A Prisão do Rei

A Prisão do Rei Victoria Aveyard




Resenhas -


532 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |


Queria Estar Lendo 16/04/2017

Resenha: A Prisão do Rei
Terceiro volume da série A Rainha Vermelha, A Prisão do Rei mantém um ritmo monótono em boa parte da trama - e isso não é ruim. A história te prende através da tensão e batalhas épicas, e logo você se vê desesperada pelo volume final.

Mare está presa, sob domínio de Maven. O sombrio rei continua seu reinado de terror contra a Guarda Escarlate, tentando acabar, de uma vez por todas, com a rebelião que se ergue contra o domínio prateado. Ele usa Mare como um peão em seu jogo de poder, enganando o povo e a própria revolução com mentiras e manipulação. Enquanto isso, Mare tenta encontrar as brechas em sua personalidade, fragilidades que poderão ser usadas para destruir o rei prateado. Do outro lado da moeda, a rebelião avança, tomando cidades, derrubando a supremacia dos opressores, e mostrando que seu lema é motivo para pesadelo dos prateados.

"Sou a garota elétrica. Sou a tempestade."

A Prisão do Rei é uma obra complexa, bem diferente da previsibilidade de A Rainha Vermelha e da adrenalina de Espada de Vidro. Esse terceiro volume tem de tudo: intriga política, batalhas épicas e traições inesperadas. Romance, ação e doses de terror. Victoria nos entrega um livro completo, por vezes monótono - mas apenas em cenas em que o clima parado tem justificativa - e em outras recheado de lutas bem descritas e tensão absurda. A jornada da guerra entre vermelhos e prateados se torna mais obscura e perigosa a cada volume, e a promessa de um final feliz, com união e diversidade, é uma ilusão.

"É um rei, mas um garoto também, sozinho num mundo criado por suas próprias mãos."

Mare está na prisão do rei, subjugada aos caprichos de Maven. Sentenciada a usar braceletes silenciadores, para que seus poderes não fritem todos ao seu redor, a prisioneira é a protegida do rei prateado. Maven a ama, mas é um amor sombrio. E quando o livro te explica os motivos para isso, o que fizeram de Maven o monstro que todos o julgam ser, isso te quebra.

A parte mais interessante no desenvolvimento da Mare foi como a Victoria consegue equilibrar a personalidade arisca dela ao fato de ela ter se tornado um peão nesse jogo, usada pelos prateados, mais uma vez. Mare é e sempre será uma das melhores protagonistas que já li; ela não agrada, ela não é polida, ela não se dobra diante de ninguém.

"Os monstros são mais perigosos quando estão assustados."

Ela é a garota elétrica, mas também é uma vermelha que se cansou de ver as injustiças às quais seu povo precisou se curvar. Mare é bruta e perigosa. Em sua prisão, ela está domada pelo silêncio, mas nunca pelo poder. Os embates entre Maven e a garota elétrica são sempre muito impactantes dentro da narrativa, emocional e psicologicamente para os dois.

E então eu falo sobre o meu favorito: Maven Calore, agora rei de Norta. Um monstro, aos olhos de todos. Uma sombra, aos olhos dos leitores. Ele é o tipo de personagem para amar ou odiar, nota-se pelas reações do fandom, mas mesmo em seus momentos mais sombrios, Maven carrega uma escuridão que não vem dele. São traumas e perdas, coisas que ele foi forçado a ter e fazer. Não é justificativa para o que ele faz, mas é uma explicação. Ele não é um monstro em todo o seu ser, ele é um garoto assustado que vê no poder sua salvação. Maven é guiado por isso, por essa ânsia de conquista e de império. Ao lado de Mare, no entanto, é muito mais um rapaz assustado do que qualquer outra coisa.

"Eu também poderia ser um monstro. Se a oportunidade se apresentasse. Se alguém me quebrasse, como Maven foi quebrado."

É interessante como a Victoria mostra isso sem nunca revelar todas as nuances de Maven. Mare o odeia, tem pena dele, quer matá-lo, quer entendê-lo. Não são um ship, não com o potencial que tinham no primeiro livro, mas talvez acabem sendo a salvação um do outro.

Quanto a Cal, argh, eu não queria falar nele. De todos os personagens, o príncipe prateado, traído por seu irmão, arrancado de seu trono, é um dos mais insossos e desinteressantes da série. Não gosto dele, apesar de ele ser bem construído. Não sinto simpatia, compaixão, nada. E algumas decisões que Cal tomou no decorrer do livro me fizeram querer entrar nessa história só pra dar uns tabefes na cara desse egoísta.

Acho o romance dele com a Mare a coisa mais sem graça, sem vontade de viver. Nenhuma cena entre eles despertou qualquer tipo de sentimento em mim além da vontade de dormir. Eles são melhores separados. O amor dos dois não me compra.

"A cidade já era um barril de pólvora. O príncipe de fogo acendeu o pavio e deixou explodir."

Na corte do rei prateado, as coisas não vão tão bem. Ele é um usurpador, afinal de contas, independente de seu irmão ter se aliado à rebelião. Maven não é o rei que todos esperaram por tanto tempo, não foi treinado para isso, ainda que alienado a se tornar o governante. Sem a mãe ao seu lado, novamente, vemos os medos e terrores de Maven enquanto ele luta para sustentar a máscara de crueldade que ergueu com tanto esforço. Pequenos levantes e traições dentro da corte mostram que seu reinado pode estar ameaçado, ao mesmo tempo em que novas alianças se formam para destronar a certeza de que a Guarda Escarlate conseguiria derrubá-lo facilmente.

Do outro lado da moeda temos a rebelião. Em meio a conquistas e perdas, com o avanço dos domínios e do exército de Maven, é chegada a hora de a Guarda Escarlate tomar decisões mais drásticas. A guerra está sobre eles, e cair significa perder tudo pelo que eles se sacrificaram ao longo daqueles anos. Através dos pontos de vista da Cameron, que está ali pela vingança por tudo que foi tirado dela, e também para resgatar o irmão, acompanhamos o avanço da rebelião em meio a alianças e campos de batalha. As batalhas, aliás, que descrições espetaculares! A Victoria tem uma mão para descrever cenas de ação que é difícil explicar. Você se sente imersa dentro da luta, vê cada centímetro dela muito bem detalhado na narrativa. A de Corvium foi uma das melhores que já li na vida!

"- Faça esse maldito lugar queimar."

O detalhe mais legal nisso tudo é como ela deixa claro que nenhum dos lados é 100% correto. Os prateados são cruéis, os vermelhos são vingativos. Uma guerra cujo objetivo é exterminar o outro lado; mesmo com a necessidade de aliança, as coisas não funcionam tão bem. Não quando ambos os lados veem as diferenças entre si. Vermelhos e prateados não podem se unir, mesmo que para construir um governo melhor. Poucos são os que conseguem enxergar essa mudança, e não parecem o suficiente para fazê-la acontecer.

Mesmo os sanguenovos acabam deslocados dentro dessas disputas. Nem um, nem outro, são únicos e temidos e desejados. A corte prateada os que em seu exército particular, a Guarda Escarlate os quer como suas armas indestrutíveis. Dois lados de uma guerra usando aqueles entre eles como balas de canhão.

Personagens coadjuvantes têm seu destaque merecido na obra. A família de Mare, Kilorn, Farley, os comandantes vermelhos e os sanguenovos especiais que aparecem no decorrer da história. Mas a que mais merece ser citada aqui é Evangeline Samos. Uma figura temida, traiçoeira e até então completamente odiada traz consigo um background impecável e surpreendente. De repente eu me vi amando a Evangeline mais do que muitos personagens dos quais já gostava! Ela busca liberdade, mas é fiel e honrada ao poder no nome da sua casa. Uma futura rainha destronada uma vez que quer o poder, mas teme o caminho para alcançá-lo.

"Uma beleza tão simples não tem lugar aqui sem ser corrompida pelo sangue, pela ambição ou pela traição."

A edição da editora Seguinte, como sempre, incrível. Meu único problema é e continuará sendo a bendita lombada do avesso. Fica feio na minha estante, gente, eu tenho TOC com isso!

"- Uma cela é uma cela, não importa como você a decore."

A Prisão do Rei tem uma narrativa impactante e vai agradar todos os fãs da série Rainha Vermelha. Com um final arrasador, do tipo que te deixa de queixo caindo gritando "POR QUÊ?", o livro arrebata desde a primeira página até o fim.
Elen 16/04/2017minha estante
Amei a resenha


Elen 16/04/2017minha estante
Você pensa EXATAMENTE como eu kkk


'duarda 17/04/2017minha estante
mds to muito atrasada com essa série!


Queria Estar Lendo 17/04/2017minha estante
Oi Elen! Ahhh me abraça *--*
Sempre bom compartilhar surtos sobre essas histórias maravilhosas JKASNFASUOSGABAGUOASG


Lu 19/04/2017minha estante
me apaixonei pelo segundo livro e depois dessa resenha to correndo terminar o 3!!!


Thais 24/04/2017minha estante
Com um final arrasador, do tipo que te deixa de queixo caindo gritando "POR QUÊ?"

SIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIM!!!!! Foi exatamente desse jeito que fiquei quando terminei o livro. E eu nem sei o que farei até lançarem o próximo, porque estou relendo esse final infinitas vezes para ver se, como num passe de mágica, ele muda.


Pinhheiro 27/04/2017minha estante
Amei sua resenha , terminei de ler prisão do rei agr e essa foi a primeira resenha que achei que tipo falou meu sentimento por todo o livro , especialmente no final , mas o livro não reixa de ser tao maravilhoso!


Dy 27/06/2017minha estante
O romance da Mare com o Cal me fez desistir no primeiro livro, acho tão sem graça. Mas am o Maven, talvez volte por ele :*.


bobae 02/08/2017minha estante
OBRIGADA! Que resenha maravilhosa. Eu não poderia discordar de nada mais!
Ansiosa é pouco pro que eu estou agora. Preciso do quarto livro jáá.
Obs. Eu adoro o Maven. Ele é aquele personagem mal, mas bom demais para morrer... No fundo, acho que assim como Mare, tenho esperanças que ele possa de algum jeito se tornar aquele rapazinho sem culpa novamente.
E, mano, os finais de todos os livros são, simplesmente, arrasadores! Amo demais as reviravoltas que cada um tem. Amor demais por essa saga, não importa o quanto digam que é uma misturada de Jogos Vorazes e X-men.


giogio 27/02/2020minha estante
Absolutamente TUDO que você falou descreve meus pensamentos e sentimentos. Não discordo de uma só palavra. Resenha perfeita. Tirou as palavras da minha boca e as colocou perfeitamente "no papel".




Karina 12/10/2020

Melhor que o anterior
O livro anterior dessa saga foi muito lento, apenas o final dele me fez ter vontade de continuar a leitura.

Este terceiro livro da série A Rainha Vermelha ainda é lento, mas para mim foi bem mais interessante.

Não consigo odiar o Maven, e este livro explorou um pouco melhor o lado obscuro dele, e os motivos para ele ser do jeito que é.

Confesso que não sei o que esperar para o último livro dessa saga. Me afeiçoei a poucos personagens, mas quero saber o final dessa estória... pelo Maven haha

Tenho maus pressentimentos quanto ao que acontecerá com o Maven no último livro ?
em ð¿ 12/10/2020minha estante
que medoo, eu levei um spoiler ent meio que ja sei o que me espera mas to tentando fingir normalidade aaa


Karina 12/10/2020minha estante
Aaahhh desculpaaa, tem spoiller?? Eu tentei ser o mais genérica possível ?
Mas acho que o próprio nome do livro já dá um spoiller, né?


em ð¿ 12/10/2020minha estante
não foi cntg que recebi o spoiler ksjsjsksk mas sim o nome ja diz mt




Car 20/07/2020

?Numa guerra de sangue contra sangue e poder contra poder, tudo virá abaixo.?

Essa frase estampada na contracapa do livro resume muito bem a obra.

O livro começa a ficar interessante na metade, mas sempre cheio de surpresas que te fazem querer continuar lendo.

Recomendo!!!
Andrei.Coelho 20/07/2020minha estante
Comentário muito bem elaborado!! Irei ler


OtAvio.Moresco 20/07/2020minha estante
Bonito!




ana 13/03/2020

Simplesmente perfeito
A cada livro dessa série eu me apaixono cada vez mais, sem dúvida uma das minhas preferidas. Amei ver o desenvolvimento de outras personagens nesse livro, e também as mudanças de Mare.
@booksvverse 13/03/2020minha estante
essa saga inteira é incrível, mas esse livro, pra mim, atingiu o auge da perfeição.


ana 14/03/2020minha estante
mds simmm, por enquanto é meu fav




natAlia 20/06/2020

Você não está sozinho. - A esperança em seus olhos é dilacerante. - Tem sua coroa.
comentários(0)comente



may 12/05/2020

Esperava mais
Até mais da metade do livro é tão entediante que eu pensei que os pontos altos da história seriam as discussões entre a Mare o Maven.

É uma surpresa e tanto descobrir capítulos narrados pela Evangeline, assim como os da Cameron.

Minhas expectativas com a história estavam altíssimas já que Espada de Vidro foi sensacional, mas só me decepcionei, provavelmente Tempestade de Guerra será melhor que esse, assim espero.
comentários(0)comente



Lanny 25/03/2017

E Finalmente... o romance
Demorou 2 livros, 2 contos e 6 meses na mão do psicopata, mas finalmente podemos dizer que na série A Rainha Vermelha tem um romance. Como podemos chamá-los: Care? Depois de perceber que a dona Victoria Aveyard era péssima em cenas de beijo (já perceberam que ela nunca descreve os carinhos?É apenas "seus lábios colaram nos meus" ou "colei meus lábios aos dele" e nada mais?), fiquei muito surpresa com o relacionamento de Cal e Mare na base. Mais surpresa ainda fiquei de Mare entrar num relacionamento físico com Cal tão ligeiro assim, mas pelo menos deu pra entender melhor porque Cal ama a Mare e vice versa. Até "Espada de Vidro" eu não entendia de onde vinha esse sentimento todo, porque os dois mal se falavam, tinham poucas coisas em comum e divergiam de ideias constantemente. Era mais fácil crer num relacionamento dela com Kilorn do que com o príncipe exilado, mas aqui vemos mais sobre os dois. A força que um empresta ao outro, a confiança, o apoio. Amei todas as cenas dos dois na base, mas em especial a cena em que ele se declara a ela e a cena da luta de treino na arena. Mare pensou que Cal ia pegar leve com ela, não achei que fosse assim. Isso mostra que acima de qualquer coisa ele a respeita e sua força. Na batalha ele não queria que ela se separasse dele,mas depois aceitou que ela saísse de suas vistas e na hora que ela se viu sozinha entre um exército e outro eu fiquei imaginando onde ele estaria que não estava vigiando-a e ele não me decepcionou aparecendo logo para ampará-la. Assim, ele dá o espaço que ela precisa, mas está ao lado dela quando deve.

Por isso eu fiquei chateada com aquele final. Tanto um quanto outro desistiu muito fácil,mas analisando as reviravoltas da cabeça de Mare penso que na próxima vez que ela sentir frio ela vai desejar que ele esteja do lado dela. Ou ainda pode ser que Cal vá atrás dela. Não sei, espero que isso não se arraste pra ser resolvido no final. Apesar de que, a Mare é uma garota estranha, veja...

Odeia Maven por tudo que ele fez a ela, mas toda vez que entende a mente psicopata dele, precisa abafar um sentimento de pena.

Odeia Maven e quer matá-lo, mas quando ele dá uma oportunidade a ela, ela não o faz. Tudo bem que seria assassinato a sangue frio, mas quem liga desde que aquela coisa fosse fazer companhia à mãe?

Ama Cal, mas ainda se ressente por ele não tê-la escolhido lá no início e acha que essas traições ainda podem pesar no relacionamento dos dois. Minha filha, no momento que você voltou e assumiu um relacionamento público com ele se entende que o que passou, passou. Sem essa de ficar remoendo coisa antiga, pelamor.

E vamos falar de Maven...ahhh Maven... o que eu achei interessante no período em que ele aprisionou Mare foi porque todo e qualquer argumento que pessoas favoráveis a ele poderia utilizar foi jogado por terra. Já li resenhas em que fãs do personagem diziam ter esperança ainda por ele, achando que ele foi manipulado pela mãe. Ele mesmo disse que a influência da mãe foi embora, que aquilo tudo é ele. Mas mesmo assim, Cal, muito decente, quer procurar um murmurador vermelho, mais poderoso que Elara, para "consertar" Maven. Hmmpff.... Pensemos... se um murmurador pudesse inserir de volta sentimentos naquele coração de gelo, será que não seria pior para ele? Viver sabendo o que fez para o pai, o irmão e a noiva?

E vamos falar da psicopatia do cara. Quando acusado de tentar matar Mare ele se defende dizendo "Foi só aquela vez". Viu Mare? Foi só uma vez, pode perdoar o cara, tentar te matar uma vez não tem nada de mais, se fosse duas ou mais que seria imperdoável.

E ele insiste em dizer que Cal seria um rei pior que ele. Não sei se isso é apenas mais um traço da doença mental dele ou ele sabe de alguma coisa que a gente não. Espero não ter nenhuma surpresa no último livro. Gosto muito de Cal e não quero que a autora jogue ele debaixo de um trem para salvar essa criatura.

Falando em outros personagens... que menina chata é aquela Cameron? Não estava suportando os capítulos de sua perspectiva. Ela se achava a dona da verdade, melhor que todo mundo e agindo de forma egoísta do mesmo modo que acusava outras pessoas. Afinal, qual era o objetivo único dela? Salvar o irmão. E para isso ela precisava de que? Da Guarda Escarlate. Não é o mesmo que ela acusou Mare de fazer? Pelo menos no final ela ficou mais tragável.

No conto sobre a mãe de Cal, descobrimos que seu pai tinha um amante, o "tio Robert". Quando li, fiquei surpresa com a naturalidade com que as pessoas encaravam esse tipo de relacionamento. Nesse livro, descobrimos outros dois personagens que também tem ou tiveram ligação homossexuais conhecidas por suas famílias e que não fizeram alarde nenhum. Isso me chamou a atenção de que talvez, no universo criado por Victoria o que vale é o amor, não importa de onde venha. E se a pessoa que eu amo tiver que casar com meu irmão pra ficar comigo, tudo bem. Casamentos são apenas contratos que a gente faz pra sobreviver politicamente, depois cada um fica com quem quer, contanto que produzam herdeiros, tá tudo certo.

De forma geral, a trama é bem intricada e eu acredito que ainda haja algumas surpresas no futuro. Ainda quero saber quem é o chefe desse Comando que financia essa guerra.

Depois que foi lançado "Espada de Vidro" fizeram uma imagem assim "Keep Calm e que Farley esteja grávida", eu digo o mesmo agora trocando Farley por Mare. Talvez enfie um pouco de juízo naquela cabeça dura.

Alguém por favor me diz que o próximo é o último? Não aguento essa espera. E se tiver que esperar por mais do que um livro vou ter um treco.

Para terminar só tenho a dizer "Vida longa ao rei Tiberias VII...e sua Rainha Vermelha"

P.S: Eu queria um conto sobre tudo que Cal armou para ter Mare de volta. ter a parte da guarda narrada por Cameron foi um saco, queria saber o que se passava na cabeça dele.
Elza.Siqueira 31/03/2017minha estante
undefined


Nai 04/04/2017minha estante
Finalmente alguém que torce muuito por Cal, as pessoas não estão acostumadas a pessoas gentis, daí mentem o malho no cara! rs. Eu entendo o lado dele, apesar de tudo, ser rei é tudo o que ele foi ensinado a ser, Mare deveria ter paciência, Cal está aprendendo e amadurecendo tmb!

Quanto as cenas de amor, às vezes acho que Victoria não entende nada de romances também, é tudo no seco! ahaha

Preciso comentar que, pelo menos de um livro para o outro, Mare amadureceu bastante e deixou de ser aquela enjoada que só sabia destratar quem a ajudava!


Danny.Silva 04/04/2017minha estante
Me identifiquei em sua Resenha!
Serio, estou lendo e detestando a narrativa da Cameron, ela sem dúvida é bem hipócrita no quesito egoismo e sai por aí culpando todo mundo.
Com relação a relacionamento de Cal e Mare, espero que amadureça mais torço pelos dois, sem sombra de dúvida.
Amo o Cal apesar de muitas pessoas falarem que ele é um personagem cansado, na verdade o que tenho impressão e que muitas autoras estão supervalorizando os vilões e desvalorizando os mocinhos e isso é sem dúvidas cometer um assassinato literário! Espero ter surpresas boas ao terminar de ler esse e espectativas maiores para o próximo!

PS: Achei Mare melhorsinha nesse livro ;)


Lanny 05/04/2017minha estante
"Na verdade o que tenho impressão é que muitas autoras estão supervalorizando os vilões e desvalorizando os mocinhos". Isso. Mas o pior é que não são apenas as autoras, são as pessoas de modo geral. Veja que os outros livros dessa série tem bem mais resenhas que esse, por que? Bom, pode ser porque ele é recém lançado e as pessoas ainda não tiveram tempo para ler, mas eu desconfio que o fato das expectativas da maioria de que Maven se revelaria uma pessoa melhor não deu certo.


Danny.Silva 05/04/2017minha estante
Realmente e por isso mesmo estranho ao ver muitas pessoas torcendo para que ele fique com a Mare.
Ele simplesmente é um perfeito vilão, com traumas, rancores e obsessões e sim pode amar também e acredito que possa ter uma redenção no final...
Mas sair vitorioso e de quebra com a garota é sacanagem.
Mas gosto é gosto não é mesmo? :)
Abraços


Lanny 07/04/2017minha estante
Pena que eu não tenho como curtir seu comentário. Ser capaz de amar, ter uma redenção tudo bem, mas ficar com tudo é sacanagem. DEZ!


Cátia 07/05/2017minha estante
ACHEI O MEU LUGAR... gente eu não entendo como essas pessoas defendem o Maven... se encontrarem a cura pra ele que bom pq deu uma dózinha dele quando ele contou o que a mãe fazia na infância mas mesmo assim não tem sentido ele ficar com a Mare... eu tb espero muito que seja o ultimo livro dessa saga pq eu só li esse pq achei que era o ultimo...Tb senti falta disso da visão do Cal das coisas, não gosto dessa tática das autoras pra manter o triangulo de desvalorizar um personagem, semelhante com que a autora de Estilhaça me fez com o Adam, mas no caso dessa saga fica muito sem nexo sei la...Lendo os comentários de pessoas que apoiam o vilão eu entendo que realmente tem algo muito errado com a sociedade com romantizar a violência e o abuso que Mare sofreu ABSURDOO e diz não gostar do cara que a trata bem fico revoltada.




Amandinha 11/05/2020

CHORANDO com esse final...
O início, na minha opinião, é meio maçante e tals... Os últimos capítulos são TOP DE LINHA! CHOREI
RECOMENDO!!
comentários(0)comente



IsaAlves 25/07/2020

Quando comecei a leitura foi um pouco arrastada, mas depois fui lendo e me prendendo cada vez mais. Amo essa série e alguns personagens moram no meu coração
comentários(0)comente



Laion 02/10/2020

Mistura de sentimentos.
Uma leitura densa, o andamento dos fatos é mais lento e a Mare sofreu muito nesse livro. A autora nos faz sentir os mesmos sentimentos vivenciados por Mare desde o tédio da prisão até a euforia do resgate. Mesmo com os altos e baixos com certeza essa Saga segue sendo perfeita.
comentários(0)comente



Silas Jr 05/02/2020

Resenha publicada no Silas Resenha
Uma jaula silenciosa. Uma guerra lá fora.

Após o desastroso final em Espada de Vidro, a continuação da série A Rainha Vermelha chega em seu terceiro volume e por incrível que pareça deveria ter sido o último livro finalizando a jornada de Mare contra prateados. Um livro cheio de pretensões políticas e com um complexo jogo de xadrez, se perde ao prolongar entregando  elementos que não encaixam no enredo e por consequência dessas falhas torna o livro um grande "pé na cova". 

A Prisão do Rei é um experimento literário que prolonga a experiência do leitor ao entregar páginas previsíveis e que dão sentido do fim. Nas primeiras 300, a autora decidiu colocar o jogo em xeque ao explorar os movimentos de guerra de outros reinos ao passo que expõe as influências dos dois lados dessa guerra sobre reinos vizinhos. Esses pontos são interessantes e louváveis porque Victoria conseguiu elaborar uma trama política palpável e que prende o leitor.

No entanto, o erro de Aveyard é não conseguir encaixar seus personagens nesse tabuleiro dando pouco desenvolvimento a eles, principalmente Mare e Maven que acompanhamos desde o primeiro livro. Em destaque tenho dois personagens que me chamou muito atenção, se trata de Cal e Evangeline. Ambos surpresas agradáveis e que conseguem explorar os outros personagens dando linearidade aos acontecimentos e a maior façanha da autora é colocar capítulos com ponto de vista de Evangeline que resultam em uma impressão maior de Mare.

Maven continua sendo o maior destaque depois de Mare e mesmo com tantos problemas pontuais, são personagens que  gostei de acompanhar e por isso senti falta de capítulos em que eu veja a perspectiva de Maven diante da guerra. Sendo um príncipe que se torna rei e de cara em suas mãos há uma guerra a vencer sua mente fica totalmente perturbada e pressionada quando se trata de derrotar Mare.

O terceiro volume da série poderia ter sido melhor e ser o grande final para a história de Mare se a autora tivesse deixado alguns atos de fora o que claramente remete a necessidade de colocar situações que não combinam com a  guerra. Com A Prisão do Rei o leitor consegue apontar grandes semelhanças com outras sagas e se permite duvidar se vale a pena ler o o livro final. Leiam!

Nota: 3/5
comentários(0)comente



Tamirez | @resenhandosonhos 13/08/2018

A Prisão do Rei
Eu estava com altas expectativas pra esse livro devido aos fatos que tinham acontecido em Espada de Vidro. Eu gostei muito da dinâmica do segundo e de como a história pareceu encorpar, mesmo tendo me decepcionado com o final e a completa semelhança à trilogia a qual essa história já foi inúmeras vezes comparada desde o seu livro inicial. Em A Prisão do Rei meus medos eram: ter uma Mare Barrow muito mimizenta e ter capítulos narrados pelo Cal.

Nenhum desses ponto aconteceu, mas outras coisas acabaram por se tornar aspectos negativos. A primeira delas é a demora de mais de 300 páginas para algo finalmente acontecer. Há uma longa espera aqui pra que a ação nos alcance e o livro realmente engrene. Felizmente algumas coisas se salvam desse período e é possível conhecer bem mais sobre o desenvolvimento político aqui. Temos pela primeira vez uma visão mais ampla dos reinos e da posição de seus governantes sobre o que está acontecendo em Norta e a Guarda Escarlate.

“Somos fios desencapados e máquinas defeituosas, ainda aprendendo sobre nós mesmos e nossas habilidades. Quem sabe o que pode acontecer?”

Isso é muito importante para que a história ganhe mais corpo e não sobreviva apenas dos conflitos pessoais dos três personagens que tomam o centro da trama. Saber o porquê das coisas e os motivos ocultos das coisas que nos foram apresentadas como verdade desde o começo da história. Lakeland, Monfort e Piedmont tem seus papeis um pouco mais explícitos e algumas cartas acabam também por ser expostas na mesa.

O personagem que mais nos ajuda a entender certas coisas é Maven, sendo também aquele que possui mais profundidade e entendimento aqui. Em A Prisão do Rei conseguimos entender melhor o que aconteceu com ele e o que Elara fez em sua cabeça, arrancando lembranças e sentimentos até que moldasse o jovem a ser o que é hoje. Porém, parece que nem ele compreende direito e apesar de entender, não é capaz de saber ao certo o que lhe pertence e o que foi plantado ali pela Rainha mãe. Uma das poucas coisas que o prende e ele sente como real é a ligação com Mare, algo que Elara não conseguiu exterminar.

“Sem querer, sinto saudades de alguém que não existe.”

É essa ligação que vai manter Mare viva e também nos possibilitar ver através dos olhos dela algumas coisas explicativas para a história. Ele a leva para vários lugares, pois não quer perdê-la e não arrisca entregá-la a supervisão total de outra pessoa pois sabe que os prateados estão atrás de sua cabeça.

Outra grande surpresa do livro é Evangeline. Ela e Maven, aliás, são os meus personagens favoritos nesse livro, pra vocês terem uma noção. Ela tem alguns capítulos e é muito interessante conhecer seu ponto de vista. Ela está prometida ao Rei, como exige sua posição, mas há um desconforto palpável em toda a cena em que está, e a curiosidade do leitor em direção à personagem se aguça muito por causa disso.

Mare não teve grande crescimento aqui, mas também não foi a chata que eu achei que seria. Ela se comportou muito bem na posição que lhe foi imposta e tentou o tempo todo buscar opções e se manter lúcida. Outro que se firmou um pouco mais foi Cal, agora como parte real da Guarda Escarlate. Ele foi treinado para ser um estrategista e agora está usando isso em favor da organização, o que está rendendo frutos em manobras bem realizadas e vitórias. Porém, seu potencial ainda é muito desperdiçado e ele soa sempre muito fraco na história. E o desfecho dado ao livro não colaborou nem um pouco pra uma mudança nessa imagem.

O fim chegou já antecipado. Há uma cena específica umas 100/70 páginas antes que alerta o leitor e faz com que já saibamos o que está por vir. Ai, quando acontece, não há surpresa alguma e, como os personagens envolvidos são bem previsíveis, nada do que é imaginado deixa de se concretizar, trazendo um final sem grandes surpresas. Em um livro que demorou 300 páginas pra engrenar e começar a acontecer, isso não é algo positivo.

Além da visão de Mare, os capítulos também são guiados por Cameron, uma sanguenovo que conhecemos no segundo livro e que eu tive que puxar bastante na memória pra me lembrar quem ela era. Por ela não ser muito ativa dentro da Guarda Escarlate perdemos de enxergar melhor dentro da organização. Preferiria muito mais que a Farley tivesse conduzido e que tivéssemos em algum momento algumas visões de Maven também. Iria ser incrível habitar a cabeça perturbada do personagem.

A Prisão do Rei foi o livro mais fraco até o momento na minha opinião. Há muita lentidão, podia certamente ser mais dinâmico, há pouco desenvolvimento de história – apesar de ampliar o mundo e nossa visão -, e não se mantém um clima durante a leitura. Há picos e momentos onde a trama é simplesmente atirada no leitor sem um escalonamento de tensão, fazendo certas coisas soarem bem abruptas, como o ato final.

Confesso pra vocês que para o livro final as expectativas baixaram um pouco, o que parece aumentar o peso que a conclusão da série vai ter. A Rainha Vermelha e Espada de Vidro foram livros que eu defendi fortemente e também combati as comparações, mesmo tendo lido a trilogia Grisha e encontrando algumas coisas (principalmente a cena final do segundo). Mas agora o que eu realmente preciso, e acho que todos os leitores aqui, é um final fantástico, para apagar todos os altos e baixos e termos mais um motivo para defender a história de Victoria Aveyard.

site: http://resenhandosonhos.com/prisao-rei-victoria-aveyard/
joYce 13/08/2018minha estante
falou tudo o que eu pensei!!!!
Evangeline??




Carol.Macario 30/08/2020

Extremamente arrastado
As primeiras 300 páginas foram arrastadas, cansativas, chatas, nada aconteceu. Só não abandonei o livro pois se trata de uma série.
Espero que o 4° e último seja igual aos dois primeiros...
comentários(0)comente



spoiler visualizar
comentários(0)comente



Thaís 20/04/2020

Prisão do rei
Não achei o livro muito emocionante em relação aos livros anteriores que compõem a saga, porém foi o livro que as relações afetivas ficaram mais explícitas dando um melhor entendimento do triângulo amoroso e isso foi o que me conquistou.
comentários(0)comente



532 encontrados | exibindo 1 a 15
1 | 2 | 3 | 4 | 5 | 6 | 7 |