidney são as melhores, e tudo o que vai acontecendo com ela no decorrer do livro, as mudanças que ela sofre, tudo fez com que a personagem crescesse aos meus olhos, e apesar de até o segundo livro eu querer socar ela por ser burra, eu ainda gosto bastante da personagem!! Sem falar dos outros, Eddie, Jill, Angeline, Trey, todos são muito bons! Enfim a história acabou em um ponto que me deixou muito curiosa, mas isso sempre acontece comigo, mas eu amei o livro, é com certeza um livro que eu vou reler e eu recomendo ;)
comentários(0)comente



Lu 10/06/2014


A Série "Bloodlines" atinge um ápice neste "O feitiço Azul", que o marca como o mais ambicioso em matéria de tramas e confltios pessoais, até agora.

Não posso começar de outro jeito a resenha, senão assinalando o crescimento de Sydney e Adrian ao longo da história. É algo que o leitor acompanha desde a série Academia de Vampiros, e que dá uma sensação de jornada. Por quantas coisas eles passaram? Escolhas que tiveram que tomar, pessoas que os influenciaram. Tudo isso os modificou e continua a modificá-los ao longo da série. Tem sido muito legal acompnhar esse processo. Não apenas porque são personagens de que gosto muito, mas pelo próprio trabalho da Richelle Mead.

Quanto à história, embora as três linhas narrativas fossem até bem definidas, eu confesso que me confundi um pouco, de vez em quando. Sydney parecia estar lidando com problemas demais. No final, as coisas ficam mais claras, mas me senti um tanto quanto perdida na trama. Entendi sua necessidade para o momento que a protagonista viverá a partir de então e, mesmo assim, tive a impressão de que havia tramas demais.

Também senti falta de Jill e de um maior desenvolvimento da personagem. Saber mais da família dela e vÊ-la interagindo mais. Gosto da personagem, mas acho-a pouco explorada pela Richelle.

Mesmo com essas críticas, achei o livro muito divertido, assim como os outros da série. Narrativa competente, bons personagens e trama um bocadinho confusa. Mas acho que o resultado geral foi de mais acertos, do que erros. Por isso, a nota é 4,5 estrelas.

Recomendo!
comentários(0)comente



juliablack 10/11/2013

é muito bom ver que finalmente a autora deu algo para nosso Adrian que realmente o deixa feliz.
ao longo de VA acompanhei todo o drama Adrian-Rose-Dimitri e por mais que fosse certo o as escolhas de Rose eu fiquei indignada como tudo terminou para Adrian.
esse Bady boy me conquistou totalmente e dividiu muitas opiniões e agora realmente estou feliz em ver meu desejo realizado.
Adrian não esta mais infeliz e cada vez mais a personagem de Sidney me conquista por seus dilemas interiores de dever versus amor.
a trama vai criando proporções parecidas com VA e sem duvida prendeu minha atenção.
Acho que a única coisa que me incomodou nesse livro foram os encontros e desencontros entre os personagens secundários. A falta de iniciativa de Eddie e Jill dão nos nervos,sempre algo esta foram do time..






Ps:o que acho nunca vou entender é o por quê da editora insistir em colocar capas horrorosas em seus livros.
honestamente em comparação com as capas originais essa simplesmente é simplória. Decepciona pois não passa a força que a serie tem.
comentários(0)comente



Rodrigo 24/08/2014

Vampiros ou distopia?
O Feitiço Azul é o terceiro volume da série Bloodlines, escrita por Richelle Mead. Bloodlines é o spin-off da saga Academia de Vampiros.

Sydney está mais dividida do que nunca, e para piorar, tudo que ela um dia acreditou pode ser uma farsa. Mais disposta do que nunca para descobrir a verdade sobre os alquimistas, vai acabar embarcando em uma aventura louca.

Começo logo dizendo, relação de amor e ódio com esse livro. Por quê? Simplesmente por ser tão bom e ao mesmo tempo arrastado, não que seja uma leitura demorada, longe disso, é uma leitura totalmente dinâmica e rápida, porém, demora um pouco para deslanchar e ir para o ponto principal. O que me fez gostar tanto desse livro foi, sem sombra de dúvida, o romance principal, como não shippar? Eu simplesmente amo a forma como a Richelle desenvolve os romances em seus livros, totalmente despretensiosa e deixa acontecer naturalmente com o decorrer dos fatos.

A trama desse volume não é tão previsível como a de O Lírio Dourado,e a vilã, apesar de demorar, vamos dizer quase o livro todo para agir, ainda é sagaz e bem perversa. O clímax do livro contém ação e em alguns momentos é impressionante vê onde as coisas chegaram. Mas uma coisa que me irritou foi o fato de demorar muito para chegar ao ponto principal, tudo bem que aconteceram algumas coisas bem interessantes e importantes para a história, mas sabe, queria ver a vilã em ação. Mas entendo o lado da Richelle querer dá um destaque maior na história sobre os alquimistas e a facção do Marcus.

Outro ponto que me decepcionou, Marcus, o novo personagem que apareceu, confesso que achava que ele entraria na história e estremeceria o coração de Sydney, mas vi que o que não aconteceu neste livro, com certeza vai acontecer no quarto volume, disso tenho certeza. Eu já estava sentindo falta de algo para balançar o romance principal e vi que Marcus vai fazer isso.

Já a Sydney nesse livro, parecia uma protagonista de distopia, com tantas dúvidas sobre a organização dos alquimistas, e prestes a se juntar a um grupo contra os alquimistas, me lembrou de muita essas diversas distopias. Espero que essa Sydney cheia de dúvidas permaneça com essas ideias no próximo volume, aliás, creio eu que isso vai ser a grande reviravolta da história.

Quanto aos outros personagens, continuam do mesmo jeito, impossível de odiar. Uma coisa que amo em Bloodlines são os personagens, não odeio nenhum deles, e isso é algo raro. Ponto para Bloodlines.

E o final, que final hein?! Confesso que esperava um final totalmente revoltante, bem, as duas últimas páginas são revoltantes, mas termina numa paz incrível, até estranhei, mas bem, de uma coisa tenho certeza, o quarto livro vai ser uma bomba. Esperem pra ver.

Mais uma vez, deixo meus parabéns para a editora Seguinte que continua fazendo um trabalho incrível com essa série. A capa deste volume é totalmente impecável! Parabéns Seguinte, continue assim.

site: becoliterario.com
comentários(0)comente



Carolina Durães 18/05/2014

Leitura indispensável para quem amou a série original!
O terceiro livro da série spin-off "Bloodlines" deixa Sidney com mais problemas do que ela já tinha antes.
Sidney estava tendo aulas especiais com a Sra Terwilliger, a professora de história do colégio nos livros anteriores, e descobriu que tem um certo dom para magia. Mesmo a contra gosto, Sidney teve que admitir que fez uso da magia para salvar a sua vida e a de Adrian, e parece que agora terá que usá-la novamente. Algumas garotas estão aparecendo mortas e a Sra Terwilliger acredita saber quem é a responsável, mas precisará da ajuda da alquimista para confirmar e evitar novas vítimas.
Sidney ainda precisa lidar com os guerreiros da luz e com Marcus Finch, um ex-alquimista. Qual seria o motivo de Finch para sair do grupo dos alquimistas? O que ele descobriu de tão horrível que valia a pena viver como um foragido?
Mas não se preocupem leitores. Existem algumas situações mais brandas no livro, como um casamento de vampiros! E não é só isso, para aqueles que estavam sentindo falta dos personagens da série Academia de Vampiros, a Vasilisa, o Christian Ozera, Abe, Rose Hathaway e Dimitri Belikov fazem pequenas aparições em "O Feitiço Azul".
E o mais importante de tudo: Sidney & Adrian! Bem que a alquimista vem resistindo as investidas de Adrian, mas a cada livro que passa ele vem se tornando cada vez mais magnífico.

" - Sage, me lembro muito bem de tudo o que aconteceu naquela noite. Você não parecia tão relutante. Estava praticamente em cima de mim.
- Não me lembro muito dos detalhes. - menti". (p. 216)


A Richelle Mead mais uma vez conquista os leitores com esse spin off. Os diálogos são engraçados, dinâmicos e divertidos. Os laços criados entre os personagens fazem com que os leitores se apeguem cada vez mais a eles e a protagonista vem se mostrando um personagem com uma tremenda capacidade de amadurecimento e crescimento pessoal, afirmando ao público que tem ideias próprias e não apenas segue a doutrina dos alquimistas. Um livro com muita ação, mistérios, investigação, magia e romance.
Em relação à revisão, diagramação e layout a editora realizou um excelente trabalho. A capa segue o esquema das capas dos livros anteriores e tem um brilho laminado muito bonito.

" - Deixei de ficar magoado - ele disse. - Deixei de ser temperamental... Quer dizer, sempre sou meio temperamental. É isso que define Adrian Ivashkov. Mas parei com os excessos. Eles nunca me levaram a lugar nenhum com Rose. Não vão me levar a lugar nenhum com você". (p. 31)

site: http://www.viajenaleitura.com.br/
comentários(0)comente



Carol 05/08/2014

Terceiros livros são sempre marcos importantes
Devo confessar que me preparei psicologicamente para ler o terceiro livro de uma série da Richelle Mead. Depois das minhas experiências passadas com a autora, acredito que qualquer um também faria um "preparo mental".

Mas eis que minha querida Richelle me surpreende completamente. Primeiro porque é completamente notável o amadurecimento da escrita da autora. Vou dizer que você não irá encontrar nenhum livro dela atualmente tão gostoso de se ler como esse. E isso significa que o texto flui, todas as cenas são na medida certa e as personagens... Ah! Essas personagens estão simplesmente excepcionais.

Para quem conheceu a Sidney junto com a Rose (na série Academia de Vampiros) vê-la hoje é completamente incrível. Assim como Richelle, a protagonista se desenvolveu completamente nos três primeiros livros da série Bloodlines - de uma alquimista com medo de vampiros e magia sobrenatural que apenas segue ordens ela se torna uma defensora dos Moroi e aprendiz de feiticeira.

Sidney dá um grito de liberdade (mesmo que os alquimistas não saibam disso ainda). Mas nesse volume que ela quer: proteger Jill - princesa Moroi e amiga - dos dissidentes Moroi, garotas humanas de uma bruxa maligna que rouba a juventude, desvendar uma possível corrupção em meio aos alquimistas e resolver sua "situação" com Adrian. E tudo ao mesmo tempo!

Deixo gravado aqui que foi em meio a esse drama que a Sidney finalmente se tornou uma heroína digna do meu respeito.

Adrian se tornou incrível também. Ele declara seu amor à Sidney logo no início do livro (por isso não reclamem de spoiler) e, não sei se foi o amor responsável por isso, mas ele parece muito melhor que em qualquer outro livro da série (ou mesmo em Academia de Vampiros). Me apaixonei mais e mais por esse mocinho às avessas a cada piada sarcástica e irônica.

Jill, Castille, Angeline e Trey não têm um grande papel nesse livro, mas não os culpo porque a Sidney foi tão maravilhosa que não sobrava muito espaço para qualquer outro personagem.

E o final é aquele tipo que te deixa morrendo de curiosidade pela continuação da série. O lado bom é que logo será lançado pela editora Seguinte. Mal posso esperar!!
comentários(0)comente



Lita 09/09/2015

"Gostava de ordem e de seguir os procedimentos. Qualquer mudança virava meu mundo de cabeça para baixo."

A atual missão da alquimista Sydney Sage fez com que ela revisse seus conceitos não só sobre os vampiros, mas também sobre a própria organização à qual pertence. Sydney acabou descobrindo um grupo divergente que tinha muito em comum com os alquimistas, mas objetivos bem mais radicais. Certa de que seus superiores estão guardando segredos sobre essa facção paralela, ela contará com a ajuda do misterioso ex-alquimista Marcus Finch para tentar desvendá-los. Mas isso só será possível se ela conseguir escapar de uma ameaça ainda mais urgente; uma feiticeira cruel que suga a alma de jovens usuárias de magia.

Enquanto isso, a garota luta contra os sentimentos cada vez mais fortes pelo rebelde vampiro Adrian Ivashkov. Há tabus e preconceitos milenares arraigados entre as duas raças, que representam um obstáculo enorme para esse relacionamento. Mas Adrian é persistente e é o único em quem ela confia para enfrentar as ameaças que se aproximam.

"- Nada vai levar você a lugar nenhum comigo! - exclamei.

- Disso não tenho tanta certeza. - Ele assumiu um ar introspectivo que foi ao mesmo tempo inesperado e intrigante. - Você não é um causa tão perdida quanto ela. Quer dizer, com Rose eu tinha que superar o amor profundo e épico entre ela e um deus da guerra russo. Nós dois só temos que superar algumas centenas de anos de tabus e preconceitos arraigados entre as nossas raças. Tranquilo.”

“O Feitiço Azul” é o terceiro livro da série “Bloodlines”. A autora criou maravilhosos personagens, mas que foram um pouco esquecidos nesse livro. Jill, Eddie e Angeline aparecem bem menos do que nos outros, sendo o foco da autora o romance de Adrian e Sydney. Mas isso não se mostrou como uma falha da escritora. Ter o foco no relacionamento dos foi maravilhoso para o desenvolvimento dos próprios personagens. São tantos detalhes e tantas coisas para se resolver no relacionamento dos dois que ter um livro dedicando o maior do seu tempo para eles foi relaxante.

******resenha completa no blog*****

site: http://umlivroeu.blogspot.com.br/2015/08/resenha-o-feitico-azul-richelle-mead.html
comentários(0)comente



Nina 30/07/2018

Vamos ao romance
Vamos ao romance kkkkk agora vai .... que essa guria não fique se fazendo e fique logo com esse homi kkkkkkkkkk
comentários(0)comente



fevieira 28/04/2016

Adrian e Jill foram os melhores nesse livro!
Bom esse livro tem muitos pros e contra pra mim!! acontece uma grande evolução com a Sydney Adrian e a Jill....
Vou falar primeiro sobre a historia, dos três primeiros esse é oq tem menos ação e mais mistério oq me deixou em algumas partes um pouco desanimado, porém quando o mistério foi revelado foi uma coisa que eu n consegui imaginar e fiquei muito surpreso!!!
Agora sobre os personagens oq mais gostei foi de como a Jill amadureceu e como ela cresceu ao longo desses três livros, e isso foi uma coisa que realmente adorei, bom o Adrian ele continua a mostra seu amor por Sydney porém ele mostra seu amor de uma forma tão madura que em nenhum momento fica enjoativo ou chato e isso foi um dos Pinto possitivos que mais gostei, agora tem a Sydney bom neste livro vemos uma Sydney mais tranquila com a magia e com os vampiro eu gostei muito de como esse medo dela foi se quebrando aos poucos, porém perto do final do livro uma coisa X acontece que acaba fazendo a Sydney mudar um pouco e rever seus valores isso ainda n sei se é uma coisa possitiva ou não pois a personalidade da Sydney muda um pouco!!!
logo logo começo o 4 livro e vou ver como a Sydney ficou!!!
comentários(0)comente



Su 28/01/2016

Depois do final de O lírio dourado fiquei na expectativa para ler O feitiço azul. E, o livro não me desanimou nem um pouco, apenas me deixou mais na expectativa para o próximo.
O livro começa com Sydney sendo acordada no meio da noite pela Sra. Terwilliger que a arrasta, literalmente, para o deserto para fazerem um feitiço.
Acontece que o feitiço é para localizar uma bruxa poderosíssima que, na verdade, é irmã da Sra. Terwilliger e, está mais próxima do que ela esperava.
Não é apenas com magia que Sydney tem que se preocupar, ela e outros alquimistas foram convidados para o casamento de Sonya Karp. E, para sua surpresa, um imprevisto a faz viajar do lado de Adrian. Não preciso nem dizer que o clima ficou estranho depois dos últimos acontecimentos.
Nossa. Esse livro me fez cometer um pecado literário. Eu li primeiro as partes que envolviam o Adrian e depois li o livro todo de novo. Sei que isso é inadmissível, mas depois do final do último livro fiquei morrendo de vontade de saber o que iria acontecer.
Deixo aqui um pouquinho de Adrian para vocês.
“Eu acabei com o beicinho. Com ser temperamental, bem, quer dizer, eu sou sempre um pouco mal-humorado. Isso é o que Adrian Ivashkov é. Mas eu acabei com o excesso. Isso não me levou a lugar nenhum com Rose e não vai me levar a qualquer lugar com você. - Nada vai levar a lugar algum comigo. - eu exclamei. - Eu não sei nada sobre isso. - Ele colocou um olhar introspectivo que foi inesperado e intrigante. - Você não é tanto uma causa perdida quanto ela. Quero dizer, com ela, eu tinha que superar o seu amor profundo e épico com um senhor da guerra russo. Com você, só tenho que superar centenas de anos de preconceito profundamente arraigado e tabu entre as duas raças. Fácil.”

“Eu pensei que você não ia me pressionar sobre...você sabe... essas coisas. O olhar da inocência retornou. Eu já disse uma palavra sobre isso? Eu só lhe pedi para dançar como um gesto político, isso é tudo. - Ele fez uma pausa para o impacto. - Parece que você é a única que não pode tirar isso da sua mente. - Pare de usar as minhas palavras contra mim!”

“O seu casaco, você nunca levou de volta após o casamento. Está no meu carro. Ele acenou com desdém – Fique. Eu tenho outros. - O que eu vou fazer com um casaco de lã. - perguntei. - Especialmente aqui em Palm Springs? - Durma com ele. - sugeriu ele. - Pense em mim. Eu coloquei minhas mãos em meus quadris e tentei olhar pra baixo, o que não era fácil, já que ele era tão alto. Isso, e porque as suas palavras trouxeram de volta a sensação desorientadora que tive sentada em sua cama. - Você disse que não iria ser mais romântico comigo. - Isso foi romântico? - Perguntou ele. - Eu estava apenas sugerindo, uma vez que o casaco é tão pesado e quente. Eu pensei que você acharia um gesto bonito. E, no entanto, mais uma vez, você é aquela que encontra contexto romântico em tudo que eu digo. - Eu não. Você sabe que não é o que eu quis dizer. Ele balançou a cabeça em simpatia fingida.”

site: http://detudoumpouquino.blogspot.com
comentários(0)comente



Karina 29/09/2014

Resenha: O Feitiço Azul - Série Bloodlines - Livro 3
Autora: Richelle Mead
Editora: Seguinte
Páginas: 416

Sinopse:
A atual missão da alquimista Sydney Sage fez com que ela revisse seus conceitos não só sobre os vampiros, mas também sobre a própria organização à qual pertence, responsável por esconder a existência dessas criaturas do resto da humanidade. Sydney acabou descobrindo um grupo dissidente que tinha muito em comum com os alquimistas, mas objetivos bem mais radicais. Certa de que seus superiores estão guardando segredos sobre essa facção paralela, ela contará com a ajuda do misterioso ex-alquimista Marcus Finch para tentar desvendá-los. Mas isso só será possível se ela conseguir escapar de uma ameaça ainda mais urgente: uma feiticeira cruel que suga a alma de jovens usuárias de magia. Enquanto isso, a garota luta contra os sentimentos cada vez mais fortes pelo rebelde vampiro Adrian Ivashkov. Há tabus e preconceitos milenares arraigados entre as duas raças, que representam um obstáculo enorme para esse relacionamento. Mas Adrian é persistente e é o único em quem ela confia para enfrentar as ameaças que se aproximam. Será que Sydney conseguirá se libertar do seu modo de vida e se render a esse romance?

OPINIÃO DELA:

Neste livro, Sidney se vê questionando seus valores ainda mais. Não só questionando, mas agindo. Depois de descobrir sobre os Guerreiros da Luz e a possibilidade de eles estarem agindo em conjunto com os alquimistas, Sidney não acreditava mais em seus superiores, mas teria que encontrar Marcus Finch (ex-alquimista) para que ele contasse suas experiências e tudo o que sabia para ela.

Ao mesmo tempo Sidney não tem mais como relutar contra usar a magia. Desta vez a magia será sua aliada para salvar a vida das pessoas e sua própria vida quando descobre que uma bruxa muito poderosa andara fazendo muitos estragos e machucando muita gente. E pior, poderia estar atrás dela também. Aliada a sua professora ela terá que praticar magia para se proteger.

Como se não bastasse sua paixão por Adrian só aumenta e o controle de Sidney sobre seus sentimentos diminui, já que passam mais da metade do tempo juntos, trabalhando juntos. Um acaba protegendo o outro... Além de existir o fato de estarem apaixonados , de alguma forma eles se entendem muito bem!

O bom dessa série é que ela não teve baixos até agora, como acontece em muitas. Pelo contrário, ela melhora cada vez mais, parece q ao mesmo tempo que a autora amadurece as ideias, as personagens vão ficando mais fortes e tudo vai ficando mais intenso. Esse livro me conquistou demais e tenho que dar os parabéns para a Richelle Mead por isso! Tem ação, aventura e romance o tempo todo!

Para melhorar é o livro em que Sidney resolve se aceitar... Aceitar agir como ela realmente pensa e não como as pessoas gostariam que ela agisse. Ela aceita seu gosto e habilidade para a magia, vê com seus próprios olhos que tudo que ela pensava sobre os alquimistas não é exatamente verdade e assume que está completamente apaixonada por Adrian. Esse livro amadureceu todos os conflitos internos de Sidney que foram apontados nos livros anteriores, é seu grito de liberdade!

"E, honestamente, eu já tinha perdido tempo demais com dúvidas e jogos. A única coisa que você aprende por ter constantemente a sua vida colocada em perigo é que é melhor você não desperdiçá-la." - Sidney

Nesse livro, as personagens Jill, Eddie e Angeline aparecem bem menos e acredito que fosse mesmo essa a intenção da autora para dar mais foco ao romance de Adrian e Sidney (o que eu adorei e não aguentava mais aquele joguinho chato entre os dois se evitando). Ainda que eles não estejam se agarrando pelos cantos, dá para ver o quanto eles estão mais sensíveis um em relação ao outro, principalmente Sidney. E quem não estava torcendo para que isso acontecesse de uma vez por todas? O Adrian é demais! E a Sidney tornou-se uma heroína digna de meu respeito! Claro que eles precisam ficar juntos, rs. Eu fico me questionando como a autora conseguiu fazer um personagem masculino como o Adrian ser tão viciante sem precisar que ele seja musculoso e badboy. Seja lá o que ela aprontou, conseguiu me viciar nele! Argh!

"- Eu não sei. - Ele colocou um olhar introspectivo que foi inesperado e intrigante. - Você não é tanto uma causa perdida quanto ela. Quer dizer, com ela eu tinha que superar o seu amor profundo e épico com um senhor da guerra russo. Já quanto a você e eu, só tenho que superar centenas de anos de preconceitos profundamente arraigados e um tabu entre as duas raças. Fácil." - Adrian

E o final do livro me deixou com aquela sensação de: E agora??? O que vai acontecer??? Não pode ser!!! Só posso dizer que quero Coração Ardente AGORA! Dessa vez Richelle Mead me convenceu de vez.

site: http://livrofagia.blogspot.com.br/2014/09/resenha-o-feitico-azul.html
comentários(0)comente



Roberta - @apenas.um.trecho 29/07/2014

{Resenha} O Feitiço Azul - Richelle Mead Série Bloodlines #3
Estou esperando o dia em que a Richelle Mead conseguirá me decepcionar, porque estou começando a achar que isso é impossível. Como eu disse na resenha de O Lírio Dourado, a autora sempre segue um mesmo ritmo, e isso faz com que quem já está habituado as suas obras saiba o rumo que a história está tomando, porém mesmo sabendo de tudo isso eu sempre me surpreendo, me divirto e me encanto cada vez mais com a forma que a Richelle escreve.

" Talvez houvesse sim algum perigo em deixá-la dar uma olhada.
- Um pedaço do céu? - consegui perguntar.
- Não - ele respondeu. - Do outro lugar. Onde vou arder por pensar o que estou pensando."

No terceiro volume da série Bloodlines, Sydney está começando a se questionar sobre o que aprendeu durante toda a sua vida. Ela sempre seguiu cegamente os alquimistas, porém os últimos acontecimentos com os Guerreiros da Luz fizeram com que ela passasse a duvidar e por isso ela foi atrás da única pessoa que poderia tirar esse peso das costas dela: Marcus Finch, um ex-alquimista.

"- No máximo, vai contra os princípios alquimistas.
- Os princípios alquimistas são os meus princípios - retruquei rápido.
Ela arqueou uma sobrancelha.
- Ah, é? Eu esperava que seus princípios fossem os seus princípios.
Nunca tinha pensando nesses termos antes, mas, de repente, quis muito que as palavras dela fossem verdade."

Ao mesmo tempo ela precisa ajudar a sua professora a encontrar uma poderosa bruxa que está nos arredores sugando a vitalidade de jovens. Para isso, Sydney terá que enfrentar seus medos e se deixar levar pela magia, pois é a única ferramente que possui para se proteger dessa poderosa feiticeira. Para conseguir enfrentar todos seus problemas Sydney conta com a ajuda do seu galante guerreiro, Adrian, sempre disposto a fazer tudo por ela.

"- Nada vai levar você a lugar nenhum comigo! - exclamei.
- Disso não tenho tanta certeza. - Ele assumiu um ar introspectivo que foi ao mesmo tempo inesperado e intrigante. - Você não é uma causa tão perdida quanto ela. Quer dizer, com Rose eu tinha que superar o amor profundo e épico entre ela e um deus da guerra russo. Nós dois só temos que superar algumas centenas de anos de tabus e preconceitos arraigados entre as nossas raças. Tranquilo."

Posso dizer que O Feitiço Azul se tornou o meu livro favorito da série, até agora, pelo simples fato de o Adrian já ter se declarado para a Sydney e viver importunando ela com indiretas. Sério, as indiretas dele fazem qualquer coração de gelo gargalhar (não é a toa que a Sydney se abalou, não é verdade?).

"- Foi mesmo um acidente - eu disse. - Marcus achou que eu estava lá para raptá-lo.
Adrian, sem ter nada contra a cama, sentou. Então soltou um resmungo de dor, provavelmente por causa do soco no estômago.
- Se alguém como você aparecesse para me raptar, eu deixaria."

Eu ia listar alguns gêneros que se vocês gostasse se interessaria nesse livro, mas, para falar a verdade, eu acho difícil ter alguém que não vá gostar. Porque os livros da Richelle sempre envolvem um pouco de tudo: ação, romance, suspense, ficção... Acredito que seja por isso que sua legião de fãs seja tão grande, com uma habilidade como a dela para escrever mais a quantidade de gêneros presente nos seus livros, é realmente raro alguém ler algo seu e dizer que não gostou. Ao menos eu desafio alguém ler o livro e me dizer que não se divertiu lendo.

"- Sabe, Sage, às vezes acho que sou eu quem precisa de uma ordem de restrição contra você."

site: http://www.apenasumtrecho.com/2014/07/resenha-o-feitico-azul-richelle-mead.html
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



31 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3